‘Gravidade’ e ’12 Anos de Escravidão’ fazem o 1º empate na história do PGA Awards

Os produtores David Heyman (à esquerda) e Alfonso Cuarón recebem o PGA de Melhor Filme (photo by AFP in www.channelnewsasia.com)

Os produtores de Gravidade: David Heyman (à esquerda) e Alfonso Cuarón recebem o PGA de Melhor Filme (photo by AFP in http://www.channelnewsasia.com)

CONSIDERADO MELHOR PARÂMETRO PARA VENCEDOR DO OSCAR DE MELHOR FILME, O PGA FICA NO EMPATE HISTÓRICO

 

Pra quem acha que 12 Anos de Escravidão já garantiu seu Oscar de Melhor Filme, o PGA (Producers Guild of America) resolveu bagunçar essa previsibilidade. Pela primeira vez em 25 anos de história, o prêmio foi concedido a duas produções: Gravidade e 12 Anos de Escravidão.

 

Ao lado delas, concorriam Trapaça, Blue Jasmine, Capitão Phillips, Clube de Compras Dallas, Ela, Nebraska, Walt nos Bastidores de Mary Poppins e O Lobo de Wall Street. Exceto por Blue Jasmine e Walt nos Bastidores, todas as demais produções também competem pelo prêmio no Oscar, o que torna a vitória ainda mais importante.

Considerado o melhor parâmetro para prever qual filme ganhará o Oscar, o PGA acertou 17 vezes em 24 anos,  tendo previsto os últimos seis vencedores do Oscar.

Com o SAG de Melhor Elenco, concedido no último domingo para Trapaça, a corrida pelo Oscar de Melhor Filme pode trazer alguma surpresa, pois esse empate não define nada. 12 Anos de Escravidão tem sido ovacionado pela crítica e tem vencido mais prêmios até o momento, enquanto Gravidade possui a maior bilheteria mundial entre os indicados, com mais de 600 milhões de dólares, e o apoio popular que abraçou o filme espacial. Já Trapaça possui um elenco super qualificado e seu diretor David O. Russell já vem batendo na trave há alguns anos com O Vencedor (2010) e O Lado Bom da Vida (2012).

Brad Pitt recebe o prêmio PGA como produtor de 12 Anos de Escravidão (photo by www.abclocal.go.com)

Brad Pitt recebe o prêmio PGA como produtor de 12 Anos de Escravidão (photo by http://www.abclocal.go.com)

Ao contrário de toda essa briga, a categoria de Melhor Animação tem sido bem tranqüila. A super-produção da Disney, Frozen: Uma Aventura Congelante, venceu o PGA. Tirando um ou outro prêmio da crítica para o japonês Vidas ao Vento, a vitória de Frozen tem sido uma unanimidade até o momento.

E na categoria de documentário, ficou mais fácil para We Steal Secrets: The Story of WikiLeaks, de Alex Gibney, ganhar o prêmio com as ausências dos maiores concorrentes: Histórias que Contamos e O Ato de Matar.

Já em televisão, Breaking Bad continua coletando todos os prêmios fechando com chave de ouro a série, e Modern Family foi reconhecida como Melhor Produção de Comédia. Veja lista completa abaixo:

 

MELHOR FILME (empate)
Gravidade (Gravity)
Produtores: Alfonso Cuarón, David Heyman

12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave)
Produtores: Anthony Katagas, Jeremy Kleiner, Steve McQueen, Brad Pitt, Dede Gardner

MELHOR ANIMAÇÃO
Frozen: Uma Aventura Congelante (Frozen)
Produtor: Peter Del Vecho

MELHOR DOCUMENTÁRIO
We Steal Secrets: The Story of WikiLeaks
Produtores: Alexis Bloom, Alex Gibney, Marc Shmuger

MELHOR SÉRIE DE TV Drama:
Breaking Bad
Produtores: Melissa Bernstein, Sam Catlin, Bryan Cranston, Vince Gilligan, Peter Gould, Mark Johnson, Stewart Lyons, Michelle MacLaren, George Mastras, Diane Mercer, Thomas Schnauz, Moira Walley-Beckett

MELHOR MINISSÉRIE OU FILME PARA TV:
Minha Vida com Liberace (Behind the Candelabra)
Produtores: Susan Ekins, Gregory Jacobs, Michael Polaire, Jerry Weintraub

MELHOR SÉRIE DE TV Comédia:
Modern Family
Produtores: Paul Corrigan, Abraham Higginbotham, Ben Karlin, Elaine Ko, Steven Levitan, Christopher Lloyd, Jeffrey Morton, Dan O’Shannon, Jeffrey Richman, Chris Smirnoff, Brad Walsh, Bill Wrubel, Danny Zuker

MELHOR PROGRAMA DE TV NÃO-FICÇÃO:
Anthony Bourdain: Parts Unknown
Produtores: Anthony Bourdain, Christopher Collins, Lydia Tenaglia, Sandra Zweig

MELHOR PROGRAMA DE ENTRETENIMENTO AO VIVO E ENTREVISTA:
The Colbert Report
Produtores: Meredith Bennett, Stephen T. Colbert, Richard Dahm, Paul Dinello, Barry Julien, Matt Lappin, Emily Lazar, Tanya Michnevich Bracco, Tom Purcell, Jon Stewart

MELHOR PROGRAMA DE COMPETIÇÃO:
The Voice
Produtores: Stijn Bakkers, Mark Burnett, John de Mol, Chad Hines, Lee Metzger, Audrey Morrissey, Jim Roush, Kyra Thompson, Nicolle Yaron, Mike Yurchuk, Amanda Zucker

MELHOR PROGRAMA DE ESPORTE:
SportsCenter (ESPN)

MELHOR PROGRAMA INFANTIL:
Vila Sésamo (Sesame Street)

MELHOR SÉRIE DIGITAL:
Wired: What’s Inside

STANLEY KRAMER AWARD:
Fruitvale Station: A Última Parada (Fruitvale Station)
Produtores: Ryan Coogler, Nina Yang Bongiovi, Forest Whitaker

Anúncios

‘Gravidade’ lidera competição acirrada no BAFTA com 11 indicações

BAFTA_MBRAND_SML_NEG4

FICÇÃO CIENTÍFICA QUE VINHA PERDENDO ESPAÇO CRESCE NA HORA CERTA

Depois do predomínio de Trapaça e 12 Anos de Escravidão nas últimas premiações, chegou a vez de Gravidade se destacar, liderando com 11 indicações ao BAFTA. E essa ascensão não poderia vir em melhor hora, afinal, estamos às vésperas das indicações ao Oscar, o que pode influenciar os membros da Academia. Além disso, ao contrário do Globo de Ouro e SAG, o BAFTA possui quase todas as mesmas categorias técnicas do Oscar, servindo como melhor parâmetro.

A ficção científica de Alfonso Cuarón conquistou vaga nas categorias de Fotografia, Montagem, Direção de Arte, Som e Efeitos Visuais, fato que deve se repetir no Oscar. Assim como Titanic, Avatar e O Senhor dos Anéis, o filme apresenta inovações em diversos campos de produção fílmica. Os efeitos vistos na tela foram considerados “infilmáveis” há poucos anos. Ajuda bastante o fato do filme contar com a performance de Sandra Bullock, que traz um toque humano à história do acidente espacial.

Sandra Bullock em cena de Gravidade (photo by www.elfilm.com)

Sandra Bullock em cena de Gravidade (photo by http://www.elfilm.com)

Como previsto, logo atrás de Gravidade, 12 Anos de Escravidão e Trapaça obtiveram 10 indicações cada, e Capitão Phillips com 9, o que já deve assegurar suas vagas entre os indicados a Melhor Filme no Oscar. Outra produção que deu importante passo foi Philomena, de Stephen Frears, ao ser indicado para Filme, Roteiro Adaptado, Atriz (Judi Dench) e, obviamente, Melhor Filme Britânico.

Matt Damon com jeitão de paquito em Behind the Candelabra: indicação ao BAFTA (photo by www.outnow.ch)

Matt Damon com jeitão de paquito em Minha Vida com Liberace: indicação ao BAFTA (photo by http://www.outnow.ch)

Talvez a maior surpresa tenha sido as 5 indicações para o filme feito para a TV Minha Vida com Liberace (Behind the Candelabra), de Steven Soderbergh. Indicado à Palma de Ouro, ao Globo de Ouro, e vencedor do último Emmy, a produção da HBO conseguiu um espaço considerável, principalmente se levarmos em consideração a inclusão de Matt Damon como coadjuvante, pois tira um dos nomes mais fortes da categoria: Jared Leto.

Aliás, o Clube de Compras Dallas perdeu alguns pontos por sua total ausência no BAFTA. Apesar de terem sido indicados ao SAG e Globo de Ouro, a campanha dos atores Matthew McConaughey e Jared Leto pode sofrer turbulências para o prêmio da Academia.

Até poucos anos atrás, eu não dava muito valor ao BAFTA. “Um genérico do Oscar que serve de consolo”, pensava eu. Nada disso. Eu estava fazendo um levantamento das coincidências (sim, eu gasto algumas horas nesse negócio) e os números são impressionantes. Em 2013, de 19 categorias, houve 14 acertos iguais ao Oscar. Já em 2012, houve 13; e em 2011, 10 acertos, ou seja, estão dando uma bela polida nessa bola de cristal britânica.

O Lobo de Wall Street: Será que os velhinhos vão gostar? (photo by www.elfilm.com)

O Lobo de Wall Street: Será que os velhinhos vão gostar? (photo by http://www.elfilm.com)

A Academia Britânica também não se importou com as supostas polêmicas do novo filme de Martin Scorsese, O Lobo de Wall Street. Recebeu 4 indicações: Diretor, Ator (Leonardo DiCaprio), Roteiro Adaptado e Montagem. Mesmo assim, ainda acredito que os velhinhos da Academia (americana) vão encrencar com a “putaria” do filme e tirar tanto Scorsese quanto DiCaprio da jogada.

Bom, por mais justo que o BAFTA procure ser, é inevitável que puxem a sardinha pro lado deles e dêem um pouco mais de preferência aos conterrâneos. Assim, Judi Dench, Emma Thompson e Sally Hawkins podem ter se beneficiado nesse ano tão concorrido.

O BAFTA anunciará seus vencedores no dia 16 de fevereiro. Stephen Fry será o host da noite.

Veja o vídeo do anúncio dos indicados (apresentado pelos atores Helen McCrory e Luke Evans) e confira a lista completa em seguida:


FILME

12 ANOS DE ESCRAVIDÃO Anthony Katagas, Brad Pitt, Dede Gardner, Jeremy Kleiner, Steve McQueen
TRAPAÇA Charles Roven, Richard Suckle, Megan Ellison, Jonathan Gordon
CAPITÃO PHILLIPS Scott Rudin, Dana Brunetti, Michael De Luca
GRAVIDADE Alfonso Cuaron, David Heyman
PHILOMENA Gabrielle Tana, Steve Coogan, Tracey Seaward

DIRETOR
12 ANOS DE ESCRAVIDÃO Steve McQueen
TRAPAÇA David O. Russell
CAPITÃO PHILLIPS Paul Greengrass
GRAVIDADE Alfonso Cuarón
O LOBO DE WALL STREET Martin Scorsese

ROTEIRO ORIGINAL
TRAPAÇA Eric Warren Singer, David O. Russell
BLUE JASMINE Woody Allen
GRAVIDADE Alfonso Cuarón, Jonás Cuarón
INSIDE LLEWYN DAVIS Joel Coen, Ethan Coen
NEBRASKA Bob Nelson

ROTEIRO ADAPTADO
12 ANOS DE ESCRAVIDÃO John Ridley
MINHA VIDA COM LIBERACE Richard LaGravenese
CAPITÃO PHILLIPS Billy Ray
PHILOMENA Steve Coogan, Jeff Pope
O LOBO DE WALL STREET Terence Winter

ATOR
BRUCE DERN Nebraska
CHIWETEL EJIOFOR 12 Anos de Escravidão
CHRISTIAN BALE Trapaça
LEONARDO DICAPRIO O Lobo de Wall Street
TOM HANKS Capitão Phillips

ATRIZ
AMY ADAMS Trapaça
CATE BLANCHETT Blue Jasmine
EMMA THOMPSON Walt nos Bastidores de Mary Poppins
JUDI DENCH Philomena
SANDRA BULLOCK Gravidade

ATOR COADJUVANTE
BARKHAD ABDI Capitão Phillips
BRADLEY COOPER Trapaça
DANIEL BRÜHL Rush: No Limite da Emoção
MATT DAMON Minha Vida com Liberace
MICHAEL FASSBENDER 12 Anos de Escravidão

ATRIZ COADJUVANTE
JENNIFER LAWRENCE Trapaça
JULIA ROBERTS Álbum de Família
LUPITA NYONG’O 12 Anos de Escravidão
OPRAH WINFREY O Mordomo da Casa Branca
SALLY HAWKINS Blue Jasmine

TRILHA MUSICAL ORIGINAL
12 ANOS DE ESCRAVIDÃO Hans Zimmer
A MENINA QUE ROUBAVA LIVROS John Williams
CAPITÃO PHILLIPS Henry Jackman
GRAVIDADE Steven Price
WALT NOS BASTIDORES DE MARY POPPINS Thomas Newman

FOTOGRAFIA
12 ANOS DE ESCRAVIDÃO Sean Bobbitt
CAPITÃO PHILLIPS Barry Ackroyd
GRAVIDADE Emmanuel Lubezki
INSIDE LLEWYN DAVIS Bruno Delbonnel
NEBRASKA Phedon Papamichael

MONTAGEM
12 ANOS DE ESCRAVIDÃO Joe Walker
CAPITÃO PHILLIPS Christopher Rouse
GRAVIDADE Alfonso Cuarón, Mark Sanger
RUSH: NO LIMITE DA EMOÇÃO Dan Hanley, Mike Hill
O LOBO DE WALL STREET Thelma Schoonmaker

DIREÇÃO DE ARTE
12 ANOS DE ESCRAVIDÃO Adam Stockhausen, Alice Baker
TRAPAÇA Judy Becker, Heather Loeffler
MINHA VIDA COM LIBERACE Howard Cummings
GRAVIDADE Andy Nicholson, Rosie Goodwin, Joanne Woodlard
O GRANDE GATSBY Catherine Martin, Beverley Dunn

FIGURINO
TRAPAÇA Michael Wilkinson
MIDA VIDA COM LIBERACE Ellen Mirojnick
O GRANDE GATSBY Catherine Martin
THE INVISIBLE WOMAN Michael O’Connor
WALT NOS BASTIDORES DE MARY POPPINS Daniel Orlandi

MAQUIAGEM E CABELO
TRAPAÇA Evelyne Noraz, Lori McCoy-Bell
MINHA VIDA COM LIBERACE Kate Biscoe, Marie Larkin
O MORDOMO DA CASA BRANCA Debra Denson, Beverly Jo Pryor, Candace Neal
O GRANDE GATSBY Maurizio Silvi, Kerry Warn
O HOBBIT: A DESOLAÇÃO DE SMAUG Peter Swords King, Richard Taylor, Rick Findlater

SOM
ALL IS LOST Richard Hymns, Steve Boeddeker, Brandon Proctor, Micah Bloomberg, Gillian Arthur
CAPITÃO PHILLIPS Chris Burdon, Mark Taylor, Mike Prestwood Smith, Chris Munro, Oliver Tarney
GRAVIDADE Glenn Freemantle, Skip Lievsay, Christopher Benstead, Niv Adiri, Chris Munro
INSIDE LLEWYN DAVIS Peter F. Kurland, Skip Lievsay, Greg Orloff
RUSH: NO LIMITE DA EMOÇÃO Danny Hambrook, Martin Steyer, Stefan Korte, Markus Stemler, Frank Kruse

EFEITOS VISUAIS
GRAVIDADE Tim Webber, Chris Lawrence, David Shirk, Neil Corbould, Nikki Penny
O HOBBIT: A DESOLAÇÃO DE SMAUG Joe Letteri, Eric Saindon, David Clayton, Eric Reynolds
HOMEM DE FERRO 3 Bryan Grill, Christopher Townsend, Guy Williams, Dan Sudick
CÍRCULO DE FOGO Hal Hickel, John Knoll, Lindy De Quattro, Nigel Sumner
ALÉM DA ESCURIDÃO: STAR TREK Ben Grossmann, Burt Dalton, Patrick Tubach, Roger Guyett

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
O ATO DE MATAR Joshua Oppenheimer, Signe Byrge Sorensen
AZUL É A COR MAIS QUENTE Abdellatif Kechiche, Brahim Chioua, Vincent Maraval
A GRANDE BELEZA Paolo Sorrentino, Nicola Giuliano, Francesca Cima
METRO MANILA Sean Ellis, Mathilde Charpentier
O SONHO DE WADJDA Haifaa Al-Mansour, Gerhard Meixner, Roman Paul

DOCUMENTÁRIO
O ATO DE MATAR Joshua Oppenheimer
THE ARMSTRONG LIE Alex Gibney
BLACKFISH: FÚRIA ANIMAL Gabriela Cowperthwaite
TIM’S VERMEER Teller, Penn Jillette, Farley Ziegler
WE STEAL SECRETS: THE STORY OF WIKILEAKS Alex Gibney

ANIMAÇÃO
MEU MALVADO FAVORITO 2 Chris Renaud, Pierre Coffin
FROZEN: UMA AVENTURA CONGELANTE Chris Buck, Jennifer Lee
UNIVERSIDADE MONSTROS Dan Scanlon

FILME BRITÂNICO
GRAVIDADE Alfonso Cuaron, David Heyman, Jonas Cuaron
MANDELA: LONG WALK TO FREEDOM Justin Chadwick, Anant Singh, David M. Thompson, William Nicholson
PHILOMENA Stephen Frears, Gabrielle Tana, Steve Coogan, Tracey Seaward, Jeff Pope
RUSH: NO LIMITE DA EMOÇÃO Ron Howard, Andrew Eaton, Peter Morgan
WALT NOS BASTIDORES DE MARY POPPINS John Lee Hancock, Alison Owen, Ian Collie, Philip Steuer, Kelly Marcel, Sue Smith
THE SELFISH GIANT: Clio Barnard, Tracy O’Riordan

ESTRÉIA DE UM ESCRITOR, DIRETOR OU PRODUTOR BRITÂNICO
COLIN CARBERRY (Roteirista), GLENN PATTERSON (Roteirista) Good Vibrations
KELLY MARCEL (Roteirista) Walt nos Bastidores de Mary Poppins
KIERAN EVANS (Diretor/Roteirista) Kelly + Victor
PAUL WRIGHT (Diretor/Roteirista), POLLY STOKES (Produtor) For Those in Peril
SCOTT GRAHAM (Diretor/Roteirista) Shell

CURTA DE ANIMAÇÃO BRITÂNICO
EVERYTHING I CAN SEE FROM HERE Bjorn-Erik Aschim, Friederike Nicolaus, Sam Taylor
I AM TOM MOODY Ainslie Henderson
SLEEPING WITH THE FISHES James Walker, Sarah Woolner, Yousif Al-Khalifa

CURTA-METRAGEM BRITÂNICO
ISLAND QUEEN Ben Mallaby, Nat Luurtsema
KEEPING UP WITH THE JONESES Megan Rubens, Michael Pearce, Selina Lim
ORBIT EVER AFTER Chee-Lan Chan, Jamie Stone, Len Rowles
ROOM 8 James W. Griffiths, Sophie Venner
SEA VIEW Anna Duffield, Jane Linfoot

Começando bem 2014: indicados ao DGA, PGA e WGA

Que tal menos filmes em 3D em 2014? (photo by

Que tal menos filmes em 3D em 2014? (photo by http://www.dailyfinance.com)

Ooooiii, pessoal! Feliz Ano Novo pra todos! Chego de volta a São Paulo e vejo uma caixa de entrada de e-mail abarrotada de mensagens de premiações e indicações louquinhas pra serem abertas e discutidas. Ao contrário do que fiz em outros anos, vou juntar tudo em apenas um post, porque estou no espírito de férias ainda! Não, não… brincadeirinha! Com uma safra tão rica de produções, é interessante ver as escolhas de três sindicatos que apontam os grandes favoritos ao Oscar.

DGA images

Dentre eles, o mais acertivo continua sendo o DGA (Directors Guild of America). Em apenas sete (!) vezes, o vencedor não coincidiu com o vencedor do Oscar de direção. Até o ano passado, quando Ben Affleck ficou estranhamente de fora da categoria, o último vencedor do DGA que não repetiu a façanha no Oscar foi Rob Marshall (Chicago) em 2003! Este ano, o páreo estava duríssimo. Não tinha como não deixar de lado alguns nomes consagrados. Assim, Alexander Payne (Nebraska), Spike Jonze (Ela) e Joel e Ethan Coen (Inside Llewyn Davis) foram eliminados por um nariz de diferença. Confira os selecionados:

DIRECTORS GUILD AWARDS

AlfonsoCuaron.ashxAlfonso Cuarón (Gravidade)
O diretor mexicano é um ótimo exemplo de como um profissional estrangeiro consegue atingir maturidade na indústria americana. Cuarón sempre primou por sua marca imagética. Seja um filme poético como A Princesinha, um blockbuster (Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban), um road movie pós-moderno (E Sua Mãe Também) ou criando um novo marco tecnológico (Gravidade), o diretor de fotografia e colaborador assíduo, Emmanuel Lubezki, foi sempre fundamental em sua escrita. Seria uma grata surpresa uma dupla vitória neste Oscar: direção para Cuarón e o merecidíssimo de fotografia para Lubezki.

Paul Greengrass (Capitão Phillips)PaulGreengrass.ashx
Descoberto pelo ótimo drama Domingo Sangrento, que lhe rendeu o Urso de Ouro em 2002, o britânico Greengrass criou um nicho no cinema contemporâneo no qual ele pode trabalhar a linguagem documental numa ficção, gerando uma veracidade que espanta e emociona o público. Ele conseguiu essa proeza em Vôo United 93 na recriação do atentado terrorista do 11 de setembro e nesse episódio de pirataria moderna de Capitão Phillips, criando uma tensão interminável. Também emprestou seu estilo à série de ação e espionagem de Jason Bourne em A Supremacia Bourne e O Ultimato Bourne, que obrigou os produtores de James Bond a repensar a criação de Ian Fleming.

Steve McQueen (12 Anos de Escravidão)SteveMcQueen.ashx
Artista plástico premiado, este diretor britânico, que compartilha o mesmo nome artístico do ator Steve McQueen, está em extrema ascensão em apenas seu terceiro longa. Como bom entendedor do poder da imagem para uma história, ele busca aqueles enquadramentos que possam dizer algo sobre o filme que vemos. Em Shame, por exemplo, ele usa e abusa das linhas urbanas do cenário para contar um pouco mais sobre o personagem viciado em sexo numa cidade que ostenta a civilidade. Sendo um negro e com um filme sobre escravidão na manga, Steve McQueen corre na frente, afinal, eles adorariam a manchete: “O primeiro diretor afro-americano a ganhar um Oscar”. Sinceramente, espero que ele ganhe por méritos profissionais, e não raciais, pois trata-se de uma voz singular no cinema contemporâneo.

David O. Russell (Trapaça)DavidORussell.ashx
“Há um parafuso faltando aqui”, pensava eu ao falar de David O. Russell, na época em que vi Três Reis (1999) e Huckabees: A Vida é uma Comédia (2004). Não que isso seja ruim. Muito pelo contrário! Ele tinha um senso de humor bastante incomum que me atraía, mas eu sentia que ele não conseguiria decolar em Hollywood apenas com aquilo. Felizmente, nosso David O. Russell amadureceu seu cinema e nos entregou ótimos filmes como os recentes O Vencedor (2010) e O Lado Bom da Vida (2012). De longe, concordo, são filmes que você não dá nada. Não tem uma grandiosidade de um gladiador ou um grande navio afundando, mas ele explora tão bem a humanidade das histórias simples que fica impossível não lhe dar crédito. Além disso, tem se tornado um dos melhores diretores de atores dos últimos anos. Já conquistou sete indicações e três Oscars de atuação de seus elencos: Melissa Leo, Christian Bale e Jennifer Lawrence. Tem tudo pra conquistar mais com Trapaça e pode se tornar a grande surpresa da categoria.

scorsesewolf.ashxMartin Scorsese (O Lobo de Wall Street)
O que dizer de Marty? Nem posso dizer que ele é como vinho, que fica melhor a cada ano, pois também dirigiu obras-primas como Taxi Driver (1976) e Touro Indomável (1980) no passado. Mas definitivamente não existe diretor mais apaixonado por Cinema do que Scorsese. Isso já estava provado nas incontáveis entrevistas e no apoio às restaurações de películas antigas e perdidas no tempo. Ele comprovou essa paixão numa tocante homenagem à Sétima Arte e a Georges Méliès em A Invenção de Hugo Cabret. Talvez a polêmica sobre sexo e drogas de O Lobo de Wall Street atrapalhe na conquista de mais uma indicação ao Oscar, mas se ele está nesta lista, não acredito que seja favorecimento nenhum. Martin Scorsese cria filmes atemporais.

Ainda está cedo para previsões de vitória, mas até o momento, Alfonso Cuarón e Steve McQueen dividem a ponta, com David O. Russell cheirando o cangote deles logo atrás. E o vencedor tem 99% de vitória no Oscar, pois não creio em duas exceções consecutivas na história do DGA.

PGA headerJá o sindicato de Produtores teve uma tarefa mais fácil. Ou pelo menos, menos árdua do que o DGA, afinal poderiam selecionar 10 produções. Contudo, com uma grande variedade de candidatos de boa qualidade, dez vagas também não deram conta de tudo.

Vale destacar a importante marca para a produtora Megan Ellison (da Annapurna Pictures). Ela foi a única a conquistar duas indicações com Trapaça e Ela. Megan poderia ter conquistado três, mas Foxcatcher foi adiado para 2014. No ano passado, ela produziu dois filmes de qualidade e que ainda geraram discussão acalorada na mídia e na temporada de premiações: O Mestre e A Hora Mais Escura. Numa Hollywood dominada por produtores covardes e que só pensam em lucro, a presença de Megan Ellison me enche de esperança. Claro que ninguém é de ferro. Ela vai produzir o reboot de uma nova trilogia de O Exterminador do Futuro, que começa em 2015. Mas mesmo assim, acredito que ela não fará apenas pelas bilheterias. Guardem o nome dela, pois mais conquistas importantes estão por vir.

A produtora Megan Ellison (à dir) ao lado da diretora Kathryn Bigelow e da bela atriz Jessica Chastain na festa do Globo de Ouro 2013. (photo by www.vanityfair.com)

A produtora Megan Ellison (à dir) ao lado da diretora Kathryn Bigelow e da bela atriz Jessica Chastain na festa do Globo de Ouro 2013. (photo by http://www.vanityfair.com)

MELHORES PRODUTORES – LONGAS-METRAGENS

Trapaça (American Hustle)
Blue Jasmine (idem)
Capitão Phillips (Captain Phillips)
Clube de Compras Dallas (Dallas Buyers Club)
Gravidade (Gravity)
Ela (Her)
Nebraska
Walt nos Bastidores de Mary Poppins (Saving Mr. Banks)
12 Anos de Escravidão (12 Years a Slave)
O Lobo de Wall Street (The Wolf of Wall Street)

Em 2011, o PGA decidiu estender seus indicados para 10 fixos, o que não ocorre no Oscar, onde pode haver de 5 a 10. Vale ressaltar também o alto índice de acertos de vencedores em relação à Academia. Em seus 24 aninhos de existência, o PGA elegeu 17 vezes o vencedor de Melhor Filme no Oscar, incluindo os recentes Argo e O Artista. A última divergência ocorreu em 2007, quando Pequena Miss Sunshine perdeu para Os Infiltrados.

Para a edição de 2014, as ausências mais sentidas foram Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum e Fruitvale Station: A Última Parada pela alta participação nas últimas listas de críticos. Mas vale citar também Álbum de Família, All is Lost e Philomena, que conseguiu uma indicação ao Globo de Ouro.

Dentre os 10 candidatos, Trapaça, 12 Anos de Escravidão e Gravidade largam na frente, mas Ela pode roubar o show sem grandes dificuldades por ser querido pela crítica. Por outro lado, se pensarmos em bilheteria, Gravidade tem todas as cartas por ter faturado mais de 600 milhões de dólares mundo afora, muito longe dos 208 milhões do segundo lugar Capitão Phillips. No Oscar, eu ainda acho que Gravidade deverá se concentrar nos prêmios mais técnicos como fotografia, montagem e som.

Gravidade: no páreo para o DGA e PGA (photo by www.beyondhollywood.com)

Gravidade: no páreo para o DGA e PGA (photo by http://www.beyondhollywood.com)

MELHORES PRODUTORES – ANIMAÇÕES

Os Croods (The Croods)
Meu Malvado Favorito 2 (Despicable Me 2)
Reino Escondido (Epic)
Frozen: Uma Aventura Congelante (Frozen)
Universidade Monstros (Monsters University)

Sem um dos grandes favoritos fora do páreo por não pertencer ao sindicato americano, a animação japonesa Vidas ao Vento, de Hayao Miyazaki, a categoria conta apenas com produções de grandes estúdios como Disney, Pixar, Dreamworks e Universal. Porém, essa ausência não deve reduzir as chances de Miyazaki conseguir sua segunda estatueta do Oscar. Ainda não conferi Frozen, mas premiaria Os Croods pela alta abrangência de público-alvo de sua história de uma família das cavernas se adaptando às mudanças na Terra.

Os Croods: caminho mais livre para o PGA (photo by www.beyondhollywood.com)

Os Croods: caminho mais livre para o PGA (photo by http://www.beyondhollywood.com)

MELHORES PRODUTORES – DOCUMENTÁRIOS

A Place at the Table
Far Out Isn’t Far Enough
Life According to Sam
We Steal Secrets: The Story of WikiLeaks
Which Way is the Front Line From Here? The Life and Time of Tim Hetherington

Com o documentário História que Contamos, de Sarah Polley, fora da competição, o grande favorito fica sendo We Steal Secrets, que aborda a história do WikiLeaks do exilado Julian Assange. Conta muito a favor ter o diretor Alex Gibney, de Um Táxi Para a Escuridão, que ganhou o Oscar em 2008. Infelizmente, não há previsão de estréia no Brasil para a maioria dos documentários, o que dificulta a análise dessa categoria.

Julian Assange no documentário de Alex Gibney (photo by www.elfilm.com)

Julian Assange no documentário de Alex Gibney (photo by http://www.elfilm.com)

Dos três sindicatos, o WGA é o menos badalado. Mas não porque se trataria de um prêmio menor, mas suas regras inviabilizam indicações de trabalhos pertinentes. Como os demais prêmios, ele exige a filiação do profissional ao sindicato, mas também a exigência da produção do filme sob a sua jurisdição, o que implica em mais regras que eliminam bons candidatos.

Desse modo, as estatísticas de acerto são bem menores. Os excluídos pela regra deste ano incluem: John Ridley (12 Anos de Escravidão), Steve Coogan e Jeff Pope (Philomena), Ryan Coogler (Fruitvale Station: A Última Parada), Peter Morgan (Rush: No Limite da Emoção) e Abdellatif Kechiche e Ghalia Lacroix (Azul é a Cor Mais Quente). Já os trabalhos originais incluem: Alfonso Cuarón e Jonas Cuarón (Gravidade), Joel e Ethan Coen (Inside Llewyn Davis), Kelly Marcel e Sue Smith (Walt nos Bastidores de Mary Poppins) e Jason Reitman (Refém da Paixão).

Claro que se levarmos em consideração que a Academia também premia roteiros desclassificados pela WGA, essas exclusões não pesariam tanto na temporada. Só para citar um exemplo, o roteiro de Quentin Tarantino para Django Livre foi cortado da WGA, mas ganhou o Oscar.

ROTEIRO ORIGINAL

Eric Singer, David O. Russell (Trapaça)
Woody Allen (Blue Jasmine)
Craig Borten, Melisa Wallack (Clube de Compras Dallas)
Spike Jonze (Ela)
Bob Nelson (Nebraska)

ROTEIRO ADAPTADO

Tracy Letts (Álbum de Família)
Richard Linklater, Ethan Hawke, Julie Delpy (Antes da Meia-Noite)
Billy Ray (Capitão Phillips)
Peter Berg (O Grande Herói)
Terence Winter (O Lobo de Wall Street)

O diretor e roteirista Richard Linklater entre os atores e roteiristas Julie Delpy e Ethan Hawke no set de Antes da Meia-Noite (photo by www.elfilm.com)

O diretor e roteirista Richard Linklater entre os atores e roteiristas Julie Delpy e Ethan Hawke no set de Antes da Meia-Noite (photo by http://www.elfilm.com)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO

David Riker, Jeremy Scahill (Guerras Sujas)
Sara Lukinson, Michael Stevens (Herblock: The Black & the White)
Janet Tobias, Paul Laikin (No Place on Earth)
Sarah Polley (Histórias que Contamos)
Alex Gibney (We Steal Secrets: The Story of WikiLeaks)

Indicados ao BAFTA Rising Star de 2014 (photo by www.empireonline.com)

Indicados ao BAFTA Rising Star de 2014, do topo da esquerda à direita: Dane DeHaan, Lupita Nyong’o, Léa Seydoux, Will Poulter e George MacKay (photo by http://www.empireonline.com)

Também gostaria de aproveitar o post para divulgar os indicados ao Rising Star do BAFTA, concedido a um ator ou atriz revelação que se destacou no ano. Vencedores recentes incluem Juno Temple, Tom Hardy e Kristen Stewart. Porém, vale lembrar que os vencedores são eleitos pelo público, o que quase sempre resulta em vitória injusta. Talentos como Michael Fassbender, Carey Mulligan e Alicia Vikander já concorreram, mas perderam em edições anteriores. Particularmente, tenho certa aversão às escolhas do público como no MTV Movie Awards. Se dependesse dos votos na internet, os melhores filmes de todos os tempos seriam Star Wars e O Senhor dos Anéis para toda a eternidade…

Dane DeHaan
George MacKay
Lupita Nyong’o
Will Poulter
Léa Seydoux

* Fique atento às datas: O PGA divulga seus vencedores no dia 19 de janeiro. O DGA no dia 25, enquanto o WGA fica para o dia 1º de fevereiro.

114 Trilhas Musicais na disputa pelo Oscar 2014

Trilha musical tenebrosa de Joseph Bishara para Invocação do Mal está na disputa (photo by www.outnow.ch)

Trilha musical tenebrosa de Joseph Bishara para Invocação do Mal está na disputa (photo by http://www.outnow.ch)

Se tem ator e atriz reclamando da alta competitividade deste ano, os compositores deveriam tomar um uísque e relaxar. Competir com 113 trabalhos é pior que passar em medicina na FUVEST.

Embora nem todas as trilhas mereçam uma indicação ao Oscar, a trilha musical é uma arma valiosíssima nas mãos do diretor, pois pode valorizar muito a mensagem que o filme passa, gerar catarse naqueles filmes mais chorosos, e em alguns casos, dar uma bela disfarçada na “ruindade” do filme.

Hans Zimmer (photo by www.zimbio.com)

Hans Zimmer (photo by http://www.zimbio.com)

Na lista, é natural alguns nomes se repetirem como é o caso do alemão Hans Zimmer. Vencedor do Oscar pela trilha de O Rei Leão em 1995, ele concorre por três trabalhos bastante distintos entre si. Apesar de ser responsável pelas músicas do blockbuster O Homem de Aço e do filme de fórmula 1 Rush: No Limite da Emoção, Zimmer deve receber a indicação pelo drama 12 Years a Slave. Com o total de nove indicações e uma vitória, ele tem turbinado suas chances nos últimos anos depois que fez parceria com o diretor Christopher Nolan em Batman: O Cavaleiro das Trevas A Origem, e está trabalhando também em Interstellar, que deve estrear em novembro de 2014.

Há nomes que sempre figuram entre os indicados, mas nunca levam o prêmio. São os casos de Thomas Newman (11 indicações sem vitória), que disputa por Terapia de Risco e Walt nos Bastidores de Mary Poppins; e Danny Elfman (4 indicações sem vitória), que conta com seus trabalhos na animação Reino Escondido e no blockbuster Oz: Mágico e Poderoso. Provavelmente por motivos técnicos, ele não está competindo também por Trapaça

É muito difícil fazer previsão de indicados nessa categoria, mas alguns nomes como o de Zimmer são praticamente garantidos. Outro nome de peso que quase nunca falta é o do mestre John Williams. Super-mega recordista de indicações com “apenas” 48, tendo vencido em 5 oportunidades: Um Violinista no Telhado, Tubarão, Star Wars, E.T. o Extraterrestre e A Lista de Schindler. Ele volta este ano com a trilha da adaptação do best-seller A Menina que Roubava Livros, pelo qual já recebeu uma indicação ao Globo de Ouro.

O maestro e compositor John Williams (photo by www.jwfan.com)

O maestro e compositor John Williams (photo by http://www.jwfan.com)

Os demais concorrentes ao Globo de Ouro são Alex Ebert (All is Lost), Alex Heffes (Mandela: Long Walk to Freedom), Steven Price (Gravidade) e Zimmer que, por isso, já saem na frente das demais 109 composições.

Reconhecido pela crítica de Los Angeles, William Butler e Owen Pallett (Ela),  podem surpreender na reta final dependendo da distribuição das indicações. Já T-Bone Burnett (Inside Llewyn Davis) não teve a mesma sorte, pois suas composições devem conter música pré-existente, o que desqualifica para as exigências da Academia.

O compositor Joseph Bishara (photo by www.zimbio.com)

O compositor Joseph Bishara (photo by http://www.zimbio.com)

Particularmente, adoraria ver Joseph Bishara no tapete vermelho do Oscar. Ele foi responsável pelas ótimas trilhas de Invocação do Mal e Sobrenatural: Capítulo 2. Sem sua música, a excelente atmosfera não teria o mesmo impacto. Pena que a Academia não costuma premiar filmes de terror. Até onde me recordo, apenas A Profecia ganhou o Oscar em 1977, que contou também com a credibilidade de Jerry Goldsmith, falecido em 2004.

Segue a lista das 114 composições em ordem alfabética dos títulos originais em inglês:

A Seleção (Admission), de Stephen Trask
Ain’t Them Bodies Saints, de Daniel Hart
All Is Lost, de Alex Ebert
Alone Yet Not Alone, de William Ross
American Seagull, de Evgeny Shchukin
The Armstrong Lie, de David Kahne
Arthur Newman, de Nick Urata
At Any Price, de Dickon Hinchliffe
Austenland, de Ilan Eshkeri
Antes da Meia-Noite (Before Midnight), de Graham Reynolds
The Best Man Holiday, de Stanley Clarke
A Menina que Roubava Livros (The Book Thief), de John Williams
The Butterfly’s Dream (Kelebegin Ruyasi), de Rahman Altin
Chamada de Emergência (The Call), de John Debney
Capitão Phillips (Captain Phillips), de Henry Jackman
Closed Circuit, de Joby Talbot
Sem Proteção (The Company You Keep), de Cliff Martinez
Invocação do Mal (The Conjuring), de Joseph Bishara
Copperhead, de Laurent Eyquem
O Conselheiro do Crime (The Counselor), de Daniel Pemberton
Os Croods (The Croods), de Alan Silvestri
Meu Malvado Favorito 2 (Despicable Me 2), de Heitor Pereira
Elysium, Ryan Amon
Ender’s Game – O Jogo do Exterminador (Ender’s Game), de Steve Jablonsky
À Procura do Amor (Enough Said), de Marcelo Zarvos
Reino Escondido (Epic), de Danny Elfman
Ernest & Celestine, de Vincent Courtois
A Fuga do Planeta Terra (Escape from Planet Earth), de Aaron Zigman
Escape from Tomorrow, de Abel Korzeniowski
A Morte do Demônio (Evil Dead), de Roque Baños
47 Ronins (47 Ronin), de Ilan Eshkeri
42: A História de uma Lenda (42), de Mark Isham
Bons de Bico (Free Birds), de Dominic Lewis
Free China: The Courage to Believe, de Tony Chen
Fruitvale Station: A Última Parada (Fruitvale Station), de Ludwig Goransson
G.I. Joe: Retaliação (G.I. Joe: Retaliation), de Henry Jackman
Caça aos Gângsteres (Gangster Squad), de Steve Jablonsky
Gravidade (Gravity), de Steven Price
O Grande Gatsby (The Great Gatsby), de Craig Armstrong
Se Beber, Não Case! Parte III (The Hangover Part III), de Christophe Beck
João e Maria: Caçadores de Bruxas (Hansel & Gretel Witch Hunters), de Atli Örvarsson
Os Sabores do Palácio (Haute Cuisine), de Gabriel Yared
Ela (Her), de William Butler and Owen Pallett
O Hobbit: A Desolação de Smaug (The Hobbit: The Desolation of Smaug), de Howard Shore
Hours, de Benjamin Wallfisch
How Sweet It Is, de Matt Dahan
Jogos Vorazes: Em Chamas (The Hunger Games: Catching Fire), de James Newton Howard
Uma Ladra Sem Limites (Identity Thief), de Christopher Lennertz
O Incrível Mágico Burt Wonderstone (The Incredible Burt Wonderstone), de Lyle Workman
Sobrenatural: Capítulo 2 (Insidious: Chapter 2), de Joseph Bishara
Instructions Not Included (No se Aceptan Devoluciones), de Carlo Siliotto
Os Estagiários (The Internship), de Christophe Beck
The Invisible Woman, de Ilan Eshkeri
Homem de Ferro 3 (Iron Man 3), de Brian Tyler
Jack, o Caçador de Gigantes (Jack the Giant Slayer), de John Ottman
Jobs, de John Debney
Kamasutra 3D, de Sreejith Edavana e Saachin Raj Chelory
Refém da Paixão (Labor Day), de Rolfe Kent
O Mordomo da Casa Branca (Lee Daniels’ The Butler), de Rodrigo Leão
Live at the Foxes Den, de Jack Holmes
Amor é Tudo o Que Você Precisa (Love Is All You Need), de Johan Söderqvist
Mama, de Fernando Velázquez
Homem de Aço (Man of Steel), de Hans Zimmer
Mandela: Long Walk to Freedom, de Alex Heffes
The Missing Picture (L’image manquante), de Marc Marder
Universidade Monstros (Monsters University), de Randy Newman
Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos (The Mortal Instruments: City of Bones), de Atli Örvarsson
Amor Bandido (Mud), de David Wingo
Murph: The Protector, de Chris Irwin e Jeff Widenhofer
Truque de Mestre (Now You See Me), de Brian Tyler
Oblivion, de Anthony Gonzalez e Joseph Trapanese
Oldboy – Dias de Vingança (Oldboy), de Roque Baños
Invasão à Casa Branca (Olympus Has Fallen), de Trevor Morris
Oz: Mágico e Poderoso (Oz The Great and Powerful), de Danny Elfman
Círculo de Fogo (Pacific Rim), de Ramin Djawadi
Sem Dor, Sem Ganho (Pain & Gain), de Steve Jablonsky
Percy Jackson e o Mar de Monstros (Percy Jackson: Sea of Monsters), de Andrew Lockington
Philomena, de Alexandre Desplat
O Lugar Onde Tudo Termina (The Place beyond the Pines), de Mike Patton
Aviões (Planes), de Mark Mancina
Os Suspeitos (Prisoners), de Jóhann Jóhannsson
R.I.P.D. – Agentes do Além (R.I.P.D.), de Christophe Beck
Flores Raras (Reaching for the Moon), de Marcelo Zarvos
Romeu e Julieta (Romeo & Juliet), de Abel Korzeniowski
Aposta Máxima (Runner Runner), de Christophe Beck
Rush: No Limite da Emoção (Rush), de Hans Zimmer
Um Porto Seguro (Safe Haven), de Deborah Lurie
Salinger, de Lorne Balfe
Walt nos Bastidores de Mary Poppins (Saving Mr. Banks), de Thomas Newman
A Vida Secreta de Walter Mitty (The Secret Life of Walter Mitty), de Theodore Shapiro
Short Term 12, de Joel P. West
Terapia de Risco (Side Effects), de Thomas Newman
Os Smurfs 2 (The Smurfs 2), deHeitor Pereira
The Spectacular Now, de Rob Simonsen
Além da Escuridão: Star Trek (Star Trek Into Darkness), de Michael Giacchino
Segredos de Sangue (Stoker), de Clint Mansell
Thor: O Mundo Sombrio (Thor: The Dark World), de Brian Tyler
Tim’s Vermeer, de Conrad Pope
Em Transe (Trance), de Rick Smith
Turbo, de Henry Jackman
12 Years a Slave, de Hans Zimmer
Dose Dupla (2 Guns), de Clinton Shorter
The Ultimate Life, de Mark McKenzie
Canção Para Marion (Unfinished Song), de Laura Rossi
O Sonho de Wadjda (Wadjda), de Max Richter
Caminhando com Dinossauros (Walking with Dinosaurs), de Paul Leonard-Morgan
Meu Namorado é um Zumbi (Warm Bodies), de Marco Beltrami e Buck Sanders
We Steal Secrets: The Story of WikiLeaks, de Will Bates
Família do Bagulho (We’re the Millers), de Theodore Shapiro e Ludwig Goransson
Pelos Olhos de Maisie (What Maisie Knew), de Nick Urata
Why We Ride, de Steven Gutheinz
O Vento Está Soprando (The Wind Rises), de Joe Hisaishi
Winnie Mandela, de Laurent Eyquem
Wolverine – Imortal (The Wolverine), de Marco Beltrami