Documentário italiano ‘Fire at Sea’ leva o Urso de Ouro em Berlim

Fire at Sea

Cena do documentário Fire at Sea, de Gianfranco Rosi (photo by outnow.ch)

TEMA DA IMIGRAÇÃO EUROPÉIA CHEGA AO FESTIVAL MAIS POLÍTICO DE TODOS

No meio da correria do Oscar, o Festival de Berlim anunciou seus vencedores. Em tempos de crise imigratória e xenofobia nas manchetes internacionais, o documentário sobre o tema se mostrou quase uma unanimidade no festival. O filme acompanha a trajetória de imigrantes refugiados de seus países por motivos de guerra, violência e necessidade financeira.

O documentário foca nas jornadas sacrificantes de incontáveis imigrantes oriundos do continente africano, asiático e Oriente Médio até esta ilha italiana chamada Lampedusa. “Nesse momento, tive que pensar em todas aquelas pessoas que não conseguiram sobreviver até chegar a Lampedusa,” ressaltou o diretor Gianfranco Rosi em discurso de agradecimento. “Lampedusa é um lugar generoso. É um reduto de pescadores, e eles sempre abrem seus braços para aqueles que vêm do mar.”

Nesta 66ª edição, a presidente do júri foi ninguém menos do que Meryl Streep. Ela liderou um júri formado por mais sete profissionais, tendo como único pacto “deixar a mente aberta”, ou seja, não ser influenciado pela mídia. Não sei se foi possível atenderem a esse pedido pela pressão que vem dos noticiários diariamente, mas por enquanto, acredito que o documentário foi premiado por suas habilidades de retratar um momento tão triste e desolador da História contemporânea.

O Urso de Prata foi para o drama bósnio de Danis Tanovic, Death in Sarajevo, no qual um hotel hospeda uma delegação de diplomacia internacional, e sua repercussão da equipe de serviço e dos demais hóspedes. Apesar do diretor Tanovic ser frequentador de festivais internacionais, ficou conhecido pelo Oscar de Filme em Língua Estrangeira por Terra de Ninguém em 2002.

E ao contrário do que acontece no Oscar, em Berlim, uma mulher foi coroada melhor diretora. A francesa Mia Hansen-Løve ganhou o prêmio pelo drama Things to Come, protagonizado pela veterana Isabelle Huppert como uma professora de filosofia que precisa lidar com a morte da mãe, sua demissão e com a traição do marido.

Cena de Things to Come, com Isabelle Huppert (photo by outnow.ch)

Cena de Things to Come, com Isabelle Huppert (photo by outnow.ch)

Nas categorias de atuação, a dinamarquesa Trine Dyrholm levou como Melhor Atriz por The Commune, sob a direção de Thomas Vinterberg, que já havia trabalhado antes no icônico filme do Dogma 95, Festa de Família. Já na ala masculina, o estreante Majd Mastoura faturou o prêmio de Ator pelo drama tunisiano Hedi, que também levou o prêmio de Filme de Estréia.

Vencedora de Melhor Atriz por The Commune, Trine Dyrholm (photo by antenna.gr)

Vencedora de Melhor Atriz por The Commune, Trine Dyrholm (photo by antenna.gr)

Concedido para produções inovadoras, o prêmio Alfred Bauer deste ano foi para o filipino Lav Diaz. Seu filme, intitulado A Lullaby to the Sorrowful Mystery, tem a duração light de oito horas. Sim, 485 minutos de puro entretenimento! A sessão teria iniciado às 9h30 da manhã e terminado às 19h, com direito a um intervalo de uma hora! A trama do filme se passa no século XIX, quando estava ocorrendo a revolução das Filipinas contra a Espanha, com destaque para a figura de Andres Bonifacio. A produtora Bianca Balbuena agradeceu à comissão do festival, que permitiu sua inclusão na competição sem impôr qualquer tipo de corte.

A bela fotografia PB do filme A Lullaby to the Sorrowful Mystery, de oito horas. (photo by outnow.ch)

A bela fotografia PB do filme A Lullaby to the Sorrowful Mystery, de oito horas. (photo by outnow.ch)

Embora a presidente do júri seja um ícone hollywoodiano (Streep), não houve qualquer premiação para as produções estreladas por hollywoodianos como o filme Genius, com Colin Firth e Jude Law; ou Alone in Berlin, com Emma Thompson e Brendan Gleeson; ou Midnight Special, novo filme de Jeff Nichols protagonizado por Michael Shannon e Joel Egerton.

Seguem os vencedores da 66ª edição do Festival de Veneza:

URSO DE OURO
Fire At Sea
Dir: Gianfranco Rosi

URSO DE PRATA GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
Death in Sarajevo
Dir: Danis Tanović

PRÊMIO ALFRED BAUER para filme que abre novas perspectivas
A Lullaby To The Sorrowful Mystery
Dir: Lav Diaz

MELHOR DIRETOR
Mia Hansen-Løve (Things To Come)

MELHOR ATRIZ
Trine Dyrholm (The Commune)

MELHOR ATOR
Majd Mastoura (Hedi)

Vencedor de Melhor Ator, Majd Mastoura por Hedi (photo by rbb-online.de)

Vencedor de Melhor Ator, Majd Mastoura por Hedi (photo by rbb-online.de)

MELHOR ROTEIRO
Tomasz Wasilewski (United States Of Love)

PRÊMIO DE CONTRIBUIÇÃO ARTÍSTICA
Mark Lee Ping-Bing pela fotografia de Crosscurrent

MELHOR FILME DE ESTRÉIA
Hedi (Inhebbek Hedi)
Dir: Mohamed Ben Attia

URSO DE OURO DE CURTA-METRAGEM
Balada De Um Batráquio
Dir: Leonor Teles

URSO DE PRATA PRÊMIO DO JÚRI DE CURTA-METRAGEM

A Man Returned
Dir: Mahdi Fleifel

PRÊMIO AUDIO DE CURTA-METRAGEM
Jin Zhi Xia Mao
Dir: Chiang Wei Liang

Anúncios

Indicados ao 64º Festival de Berlim (2014)

64º Festival de Berlim

64º Festival de Berlim

DEPOIS DE SEIS ANOS, UM REPRESENTANTE BRASILEIRO RETORNA A BERLIM

Com a alta temporada de premiação em Hollywood, acho que os organizadores do Festival de Berlim deveriam repensar seu calendário para que o evento alemão não fique de escanteio na mídia. Particularmente, eu sugeriria uma mudança para o mês de Julho ou Agosto.

Como nesses meses costumam lançar os típicos filmes do verão americano, o Festival de Berlim serviria como um ótimo alento para os cinéfilos que buscam produções com mais conteúdo. Mas enfim, se um dia essa sugestão chegar aos ouvidos dos responsáveis, espero que considerem essa alteração.

Este ano, entre os indicados, finalmente um brasileiro. O quinto longa de Karim Aïnouz, Praia do Futuro, estrelado por Wagner Moura, competirá pela seleção oficial, fato que não ocorria desde 2008, quando Tropa de Elite venceu o prestigioso Urso de Ouro. Filmado em Fortaleza e na Alemanha, a produção manterá seu título em português mesmo em outros países, ao contrário do que aconteceu com O Céu de Suely, que se tornou Love for Sale. “Quem votou mais pela manutenção do título em português foi o agente de vendas do filme, que é alemão. É uma questão de afirmação cultural, de manter a marca da língua portuguesa e do Brasil no mundo”, declarou o diretor em entrevista ao jornal O Globo. Ao contrário do Oscar, o Festival de Berlim já premiou o Brasil em duas oportunidades. Além de Tropa, Central do Brasil levou o Urso de Ouro.

Da esquerda à direita: Clemens Schick, Karim Ainouz e Wagner Moura (photo by cinemascope.com)

Da esquerda à direita: Jesuita Barbosa, Karim Ainouz e Wagner Moura (photo by cinemascope.com.br)

Já na seção Panorama, dois filmes brasileiros concorrem pelo prêmio. Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, de Daniel Ribeiro, e O Homem das Multidões, de Marcelo Gomes e Cao Guimarães. Embora não se trate da competição principal, demostra que o Cinema Brasileiro ainda possui versatilidades e alternativas ao cinema comercial da Globo Filmes. Mas voltando à seleção oficial, como a maioria sabe, o Festival de Berlim procura filmes com vertentes políticas, sejam abordagens mais diretas como O Povo Contra Larry Flynt, ou indiretas como o iraniano A Separação, então os concorrentes que trabalharam melhor esse viés, terão mais chances de se destacar na premiação, que deve ocorrer no dia 16 de fevereiro.

james schamusO júri deste ano é presidido pelo produtor James Schamus, que ficou conhecido por sua colaboração com o diretor Ang Lee, seja como produtor em O Segredo de Brokeback Mountain e Banquete de Casamento, ou como roteirista em Tempestade de Gelo e Desejo e Perigo. Acompanhando Schamus no júri estão: a produtora de James Bond, Barbara Broccoli, o diretor Michel Gondry (Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças), o ator Tony Leung (Amor à Flor da Pele), a atriz americana recém-indicada ao Globo de Ouro Greta Gerwig (Frances Ha), o vencedor de 2 Oscars de coadjuvante Christoph Waltz (Django Livre), a atriz dinamarquesa Trine Dyrholm (O Amante da Rainha) e a documentarista iraniana Mitra Farahani.

Entre os 15 concorrentes, destaca-se a presença do versátil diretor americano Richard Linklater com Boyhood, estrelado por Ethan Hawke. Juntamente com a atriz Julie Delpy, eles acabam de receber uma indicação ao Oscar pelo roteiro original de Antes da Meia-Noite. Por ter começado a trabalhar no filme desde 2002, o filme desperta a curiosidade de incontáveis cinéfilos. Porém, não houve atraso algum no cronograma. Linklater tinha a estratégia de acompanhar o crescimento do jovem ator Ellar Coltrane, dos 6 aos 17 anos. Contudo, o mais curioso é que as filmagens não acabaram e uma nova versão com mais cenas deve ser exibida em outro festival de peso como Cannes, afirmou o ator Ethan Hawke.

O jovem ator Ellar Coltrane é acompanhado em várias fases da vida em Boyhood (photo by ww.hollywoodreporter.com)

O jovem ator Ellar Coltrane é acompanhado em várias fases da vida em Boyhood (photo by ww.hollywoodreporter.com)

É curiosa a presença na lista do diretor Christophe Gans, mais conhecido por seu filme de ação de época O Pacto dos Lobos. Ele volta a trabalhar com uma trama de suspense/terror em produção de época em A Bela e a Fera. Vale destacar o impecável trabalho de direção de arte de Thierry Flamand, e o peso dos atores Vincent Cassel e a bela Léa Seydoux, que está em alta depois do sucesso de Azul é a Cor Mais Quente.

A reconstrução de época de A Bela e a Fera (photo by www.outnow.ch)

A reconstrução de época de A Bela e a Fera (photo by http://www.outnow.ch)

Como a nova Bela, Léa Seydoux traz um erotismo natural ao filme de Christophe Gans (photo by outnow.ch)

Como a nova Bela, Léa Seydoux traz um erotismo natural ao filme de Christophe Gans (photo by outnow.ch)

Confira a lista de indicados ao Urso de Ouro:

Bai Ri Yan Huo (Black Coal, Thin Ice), de Yinan Diao – CHINA

Boyhood, de Richard Linklater – EUA

Chiisai Ouchi (The Little House), de Yoji Yamada – JAPÃO

Historia del miedo (History of Fear), de Benjamin Naishat – ARGENTINA/URUGUAI/ALEMANHA/FRANÇA

Jack, de Edward Berger – ALEMANHA

Kraftidioten (In Order of Disappearance), de Hans Petter Moland – NORUEGA

Kreuzweg (Stations of the Cross), de Dietrich Brüggemann – ALEMANHA

La belle et la bête (Beauty and the Beast), de Christophe Gans – FRANÇA/ALEMANHA

La tercera orilla (The Third Side of the River), de Celina Murga – ARGENTINA/ALEMANHA/HOLANDA

La voie de l‘ennemi (Two Men in Town), de Rachid Bouchareb – FRANÇA/ARGÉLIA/EUA/BÉLGICA

Macondo, de Sudabeh Mortezai – ÁUSTRIA

Praia do Futuro, de Karim Aïnouz – BRASIL/ALEMANHA

Tui Na (Blind Massage), de Ye Lou – CHINA

Wu Ren Qu (No Man’s Land), de Hao Ning – CHINA

Zwischen Welten (Inbetween Worlds), de Feo Aladag – ALEMANHA