Cannes & Almodóvar vs. Netflix & TILDA SWINTON!

okja cannes

Equipe do filme Okja, da Netflix, no Festival de Cannes. No centro, o diretor Bong Joon-ho ao lado da atriz Tilda Swinton e Jake Gyllenhaal. Pic by AFP.com

EM SEGUNDO DIA DO FESTIVAL, NETFLIX CAUSA GRANDE ALVOROÇO

Sim, tá rolando uma treta em Cannes! E a musa Tilda Swinton calou a boca do povo! Por isso venho aqui pra compartilhar com vocês não apenas a treta, mas toda uma discussão sobre o futuro do cinema como o conhecemos hoje.

Vamos pela cronologia dos fatos:

1 – NETFLIX NA SELEÇÃO OFICIAL DE CANNES

Dentre os indicados à Palma de Ouro, havia duas produções de streaming da Netflix competindo pela primeira vez na história do evento: The Meyerowitz Stories, de Noah Baumbach; e Okja, do sul-coreano Bong Joon-ho.

OKJA

Cena do filme Okja, de Bong Joon-ho. Pic by cine.gr

2 – INCÔMODO ENTRE OS DISTRIBUIDORES DE CINEMA NA FRANÇA

Como se trata de um festival bastante tradicional, obviamente que os inúmeros distribuidores de cinema não gostaram nem um pouco do início da invasão da Netflix em Cannes, já que as produções não serão exibidas nas salas de cinema comercialmente, apenas pela plataforma da própria Netflix. Mais do que deixar de lucrar, os distribuidores estão enfurecidos com a possibilidade da profissão se tornar obsoleta num futuro não muito distante.

3 – OS ORGANIZADORES TOMAM PROVIDÊNCIAS

Com a insatisfação dos distribuidores no ouvido, os organizadores se viram obrigados a tomar providências para agradar gregos e troianos. Assim, passou a exigir que os filmes de streaming sejam exibidos em salas de cinema para que possam competir a partir de 2018.

4 – NETFLIX REAGE COM SENSATEZ

Depois de sofrer retaliações, a Netflix poderia reclamar ou se espernear, mas tem ciência do ótimo impacto de ter produções selecionadas e por isso, anunciou que está estudando a possibilidade de lançar seus filmes em algumas salas selecionadas.

5 – ALMODÓVAR USUFRUI DE SUA AUTORIDADE

Como presidente do júri deste ano, o cineasta Pedro Almodóvar, resolveu fazer declaração sobre o assunto, mas de forma intimidatória: “Não concederei não apenas a Palma de Ouro, mas qualquer outro prêmio para um filme que não poderei ver na tela grande”. Embora o júri seja formado por outros artistas como os atores Will Smith, Jessica Chastain, Fan Bingbing, e os cineastas Paolo Sorrentino, Park Chan-wook, Maren Ade e Agnès Jaoui, além do compositor Gabriel Yared, o presidente sempre tem a palavra final, portanto, existe forte possibilidade desses dois filmes da Netflix saírem de mãos abanando apenas por causa de seu formato.

Jury Press Conference - The 70th Annual Cannes Film Festival

À direita, o presidente do júri Pedro Almodóvar em coletiva de imprensa. Pic by The Upcoming

6 – TILDA SWINTON CALA A BOCA DE ALMODÓVAR

Durante a conferência do filme em Cannes, a atriz do filme Okja, a britânica Tilda Swinton, rebateu a declaração do presidente do júri Pedro Almodóvar: “NÃO VIEMOS AQUI PELOS PRÊMIOS”. Cadê aquela musiquinha do “Turn down for what” com os óculos escuros pra Tilda Swinton???

tilda-jake.jpg.size.custom.crop.1086x724

Tilda Swinton responde às perguntas dos jornalistas em coletiva de Okja em Cannes. Ao fundo, Jake Gyllenhaal. (pic by thestar.com)

ADENDO: A EXIBIÇÃO DE ‘OKJA’ EM CANNES

Depois de toda essa discussão, até parece que sabotaram a exibição do longa Okja! Após alguns minutos de exibição, o filme foi interrompido por problemas técnicos. Alguns membros da imprensa estrangeira aproveitaram para vaiar, mas o diretor Bong Joon-ho soube ter jogo de cintura após o término da sessão, quando disse: “Fiquei feliz pelos problemas técnicos. Assim vocês tiveram a oportunidade de ver duas vezes a sequência de abertura!”.

ANÁLISE PERTINENTE EM RELAÇÃO AO FUTURO DO CINEMA

Bom, mas tirando a sarrafada da Tilda Swinton, o que é necessário entender aqui é que a Netflix é o FUTURO. Simples. Para quem acompanha cinema, sabe que houve uma queda significativa de conteúdo nas salas de exibição. Os estúdios não querem mais arriscar em novas idéias, e preferem ficar limitados a adaptações de quadrinhos, refilmagens e sequências, pois as chances de prejuízo são praticamente inexistentes. Claro que não estou criticando esses filmes de estúdio (eu mesmo sou fã dos filmes da Marvel), mas cinema não deve ficar restrito a essas produções. Cinema é uma arte que precisa sempre se reinventar para poder sobreviver.

E a Netflix está providenciando isso. Há pouco tempo, eles deixaram de ser uma mera plataforma de exibição para produzir conteúdo. Começaram com as séries de TV , que logo conquistaram o grande público como as pioneiras House of Cards e Orange is the New Black, e agora estão fazendo grandes contratos com diretores renomados e renegados do cinema como os já citados Bong Joon-ho e Noah Baumbach. Esses mesmos diretores sabem que estão perdendo espaço nas salas de cinema e por isso, estão buscando alternativas para produzirem seus filmes. Vale lembrar que recentemente o diretor David Lynch anunciou sua aposentadoria de filmes, concentrando seus esforços na série Twin Peaks. Quem sabe ele não consegue retornar com a ajuda da Netflix também?

netflix screen-shot-2013-11-13-at-8-05-16-am

Tela da Netflix com destaque para a série House of Cards, sucesso absoluto de crítica e público. 

Quando o Festival de Cannes impõe restrições à Netflix, ele está adiando o futuro. Mesmo sendo cinéfilo que gosta de frequentar salas de cinema, não dá pra simplesmente ignorar uma plataforma tão promissora. Logo de cara, já desbancou as locadoras do mundo todo, e agora a tendência é aposentar as salas de cinema.

ÉPOCA DE TRANSIÇÃO

Embora a Netflix seja o futuro, ele não vem da noite para o dia. É necessário um período de adaptação do público e até mesmo da crítica. Acredito que o ideal nesse caso seja que a Netflix inicialmente disponibilize seus filmes em salas selecionadas de cinema, e que retire suas produções dos cinemas gradativamente. Hoje, podem lançar um filme para 200 salas nos EUA. Daqui a 6 meses, 150 salas, e assim sucessivamente. E o público que vai decidir isso. Se hoje pagam bem pra assistir mega-produções da Disney nos cinemas, eles podem elevar os números positivos das produções de streaming.

Voltando ao discurso do Almodóvar, ele lança sua opinião para que possamos refletir sobre essas mudanças. “Plataformas digitais são um novo meio de oferecer trabalho, o que é interessante e positivo. Mas elas não devem tomar o lugar de formatos existentes. Elas não deveriam mudar os hábitos dos espectadores. Essa é a grande questão do debate.”, declarou o diretor.

Realmente, assistir a um filme na tela grande do cinema é uma experiência de outro nível. A tela grande consegue aprimorar a experiência de ver um filme, e até mesmo melhorar a qualidade daquele filme meio capenga. É verdade. E tem uma questão primordial nesse modo de assistir a um filme: a concentração do espectador. Na sala de cinema, além da imagem e áudio de qualidades, existe o foco. Não há interrupções de telefone, barulho ou mesmo de distrações dentro da sala de cinema, que certamente existem em casa. Então, nesse sentido, o Almodóvar tem razão.

Mas pra ele, que já é um cineasta de renome que frequenta os festivais e sempre tem público nos cinemas, é mais fácil condenar a Netflix. Mas e praquele diretor em começo de carreira? Ou mesmo praquele que foi esquecido pelos grandes estúdios como o já citado David Lynch? Hoje, eles têm duas alternativas: Ou imploram por financiamento por leis de incentivo ou eles cedem para o streaming que vai produzir os filmes e vão oferecer para milhões de espectadores via plataforma.

O próprio diretor Bong Joon-ho ressaltou sua experiência de ter trabalhado com a Netflix: “Eu amei ter trabalhado com a Netflix. Eles me deram muito apoio. O orçamento para este filme foi considerável. Dar esse tipo de orçamento para um diretor não é muito comum.” A Netflix concedeu 50 milhões de dólares para a produção de Okja. Uma boa grana para quem teve astros como Tilda Swinton, Jake Gyllenhaal, Lily Collins e Paul Dano, sem contar com os efeitos especiais.

Enfim, fechando a discussão, nada desse debate todo justifica Pedro Almodóvar fechar as portas para as duas produções por causa da plataforma! Por isso, adorei Tilda Swinton, que ressaltou o privilégio de estar em Cannes, e de lembrar que o real intuito do filme é ser visto e passar sua mensagem. Os prêmios são mera consequência.

***

A 70ª edição do Festival de Cannes termina dia 28 de maio, quando serão anunciados os vencedores.

‘ZOOLANDER 2’ e ‘BATMAN VS SUPERMAN’ lideram as indicações do FRAMBOESA DE OURO

batman-v-superman-dawn-of-justice-mit-henry-cavill

Ben Affleck e Henry Cavill em Batman vs Superman: A Origem da Justiça. Ambos foram indicados a Pior Ator: páreo duro. Pic by moviepilot.de

CONTINUAÇÕES E REFILMAGENS CONTINUAM SEU REINADO NO FRAMBOESA

Ok, primeiramente, peço desculpas pelo atraso neste post. O pessoal do Framboesa de Ouro anunciou seu indicados lá no dia 23 de janeiro, mas devido a alguns contratempos e maior urgência em outros posts como as indicações do Oscar, acabei dando prioridade.

Bom, estou postando sobre o Framboesa porque acho um prêmio super necessário. Hoje o cinema virou um mega parque de diversões para produtores que só pensam em refilmagens, sequências e efeitos especiais. Ninguém mais quer arriscar em inovações ou mesmo fazer cinema adulto (não, não pornôs, mas dramas sérios como Manchester à Beira-Mar, por exemplo).

Aí você pensa: “Mas Batman vs. Superman faturou não sei quantos milhões de dólares! Como o Framboesa de Ouro vai impedir novas catástrofes diante de tantas cifras?”. Sim, é verdade. Os verdadeiros responsáveis pelas bombas do cinema estão em suas jacuzzis, rodeados de modelos, tomando martinis. A premiação do Framboesa não vai ferir nem um pouco seus egos inflados. Eles só serão punidos quando seus filmes não faturarem alto nas bilheterias.

Assim aconteceu com Zoolander 2, a sequência que chegou quinze anos atrasada. Onde estava Ben Stiller com a cabeça? A produção sobre o universo da moda custou 50 milhões de dólares, e faturou apenas 28 nos EUA. Isso sim foi uma punição por se acomodar em continuações. Acho que a única sequência atrasada que deu certo foi Toy Story 3 (houve um hiato de 11 anos do segundo para o terceiro filme), porque a Pixar soube caprichar no roteiro.

zoolander-2

Ben Stiller, Penelope Cruz e Owen Wilson na sequência Zoolander 2, recordista de indicações no Framboesa de Ouro. Pic by moviepilot.de

Enquanto as outras premiações reconhecem os melhores e buscam estimular mais trabalhos interessantes e inovadores, o Framboesa tem a missão mais árdua de todas: escolher os piores e tentar evitar filmes catastróficos, e há 37 anos!

No caso do Framboesa de Ouro, vou parafrasear a atriz Glória Pires na transmissão do Oscar na Globo: “Não posso opinar”. Já me falta tempo para ver tantos bons filmes que acaba não sobrando tempo para ver os ruins. Entre todos os indicados aqui, assisti ao todo 3 filmes: Batman vs Superman, Deuses do Egito (um amigo meu me obrigou a acompanhá-lo porque é fã do diretor Alex Proyas) e Esquadrão Suicida, que vi em casa mesmo, depois de tanto falarem mal que acabei tendo curiosidade. E sim, é péssimo mesmo. Aliás, não sei como não está indicado a Pior Filme e em quase todas as categorias. Pegaram leve com essa adaptação da DC Comics, que errou em absolutamente tudo! Exceto o trailer, que vendeu um filme maravilhoso!

Também incluiria o novo Caça-Fantasmas (apesar do esforço por parte do elenco feminino, essa continuação está completamente deslocada para o público de hoje) e a sequência Bruxa de Blair. Pra que mexer no que já é bom? Embora haja trocentos críticos do primeiro A Bruxa de Blair (1999), considero um dos filmes de terror mais inovadores das últimas décadas. O estilo “mocumentary” (ou falso documentário) fez escola no gênero e até hoje se usa muita câmera na mão por causa do filme. Fazer um novo filme sobre o tema foi desnecessário. A única “inovação” à fórmula foi o uso de tecnologia por parte dos personagens perdidos na floresta: celulares e drones.

blair-witch-mit-james-allen-mccune-valorie-curry-callie-hernandez-corbin-reid-brandon-scott-und-wes-robinson.jpg

Bruxa de Blair: o legado se resume a um bando de jovens cuja morte não nos importamos (pic by moviepilot.de)

E por último, adorei a indicação para o elenco do filme Beleza Oculta. Pra quem acompanha o blog, sabe que peguei um bode tremendo do ator Will Smith depois que ele e sua querida esposa Jada Pinkett decidiram não ir ao Oscar por causa da “falta de diversidade”. Adorei quando o Chris Rock falou na cerimônia (não exatamente nessas palavras): “Estou cagando pra Jada Pinkett  não vir ao Oscar, porque ela nem foi convidada!”. Will Smith foi querer fazer filme pra ganhar Oscar e acabou parando no Framboesa. Ops! Pior que ele não foi pro fundo do poço sozinho. Conseguiu convencer e arrastar nomes de peso como Helen Mirren, Kate Winslet, Edward Norton, Keira Knightley e até a indicada ao Oscar este ano, Naomie Harris.

verborgene-schonheit-mit-will-smith.jpg

O tiro saiu pela culatra: Will Smith faz Beleza Colateral pensando em Oscar e acaba parando no Framboesa de Ouro, e acaba arrastando um monte de bons atores junto. Pic by moviepilot.de

INDICADOS AO 37º FRAMBOESA DE OURO (RAZZIE AWARDS):

PIOR FILME

  • Batman vs Superman: A Origem da Justiça
  • Tirando o Atraso (Dirty Grandpa)
  • Deuses do Egito (Gods of Egypt)
  • Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party
  • Independence Day: O Ressurgimento (Independence Day: Resurgence)
  • Zoolander 2 (Zoolander 2)

PIOR ATOR

  • Ben Affleck (Batman vs Superman: A Origem da Justiça)
  • Gerard Butler (Deuses do Egito) (Invasão a Londres)
  • Henry Cavill (Batman vs Superman: A Origem da Justiça)
  • Robert De Niro (Tirando o Atraso)
  • Dinesh D’Souza – como ele mesmo (Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party)
  • Ben Stiller (Zoolander 2)

PIOR ATRIZ

  • Megan Fox (As Tartarugas Ninja: Fora das Sombras)
  • Tyler Perry – como Madea (Boo! A Madea Halloween)
  • Julia Roberts (O Maior Amor do Mundo)
  • Becky Turner – como Hillary Clinton (Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party)
  • Naomi Watts (A Série Divergente: Convergente) (Refém do Medo)
  • Shailene Woodley (A Série Divergente: Convergente)

PIOR ATRIZ COADJUVANTE

  • Julianne Hough (Tirando o Atraso)
  • Kate Hudson (O Maior Amor do Mundo)
  • Aubrey Plaza (Tirando o Atraso)
  • Jane Seymour (Cinquenta Tons de Preto)
  • Sela Ward (Independence Day: O Ressurgimento)
  • Kristen Wiig (Zoolander 2)

PIOR ATOR COADJUVANTE

  • Nicolas Cage (Snowden: Herói ou Traidor)
  • Johnny Depp (Alice Através do Espelho)
  • Will Ferrell (Zoolander 2)
  • Jesse Eisenberg (Batman vs Superman: A Origem da Justiça)
  • Jared Leto (Esquadrão Suicida)
  • Owen Wilson (Zoolander 2)

PIRO DIRETOR

  • Dinesh D’Souza (Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party)
  • Roland Emmerich (Independence Day: O Ressurgimento)
  • Tyler Perry (Boo! A Madea Halloween)
  • Alex Proyas (Deuses do Egito)
  • Zack Snyder  (Batman vs Superman: A Origem da Justiça)
  • Ben Stiller (Zoolander 2)

PIOR ROTEIRO

  • Batman vs Superman: A Origem da Justiça
  • Tirando o Atraso
  • Deuses do Egito
  • Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party
  • Independence Day: O Ressurgimento
  • Esquadrão Suicida

PIOR REMAKE, ADAPTAÇÃO OU SEQUÊNCIA

  • Alice Através do Espelho
  • Batman vs Superman: A Origem da Justiça
  • Cinquenta Tons de Preto
  • Independence Day: O Ressurgimento
  • As Tartarugas Ninja: Fora das Sombras
  • Zoolander 2

PIOR COMBO EM TELA

  • Ben Affleck e seu pior inimigo para sempre Henry Cavill (Batman vs Superman: A Origem da Justiça)
  • Qualquer deus egípcio ou mortal (Deuses do Egito)
  • Johnny Depp e seu visual vibrante e nauseante (Alice Através do Espelho)
  • O elenco inteiro de antes respeitáveis atores (Beleza Oculta)
  • Tyler Perry e sua velha peruca de sempre (Boo! A Madea Halloween)
  • Ben Stiller e seu amigo quase engraçado Owen Wilson (Zoolander 2)

***

Tradicionalmente, a cerimônia do Framboesa ocorre sempre um dia antes do Oscar. Neste ano, marcado para dia 25 de fevereiro.

PREVISÕES OSCAR 2017! Uma breve espiada nos candidatos

DEPOIS DE POLÊMICAS RACIAIS, OSCAR 2017 PROMETE RESULTADOS MAIS DIVERSIFICADOS

É complicado prever quais filmes serão indicados ao Oscar. Como não disponho de uma bola de cristal, e não tenho credencial de jornalista estrangeiro pra cobrir os festivais internacionais, baseio-me em algumas pistas que costumam render boa porcentagem de acerto. Uma delas é dar aquela olhada básica nas produções que estiveram presentes nos festivais de Veneza (Itália), Toronto (Canadá) e Telluride (EUA), já que todos têm sido pólos artísticos que selecionam futuros vencedores do Oscar nos últimos anos. Só pra citar alguns que seguiram esse tour e saíram vitoriosos no Oscar: Gravidade, Birdman, 12 Anos de Escravidão, O Discurso do Rei e Quem Quer Ser um Milionário?. As produções que passaram por esses festivais já têm meio caminho andado.

Em segundo lugar, estar atento ao histórico dos artistas. Não é porque o novo filme de Steven Spielberg não participou de festivais que vai ficar de fora do burburinho da Academia. Foi assim com Ponte dos Espiões: estreou em outubro de 2015 sem grande alarde e acabou indicado a Melhor Filme e levou a estatueta de Ator Coadjuvante para Mark Rylance. Então, o pensamento é o seguinte: “Tem filme novo de Spielberg, Ang Lee, David O. Russell ou Clint Eastwood? Bota na roda!”. O mesmo vale para atores, que vivem aceitando desafios e chamando a atenção dos votantes da Academia como Christian Bale e obviamente, Meryl Streep, que aliás, pode conquistar sua 20ª indicação: mais um marco histórico!

Meryl Streep como Florence Foster Jenkins (photo by cine.gr)

Meryl Streep como Florence Foster Jenkins (photo by cine.gr)

E neste ano, temos um fator que pode e deve ser determinante nas indicações e vencedores: a polêmica do #OscarSoWhite. Pra quem estava em outro planeta, 2016 foi o segundo ano consecutivo em que todas as 20 vagas nas categorias de atuação foram preenchidas por atores caucasianos. Isso acabou causando protestos e levantando questões raciais na indústria cinematográfica, o que fez com que a presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, convidasse artistas negros e de outras etnias como membros com o intuito de dar resultados imediatos na votação. Portanto, as produções de temática racial devem figurar nas listas de previsões e conquistar indicações, inclusive de atores negros como Viola Davis e Denzel Washington.

Ao longo das categorias (veja lista abaixo), você perceberá que nomes de profissionais negros estão em quantidade maior do que a habitual. Como não tivemos a oportunidade de conferir os trabalhos, não podemos acusar ou defender a existência de uma possível retaliação perante o “racismo” dos últimos dois anos. Como já lancei aqui em posts anteriores, teremos um ano bem politicamente correto, e isso deve prejudicar a imagem dos indicados e vencedores, levantando a questão: “Estou ganhando por méritos ou por ser negro?”.

Naomie Harris em Moonlight. Ela pode concorrer como coadjuvante (photo by variety.com)

Naomie Harris em Moonlight. Ela pode concorrer como coadjuvante (photo by variety.com)

Sou contra cotas raciais em quaisquer áreas por esse motivo. A cota julga o beneficiado como incapaz de obter sucesso pelo próprio esforço. E nas Artes, não dá pra obrigar um reconhecimento artístico. Essa atitude será bastante injusta para esses atores negros reconhecidos, pois, por mais que mereçam, correrão sério risco de serem vistos como uma mera resposta à polêmica. E depois? Teremos a revolta dos asiáticos, latinos e índios? Quem sabe uma vaga por raça e religião pra agradar gregos e troianos?

Justamente devido à essa “falta de diversidade”, um dos filmes mais bem cotados se tornou automaticamente o drama independente O Nascimento de uma Nação (The Birth of a Nation), já que se trata de uma rebelião de escravos nos EUA. O filme estreou no festival de Sundance em fevereiro, e era até então, o candidato com maior potencial de Oscar. Contudo, a campanha descambelou quando a mídia descobriu que uma jovem, que cometeu suicídio em 2012, teria sido abusada pelo diretor e ator Nate Parker em 1999. Embora tenha sido absolvido na época, a morte da vítima reacendeu o escândalo e tem prejudicado bastante a carreira de Parker e seu filme. A bilheteria de 12 milhões de dólares nos EUA sequer pagou o investimento de 20 milhões que a Fox Searchlight pagou. Por mais que Parker seja indicado e premiado na temporada, sua glória está seriamente ameaçada devido à reação do público e dos demais artistas.

No centro, Nate Parker, o diretor e ator que protagoniza O Nascimento de uma Nação (photo by cine.gr)

No centro, Nate Parker, o diretor e ator que protagoniza O Nascimento de uma Nação (photo by cine.gr)

Claro que a Academia premiou e ainda premia acusados de crimes sexuais como Roman Polanski e Woody Allen, mas como se trata de algo tão recente, tenho minhas dúvidas da participação do filme na temporada. Pude conferir O Nascimento de uma Nação recentemente na 40ª Mostra de Cinema de SP, e particularmente, considero um filme convencional com uma narrativa simples que busca a todo momento estar à altura de seu tema, mas que só consegue oferecer elementos chavões como câmera lenta e trilha musical que busca catarse no público. O recém-oscarizado 12 Anos de Escravidão é muito mais filme se formos comparar pela temática escravista.

Ainda sobre questões raciais, o filme Loving pode ser uma ótima alternativa no Oscar. Indicado à Palma de Ouro, este novo trabalho do diretor Jeff Nichols, apresenta a história verídica de um homem branco que casou com uma mulher negra na Viriginia racista dos anos 50. O amor que ultrapassa barreiras raciais deve chegar ao tapete vermelho, pelo menos através de seus atores Joel Edgerton e Ruth Negga.

Quando o casamento interracial é caso de polícia em Loving: Joel Edgerton e Ruth Negga são coagidos por policiais (photo by cine.gr)

Quando o casamento interracial é caso de polícia em Loving: Joel Edgerton e Ruth Negga são coagidos por policiais (photo by cine.gr)

E ainda nesse contexto, também vale citar o drama racial Fences, baseado numa peça de sucesso da Broadway de 1987. A história de um pai de família, ex-jogador de beisebol, que trabalha como lixeiro na década de 50 racista da Pensilvânia para sustentar sua família foi renovada como peça teatral em 2010 pela mesma equipe do filme, com Denzel Washington dirigindo, e estrelando ao lado de Viola Davis. Muitos já consideram certas as indicações para ator e atriz (ou atriz coadjuvante).

Parceria de sucesso entre Denzel Washington e Viola Davis pode resultar em Oscar para Fences (photo by cine.gr)

Parceria de sucesso entre Denzel Washington e Viola Davis pode resultar em Oscar para Fences (photo by cine.gr)

Aliás, os temas são fatores de desequilíbrio quando se trata de candidatos ao Oscar de Melhor Filme. Filmes de guerra como Até o Último Homem (Hacksaw Ridge) tem como protagonista um soldado médico que foi à guerra sem armas por não acreditar na violência, trazendo uma mensagem anti-bélica que pode resgatar o diretor Mel Gibson de seu ostracismo depois de suas declarações anti-semitas.

Cena de Até o Último Homem, dirigido por Mel Gibson. À direita, o protagonista Andrew Garfield, e à esquerda, Vince Vaughn (photo by cine.gr)

Cena de Até o Último Homem, dirigido por Mel Gibson. À direita, o protagonista Andrew Garfield, e à esquerda, Vince Vaughn (photo by cine.gr)

O drama histórico de Martin Scorsese, Silêncio, também tem boas chances por se tratar de um drama histórico de dois padres jesuítas no Japão do século XVII. Além de contar com destaques técnicos como Direção de Arte, Figurino e Fotografia, e o próprio prestígio de Scorsese, o filme tem parte do elenco japonês, o que pode ajudar na questão da “diversidade racial” da Academia.

Cena do novo filme de Martin Scorsese, estrelado por Andrew Garfield (photo by cine.gr)

Cena do novo filme de Martin Scorsese, estrelado por Andrew Garfield (photo by cine.gr)

Claro que a temporada está apenas começando, mas até o momento, boa parte da crítica acredita que o novo filme de Ang Lee tem as melhores chances. A Longa Caminhada de Billy Lynn tem elementos típicos da filmografia do diretor, como a entrega do protagonismo para um ator desconhecido (no caso, Joe Alwyn), e uma grande história: o soldado Billy volta do Iraque para um tour de vitória pelos EUA, intercalando com flashbacks do que realmente aconteceu na guerra. Esse tema era muito bem explorado pelo diretor Oliver Stone (que ganhou dois Oscars por filmes anti-bélicos Platoon e Nascido em 4 de Julho), e costuma agradar a Academia por expôr as entranhas da guerra e sua forte conexão com os EUA.

Cena de comemorações em A Longa Caminhada de Billy Lynn, de Ang Lee (photo by cine.gr)

Cena de comemorações em A Longa Caminhada de Billy Lynn, de Ang Lee (photo by cine.gr)

Não sei quais as reais chances de vitória como Melhor Filme, mas dois candidatos prometem fazer barulho nesta temporada: o drama tenso Animais Noturnos e o musical La La Land: Cantando Estações (pois é, queria esganar quem inventou esse subtítulo escroto!). Curiosamente, ambos saíram premiados no último festival de Veneza e participaram do festival de Toronto. Animais Noturnos é nada mais, nada menos do que o segundo longa do conhecido estilista Tom Ford, que dirigiu o belo Direito de Amar, com atuação soberba de Colin Firth. Depois que conferi o filme na Mostra, foi a obra que mais fiquei pensando por dias, pois tem sequências bem tensas e uma direção com personalidade. Particularmente, não acredito que seja material para Oscar porque tem a coisa da violência e do sexo (vide o fracasso de Os Suspeitos, de Denis Villeneuve no Oscar), e não há um ator que eu possa garantir que receberá uma indicação ao Oscar, mesmo que Aaron Taylor-Johnson e Laura Linney estejam bem, então restaria uma bastante justa indicação para Ford na direção.

Jake Gyllenhaal em cena de Animais Noturnos, segundo filme sob a direção de Tom Ford (photo by cine.gr)

Jake Gyllenhaal em cena de Animais Noturnos, segundo filme sob a direção de Tom Ford (photo by cine.gr)

La La Land já gerou burburinho a partir de seu trailer todo bonito e colorido. É o tipo de trabalho que, por pior que seja sua história, vale a pena ver pelo apuro visual. Mas como fã de Damien Chazelle e seu Whiplash: Em Busca da Perfeição, aposto num musical bem escrito e com ótima montagem. Aliás, além da montagem, a fotografia e a direção são categorias praticamente garantidas no Oscar, assim como a segunda indicação para Emma Stone, que já faturou o prêmio Volpi Cup de Atriz em Veneza e deve conquistar o Globo de Ouro de Atriz – Comédia ou Musical.

Coreografia do musical de Damien Chazelle, La La Land, com Ryan Gosling e Emma Stone (photo by cine.gr)

Coreografia do musical de Damien Chazelle, La La Land, com Ryan Gosling e Emma Stone (photo by cine.gr)

Manchester à Beira-Mar foi o drama que mais reviews positivos recebeu até o momento. Dirigido pelo sempre competente Kenneth Lonnergan, o filme praticamente garante as indicações de Casey Affleck como Ator, e Michelle Williams como Atriz Coadjuvante, além de uma possível para o novato Lucas Hedges como Coadjuvante. A história gira em torno de um tio que precisa cuidar de seu sobrinho após a morte do pai. Dependendo de como vai se sair nos prêmios da crítica como LAFCA e NYFCC, pode surgir como forte candidato a Melhor Filme.

Segundo críticos, Casey Affleck entrega a performance de sua vida em Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

Segundo críticos, Casey Affleck entrega a performance de sua vida em Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

Enfim, sem mais delongas, seguem minhas apostas para o momento. Assinalei aqueles que acredito que convertem seu favoritismo em indicação na cor laranja. Lembrando que de novembro até fevereiro, muita coisa pode mudar de acordo com as premiações anteriores ao Oscar, as bilheterias de cada filme, e até mesmo declarações polêmicas que podem ruir toda uma campanha.

MELHOR FILME

  • A Chegada (Arrival)
  • A Longa Caminhada de Billy Lynn (Billy Lynn’s Long Halftime Walk)
  • O Nascimento de uma Nação (The Birth of a Nation)
  • Fences
  • Até o Último Homem (Hacksaw Ridge)
  • Hell or High Water
  • Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures)
  • Jackie
  • La La Land: Cantando Estações (La La Land)
  • A Luz Entre Oceanos (The Light Between Oceans)
  • Lion
  • Loving
  • Manchester à Beia-Mar (Manchester by the Sea)
  • Moonlight
  • Animais Noturnos (Nocturnal Animals)
  • Silêncio (Silence)
  • Sully: O Herói do Rio Hudson (Sully)
  • 20th Century Women

Talvez seja a categoria mais complicada de adivinhar, afinal, temos que levar em consideração todas as demais categorias que podem resultar em maior número de estatuetas ganhas. E, claro, a história do filme conta muuuuito. Vejam a vitória de Spotlight nesse ano! Conseguiu ganhar apenas mais um Oscar além de Melhor Filme devido ao peso de sua história verídica.

A Academia adora histórias edificantes, com redenções e humanismo. Nesse quesito, os já citados A Longa Caminhada de Billy Lynn, Até o Último Homem e Fences saem na frente. Também incluiria Estrelas Além do Tempo, que envolve um pequeno grupo de mulheres negras que foi essencial através de seus conhecimentos matemáticos na corrida espacial da NASA contra a Rússia; e o novo filme de Clint Eastwood, Sully: O Herói do Rio Hudson, pela trajetória verídica do piloto de aeronave que pousou o avião no rio para salvar seus passageiros e tripulação. Sim, lembra um pouco o filme O Vôo com Denzel Washington, mas Eastwood e Tom Hanks costumam ter mais prestígio no Oscar.

Particularmente, acredito bastante numa vitória de La La Land. Embora o gênero musical tenha perdido aquela onda dos anos 50 e 60, a Academia nunca deixou de amá-lo. Premiou Moulin Rouge – Amor em Vermelho com dois Oscars em 2001, Chicago como Melhor Filme em 2003, e mais recentemente Os Miseráveis com duas estatuetas. E este novo trabalho de Damien Chazelle, diretor de Whiplash: Em Busca da Perfeição, vem arrancando muitos aplausos desde sua estréia em Veneza e Toronto. Alguns, inclusive, já defendem a vitória incontestável de Emma Stone como atriz. Será?

DIRETOR

  • Ben Affleck (A Lei da Noite)
  • Warren Beatty (Rules Don’t Apply)
  • Damien Chazelle (La La Land)
  • Garth Davis (Lion)
  • Clint Eastwood (Sully: O Herói do Rio Hudson)
  • Tom Ford (Animais Noturnos)
  • Stephen Frears (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Mel Gibson (Até o Último Homem)
  • Barry Jenkins (Moonlight)
  • Pablo Larraín (Jackie)
  • Ang Lee (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Kenneth Lonnergan (Manchester à Beira-Mar)
  • Mike Mills (20th Century Women)
  • Jeff Nichols (Loving)
  • Martin Scorsese (Silêncio)
  • Oliver Stone (Snowden)
  • Morten Tyldum (Passageiros)
  • Denis Villeneuve (A Chegada)
  • Denzel Washington (Fences)

Mesmo sem sequer ter lançado o trailer de Silêncio, Martin Scorsese já está em todas as listas do Oscar 2017 por causa de sua reputação. Aliás, considero Scorsese um caso raríssimo em que a estatueta do Oscar lhe rendeu muito mais maturidade e sabedoria na escolha de projetos. Pra mim, O Lobo de Wall Street e A Invenção de Hugo Cabret, que vieram depois do premiado Os Infiltrados, são ótimos filmes e com ousadia de linguagem. Portanto, vou com os especialistas e incluir seu nome como certo.

Damien Chazelle em set de La La Land: Cantando Estações (photo by lionsgatepublicity.com)

Damien Chazelle em set de La La Land: Cantando Estações (photo by lionsgatepublicity.com)

Em seguida, por mais jovem que seja, Damien Chazelle já merecia ter sido indicado ao Oscar de Diretor em 2015 por Whiplash, dessa forma, acredito que seja natural sua indicação nesta categoria por La La Land. Ele tem um forte apuro técnico na fotografia e na montagem, além de ser um ótimo roteirista, que busca algo inovador (quem não curtiu aquele final de Whiplash?), o que deve lhe garantir vaga na final.

Vencedor de 2 Oscars de Diretor, o taiwanês Ang Lee é aquele profissional competente que sempre tem algo de novo pra mostrar. É um dos raros diretores que consegue mudar de gênero sem perder sua capacidade de contar bem uma história. Por mais que ache difícil ele ganhar o terceiro Oscar, não deve ter dificuldade de figurar entre os cinco indicados.

Por mais que esteja pegando carona na polêmica do #OscarSoWhite, o trabalho de direção de Denzel Washington em Fences tem sido bastante elogiado.

ATOR

  • Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)
  • Don Cheadle (Miles Ahead)
  • Robert De Niro (The Comedian)
  • Joel Edgerton (Loving)
  • Michael Fassbender (A Luz Entre Oceanos)
  • Andrew Garfield (Até o Último Homem) (Silêncio)
  • Joseph Gordon-Levitt (Snowden)
  • Ryan Gosling (La La Land)
  • Jake Gyllenhaal (Animais Noturnos)
  • Tom Hanks (Sully)
  • Ethan Hawke (Born to be Blue)
  • Michael Keaton (Fome de Poder)
  • Matthew McConaughey (Ouro e Cobiça)
  • Viggo Mortensen (Capitão Fantástico)
  • Nate Parker (O Nascimento de uma Nação)
  • Will Smith (Beleza Oculta)
  • Miles Teller (Bleed for This)
  • Denzel Washington (Fences)

De acordo com os sites de apostas, os únicos “garantidos” na categoria até o momento são Casey Affleck e Denzel Washington. Ambos tiveram suas performances muito bem elogiadas e seriam muito improváveis suas ausências no tapete vermelho. Se confirmadas as previsões, seria a segunda indicação de Affleck (a primeira como ator principal), e a sétima indicação de Washington, que pode levar seu terceiro Oscar depois de Coadjuvante por Tempo de Glória (1989) e Ator por Dia de Treinamento (2001).

À direita, Casey Affleck contracena com Kyle Chandler em cena de Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

À direita, Casey Affleck contracena com Kyle Chandler em cena de Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

Quase garantido também está Joel Edgerton. Este ator australiano que já participou de grandes produções hollywoodianas como O Grande Gatsby (2013) e Êxodo: Deuses e Reis (2014), vem chamando atenção em papéis mais discretos como em Guerreiro (2011), Aliança do Crime (2015) e O Presente (2015), que também dirigiu. No papel verídico de Richard em Loving, arrancou aplausos em Cannes. Se o filme receber indicações para Filme e Roteiro, suas chances de vitória aumentam bastante.

Existem dois atores mais experientes que viveram músicos este ano que podem entrar na penetra na festa. Don Cheadle como Miles Davis em Miles Ahead, e Ethan Hawke como Chet Baker em Born to be Blue. Como a Academia adora personagens baseados em figuras reais, e sempre tem lugar para produções independentes, por que não?

ATRIZ

  • Amy Adams (Animais Noturnos) (A Chegada)
  • Annette Bening (20th Century Women)
  • Emily Blunt (A Garota no Trem)
  • Jessica Chastain (Miss Sloane)
  • Marion Cotillard (Aliados)
  • Rebecca Hall (Christine)
  • Taraji P. Henson (Estrelas Além do Tempo)
  • Isabelle Huppert (Elle)
  • Jennifer Lawrence (Passageiros)
  • Ruth Negga (Loving)
  • Natalie Portman (Jackie)
  • Emma Stone (La La Land: Cantando Estações)
  • Meryl Streep (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Alicia Vikander (A Luz Entre Oceanos)
  • Rachel Weisz (Denial)

Quando vi o trailer de Fences, já havia decretado que 2017 seria o ano de Viola Davis. Além de já ter tido a oportunidade de ganhar o Oscar em duas vezes, e estar em alta na série How to Get Away With Murder, a polêmica da ‘diversidade’ certamente garantiria sua vitória. Mas recentemente, após conferir o filme, ela decidiu que sua personagem era coadjuvante, e que portanto, concorreria como uma.

Com o caminho aberto, os holofotes apontam para Emma Stone, que saiu premiada do último Festival de Veneza por La La Land.  Apesar de jovem (tem 28 anos), ela tem se mostrado bem versátil. Já trabalhou com comédias besteirol (A Casa das Coelhinhas), drama (Birdman), animação (Os Croods), comédia romântica (A Mentira), blockbuster (O Espetacular Homem-Aranha), terror (se considerarmos Zumbilândia) já atuou sob a batuta de Woody Allen duas vezes, e agora canta num musical!

Emma Stone em cena do musical La La Land: Cantando Estações (photo by tumblr.com)

Emma Stone em cena do musical La La Land: Cantando Estações (photo by tumblr.com)

Não se sabe se suas concorrentes terão força para bater de frente, mas Natalie Portman promete muita luta por Jackie, no qual vive a ex-primeira dama no momento crítico após o assassinato de seu marido. Estão falando bem de Amy Adams em A Chegada, o que poderia render sua sexta (!) indicação, e uma das raras para atriz em ficção científica. Particularmente, acho que ela só ganha se ela passar por alguma transformação física (será que só eu penso assim?), mas… Caso ela não agrade, temos sempre Meryl Streep à mão, que aliás se transforma em Florence Foster Jenkins, considerada a pior cantora de todos os tempos. Se cuide, Amy!

ATOR COADJUVANTE

  • Mahershala Ali (Moonlight)
  • Warren Beatty (Rules Don’t Apply)
  • Jeff Bridges (Hell or High Water)
  • Kevin Costner (Estrelas Além do Tempo)
  • John Goodman (Rua Cloverfield 10)
  • Hugh Grant (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Lucas Hedges (Manchester à Beira Mar)
  • Stephen Henderson (Fences)
  • Steve Martin (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Liam Neeson (Silêncio)
  • Dev Patel (Lion)
  • Michael Shannon (Animais Noturnos)
  • Timothy Spall (Denial)
  • Aaron Taylor-Johnson (Animais Noturnos)

Das atuações coadjuvantes mais comentadas até agora foi de Lucas Hedges, como o sobrinho que passa a ser criado pelo tio após a morte do pai. Ele seria o comic relief (alívio cômico) de uma trama sobre luto e passado trágico. Esse tipo de papel apresenta elementos que o fazem se destacar num drama, iluminando ainda mais uma atuação, e de quebra, a Academia adora esse tipo de personagem. Acredito que pelo menos um dos três atores possivelmente indicados de Manchester à Beira-Mar deva levar uma estatueta pra casa. Se Casey Affleck não ganhar, temos Lucas Hedges…

À direita, Lucas Hedges atua ao lado de Casey Affleck em Manchester à Beira-Mar (photo by shootlonline.com)

À direita, Lucas Hedges atua ao lado de Casey Affleck em Manchester à Beira-Mar (photo by shootlonline.com)

Na cola de Hedges, outros dois nomes estão crescendo na temporada. Mahershala Ali em Moonlight tem despertado os críticos num drama que contém bullying, pobreza, drogas e família em frangalhos, tanto que já foi comparado a Preciosa: Uma História de Esperança (2009). E o eterno Schindler, Liam Neeson, que deu um tempo nos filmes de ação (não, não tenho nada contra, tanto que adoro o primeiro Busca Implacável) para trabalhar com Martin Scorsese em Silêncio. Como o filme só terá exibição em dezembro, não se sabe praticamente nada sobre a produção, mas quando um ator desse calibre entra num projeto de Scorsese, cheiro de indicação já tem automaticamente.

ATRIZ COADJUVANTE

  • Viola Davis (Fences)
  • Elle Fanning (20th Century Women)
  • Greta Gerwig (20th Century Women)
  • Naomie Harris (Moonlight)
  • Felicity Jones (Sete Minutos Depois da Meia-Noite)
  • Nicole Kidman (Lion)
  • Aja Naomi King (O Nascimento de uma Nação)
  • Sasha Lane (American Honey)
  • Margo Martindale (The Hollars)
  • Janelle Monáe (Estrelas Além do Tempo)
  • Lupita Nyong’o (Rainha de Katwe)
  • Octavia Spencer (Estrelas Além do Tempo)
  • Kristen Stewart (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Michelle Williams (Manchester à Beira Mar)
Viola Davis em Fences

Viola Davis em Fences

Muitos já decretaram a vitória de Viola Davis nesta categoria por Fences. Se a transição da campanha de Atriz para Atriz Coadjuvante realmente se concretizar como o estúdio e ela mesma deseja, será muito difícil não entregar o prêmio em suas mãos, já que, além de sua atuação ter sido bem elogiada, ela já foi indicada 2 vezes ao Oscar e está em alta com o público através da série How to Get Away With Murder. E além disso tudo, é uma das melhores atrizes de sua geração. Ela consegue transformar uma única cena de um papel menor em ouro como aconteceu em Dúvida.

Talvez a candidata mais forte depois de Davis, seja Naomie Harris que, além de satisfazer a “diversidade”, interpreta um papel forte de uma mãe viciada em crack no drama Moonlight. Pelas críticas que acompanhei, ela foge do estereótipo e entrega uma performance densa sem apelar. O fato de ela ser conhecida do público por ser o nova Miss Moneypenny na franquia do 007 ajuda bastante, claro.

Outra atuação bem comentada nessa temporada é a de Nicole Kidman como uma mãe que vê seu filho adotado sair em busca de seus pais biológicos. Como Lion tem a grande Weinstein Co. por trás da campanha, acredito que Kidman tem lugar garantido.

ROTEIRO ORIGINAL

  • Steven Knight (Aliados)
  • Andrea Arnold (American Honey)
  • Woody Allen (Café Society)
  • Matt Ross (Capitão Fantástico)
  • Taylor Sheridan (Hell or High Water)
  • Noah Oppenheim (Jackie)
  • Damien Chazelle (La La Land: Cantando Estações)
  • Yorgos Lanthimos e Efthymis Filippou (O Lagosta)
  • Jeff Nichols (Loving)
  • Kenneth Lonnergan (Manchester à Beira-Mar)
  • Barry Jenkins (Moonlight)
  • Mike Mills (20th Century Women)
Cena do drama independente Moonlight, de Barry Jenkins (photo by cine.gr)

Cena do drama independente Moonlight, de Barry Jenkins (photo by cine.gr)

ROTEIRO ADAPTADO

  • Eric Heisserer (A Chegada)
  • Jean-Christophe Castelli (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • David Hare (Denial)
  • August Wilson (Fences)
  • Robert D. Siegel (Fome de Poder)
  • Erin Cressida Wilson (A Garota no Trem)
  • Allison Schroeder e Theodore Melfi (Estrelas Além do Tempo)
  • Luke Davies (Lion)
  • Ben Affleck (A Lei da Noite)
  • Whit Stillman (Love & Friendship)
  • Patrick Ness (Sete Minutos Depois da Meia-Noite)
  • Tom Ford (Animais Noturnos)
  • Jay Cocks (Silêncio)
  • Todd Komarnicki (Sully: O Herói do Rio Hudson)
Dev Patel em cena de Lion (photo by cine.gr)

Dev Patel em cena de Lion (photo by cine.gr)

FOTOGRAFIA

  • Bradford Young (A Chegada)
  • John Toll (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Charlotte Bruus Christensen (Fences)
  • Robert Elswit (Ouro e Cobiça)
  • Roger Deakins (Ave, César!)
  • Mandy Walker (Estrelas Além do Tempo)
  • Stéphane Fontaine (Jackie)
  • Bill Pope (Mogli: O Menino Lobo)
  • Linus Sandgren (La La Land: Cantando Estações)
  • Robert Richardson (A Lei da Noite)
  • Adam Stone (Loving)
  • James Laxton (Moonlight)
  • Seamus McGarvey (Animais Noturnos)
  • Rodrigo Prieto (Silêncio)
Fotografia de A Chegada, de Denis Villeneuve (photo by moviepilot.de)

Fotografia de Bradford Young de A Chegada, de Denis Villeneuve (photo by moviepilot.de)

MONTAGEM

  • Joe Walker (A Chegada)
  • Tim Squyres (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Steven Rosenblum (O Nascimento de uma Nação)
  • John Gilbert (Até o Último Homem)
  • Sebastián Sepúlveda (Jackie)
  • Mark Livolsi (Mogli: O Menino Lobo)
  • Tom Cross (La La Land: Cantando Estações)
  • Alexandre de Franceschi (Lion)
  • William Goldenberg (A Lei da Noite)
  • Joi McMillon e Nat Sanders (Moonlight)
  • Joan Sobel (Animais Noturnos)
  • Ruy Diaz e Thelma Schoonmaker (Silêncio)
  • Jabez Olssen (Rogue One: Uma História Star Wars)
  • Blu Murray (Sully: O Herói do Rio Hudson)
Tom Hanks como o piloto em Sully: O Herói do Rio Hudson (photo by moviepilot.de)

Tom Hanks como o piloto em Sully: O Herói do Rio Hudson (photo by moviepilot.de)

DIREÇÃO DE ARTE

  • Gary Freeman (Aliados)
  • Patrice Vermette (A Chegada)
  • Rick Carter (O Bom Gigante Amigo)
  • Mark Friedberg (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Charles Wood (Doutor Estranho)
  • Stuart Craig (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
  • Alan MacDonald (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Jess Gonchor (Ave, César!)
  • Jean Rabasse (Jackie)
  • Christopher Glass (Mogli: O Menino Lobo)
  • David Wasco (La La Land: Cantando Estações)
  • Jess Gonchor (A Lei da Noite)
  • Gavin Bocquet (O Lar das Crianças Peculiares)
  • Eugenio Caballero (Sete Minutos Depois da Meia-Noite)
  • Guy Hendrix Dyas (Passageiros)
  • Jeannine Oppewall (Rules Don’t Apply)
  • Dante Ferretti (Silêncio)
No centro, Eddie Redmayne em Animais Fantásticos e Onde Habitam (photo by cine.gr)

No centro, Eddie Redmayne em Animais Fantásticos e Onde Habitam (photo by cine.gr)

FIGURINO

  • Joanna Johnston (Aliados)
  • Colleen Atwood (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
  • Sharen Davis (Fences)
  • Consolata Boyle (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Mary Zophres (Ave, César!)
  • Seong-hie Ryu (The Handmaiden)
  • Madeline Fontaine (Jackie)
  • Mary Zophres (La La Land: Cantando Estações)
  • Jacqueline West (A Lei da Noite)
  • Colleen Atwood (O Lar das Crianças Peculiares)
  • Albert Wolsky (Rules Don’t Apply)
  • Dante Ferretti (Silêncio)
Figurinos de Colleen Atwood em O Lar das Crianças Peculiares (photo by cine.gr)

Figurinos de Colleen Atwood em O Lar das Crianças Peculiares (photo by cine.gr)

MAQUIAGEM

  • Deadpool
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Florence: Quem é Essa Mulher?
  • Até o Último Homem
  • O Lar das Crianças Peculiares
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Silêncio
  • Star Trek: Sem Fronteiras
Sofia Boutella em cena de Star Trek: Sem Fronteiras (photo by cine.gr)

Sofia Boutella em cena de Star Trek: Sem Fronteiras (photo by cine.gr)

TRILHA MUSICAL ORIGINAL

  • Alan Silvestri (Aliados)
  • Jóhann Jóhannsson (A Chegada)
  • John Williams (O Bom Gigante Amigo)
  • Jeff Danna e Mychael Danna (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • James Newton Howard (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
  • Thomas Newman (Procurando Dory)
  • Alexandre Desplat (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Pharrell Williams e Hans Zimmer (Estrelas Além do Tempo)
  • Mica Levi (Jackie)
  • John Debney (Mogli: O Menino Lobo)
  • Justin Hurwitz (La La Land: Cantando Estações)
  • Alexandre Desplat (A Luz Entre Oceanos)
  • Volker Bertelmann e Dustin O’Halloran (Lion)
  • Opetaia Foa’i, Mark Mancina e Lin-Manuel Miranda (Moana – Um Mar de Aventuras)
  • Abel Korzeniowski (Animais Noturnos)
  • Thomas Newman (Passageiros)
  • Michael Giacchino (Rogue One: Uma História Star Wars)
  • Michael Giacchino (Zootopia)

CANÇÃO ORIGINAL

  • “I See a Victory” (Estrelas Além do Tempo)
  • “Audition (The Fools Who Dream”) (La La Land: Cantando Estações)
  • “City of Stars” (La La Land: Cantando Estações)
  • “Never Give Up” (Lion)
  • “How Far I’ll Go” (Moana – Um Mar de Aventuras)
  • “The Great Beyond” (Festa da Salsicha)
  • “Faith” (Sing: Quem Canta Seus Males Espanta)
  • “A Letter to the Free” (The 13th)
  • “Can’t Stop the Feeling!” (Trolls)

SOM

  • Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
  • Até o Último Homem
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Jason Bourne
  • Mogli: O Menino Lobo
  • La La Land: Cantando Estações
  • A Lei da Noite
  • Passageiros
  • Silêncio
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Star Trek: Sem Fronteiras
  • Sully: O Herói do Rio Hudson

EFEITOS SONOROS

  • 13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi
  • A Chegada
  • Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
  • Doutor Estranho
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Até o Último Homem
  • A Lei da Noite
  • Passageiros
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Silêncio
  • Star Trek: Sem Fronteiras
  • Sully: O Herói do Rio Hudson

EFEITOS VISUAIS

  • O Bom Gigante Amigo
  • Capitão América: Guerra Civil
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Doutor Estranho
  • Mogli: O Menino Lobo
  • O Lar das Crianças Peculiares
  • Sete Minutos Depois da Meia-Noite
  • Passageiros
  • Meu Amigo, O Dragão
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Star Trek: Sem Fronteiras
  • X-Men: Apocalipse
  • Warcraft
Efeitos visuais de Doutor Estranho (photo by moviepilot.de)

Efeitos visuais de Doutor Estranho (photo by moviepilot.de)

LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Angry Birds: O Filme
  • Kubo e as Cordas Mágicas
  • Kung Fu Panda 3
  • Moana – Um Mar de Aventuras
  • Procurando Dory
  • O Pequeno Príncipe
  • Miss Hokusai
  • The Red Turtle 
  • Festa da Salsicha
  • A Vida Secreta dos Pets
  • Sing: Quem Canta Seus Males Espanta
  • Trolls
  • Zootopia
Cena de The Red Turtle, de Michael Dudok de Wit (photo by cine.gr)

Cena de The Red Turtle, de Michael Dudok de Wit (photo by cine.gr)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

  • Afterimage, de Andrzej Wajda (Polônia)
  • Barakah Meets Barakah, de Mahmoud Sabbagh (Arábia Saudita)
  • De Longe te Observo, de Lorenzo Vigas (Venezuela)
  • Desierto, de Carlos Cuarón (México)
  • A Distinguished Citizen, de Gastón Duprat e Mariano Cohn (Argentina)
  • Elle, de Paul Verhoeven (França)
  • Fogo no Mar, de Gianfranco Rosi (Itália)
  • O Ídolo, de Hany Abu Assad (Palestina)
  • It’s Only the End of the World, de Xavier Dolan (Canadá)
  • Julieta, de Pedro Almodóvar (Espanha)
  • Land of Mine, de Martin Zandvliet (Dinamarca)
  • Ma’Rosa, de Brillante Mendoza (Filipinas)
  • Morte em Sarajevo, de Danis Tanovic (Bósnia Herzegovina)
  • Neruda, de Pablo Larraín (Chile)
  • Toni Erdmann, de Maren Ade (Alemanha)
  • O Apartamento, de Asghar Farhadi (Irã)
Cena do iraniano The Salesman, que dialoga com a obra literária de Arthur Miller. Com o histórico de vitória no Oscar, Asghar Farhadi praticamente garante sua presença no Oscar 2017, na opinião deste humilde blogueiro. (photo by cine.gr)

Cena do iraniano The Salesman, que dialoga com a obra literária de Arthur Miller. Com o histórico de vitória no Oscar, Asghar Farhadi praticamente garante sua presença no Oscar 2017, na opinião deste humilde blogueiro. (photo by cine.gr)

Na lista, existem nomes fortes na disputa, como o espanhol Pedro Almodóvar com Julieta, e o canadense Xavier Dolan com It’s Only the End of the World, mas eu, particularmente, aposto nas indicações de Neruda, de Pablo Larraín (Chile) – até mesmo porque o diretor também é responsável por Jackie, estrelado por Natalie Portman – e The Salesman, de Asghar Farhadi (Irã) – ele já venceu em 2012 com A Separação e este novo filme dialoga com a obra de Arthur Miller, “A Morte de um Caixeiro-Viajante”. Também não descartaria os vencedores de prêmios de festivais como o documentário italiano Fogo no Mar, de Gianfranco Rosi, que levou o Urso de Ouro em Berlim; o drama venezuelano De Longe te Observo, de Lorenzo Vigas, que ganhou o Leão de Ouro 2015. Gostaria muito que o representante francês Elle recebesse uma indicação, pois idolatro o diretor Paul Verhoeven. Mas as chances são mínimas, já que seu filme retrata um tema polêmico (estupro) sob uma perspectiva… bem, digamos, “Verhoevenesca”, à la provocateur. Espero que a tal “diversidade” também atinja a categoria mais conservadora do Oscar…

***

As indicações ao Oscar 2017 serão anunciadas ao vivo no dia 24 de janeiro, e a cerimônia está marcada para o dia 26 de fevereiro.

 

‘Star Wars’ conquista o MTV Movie Awards 2016 e uma nova geração de fãs

BURBANK, CALIFORNIA - APRIL 09: Writer/director J.J. Abrams and actress Daisy Ridley (both C) accept the Movie of the Year award for 'Star Wars: The Force Awakens' with co-hosts Kevin Hart (L) and Dwayne Johnson (R) onstage during the 2016 MTV Movie Awards at Warner Bros. Studios on April 9, 2016 in Burbank, California. MTV Movie Awards airs April 10, 2016 at 8pm ET/PT. (Photo by Kevork Djansezian/Getty Images)

No centro, o diretor J.J. Abrams e a atriz Daisy Ridley recebem o prêmio de Melhor Filme do Ano por Star Wars: O Despertar da Força ao lado dos hosts da premiação Kevin Hart e Dwayne Johnson no MTV Movie Awards 2016 (Photo by Kevork Djansezian/Getty Images)

PRIMEIRO FILME DA NOVA TRILOGIA STAR WARS DOMINA PREMIAÇÃO DE VOTO PÚBLICO

Vocês se lembram daquela atração da Rede Globo chamada Intercine? Eles davam duas opções de filmes para passar na noite seguinte, aí o público ligava e eles anunciavam o vencedor com maior número de votos. Não sei se é porque sempre sou desconfiado, mas sempre achei uma farsa! Pra mim, as ligações eram pra medir a audiência e, no fim, eles passavam o filme que eles bem queriam!

Quando eu falo sobre MTV Movie Awards, imagino algo do tipo ou senão uma cena bizarra: Um monte daqueles nerds gordinhos sentados à frente do computador, votando incessantemente para seus filmes favoritos: O Senhor dos Anéis, Batman e Star Wars. Só deram um break naqueles anos em que a Saga Crepúsculo ganhou…

Nesta edição, Star Wars: O Despertar da Força levou 3 baldinhos de pipoca dourada, incluindo Melhor Filme do Ano. Em seguida, Deadpool e A Escolha Perfeita 2 levaram dois prêmios cada. No geral, os prêmios foram bem distribuídos, como se não quisessem desagradar nenhum concorrente. E falando em desagradar, ficaram com tanto receio de que Will Smith boicotasse o MTV Movie Awards que resolveram lhe dar o Generation Award, uma espécie de prêmio pelo conjunto da obra. A que ponto chegamos com essa coisa do #OscarSoWhite… lamentável.

Will Smith e seu consolo pelo Oscar racista... (photo by youtube.com)

Will Smith e seu consolo pelo Oscar racista… (photo by youtube.com)

No post anterior, eu havia colocado minhas preferências na cor laranja. A maioria dos meus votos foram para Deadpool. Não que o filme tenha sido brilhante, mas de todas as adaptações de quadrinhos, esta é a única que tira sarro de si mesma, explorando suas próprias deficiências como o baixo orçamento que teria impedido a participação de mais personagens dos X-Men. E é um filme Rated R, ou seja, tem sangue (quando foi a última vez que você viu sangue nessas adaptações?), tem violência gratuita, tem muitos palavrões e tem sexo. E com Morena Baccarin fica ainda melhor!

Ryan Reynolds vence como Comedic Performance por Deadpool (photo by estrelando.com.br)

Ryan Reynolds vence como Comedic Performance por Deadpool (photo by estrelando.com.br)

A vitória de Star Wars: O Despertar da Força indica que a saga estelar criada por George Lucas continua firme e forte em seu reinado no universo geek, mesmo após quase 40 anos do primeiro filme de 1977. Mesmo tendo um potencial avassalador, vale lembrar que este filme só saiu depois que a Disney comprou os direitos da Lucasfilm. Para os fãs mais xiitas, podem reclamar e espernear contra essa pasteurização da Disney, mas temos que dar o braço a torcer. Eles conseguiram uma das maiores bilheterias de todos os tempos, conquistaram uma nova horda de fãs dessas gerações atuais e ainda vão lucrar muito com novos filmes, produtos e atrações temáticas nos inúmeros parques de diversão.

Achei muita sacanagem o Mad Max: Estrada da Fúria ficar de fora da competição de Melhor Filme do Ano. Tenho certeza de que se tivesse colocado o filme de George Miller na votação, ele teria grandes chances de vitória. Mas enfim, o longa levou um merecidíssimo prêmio de Female Performance para Charlize Theron e sua Furiosa.

Charlize Theron aceita seu baldinho de pipoca por Mad Max: Estrada da Fúria (photo by Getty Images)

Charlize Theron aceita seu baldinho de pipoca por Mad Max: Estrada da Fúria (photo by Getty Images)

Apesar do tom bem mais light do MTV Movie Awards e até de sua decadência nas últimas duas décadas, dá pra notar que ainda é um reconhecimento importante do público, que lota as salas de cinema, por isso acho bacana a presença dos artistas indicados. Os fãs querem ver seus ídolos no tapete vermelho ou pela televisão, então para quem não compareceu, acho um pouco falta de consideração. Se fosse um Oscar, aí teria tempo na agenda…

Seguem todos os vencedores do MTV Movie Awards 2016:

MOVIE OF THE YEAR (Filme do Ano)
· Vingadores: Era de Ultron (Avengers: Age of Ultron)
· Creed: Nascido Para Lutar (Creed)
· Deadpool (Deadpool)
· Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (Jurassic World)
· Star Wars: O Despertar da Força (Star Wars: The Force Awakens)
· Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (Straight Outta Compton)

TRUE STORY (História Verídica)
· Um Homem Entre Gigantes (Concussion)
· Joy: O Nome do Sucesso (Joy)
· Steve Jobs (Steve Jobs)
· Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (Straight Outta Compton)
· A Grande Aposta (The Big Short)
· O Regresso (The Revenant)

DOCUMENTÁRIO
·
Amy
· Cartel Land
· He Named Me Malala
· The Hunting Ground
· The Wolfpack
· What Happened, Miss Simone?

BEST FEMALE PERFORMANCE (Performance Feminina)
· Alicia Vikander (Ex-Machina: Instinto Artificial)
· Anna Kendrick (A Escolha Perfeita 2)
· Charlize Theron (Mad Max: Estrada da Fúria)
· Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força)
· Jennifer Lawrence (Joy: O Nome do Sucesso)
· Morena Baccarin (Deadpool)

BEST MALE PERFORMANCE (Performance Masculina)
· Chris Pratt (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)
· Leonardo DiCaprio (O Regresso)
· Matt Damon (Perdido em Marte)
· Michael B. Jordan (Creed: Nascido Pra Lutar)
· Ryan Reynolds (Deadpool)
· Will Smith (Um Homem Entre Gigantes)

BREAKTHROUGH PERFORMANCE (Revelação)
· Amy Schumer (Descompensada)
· Brie Larson (O Quarto de Jack)
· Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força)
· Dakota Johnson (Cinquenta Tons de Cinza)
· John Boyega (Star Wars: O Despertar da Força)
· O’Shea Jackson Jr. (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.)

Daisy Ridley aceita o prêmio de Melhor Revelação pelo papel de Rey em Star Wars (photo by Getty Images)

Daisy Ridley aceita o prêmio de Melhor Revelação pelo papel de Rey em Star Wars (photo by Getty Images)

BEST COMEDIC PERFORMANCE (Performance cômica)
· Amy Schumer (Descompensada)
· Kevin Hart (Policial em Apuros 2)
· Melissa McCarthy (A Espiã que Sabia de Menos)
· Rebel Wilson (A Escolha Perfeita 2)
· Ryan Reynolds (Deadpool)
· Will Ferrell (O Durão)

BEST ACTION PERFORMANCE (Performance de Ação)
· Chris Pratt (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)

· Dwayne Johnson (Terremoto: A Falha de San Andreas)
· Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: A Esperança – O Final)
· John Boyega (Star Wars: O Despertar da Força)
· Ryan Reynolds (Deadpool)
· Vin Diesel (Velozes & Furiosos 7)

BEST HERO (Herói)
· Charlize Theron (Mad Max: Estrada da Fúria)
· Chris Evans (Vingadores: Era de Ultron)
· Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força)
· Dwayne Johnson (Terremoto: A Falha de San Andreas)
· Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: A Esperança – O Final)
· Paul Rudd (Homem-Formiga)

BEST VILLAIN (Vilão)
· Adam Driver (Star Wars: O Despertar da Força)

· Ed Skrein (Deadpool)
· Hugh Keays-Byrne (Mad Max: Estrada da Fúria)
· James Spader (Vingadores: Era de Ultron)
· Samuel L. Jackson (Kingsman: Serviço Secreto)
· Tom Hardy (O Regresso)

BEST VIRTUAL PERFORMANCE (Performance Virtual)
· Amy Poehler (Divertida Mente)

· Andy Serkis (Star Wars: O Despertar da Força)
· Jack Black (Kung Fu Panda 3)
· James Spader (Vingadores: Era de Ultron)
· Lupita Nyong’o (Star Wars: O Despertar da Força)
· Seth MacFarlane (Ted 2)

ENSEMBLE CAST (Elenco)
· Vingadores: Era de Ultron
· Velozes & Furiosos 7
· A Escolha Perfeita 2
· Star Wars: O Despertar da Força
· Jogos Vorazes: A Esperança – O Final
· Descompensada

BEST KISS (Beijo)
· Amy Schumer & Bill Hader (Descompensada)
· Dakota Johnson & Jamie Dornan (Cinquenta Tons de Cinza)
· Leslie Mann & Chris Hemsworth (Férias Frustradas)
· Margot Robbie & Will Smith (Golpe Duplo)
· Morena Baccarin & Ryan Reynolds (Deadpool)
· Rebel Wilson & Adam DeVine (A Escolha Perfeita 2)

BEST FIGHT (Luta)
· Deadpool (Ryan Reynolds) vs. Ajax (Ed Skrein) – Deadpool

· Hugh Glass (Leonardo DiCaprio) vs. A Ursa – O Regresso
· Imperator Furiosa (Charlize Theron) vs. Max Rockatansky (Tom Hardy) – Mad Max: Estrada da Fúria
· Homem de Ferro (Robert Downey Jr.) vs. Hulk (Mark Ruffalo) – Vingadores: Era de Ultron
· Rey (Daisy Ridley) vs. Kylo Ren (Adam Driver) – Star Wars: O Despertar da Força
· Susan Cooper (Melissa McCarthy) vs. Lia (Nargis Fakhri) – A Espiã que Sabia de Menos)

‘Star Wars’ domina as indicações ao MTV Movie Awards 2016

MTV Movie Awards 2016

MTV Movie Awards 2016 (photo by hfmagazineonline.com)

PREMIAÇÃO DE VOTO PÚBLICO SE RENDE AOS BLOCKBUSTERS

Depois do Oscar, nada melhor do que o MTV Movie Awards pra dar aquela relaxada! Nada de filmes sérios ou que exijam neurônios demais predominam pelas 14 categorias. Se bem que neste ano, eles resolveram acrescentar três categorias com cara de prêmio dos críticos: True Story (Baseado em fatos verídicos), Documentário e Ensemble Cast (Elenco). E felizmente, excluíram outras categorias bem inúteis como o Shirtless Performance e o WTF Moment.

E imitando a “bolha assassina” do Critics’ Choice Awards, agora todas as categorias têm 6 indicados cada, e com isso, mais filmes são reconhecidos e com maior número de indicações. Campeão de bilheteria, Star Wars: O Despertar da Força foi o recordista desta edição com 11 indicações, puxando a tendência na qual os filmes mais vistos pelo público conseguem maior visibilidade na premiação, vide a presença de Vingadores: Era de Ultron, Jurassic World e o recente Deadpool, que se tornou o filme com censura Rated R mais visto das últimas décadas.

Cena do recordista de indicações Star Wars: O Despertar da Força (photo by cinemagia.ro)

Cena do recordista de indicações Star Wars: O Despertar da Força (photo by cinemagia.ro)

Eu gosto da indicação de Deadpool, não apenas por se de uma boa adaptação de quadrinhos, mas que também prova para os produtores caretas de Hollywood, que é possível fazer um filme de super-herói para um público adulto, com qualidades e ainda sair lucrando! Só pela ousadia de sair do arquétipo, já deveria ganhar todos os prêmios. Mas deve sair pelo menos com o de Melhor Beijo pela ótima química de Ryan Reynolds e a belíssima Morena Baccarin.

Altas químicas rolam entre Ryan Reynolds e Morena Baccarin em Deadpool (photo by cinemagia.ro)

Altas químicas rolam entre Ryan Reynolds e Morena Baccarin em Deadpool (photo by cinemagia.ro)

Igualmente pela ousadia, outro filme que merece todos os prêmios é Mad Max: Estrada da Fúria. Infelizmente e curiosamente, o filme de George Miller, que acaba de conquistar 6 Oscars, sequer foi indicado a Melhor Filme. Acho muito estranha essa ausência, já que foi um filme bem idolatrado pelo público jovem e internauta. Acredito que deve levar o prêmio de Female Performance para Charlize Theron.

Trocaria facilmente a vaga de Vingadores: Era de Ultron por Mad Max. Apesar dos números expressivos de bilheteria, é uma sequência muito fraca, com um roteiro ralo (cadê as belas tiradas do nível do primeiro filme, Joss Whedon?) e sequências de ação pouco empolgantes. Parecia que o filme todo estava ligado no piloto automático! Como fã da Marvel Comics, achei uma grande pena que o filme, que tinha tudo para ser um dos melhores, não correspondeu às expectativas.

E não poderia deixar de destacar que todos aqueles “excluídos” do #OscarSoWhite ganharam abrigo e compaixão do MTV Movie Awards como Straight Outta Compton, que foi indicado a Melhor Filme, e o chorão do boicotador Will Smith. Não sei quanto a vocês, mas peguei um bode do Will Smith! Na categoria de Melhor Ator, temos também o merecido reconhecimento de Michael B. Jordan por Creed: Nascido Para Lutar. Curiosamente, teve apenas duas indicações: Melhor Filme e Ator.

Isso merece uma comemoração: Will Smith conseguiu um indicação! E pode levar seu baldinho de pipoca dourada! (photo by cinemagia.ro)

Isso merece uma comemoração: Will Smith conseguiu um indicação! E pode levar seu baldinho de pipoca dourada! (photo by cinemagia.ro)

A ausência mais sentida na minha opinião foi do pequeno talento Jacob Tremblay, que no mínimo, merecia uma indicação de Melhor Revelação por O Quarto de Jack, e não sua companheira de tela, Brie Larson, que já é conhecida há alguns anos. Outra importante mancada do MTV Movie Awards foi deixar de lado Spotlight – Segredos Revelados na categoria séria do True Story.

Ao contrário do ano passado, não consegui votar para os meus favoritos nesta edição. O site da MTV acusa que não está disponível para a minha localização. Cinéfilos do Terceiro Mundo não têm vez! De qualquer forma, para quem estiver interessado na cerimônia, ela acontece no dia 10 de abril, com a apresentação dos hosts Dwayne Johnson (o The Rock) e Kevin Hart (não sei de onde acham tanta graça nele), e deve ser transmitido ao vivo pelo canal da MTV Brasil.

Assinalei meus “votos” na cor laranja na lista de indicados, que segue abaixo:

MOVIE OF THE YEAR (Filme do Ano)
· Vingadores: Era de Ultron (Avengers: Age of Ultron)
· Creed: Nascido Para Lutar (Creed)
· Deadpool (Deadpool)
· Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (Jurassic World)
· Star Wars: O Despertar da Força (Star Wars: The Force Awakens)
· Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (Straight Outta Compton)

TRUE STORY (História Verídica)
· Um Homem Entre Gigantes (Concussion)
· Joy: O Nome do Sucesso (Joy)
· Steve Jobs (Steve Jobs)
· Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (Straight Outta Compton)
· A Grande Aposta (The Big Short)
· O Regresso (The Revenant)

DOCUMENTÁRIO
· Amy
· Cartel Land
· He Named Me Malala
· The Hunting Ground
· The Wolfpack
· What Happened, Miss Simone?

BEST FEMALE PERFORMANCE (Performance Feminina)
· Alicia Vikander (Ex-Machina: Instinto Artificial)
· Anna Kendrick (A Escolha Perfeita 2)
· Charlize Theron (Mad Max: Estrada da Fúria)
· Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força)
· Jennifer Lawrence (Joy: O Nome do Sucesso)
· Morena Baccarin (Deadpool)

BEST MALE PERFORMANCE (Performance Masculina)
· Chris Pratt (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)
· Leonardo DiCaprio (O Regresso)
· Matt Damon (Perdido em Marte)
· Michael B. Jordan (Creed: Nascido Pra Lutar)
· Ryan Reynolds (Deadpool)
· Will Smith (Um Homem Entre Gigantes)

BREAKTHROUGH PERFORMANCE (Revelação)
· Amy Schumer (Descompensada)
· Brie Larson (O Quarto de Jack)
· Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força)
· Dakota Johnson (Cinquenta Tons de Cinza)
· John Boyega (Star Wars: O Despertar da Força)
· O’Shea Jackson Jr. (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.)

BEST COMEDIC PERFORMANCE (Performance cômica)
· Amy Schumer (Descompensada)
· Kevin Hart (Policial em Apuros 2)
· Melissa McCarthy (A Espiã que Sabia de Menos)
· Rebel Wilson (A Escolha Perfeita 2)
· Ryan Reynolds (Deadpool)
· Will Ferrell (O Durão)

BEST ACTION PERFORMANCE (Performance de Ação)
· Chris Pratt (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)
· Dwayne Johnson (Terremoto: A Falha de San Andreas)
· Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: A Esperança – O Final)
· John Boyega (Star Wars: O Despertar da Força)
· Ryan Reynolds (Deadpool)
· Vin Diesel (Velozes & Furiosos 7)

BEST HERO (Herói)
· Charlize Theron (Mad Max: Estrada da Fúria)
· Chris Evans (Vingadores: Era de Ultron)
· Daisy Ridley (Star Wars: O Despertar da Força)
· Dwayne Johnson (Terremoto: A Falha de San Andreas)
· Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: A Esperança – O Final)
· Paul Rudd (Homem-Formiga)

BEST VILLAIN (Vilão)
· Adam Driver (Star Wars: O Despertar da Força)
· Ed Skrein (Deadpool)
· Hugh Keays-Byrne (Mad Max: Estrada da Fúria)
· James Spader (Vingadores: Era de Ultron)
· Samuel L. Jackson (Kingsman: Serviço Secreto)
· Tom Hardy (O Regresso)

BEST VIRTUAL PERFORMANCE (Performance Virtual)
· Amy Poehler (Divertida Mente)
· Andy Serkis (Star Wars: O Despertar da Força)
· Jack Black (Kung Fu Panda 3)
· James Spader (Vingadores: Era de Ultron)
· Lupita Nyong’o (Star Wars: O Despertar da Força)
· Seth MacFarlane (Ted 2)

ENSEMBLE CAST (Elenco)
· Vingadores: Era de Ultron
· Velozes & Furiosos 7
· A Escolha Perfeita 2
· Star Wars: O Despertar da Força
· Jogos Vorazes: A Esperança – O Final
· Descompensada

BEST KISS (Beijo)
· Amy Schumer & Bill Hader (Descompensada)
· Dakota Johnson & Jamie Dornan (Cinquenta Tons de Cinza)
· Leslie Mann & Chris Hemsworth (Férias Frustradas)
· Margot Robbie & Will Smith (Golpe Duplo)
· Morena Baccarin & Ryan Reynolds (Deadpool)
· Rebel Wilson & Adam DeVine (A Escolha Perfeita 2)

BEST FIGHT (Luta)
· Deadpool (Ryan Reynolds) vs. Ajax (Ed Skrein) – Deadpool
· Hugh Glass (Leonardo DiCaprio) vs. A Ursa – O Regresso
· Imperator Furiosa (Charlize Theron) vs. Max Rockatansky (Tom Hardy) – Mad Max: Estrada da Fúria
· Homem de Ferro (Robert Downey Jr.) vs. Hulk (Mark Ruffalo) – Vingadores: Era de Ultron
· Rey (Daisy Ridley) vs. Kylo Ren (Adam Driver) – Star Wars: O Despertar da Força
· Susan Cooper (Melissa McCarthy) vs. Lia (Nargis Fakhri) – A Espiã que Sabia de Menos)

Mesmo abaixo da média, Vingadores: Era de Ultron conseguiu conquistar X indicações (photo by outnow.ch)

Mesmo abaixo da média, Vingadores: Era de Ultron conseguiu conquistar 6 indicações (photo by outnow.ch)

Oscar 2016: “O Oscar Branco”

Da esquerda para direita: Will Smith, O'Shea Jackson Jr., Michael B. Jordan e Idris Elba (photo by Variety)

Da esquerda para direita: Will Smith, Jason Mitchell, Michael B. Jordan e Idris Elba (photo by variety.com)

20 ATORES BRANCOS E NENHUMA VAGA PARA NEGROS PELO SEGUNDO ANO CONSECUTIVO AGITA OS BASTIDORES DO OSCAR 2016

Diante das repercussões supostamente racistas da Academia, resolvi abrir um post para discutir o assunto e adoraria ouvir a opinião de quem acompanha ou apenas está lendo o texto. Vamos do início: Este é o segundo ano consecutivo em que todos os 20 indicados nas 4 categorias de atuação são brancos (caucasianos), o que gerou incontáveis críticas nas mídias, protestos de artistas, e resgatando o hashtag #OscarSoWhite do ano passado, quando as ausências mais comentadas foram da diretora Ava DuVernay e do ator David Oyelowo, ambos de Selma: Uma Luta Pela Igualdade.

Entre os nomes ausentes citados e reclamados este ano que poderiam estar na lista de indicados estão:

  • Will Smith (Um Homem Entre Gigantes) – Melhor Ator
  • Idris Elba (Beasts of No Nation) – Melhor Ator Coadjuvante
  • Michael B. Jordan (Creed: Nascido Para Lutar) – Melhor Ator
  • Tessa Thompson (Creed: Nascido Para Lutar) – Melhor Atriz Coadjuvante
  • Jason Mitchell (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.) – Melhor Ator

Além dos atores, o diretor F. Gary Gray (também negro) e seu filme, Straight Outta Compton: A História do N.W.A., que teve uma das maiores bilheterias de 2015, também foram citados nas matérias. O filme sobre rap recebeu uma única indicação para Roteiro Original, e curiosamente, seus quatro roteiristas são brancos: Andrea Berloff, Jonathan Herman, S. Leigh Savidge e Alan Wenkus. Por Creed: Nascido Para Lutar, o diretor Ryan Coogler, ausente, também foi bastante lembrado.

O diretor F. Gary Gray no set de Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (photo by latimes.com)

O diretor F. Gary Gray no set de Straight Outta Compton: A História do N.W.A. (photo by latimes.com)

Revoltados com a predominância branca, a atriz Jada Pinkett Smith, esposa de Will Smith, foi uma das primeiras a reclamar publicamente sobre a falta de diversidade. Em seguida, ela foi apoiada pelo diretor Spike Lee, que planeja boicotar a cerimônia do Oscar e busca apoio da comunidade negra (ou afro-americana). Não sabemos ainda se esse movimento vai crescer nas próximas semanas a ponto de causar algum estardalhaço significativo no evento, mas é fato que a ausência do diretor será mais notável, já que, por ter sido homenageado com o Oscar Honorário em novembro passado, ele compareceria no Oscar para ser aplaudido no palco ou na platéia mesmo.

A atriz Jada Pinkett Smith, esposa de Will Smith, protestou sobre ausência de negros (photo by philly.com)

A atriz Jada Pinkett Smith, esposa de Will Smith, protestou sobre ausência de negros (photo by philly.com)

Ao longo dos últimos dias, algumas pessoas do ramo estão dando declarações sobre o assunto. Um dos primeiros foi o produtor-executivo William Packer, de Straight Outta Compton, que alegou: “… é completamente embaraçoso dizer que o mais alto padrão de qualidade cinematográfica só foi alcançada por brancos.”

Hoje foram as vezes da presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, e do ator George Clooney. Cheryl, a primeira sul-africana a ocupar o cargo de presidente, se diz “frustrada com a falta de diversidade” e afirma que nos últimos 4 anos, lutou muito para que houvesse maior inclusão racial entre os novos membros da Academia, justamente para que houvesse mais votos que pudessem equilibrar um pouco mais a balança. Ela lembrou que nos anos 60 e 70, os então presidentes se viram forçados a convidar membros mais jovens para que a Academia não se tornasse ultrapassada e antiquada. Por outro lado, Clooney acredita que está havendo um retrocesso: “Se você lembrar, há 10 anos, a Academia estava fazendo um trabalho melhor. Em 2005, havia Morgan Freeman (que levou o Oscar de coadjuvante por Menina de Ouro), Don Cheadle…” – e também Sophie Okonedo, que concorreu como Atriz Coadjuvante por Hotel Ruanda.

A presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs (Photo by Tommaso Boddi/Getty Images)

A presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs (Photo by Tommaso Boddi/Getty Images)

Vencedor do Oscar por Jerry Maguire – A Grande Virada, Cuba Gooding Jr. preferiu ser menos radical em suas declarações:  “Eu queria que Straight Outta Compton fosse indicado. Mas é esse tipo de conversa que faz com que as pessoas pensem melhor quando as indicações saírem no próximo ano.”

Ok, ouvimos as reclamações e os argumentos, mas acho que o mais importante é: Cinema é uma Arte que é despida de cor, raça, religião e sexo. Acho tão chato transformar um evento que celebra o cinema, mesmo que industrial e comercial, numa discussão político-racial. E como ficam aqueles que foram reconhecidos com os próprios méritos? Para aqueles que não acompanham os posts, sempre me posicionei contra as cotas raciais. Acredito que quando o governo interfere inserindo um estudante numa faculdade pública só pelo fato de ele se declarar negro, automaticamente está afirmando que todo negro é incapaz de conseguir uma vaga por mérito próprio. E isso, sim, é uma forma de racismo, e claro, uma solução muito fácil de um governo agir e recrutar novos eleitores. Por que não eliminar logo o mal pela raiz e fazer uma reforma educacional e de fato investir boa parte de seu PIB na educação?

Voltando à discussão ao Oscar, realmente, a maioria dos mais de 6.000 membros da Academia são homens brancos e com uma média de idade de 50 a 60 anos, e isso reflete na votação (principalmente na categoria de Filme em Língua Estrangeira), por isso, a presidente Cheryl Boone Isaacs está fazendo o que pode para melhorar esse quadro ao convidar pessoas de diversas etnias e sexualidades.

Mas vamos lembrar de duas coisas: 1º Parafraseando George Clooney em seu discurso de agradecimento em 2006: “Esta Academia premiou uma negra em 1940, quando negros ainda se sentavam no fundo das salas de cinema”. Tudo bem que o primeiro ator negro a ganhar o Oscar de Melhor Ator (principal) foi Sidney Poitier em 1963, mas o Oscar teve muitos artistas negros, e outras minorias, indicados e vencedores ao longo de sua história de 88 anos. Só para citar alguns vencedores negros: Denzel Washington (Tempo de Glória e Dia de Treinamento), Halle Berry (A Última Ceia), Whoopi Goldberg (Ghost: Do Outro Lado da Vida), Jamie Foxx (Ray), Jennifer Hudson (Dreamgirls: Em Busca de um Sonho), Louis Gossett Jr. (A Força do Destino), Cuba Gooding Jr. (Jerry Maguire), Morgan Freeman (Menina de Ouro), Forest Whitaker (O Último Rei da Escócia), Hattie MacDaniel (…E o Vento Levou), Lupita Nyong’o (12 Anos de Escravidão) e Octavia Spencer (Histórias Cruzadas).

Sidney Poitier (actor), Sidney Skolsky1963 (36th)

Sidney Poitier (à direita) com o roteirista Sidney Skolsky (photo by americanismo.com.br)

O Cinema, como toda Arte, reflete seu tempo, e por muitas décadas, foi predominada por homens caucasianos. E isso não se muda da noite para o dia; demanda muito tempo, esforço e a colaboração de todos. O Cinema depende demais dos números de seu público. Se as produções com atores e temática negros passarem a ter boa resposta e render, consequentemente, os estúdios e produtores investirão mais nesse filão e esses filmes passarão a ter mais chances no Oscar. Esse mesmo pensamento também se aplica no caso do salário igualitário das mulheres. Por quanto tempo o Cinema foi feito exclusivamente por homens? Muito. Só para ficarmos no exemplo do Oscar, a primeira diretora a ser indicada na categoria foi a italiana Lina Wertmüller em 1977, por Pasqualino Sete Belezas, e a primeira a ganhar foi a bem recente Kathryn Bigelow, que venceu por Guerra ao Terror em 2010. Se o público der maior resposta em filmes estrelados por mulheres, eles contarão com maior investimento e terão destaque superior em premiações. Mas repito: isso leva tempo.

E 2º Desses artistas não-indicados este ano citados pelos protestos, o único que vinha sendo reconhecido com maior frequência por premiações é Idris Elba por sua performance em Beasts of No Nation. Ele concorreu como Melhor Ator Coadjuvante no Globo de Ouro, concorre ao BAFTA, Independent Spirit e SAG, mas não foi sequer mencionado pelos críticos americanos do LAFCA, NYFCC e National Board of Review. Já os demais estavam com campanhas bastante irregulares e tinham poucas chances de figurar na lista do Oscar, até mesmo porque a competição está bastante acirrada. Na categoria de ator, por exemplo, os indicados ao Oscar estavam presentes em quase todas as listas: Bryan Cranston, Leonardo DiCaprio, Matt Damon, Michael Fassbender e Eddie Redmayne. Will Smith foi apenas indicado pelo Globo de Ouro. Então, peraí, não é porque é negro ou minoria, que deveria ter sido indicado.

Idris Elba em cena de Beasts of No Nation (photo by cinemagia.ro)

Idris Elba em cena de Beasts of No Nation (photo by cinemagia.ro)

E quanto ao boicote de Spike Lee, ele faz o que bem entender, mas o que vou falar de um diretor talentoso que se revolta com Quentin Tarantino porque ele colocou o termo “nigger” (crioulo) no roteiro de Django Livre? O filme se passa na época do Mississipi racista e do Ku Klux Klan! Ele queria que os personagens racistas da época falassem “Ei! Seu afro-americano de merda!”?

O diretor Spike Lee com seu Oscar Honorário (photo by Getty Images through wsoctv.com)

O diretor Spike Lee com seu Oscar Honorário (photo by Getty Images through wsoctv.com)

Eu entendo que é um assunto bem delicado, principalmente nos EUA, onde alguns negros foram vítimas da crueldade policial no ano passado, mas não dá pra jogar tudo nas costas da Academia. Por se tratar de um prêmio de grande prestígio e de enorme visibilidade, muitos o utilizam como palanque para protestar. Mas e o Cinema? É mero pano de fundo?

E outra coisa importante: Apesar dos EUA serem um país de conflitos raciais entre brancos e negros, temos que lembrar que existem outras raças: latinos, asiáticos, índios… Sexualidades: gays, bissexuais, transgêneros… As atrizes transsexuais de Tangerine, Kitana Kiki Rodriguez e Mya Taylor, que foram indicadas ao Independent Spirit, também ficaram de fora. Não seria o caso de incluí-las no protesto também?

Enfim, este é um post que visa explicar o ambiente que está rolando no Oscar 2016, abrir uma discussão para coletar o maior número de perspectivas, analisar se está havendo algum tipo de exagero, se está sendo coerente, e conversar sobre a arte do cinema, de fato. Sem hipocrisia, não acredito que esteja havendo algum tipo de preconceito por parte da Academia para justificar a ausência de qualquer ator ou atriz negros. Se tivéssemos a seguinte situação: “Jamie Foxx, que estava ganhando quase tudo por sua interpretação do músico Ray Charles, não foi sequer indicado para Melhor Ator” – isso, sim, seria um ultraje racista. Deu pra perceber a diferença? Não houve nenhum destaque espetacular de um ator negro cuja ausência seria injustificável. E a Academia não é obrigada a preencher uma cota racial. Só isso.

Sinceramente, espero que não tenha ofendido ninguém aqui. Procuro ser uma pessoa livre de preconceitos. E torço para que haja mais negros, asiáticos, gays, latinos, deficientes trabalhando nos filmes. Mas somente por méritos, e nunca por pena.

 

Curiosamente, este ano, o host da 88ª cerimônia do Oscar será o ator e comediante Chris Rock. Se ele já não costuma pegar leve nas piadas, imaginem agora que deve ser o único negro da festa? Em seu Twitter, ele já soltou um “The Oscars. The White BET Awards” (O Oscar. O BET Awards branco – o BET (Black Entertainment Television) Awards premia apenas artistas negros).

Host do Oscar 2016: Chris Rock (photo by moviefone.com)

Host do Oscar 2016: Chris Rock (photo by moviefone.com)

O Oscar 2016 será transmitido no dia 28 de fevereiro pela TNT.

Com 13 indicações, ‘Mad Max: Estrada da Fúria’ lidera o Critics’ Choice Awards 2016

Mad Max: Estrada da Fúria conquista 13 indicações, inclusive duas para Charlize Theron (photo by cine.gr)

Mad Max: Estrada da Fúria conquista 13 indicações, inclusive duas para Charlize Theron (photo by cine.gr)

‘CAROL’ E ‘SPOTLIGHT’ VÊM EM SEGUIDA COM 9 E 8 INDICAÇÕES, RESPECTIVAMENTE

Estatisticamente falando, o Critics’ Choice Awards continua sendo uma das melhores prévias do Oscar. Embora tenha divergido da Academia nesse ano com a aposta em Boyhood: Da Infância à Juventude, seus números (11 acertos de Melhor Filme nos últimos 15 anos) continuam impressionantes. Por isso, mesmo se tratando de um prêmio novo (está em sua 21ª edição), vem conquistando maior prestígio na indústria e com seus profissionais do que o Globo de Ouro.

Talvez para fortalecer ainda mais a reputação do Critics’ Choice, este ano, a Broadcast Film Critics Association decidiu reunir as premiações de filmes com a de televisão, que acontecia no mês de julho desde 2010. A meu ver, o Critics’ Choice Awards é uma espécie de prêmio híbrido que busca as qualidades de outros para si; então tem as categorias de comédia (Globo de Ouro), a categoria de Elenco (SAG Awards), prêmios técnicos (sindicatos e Oscar), categorias de Terror e Ficção Científica (Saturn Awards) e prêmios para jovens atores (Young Artist Awards). Daqui a pouco eles vão criar a categoria de Dublagem pra desbancar o Annie Awards! Parece A Bolha Assassina, que vai absorvendo tudo o que vê pela frente! E como se não bastasse, ainda tem 6 vagas para os indicados, para não deixar aquele injustiçado de fora.

Esse excesso de categorias pode parecer um paraíso para as produções do ano que buscam destaque, mas por exemplo, para o próprio Mad Max: Estrada da Fúria, que aqui acumulou 13 indicações, teria esse número reduzido para 9 no Oscar, já que as categorias Melhor Filme de Ação, Filme de Terror ou Ficção Científica, Ator em Ação e Atriz em Ação não existem no prêmio da Academia. No final, creio que a produção vai conquistar 10 indicações, já que o Critics’ Choice não tem categorias de Som e Efeitos Sonoros (ainda!).

Ainda sobre os números desta edição, Carol, Perdido em Marte e O Regresso coletaram 9 indicações cada. Spotlight – Segredos Revelados vem em seguida com 8, A Grande Aposta com 7, Os 8 Odiados com 6, e com 5 temos Ponte dos Espiões, Brooklyn, A Garota Dinamarquesa, Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros e Sicario: Terra de Ninguém. O drama O Quarto de Jack ficou com 4 indicações no total.

SURPRESAS E AUSÊNCIAS

Talvez a maior surpresa aqui tenha sido a inclusão de Charlize Theron na categoria de Melhor Atriz. Não que sua performance em Mad Max: Estrada da Fúria não seja merecedora de reconhecimento, mas por se tratar de um ano extremamente disputado entre as atrizes, foi uma surpresa ver uma atuação de ficção científica entre as indicadas. Ok, sem querer prever o previsível, eis o que vai acontecer: Theron deve perder como Atriz, mas ganhar como Atriz em Filme de Ação – o que não deixa de ser uma bom prêmio de consolação. No Oscar, que eu me lembre, a última performance de atriz em ficção científica indicada foi de Sigourney Weaver em Aliens, o Resgate em 1987.

Charlize Theron como Furiosa em Mad Max: Estrada da Fúria (photo by outnow.ch)

Charlize Theron como Furiosa em Mad Max: Estrada da Fúria (photo by outnow.ch)

Ainda sobre Mad Max: Estrada da Fúria, o protagonista Tom Hardy foi reconhecido em duas categorias: Melhor Ator em Filme de Ação por Max e Ator Coadjuvante por O Regresso. Até o momento, ele não havia sido reconhecido pelo filme de Alejandro González Iñárritu, a não ser por uma única indicação dos críticos de Washington. Já Paul Dano, que conseguiu vaga como Coadjuvante por Love & Mercy, vem crescendo na temporada: foi indicado para o Independent Spirit Awards e o Globo de Ouro. Ficou de fora do SAG, mas ainda tem boas chances de chegar à sua primeira indicação ao Oscar.

Paul Dano como Brian Wilson dos Beach Boys em cena de Love & Mercy (photo by outnow.ch)

Paul Dano como Brian Wilson dos Beach Boys em cena de Love & Mercy (photo by outnow.ch)

Na categoria de Atriz em Comédia, a novidade ficou por conta de Tina Fey, que, digamos, “substituiu” Maggie Smith (A Senhora da Van). Irmãs, o filme co-estrelado por sua colega de palco do Globo de Ouro, Amy Poehler, concorre também como Melhor Filme de Comédia.

Contudo, a surpresa mais agradável foi a inclusão do filme brasileiro Que Horas Ela Volta?, ou como eles chamam, The Second Mother. Embora tenha ficado de fora do Globo de Ouro, o filme de Anna Muylaert ainda está no páreo e tem grandes chances de figurar entre os finalistas da Academia. O filme húngaro O Filho de Saul tem 90% de chances de ganhar mais esse prêmio, porém Que Horas Ela Volta? tem seus méritos de crítica social aliado ao bom humor de Regina Casé que pode render muitos votos.

Regina Casé e Karine Teles em cena de Que Horas Ela Volta?. Chance do Brasil no Critics' Choice Awards (photo by Aline Arruda - filmeb.com.br

Regina Casé e Karine Teles em cena de Que Horas Ela Volta?. Chance do Brasil no Critics’ Choice Awards (photo by Aline Arruda – filmeb.com.br

Apesar de contar com seis indicados nas categorias de atuação, alguns nomes inevitavelmente ficam na chuva. Algumas ausências como Will Smith (Um Homem Entre Gigantes), Idris Elba (Beasts of No Nation) e Benicio Del Toro (Sicario) surpreenderam em nível baixo por terem sido citado em prêmios anteriores. Mas, não sei se é meu voto pessoal apenas, mas acreditava que Ian McKellen (Sr. Holmes) e Marion Cotillard (Macbeth) estariam nessa lista. Ainda acredito que eles vão ser as cartas na manga da Academia na hora do anúncio dos indicados no dia 14 de janeiro.

Marion Cotillard com Michael Fassbender em cena de Macbeth (photo by outnow.ch)

Marion Cotillard com Michael Fassbender em cena de Macbeth (photo by outnow.ch)

Quanto a Jane Fonda (Youth), com o deslocamento de Rooney Mara (Carol) e Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa) das categorias de Atriz para Atriz Coadjuvante, acabou faltando espaço para a veterana. Contudo, confesso que achava que Rachel McAdams que iria dançar… Pelo visto, sua interpretação em Spotlight – Segredos Revelados não é mera consolação pelo elenco.

Nas demais categorias, fiquei surpreso com as ausências de Phyllis Nagy pelo roteiro de Carol, Janusz Kaminski pela bela fotografia de Ponte dos Espiões e dos efeitos visuais do novo Star Wars. A Broadcast Film Critics Association pode simplesmente não ter gostado dos efeitos digitais, mas também existe a possibilidade de estar relacionado com o cancelamento da sessão para a imprensa por parte da Disney, fato que chocou o diretor J.J. Abrams. Detentora dos direitos do filme, a Disney ficou mais preocupada em não vazar o filme que não liberou sessões prévias para imprensa, o que pode prejudicar bastante a campanha do filme em premiações. Não que a Disney esteja ligando para prêmios com tantos bilhões em jogo, mas…

Chris Pratt e Bryce Dallas Howard em cena de Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (photo by outnow,ch)

Chris Pratt e Bryce Dallas Howard em cena de Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (photo by outnow,ch)

Seguem todos os indicados do 21º Critics’ Choice Awards:

CINEMA

MELHOR FILME
A Grande Aposta (The Big Short)
Brooklyn
Carol (Carol)
Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)
Perdido em Marte (The Martian)
Ponte dos Espiões (Bridge of Spies)
O Quarto de Jack (Room)
O Regresso (The Revenant)
Sicario: Terra de Ninguém (Sicario)
Spotlight – Segredos Revelados (Spotlight)

DIRETOR
Todd Haynes (Carol)
Alejandro González Iñárritu (O Regresso)
Tom McCarthy (Spotlight – Segredos Revelados)
George Miller (Mad Max: Estrada da Fúria)
Ridley Scott (Perdido em Marte)
Steven Spielberg (Ponte dos Espiões)

ATOR
Bryan Cranston (Trumbo)
Matt Damon (Perdido em Marte)
Johnny Depp (Aliança do Crime)
Leonardo DiCaprio (O Regresso)
Michael Fassbender (Steve Jobs)
Eddie Redmayne (A Garota Dinamarquesa)

ATRIZ
Cate Blanchett (Carol)
Brie Larson (O Quarto de Jack)
Jennifer Lawrence (Joy: O Nome do Sucesso)
Charlotte Rampling (45 Anos)
Saoirse Ronan (Brooklyn)
Charlize Theron (Mad Max: Estrada da Fúria)

ATOR COADJUVANTE
Paul Dano (Love & Mercy)
Tom Hardy (O Regresso)
Mark Ruffalo (Spotlight – Segredos Revelados)
Mark Rylance (Ponte dos Espiões)
Michael Shannon (99 Homes)
Sylvester Stallone (Creed: Nascido Para Lutar)

ATRIZ COADJUVANTE
Jennifer Jason Leigh (Os 8 Odiados)
Rooney Mara (Carol)
Rachel McAdams (Spotlight – Segredos Revelados)
Helen Mirren (Trumbo)
Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa)
Kate Winslet (Steve Jobs)

ELENCO
A Grande Aposta (The Big Short)
Os 8 Odiados (The Hateful Eight)
Spotlight  – Segredos Revelados (Spotlight)
Sraight Outta Compton: A História do N.W.A. (Straight Outta Compton)
Trumbo

ROTEIRO ORIGINAL
Matt Charman, Ethan Coen e Joel Coen (Ponte dos Espiões)
Alex Garland (Ex-Machina: Instinto Artificial)
Quentin Tarantino (Os 8 Odiados)
Pete Docter, Meg LeFauve e Josh Cooley (Divertida Mente)
Josh Singer, Tom McCarthy (Spotlight – Segredos Revelados)

ROTEIRO ADAPTADO
Charles Randolph e Adam McKay (A Grande Aposta)
Nick Hornby (Brooklyn)
Drew Goddard (Perdido em Marte)
Emma Donoghue (O Quarto de Jack)
Aaron Sorkin (Steve Jobs)

FOTOGRAFIA
Edward Lachman (Carol)
Emmanuel Lubezki (O Regresso)
Dariusz Wolski (Perdido em Marte)
Roger Deakins (Sicario: Terra de Ninguém)
Robert Richardson (Os 8 Odiados)
John Seale (Mad Max: Estrada da Fúria)

DIREÇÃO DE ARTE
Adam Stockhausen e Rena DeAngelo (Ponte dos Espiões)
François Séguin, Jennifer Oman e Louise Tremblay (Brooklyn)
Judy Becker e Heather Loeffler (Carol)
Eve Stewart e Michael Standish (A Garota Dinamarquesa)
Colin Gibson (Mad Max: Estrada da Fúria)
Arthur Max e Celia Bobak (Perdido em Marte)

MONTAGEM
Hank Corwin (A Grande Aposta)
Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria)
Pietro Scalia (Perdido em Marte)
Stephen Mirrione (O Regresso)
Tom McArdle (Spotlight – Segredos Revelados)

FIGURINO
Odile Dicks-Mireaux (Brooklyn)
Sandy Powell (Carol)
Sandy Powell (Cinderela)
Paco Delgado (A Garota Dinamarquesa)
Jenny Beavan (Mad Max: Estrada da Fúria)

CABELO E MAQUIAGEM
Aliança do Crime
Carol
A Garota Dinamarquesa
Os 8 Odiados
Mad Max: Estrada da Fúria
O Regresso

EFEITOS VISUAIS
Ex-Machina: Instinto Artificial
Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros
Mad Max: Estrada da Fúria
Perdido em Marte
O Regresso
A Travessia

ANIMAÇÃO
Anomalisa
O Bom Dinossauro
Divertida Mente
Snoopy & Charlie Brown: Peanuts, o Filme
Shaun: O Carneiro

FILME DE AÇÃO
Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros
Mad Max: Estrada da Fúria
Missão: Impossível – Nação Secreta
Sicario: Terra de Ninguém
Velozes & Furiosos 7

ATOR EM FILME DE AÇÃO
Daniel Craig (007 Contra Spectre)
Tom Cruise (Missão: Impossível – Nação Secreta)
Tom Hardy (Mad Max: Estrada da Fúria)
Chris Pratt (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)
Paul Rudd (Homem-Formiga)

ATRIZ EM FILME DE AÇÃO
Emily Blunt (Sicario: Terra de Ninguém)
Rebecca Ferguson (Missão: Impossível – Nação Secreta)
Bryce Dallas Howard (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)
Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: A Esperança – O Final)
Charlize Theron (Mad Max: Estrada da Fúria)

COMÉDIA
A Grande Aposta (The Big Short)
Divertida Mente (Inside Out)
Joy: O Nome do Sucesso (Joy)
Irmãs (Sisters)
A Espiã que Sabia de Menos (Spy)
Descompensada (Trainwreck)

ATOR EM COMÉDIA
Christian Bale (A Grande Aposta)
Steve Carell (A Grande Aposta)
Robert De Niro (Um Senhor Estagiário)
Bill Hader (Descompensada)
Jason Statham (A Espiã que Sabia de Menos)

ATRIZ EM COMÉDIA
Tina Fey (Irmãs)
Jennifer Lawrence (Joy: O Nome do Sucesso)
Melissa McCarthy (A Espiã que Sabia de Menos)
Amy Schumer (Descompensada)
Lily Tomlin (Grandma)

FILME DE TERROR OU FICÇÃO CIENTÍFICA
Ex-Machina: Instinto Artificial (Ex Machina)
A Corrente do Mal (It Follows)
Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros (Jurassic World)
Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)
Perdido em Marte (The Martian)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
A Assassina (Nie Yin Niang) – TAIWAN
O Filho de Saul (Saul fia) – HUNGRIA
Boa Noite, Mamãe (Ich Seh, Ich Seh) – ÁUSTRIA
As Cinco Graças (Mustang) – FRANÇA
Que Horas Ela Volta? (The Second Mother) – BRASIL

DOCUMENTÁRIO
Amy
Cartel Land
Going Clear: Scientology and the Prison of Belief
Malala (He Named Me Malala)
The Look of Silence
Where to Invade Next

CANÇÃO
“Love Me Like You Do” (Cinquenta Tons de Cinza)
“See You Again” (Velozes & Furiosos 7)
“Til It Happens To You” (The Hunting Ground)
“One Kind of Love” (Love & Mercy)
“Writing’s on the Wall” (007 Contra Spectre)
“Simple Song #3” (Youth)

TRILHA MUSICAL
Carter Burwell (Carol)
Ennio Morricone (Os 8 Odiados)
Ryuichi Sakamoto, Alva Noto (O Regresso)
Johann Johannsson (Sicario: Terra de Ninguém)
Howard Shore (Spotlight – Segredos Revelados)

JOVEM ATOR OU ATRIZ
Abraham Attah (Beasts of No Nation)
RJ Cyler (Eu, Você e a Garota que Vai Morrer)
Shameik Moore (Dope)
Milo Parker (Sr. Holmes)
Jacob Tremblay (O Quarto de Jack)

Emily Blunt conseguiu uma indicação por Sicario: Terra de Ninguém (photo by outnow.ch)

Emily Blunt conseguiu uma indicação por Sicario: Terra de Ninguém (photo by outnow.ch)

TELEVISÃO

ATOR – SÉRIE DE COMÉDIA
Anthony Anderson (Black-ish)
Aziz Ansari (Master of None)
Will Forte (The Last Man on Earth)
Randall Park (Fresh Off the Boat)
Fred Savage (The Grinder)
Jeffrey Tambor (Transparent)

ATOR – SÉRIE DRAMÁTICA
Hugh Dancy (Hannibal)
Rami Malek (Mr. Robot)
Clive Owen (The Knick)
Liev Schreiber (Ray Donovan)
Justin Theroux (The Leftovers)
Aden Young (Rectify)

ATOR – FILME PARA TV OU MINISSÉRIE
Wes Bentley (American Horror Story: Hotel)
Martin Clunes (Arthur & George)
Idris Elba (Luther)
Oscar Isaac (Show Me a Hero)
Vincent Kartheiser (Saints & Strangers)
Patrick Wilson (Fargo)

ATRIZ – SÉRIE DE COMÉDIA
Rachel Bloom (Crazy Ex-Girlfriend)
Aya Cash (You’re the Worst)
Wendi McLendon-Covey (The Goldbergs)
Gina Rodriguez (Jane the Virgin)
Tracee Ellis Ross (Black-ish)
Constance Wu (Fresh Off the Boat)

ATRIZ – SÉRIE DRAMÁTICA
Shiri Appleby (UnREAL)
Carrie Coon (The Leftovers)
Viola Davis (How to Get Away With Murder)
Eva Green (Penny Dreadful)
Taraji P. Henson (Empire)
Krysten Ritter (Jessica Jones)

ATRIZ – FILME PARA TV OU MINISSÉRIE
Kathy Bates (American Horror Story: Hotel)
Kirsten Dunst (Fargo)
Sarah Hay (Flesh and Bone
Alyvia Alyn Lind (Dolly Parton’s Coat of Many Colors)
Rachel McAdams (True Detective)
Shanice Williams (The Wiz Live!)

SÉRIE DE COMÉDIA
Black-ish
Catastrophe
Jane the Virgin
Master of None
The Last Man on Earth
Transparent
You’re the Worst

SÉRIE DRAMÁTICA
Empire
Mr. Robot
Penny Dreadful
Rectify
The Knick
The Leftovers
UnREAL

ATOR OU ATRIZ CONVIDADO EM SÉRIE DE COMÉDIA
Ellen Burstyn (Mom)
Anjelica Huston (Transparent)
Cherry Jones (Transparent)
Jenifer Lewis (Black-ish)
Timothy Olyphant (The Grinder)
John Slattery (Wet Hot American Summer: First Day of Camp)

ATOR OU ATRIZ CONVIDADO EM SÉRIE DRAMÁTICA
Richard Armitage (Hannibal)
Justin Kirk (Manhattan)
Patti LuPone (Penny Dreadful)
Margo Martindale (The Good Wife)
Marisa Tomei (Empire)
B.D. Wong (Mr. Robot)

FILME PARA TV OU MINISSÉRIE
Childhood’s End
Fargo
Luther
Saints & Strangers
Show Me a Hero
The Wiz Live!

ATOR COADJUVANTE – SÉRIE DE COMÉDIA
Andre Braugher (Brooklyn Nine-Nine)
Jaime Camil (Jane the Virgin)
Jay Duplass (Transparent)
Neil Flynn (The Middle)
Keegan-Michael Key (Playing House)
Mel Rodriguez (Getting On)

ATOR COADJUVANTE – SÉRIE DRAMÁTICA
Clayne Crawford (Rectify)
Christopher Eccleston (The Leftovers)
Andre Holland (The Knick)
Jonathan Jackson (Nashville)
Rufus Sewell (The Man in the High Castle)
Christian Slater (Mr. Robot)

ATOR COADJUVANTE – FILME PARA TV OU MINISSÉRIE
David Alan Grier (The Wiz Live!)
Ne-Yo (The Wiz Live!)
Nick Offerman (Fargo)
Jesse Plemons (Fargo)
Raoul Trujillo (Saints & Strangers)
Bokeem Woodbine (Fargo)

ATRIZ COADJUVANTE – SÉRIE DE COMÉDIA
Mayim Bialik (The Big Bang Theory)
Kether Donohue (You’re the Worst)
Allison Janney (Mom)
Judith Light (Transparent)
Niecy Nash (Getting On)
Eden Sher (The Middle)

ATRIZ COADJUVANTE – SÉRIE DRAMÁTICA
Ann Dowd (The Leftovers)
Regina King (The Leftovers)
Helen McCrory (Penny Dreadful)
Hayden Panettiere (Nashville)
Maura Tierney (The Affair)
Constance Zimmer (UnREAL)

ATRIZ COADJUVANTE – FILME PARA TV OU MINISSÉRIE
Mary J. Blige (The Wiz Live!)
Laura Haddock (Luther)
Cristin Milioti (Fargo)
Sarah Paulson (American Horror Story: Hotel)
Winona Ryder (Show Me a Hero)
Jean Smart (Fargo)

SÉRIE ANIMADA
Bob’s Burgers
BoJack Horseman
South Park
Star Wars Rebels
The Simpsons

REALITY SHOW – COMPETIÇÃO
Chopped
Face Off
MasterChef Junior
Survivor
The Amazing Race
The Voice

HOST DE REALITY SHOW
Ted Allen (Chopped)
Phil Keoghan (The Amazing Race)
James Lipton (Inside the Actors Studio)
Jane Lynch (Hollywood Game Night)
Jeff Probst (Survivor)
Gordon Ramsay (Hell’s Kitchen)

STRUCTURED REALITY SHOW
Antiques Roadshow
Inside The Actors Studio
MythBusters
Project Greenlight
Shark Tank
Undercover Boss

TALK SHOW
Jimmy Kimmel Live!
Last Week Tonight with John Oliver
The Daily Show with Jon Stewart
The Graham Norton Show
The Late Late Show with James Corden
The Tonight Show Starring Jimmy Fallon

UNSTRUCTURED REALITY SHOW
Anthony Bourdain: Parts Unknown
Cops
Deadliest Catch
Intervention
Naked and Afraid
Pawn Stars

A cerimônia do 21º Critics’ Choice Awards acontece no dia 17 de janeiro em Santa Monica, uma semana após o Globo de Ouro, e 3 dias após o anúncio dos indicados ao Oscar. Segundo divulgado, o evento terá T.J. Miller como host e será transmitido pelos canais A&E, Lifetime e LMN.

‘Carol’ conquista 5 indicações no Globo de Ouro 2016

Rooney Mara em cena de Carol, de Todd Haynes: 5 indicações ao Globo de Ouro 2016 (photo by outnow.ch)

Rooney Mara em cena de Carol, de Todd Haynes: 5 indicações ao Globo de Ouro 2016 (photo by outnow.ch)

GLOBO DE OURO COLOCA MAIS ORDEM NA TEMPORADA DE PREMIAÇÕES

Um dia após o SAG anunciar seus indicados com uma série de ausências sentidas, o Globo de Ouro parece tapar os buracos com seu anúncio na manhã desta quinta-feira, dia 10. Assim, atores que ficaram de fora do SAG como Will Smith e Sylvester Stallone, retornam ao centro do palco.

Claro que em se tratando de Oscar e Globo de Ouro, não dá pra agradar gregos e troianos. Algum filme ou algum ator vai ficar sem cadeira. É inevitável. Dentre os mais sentidos estão Johnny Depp (Aliança do Crime), Jacob Tremblay (O Quarto de Jack), Meryl Streep (Ricki and the Flash: De Volta Para Casa), Charlotte Rampling (45 Anos) e Blythe Danner (I’ll See You in My Dreams).

Anúncio das indicações ao Globo de Ouro 2016
America Ferrera, Chloë Grace Moretz, Angela Bassett e Dennis Quaid anunciam os indicados ao Globo de Ouro 2016

De volta aos indicados, o drama Carol foi o recordista de indicações este ano com 5, mas isso não significa que terá vida fácil na categoria, já que compete com Spotlight – Segredos Revelados e Mad Max: Estrada da Fúria que, por mais que não faça muito o tipo que ganhe prêmios de Melhor Filme, vem crescendo bastante na temporada e pode surpreender, principalmente diante de um cenário sem grandes favoritos como este.

Como uma boa mãe, o Globo de Ouro conseguiu reunir numa só lista 17 estúdios, boa parte dos favoritos e outros candidatos que pareciam ficar só na promessa. Exemplo disso é o novo filme de Alejandro González Iñárritu, O Regresso, que estava até então num estado de inércia na temporada. Agora, indicada a Melhor Filme, Diretor, Trilha Musical e Ator para Leonardo DiCaprio, a produção promete conquistar seu espaço no Oscar, principalmente nas categorias mais técnicas como Fotografia e Montagem.

Leonardo DiCaprio em cena de O Regresso (photo by cinemagia.ro)

Leonardo DiCaprio com Grace Dove em cena de O Regresso (photo by cinemagia.ro)

Nessa mesma lógica de tirar o filme do limbo, também dá pra incluir o novo trabalho de David O. Russell, cujos filmes sempre dão um jeitinho de entrar no Oscar. Joy: O Nome do Sucesso, uma espécie de “dramédia” que reconta a trajetória de uma mulher de negócios, concorre como Filme de Comédia e sua protagonista Jennifer Lawrence como Melhor Atriz. Embora esteja disputando com as veteranas Maggie Smith e Lily Tomlin, a atriz de Jogos Vorazes tem grandes chances de conquistar seu terceiro Globo de Ouro.

Jennifer Lawrence e Robert De Niro em cena de Joy: O Nome de Sucesso (photo by outnow.ch)

Jennifer Lawrence e Robert De Niro em cena de Joy: O Nome do Sucesso (photo by outnow.ch)

E meio esquecido depois de ganhar o Hollywood Film Awards no início de novembro, a ficção científica Perdido em Marte retorna com força, uma vez que compete como Filme de Comédia, Diretor e Ator (Matt Damon). Apesar de parecer uma manobra barata da 20th Century Fox de inscrever o filme como comédia para ter concorrência mais fraca pela frente (o que gerou uma “polemicazinha”), não acredito sinceramente em manipulação nesse caso. Trata-se de uma ficção científica com clima bastante otimista, seu protagonista, mesmo diante de uma série de dificuldades, mantém o bom humor em suas pesquisas e gravações, e temos a manutenção da esperança na humanidade. Pra mim, o clima leve o aproxima mais da comédia do que um drama.

Os astronautas da tripulação de Perdido em Marte (photo by cinemagia.ro)

Os astronautas da tripulação de Perdido em Marte (photo by cinemagia.ro)

Ainda no campo da ressurreição, Trumbo retorna no Globo de Ouro, um dia após liderar as indicações ao SAG Awards. O ator da série Breaking Bad, Bryan Cranston, e a dama Helen Mirren foram devidamente reconhecidos por suas performances.

O Globo de Ouro trouxe felicidade também no quesito dupla indicação. Idris Elba, Lily Tomlin, Mark Rylance e Alicia Vikander ficaram duplamente felizes na manhã dessa quinta-feira. Seus nomes foram anunciados duas vezes em categorias distintas.Enquanto os três primeiros equilibram forças entre cinema e televisão, a atriz sueca concorre como Atriz por A Garota Dinamarquesa e como Coadjuvante por Ex-Machina: Instinto Artificial.

Alicia Vikander em cena de A Garota Dinamarquesa (photo by palmspringlife.com)

Alicia Vikander em cena de A Garota Dinamarquesa (photo by palmspringlife.com)

Apesar disso TUDO que o Globo de Ouro fez, acrescentaria uma ressalva: Por que não aumentar de 5 para 6 indicados para Melhor Filme – Drama e incluir Os 8 Odiados ou A Garota Dinamarquesa? Resultaria num total de 4 indicações ao novo western de Tarantino e para o drama transsexual de Tom Hooper. Ou quem sabe para 7 indicados e incluir também Steve Jobs? Afinal, acumulou 4 indicações: Ator (Michael Fassbender), Atriz Coadjuvante (Kate Winslet), Roteiro e Trilha Musical. Ficaria com 5 e igualaria Carol. Teria havido tamanha distância de um candidato a outro na votação ou seria algum receio por parte da HFPA de eleger o “filme errado”? Digo isso, porque as regras do Globo de Ouro permitem esse acréscimo de indicados sem dolo algum.

Durante o anúncio das indicações, fiquei na expectativa pelo filme brasileiro Que Horas Ela Volta?, mas o filme de Anna Muylaert ficou de fora. A última vez que o Brasil teve representantes no prêmio foi em 2005 por Diários de Motocicleta, de Walter Salles, e em 2003 por Cidade de Deus, de Fernando Meirelles. Contudo, o país está bem representado pela série Narcos, produzida pelo diretor José Padilha pela Netflix, e pelo ator Wagner Moura, que foi indicado como Melhor Ator de Série Dramática. Ele interpreta ninguém menos do que o lorde das drogas colombiano Pablo Escobar em 10 episódios. Moura disputa o prêmio com o favorito Jon Hamm (Mad Men) e Liev Schreiber (Ray Donovan).

Wagner Moura em cena da série Narcos da Netflix (photo by cinemagia.ro)

Wagner Moura em cena da série Narcos, da Netflix (photo by cinemagia.ro)

Sobre as categorias de televisão, cabe mais um elogio ao Globo de Ouro. Nos últimos anos, com o crescimento da plataforma de streaming, a HFPA não pestanejou e abraçou o novo formato, valorizando acima de tudo seu conteúdo. No ano passado, a série Transparent foi a primeira a ganhar o prêmio de Melhor Série, mas já em 2014, House of Cards já preenchia as categorias como a primeira da Netflix. Este ano, a associação continua explorando novos conteúdos de streaming: além da já citada Narcos, temos Master of None, Casual e Mozart In the Jungle entre os indicados, enquanto as séries tradicionais que passam na televisão Homeland, Mad MenDownton Abbey e Modern Family não concorrem como Melhor Série este ano. Os tempos estão mudando…

E só mais um último adendo: Lady Gaga recebeu sua primeira indicação como atriz por American Horror Story: Hotel. Ela interpreta a Condessa nesta nova temporada que se passa num hotel. Independente da qualidade da sua atuação (adoraria conferir), a contratação da cantora na série se tornou um hype desde seu anúncio.

Seguem todos os indicados ao 73º Globo de Ouro:

CINEMA

MELHOR FILME – DRAMA
Carol (Carol)
Mad Max: Estrada da Fúria (Mad Max: Fury Road)
O Regresso (The Revenant)
O Quarto de Jack (Room)
Spotlight – Segredos Revelados (Spotlight)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL
A Grande Aposta (The Big Short)
Joy: O Nome do Sucesso (Joy)
Perdido em Marte (The Martian)
A Espiã que Sabia de Menos (Spy)
A Descompensada (Trainwreck)

MELHOR DIRETOR
Todd Haynes (Carol)
Alejandro González Iñárritú (O Regresso)
Tom McCarthy (Spotlight – Segredos Revelados)
George Miller (Mad Max: Estrada da Fúria)
Ridley Scott (Perdido em Marte)

MELHOR ATOR – DRAMA
Bryan Cranston (Trumbo)
Leonardo DiCaprio (O Regresso)
Michael Fassbender (Steve Jobs)
Eddie Redmayne (A Garota Dinamarquesa)
Will Smith (Um Homem Entre Gigantes)

MELHOR ATRIZ – DRAMA
Cate Blanchett (Carol)
Brie Larson (O Quarto de Jack)
Rooney Mara (Carol)
Saoirse Ronan (Brooklyn)
Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL
Jennifer Lawrence (Joy: O Nome do Sucesso)
Melissa McCarthy (A Espiã que Sabia de Menos)
Amy Schumer (A Descompensada)
Maggie Smith (A Senhora da Van)
Lily Tomlin (Grandma)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL
Christian Bale (A Grande Aposta)
Steve Carell (A Grande Aposta)
Matt Damon (Perdido em Marte)
Al Pacino (Não Olhe Para Trás)
Mark Ruffalo (Sentimentos que Curam)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Jane Fonda (Youth)
Jennifer Jason Leigh (Os 8 Odiados)
Helen Mirren (Trumbo)
Alicia Vikander (Ex-Machina: Instinto Artificial)
Kate Winslet (Steve Jobs)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Paul Dano (Love & Mercy)
Idris Elba (Beasts of No Nation)
Mark Rylance (Ponte dos Espiões)
Michael Shannon (99 Homes)
Sylvester Stallone (Creed: Nascido Para Lutar)

MELHOR ROTEIRO
Emma Donoghue (O Quarto de Jack)
Tom McCarthy e Josh Singer (Spotlight – Segredos Revelados)
Charles Randolph e Adam McKay (A Grande Aposta)
Aaron Sorkin (Steve Jobs)
Quentin Tarantino (Os 8 Odiados)

MELHOR ANIMAÇÃO
Anomalisa
O Bom Dinossauro (The Good Dinossaur)
Divertida Mente (Inside Out)
Snoopy & Charlie Brown: Peanuts, o Filme (The Peanuts Movie)
Shaun: O Carneiro (Shaun the Sheep Movie)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
The Brand New Testament (Le Tout Nouveau Testament), de Jaco Van Dormael (Bélgica/ França/ Luxemburgo)
O Clube (El Club), de Pablo Larraín (Chile)
O Esgrimista (Miekkailija), de Klaus Härö (Finalândia/ Estônia/ Alemanha)
O Filho de Saul (Saul fia), de László Nemes (Hungria)
Cinco Graças (Mustang), de Deniz Gamze Ergüven (Turquia/ França/ Catar/ Alemanha)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Love me Like You Do” por Max Martin, Savan Kotecha, Ali Payami, Ilya Salmanzadeh (Cinquenta Tons de Cinza)
“One Kind of Love” por Brian Wilson, Scott Montgomery Bennett (Love & Mercy)
“See You Again” por Justin Franks, Andrew Cedar, Charlie Puth, Wiz Khalifa (Velozes & Furiosos 7)
“Simple Song No. 3” por David Lang (Youth)
“Writing’s on the Wall” por Sam Smith, James Napier (007 Contra Spectre)


O filme é ruim, mas a trilha sonora salva, incluindo a canção de Ellie Goulding

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Carter Burwell (Carol)
Alexandre Desplat (A Garota Dinamarquesa)
Ennio Morricone (Os 8 Odiados)
Daniel Pemberton (Steve Jobs)
Ryuichi Sakamoto e Carsten Nicolai (O Regresso)

Steve Carell e Ryan Gosling em cena de A Grande Aposta, de Adam McKay (photo by cine.gr)

Steve Carell e Ryan Gosling em cena de A Grande Aposta, de Adam McKay (photo by cine.gr)

TELEVISÃO

MELHOR SÉRIE DRAMÁTICA
Empire
Game of Thrones
Mr. Robot
Narcos
Outlander

MELHOR ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA
Jon Hamm (Mad Men)
Rami Malek (Mr. Robot)
Wagner Moura (Narcos)
Bob Odenkirk (Better Call Saul)
Liev Schreiber (Ray Donovan)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA
Caitriona Balfe (Outlander)
Viola Davis (How to Get Away with Murder)
Eva Green (Penny Dreadful)
Taraji P. Henson (Empire)
Robin Wright (House of Cards)

MELHOR MINISSÉRIE OU TELEFILME
American Crime
American Horror Story: Hotel
Fargo
Flesh and Bone
Wolf Hall

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA
Casual
Mozart in the Jungle
Orange Is the New Black
Silicon Valley
Transparent
Veep

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU TELEFILME
Uzo Aduba (Orange Is the New Black)
Joanne Froggatt (Downton Abbey)
Regina King (American Crime)
Judith Light (Transparent)
Maura Tierney (The Affair)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU TELEFILME
Alan Cumming (The Good Wife)
Damian Lewis (Wolf Hall)
Ben Mendelsohn (Bloodline)
Tobias Menzies (Outlander)
Christian Slater (Mr. Robot)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA
Rachel Bloom (Crazy Ex-Girlfriend)
Gina Rodriguez (Jane the Virgin)
Julia Louis-Dreyfus (Veep)
Jamie Lee Curtis (Scream Queens)
Lily Tomlin (Grace and Frankie)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA
Aziz Ansari (Master of None)
Gael García Bernal (Mozart in the Jungle)
Rob Lowe (The Grinder)
Patrick Stewart (Blunt Talk)
Jeffrey Tambor (Transparent)

MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU TELEFILME
Kirsten Dunst (Fargo)
Lady Gaga (American Horror Story: Hotel)
Sarah Hay (Flesh and Bone)
Felicity Huffman (American Crime)
Queen Latifah (Bessie)

MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE OU TELEFILME
Oscar Isaac (Show me a Hero)
Idris Elba (Luther)
David Oyelowo (Nightingale)
Mark Rylance (Wolf Hall)
Patrick Wilson (Fargo)

A 73ª cerimônia do Globo de Ouro acontece no dia 10 de janeiro, e Ricky Gervais retorna como o “host mais querido das celebridades”. E dois lembretes: o ator Denzel Washington será o homenageado com o prêmio Cecil B. DeMille (Sim, eu acho que ele ainda é muito jovem pra tal honraria, mas depois de ver George Clooney recebendo o mesmo prêmio esse ano, espero qualquer coisa), e a Miss Golden Globe de 2016 será a filha do ator Jamie Foxx: Corinne Foxx.

The Hollywood Foreign Press Association has selected Corinne Foxx as Miss Golden Globe 2016 for the 73rd Annual Golden Globe Awards set to air live on NBC on January 10, 2016. President Lorenzo Soria made the announcement on November 17, 2015 from Ysabel Restaurant in West Hollywood.

Corinne Foxx foi selecionada para ser a Miss Golden Globe 2016 (photo by ImageGroup/HFPA)

‘Perdido em Marte’ conquista Melhor Filme no Hollywood Film Awards 2015

Com sua melhor feição estilo carrancuda, o diretor Ridley Scott recebe o prêmio de Melhor Filme das mãos do ator Russell Crowe (photo by twitter.com)

Com sua melhor feição estilo carrancuda, o diretor Ridley Scott recebe o prêmio de Melhor Filme das mãos do ator Russell Crowe (photo by twitter.com)

PRIMEIRO PRÊMIO HOLLYWOODIANO APONTA FORTES CANDIDATOS AO OSCAR

Nesse último dia 1º de novembro, segundo o próprio Hollywood Film Awards, “a temporada de premiações foi oficialmente aberta”. Trata-se realmente do primeiro reconhecimento aos filmes com potencial para Oscar: em Outubro! Em sua 19ª edição (um prêmio relativamente novo no cenário), esta foi a forma que o HFA arranjou para obter algum destaque na concorridíssima temporada de premiações Daqui a pouco, vão ter prêmios de cinema a partir de agosto!

Claro que é muito cedo para dar alguma vantagem aos premiados do HFA, mas certamente já ajuda a esquentar a campanha dos filmes concorrentes. No ano passado, o prêmio conseguiu prever as vitórias de Julianne Moore (Para Sempre Alice) como Melhor Atriz, Emmanuel Lubezki (Birdman) como Melhor Fotografia e Milena Canonero (O Grande Hotel Budapeste) como Melhor Figurino no Oscar. Não é lá das melhores estatísticas em termos de coincidir com o prêmio da Academia, mas talvez nem seja esse o propósito aqui. O melhor filme do ano passado foi Garota Exemplar, que sequer figurou na lista do Oscar, ficando apenas com a indicação de Melhor Atriz para Rosamund Pike.

Este ano, o vencedor de Melhor Filme foi a ficção científica de Ridley Scott, Perdido em Marte. Além de ter recebido elogios da crítica, a bilheteria do filme ultrapassou os 100 milhões de dólares só nos EUA, e ao contrário do filme sociopata Garota Exemplar, tem uma mensagem muito otimista, mesmo se tratando de uma ficção científica. Isso conquista pontos com os votantes da Academia, vide a vitória de O Discurso do Rei sobre A Rede Social em 2011, por exemplo. Perdido em Marte deve conquistar muitas indicações técnicas como Som, Efeitos Sonoros, Efeitos Visuais, além de Direção de Arte e Fotografia. Agora, se Ridley Scott for indicado pra Diretor, prepare-se para cenas de cara fechada dele. Lembro quando ele perdeu o Oscar de direção por Gladiador em 2001 para Steven Soderbergh (Traffic). Foi por muito pouco que ele não foi embora no discurso de agradecimento do concorrente. O desconforto foi tanto que a Academia resolveu lhe compensar ao indicá-lo no ano seguinte para o regular Falcão Negro em Perigo. Infelizmente foi uma ação que coroou um mau perdedor.

Mark Watney (Matt Damon) e sua plantação de batatas em Perdido em Marte (photo by cine.gr)

Mark Watney (Matt Damon) e sua plantação de batatas em Perdido em Marte (photo by cine.gr)

Falando em diretor, o vencedor da categoria foi o inglês Tom Hooper. Conhecido por O Discurso do Rei e o musical Os Miseráveis, ele retorna com um drama sobre identidade sexual em A Garota Dinamarquesa. Apesar de considerá-lo um bom profissional, acreditava que se alguém fosse ganhar um prêmio pelo filme, este seria o ator Eddie Redmayne por viver a personagem central. É daqueles papéis que já nascem com peso de ouro como o aidético vivido por Tom Hanks em Filadélfia.

Entre os atores, a maior surpresa foi a vitória de Jane Fonda pelo filme Youth, do italiano Paolo Sorrentino. Muito se falava da boa campanha de Melhor Ator Coadjuvante para Michael Caine, que acabou não sobrando espaço para a atriz veterana. Os demais vencedores: Benicio Del Toro, Carey Mulligan e Will Smith já tinham boas chances na temporada, mas Smith certamente conta com um ótimo trunfo: seu papel em Concussion é do tipo Davi vs. Golias, do mesmo naipe de Erin Brokovich – Uma Mulher de Talento, que rendeu o Oscar para Julia Roberts. Ele interpreta um médico neuropatologista que descobre um trauma cerebral pela primeira vez num jogador de futebol americano. Se for indicado, será a terceira indicação de Will Smith.

Will Smith em cena com Gugu Mbatha-Raw em Concussion (photo by cine.gr)

Will Smith em cena com Gugu Mbatha-Raw em Concussion (photo by cine.gr)

Com exceção dos filmes Velozes & Furiosos 7, Straight Outta Compton: A História do N.W.A. e A Descompensada, todos os demais têm chances bem reais de avançar na temporada de premiações rumo à lista de indicações da Academia. Mad Max: Estrada da Fúria deve dominar as categorias técnicas, e filmes com potencial de Melhor Filme como Spotlight, Ponte dos Espiões, As Sufragistas, A Garota Dinamarquesa e o próprio Perdido em Marte já têm presença praticamente garantida no tapete vermelho. Portanto, se a intenção do Hollywood Film Awards era dar o pontapé inicial, foi muito bem sucedido.

Seguem os vencedores da 19ª edição do HFA:

MELHOR FILME
Perdido em Marte (The Martian), de Ridley Scott

MELHOR DIRETOR
Tom Hooper (A Garota Dinamarquesa)

MELHOR ATOR
Will Smith (Concussion)

MELHOR ATRIZ
Carey Mulligan (As Sufragistas)

Carey Mulligan aceita o prêmio de Atriz por As Sufragistas (Photo by Kevin Winter/Getty Images)

Carey Mulligan aceita o prêmio de Atriz por As Sufragistas (Photo by Kevin Winter/Getty Images)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Benicio Del Toro (Sicario: Terra de Ninguém)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Jane Fonda (Youth)

MELHOR ELENCO
Kurt Russell, Jennifer Jason Leigh, Channing Tatum, Bruce Dern, Tim Roth, Michael Madsen, Walton Goggins, Demian Bichir (Os 8 Odiados)

MELHOR ROTEIRO
Tom McCarthy, Josh Singer (Spotlight)

MELHOR FOTOGRAFIA
Janusz Kaminski (Ponte dos Espiões)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Colin Gibson (Mad Max: Estrada da Fúria)

MELHOR MONTAGEM
David Rosenbloom (Aliança do Crime)

MELHOR FIGURINO
Sandy Powell (Cinderela)

MELHOR TRILHA MUSICAL
Alexandre Desplat (A Garota Dinamarquesa) (As Sufragistas)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“See You Again”, de Wiz Khalifa, Charlie Puth (Velozes & Furiosos 7)


Confira videoclipe de Wiz Khalifa 

MELHOR SOM
Gary Rydstrom (Ponte dos Espiões)

MELHOR MAQUIAGEM
Lesley Vanderwalt (Mad Max: Estrada da Fúria)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
Tim Alexander (Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros)

MELHOR ANIMAÇÃO
Divertida Mente (Inside Out), de Pete Docter

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Amy, de Asif Kapadia

MELHOR ATRIZ REVELAÇÃO
Alicia Vikander (A Garota Dinamarquesa)

MELHOR ATOR REVELAÇÃO
Joel Edgerton (Aliança do Crime)

MELHOR DIRETOR REVELAÇÃO
Adam McKay (The Big Short)

MELHOR ELENCO REVELAÇÃO
Corey Hawkins, O’Shea Jackson Jr. e Jason Mitchell (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.)

PRÊMIO NEW HOLLYWOOD
Saoirse Ronan (Brooklyn)

PRÊMIO BLOCKBUSTER HOLLYWOOD
Velozes & Furiosos 7, de James Wan

PRÊMIO HOLLYWOOD DE COMÉDIA
Amy Schumer (Descompensada)

PRÊMIO PELO CONJUNTO DA OBRA
Robert De Niro

O homenageado Robert De Niro na cerimônia da Hollywood Film Awards (photo by telegraph.co.uk)

O homenageado Robert De Niro na cerimônia da Hollywood Film Awards (photo by telegraph.co.uk)

WGA indica favoritos ‘Boyhood’, ‘O Jogo da Imitação’, ‘Foxcatcher’ e ‘Garota Exemplar’ mesmo com sua rigidez costumeira

 

WGA: Writers Guild Awards 2013 (logo in theartsyfilmblog.com)

WGA: Writers Guild Awards 2015 (logo in theartsyfilmblog.com)

MESMO COM TANTA RIGIDEZ, FAVORITOS SÃO INDICADOS

Se existe um prêmio de sindicato maldoso, este é o Writers Guild of America (WGA). Sem cerimônia, ele elimina incontáveis ótimos candidatos estrangeiros, animações e produções independentes simplesmente por questão de eligibilidade de um regulamento pré-globalização que parou no século XX (Eles não têm nem categoria de roteiro de animação!!!). Assim, bons concorrentes como Uma Aventura Lego, Birdman, A Teoria de Tudo e Selma foram pro saco num piscar de olhos, totalizando o número ridículo de 60 concorrentes na categoria de roteiro original, e 48 na de roteiro adaptado.

Com tamanha rigidez, só o fato de ser indicado, realmente já se trata de uma vitória. Mas em termos de credibilidade, uma vitória “parcial”? Injusta? Em 2013, o roteiro de Quentin Tarantino de Django Livre também não tinha sido qualificado para o WGA só porque o diretor-roteirista não é membro do sindicato (e não paga as devidas taxas), mas isso não o impediu de ganhar o Oscar no mesmo ano. Esse sentimento de injustiça e indignação pelo alto nível de burocracia é o mesmo que sinto em relação à categoria de Filme em Língua Estrangeira. Enquanto 23 prêmios da Academia interessam à comunidade cinéfila e hollywoodiana, a de Filme Estrangeiro é aquela almejada pelo mundo inteiro, aquela que é possível qualquer país do mundo ganhar de fato. Então, deveriam dar mais atenção e coerência à categoria. Uma das alterações que sou a favor é a inclusão de mais de um filme do mesmo país, afinal, nem sempre haverá apenas um bom filme por país.

Enfim, após esse breve desabafo, vamos aos indicados deste ano. Mesmo se considerando a série de eliminações por eligibilidade, houve pouca surpresa. Em extrema ascensão depois das indicações consecutivas no Art Directors Guild (ADG), Eddie Awards e Producers Guild (PGA), o novo filme de Clint Eastwood, Sniper Americano, obteve mais um êxito que deve incluí-lo na lista final dos indicados a Melhor Filme no Oscar. Já a indicação de Guardiões da Galáxia chama a atenção por se tratar de uma ficção científica (gênero raro no prêmio – os únicos três que ganharam foram A Origem, Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças e E.T. – O ExtraTerrestre) e ainda mais por ser baseado numa história em quadrinhos da Marvel, comprovando que existe qualidade além das fronteiras dos gêneros e convenções artísticas.

Zoe Saldana e Chris Pratt em cena de Guardiões da Galáxia (photo by outnow.ch)

Zoe Saldana e Chris Pratt em cena de Guardiões da Galáxia (photo by outnow.ch)

Uma curiosidade interessante é que dos cinco indicados a Roteiro Original, quatro são os diretores dos filmes também: Richard Linklater, Wes Anderson, Dan Gilroy e Damien Chazelle, o que denota característica de iniciativa dos mesmos. E caso alguns deles venham a ser indicados a Melhor Diretor no Oscar e não ganhem, o Oscar de Roteiro muitas vezes acaba se tornando uma espécie de prêmio de consolação.

Seguem todos os indicados ao WGA:

CINEMA

ROTEIRO ORIGINAL

– Richard Linklater (Boyhood: Da Infância à Juventude)
– 
E. Max Frye, Dan Futterman (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)
– Wes Anderson, Hugo Guinness (O Grande Hotel Budapeste)
– 
Dan Gilroy (O Abutre)
– 
Damien Chazelle (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

ROTEIRO ADAPTADO

– Jason Hall (Sniper Americano) – Baseado no livro de Chris Kyle, Scott McEwen e Jim DeFelice
– Gillian Flynn (Garota Exemplar); Baseado em seu romance
– James Gunn, Nicole Perlman (Guardiões da Galáxia); Baseado nos quadrinhos da Marvel por Dan Abnett e Andy Lanning
 Graham Moore (O Jogo da Imitação); Baseado no livro Alan Turing: The Enigma, de Andrew Hodges
– Nick Hornby (Livre); Baseado no livro de Cheryl Strayed

Reese Witherspoon em cena de Livre (photo by outnow.ch)

Reese Witherspoon em cena de Livre (photo by outnow.ch)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO

– John Maloof, Charlie Siskel (A Fotografia Oculta de Vivian Maier)
– Brian Knappenberger (O Menino da Internet: A História de Aaron Swartz)

– 
Mark Bailey, Kevin McAlester (Last Days in Vietnam)
– 
Gabe Polsky (Red Army)

Cena do documentário A Fotografia Oculta de Vivian Maier (photo by outnow.ch)

Cena do documentário A Fotografia Oculta de Vivian Maier (photo by outnow.ch)

TELEVISÃO

SÉRIE DE TV – DRAMA

– David Benioff, Bryan Cogman, George R.R. Martin, D.B. Weiss (Game of Thrones)
– Leonard Dick, Keith Eisner, Ted Humphrey, Michelle King, Robert King, Erica Shelton Kodish, Matthew Montoya, Luke Schelhaas, Nichelle Tramble Spellman, Craig Turk, Julia Wolfe (The Good Wife)
– Bill Cain, Laura Eason, Sam R. Forman, William Kennedy, Kenneth Lin, John Mankiewicz, David Manson, Beau Willimon (House of Cards)
– Lisa Albert, Heather Jeng Bladt, Semi Chellas, Jonathan Igla, David Iserson, Janet Leahy, Erin Levy, Patricia Resnick, Tom Smuts, Matthew Weiner, Carly Wray (Mad Men)
– Nic Pizzolatto (True Detective)

SÉRIE DE TV – COMÉDIA

– Pamela Adlon, Louis C.K. (Louie)
– Stephen Falk, Sian Heder, Tara Herrmann, Sara Hess, Nick Jones, Jenji Kohan, Lauren Morelli, Alex Regnery, Hartley Voss (Orange is the New Black)
– John Altschuler, Alec Berg, Matteo Borghese, Jessica Gao, Mike Judge, Dave Krinsky, Carson Mell, Dan O’Keefe, Clay Tarver, Rob Turbovsky, Ron Weiner (Sillicon Valley)
– Bridget Bedard, Micah Fitzerman-Blue, Noah Harpster, Ethan Kuperberg, Ali Liebegott, Faith Soloway, Jill Soloway (Transparent)
– Simon Blackwell, Kevin Cecil, Roger Drew, Sean Gray, Armando Iannucci, Ian Martin, Georgia Pritchett, David Quantick, Andy Riley, Tony Roche, Will Smith (Veep)

SÉRIE DE TV NOVA

– Dan LeFranc, Hagai Levi, Melanie Marnich, Eric Overmyer, Kate Robin, Sarah Treem (The Affair)
– Jack Amiel, Michael Begler, Steven Katz (The Knick)
– John Altschuler, Alec Berg, Matteo Borghese, Jessica Gao, Mike Judge, Dave Krinsky, Carson Mell, Dan O’Keefe, Clay Tarver, Rob Turbovsky, Ron Weiner (Sillicon Valley)
– Bridget Bedard, Micah Fitzerman-Blue, Noah Harpster, Ethan Kuperberg, Ali Liebegott, Faith Soloway, Jill Soloway (Transparent)
– Nic Pizzolatto (True Detective)

SÉRIE ORIGINAL

– Melissa Carter (Deliverance Creek)
– Sean Hanish (Return to Zero)

SÉRIE ADAPTADA

– Nicholas Meyer; Baseado no livro Houdini: A Mind in Chains: A Psychoanalytic Portrait, de Bernard C. Meyer, M.D. (Houdini)
– Paul T. ScheuringJosh Goldin, Rachel Abramowitz; Baseado no livro Gold Diggers, de Charlotte Gray (Klondike)
– Larry Kramer; Baseado na peça The Normal Heart (The Normal Heart)
– Jane Anderson; Baseado no romance de Elizabeth Strout (Olive Kitteridge)
Damon Lindelof, Tom Perrotta; Baseado no livro de Tom Perrotta (The Leftlovers)

SHORT FORM NEW MEDIA – ORIGINAL

– “Apocalypse No” (Bad Shorts), escrito por Ben Zelevansky; luckybirdsmedia.com
– “City of Angles” (Caper), escrito por Amy Berg, Mike Sizemore; hulu.com
– “Episode 1 – Nurture” (F To 7th), escrito por Ingrid Jungermann; youtube.com
– “Episode 113: Rachel” (High Maintenance), escrito por Katja Blichfeld & Ben Sinclair; helpingyoumaintain.com
– “Episode 204” (Vicky and Lysander), escrito por Damon Cardasis, Shannon Walker; youtube.com
– “Episode 207” (Vicky and Lysander), escrito por Damon Cardasis, Shannon Walker; youtube.com

ANIMAÇÃO

– Greg Thompson (Bob’s Burgers) – Episódio: “Bob and Deliver”
– Brian Kelley (The Simpsons) – Episódio: “Brick Like Me”
– Matt Selman (The Simpsons) –  Episódios: “Covercraft”
– David H. Steinberg (The Simpsons) – Episódio: “Pay Pal”
– J. Stewart Burns (The Simpsons) – Episódio: “Steal This Episode”
– Nora Smith (Bob’s Burgers) – Episódio: “Work Hard or Die Trying, Girl”

EPISODIC DRAMA

– Jonathan Igla, Matthew Weiner (Mad Men) – Episódio: “A Day’s Work”
– Howard Korder (Boardwalk Empire) – Episódio: “Devil You Know”
– Kate Powers, Ray McKinnon (Rectify) Episódio: “Donald the Normal”
– Riccardo DiLoreto, Cristine Chambers, Howard Korder (Boardwalk Empire) – Episódio: “Friendless Child”
– Robert King, Michelle King (The Good Wife) – Episódio: “The Last Call”
– George R.R. Martin (Game of Thrones) – Episódio: “The Lion and the Rose”

EPISODIC COMEDY

– Rick Wiener, Kenny Schwartz (Modern Family) – Episódio: “The Cold”
– Rob Rosell (New Girl) – Episódio: “Landline” (New Girl)
– Nick Jones (Orange is the New Black) – Episódio: “Low Self Esteem City”
– Louis C.K. (Louie) – Episódio: “So Did the Fat Lady”
– Abraham Higginbotham, Steven Levitan, Jeffrey Richman (Modern Family) – Episódio: “Three Dinners”
– Ethan Kuperberg (Transparent) – Episódio: “The Wilderness”

COMEDY / VARIETY (INCLUDING TALK) – SERIES

– Rory Albanese, Dan Amira, Steve Bodow, Tim Carvell, Travon Free, Hallie Haglund, JR Havlan, Elliott Kalan, Matt Koff, Adam Lowitt, Dan McCoy, Jo Miller, John Oliver, Zhubin Parang, Owen Parsons, Daniel Radosh, Lauren Sarver, Jon Stewart, Delaney Yeager (The Daily Show with Jon Stewart)
– Kevin Avery, Tim Carvell, Dan Gurewitch, Geoff Haggerty, Jeff Maurer, John Oliver, Scott Sherman, Will Tracy, Jill Twiss, Juli Weiner (Last Week Tonight with John Oliver)
– Jessi Klein, Emily Altman, Jeremy Beiler, Neil Casey, Kyle Dunnigan, Kurt Metzger, Christine Nangle, Dan Powell, Amy Schumer (Inside Amy Schumer)
– Michael Brumm, Nate Charny, Aaron Cohen, Stephen Colbert, Rich Dahm, Paul Dinello, Eric Drysdale, Rob Dubbin, Ariel Dumas, Glenn Eichler, Gabe Gronli, Barry Julien, Jay Katsir, Sam Kim, Matt Lappin, Opus Moreschi, Tom Purcell, Meredith Scardino, Max Werner (The Colbert Report)
– Molly McNearney, Danny Ricker, Gary Greenberg, Jack Allison, Tony Barbieri, Jonathan Bines, Joelle Boucai, Josh Halloway, Sal Iacono, Eric Immerman, Bess Kalb, Jimmy Kimmel, Jeff Loveness, Bryan Paulk, Rick Rosner, Bridger Winegar (Jimmy Kimmel Live)
– Seth Meyers, Colin Jost, Rob Klein, Bryan Tucker, James Anderson, Alex Baze, Michael Che, Mikey Day, Steve Higgins, Leslie Jones, Zach Kanin, Chris Kelly, Erik Kenward, Lorne Michaels, Claire Mulaney, Josh Patten, Paula Pell, Katie Rich, Tim Robinson, Sarah Schneider, Pete Schultz, John Solomon, Kent Sublette, Lakendra Tookes (Saturday Night Live)
– Billy Martin, Scott Carter, Adam Felber, Matt Gunn, Brian Jacobsmeyer, Jay Jaroch, Chris Kelly, Bill Maher, Danny Vermont (Real Time with Bill Maher)

COMEDY / VARIETY – MUSIC, AWARDS, TRIBUTES – SPECIALS

– The 68th Annual Tony Awards, escrito por Dave Boone; Special Material by Jon Macks; CBS
71st Annual Golden Globe Awards, escrito por Barry Adelman; Special Material by Alex Baze, Dave Boone, Robert Carlock, Tina Fey, Jon Macks, Sam Means, Seth Meyers, Amy Poehler, Mike Shoemaker; NBC
2014 Film Independent Spirit Awards, escrito por Gerry Duggan, Wayne Federman, Patton Oswalt, Erik Weiner; IFC
Bill Maher: Live from D.C., escrito por Bill Maher; HBO
Sarah Silverman: We Are Miracles, escrito por Sarah Silverman; HBO

QUIZ AND AUDIENCE PARTICIPATION

– Hollywood Game Night, escrito por Grant Taylor, Alex Chauvin, Ann Slichter; NBC
Jeopardy!, escrito por John Duarte, Harry Friedman, Mark Gaberman, Debbie Griffin, Michele Loud, Robert McClenaghan, Jim Rhine, Steve D. Tamerius, Billy Wisse; ABC

DAYTIME DRAMA

– Days of Our Lives, escrito por Lorraine Broderick, David Cherrill, Carolyn Culliton, Richard Culliton, Rick Draughon, Christopher Dunn, Janet Iacobuzio, Ryan Quan, Dave Ryan, Melissa Salmons, Christopher Whitesell; NBC
General Hospital, escrito por Ron Carlivati, Anna Theresa Cascio, Suzanne Flynn, Kate Hall, Elizabeth Korte, Daniel James O’Connor, Elizabeth Page, Katherine Schock, Scott Sickles, Chris Van Etten; ABC

CHILDREN’S SCRIPT – EPISODIC AND SPECIALS

– “Girl Meets 1961” (Girl Meets World), Written by Matthew Nelson; Disney Channel
– “Haunted Heartthrob” (Haunted Hathaways), Written by Bob Smiley; Nickelodeon
– “Haunted Sisters” (Haunted Hathaways), Written by Boyce Bugliari & Jamie McLaughlin; Nickelodeon

DOCUMENTARY SCRIPT – CURRENT EVENTS

– “Losing Iraq” (Frontline), escrito por Michael Kirk & Mike Wiser; PBS
– “United States of Secrets: Privacy Lost (Part Two)” (Frontline), escrito por Martin Smith; PBS
– “United States of Secrets: The Program (Part One)” (Frontline); PBS; escrito por Michael Kirk & Mike Wiser; PBS

DOCUMENTARY SCRIPT – OTHER THAN CURRENT EVENTS

– “Episode Five: The Rising Road (1933-1939)” (The Roosevelts: An Intimate History), escrito por Geoffrey C. Ward; PBS
– “League of Denial: The NFL’s Concussion Crisis” (Frontline), escrito por Michael Kirk & Mike Wiser; PBS
– “Standing Up in the Milky Way (Episode 1)” (COSMOS: A Space Time Odyssey), escrito por Ann Druyan and Steven Soter; Fox

TV NEWS SCRIPT – REGULARLY SCHEDULED, BULLETIN, OR BREAKING REPORT

– “50th Anniversary of JFK’s Assassination” (CBS Evening News with Scott Pelley), escrito por Jerry Cipriano, Joe Clines; CBS News
CBS This Morning, escrito por Duane Tollison, Chip Sorrentino, Bruce Meyer, Bill Crowley; CBS News
– “Nelson Mandela: A Man Who Changed the World” (World News with Diane Sawyer), escrito por Diane Sawyer, Lisa Ferri, Dave Bloch; ABC News

TV NEWS SCRIPT – ANALYSIS, FEATURE, OR COMMENTARY

– “Nowhere to Go” (60 Minutes), escrito por Scott Pelley, Oriana Zill de Granados, Michael Rey; CBS

Os vencedores serão conhecidos no dia 14 de fevereiro em cerimônias que acontecem em Los Angeles e Nova York.