Festival de Sundance 2013

Festival de Sundance 2013 (photo by moviewiseguys.com)

Festival de Sundance 2013 (photo by moviewiseguys.com)

Peço perdão aos cinéfilos que buscavam notícias do último Festival de Sundance. Infelizmente, assim como o Festival de Berlim, o evento ocorre no mesmo conturbado período do Globo de Ouro e Oscar. Além disso, como se trata de um festival de cinema independente americano, as notícias aqui no Brasil são bem mais escassas. Se alguns filmes de estúdio já demoram um pouco para chegar em telas brasileiras, imaginem os independentes…

Fundado pelo diretor, ator e produtor Robert Redford, o Instituto Sundance é uma organização sem fins lucrativos que provém espaço para artistas independentes que almejam contar histórias desprovidos de pressões comerciais e/ou políticas desde 1981. Muitas dessas produções apoiadas financeiramente se tornaram sucesso como Pulp Fiction – Tempo de Violência, de Quentin Tarantino, Os Suspeitos, de Bryan Singer, e o brasileiro Central do Brasil, de Walter Salles.

Já em sua quarta década de avanços, o Festival de Sundance deixou de ser um nicho para abraçar o mundo e até a premiação da indústria: o Oscar. Indomável Sonhadora, o grande vencedor de 2012 de Sundance, recebeu quatro indicações: Melhor Filme, Diretor, Atriz e Trilha Musical.

Esse percurso vitorioso feito pelo filme de Benh Zeitlin acarreta maior atenção ao Festival de Sundance, e denota um olhar mais carinhoso por parte da Academia por um cinema mais criativo e ousado, que predomina em Sundance. Aliás, há muito tempo o Oscar deixou de ser uma premiação de filmes de grandes estúdios.

Este ano, Fruitvale Station foi o vencedor do U.S. Grand Jury Prize – Dramatic. O filme conta a história do rapaz Oscar, de 22 anos, que retorna à sua cidade natal para morrer baleado na noite de ano novo de 2009. A estréia do diretor Ryan Coogler comoveu o público e foi aplaudida de pé após a exibição, levando também o Audience Award, eleito pelos espectadores.

Fruitvale, filme de estréia de Ryan Coogler, foi o grande vencedor de Sundance (photo by filmguide.sundance.org)

Fruitvale Station, filme de estréia de Ryan Coogler, foi o grande vencedor de Sundance (photo by filmguide.sundance.org)

Apesar de contar com Chad Michael Murray (série One Tree Hill) e a última vencedora do Oscar de coadjuvante, Octavia Spencer (Histórias Cruzadas), foram as performance dos novatos Michael B. Jordan e Melonie Diaz que mais chamaram a atenção da crítica.

Já na categoria Documentário, Blood Brother conquistou a crítica ao acompanhar a história de Rocky Braat, um rapaz americano que, insatisfeito com sua vida, decide se mudar para a Índia para cuidar de crianças pobres e portadoras do vírus HIV. Através de sua jornada, ele busca superar sua crise existencial. A produção foi coroada como U.S. Grand Jury Prize – Documentary e Audience Award.

Em discurso de agradecimento, o próprio Rocky subiu ao palco: “Isto é tão encorajador. Para as crianças, isto é maravilhoso, porque a vida delas são tão desafiadoras. E ninguém se lembra do nome delas. Para pegar a história delas para que todos possam ver.”

O documentário Blood Brother, que acompanha Rocky Braat (à esq.) na Índia (photo by filmguide.sundance.org)

O documentário Blood Brother, que acompanha Rocky Braat (à esq.) na Índia (photo by filmguide.sundance.org)

Vale lembrar que o prêmio Waldo Salt de Melhor Roteiro é um importante reconhecimento entre os escritores, tanto que foi batizado sob o nome do roteirista do clássico cult Perdidos na Noite (1969). Vencedores passados incluem Debra Granik, Anne Rosselini (Inverno da Alma), Noah Baumbach (A Lula e a Baleia) e Kenneth Lonnergan (Conte Comigo), todos indicados ao Oscar.

Com a globalização e a falta de criatividade e originalidade dos grandes estúdios, Hollywood e o Oscar têm se rendido cada vez mais ao poder dos filmes de baixo orçamento. Claro que as produções independentes precisam de uma mãozinha de uma Weinstein Company que possa distribuir e fazer lobby, mas já fico feliz que Sundance já tenha saído daquele cantinho escuro dos EUA para abraçar o mundo, dando oportunidades para jovens e talentosos artistas do mundo todo.

Esperamos também que esses filmes possam aterrissar no Brasil, nem que demore um ano ou mais, mas que fiquem disponíveis para espectadores curiosos.

Shailene Woodley e Mike Teller: vencedores do prêmio de atuação em Sundance por The Spectacular Now (photo by filmguide.sundance.org)

Shailene Woodley e Mike Teller: vencedores do prêmio de atuação em Sundance por The Spectacular Now (photo by filmguide.sundance.org)

Segue lista completa dos vencedores do Festival de Sundance:

U.S. Grand Jury Prize – Dramatic: Fruitvale Station, de Ryan Coogler
U.S: Grand Jury Prize – Documentary: Blood Brother, de Steve Hoover
World Cinema Grand Jury Prize – Dramatic: Jiseul, de Muel O
World Cinema Grand Jury Prize – Documentary: A River Changes Course, de Kalyanee Mam

Audience Award: U.S. Dramatic: Fruitvale Station, de Ryan Coogler
Audience Award: U.S. Documentary: Blood Brother, de Steve Hoover
Audience Award: World Cinema Dramatic: Metro Manila, de Sean Ellis
Audience Award: World Cinema: Documentary: The Square, de Jehane Noujaim
Audience Award: Best of NEXT: This is Martin Bonner, de Chad Hartigan

Directing Award: U.S. Dramatic: Afternoon Delight, de Jill Soloway
Directing Award: U.S. Documentary: Cutie and the Boxer, de Zachary Heinzerling
Directing Award: World Cinema Dramatic: Crystal Fairy, de Sebastián Silva
Directing Award: World Cinema Documentary: The Machine Which Make Everything Disappear, de Tinatin Gurchiani

Cinematography Award: U.S. Dramatic: Ain’t Them Bodies Saints, de David Lowery
Cinematography Award: U.S. Dramatic: Mother of George, de Andrew Dosunmu
Cinematography Award: U.S. Documentary: Dirty Wars, de Richard Rowley
Cinematography Award: World Cinema Dramatic: Lasting, de Jacek Borcuch
Cinematography Award: World Cinema Documentary: Who is Dayani Cristal?, de Marc Silver

U.S. Documentary Special Jury Award for Achievement in Filmmaking: Inequality for All, de Jacob Kornbluth
U.S. Documentary Special Jury Award for Achievement in Filmmaking: American Promise, de Joe Brewster, Michèle Stephenson
U.S. Dramatic Special Jury Award for Acting: Miles Teller & Shailene Woodley (The Spectacular Now)
U.S. Dramatic Special Jury Award for Sound Design: Shane Carruth & Johnny Marshall (Upstream Color)
World Cinema Dramatic Special Jury Award: Circles, de Srdan Golubovic
World Cinema Documentary Special Jury Award for Punk Spirit: Pussy Riot – A Punk Prayer, de Mike Lerner, Maxim Pozdorovkin

Editing Award: U.S. Documentary: Gideon’s Army, de Dawn Porter
Editing Award: World Cinema Documentary: The Summit, de Nick Ryan

Waldo Salt Screenwriting Award: U.S. Dramatic: In a World…, de Lake Bell
Screenwriting Award: World Cinema Dramatic: Wajma (An Afghan Love Story), de Barmak Akram
Alfred P. Sloan Feature Film Prize: Computer Chess, de Andrew Bujalski

Short Film Grand Jury Prize: The Whistle, de Grzegorz Zariczny
Short Film Jury Award: US Fiction: Whiplash, de Damien Chazelle
Short Film Jury Award: International Fiction: The Date, de Jenni Toivoniemi
Short Film Jury Award: Non-fiction: Skinningrove, de Michael Almereyda
Short Film Jury Award: Animation: Irish Folk Furniture, de Tony Donoghue
Short Film Special Jury Award for Acting: Joel Nagle (Palimpsest)
Short Film Special Jury Award: Kahlil Joseph (Until the Quiet Comes)
Short Film Audience Award, Presented by YouTube: Catnip: Egress to Oblivion, de Jason Willis

Metro Manila, de Sean Ellis. O diretor já ganhou um Oscar por seu curta Cashback (photo by filmguide.sundance.org)

Metro Manila, de Sean Ellis. O diretor já foi indicado ao Oscar por seu curta Cashback em 2006 (photo by filmguide.sundance.org)

Anúncios
Deixe um comentário

2 Comentários

  1. Muito bom post, adoro o trabalho de Milles Teller. Falar do Miles Teller significa falar de uma grande atuação garantida, ele se compromete com os seus personagens e sempre deixa uma grande sensação ao espectador. O mesmo aconteceu com esta produção, Sangue pela Glória que estreará em HBO go Brasil para mim é um dos grandes filmes de Hollywood.

    Responder
    • Olá, Carmen! Muito obrigado pelo seu comentário! Achei pertinente sua observação sobre as atuações de Miles Teller. Honestamente, conferi apenas três trabalhos do ator: “Reencontrando a Felicidade”, “O Maravilhoso Agora” e “Whiplash”, mas mesmo assim consigo perceber que ele busca se desvencilhar de outros personagens já vividos, tentando ser uma espécie de camaleão, mas sempre primando por naturalidade e transparência nas atuações. Assim como você, acredito que ele será um dos grandes nomes de Hollywood pela intensidade que ele apresenta nos papéis e na procura por diversidade de tipos. Aliás, quando soube que ele interpretaria um boxeador nesse drama “Sangue Pela Glória”, fiquei bastante surpreso com a escolha dele, e até fiquei com expectativas de que ele conseguiria altos reconhecimentos na temporada de premiações, mas infelizmente o filme não deslanchou. Contudo, Teller terá novas oportunidades, já que muitos bons diretores almejam trabalhar com o ator. Aliás, ele tem dois trabalhos que serão lançados ainda este ano: os dramas “Only the Brave” e “Thank You for Your Service”. Assim que conferir “Sangue Pela Glória”, trarei um feedback para você. Obrigado novamente!

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: