Rapidinhas de Cannes – Parte 2

A atriz Kristin Scott Thomas e o diretor Nicolas Winding Refn em coletiva do filme Only God Forgives em Cannes 2013

A atriz Kristin Scott Thomas e o diretor Nicolas Winding Refn em coletiva do filme Only God Forgives em Cannes 2013

Ok, estamos entrando na reta final do Festival de Cannes. Alguns filmes foram vaiados na exibição e devem ter suas chances reduzidas ao mínimo. Porém, vale ressaltar que nem sempre vaias significam que a qualidade do filme está abaixo da média, mas que dividiram o público, como foi o caso do polêmico A Árvore da Vida, de Terrence Malick, que acabou levando a Palma de Ouro em 2011.

No caso do novo trabalho do diretor dinamarquês Nicolas Winding Refn, Only God Forgives, resumidamente se tratou de um excesso de expectativas. O sucesso de Drive (prêmio de direção de Cannes 2011) comprovou que era possível realizar um filme de ação inteligente e com estilo, mas nem sempre o repeteco agrada. Assim como em Drive, temos um submundo do crime como cenário, personagens frios e cenas de violência extrema.

Na entrevista, Nicolas teria dado duas justificativas. A artística seria: “… grande arte — coisa horrível de se dizer — mas arte foi feita para dividir, porque senão não penetra, e se não penetra, você apenas a consome.” E a pessoal seria: “Não sou fã de filmes de pancadaria, mas estava passando por um período existencialista com a gravidez da minha mulher, que teve nossa segunda filha. Estava raivoso e agressivo sem explicação. Achei que era culpa de Deus. Como não conseguia canalizar esses sentimentos, fiz o filme”. Entretanto, a maioria da crítica presente em Cannes não ligou para a explicação do diretor. Um crítico do site Hollywood Elsewhere, por exemplo, soltou uma sentença mais cruel em relação ao filme: “…temos um diretor misericordioso que acha que qualquer coisa que ele caga vale o nosso tempo”.

Já na exibição do japonês Wara no Tate (Shield of Straw), digamos que foi um caso à parte, porque o diretor Takashi Miike já tem alguns parafusos soltos, o que o torna automaticamente uma incógnita em festivais. Seu maior sucesso foi um filme “para toda a família”: Itchi the Killer (2001), uma história de máfia japonesa que tem como centro um assassino psicótico reprimido que explora o sadomasoquismo. Obviamente sua escolha pelos organizadores do festival se apóia no nome do diretor e, quem sabe, causar certas controvérsias que possam destacar o evento nas mídias.

Wara no Tate, um dos únicos vaiados este ano em Cannes (photo by www.outnow.ch)

Wara no Tate, um dos únicos vaiados este ano em Cannes (photo by http://www.outnow.ch)

Contudo, o tiro saiu pela culatra. Wara no Tate acabou sendo vaiado por se assemelhar a um típico filme de ação hollywoodiano, gênero que sempre foi um pesadelo nessa roda de autores. “Eu acho que o cinema japonês perdeu a capacidade de fazer cenas espetaculares, então decidi me desafiar a fazer um filme de ação”, justificou Takashi Miike, que ainda foi duramente criticado por furos grotescos no roteiro policial. Apesar de não haver elementos do grotesco que costumam preencher seus filmes, este trabalho tem um mote inicial interessante, baseado no livro de Kazuhiro Kiuchi, no qual policiais têm a missão de transferir um assassino de uma menina para a prisão, mas sofrem pressão pela proposta financeira irrecusável do avô dela para matá-lo no trajeto.

Infelizmente, não tenho como opinar ainda sobre os filmes vaiados em questão, mas compartilho da perspectiva de Nicolas Winding Refn a respeito da unanimidade artística. Prefiro um cineasta que faça um filme ruim, mas que tentou realizar algo inovador, do que um bom filme que preencherá a massa da mesmice.

Infelizmente, os novos filmes de Asghar Farhadi, Le Passé (The Past), e de James Gray, The Immigrant, não agradaram a crítica. Enquanto o primeiro foi criticado pela repetição sem a mesma força da fórmula que deu certo em A Separação (vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro pelo Irã), o segundo apresentou um triângulo amoroso ingênuo que de certa forma desperdiça o talento do elenco formado por Joaquin Phoenix, Jeremy Renner e a musa Marion Cotillard.

Deixando as decepções de lado, a exibição de Behind the Candelabra foi um momento que pode entrar para a história, pois pode ser o último filme de Steven Soderbergh, pelo menos a ser lançado nos cinemas. Cansado de discutir com os grandes estúdios, que inclusive recusaram esse projeto por acharem “gay demais”, o diretor declarou sua aposentadoria precoce desse sistema hollywoodiano. “Se for meu último filme, saio orgulhoso do cinema”, revelou Soderbergh.

Michael Douglas literalmente brilha em Behind the Candelabra ao lado de Matt Damon. Chances no Oscar 2014?

Michael Douglas literalmente brilha em Behind the Candelabra ao lado de Matt Damon. Chances no Oscar 2014?

O filme que trata do caso de amor subversivo entre o pianista Lee Liberace e Scott Thorson, jovem 40 anos mais novo, foi bastante aplaudido pelo público, especialmente o nome de seu protagonista, Michael Douglas, o que lhe devolveu a auto-estima que perdeu ao longo dos anos e após a cura milagrosa do câncer na garganta que teve em 2012. “Vou agradecer eternamente a Steven (Soderbergh) e Matt (Damon)”, declarou um comovido Douglas. Com essas vitórias na tela e na vida pessoal, o ator pode ser lembrado pelo júri de Cannes e até ganhar um fôlego para o Oscar 2014.

Outro que já abre caminho para o prêmio da Academia é o diretor Alexander Payne, que retorna ao festival, pelo qual foi previamente indicado por As Confissões de Schmidt em 2002. Seu road movie intimista, Nebraska, que tem como personagem central um idoso que atravessa o país para exigir uma premiação de um milhão de dólares lembra o filme de David Lynch, A História Real (1999), no qual Richard Farnsworth atravessa os Estados Unidos de trator para reencontrar o irmão.

Bruce Dern e Will Forte em Nebraska, de Alexander Payne, um dos favoritos à Palma de Ouro (photo by www.outnow.ch)

Bruce Dern e Will Forte em Nebraska, de Alexander Payne, um dos favoritos à Palma de Ouro (photo by http://www.outnow.ch)

Payne, que já ganhou 2 Oscars de roteiro adaptado, tem ótima reputação também como diretor de atores. Em sua curta carreira, já foi responsável pelas indicações ao Oscar de Jack Nicholson e Kathy Bates (por As Confissões de Schmidt), Thomas Haden Church e Virginia Madsen (por Sideways – Entre Umas e Outras), e George Clooney (por Os Descendentes). Com Nebraska, ele resgata um ícone há muito sumido: o ator veterano Bruce Dern, considerado uma grande promessa dos anos 70 e 80 que não vingou. Antes mesmo do filme ser exibido em Cannes, Dern já contava com um burburinho forte para uma indicação ao Oscar 214, que seria a sua segunda depois de Melhor Ator Coadjuvante pelo drama Amargo Regresso (1978).

Já o concorrente francês com mais chances é um com cenas bem calientes e praticamente explícitas, o filme La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color), de Abdellatif Kechiche, aborda um caso de amor entre duas garotas. Jocelyne (Adèle Exarchopoulos, que arrancou elogios da crítica por sua coragem e entrega ao papel) é uma adolescente de 15 anos que seguia sua heterossexualidade até o dia em que grudou os olhos numa garota de cabelos azuis chamada Emma (a bela Léa Seydoux). Através dessa paixão relâmpago, ela passa a amadurecer como como mulher e como pessoa adulta.

Comparado a Stanley Kubrick por seu perfeccionismo nos enquadramentos milimétricos e nos incontáveis takes das filmagens (exaurindo as forças do elenco e da equipe à procura do 100% ideal), o diretor tunisiano Abdellatif Kechiche conquistou alguns prêmios no Festival de Veneza com os aclamados O Segredo do Grão (2007) e Vênus Negra (2010). Desta vez, ele tenta a sorte em Cannes e tem grandes chances na categoria de atuação feminina.

Blue is the Warmest Color: talvez seja quente demais para um conservador como Spielberg

Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux em Blue is the Warmest Color: talvez seja quente demais para um conservador como Spielberg (photo by http://www.outnow.ch)

Correndo por fora, o novo filme do italiano Paolo Sorrentino pode surpreender. Em sua quinta indicação à Palma de Ouro (sendo a última em 2011 pelo drama Aqui é o Meu Lugar com um Sean Penn à la Robert Smith do The Cure), o diretor teve seu filme aplaudido três vezes, tornando-o um forte concorrente na disputa. Ousado, La Grande Bellezza tece críticas à elite italiana, seja nos campos político, religioso, econômico e intelectual através de personagens que refletem figuras reais e dos diálogos afiados, lembrando a coragem de Federico Fellini em seus filmes-devaneio.

Embora La Grande Bellezza tenha um excesso de narrativa e peripécias técnicas, na hora de eleger o vencedor, o histórico de Sorrentino no festival pode contar muito a favor. Em suas cinco participações, só levou o Prêmio do Júri por Il Divo em 2008, que também chegou a concorrer pelo Oscar de Melhor Maquiagem.

Cena de La Grande Bellezza, de Paolo Sorrentino (photo by www.outnow.ch)

Cena de La Grande Bellezza, de Paolo Sorrentino (photo by http://www.outnow.ch)

Ainda faltam alguns filmes de autores consagrados como La Vénus à la Fourrure, de Roman Polanski, e Only Lovers Left Alive, de Jim Jarmusch, serem exibidos para que a seleção dos vencedores possa chegar à decisão derradeira do júri, que ocorre neste domingo, dia 26.

Particularmente, acredito que Steven Spielberg vai manter sua pose de bom mocinho e escolher filmes mais comportados. E Nebraska, de Alexander Payne, tem um potencial enorme se levarmos em conta sua história de relação entre pai e filho no coração da América. Os irmãos Coen podem ser compensados pelo prêmio de ator para Oscar Isaacs (Inside Llewyn Davis), enquanto muitos duvidam que a atriz Adèle Exarchopoulos (La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color)) possa ser reconhecida como interpretação feminina por Spielberg, o puritano. Vamos torcer para que sim…

Anúncios

Indicados à Palma de Ouro de Cannes 2013

Pôster do Festival de Cannes 2013, estrelado pelo casal hollywoodiano Paul Newman e Joanne Woodward

Pôster do Festival de Cannes 2013, estrelado pelo casal hollywoodiano Paul Newman e Joanne Woodward

Foi dada a largada do maior festival de cinema do mundo com o anúncio dos filmes indicados ao mais cobiçado prêmio: a Palma de Ouro. É importante destacar que o elo entre Cannes e o Oscar, outrora frio e distante, está numa crescente. Em 2011, o vencedor do prêmio de interpretação masculina, O Artista, acabou levando 5 Oscars incluindo Melhor Filme. Já neste ano,  além da produção franco-austríaca Amor, vencedora da Palma de Ouro, ter vencido o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, outros filmes que participaram das seleções de Cannes como Moonrise Kingdom e Indomável Sonhadora conquistaram indicações ao prêmio da Academia.

Essa ponte entre o Festival de Cannes, que ocorre em maio, e o Oscar, em fevereiro, tem sido benéfica para ambos. Enquanto os realizadores selecionados na França podem ambicionar vôos mais altos e comerciais com um possível reconhecimento nos EUA, o fato da lista de indicados ao Oscar terem esse “pedigree” de sucesso oriundo de Cannes eleva o patamar de qualidade da Academia, que já sofreu muitas críticas por valorizarem demais produções que se deram bem nas bilheterias sem levar muito em consideração a veia artística do filme.

O presidente do júri: Steven Spielberg (photo by goodfellasmovie.blogspot.com)

O presidente do júri: Steven Spielberg (photo by goodfellasmovie.blogspot.com)

Este ano, o presidente do júri de Cannes, Steven Spielberg, contará com uma seleção bem eclética que vai de nomes consagrados como os irmãos Coen e Roman Polanski (que já venceram a Palma de Ouro com Barton Fink – Delírios de Hollywood e O Pianista, respectivamente) até realizadores desconhecidos do cenário internacional como o espanhol Amat Escalante e italiana Valeria Bruni Tedeschi, atriz que já trabalhou com outro indicado este ano, o francês François Ozon, e o próprio Spielberg em Munique (2005).

Normalmente, os presidentes do júri evitam conceder a Palma às produções de seu país a fim de não criar polêmicas na divulgação dos premiados no encerramento, como o compatriota Quentin Tarantino já fez duas vezes. Em 2004, ele premiou o documentarista americano Michael Moore por Fahrenheit 11 de Setembro, e ficou marcado por ter dado explicações de sua escolha pela primeira vez na história do festival. Já em 2010, como presidente do Festival de Veneza, concedeu o Leão de Ouro à americana e ex-namorada Sofia Coppola por Um Lugar Qualquer. Ok, pode acontecer, afinal o sistema não é como futebol, no qual os árbitros não são do mesmo país ou estado dos times em campo, mas os reclamantes defendem que havia escolhas mais interessantes em competição.

Segue a lista dos indicados à Palma de Ouro, lembrando que no decorrer do evento, cerca de três filmes são inclusos na competição oficial:

Palma de Ouro

Palma de Ouro

PALMA DE OURO

O Grande Gatsby (The Great Gatsby), de Baz Luhrmann (FILME DE ABERTURA)

Un Château en Italie, de Valeria Bruni-Tedeschi
Inside Llewyn Davis, de Ethan Coen e Joel Coen
Michael Kohlhaas, de Arnaud del Pallières
Jimmy P. (Psychotherapy of Plains Indian), de Arnaud Desplechin
Heli, de Amat Escalante
Le Passé (The Past), de Asghar Farhadi
The Immigrant, de James Gray
Grigris, de Mahamat-Saleh Haroun
Tian Zhu Ding (A Touch of Sin), de Jia Zhanke
Soshite Chichi ni Naru (Like Father, Like Son), de Kore-eda Hirokazu
La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color), de Abdellatif Kechiche
Wara no Tate (Shield of Straw), de Takashi Miike
Jeune et Jolie (Young and Beautiful), de François Ozon
Nebraska, de Alexander Payne
La Vénus à la Fourrure, de Roman Polanski
Behind the Candelabra, de Steven Soderbergh
La Grande Bellezza (The Great Beauty), de Paolo Sorrentino
Borgman, de Alex van Warmerdam
Only God Forgives, de Nicolas Winding Refn

Zulu, de Jérôme Salle (FILME DE ENCERRAMENTO)

Independente dos vencedores, já vale conferir novos trabalhos de diretores de visão singular como os japoneses Takashi Miike e Kore-eda Hirokazu, o chinês Jia Zhang Ke (que sabe retratar como ninguém as transformações da China na globalização), o dinamarquês Nicolas Winding Refn, que ganhou o prêmio de direção com Drive, e o italiano Paolo Sorrentino, que está em ascensão.

Particularmente, fiquei feliz com a indicação de Alexander Payne por Nebraska. O diretor é um dos poucos americanos que sabem conciliar sua veia comercial ao lado de estrelas como George Clooney e Jack Nicholson com uma perspectiva bastante humana. Para este novo projeto Nebraska, havia rumores de que o ator Robert Duvall assumiria o papel de protagonista aos 82 anos, mas outro veterano conquistou o papel principal: Bruce Dern, 76, pai da atriz Laura Dern. Ele foi considerado uma das grandes promessas no campo da atuação na década de 70, chegando a ser indicado ao Oscar de coadjuvante por Amargo Regresso, mas não vingou em Hollywood.

Claro que não tem como não mencionar o novo filme de Steven Soderbergh, afinal, o diretor tem sérios planos de parar de fazer filmes para lançamento em salas de cinema, muito em razão da covardia dos grandes estúdios de Hollywood. Numa entrevista, Soderbergh revelou que o filme foi planejado para lançamento em cinema, mas acabou indo para o ar pelo canal HBO porque os estúdios alegaram que a história era “muito gay”. “Ninguém queria fazer. Fomos atrás de todo mundo na cidade. Todos disseram que era muito gay. E isso veio depois de O Segredo de Brokeback Mountain(!), que nem é engraçado como esse filme. Fiquei chocado. Não fez nenhum sentido para nós.” Behind the Candelabra conta o caso de amor verídico entre o músico Liberace (Michael Douglas) e o bem mais jovem Scott (Matt Damon).

Michael Douglas e Matt Damon já caracterizados em Behind the Candelabra, de Steven Soderbergh: "Gay demais"? (photo by www.cine.gr)

Michael Douglas e Matt Damon já caracterizados em Behind the Candelabra, de Steven Soderbergh: “Gay demais”? (photo by http://www.cine.gr)

Além dessa polêmica, com a indicação de Behind the Candelabra, o Festival de Cannes garante a presença de estrelas hollywoodianas no tapete vermelho. Além dos já citados Michael Douglas e Matt Damon, a veterana Debbie Reynolds (do musical Cantando na Chuva), Dan Aykroyd e Rob Lowe podem comparecer ao evento. Já Leonardo DiCaprio, Tobey Maguire e Carey Mulligan devem marcar presença pela nova adaptação de O Grande Gatsby, de Baz Luhrmann, ainda mais que o filme abrirá o festival. Mulligan ainda compete pelo novo filme dos irmãos Coen, Inside Llewyn Davis, que conta também com Justin Timberlake e John Goodman. E ainda estão convidados Ryan Gosling e Kristin Scott Thomas pelo novo filme de Nicolas Winding Refn, Only God Forgives, que aborda uma vingança no submundo do crime em Bangkok.

Carey Mulligan e Justin Timberlake em Inside Llewyn Davis

Carey Mulligan e Justin Timberlake em Inside Llewyn Davis (photo by http://www.elfilm.com)

Apesar de contar também com a presença das estrelas Joaquin Phoenix, Jeremy Renner e Marion Cotillard, vale a pena ficar atento ao novo filme James Gray, The Immigrant (Lowlife). Embora seja relativamente jovem, o diretor tem chamado atenção por seu trabalho com o elenco, tendo valorizado o potencial de Joaquin Phoenix através dos filmes Os Donos da Noite (2007) e Amantes (2008). Talvez um dos prêmios de atuação saia deste filme.

Joaquin Phoenix e Marion Cotillard em The Immigrant, de James Gray (photo by www.elfilm.com

Joaquin Phoenix e Marion Cotillard em The Immigrant, de James Gray (photo by http://www.elfilm.com

E pra fechar, a indicação de Le Passé (The Past) possibilita o público de conferir o primeiro filme do iraniano Asghar Farhadi depois do sucesso de A Separação (vencedor do Urso de Ouro e o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro) numa produção em língua francesa, dirigindo a atriz Bérènice Bejo (de O Artista).

Bérènice Bejo em Le Passé (The Past), do iraniano Asghar Farhadi (photo by www.cineimage.ch)

Bérènice Bejo em Le Passé (The Past), do iraniano Asghar Farhadi (photo by http://www.cineimage.ch)

O Festival de Cannes também oferece outras seleções, sendo a mais instigante a Mostra Un Certain Regard, que visa buscar um olhar inovador que reflita os problemas dos tempos atuais. Em 2012, o mexicano Depois de Lúcia se sagrou vencedor dessa competição ao questionar a eficiência do sistema educacional (confira post sobre o filme em https://cinemaoscareafins.wordpress.com/2013/03/24/depois-de-lucia-despues-de-lucia-de-michel-franco-2012/).

Seleção Un Certain Regard

Seleção Un Certain Regard

UN CERTAIN REGARD (Um Certo Olhar):

The Bling Ring, de Sofia Coppola
Omar, de Hany Abu-Assad
Death March, de Adolfo Alix Jr.
Fruitvale, de Ryan Coogler
Les Salauds, de Claire Denis
Norte, Hangganan Ng Kasaysayan (Norte, the End of History), de Lav Diaz
As I Lay Dying, de James Franco
Miele, de Valeria Golino
L’Inconnu du Lac, de Alain Guiraudie
Bends, de Flora Lau
L’Image Manquante, de Rithy Panh
La Jaula de Oro, de Diego Quemada-Diez
Sarah Préfère la Course (Sarah Would Rather Run), de Chloé Robichaud
Grand Central, de Rebecca Zlotowski

FORA DE COMPETIÇÃO

All is Lost, de J.C. Chandor
Blood Ties, de Guillaume Canet

Resumidamente, vale destacar a forte presença de Sofia Coppola com o filme pop The Bling Ring, sobre uma gangue real de jovens de classe média alta roubando casas de celebridades em Beverly Hills. Coppola apostou suas fichas na jovem Emma Watson, da extinta cinessérie Harry Potter, que comprova que cresceu uma bela atriz.

Emma Watson (à dir.) em cena de The Bling Ring (photo by OutNow.CH)

Emma Watson (à dir.) em cena de The Bling Ring (photo by OutNow.CH)

Os atores James Franco e Valeria Golino foram selecionados por trabalhos na direção, denotando uma forte tendência de novos diretores oriundos da escola de atuação tendo como forte referência Ben Affleck (vencedor do Oscar de Melhor Filme por Argo).

E Fruitvale, de Ryan Coogler, que já ganhou o Grande Prêmio do Jury – Dramático no Festival de Sundance, volta a concorrer por outro importante reconhecimento em Cannes, podendo seguir os mesmos passos de Indomável Sonhadora, de Benh Zeitlin.

O Festival de Cannes 2013 tem início no dia 15 de maio e vai até o dia 26, quando serão divulgados os vencedores desta edição.