‘Ela’, de Spike Jonze, fatura o National Board of Review 2013

Joaquin Phoenix no futurista Ela, de Spike Jonze, que faturou o National Board of Review (photo by www.cine.gr)

Joaquin Phoenix no futurista Ela, de Spike Jonze, que faturou o National Board of Review (photo by http://www.cine.gr)

Como já foi dito no post anterior, se depender da quantidade de filmes candidatos ao Oscar, 10 indicados a Melhor Filme pode ser pouco para a demanda. Logo depois de Trapaça conquistar o New York Film Critics Circle (NYFCC), o novo filme de Spike Jonze, Ela (Her), vence as duas principais categorias: Filme e Diretor.

Até ontem, o filme era considerado um dos vários candidatos em potencial, mas nenhuma unanimidade, tanto que seu burburinho mais alto até então era a polêmica vitória de Scarlett Johansson como Melhor Atriz no Festival de Roma. Explico: a trama de Ela se passa num futuro hi-tech, no qual o escritor Theodore (Joaquin Phoenix) desenvolve um sentimento pela voz feminina de seu sistema operacional, feita por Johansson.

Li alguns artigos a respeito da “polêmica” e o problema parece ser premiar uma interpretação em que o ator não surge na tela. Não acredito que a origem da discussão seja Scarlett Johansson, pois se a crítica tem elogiado, ela deve ter conseguido criar profundidade e humanismo apenas com suas cordas vocais. Mesmo que fosse a voz de Meryl Streep, haveria uma polemicazinha, afinal, não existe a cultura de reconhecer trabalhos de interpretação vocal nas grandes premiações.

Scarlett Johansson ao lado do diretor Spike Jonze no último Festival de Roma (photo by )

Scarlett Johansson ao lado do diretor Spike Jonze no último Festival de Roma (photo by Vittorio Zunino Celotto/Getty Images)

Atualmente, existem apenas prêmios específicos para trabalhos de dublagem como o Voice Acting no Annie Awards. No Oscar, já houve tentativas fracassadas de incluírem dublagens nas categorias de atuação. Robin Williams como o Gênio em Aladdin (1992), e mais recentemente, Ellen DeGeneres como a Dori de Procurando Nemo (2003) geraram debates sobre suas inclusões como indicados à estaueta. Curiosamente, o Oscar já foi concedido às performances quase sem nenhum diálogo como Marlee Matlin em Filhos do Silêncio (1986) e no ano passado para Jean Dujardin em O Artista.

No final de novembro, foi anunciado que a voz de Scarlett era inelegível para concorrer ao Globo de Ouro, mas ela ainda pode disputar na categoria de atriz coadjuvante por seu papel em Como Não Perder Essa Mulher. Sem divulgar as razões, a Hollywood Foreign Press Association simplesmente vetou, mas até agora, poderá concorrer no SAG Awards e até no Oscar (quem diria!). Mas, convenhamos, as chances são quase nulas diante do conservadorismo da Academia.

Felizmente, os prêmios de críticos não têm dessas firulas. E também não há preconceitos com gêneros como ficção científica. O filme de Spike Jonze faz um interessante estudo sobre o futuro próximo enquanto nos tenta contar algo sobre o nosso tempo. Formado na escola de videoclipes, o diretor tem uma necessidade constante de inovação na linguagem e estrutura narrativa. Foi assim com Quero Ser John Malkovich (1999), Adaptação (2002) e Onde Vivem os Monstros (2009). Seu prêmio de Melhor Diretor serve como ótimo estímulo para que ele continue amadurecendo e se reinventando, algo essencial para a sobrevivência do Cinema.

Ao contrário dos demais prêmios de críticos, o National Board of Review também cria listas de top 10 e top 5 que permitem maior visibilidade de outros filmes não-premiados. Os favoritos ao Oscar estão lá:

– 12 Years a Slave
– Fruitvale Station: A Última Parada (Fruitvale Station)
– Gravidade (Gravity)
– Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum (Inside Llewyn Davis)
– Lone Survivor
– Nebraska
– Os Suspeitos (Prisoners)
– Walt nos Bastidores de Mary Poppins (Saving Mr. Banks)
– A Vida Secreta de Walter Mitty (The Secret Life of Walter Mitty)
– O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street)

Tratado como zebra, o filme Lone Survivor, de Peter Berg, pode continuar surpreendendo até o anúncio das indicações ao Oscar (photo by www.elfilm.com)

Tratado como zebra, o filme Lone Survivor, de Peter Berg, pode continuar surpreendendo até o anúncio das indicações ao Oscar (photo by http://www.elfilm.com)

Esse bônus também favorece algumas produções estrangeiras, que podem nem ter sido qualificadas para a categoria de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar.

Além das Montanhas (Dupa Dealuri), de Cristian Mungiu – ROMÊNIA
Gloria (idem), de Sebastián Lelio – CHILE
The Grandmaster (Yi dai zong shi), de Wong Kar-Wai – HONG KONG
Seqüestro (Kapringen), de Tobias Lindholm – DINAMARCA
A Caça (Jagten), de Thomas Vinterberg – DINAMARCA

A produção dinamarquesa Sequestro pode não representar o país no Oscar, mas recebe reconhecimento dos críticos (photo by www.elfilm.com)

A produção dinamarquesa Sequestro pode não representar o país no Oscar, mas recebe reconhecimento dos críticos (photo by http://www.elfilm.com)

Entre as categorias de atuação, nenhum dos premiados do NYFCC voltou nessa lista, comprovando que não há favoritismos até o momento. Bruce Dern e Will Forte foram premiados ator e coadjuvante, respectivamente, pelo novo filme de Alexander Payne, Nebraska. Dern, que já havia vencido o prêmio de interpretação masculina em Cannes, renova suas chances no Oscar, tornando-o uma figurinha praticamente carimbada.

Vencedora do Oscar de Atriz por Retorno a Hoawards End, a inglesa Emma Thompson pode ter seu retorno triunfal no tapete vermelho graças ao filme Walt nos Bastidores de Mary Poppins, onde ela faz a autora do livro que deu origem ao filme musical. Depois de sua última indicação ao Oscar em 1996 por Razão e Sensibilidade, Thompson se tornou uma coadjuvante de luxo em grandes produções como a série Harry Potter e protagonizou filmes infantis como Nanny McPhee – A Babá Encantada.

Emma Thompson como a autora P.L. Travers em Walt nos Bastidores de Mary Poppins (photo by www.cine.gr)

Emma Thompson como a autora P.L. Travers em Walt nos Bastidores de Mary Poppins (photo by http://www.cine.gr)

Vencedora do Oscar de coadjuvante por Histórias Cruzadas, Octavia Spencer pode conquistar sua segunda indicação pelo drama Fruitvale Station: A Última Parada, que ainda conquistou mais dois prêmios: Diretor Estreante para Ryan Coogler e Revelação para Michael B. Jordan.

Ainda nas categorias de atuação, o Melhor Elenco foi para Os Suspeitos, de Denis Villeneuve. Hugh Jackman, Jake Gyllenhaal, Viola Davis, Terrence Howard, Melissa Leo e Paul Dano formam um elenco respeitável, porém alguns papéis não sustentam uma indicação como coadjuvante no Oscar.

Fechando, o iraniano Asghar Farhadi conquista o prêmio de Filme Estrangeiro, enquanto O Vento Está Soprando e Stories We Tell ganharam mais um prêmio de Animação e Documentário, respectivamente, e caminham fortalecidos para o Los Angeles Film Critics Association Awards (LAFCA), que divulgará sua lista no próximo dia 08.

Confira lista completa dos vencedores:

MELHOR FILME: Ela (Her)

MELHOR DIRETOR: Spike Jonze (Ela)

MELHOR ATOR: Bruce Dern (Nebraska)

MELHOR ATRIZ: Emma Thompson (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Will Forte (Nebraska)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Octavia Spencer (Fruitvale Station: A Última Parada)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL: Joel Coen e Ethan Coen (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO: Terence Winter (O Lobo de Wall Street)

MELHOR ANIMAÇÃO: O Vento Está Soprando, de Hayao Miyazaki

ATOR REVELAÇÃO: Michael B. Jordan (Fruitvale Station: A Última Parada)

ATRIZ REVELAÇÃO: Adèle Exarchopoulos (Azul é a Cor Mais Quente)

MELHOR DIRETOR ESTREANTE: Ryan Coogler (Fruitvale Station: A Última Parada)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO: The Past, de Asghar Farhadi

MELHOR DOCUMENTÁRIO: Stories We Tell, de Sarah Polley

PRÊMIO William K. Everson Film History: George Stevens, Jr.

MELHOR ELENCO: Os Suspeitos (Prisoners), de Denis Villeneuve

Spotlight Award: Colaboração de carreira entre Martin Scorsese e Leonardo DiCaprio

PRÊMIO NBR Freedom of Expression: O Sonho de Wadjda, de Haifaa Al-Mansour

PRÊMIO Creative Innovation in Filmmaking: Gravidade, de Alfonso Cuarón

Top 10 Filmes (em ordem alfabética):

12 Years a Slave, Fruitvale Station: A Última Parada, Gravidade, Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum, Lone Survivor, Nebraska, Os Suspeitos, Walt nos Bastidores de Mary Poppins, A Vida Secreta de Walter Mitty, O Lobo de Wall Street

Top 5 Filmes Estrangeiros (em ordem alfabética):

– Além das Montanhas
– Gloria
– The Grandmaster
– O Seqüestro
– A Caça

Top 5 Documentários (em ordem alfabética):

– 20 Feet from Stardom
– O Ato de Matar
– After Tiller
– Casting By
– The Square

Top 10 Filmes Independentes (em ordem alfabética):

– Ain’t Them Bodies Saints
– Dallas Buyers Club
– In a World…
– Mother of George
– Muito Barulho por Nada (Much Ado About Nothing)
– Amor Bandido (Mud)
– O Lugar Onde Tudo Termina (The Place Beyond the Pines)
– Short Term 12
– Sightseers
– The Spectacular Now

O simpático e comovente Muito Barulho por Nada foi bem lembrado pelo NBR (photo by www.elfilm.com)

O simpático e comovente Muito Barulho por Nada foi bem lembrado pelo NBR (photo by http://www.elfilm.com)

Anúncios

‘O Som ao Redor’ representará o Brasil no Oscar 2014! Confira representantes de outros países

Cena de O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho

Cena de O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho

Nesta sexta-feira, dia 20 de setembro, o Ministério da Cultura anunciou a escolha de O Som ao Redor, Kleber Mendonça Filho como representante do Brasil para concorrer a uma das 5 cobiçadas vagas do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

A seleção do filme representa mais do que uma vitória para o diretor, uma vez que, no início do ano, ele abriu uma discussão contra o diretor-executivo da Globo Filmes, Cadu Rodrigues, com a seguinte declaração: “A Globo Filmes faz mal à idéia de cultura no Brasil, atrofia o conceito de diversidade no cinema brasileiro e adestra um público cada vez mais dopado para reagir a um cinema institucional e morto”. Entre os 13 derrotados, estavam três produções da Globo Filmes: Faroeste Caboclo, Gonzaga: De Pai para Filho e O Tempo e o Vento.

Confira os 14 filmes que participaram da votação:

Faroeste Caboclo, de Rene Sampaio: a melhor aposta da Globo Filmes perdeu

Faroeste Caboclo, de René Sampaio: a melhor aposta da Globo Filmes perdeu

1) Cine Holliúdy
2) Colegas
3) Cores
4) Elena
5) Faroeste Caboclo
6) Gonzaga: De Pai para Filho
7) Meu Pé de Laranja Lima
8) O Dia que Durou 21 Anos
9) O Que se Move
10) O Som ao Redor
11) O Tempo e o Vento
12) Porto dos Mortos
13) Uma História de Amor e Fúria
14) Xico Stokinger

Existe uma espécie de abismo entre produções caras da Globo Filmes e as várias independentes, que costumam ficar em cartaz de uma a duas semanas em São Paulo, tanto em relação ao orçamento e divulgação, quanto à qualidade fílmica. Apesar da declaração de Kléber, um crítico de cinema que estreou como diretor, ser um pouco radical, tem sua pertinência no cenário cultural do país. Como boa parte dos filmes da Globo se assemelham a telefilmes ou até novelas (tecnicamente inferior e roteiros ralos), ele quis fazer um apelo para que haja mais diversidade.

Embora não tenha uma bilheteria de sucesso, O Som ao Redor (ou Neighbouring Sounds, como é conhecido fora do país) tinha um trunfo na manga: a crítica internacional. Foi premiado na Mostra Internacional de São Paulo de 2012, no Festival de Nova York 2013, no Festival de Roterdã de 2012 e foi considerado um dos 10 melhores filmes de 2012 pelo jornal The New York Times.

Pôster internacional de O Som ao Redor (photo by www.diversita.blog.br)

Pôster internacional de O Som ao Redor (photo by http://www.diversita.blog.br)

Segundo a distribuidora, Vitrine Filmes, o longa foi lançado em onze países até o momento. No Brasil, entrou em cartaz no dia 4 de janeiro deste ano e foi assistido por 100 mil pessoas nos cinemas, número que pode se multiplicar se resolverem relançar o filme.

Além disso, trata-se de uma produção pernambucana que foge da ponte Rio-São Paulo e discute a questão da insegurança numa comunidade em Recife com a contratação de uma empresa de segurança privada. Vale a pena dar uma olhada e ver que o Cinema nacional pode surpreender com uma perspectiva diferenciada sem perder seu poder de crítica social. Confira o trailer abaixo:

“Essa indicação sempre traz mais visibilidade ao filme. É muito cedo para dizer se vai ganhar ou se chegará a ser escolhido [como um dos finalistas da categoria de melhor filme de língua estrangeira]. Eu nunca fico esperando um prêmio, mas muita coisa boa aconteceu com esse filme. Eu não descartaria essa possibilidade [de vencer o Oscar]”, disse Kleber Mendonça Filho ao jornal Folha de S. Paulo.

“Acho que ‘O Som ao Redor’ é um filme muito pessoal, relativamente pequeno, que teve uma repercussão muito grande aqui e também fora do Brasil, então eu fico tranquilo. Se acontecer, beleza. Eu achava que fosse um filme quase paroquial, local, mas foi a partir de Roterdã [o filme ganhou o prêmio da crítica internacional no festival, em 2012] que entendi que o filme parecia ter um caráter universal.”

O diretor pernambucano Kleber Mendonça Filho (photo by www.posfacio.com.br)

O diretor pernambucano Kleber Mendonça Filho (photo by http://www.posfacio.com.br)

Se O Som ao Redor se tornar um dos 5 finalistas, esta será a quinta indicação do Brasil na categoria de Filme Estrangeiro. As outras quatro foram em: 1999 com Central do Brasil, 1998 com O Que é Isso, Companheiro?, 1996 com O Quatrilho e em 1963 com O Pagador de Promessas.

O Brasil esteve entre os indicados também quando Cidade de Deus conquistou 4 nomeações: Melhor Diretor, Roteiro Adaptado, Montagem e Fotografia em 2004. Mesmo não se tratando de produções brasileiras, vale lembrar também o Oscar de Canção Original para Diários de Motocicleta, de Walter Salles, e Oscar de Melhor Ator para William Hurt por O Beijo da Mulher Aranha em 1986, do diretor argentino radicado no Brasil Hector Babenco.

Mas quais as chances de O Som ao Redor conquistar essa vaga? Claro que isso não dependerá apenas da qualidade do filme, mas da divulgação e da promoção em solo americano. Como já ganhou alguns prêmios, pode haver um pouco mais de facilidade para atrair o público e os votantes da Academia. Porém, vale a pena ressaltar que a concorrência está crescendo e se formando.

O representante romeno, Child’s Pose, venceu o Urso de Ouro, e o chileno Gloria foi reconhecido por alguns prêmios no último Festival de Berlim e sua atriz, Paulina García recebeu o prêmio de performance feminina. Já o mexicano Heli, rendeu o prêmio de Direção para Amat Escalante no Festival de Cannes, que também indicou o holandês Borgman para a Palma de Ouro. Aliás, uma pena: Blue is the Warmest Color, de Abdellatif Kechiche, que ganhou a Palma de Ouro esse ano não poderá representar a França por uma bobagem de data de estréia permitida no regulamento da Academia…

Outro país que perde muito devido ao regulamento arcaico da Academia de escolher apenas um representante por nação é a Espanha. Tudo bem que a comédia Amantes Passageiros teria poucas chances de figurar na lista de indicados, mas por Almodóvar ter muito prestígio na Academia (ele venceu dois Oscars), alguns consideraram sua ausência um ultraje. Além disso, ele já foi preterido na seleção pelo ótimo A Pele que Habito em 2011.

Nomes consagrados do Cinema merecem destaque: o chinês Wong Kar-Wai representará Taiwan por The Grandmaster, que abriu o Festival de Berlim. Trata-se de uma excelente oportunidade da Academia poder premiar um dos maiores diretores da atualidade (claro que levando em consideração que o filme seja bom também, e não apenas pela “grife”); o mestre polonês Andrzej Wajda volta a concorrer o prêmio por Walesa (lembrando que os votantes judeus adoram filmes poloneses); Vencedor do Oscar de Filme Estrangeiro por Terra de Ninguém em 2002, Danis Tanovic pode voltar ao tapete vermelho por An Episode in the Life of an Iron Picker; Outro diretor que tem grandes chances de retornar é o iraniano Asghar Farhadi (vencedor do Oscar por A Separação) com o filme The Past, que rendeu o prêmio de atriz para a bela Bérénice Bejo.

Meu favorito da lista até o momento é o representante da Dinamarca: A Caça (Jagten), de Thomas Vinterberg. A trama gira em torno de um professor de uma creche, que se torna vítima de uma acusação de abuso sexual infantil e tem sua vida destruída. A produção já possui um dos melhores históricos em premiações: foi indicado ao BAFTA de Melhor Filme em Língua Estrangeira, à Palma de Ouro em Cannes, de onde saiu com o prêmio de melhor ator para Mads Mikkelsen (em ótima performance).

Confira os representantes do países:

AFEGANISTÃO: Wajma (An Afghan Love Story), de Barmak Akram
ÁFRICA DO SUL: Four Corners, de Ian Gabriel
ALBÂNIA: Agon, de Robert Budina
ALEMANHA: Two Lives, de Georg Maas
ARÁBIA SAUDITA: O Sonho de Wadjda, de Haifaa Al Mansour
ARGENTINA: Wakolda, de Lucía Puenzo
AUSTRÁLIA: The Rocket, de Kim Mordaunt
ÁUSTRIA: The Wall, de Julian Polsler
AZERBAIJÃO: Steppe Man, de Shamil Aliyev
BANGLADESH: Television, de Mostofa Sarwar Farooki
BÉLGICA: Broken Circle Breakdown, de Felix Van Groeningen
BÓSNIA E HERZEGOVINA: An Episode in the Life of an Iron Picker, de Danis Tanovic
BRASIL: O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho
BULGÁRIA: The Colour of the Chameleon, de Emil Hristov
CAMBOJA: The Missing Picture, de Rithy Panh
CANADÁ: Gabrielle, de Louise Archambault
CAZAQUISTÃO: The Old Man, de Ermek Tursunov
CHADE: GriGris, de Mahamat-Saleh Haroun
CHILE: Gloria, de Sebastián Lelio
CHINA: Back to 1942, de Feng Xiaogang
COLÔMBIA: La Playa DC, de Juan Andrés Arango Garcia
CORÉIA DO SUL: Juvenile Offender, de Kang Yi-kwan
CROÁCIA: Halima’s Path, de Arsen A. Ostojic
DINAMARCA: A Caça (Jagten), de Thomas Vinterberg
EGITO: Winter of Discontent, de Ibrahim El-Batout
EQUADOR: Porcelain Horse, Javier Andrade
ESLOVÁQUIA: My Dog Killer, de Mira Fornay
ESLOVÊNIA: Class Enemy, de Rok Biček
ESPANHA: 15 Years Plus a Day, de Gracia Querejeta
ESTÔNIA: Free Range, de Veiko Õunpuu
FRANÇA: Renoir, de Gilles Bourdos
FILIPINAS: Transit, de Hannah Espia
FINLÂNDIA: Disciple, de Ulrika Bengts
GEÓRGIA: In Bloom, de Nana Ekvtimishvili e Simon Gros
GRÃ-BRETANHA: Metro Manila, de Sean Ellis
GRÉCIA: Boy Eating the Bird’s Food, de Ektoras Lygizos
HOLANDA: Borgman, de Alex van Warmerdam
HONG KONG: The Grandmaster, de Wong Kar-wai
HUNGÁRIA: The Notebook, de Janosz Szasz
ÍNDIA: The Good Road, de Gyan Correa
INDONÉSIA: Sang Kiai, de Rako Prijanto
IRÃ: The Past, de Asghar Farhadi
ISLÂNDIA: Of Horses and Men, de Benedikt Erlingsson
ISRAEL: Bethlehem, de Yuval Adler
ITÁLIA: The Great Beauty, de Paolo Sorrentino
JAPÃO: The Great Passage, de Ishii Yûya
LETÔNIA: Mother I Love You, de Janis Nords
LÍBANO: Ghadi, de Amin Dora
LITUÂNIA: Conversations on Serious Topics, de Giedre Beinoriute
LUXEMBURGO: Blind Spot, de Christophe Wagner
MARROCOS: God’s Horses, de Nabil Ayouch
MÉXICO: Heli, de Amat Escalante
MOLDÁVIA: All God’s Children, de Adrian Popovici
MONTENEGRO: Bad Destiny, de Draska Djurovic
NEPAL: Soongava: Dance of the Orchids, de Subarna Thapa
NORUEGA: I Am Yours, de Iram Haq
NOVA ZELÂNDIA: White Lies, de Dana Rotberg
PALESTINA: Omar, de Hany Abu-Assad
PAQUISTÃO: Zinda Bhaag, de Meenu Gaur e Farjad Nabi
PERU: The Cleaner, de Adrian Saba
POLÔNIA: Walesa, de Andrzej Wajda
PORTUGAL: Lines of Wellington, de Valeria Sarmiento
REINO UNIDO: Metro Manila, de Sean Ellis
REPÚBLICA DOMINICANA: Who’s the Boss?, de Ronni Castillo
REPÚBLICA TCHECA: Burning Bush, de Agnieszka Holland
ROMÊNIA: Child’s Pose, de Calin Peter Netzer
RÚSSIA: Stalingrad, de Fedor Bondarchuk
SÉRVIA: Circles, de Srdan Golubovic
SINGAPURA: Ilo Ilo, de Anthony Chen
SUÉCIA: Eat Sleep Die, de Gabriela Pichler
SUÍÇA: More Than Honey, de Markus Imhoof
TAILÂNDIA: Countdown, de Nattawut Poonpiriya
TAIWAN: Soul, de Chung Mong-Hong
TURQUIA: The Butterfly’s Dream, de Yilmaz Erdogan
UCRÂNIA: Paradjanov, de Serge Avedikian e Olena Fetisova
URUGUAI: Anina, de Alfredo Soderguit
VENEZUELA: Breach in the Silence, de Luis Rodríguez e Andrés Rodríguez

O vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro de 2013 foi o austríaco Amor, de Michael Haneke. As indicações ao Oscar 2014 serão divulgadas no dia 16 de janeiro.

Cena do representante holandês Borgman (photo by www.OutNow.CH)

Cena do representante holandês Borgman (photo by http://www.OutNow.CH)

63º Festival de Berlim (2013)

Pôster da 63ª edição do Festival de Berlim nas ruas da cidade (photo by http://www.cp24.com)

Pôster da 63ª edição do Festival de Berlim nas ruas da cidade (photo by http://www.cp24.com)

O Festival de Berlim tem um histórico de seleções oficiais que prioriza filmes com teor mais político. Claro que não se tratam de roteiros envolvendo politicagens, mas tudo que esteja relacionado mesmo que indiretamente. Um claro exemplo dessa preferência foi a vitória do iraniano A Separação, de Asghar Farhadi, em 2011. O filme trata de uma briga familiar causado por filosofias políticas distintas que podem explicar a situação atual da sociedade iraniana.

Entre os grandes vencedores do Urso de Ouro, temos clássicos como O Salário do Medo, de Henri-Georges Clouzot, 12 Homens e uma Sentença, de Sidney Lumet, e A Noite, de Michelangelo Antonioni. E clássicos modernos como Além da Linha Vermelha, de Terrence Malick, e Domingo Sangrento, de Paul Greengrass.

Entre os grandes festivais internacionais, Berlim talvez seja o mais democrático de todos, pois reconhece a qualidade sem ficar preso a nomes consagrados como costuma fazer o Festival de Cannes. E o Brasil já se beneficiou dessa democracia em duas oportunidades: Central do Brasil, de Walter Salles, e Tropa de Elite, de José Padilha, duas produções que oferecem perspectivas diferentes do mesmo país, levaram o Urso de Ouro em 1998 e 2008, respectivamente.

Este ano, a tarefa de garimpar entre os 19 selecionados foi concedida ao cineasta chinês Wong Kar-Wai. Em seu currículo invejável constam títulos notáveis como Felizes Juntos, Amores Expressos e um dos melhores filmes das últimas décadas, Amor à Flor da Pele. Seu mais novo filme, The Grandmaster, que conta a história do mestre de artes marciais Ip Man que treinou Bruce Lee, abrirá o festival, contudo, por razões óbvias, fora de competição.

Ele preside o júri composto por grandes nomes: a diretora dinamarquesa Susanne Bier, o ator norte-americano Tim Robbins, o diretor alemão Andreas Dresen, a diretora de fotografia Ellen Kuras, a diretora e vídeo-artista iraniana Shirin Neshat, e a produtora grega Athina Rachel Tsangari.

The Grandmaster, de Wong Kar-Wai (photo by www.berlinale.de)

The Grandmaster, de Wong Kar-Wai (photo by http://www.berlinale.de)

Confira lista dos indicados ao Urso de Ouro 2013:

A Long and Happy Life, de Boris Khlebnikov
An Episode in the Life of an Iron Picker, de Danis Tanovic
Camille Claudel 1915, de Bruno Dumont
Child’s Pose, de Calin Peter Netzer
Closed Curtain, de Jafar Panahi, Camboziya Partovi
Gloria, de Sebastián Lelio
Gold, de Thomas Arslan
Harmony Lessons, de Emir Baigazin
In the Name Of, de Malgorzata Szumowska
Layla Fourie, de Pia Marais
Nobody’s Daughter Haewon, de Sang-soo Hong
On My Way, de Emmanuelle Bercot
Paradise: Hope, de Ulrich Seidl
Prince Avalanche, de David Gordon Green
Promised Land, de Gus Van Sant
Side Effects, de Steven Soderbergh
The Necessary Death of Charlie Countryman, de Frederick Bond
The Nun, de Guillaume Nicloux
Vic + Flo Saw a Bear, de Denis Côté

Alguns filmes foram selecionados, mas não competirão pelo Urso de Ouro:

 Before Midnight, de Richard Linklater
√ Dark Blood, de George Sluizer
Night Train to Lisbon, de Bille August
The Croods, de Chris Sanders, Kirk De Micco
The Grandmaster, de Wong Kar-Wai

Um dos fatos mais curiosos desta 63ª edição de Berlim é a presença do filme Dark Blood, de George Sluizer. No elenco, temos Jonathan Pryce, Judy Davis e River Phoenix. River Phoenix?! Sim, o falecido ator. Ele morreu onze dias antes do término das filmagens em 1993. O diretor resolveu comprar o material bruto e finalizar a pós-produção. Independente do resultado final, já vale a pena conferir pelo talento que River Phoenix era. Foi considerado o novo James Dean dos anos 80.

River Phoenix em Dark Blood (photo by www.berlinale.de)

River Phoenix em Dark Blood (photo by http://www.berlinale.de)

Quanto à seleção oficial, algumas mídias publicaram algo como “Steven Soderbergh e Gus Van Sant salvam Berlim”. Ok, ambos possuem currículos invejáveis e foram reconhecidos pela Academia com um Oscar e indicação, respectivamente, mas discordo do tom que desvaloriza os demais selecionados. Na verdade, existe uma teoria de que o filme de Soderbergh, Side Effects, e de Van Sant, Promised Land, só foram selecionados para que os astros de Hollywood marquem presença no tapete vermelho alemão: Jude Law, Rooney Mara, Channing Tatum, Catherine Zeta-Jones e Matt Damon.

Na seleção oficial, também temos ótimos cineastas como Danis Tanovic, Bruno Dumont e Sang-soo Hong. O primeiro, que ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro por Terra de Ninguém em 2002, veio para São Paulo em 2005 para promover seu filme O Inferno e sua extrema simpatia na Mostra Internacional de Cinema. Além disso, o Festival de Berlim tem uma tradição de selecionar trabalhos de cineastas estreantes na tentativa de buscar novas visões do cinema mundial.

An Episode of an Iron Picker, de Danis Tanovic (photo by http://www.berlinale.de/)

An Episode in the Life of an Iron Picker, de Danis Tanovic (photo by http://www.berlinale.de/)

Apesar da presença dos hollywoodianos, a expectativa de premiação gira em torno de atrizes européias veteranas como Juliette Binoche, Catherine Deneuve e Isabelle Huppert, que estrelam produções separadamente.

Outra surpresa agradável é o retorno de Jafar Panahi aos festivais. Em março de 2010, o diretor foi preso por autoridades iranianas depois que descobriram que seu documentário levantava suspeitas de  fraudes na reeleição do presidente Mahmud Ahmadinejad em 2009. Foi sentenciado a prisão domiciliar e teoricamente, não poderia filmar por dez anos.

Muito conhecido por suas críticas sociais, Panahi se firmou como um dos grandes representantes do cinema iraniano com filmes como O Balão Branco e O Círculo, que além de revelarem a situação de seu país, influenciaram outros diretores como Walter Salles. Por esses motivos, seu novo trabalho, Closed Curtain, tem alta expectativa por parte da crítica e do público presente em Berlim.

Novo trabalho do diretor Jafar Panahi, Closed Curtain (photo by http://www.berlinale.de/)

Novo trabalho do diretor Jafar Panahi, Closed Curtain (photo by http://www.berlinale.de/)

O Urso de Ouro Honorário homenageará o documentarista francês Claude Lanzmann. Seu filme mais conhecido, Shoah (1985), entrou para a história do Cinema ao destrinchar o genocídio de judeus através de entrevistas (de sobreviventes a agressores), visitas aos locais do extermínio, e sem a utilização de imagens de arquivo (muito comuns em documentários sobre o Holocausto). Shoah ocupa a 29ª posição da lista dos melhores filmes de todos os tempos da revista britânica Sight & Sound, e tem nove horas e meia de duração. Confira lista completa dos 50 filmes aqui: https://cinemaoscareafins.wordpress.com/2012/08/03/vertigo-quebra-hegemonia-de-cidadao-kane/

Claude Lanzmann receberá homenagem pela carreira (photo by digitalproductionme.com)

Claude Lanzmann receberá homenagem pela carreira (photo by digitalproductionme.com)

O Festival de Berlim começou no dia 07 de fevereiro e termina no dia 17, quando serão anunciados os vencedores.