‘DUNKIRK’ e ‘EU, TONYA’ SE CONSAGRAM no EDDIE AWARDS. NO ADG, ‘BLADE RUNNER 2049’ e ‘A FORMA DA ÁGUA’ saem VITORIOSOS

DUNKIRK EDDIE_

Montagem de Dunkirk vence o Eddie Awards na categoria Drama (pic by imdb.com)

SINDICATO DE MONTADORES É O PRIMEIRO A DIVULGAR SEUS VENCEDORES

Não que os resultados do Eddie sirvam de parâmetro para o Oscar na categoria de montagem, mas é curioso ver como eles costumam eleger de forma diferente seus melhores do ano. Mesmo contando com duas categorias para cinema, Drama e Comédia ou Musical, a edição parece ser avaliada de forma distinta.

Pra se ter uma idéia, das últimas cinco edições, a Academia coincidiu apenas duas vezes o vencedor do Eddie.

ANO     VENCEDORES DO EDDIE                VENCEDOR DO OSCAR

2017   A Chegada/ La La Land                                Até o Último Homem
2016   Mad Max/ A Grande Aposta                       Mad Max
2015   Boyhood/ O Grande Hotel Budapeste       Whiplash
2014   Capitão Phillips/ Trapaça                            Gravidade
2013   Argo/ O Lado Bom da Vida                         Argo

Por outro lado, pelas categorias de Documentário e Animação, o Eddie é mais confiável do que o próprio DGA, tendo apenas uma divergência em 5 anos.

ANO     VENCEDORES DO EDDIE              VENCEDOR DO OSCAR

2017   Zootopia/ O.J. Made in America     Zootopia/ O.J. Made in America
2016   Divertida Mente/ Amy                      Divertida Mente/ Amy
2015   Uma Aventura Lego/ Citizenfour    Operação Big Hero/ Citizenfour
2014   Frozen/ A Um Passo do Estrelato   Frozen/ A Um Passo do Estrelato
2013   Valente/ Procurando Sugar Man    Valente/ Procurando Sugar Man

Enfim, se as vitórias de Dunkirk e Eu, Tonya não significam muita coisa pras estatísticas do Oscar (por enquanto, minha aposta vai pra Dunkirk por ser um filme de guerra e que Lee Smith está em sua terceira indicação sem vitória), a vitória de Viva: A Vida é uma Festa aqui já praticamente sacramenta o Oscar de Animação para a Pixar.

coco eddie_

Vencedor da Montagem de Animação, Viva: A Vida é uma Festa já está com a mão na taça (pic by imdb.com)

Já a vitória de Jane não ajudou em nada, porque o filme sequer foi indicado para a categoria de Documentário. Aliás, curiosamente, nenhum dos indicados ao Eddie está na lista final do Oscar, algo muito raro de acontecer.

 

 

VENCEDORES DO 68º EDDIE AWARDS:

MELHOR MONTAGEM – DRAMA
* Lee Smith (Dunkirk)

MELHOR MONTAGEM – COMÉDIA OU MUSICAL
* Tatiana S. Riegel (Eu, Tonya)

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO
* Steve Bloom (Viva: A Vida é uma Festa)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO
* Joe Beshenkovsky, Will Znidaric, Brett Morgen (Jane)

 

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO DE TV
* Will Znidaric (Five Came Back — Ep: The Price of Victory)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIE DE COMÉDIA
* John Peter Bernardo, Jamie Pedroza (Black-ish — Ep: Lemons)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIE DE COMÉDIA DE EPISÓDIOS DE MEIA-HORA
* Jonathan Corn (Curb Your Enthusiasm — Ep: The Shucker)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DRAMÁTICAS DE EPISÓDIOS DE UMA HORA – COM COMERCIAL
* Andrew Seklir (Fargo — Ep: Who Rules the Land of Denial)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DRAMÁTICAS DE EPISÓDIOS DE UMA HORA – SEM COMERCIAL
* Julian Clarke, Wendy Hallam Martin (The Handmaid’s Tale — Ep: Offred)

MELHOR MONTAGEM DE MINISSÉRIES OU FILMES PARA TV
* James D. Wilcox (Genius: Einstein — Ep: Chapter One)

MELHOR MONTAGEM – SÉRIES NÃO-ROTEIRIZADAS
* Tim Clancy, Cameron Dennis, John Chimples, Denny Thomas (VICE News Tonight — Ep: Charlottesville: Race & Terror)

Student Competition Winner
Mariah Zenk – Missouri State University

ArtDirectorsGuild

Logo do Art Directors Guild (photo by cinema7arte.com)

 

blade-runner-2049-mit-ryan-gosling-und-sylvia-hoeks

Direção de arte futurista de Blade Runner 2049 fatura o ADG de Fantasia (pic by moviepilot.de)

BLADE RUNNER 2049 E A FORMA DA ÁGUA FORTALECEM SUAS CAMPANHAS

Indicados ao Oscar de Direção de Arte (Production Design), Blade Runner 2049 e A Forma da Água, foram os grandes vencedores do prêmio do sindicato de Diretores de Arte. O primeiro na categoria de Filme de Fantasia e o segundo de Filme de Época como já era esperado. Sem surpresas, ambos são as grandes apostas da categoria no Oscar. E as estatísticas estão bem favoráveis para o ADG: 4 acertos nos últimos cinco anos. Nada mau.

A única indicada que poderia tirar a estatueta de um dos dois seria Sarah Greenwood. O problema é que ela concorre consigo mesma por A Bela e a Fera e O Destino de uma Nação, o que certamente dividirá seus votos. Por outro lado, ela conta agora com seis indicações e nenhuma vitória e, claro, é uma mulher.

Já o prêmio de Filme Contemporâneo ficou com Logan, que está mais pra um filme futurista, mas tem seus méritos por apresentar um bom cenário árido e desolador para um Wolverine velho.

LOGAN ADG.jpg

Vencedor do prêmio de Filme Contemporâneo, Logan proporciona cenário árido (pic by imdb.com)

FILME DE ÉPOCA

O DESTINO DE UMA NAÇÃO
Production Designer: SARAH GREENWOOD
DUNKIRK
Production Designer: NATHAN CROWLEY
ASSASSINATO NO EXPRESSO ORIENTE
Production Designer: JIM CLAY
THE POST: A GUERRA SECRETA
Production Designer: RICK CARTER
A FORMA DA ÁGUA
Production Designer: PAUL DENHAM AUSTERBERRY

FANTASIA

A BELA E A FERA
Production Designer: SARAH GREENWOOD
BLADE RUNNER 2049
Production Designer: DENNIS GASSNER
STAR WARS: OS ÚLTIMOS JEDI
Production Designer: RICK HEINRICHS
PLANETA DOS MACACOS: A GUERRA
Production Designer: JAMES CHINLUND
MULHER-MARAVILHA
Production Designer: ALINE BONETTO

FILME CONTEMPORÂNEO

PEQUENA GRANDE VIDA
Production Designer: STEFANIA CELLA
CORRA!
Production Designer: RUSTY SMITH
LADY BIRD: É HORA DE VOAR
Production Designer: CHRIS JONES
LOGAN
Production Designer: FRANÇOIS AUDOUY
TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME
Production Designer: INBAL WEINBERG

ANIMAÇÃO

CARROS 3
Production Designers: WILLIAM CONE, JAY SHUSTER
VIVA: A VIDA É UMA FESTA
Production Designer: HARLEY JESSUP 
MEU MALVADO FAVORITO 3
Art Director: OLIVIER ADAM
BATMAN LEGO: O FILME
Production Designer: GRANT FRECKELTON
COM AMOR, VAN GOGH
Production Designer: MATTHEW BUTTON

One-Hour Period or Fantasy Single-Camera Series

A SERIES OF UNFORTUNATE EVENTS: “The Bad Beginning: Part One,” “The Reptile
Room: Part One,” “The Wide Window: Part One”
Production Designer: BO WELCH
THE CROWN: “A Company of Men,” “Beryl,” “Dear Mrs. Kennedy”
Production Designer: MARTIN CHILDS
GAME OF THRONES: “Dragonstone,” “The Queen`s Justice,” “Eastwatch”
Production Designer: DEBORAH RILEY
MINDHUNTER: “S1:E1,” “S1:E4,” “S1:E9”
Production Designer: STEVE ARNOLD
STRANGER THINGS: “Chapter Six: The Spy,” “Chapter Eight: The Mind Flayer,”
“Chapter Nine: The Gate”
Production Designer: CHRIS TRUJILLO

One-Hour Contemporary Single-Camera Series

AMERICAN GODS: “The Bone Orchard,” “The Secret of Spoons,” “Head Full of Snow”
Production Designer: PATTI PODESTA
THE HANDMAID’S TALE: “Pilot, Offred,” “Birth Day,” “Nolite Te Bastardes
Carborundorum”
Production Designer: JULIE BERGHOFF
THE HANDMAID’S TALE: “The Bridge”
Production Designer: ANDREW STEARN
MR. ROBOT: “eps3.0_power-saver-mode.h,” “eps3.1_undo.gz,” “eps3.2_legacy.so”
Production Designer: ANASTASIA WHITE
TWIN PEAKS: “Ep. 1: Part 1,” “Ep. 8: Part 8,” “Ep. 15: Part 15”
Production Designer: RUTH DE JONG

Television Movie or LIMITED Series

AMERICAN HORROR STORY: CULT: “Election Night,” “Winter of Our Discontent”
Production Designer: JEFF MOSSA
BIG LITTLE LIES: “Somebody`s Dead,” “Living the Dream,” “You Get What You Need”
Production Designer: JOHN PAINO
BLACK MIRROR: “USS Callister”
Production Designer: JOEL COLLINS
FARGO: “The Narrow Escape Problem,” “The Law of Inevitability,” “Who Rules the
Land of Denial?”
Production Designer: ELISABETH WILLIAMS
FEUD: BETTE AND JOAN: “Pilot,” “And the Winner is…,” “You Mean All This Time
We Could Have Been Friends?”
Production Designer: JUDY BECKER

Half Hour Single-Camera Series

FUTURE MAN: “Pandora’s Mailbox,” “Beyond The Truffledome,” “A Date With Destiny”
Production Designer: JESSICA KENDER
GLOW: “Pilot,” “The Wrath of Kuntar,” “The Dusty Spur”
Production Designer: TODD FJELSTED
MASTER OF NONE: “Le Nozze,” “Thanksgiving,” “Amarsi Un Po”
Production Designer: AMY WILLIAMS
SILICON VALLEY: “Hooli-Con,” “Server Error”
Production Designer: RICHARD TOYON
VEEP: “Omaha”
Production Designer: JIM GLOSTER

MULTI-CAMERA Series

9JKL: “Pilot,” “Lovers Getaway,” “Set Visit”
Production Designer: STEPHAN OLSON
THE BIG BANG THEORY: “The Romance Recalibration,” “The Separation Agitation,”
“The Explosion Implosion”
Production Designer: JOHN SHAFFNER
THE RANCH: “My Best Friend,” “Last Dollar (Fly Away),” “Wrapped Up in You”
Production Designer: JOHN SHAFFNER
SUPERIOR DONUTS: “Pilot,” “Crime Time,” “Arthur`s Day Off”
Production Designer: STEPHAN OLSON
WILL & GRACE: “Eleven Years Later,” “A Gay Olde Christmas”
Production Designer: GLENDA ROVELLO

Short Format: Web Series, Music Video or Commercial

APPLE: “Bulbs”
Production Designer: JAMES CHINLUND
CHANEL: “Gabrielle”
Production Designer: SHANE VALENTINO
KATY PERRY: “Bon Appétit”
Production Designer: NATALIE GROCE
NIKE: “Equality”
Production Designer: RUTH DE JONG
STAR WARS BATTLEFRONT II: “Rivalry / PS4”
Production Designer: JASON EDMONDS

Variety or Competition Series/AWARDS OR EVENT SPECIAL

BILL NYE SAVES THE WORLD: “Earth Is A Hot Mess”
Production Designer: JAMES PEARSE CONNELLY
GOLDEN GLOBE AWARDS: “74th Annual”
Production Designer: BRIAN STONESTREET
PORTLANDIA: “Portland Secedes,” “Ants,” “Fred`s Cell Phone Company”
Production Designer: SCHUYLER TELLEEN 
SATURDAY NIGHT LIVE: “Aziz Ansari + Big Sean,” “Alec Baldwin + Ed Sheeran,”
“Larry David + Miley Cyrus”
Production Designers: KEITH IAN RAYWOOD, EUGENE LEE, AKIRA
YOSHIMURA, N. JOSEPH DeTULLIO
SUPER BOWL HALFTIME SHOW: “STARRING LADY GAGA”
Production Designer: BRUCE RODGERS

***

A 90ª cerimônia do Oscar está marcada para o dia 04 de março.

Anúncios

2018 começando com EDDIE AWARDS, PGA e WGA

get out movie 2.jpg

Corra!, de Jordan Peele, presente nas três listas citadas: Eddie, PGA e WGA (pic by imdb.com)

PRÊMIOS DE SINDICATO VÃO REVELANDO SEUS CANDIDATOS NUM ANO BEM DIVERSIFICADO

Hello, pessoal! Feliz Ano Novo! Espero que todos tenham passado bem a virada e que este ano de 2018 seja de recuperação econômica (que o termo “crise” fique no passado) e que a eleição de novembro passe a limpo esta tão corrupta política brasileira.

Como de costume, o primeiro post do ano serve para revelar os indicados ao Eddie Awards, que é o prêmio do sindicato de montadores, mas com o PGA (Producers Guild of America) se antecipando, e o Writers Guild na cola, matarei TRÊS coelhos com uma só cajadada.

ace-eddie-awards

EDDIE AWARDS

Como já citei aqui em outras ocasiões, a montagem costuma ser mais valorizada em filmes de ação como Mad Max: Estrada da Fúria, ou em narrativas não-lineares como o vencedor do ano passado A Chegada.

Assim como no Globo de Ouro, o Eddie tem duas categorias: Drama e Comédia ou Musical. Na teoria, essa divisão possibilita que as comédias não caiam no esquecimento da temporada de premiações, mas na prática, montagem de qualidade não tem gêneros. Particularmente, considero essa divisão muito prejudicial para os filmes de terror, que têm a obrigação de apresentar uma boa montagem, pois não são comédias ou musicais, e têm dificuldade de bater os dramas.

Enfim, neste ano, a categoria de drama tem como destaque Blade Runner 2049, montado pelo último vencedor Joe Walker, e Dunkirk que tem como méritos as sequências de bombardeio e o fato de ser o primeiro filme de Christopher Nolan com duração abaixo de duas horas desde Insônia (2002). Ambos competem com as montagens de The Post: A Guerra Secreta, A Grande Jogada e A Forma da Água.

Já pela categoria de comédia, a surpresa ficou por conta da inclusão de Três Anúncios Para um Crime, que vinha competindo como drama em outras premiações, inclusive no Globo de Ouro. Claro que, para quem conhece a filmografia, o diretor Martin McDonagh tem um forte apelo para comédias de humor negro, por isso seu trabalho pode ser interpretado de formas diferentes nessa questão de gênero.

Porém, o favorito desta categoria continua sendo Eu, Tonya, que tem colecionado prêmios e indicações importantes, seguido bem de perto por Em Ritmo de Fuga e Corra!, uma vez que apresentam boas cenas de ação e tensão. Curiosamente, Lady Bird, o mais legítimo representante da verve da comédia corre por fora.

I Tonya

Margot Robbie em cena de Eu, Tonya, que concorre como montagem – comédia ou musical (pic by imdb.com)

Em animação, o novo trabalho da Pixar, Viva: A Vida é uma Festa deve ser premiado, enquanto na ala dos documentários, já que um dos favoritos Faces Places (Visages, Villages) da Agnès Varda não está na lista, talvez o filme sobre protestos de Los Angeles, LA 92, fature o prêmio.

Pelas categorias televisivas, destaque para Better Call Saul e Fargo em Drama, e Curb Your Enthusiasm em Comédia.

INDICADOS AO EDDIE AWARDS:

MELHOR MONTAGEM – DRAMA
* Joe Walker (Blade Runner 2049)
* Lee Smith (Dunkirk)
* Alan Baumgarten, Josh Schaeffer, Elliot Graham (A Grande Jogada)
* Michael Kahn, Sarah Broshar (The Post: A Guerra Secreta)
* Sidney Wolinsky (A Forma da Água)

MELHOR MONTAGEM – COMÉDIA OU MUSICAL
* Jonathan Amos, Paul Machliss (Em Ritmo de Fuga)
* Gregory Plotkin (Corra!)
* Tatiana S. Riegel (Eu, Tonya)
* Nick Houy (Lady Bird: É Hora de Voar)
* Jon Gregory (Três Anúncios Para um Crime)

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO
* Steve Bloom (Viva: A Vida é uma Festa)
* Clair Dodgson (Meu Malvado Favorito 3)
* David Burrows, Matt Villa, John Venzon (LEGO Batman: O Filme)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO
* Aaron I. Butler (Cries From Syria)
* Joe Beshenkovsky, Will Znidaric, Brett Morgen (Jane)
* Ann Collins (Joan Didion: The Center Will Not Hold)
* TJ Martin, Scott Stevenson, Dan Lindsay (LA 92)

 

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO DE TV
* Lasse Järvi, Doug Pray (The Defiant Ones — Ep: Part 1)
* Will Znidaric (Five Came Back — Ep: The Price of Victory)
* Inbal Lessner (The Nineties” — Ep: Can We All Get Along?)
* Ben Sozanski, ACE, Geeta Gandbhir; Andy Grieve (Rolling Stone: Stories from the Edge — Ep: 01)

Best Edited Comedy Series for Commercial Television
* John Peter Bernardo, Jamie Pedroza (Black-ish — Ep: Lemons)
* Kabir Akhtar, Kyla Plewes (Crazy Ex-Girlfriend — Ep: Josh’s Ex-Girlfriend Wants Revenge)
* Heather Capps, Ali Greer, Jordan Kim (Portlandia — Ep: Amore)
* Peter Beyt (Will & Grace — Ep: Grandpa Jack)

Best Edited Comedy Series for Non-Commercial Television
MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DE COMÉDIA DE EPISÓDIOS DE MEIA-HORA

* Steven Rasch (Curb Your Enthusiasm — Ep: Fatwa!)
* Jonathan Corn (Curb Your Enthusiasm — Ep: The Shucker)
* William Turro (Glow — Ep: Pilot)
* Roger Nygard, Gennady Fridman (Veep — Ep: Chicklet)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DRAMÁTICAS DE EPISÓDIOS DE UMA HORA – COM COMERCIAL
* Skip Macdonald (Better Call Saul — Ep: Chicanery)
* Kelley Dixon, Skip Macdonald (Better Call Saul — Ep: Witness)
* Henk Van Eeghen (Fargo — Ep: Aporia)
* Andrew Seklir (Fargo — Ep: Who Rules the Land of Denial)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DRAMÁTICAS DE EPISÓDIOS DE UMA HORA – SEM COMERCIAL
* David Berman (Big Little Lies — Ep: You Get What You Need)
* Tim Porter (Game of Thrones — Ep: Beyond the Wall)
* Julian Clarke, Wendy Hallam Martin (The Handmaid’s Tale — Ep: Offred)
* Kevin D. Ross (Stranger Things — Ep: The Gate)

MELHOR MONTAGEM DE MINISSÉRIES OU FILMES PARA TV
* Adam Penn, Ken Ramos (Feud — Ep: Pilot)
* James D. Wilcox (Genius: Einstein — Ep: Chapter One)
* Ron Patane (The Wizard of Lies)

MELHOR MONTAGEM – SÉRIES NÃO-ROTEIRIZADAS
* Rob Butler, Ben Bulatao (Deadliest Catch — Ep: Lost at Sea)
* Reggie Spangler, Ben Simoff, Kevin Hibbard, Vince Oresman (Leah Remini: Scientology and the Aftermath — Ep: The Perfect Scientology Family)
* Tim Clancy, Cameron Dennis, John Chimples, Denny Thomas (VICE News Tonight — Ep: Charlottesville: Race & Terror)

A cerimônia do Eddie Awards acontece no dia 26 de janeiro.

***

PGA

PRODUCERS GUILD OF AMERICA (PGA)

Normalmente o filme que está na lista do PGA já tem um pé na categoria de Melhor Filme no Oscar, mas obviamente um ou outro filme deve ficar de fora. Ano passado, dos 10 indicados ao PGA, apenas Deadpool não conseguiu chegar ao tapete vermelho. Não que Deadpool precise de indicações ao Oscar, mas seria bacana ver um trabalho mais ousado e para adultos como candidato.

Seguindo a lógica e tradição, dessa nova lista, aliás, de ONZE filmes, Mulher-Maravilha deve ser o excluído da vez, mesmo num ano considerado das mulheres após os escândalos sexuais de Hollywood. Particularmente, não gosto do filme da Patty Jenkins e considero todos esses elogios e prêmios “overlooked”, mas de novo: Mulher-Maravilha não precisa de indicação ao Oscar, ainda mais depois desse sucesso estrondoso nas bilheterias.

wonder woman.jpg

Chris Pine, Gal Gadot e Lucy Davis em cena de Mulher-Maravilha (pic by imdb.com)

Bom, antes de analisar à fundo, melhor revelar os onze candidatos primeiro. Aqui vão:

MELHOR PRODUÇÃO FÍLMICA:

DOENTES DE AMOR (The Big Sick)
Produtores: Judd Apatow, Barry Mendel

ME CHAME PELO SEU NOME (Call Me By Your Name)
Produtores: Peter Spears, Luca Guadagnino, Emilie Georges, Marco Morabito

DUNKIRK (Dunkirk)
Produtores: Emma Thomas, Christopher Nolan

CORRA! (Get Out)
Produtores: Sean McKittrick, Edward H. Hamm Jr., Jason Blum, Jordan Peele

EU, TONYA (I, Tonya)
Produtores: Bryan Unkeless, Steven Rogers, Margot Robbie, Tom Ackerley

LADY BIRD: É HORA DE VOAR (Lady Bird)
Produtores: Scott Rudin, Eli Bush, Evelyn O’Neill

A GRANDE JOGADA (Molly’s Game)
Producers: Mark Gordon, Amy Pascal, Matt Jackson

THE POST: A GUERRA SECRETA (The Post)
Produtores: Amy Pascal, Steven Spielberg, Kristie Macosko Krieger

A FORMA DA ÁGUA (The Shape Of Water)
Produtores: Guillermo del Toro, J. Miles Dale

TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri)
Produtores: Graham Broadbent, Pete Czernin, Martin McDonagh

MULHER-MARAVILHA (Wonder Woman)
Produtores: Charles Roven, Richard Suckle, Zack Snyder e Deborah Snyder

OK, vamos falar mal! Não, já falei de Mulher-Maravilha… haha
Bom, a lista não tem lá grandes surpresas. Temos os filmes que não podiam faltar devido ao seu bom histórico na temporada de premiações como The Post, A Forma da Água, Três Anúncios Para um Crime, Dunkirk, Lady Bird e Corra!.

Em termos de surpresas esperadas estão a inclusão de Me Chame Pelo Seu Nome e Doentes de Amor. O primeiro por duas questões: primeiro, o filme tem decaído um pouco desde seu início arrasador com os prêmios dos críticos de Los Angeles e do Independent Spirit Awards, e segundo porque ainda é um filme LGBT que precisa quebrar a barreira do conservadorismo desses prêmios. Já o segundo teve seu melhor momento quando foi lembrado em categorias principais no Critics’ Choice Awards, mas falhou miseravelmente para estar entre os indicados a Melhor Filme – Comédia ou Musical no Globo de Ouro.

Agora, de surpresa-surpresa mesmo foi a inclusão de A Grande Jogada, que vinha sendo lembrado apenas por sua atriz Jessica Chastain e um ou outro prêmio de roteiro, que foi escrito por um dos mestres do fast dialogue Aaron Sorkin. Se esse feito se repetir no Oscar, Chastain terá grandes chances de conquistar sua terceira indicação, mesmo tendo fortes candidatas pela frente como Meryl Streep, Frances McDormand, Saoirse Ronan e Sally Hawkins. E, claro, o já citado Mulher-Maravilha, cuja inclusão mais me soa como uma atitude de “fazer a média”, ainda mais por ser o 11º filme da lista ou plus one.

Molly's Game.jpg

Kevin Costner contracena com Jessica Chastain em A Grande Jogada (pic by imdb.com)

DOS EXCLUÍDOS

que mais senti falta foi Projeto Flórida, de Sean Baker. Tudo bem que o filme não é uma unanimidade como os favoritos, mas não li nenhuma crítica negativa que pudesse desqualificá-lo… E se formos levar em conta o contexto atual, o filme dialoga com a questão das minorias e imigrantes. Não dava pra entrar nessa lista?

Tem outro filme que supostamente era pra estar aqui, porque parece que filmes de guerra são feitos pra ganhar prêmios, que é O Destino de uma Nação. Antes de começar a temporada, todo mundo falava que esse filme ganharia o Oscar e daria finalmente o Oscar para Gary Oldman. Quando começaram os prêmios da crítica, o filme sumiu do radar, e aí as pessoas se questionavam: “Será que nem o Oscar pro Gary, vai??”. Eu sei que o ator merece há tempos uma estatueta, mas começo a ter minhas dúvidas também se ele tem mesmo toda essa chance.

E também vale citar o Mudbound, que de mais relevante conquistou uma indicação ao SAG de Melhor Elenco. Tem elementos da questão racial que estão no topic trend de Hollywood, e dirigido por uma mulher negra. Pode ser o filme a roubar a cadeira de Mulher-Maravilha no Oscar.

MELHOR PRODUÇÃO DE ANIMAÇÃO:

O PODEROSO CHEFINHO (The Boss Baby)
Producer: Ramsey Naito

VIVA: A VIDA É UMA FESTA (Coco)
Producer: Darla K. Anderson

MEU MALVADO FAVORITO 3 (Despicable Me 3)
Producers: Chris Meledandri, Janet Healy

O TOURO FERDINANDO (Ferdinand)
Producers: Lori Forte, Bruce Anderson

LEGO BATMAN: O FILME (The Lego Batman Movie)
Producers: Dan Lin, Phil Lord e Christopher Miller

Na categoria de animação, não tem muito o que falar. A Pixar deve conquistar mais um PGA com este belo exemplar de inclusão de imigrantes que é Viva: A Vida é uma Festa. Sem um possível estraga-festa que poderia ser Com Amor, Van Gogh, o caminho parece bem livre para o estúdio da Disney rumo a mais um PGA.

Coco pixar.jpg

Viva: A Vida é uma Festa concorre no PGA (pic by imdb.com)

MELHOR PRODUÇÃO DE DOCUMENTÁRIO:

CHASING CORAL

CITY OF GHOSTS

CRIES FROM SYRIA

EARTH: ONE AMAZING DAY

JANE

JOSHUA: TEENAGER VS. SUPERPOWER

THE NEWSPAPERMAN: THE LIFE AND TIMES OF BEN BRADLEE

Entre os documentários, o mais frequente nas premiações tem sido o novo filme de Agnès Varda, Visage, Villages, mas com ele ausente aqui, Jane, o filme sobre a especialista em primatas Jane Goodall pode se sobressair.

Jane documentary.jpg

Imagem de arquivo do documentário Jane, estrelado por Jane Goodall (pic by imdb.com)

Os vencedores serão anunciados no próximo dia 20 no Hotel Beverly Hilton.

***

wga-awards-logo-2009

WRITERS GUILD AWARDS (WGA)

De todos esses prêmios de sindicatos, o mais chato, rígido e insignificante é o dos roteiristas. Além de ter uma série de regras desqualificatórias que acabam eliminando todos os anos importantes concorrentes, não aceitam roteiros de animações na competição. Sim, como se os roteiros de animações fossem coisa de criança.

Não à toa, roteiristas consagrados como Quentin Tarantino torcem o nariz, não é membro desse sindicato e mesmo assim, consegue ser indicado e ganhar Oscar como o fez em 2013 por Django Livre. Bom, claro que cada sindicato com seus estatutos, mas acho que poderiam pelo menos incluir uma categoria para animações. Se até o Oscar criou um prêmio para os longas de animação desde 2002, por que não o Writers Guild também?

Este ano, talvez o roteiro mais premiado até o momento foi um dos desclassificados: Três Anúncios Para um Crime, de Martin McDonagh. Com isso, teria menos chances no Oscar? Não. Além do já citado Tarantino, em 2015, o roteiro de Birdman venceu como Original depois de ter sido inelegível pelo WGA.

Felizmente, a safra de roteiros originais de 2017 pode suprir a ausência de Três Anúncios. O roteiro de Jordan Peele por Corra! compete com fortes concorrentes como Lady Bird, de Greta Gerwig, A Forma da Água, de Guillermo del Toro e Vanessa Taylor, além de Doentes de Amor, de Kumail Nanjiani, e Eu, Tonya, de Steven Rogers. Ainda dá pra citar o roteiro de Trama Fantasma, de Paul Thomas Anderson, que vinha recebendo prêmios, mas foi preterido aqui.

Já na categoria de Adaptações, curiosamente, roteiros que eram considerados certos como The Post: A Guerra Secreta e até Extraordinário ficaram de fora por motivo de escolha mesmo. Como no ano passado, quando o roteiro de Deadpool concorreu, temos outro roteiro adaptado dos quadrinhos dos X-Men na lista: Logan, escrito por Scott Frank, James Mangold e Michael Green. Não tem a originalidade e ousadia de seu antecessor, mas vale a lembrança de outro bem-sucedido filme para o público mais adulto.

Logan.jpg

Dafne Keen, Patrick Stewart e Hugh Jackman em cena de Logan, que concorre como Roteiro Adaptado no WGA (pic by imdb.com)

Entre as adaptações, os favoritos O Artista do Desastre, de Scott Neustadter e Michael H. Weber, e A Grande Jogada, de Aaron Sorkin estão concorrendo com Me Chame Pelo Seu Nome, de James Ivory (que aos 89 anos conquista sua primeira indicação ao WGA), Mudbound, de Virgil Williams e Dee Rees, além do já citado Logan.

Na categoria de documentários, temos o veterano Alex Gibney concorrendo com No Stone Unturned, além de Jane, citado nos parágrafos de PGA acima, que está pré-selecionado para o Oscar.

ROTEIRO ORIGINAL
* Emily V. Gordon & Kumail Nanjiani (Doentes de Amor)
* Jordan Peele (Corra!)
* Steven Rogers (Eu, Tonya)
* Greta Gerwig (Lady Bird)
* Guillermo del Toro e Vanessa Taylor (A Forma da Água)

ROTEIRO ADAPTADO
* James Ivory; Baseado no romance de André Aciman (Me Chame Pelo Seu Nome)
* Scott Neustadter e Michael H. Weber; Baseado no livro “The Disaster Artist: My Life Inside the Room, the Greatest Bad Movie Ever Made” de Greg Sestero e Tom Bissell (O Artista do Desastre)
* Scott Frank, James Mangold e Michael Green; Baseado nos personagens dos quadrinhos de X-Men (Logan)
* Aaron Sorkin; Baseado no livro de Molly Bloom (A Grande Jogada)
* Virgil Williams e Dee Rees; Baseado no romance de Hillary Jordan (Mudbound)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO
* Theodore Braun (Betting on Zero)
* Brett Morgen (Jane)
* Alex Gibney (No Stone Unturned)
* Barak Goodman (Oklahoma City)

A 70ª edição do WGA está marcada para o dia 11 de fevereiro.

‘A CHEGADA’ e ‘LA LA LAND’ conquistam o Eddie Awards

La La Land train.jpg

Cena de La La Land com Ryan Gosling e Emma Stone (pic by cine.gr)

SINDICATO CONCEDE MAIS UM PRÊMIO PARA O MUSICAL DE DAMIEN CHAZELLE

Continuando minha maratona de atualizar os prêmios, no dia 27 de janeiro, o sindicato de Montadores divulgou seus vencedores.

E continuando a série de vitórias para La La Land, o montador Tom Cross levou o prêmio da categoria de Montagem – Comédia ou Musical. Embora esta seja sua terceira indicação ao Eddie (foi previamente indicado por Whiplash e Joy), é sua primeira vitória, e que deve ajudá-lo na campanha para seu segundo Oscar.

Na categoria de Drama, Joe Walker levou o prêmio pelo psicodrama de invasão alienígena A Chegada. Acredito que o sucesso do filme de Denis Villeneuve muito se deve à sua montagem, a forma como a história é contada. Claro que o roteiro tem seus méritos, mas a edição faz com que a história se torne crível. Considero o melhor trabalho indicado este ano.

amy-adams-arrival

Amy Adams se comunica com Abbott e Costello em A Chegada (pic by myfilm.gr)

Quanto às chances de vitória no Oscar, bem, digamos que as estatísticas não garantem muita coisa. Mesmo contando com dois vencedores por ano (Drama e Comédia/Musical), o Eddie Awards acertou apenas duas vezes o ganhador do Oscar nos últimos cinco anos: Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria) e William Goldenberg (Argo).

Na categoria de Animação, Zootopia foi bem reconhecido por sua trama de mistério e política, enquanto O.J.: Made in America foi agraciado com a melhor montagem de Documentário. Eu estava bem ansioso para ver esse documentário sobre o caso de O.J. Simpson, mas quando soube que tinha “apenas” 467 minutos, pensei: “Vou deixar pra mais tarde…”. E também: “Se a gente leva quase 8 horas pra ver esse filme, imagina o trabalho que esses montadores tiveram! Imagina quantas horas de material bruto tiveram que garimpar por meses!”

O.J. Made in America.jpg

Cena de julgamento do documentário O.J.: Made in America (pic by cine.gr)

Já pelas categorias de Televisão, os vencedores foram as séries Game of Thrones, Veep e This Is Us.

CINEMA

MELHOR MONTAGEM – DRAMA
Joe Walker (A Chegada)

MELHOR MONTAGEM – COMÉDIA OU MUSICAL
Tom Cross (La La Land: Cantando Estações)

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO
Jeremy Milton, Fabienne Rawley (Zootopia)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO
Bret Granato, Maya Mumma, Ben Sozanski (O.J.: Made in America)

TELEVISÃO

MELHOR MONTAGEM DE DOCUMENTÁRIO – TV
Bob Eisenhart (Everything is Copy: Nora Ephron – Scripted & Unscriped)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DE EPISÓDIOS DE MEIA-HORA
Steven Rasch (Veep — Ep: “Morning After”)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DE EPISÓDIOS DE UMA HORA – COM COMERCIAL
David L. Bertman (This Is Us — Ep: “Pilot”)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DE EPISÓDIOS DE UMA HORA – SEM COMERCIAL
Tim Porter (Game of Thrones — Ep: “Battle of the Bastards”)

MELHOR MONTAGEM DE MINISSÉRIES OU FILMES PARA TV
Carol Littleton (All the Way)

MELHOR MONTAGEM – SÉRIES NÃO-ROTEIRIZADAS
Mustafa Bhagat (Anthony Bourdain: Parts Unknown — Ep: “Senegal”)

Student Competition
Tommy Wakefield — University of North Carolina, School of the Arts

***

A 89ª cerimônia do Oscar está marcada para o dia 26 de fevereiro.

‘A Chegada’, ‘Moonlight’ e ‘La La Land’ concorrem ao Eddie Awards

Amy Adams  em cena de A Chegada (pic by moviepilot.de)

Amy Adams em cena de A Chegada (pic by moviepilot.de)

FAVORITOS DA TEMPORADA ESTÃO ENTRE OS INDICADOS AO EDDIE

Primeiramente, Feliz Ano Novo para todos! É o primeiro post de 2017 e sinceramente, espero que este ano seja infinitamente melhor do que 2016. Quanto ao Oscar, desejo que os resultados sejam justos, e não apenas influenciados pela queixa de “falta de diversidade”, afinal Arte não enxerga cor, raça e religião.

Tradicionalmente, o primeiro post costuma focar no indicados ao Eddie Awards, o prêmio do sindicato dos montadores. Muita gente me pergunta o que o prêmio valoriza numa montagem e como escolhem a melhor. Bom, montagem é a edição de um filme, desde a forma como a história é contada (linear, não-linear, flashbacks, flashforwards etc.) até a precisão de um corte de um plano para outro para gerar catarse ou timing cômico.Muitos dos vencedores do Oscar de montagem costumam ser filmes de ação, porque conseguem gerar um clima de tensão em maior evidência do que num drama. Basta checar as montagens de alguns vencedores como Rocky – Um Lutador, Bullitt, O Ultimato Bourne e Mad Max: Estrada da Fúria para ver que a ação é valorizada e estendida pela montagem. Essa característica da montagem no cinema já ficava em evidência desde o filme soviético O Encouraçado Potemkin (1925), de Sergei M. Eisenstein. Em uma cena, na qual um carrinho de bebê percorre toda uma escadaria, a montagem inclui inúmeras ações simultâneas, prolongando o desespero da mãe do bebê. Para quem não conhece, vale a pena assistir, porque a produção carrega pura essência do Cinema como Arte.

Cena da escadaria da obra máxima de Sergei M. Eisenstein, O Encouraçado Potemkin (pic by slantmagazine.com)

Cena da escadaria da obra máxima de Sergei M. Eisenstein, O Encouraçado Potemkin (pic by slantmagazine.com)

A fim de abranger mais trabalhos diversificados, o Eddie Awards apresenta categorias de Drama, Comédia, Documentário e Animação. Nesta 67ª edição do prêmio, os destaques ficam para os favoritos da temporada: o musical La La Land, e os dramas Moonlight e Manchester à Beira-Mar.

Embora a concorrência esteja boa na categoria de Drama, acredito que a dupla Nat Sanders e Joi McMillon de Moonlight conseguem bater os demais: Até o Último Homem, A Qualquer Custo, Manchester à Beira-Mar e até mesmo a complexa de A Chegada. Acho que a montagem da ficção científica estrelada por Amy Adams tem mais o mérito da não-linearidade imposta pela história dos alienígenas do que por méritos próprios.

moonlight-mit-mahershala-ali-und-alex-r-hibbert

Alex R. Hibbert e Mahershala Ali em cena de Moonlight (pic by moviepilot.de)

Já na ala de comédia, tudo indica que La La Land leva o prêmio. Seu montador, Tom Cross, que venceu o Oscar por Whiplash: Em Busca da Perfeição, por ter uma sintonia muito forte com o diretor Damien Chazelle, consegue imprimir um ritmo fantástico que casa muito bem com a música, além de um lado técnico muito forte que vemos na precisão de seus cortes. E vale destacar a montagem de Deadpool. Por se tratar de um filme de origem de personagem, o trabalho de Julian Clarke na montagem deixa tudo mais leve e menos cansativo.

Emma Stone e Ryan Reynolds num momento musical em La La Land (pic by moviepilot.de)

Emma Stone e Ryan Reynolds num momento musical em La La Land (pic by moviepilot.de)

Existem também as categorias de televisão. Como não acompanho nenhuma dessas séries indicadas, vou parafrasear a Glória Pires: “Não posso opinar”. Hahah Mas foi a série Better Call Saul, da Netflix, que dominou esta edição com três indicações na categoria de Séries de episódios de uma hora.

Confira todos os indicados do Eddie Awards 2017:

CINEMA

MELHOR MONTAGEM – DRAMA
– Joe Walker (A Chegada)
– John Gilbert (Até o Último Homem)
– Jake Roberts (A Qualquer Custo)
– Jennifer Lame (Manchester à Beira-Mar)
– Nat Sanders, Joi McMillon (Moonlight)

MELHOR MONTAGEM – COMÉDIA OU MUSICAL
– Julian Clarke (Deadpool)
– Roderick Jaynes (Ave, César!)
– Mark Livolsi (Mogli: O Menino Lobo)
– Tom Cross (La La Land: Cantando Estações)
– Yorgos Mavropsaridis (O Lagosta)

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO
– Christopher Murrie (Kubo e as Cordas Mágicas)
– Jeff Draheim (Moana: Um Mar de Aventuras)
– Jeremy Milton, Fabienne Rawley (Zootopia)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO
– Spencer Averick (A 13ª Emenda)
– Matthew Hamachek (Amanda Knox)
– Paul Crowder (The Beatles: Eight Days a Week – The Touring Years)
– Bret Granato, Maya Mumma, Ben Sozanski (O.J.: Made in America)
– Eli B. Despres (Weiner)

TELEVISÃO

MELHOR MONTAGEM DE DOCUMENTÁRIO – TV
– Steve Audette (The Choice 2016)
– Bob Eisenhart (Everything is Copy)
– Oliver Lief (We Will Rise: Michelle Obama’s Mission to Educate Girls Around the World)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DE EPISÓDIOS DE MEIA-HORA
– Brian Merken (Silicon Valley — Ep: “The Uptick”)
– Steven Rasch (Veep — Ep: “Morning After”)
– Shawn Paper (Veep — Ep: “Mother”)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DE EPISÓDIOS DE UMA HORA – COM COMERCIAL
– Skip Macdonald (Better Call Saul — Ep: “Fifi”)
– Skip Macdonald, Curtis Thurber (Better Call Saul — Ep: “Klick”)
– Kelley Dixon, Chris McCaleb (Better Call Saul — Ep: “Nailed”)
– Philip Harrison (Mr. Robot — Ep: “eps2.4m4ster-s1ave.aes”)
– David L. Bertman (This Is Us — Ep: “Pilot”)

MELHOR MONTAGEM DE SÉRIES DE EPISÓDIOS DE UMA HORA – SEM COMERCIAL
– Yan Miles (The Crown — Ep: “Assassins”)
– Tim Porter (Game of Thrones — Ep: “Battle of the Bastards”)
– Dean Zimmerman (Stranger Things — Ep: “Chapter One: The Vanishing of Will Byers”)
– Kevin D. Ross (Stranger Things — Ep: “Chapter Seven: The Bathtub”)
– Stephen Semel, Marc Jozefowicz (Westworld — Ep: “The Original”)

MELHOR MONTAGEM DE MINISSÉRIES OU FILMES PARA TV
– Carol Littleton (All the Way)
– Jay Cassidy (The Night Of — Ep: “The Beach”)
– Adam Penn, Stewart Schill, C. Chin-yoon Chung (The People v O.J. Simpson: American Crime Story — Ep: “Marcia, Marcia, Marcia”)

MELHOR MONTAGEM – SÉRIES NÃO-ROTEIRIZADAS
– Hunter Gross (Anthony Bourdain: Parts Unknown — Ep: “Manila”)
– Mustafa Bhagat (Anthony Bourdain: Parts Unknown — Ep: “Senegal”)
– Josh Earl, Alexander Rubinow (Deadliest Catch — Ep: “First at Sea: Part 2”)

***

Os vencedores do 67º Eddie Awards serão conhecidos no dia 27 de janeiro.

‘Mad Max’ e ‘A Grande Aposta’ levam o 66º Eddie Awards

Cena de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by cine.gr)

Cena de Mad Max: Estrada da Fúria (photo by cine.gr)

FILME DE AÇÃO PRIMA POR SUA MONTAGEM FRENÉTICA

No último dia 29, o Eddie Awards revelou os vencedores de suas categorias. Pelo histórico e as qualidades apresentadas, não houve surpresas. Pela categoria de drama, Margaret Sixel levou por sua trabalhosa montagem de Mad Max: Estrada da Fúria, enquanto o filme sobre a crise financeira A Grande Aposta reinou sobre a categoria de comédia. Vale lembrar que aqui Perdido em Marte concorreu como filme de drama, ao contrário do Globo de Ouro.

Como ressaltei anteriormente, o Eddie Awards não serve como parâmetro para o Oscar, já que acertou apenas dois vencedores nos últimos 5 anos (mesmo levando em consideração as duas categorias), porém são raros aqueles filmes que triunfam no Oscar sem passar aqui pelo Eddie. E nesse quesito, o mais prejudicado foi Spotlight – Segredos Revelados, já que sequer concorreu a esse prêmio do sindicato, muito embora esteja entre os indicados no prêmio da Academia.

A vitória de Mad Max: Estrada da Fúria confirma aquela velha teoria de que os filmes de ação costumam se dar bem quando se trata de edição, já que possui cortes precisos em sequências de ação alucinantes. Outros exemplos que evidenciam essa característica são: Bullitt (1968), Rocky: Um Lutador (1976) e mais recentemente O Ultimato Bourne (2007), todos levaram o Oscar.

Agora, alguns fatos curiosos sobre Margaret Sixel que você não sabia e se questiona: “Como pode uma senhora editar um filme tão frenético e violento como este?”. Primeiramente, deixe de preconceito! As mulheres ainda vão dominar o mundo! E em segundo lugar, Sixel não é uma exceção. Thelma Schoonmaker tem a aparência daquelas tias da merenda da escola e editou filmes bem violentos como Os Infiltrados, de Martin Scorsese. Voltando a Margaret Sixel, ela é uma sul-africana, que estudou cinema na Austrália, e lá conheceu seu marido: ninguém menos do que George Miller. Aí já vai ter gente pensando: “Será que vão dar o Oscar pra ela para compensar a derrota de Miller como diretor?”. Quer um conselho? Não pense demais…

A editora sul-africana Margaret Sixel ao lado de seu marido George Miller na premiere em Cannes de 2015 (photo by thefilmfatale.me)

A editora sul-africana Margaret Sixel ao lado de seu marido George Miller na premiere em Cannes de 2015 (photo by thefilmfatale.me)

Já em relação a Hank Corwin, sua colaboração com o diretor Adam McKay pode resultar em uma associação a filmes bobos de comédias, mas ledo engano. Este montador americano já trabalhou em ótimos filmes com diretores consagrados como Terrence Malick (A Árvore da Vida e O Novo Mundo), Robert Redford (Lendas da Vida e O Encantador de Cavalos) e Oliver Stone (Nixon e Assassinos por Natureza). Em A Grande Aposta, além de conseguir dosar bem o tempo de tela de vários personagens que mal se cruzam, ele consegue fazer os inserts de celebridades explicando os termos financeiros com um bom timing.

A atriz Margot Robbie num dos inserts de A Grande Aposta (photo by dailyrecord.co.uk)

A atriz Margot Robbie num dos inserts de A Grande Aposta (photo by dailyrecord.co.uk)

Pelas demais categorias, Divertida Mente e Amy levaram os prêmios em suas respectivas categorias de Animação e Documentário, o que certamente fortalece suas campanhas no Oscar. Um fato bastante curioso é que, desde que foi implantada a categoria de Montagem de Animação em 2010, todos os vencedores acabaram levando o Oscar, com a única exceção do último ano com Uma Aventura Lego.

Confira os vencedores do 66º Eddie Awards:

CINEMA

Melhor Montagem – Drama
* Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria)

Melhor Montagem – Comédia ou Musical
* Hank Corwin (A Grande Aposta)

Melhor Montagem – Animação
* Kevin Nolting (Divertida Mente)

Melhor Montagem – Documentário
* Chris King (Amy)

TELEVISÃO

Melhor Montagem – Série de Episódios de Meia-Hora
* Nick Paley (Inside Amy Schumer – Episódio: 12 Angry Men)

Melhor Montagem – Série de Episódios de Uma Hora com Comercial
* Tom Wilson (Mad Men – Episódio: Person to Person)

Melhor Montagem – Série de Episódios de Uma Hora Sem Comercial
* Lisa Bronwell (House of Cards – Episódio: Chapter 39)

Melhor Montagem – Minisséries ou Telefilmes
* Brian A. Kates (Bessie)

Melhor Montagem – Séries Não-Roteirizadas
* Hunter Gross (Anthony Bourdain: Parts Unknown – Episódio: Bay Area)

Melhor Montagem – Documentário Televisivo
* Richard Hankin, Zac Stuart-Pontier, Caitlyn Greene, Shelby Siegel (The Jinx: The Life and Deaths of Robert Durst – Chapter 1)

Melhor Montagem de Estudantes
* Chris Dold – University of North Carolina School of the Arts

A 88ª cerimônia do Oscar acontece no dia 28 de fevereiro.

‘Perdido em Marte’ compete pelo Eddie Awards 2016 com ‘Mad Max’, ‘O Regresso’ e ‘Sicario’

Emily Blunt como a agente Kate Macer em Sicario: Terra de Ninguém (photo by cinemagia.ro)

Emily Blunt como a agente Kate Macer em Sicario: Terra de Ninguém (photo by cinemagia.ro)

A CATEGORIA DE DRAMA AINDA RECONHECEU ‘STAR WARS’, DEIXANDO ‘SPOTLIGHT’ DE FORA

Oláááá! Primeiramente, Feliz Ano Novo para todos que acompanham o blog! Espero que tenham passado bem a virada!

Bom, começo o ano de 2016 com o anúncio dos indicados ao Eddie Awards, o prêmio do sindicato dos montadores/editores. Como o Globo de Ouro, as categorias se dividem em Dramática e Comédia ou Musical, além, claro, de Documentário e Animação. Curiosamente, essa divisão por gêneros vem causando divergências entre os prêmios, uma vez que algumas produções não se encaixam exatamente como Drama ou Comédia. Minha sugestão oficial seria unificar em uma única categoria, porém uma consequência direta disso poderia ser a desvalorização das comédias, que naturalmente perderiam espaço na temporada de premiações. E a outra sugestão, a não-oficial, seria criar uma nova categoria intitulada “Dramédia”, mas como não é considerado nem gênero…

Nessa questão, o filme Perdido em Marte tem sofrido uma peculiaridade esquizofrênica. No Globo de Ouro, atendendo a uma campanha disposta a ganhar prêmios, foi classificado como Comédia. Como compete com filmes de menor expressão como Descompensada e A Espiã que Sabia de Menos, suas chances são infinitamente melhores do que se estivesse competindo como Drama. Mas aqui no Eddie Awards, o sindicato incluiu a ficção científica de Ridley Scott como Drama. O montador Pietro Scalia, vencedor do Oscar por Falcão Negro em Perigo em 2002, não terá vida fácil ao concorrer com Stephen Mirrione (O Regresso) e Joe Walker (Sicario: Terra de Ninguém).

Matt Damon e sua plantação de batatas em Perdido em Marte (photo by cinemagia.ro)

Matt Damon e sua plantação de batatas em Perdido em Marte (photo by cinemagia.ro)

Ainda sobre a categoria Drama, trata-se do primeiro reconhecimento de algum sindicato para o mega-blockbuster Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força. O novo filme da saga estelar tem números impressionantes em apenas 3 semanas de exibição nos EUA, batendo recorde atrás de recorde, com mais de 700 milhões de dólares apenas em solo americano.

Star Wars ficou com a vaga de um forte candidato ao Oscar: o drama jornalístico Spotlight – Segredos Revelados. Com um roteiro consistente e corajoso, a montagem costuma ser reconhecida juntamente, mas não foi o caso do filme de Tom McCarthy.

Kylo Ren em confronto com Finn e Rey em Star Wars: Episódio VII - O Despertar da Força (photo by cinemagia.ro)

Kylo Ren em confronto com Finn e Rey em Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força (photo by cinemagia.ro)

Curiosamente, a última produção que levou o Oscar de Melhor Filme sem contar com uma indicação ao ACE (Eddie Awards) foi Conduzindo Miss Daisy, há 26 anos, fato este que pode influenciar na trajetória de Spotlight no Oscar. Já entre os vencedores de Melhor Filme sem contar com a indicação de montagem, temos um hiato de 33 anos, de Birdman de 2015 ao Gente Como a Gente em 1981.

Pela categoria de Comédia ou Musical, o franco-favorito é A Grande Aposta. Sua trama de crise financeira, que também é forte candidata ao Oscar de Roteiro Adaptado, permite o entrelaçamento de vários personagens, o que evidencia o complexo trabalho da montagem. Entre os demais concorrentes, Joy: O Nome do Sucesso e Eu, Você e a Garota que Vai Morrer são os destaques.

Cena de vários personagens em A Grande Aposta (photo by cinemagia.ro)

Cena de vários personagens em A Grande Aposta (photo by cinemagia.ro)

Já na categoria de Animação, dois filmes da Pixar competem com Anomalisa, enquanto entre os documentários, temos três fortes candidatos sobre músicos, Amy, Cobain: Montage of Heck e The Wrecking Crew, competindo com um sobre a religião da Cientologia (Going Clear: Scientology and the Prison of Belief) e outro sobre a figura política da jovem Malala.

Só para constar, nos 5 anos anteriores, o ACE previu apenas dois vencedores do Oscar: William Goldenberg (Argo) e Angus Wall e Kirk Baxter (A Rede Social), mesmo contando vencedores das duas categorias.

Pelas categorias de televisão e streaming, séries que costumam marcar presença no Globo de Ouro e Emmy concorrem por seus episódios. Comédias como Silicon Valley e Veep, e dramas como Games of Thrones e Better Call Saul foram indicadas.

Seguem os indicados para o 66º Eddie Awards:

CINEMA

Melhor Montagem – Drama
– Margaret Sixel (Mad Max: Estrada da Fúria)
– Pietro Scalia (Perdido em Marte)
– Stephen Mirrione (O Regresso)
– Joe Walker (Sicario: Terra de Ninguém)
– Maryann Brandon & Mary Jo Markey (Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força)

Melhor Montagem – Comédia ou Musical
– Dan Lebental & Colby Parker, Jr. (Homem-Formiga)
– Hank Corwin (A Grande Aposta)
– Jay Cassidy, Alan Baumgarten, Christopher Tellefsen & Tom Cross (Joy: O Nome do Sucesso)
– David Trachtenberg (Eu, Você e a Garota que Vai Morrer)
– William Kerr & Paul Zucker (Descompensada)

Melhor Montagem – Animação
– Garret Elkins (Anomalisa)
– Kevin Nolting (Divertida Mente)
– Stephen Schaffer (O Bom Dinossauro)

Melhor Montagem – Documentário
– Chris King (Amy)
– Joe Beshenkovsky & Brett Morgen (Cobain: Montage of Heck)
– Andy Grieve (Going Clear: Scientology and the Prison of Belief)
– Greg Finton, Brian Johnson & Brad Fuller (He Named me Malala)
– Claire Scanlon (The Wrecking Crew)

Leonardo DiCaprio em cena de O Regresso (photo by cinemagia.ro)

Leonardo DiCaprio em cena de O Regresso (photo by cinemagia.ro)

TELEVISÃO

Melhor Montagem – Série de Episódios de Meia-Hora
– Nick Paley (Inside Amy Schumer – Episódio: 12 Angry Men)
– Brian Merken (Silicon Valley – Episódio: Two Days of the Condor)
– Gary Dollner (Veep – Episódio: Election Night)

Melhor Montagem – Série de Episódios de Uma Hora com Comercial
– Kelley Dixon (Better Call Saul – Episódio: Five-O)
– Skip Macdonald (Better Call Saul – Episódio: Uno)
– Skip Macdonald & Curtis Thurber (Fargo – Episódio: Did You Do This? No, You Did It!)
– Scott Vickrey (The Good Wife – Episódio: Restrain)
– Tom Wilson (Mad Men – Episódio: Person to Person)

Melhor Montagem – Série de Episódios de Uma Hora Sem Comercial
– Katie Weiland (Game of Thrones – Episódio: The Dance of Dragons)
– Tim Porter (Game of Thrones – Episódio: Hardhome)
– Harvey Rosenstock (Homeland – Episódio: The Tradition of Hospitality)
– Lisa Bronwell (House of Cards – Episódio: Chapter 39)
– Mary Ann Bernard (The Knick – Episódio: Wonderful Surprises)

Melhor Montagem – Minisséries ou Telefilmes
– Brian A. Kates (Bessie)
– Maysie Hoy (Dolly Parton’s Coat of Many Colors)
– William Turro (Orange is the New Black – Episódio: Trust No Bitch (episódio de 90 minutos))

Melhor Montagem – Séries Não-Roteirizadas
– Hunter Gross (Anthony Bourdain: Parts Unknown – Episódio: Bay Area)
– Josh Earl & Ben Bulatao (Deadliest Catch – Episódio: Zero Hour)
– Eric Driscoll, Nik Jamgocyan, Chris Kirkpatrick, David Michael Maurer, Greg McDonald, Marcus Miller & Alexandria Scott (Whale Wars – Episódio: The Darkest Hour)

Melhor Montagem – Documentário Televisivo
– Joshua L. Pearson (Keith Richards: Under the Influence)
– Richard Hankin, Zac Stuart-Pontier, Caitlyn Greene, Shelby Siegel (The Jinx: The Life and Deaths of Robert Durst – Chapter 1)
– Chris A. Peterson (The Seventies: The United State vs. Nixon)

Bob Odenkirk como Jimmy McGill em cena de Better Call Saul (photo by cinemagia.ro)

Bob Odenkirk como Jimmy McGill em cena de Better Call Saul (photo by cinemagia.ro)

O 66º Eddie Awards acontece no dia 29 de janeiro. E o Oscar 2016 no dia 28 de fevereiro.

‘Boyhood’ e ‘O Grande Hotel Budapeste’ conquistam o Eddie Awards 2015

Oito momentos da vida de Ellar Coltrane em Boyhood: Da Infância à Juventude, vencedor do Eddie Award (photo by http://staticvosf5b.lavozdelinterior.com.ar/sites/default/files/styles/landscape_642_366/public/nota_periodistica/boy)

Oito momentos da vida de Ellar Coltrane em Boyhood: Da Infância à Juventude, vencedor do Eddie Award (photo by http://staticvosf5b.lavozdelinterior.com.ar/sites/default/files/styles/landscape_642_366/public/nota_periodistica/boy)

INDICADOS AO OSCAR DE MONTAGEM IMPULSIONAM SUA CAMPANHA

O sindicato de editores, ACE (American Cinema Editors), elegeu Boyhood: Da Infância à Juventude e O Grande Hotel Budapeste como melhores montagens nas categorias de Drama e Comédia ou Musical, respectivamente. Trata-se de um grande passo rumo ao Oscar, pois o vencedor do Eddie Awards costuma ser eleito também o Melhor Filme pela Academia pelo menos em sete oportunidades nos últimos 12 anos. E segundo as estatísticas favoráveis, dos últimos 34 anos, todo vencedor do Oscar de Melhor Filme recebeu indicação ao Eddie.

Claro que, por mais que esses números sejam promissores, não garantem estatueta nenhuma. Veja o caso por exemplo do ano passado: Christopher Rouse (Capitão Phillips) venceu com louvor o Eddie, mas perdeu para a enxurrada de prêmios de Gravidade. Embora ambos tenham trabalhado bem a questão da tensão, os cortes foram mais eficientes no sequestro do navio pelos piratas somalianos. E em 2012, Kevin Tent levou o Eddie por Os Descendentes, mas foi a dupla Kirk Baxter e Angus Wall que ganhou seu segundo Oscar consecutivo por Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres depois de faturar por A Rede Social.

A editora Sandra Adair de Boyhood (photo by austinchronicle.com)

A editora Sandra Adair de Boyhood (photo by austinchronicle.com)

Tanto Boyhood quanto O Grande Hotel Budapeste estão concorrendo ao Oscar de Montagem. Enquanto Sandra Adair teve de comprimir material bruto de 12 anos em um pouco menos de 3 horas de filme com o acerto de não inserir divisão de anos, Barney Pilling fez uma bela compilação de personagens sem perder o ritmo e extraindo humor de seus cortes. Se um desses trabalhos sair com o Oscar, a categoria estará bem representada, assim como o belo trabalho de edição de Tom Cross, por Whiplash: Em Busca da Perfeição. Como o filme é sobre música, ele se guia pela mesma para criar jump cuts para sincronizar as imagens com o áudio, mas de forma imperceptível.

Pela categorias de Animação, o Eddie foi para Uma Aventura Lego, enquanto de Documentário, Citizenfour se consagrou como o melhor, elevando um pouco mais suas chances no Oscar de Melhor Documentário. Gostaria de aproveitar e fazer uma espécie de crítica, pois a Academia não inclui montagens de documentários e animações na categoria. Talvez pela comodidade, só reconhece edições de ficções (dramas, comédias, musicais, policiais, suspenses etc), acumulando o reconhecimento todo desses dois gêneros para os Oscars de Melhor Documentário e Melhor Longa de Animação. Sei que tem muita gente que acha que a edição de documentário é tudo igual (estilo entrevista e imagens de arquivo), mas existem trabalhos bem inventivos do gênero como o dinamismo de Kurt Engfehr de Tiros em Columbine (2002), que utiliza até animação para explicar a História das armas nos EUA. Ou o mais recente O Ato de Matar (2012), que ousa ao reencenar o massacre da Indonésia em gêneros cinematográficos.

tumblr_nhksvp6Rg01r1uz65o1_1280

Segue lista completa dos vencedores do Eddie Awards 2015:

MELHOR MONTAGEM – DRAMA
Sandra Adair (Boyhood: Da Infância à Juventude)

MELHOR MONTAGEM –  COMÉDIA OU MUSICAL
Barney Pilling (O Grande Hotel Budapeste)

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO
David Burrows, Chris McKay (Uma Aventura Lego)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO
Mathilde Bonnefoy (Citizenfour)

Edward Snowden em Citizenfour (photo by outnow.ch)

Edward Snowden em Citizenfour (photo by outnow.ch)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO (TELEVISÃO)
Erik Ewers (The Roosevelts: An Intimate History) – Episódio 3: The Fire of Life

MELHOR MONTAGEM – SÉRIE DE TV DE MEIA-HORA
Anthony Boys (Veep) – Episódio: “Special Relationship”

MELHOR MONTAGEM – SÉRIE DE TV DE UMA HORA COM COMERCIAL
Yan Miles (Sherlock) – Episódio: “His Last Vow”

MELHOR MONTAGEM – SÉRIE DE TV DE UMA HORA SEM COMERCIAL
Affonso Gonçalvez (True Detective) – Episódio: “Who Goes There”

MELHOR MONTAGEM – MINISSÉRIE OU FILME FEITO PARA TV
Adam Penn (The Normal Heart)

MELHOR MONTAGEM – SÉRIES NÃO ROTEIRIZADAS
Hugo Gross (Anthony Bourdain: Parts Unknown) – Episódio: “Iran”

MELHOR MONTAGEM DE ESTUDANTE
Johnny Sepulveda (Video Symphony)

‘Boyhood’, ‘Birdman’ e ‘Garota Exemplar’ competem pelo Eddie Awards 2015

Ethan Hawke (Boyhood: Da Infância à Juventude) - photo by elfilm.com

Ellan Coltrane e Ethan Hawke em Boyhood: Da Infância à Juventude – photo by elfilm.com

PRÊMIO DO SINDICATO JÁ PINCELA OS POSSÍVEIS INDICADOS AO OSCAR

Primeiramente, Feliz Ano Novo para todos! Espero que tenham passado bem as festas de fim de ano. Como fiquei em São Paulo este ano, acabei vendo dois filmes no cinema que recomendo: o sombrio O Abutre, com atuação assombrosa de Jake Gyllenhaal, e o clichê porém simpático A Família Bélier, que traz uma mensagem bastante positiva de amadurecimento para começar bem o ano.

Bom, o ano mal começou e o sindicato de editores já lançou seus indicados para 2015. Assim como o Globo de Ouro, os filmes são dividos entre as categorias de Drama e Comédia ou Musical, até mesmo porque a montagem possui estilos diferentes de acordo com o gênero. Aliás, adoraria ver uma categoria exclusiva para filmes de terror, ou pelo menos algo como Terror ou Ação. O Eddie Awards ainda apresenta categorias de Animação, Documentário e relativos à televisão.

Pela categoria Drama, houve um empate pela segunda vez na história do prêmio, pois houve seis indicados. A grande favorita é Sandra Adair pelo filme Boyhood: Da Infância à Juventude, afinal, ela cortou um material bruto de nada menos do que 12 anos! Mas independente do seu esforço de uma década, seu trabalho é digno de reconhecimento, pois suas quase 3 horas de duração não pesam como muitos pensam antes de assistir ao filme. A passagem do tempo não é interrompida por letreiros ou telas pretas, mas flui como um rio. Particularmente, só não acho perfeita porque eu reduziria a sequência da faculdade do protagonista Mason, que pouco acrescenta no contexto.

Mas Boyhood não pode relaxar, pois tem fortes concorrentes na categoria, especialmente Kirk Baxter (Garota Exemplar), que levou dois Oscars consecutivos por A Rede Social e Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres, e William Goldenberg (O Jogo da Imitação), que faturou a estatueta em 2013 por Argo.

Rosamund Pike em momento Amazing Amy de Garota Exemplar (photo by elfilm.com)

Rosamund Pike em momento Amazing Amy de Garota Exemplar (photo by elfilm.com)

Já pela categoria de Comédia ou Musical, as águas parecem mais calmas para Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância), pois além da força de sua campanha rumo ao Oscar de Melhor Filme, apresenta alternância entre cenas de realidade e devaneios do personagem de Michael Keaton, que denota facilmente a força da montagem. Quanto à concorrência, por se tratar de um filme de ação, Guardiões da Galáxia pode representar algum perigo. Como não vi Birdman ainda, concederia o prêmio a O Grande Hotel Budapeste, pelo ótimo ritmo obtido pela combinação entre os cortes, roteiro e atuação do elenco.

Edward Norton em cena de O Grande Hotel Budapeste (photo by cinemagia.ro)

Edward Norton em cena de O Grande Hotel Budapeste (photo by cinemagia.ro)

Entre as três animações indicadas, apesar da explosão que foi Uma Aventura Lego, acredito que Operação Big Hero pode levar o prêmio pelo ritmo mais frenético. Quanto aos documentários, Citizenfour tem se destacado por contar a trajetória de Edward Snowden através de uma entrevista.

Quanto aos fatos curiosos, embora não tenha uma acertividade tão alta (dos últimos 5 anos, acertou 3 em relação ao Oscar), o Eddie Awards é considerado um bom precursor do prêmio da Academia, pois segundo nota deles: “Nenhum filme ganhou o Oscar de Melhor Filme sem ter recebido pelo menos uma indicação ao Eddie desde ‘Gente Como a Gente’ em 1981”. O Eddie Awards existe desde 1962.

 Já entre os indicados de produções de televisão, a ótima série da HBO, True Detective, desponta como uma das favoritas justamente por seu tratamento de cinema na montagem de seus episódios não-lineares.

Segue lista dos indicados ao 65º Eddie Awards:

MELHOR MONTAGEM – DRAMA
– Joel Cox, Gary Roach (Sniper Americano)
– Sandra Adair (Boyhood: Da Infância à Juventude)
– Kirk Baxter (Garota Exemplar)
– William Goldenberg (O Jogo da Imitação)
– John Gilroy (O Abutre)
– Tom Cross (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

MELHOR MONTAGEM – COMÉDIA OU MUSICAL
– Douglas Crise, Stephen Mirrione (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância))
– Fred Raskin, Hughes Winborne, Craig Wood (Guardiões da Galáxia)
– Wyatt Smith (Caminhos da Floresta)
– Leslie Jones (Vício Inerente)
– Barney Pilling (O Grande Hotel Budapeste)

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO
 Tim Mertens (Operação Big Hero)
– Edie Ichioka (Os Boxtrolls)
– David Burrows, Chris McKay (Uma Aventura Lego)

Operação Big Hero, da Disney (photo by cinemagia.ro)

Operação Big Hero, da Disney (photo by cinemagia.ro)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO
– Mathilde Bonnefoy (Citizenfour)
– Aaron Wickenden (A Fotografia Oculta de Vivian Maier)
– Elisa Bonora (Glen Campbell: I’ll Be Me)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO (TELEVISÃO)
– John Duffy, Michael O’Halloran, Eric Lea (Cosmos: A SpaceTime Odyssey: Standing Up in the Milky Way)
– Troy Takaki, Joey Vigour (Pauly Shore Stands Alone)
– Erik Ewers (The Roosevelts: An Intimate History: Episode 3 / The Fire of Life)

MELHOR MONTAGEM – SÉRIE DE TV DE MEIA-HORA
– Brian Merken, Tim Roche (Sillicon Valley) – Episódio: “Optimal Tip to Tip Efficiency”
– Anthony Boys (Veep) – Episódio: “Special Relationship”
– Catherine Haight (Transparent) – Episódio: “Piloto”

MELHOR MONTAGEM – SÉRIE DE TV DE UMA HORA COM COMERCIAL
– Scott Powell (24 Horas) – Episódio: “10pm to 11am
– Christopher Gay (Mad Men) – Episódio: “Waterloo”
– Elena Maganini, Michael Ornstein (Madam Secretary) – Episódio: “Piloto”
– Yan Miles (Sherlock) – Episódio: “His Last Vow”
– Scott Vickrey (The Good Wife) – Episódio: “A Few Words”

MELHOR MONTAGEM – SÉRIE DE TV DE UMA HORA SEM COMERCIAL
– Affonso Gonçalves (True Detective) – Episódio: “Who Goes There”
– Alex Hall (True Detective) – Episódio: “The Secret Fate of All Life”
– Byron Smith (House of Cards) – Episódio: “Chapter 14”

Woody Harrelson e Matthew McConaughey em cena de True Detective, série da HBO (photo by cinemagia.ro)

Woody Harrelson e Matthew McConaughey em cena de True Detective, série da HBO (photo by cinemagia.ro)

MELHOR MONTAGEM – MINISSÉRIE OU FILME FEITO PARA TV
– Regis Kumble (Fargo) – Episódio: “Buridan’s Ass”
– Jeffrey M. Werner (Olive Kitteridge) – Episódio: “A Different Road”
– Adam Penn (The Normal Heart)

MELHOR MONTAGEM – SÉRIES NÃO ROTEIRIZADAS
– Hunter Gross (Anthony Bourdain: Parts Unknown) – Episódio: “Iran”
– Josh Earl, Johnny Bishop (Deadliest Catch) – Episódio: “Lost At Sea”
– Joe Langford, Nick Carew (Vice) – Episódio: “Greenland is Melting & Bonded Labor”

O Eddie Awards será entregue no dia 30 de janeiro em cerimônia no hotel Beverly Hilton.

‘Capitão Phillips’ conquista o Eddie Awards e pode ter garantido seu único Oscar

Tom Hanks e Barkhad Abdi no bote claustrofóbico de Capitão Phillips (photo by outnow.ch)

Tom Hanks e Barkhad Abdi no bote claustrofóbico de Capitão Phillips (photo by outnow.ch)

Com as ausências de Tom Hanks e seu diretor, Paul Greengrass, entre os indicados ao Oscar, as chances de Capitão Phillips tiveram queda expressiva, mesmo que tenha sido indicado a Melhor Filme. Contudo, na semana passada, o filme conquistou o prêmio de roteiro adaptado (WGA), e agora, o de montagem – drama no ACE – Eddie Awards, reconhecimento de extrema importância concedido pelo sindicato de montadores.

Excetuando o ano de 2012, quando a montagem de Kirk Baxter e Angus Wall (Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres) bateu o vencedor do Eddie, Kevin Tent (Os Descendentes), o Oscar de montagem coincide desde 2002. Então nessa lógica, Capitão Phillips pode ter garantido seu único Oscar da noite para seu montador Christopher Rouse, uma vez que o WGA não contava com um dos favoritos: John Ridley (12 Anos de Escravidão).

Christopher Rouse recebe o Eddie de Leonardo DiCaprio (photo by)

Christopher Rouse recebe o Eddie de Leonardo DiCaprio (photo by deadline.com)

Colaborador assíduo de Paul Greengrass, Christopher Rouse está em sua 3ª indicação ao Oscar e já ganhou um pelo ótimo trabalho em O Ultimato Bourne (2007). Trata-se de um dos melhores montadores da atualidade, pois consegue criar tensão através de cortes rápidos, aliando-se ao material bruto de Greengrass repleto de “câmeras nervosas”. Em Capitão Phillips, assim que a abordagem dos piratas somalianos têm início, os cortes rápidos acompanham as ações desesperadas dos tripulantes a fim de evitar uma catástrofe até a cena final em que o conflito se resolve. Rouse não deixa o espectador respirar, fazendo com que o público sinta a mesma tensão que os personagens estão passando. A seqüência no bote é claustrofóbica e interminável, no bom sentido.

O prêmio do Sindicato de Montadores, o famoso Eddie (de Editors) - photo by goldderby.com

MELHOR MONTAGEM – DRAMA

– Joe Walker (12 Anos de Escravidão)
• Christopher Rouse (Capitão Phillips)
– Alfonso Cuarón, Mark Sanger (Gravidade)
– Eric Zumbrunnen, Jeff Buchanan (Ela)
– Mark Livolsi (Walt nos Bastidores de Mary Poppins)

Jennifer Lawrence em seu momento 'Live and Let Die' (photo by elfilm.com)

Jennifer Lawrence em seu momento ‘Live and Let Die’ (photo by elfilm.com)

Já na categoria de Comédia ou Musical, a dupla Jay Cassidy e Crispin Struthers (aliados a Alan Baumgarten) voltou a ganhar o mesmo prêmio do ano passado por O Lado Bom da Vida. Mérito também do roteiro do diretor David O. Russell, que possibilita a montagem quebra-cabeça policial, que destaca o plano genial do protagonista. Além disso, vale destacar também algumas seqüências musicadas por “Goodbye Yellow Brickroad” de Elton John, “How Can You Mend a Broken Heart” dos Bee Gees, e especialmente “Live and Let Die” de Paul McCartney, em que Rosalyn, personagem de Jennifer Lawrence, interage com a música do ex-beatle enquanto limpa a casa.

O trio Crispin Struthers, Jay Cassidy e Alam Baumgraten recebem o Eddie (photo by zimbio/getty images)

Da esquerda para direita: O trio Crispin Struthers, Jay Cassidy e Alam Baumgarten recebem o Eddie (photo by zimbio/getty images)

MELHOR MONTAGEM – COMÉDIA OU MUSICAL

• Jay Cassidy, Crispin Struthers, Alan Baumgarten (Trapaça)
– Stephen Mirrione (Álbum de Família)
– Ethan Coen, Joel Coen (Inside Llewyn Davis – Balada de um Homem Comum)
– Kevin Tent (Nebraska)
– Thelma Schoonmaker (O Lobo de Wall Street)

Sonho de neve: O boneco Olaf em cena de Frozen: Uma Aventura Congelante (photo by elfilm.com)

Sonho de neve: O boneco Olaf em cena de Frozen: Uma Aventura Congelante (photo by elfilm.com)

Entre as animações, Frozen: Uma Aventura Congelante continua sua coleta de prêmios após o Globo de Ouro e o Critics’ Choice Awards. A animação feita pela Disney (não confundir com Pixar) está quase atingindo a marca de 400 milhões de dólares em sua 11ª semana de exibição só nos EUA. Esses números encorajam os executivos a não ficarem tão dependentes das produções da Pixar.

Na categoria documentário, A Um Passo do Estrelato explora o universo dos backup singers que, embora fiquem atrás dos holofotes, são responsáveis pela harmonia de inúmeras bandas. Esse prêmio traz ainda mais equilíbrio à categoria no Oscar, pois The Square ganhou o DGA, enquanto O Ato de Matar, o European Film Awards.

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO

– Gregory Perler (Meu Malvado Favorito 2)
• Jeff Draheim (Frozen: Uma Aventura Congelante)
– Greg Snyder (Universidade Monstros)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO

• Douglas Blush, Kevin Klauber, Jason Zeldes (A Um Passo do Estrelato)
– Eli B. Despres (Blackfish: Fúria Animal)
– Patrick Sheffield (Tim’s Vermeer)

A 86ª cerimônia do Oscar acontece no dia 02 de março e será transmitido pela TNT.

Cena de A Um Passo do Estrelato (photo by outnow.com)

Cena do documentário A Um Passo do Estrelato (photo by outnow.com)

‘Argo’ vence prêmios dos sindicatos de roteiristas e montadores

WGA: Writers Guild Awards 2013 (logo in theartsyfilmblog.com)

WGA: Writers Guild Awards 2013 (logo in theartsyfilmblog.com)

Mais dois prêmios divulgaram suas lista de vencedores: O Writers Guild of America (WGA) e o American Cinema Editors (Eddie). Enquanto o reconhecimento dos escritores se divide nas categorias Roteiro Original, Roteiro Adaptado e Documentário, o dos montadores abrange mais filmes ao criar as categorias de Musical ou Comédia,  Drama, Documentário e Animação.

Writers Guild of America

ROTEIRO ORIGINAL

• Mark Boal (A Hora Mais Escura)

– Rian Johnson (Looper: Assassinos do Futuro)

– Paul Thomas Anderson (O Mestre)

– Wes Anderson, Roman Coppola (Moonrise Kingdom)

– John Gatlins (O Vôo)

ROTEIRO ADAPTADO

• Chris Terrio (Argo)

– David Magee (As Aventuras de Pi)

– David O. Russell (O Lado Bom da Vida)

– Tony Kushner (Lincoln)

– Stephen Chbosky (As Vantagens de ser Invisível)

DOCUMENTÁRIO

– Ken Burns, David MacMahon, Sarah Burns (Central Park Five)

• Malik Bendjelloul (Searching for Sugar Man)

– Kirby Dick (The Invisible War)

– Alex Gibney (Mea Maxima Culpa: Silence in the House of God)

– Brian Knappenberger (We Are Legion: The Story of the Hacktivists)

– Billy McMillin, Amy Berg (West of Memphis)

O WGA costuma servir de parâmetro para as respectivas categorias no Oscar. Em 2012, os vencedores coincidiram: Woody Allen levando Roteiro Original por Meia-Noite em Paris, e Alexander Payne, Nat Faxon e Jim Rash conquistaram Roteiro Adaptado por Os Descendentes. Contudo, essa bola de cristal se quebra quando um roteirista não é filiado ao sindicato como aconteceu em 2011, quando David Seidler sequer foi indicado ao WGA, mas ganhou o Oscar por O Discurso do Rei.

O vencedor do WGA award de Melhor Roteiro Original, Mark Boal, por A Hora Mais Escura (photo by usatoday.com)

O vencedor do WGA award de Melhor Roteiro Original, Mark Boal, por A Hora Mais Escura (photo by usatoday.com)

Este ano, essa divergência pode se repetir, uma vez que Quentin Tarantino (Django Livre) nem consta na lista do WGA, mas pode levar o Oscar devido às controvérsias do filme A Hora Mais Escura, vencedor.

Apesar dessa importante vitória, há um receio de que as acusações de apologia à tortura possam atrapalhar a campanha de A Hora Mais Escura. O roteirista Mark Boal, também produtor do filme, tem buscado reverter o quadro com incontáveis entrevistas ao lado da diretora Kathryn Bigelow. Em nenhum momento o filme condiz com a tortura, mas nem por isso deixaria de retratá-la por ser uma parte das buscas ao inimigo nº 1 dos EUA.

Essa oposição, encabeçada pelos senadores John McCain (candidato do partido republicano à presidência norte-americana em 2008) e Diane Feirstein, acusa o filme de retratar uma mentira. Para eles, interrogatórios sob tortura com o objetivo de conseguir pistas valiosas sobre o paradeiro do líder terrorista Osama Bin Laden nunca aconteceram, e que os EUA nunca sujaram suas mãos para obterem pistas concretas essa caça que perdurou por mais de 10 anos.

Vencedor por Argo, Chris Terrio, com seu WGA award (photo by filmofilia.com)

Vencedor por Argo, Chris Terrio, com seu WGA award (photo in filmofilia.com by Getty Images)

Outro roteirista que se beneficiou bastante com esta vitória em relação ao Oscar foi Chris Terrio. A categoria de Roteiro Adaptado está acirradíssima, pois os candidatos a Melhor Filme do Oscar estão em disputa (Lincoln e O Lado Bom da Vida). Explorando uma excelente história verídica do resgate de seis diplomatas americanos do Irã, o roteirista estreante conseguiu manter a tensão do acontecimento sem deixar o filme pesado e chato.

Particularmente, acredito que o filme seria perfeito se mostrasse mais a produção do filme falso “Argo”. Assim como aconteceu na realidade, “Argo” nem deve ter iniciado as filmagens, mas como se trata de um filme inspirado em fatos reais, Chris Terrio poderia ter explorado mais essa inusitada situação de Hollywood no Irã filmando uma ficção científica. Mas Terrio já merece seu prêmio e espero que consiga repetir o feito na cerimônia da Academia.

Vencedor por Searching for Sugar Man, o diretor Malik Bendjelloul recebe prêmio WGA (photo by imdb.com)

Vencedor por Searching for Sugar Man, o diretor Malik Bendjelloul recebe prêmio WGA (photo by imdb.com)

Na categoria de documentário, Malik Benjelloul conquista outro importante prêmio rumo ao Oscar. Seu Searching Sugar Man vem comovendo crítica e público com sua busca pelo músico dos anos 70, Rodriguez, na África do Sul. Se ainda há alguma chance para os demais indicados, agora são mínimas.

O prêmio do Sindicato de Montadores, o famoso Eddie (de Editors) - photo by goldderby.com

O prêmio do Sindicato de Montadores, o famoso Eddie (de Editors) – photo by goldderby.com

American Cinema Editors

O Eddie Wards se trata também de um ótimo parâmetro para sua categoria no Oscar. Com exceção do ano anterior, quando Os Descendentes e O Artista perderam para Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres,  o vencedor coincide desde 2002.

Indicado ao Oscar em outras duas oportunidades por O Informante (1999) e Seabiscuit – Alma de Herói (2003), mas sem nenhuma vitória, o editor William Goldenberg tem mais duas chances de levar a estatueta por A Hora Mais Escura e Argo, levando o Eddie pelo último. Sua montagem oferece dinâmica ao moroso trabalho de resgate dos americanos do Irã, colabora bastante para o equilíbrio no misto de gêneros que a trama abrange, e gera muita tensão na sequência final, mesmo que o público já saiba do final da história.

Momento de tensão em Argo (photo by BeyondHollywood.com)

Momento de tensão em Argo (photo by BeyondHollywood.com)

Única comédia a conquistar uma vaga no Oscar, O Lado Bom da Vida bateu seus concorrentes mais fortes: Os Miseráveis e Moonrise Kingdom no Eddie Awards, porém tem chances mínimas na disputa da Academia.

Pelo ótimo uso da montagem para criar humor, o trabalho de Andrew Weisblum foi muito mais importante para Moonrise Kingdom. O timing cômico gerado a partir de cortes secos merecia mais destaque nessas premiações e no próprio Oscar.

Já os prêmios das categorias Documentário e Animação só reforçam o favoritismo dos filme Searching for Sugar Man e Detona Ralph, respectivamente. Apesar de Detona Ralph ter conquistado boa parte dos reconhecimentos da categoria, ainda acredito que Frankenweenie pode ser uma excelente oportunidade de premiar um diretor tão criativo e querido como Tim Burton.

Seguem filmes indicados e premiados:

MELHOR MONTAGEM – DRAMA

– William Goldenberg, Dyaln Tichenor (A Hora Mais Escura)

• William Goldenberg (Argo)

– Michael Khan (Lincoln)

– Stuart Baird (007 – Operação Skyfall)

– Tim Squyres (As Aventuras de Pi)

MELHOR MONTAGEM – COMÉDIA OU MUSICAL

– Jeff Freeman (Ted)

• Crispin Struthers, Jay Cassidy (O Lado Bom da Vida)

– Chris Dickens, Melanie Oliver (Os Miseráveis)

– Andrew Weisblum (Moonrise Kingdom)

– Chris Gill (O Exótico Hotel Marigold)

MELHOR MONTAGEM – DOCUMENTÁRIO

– Mark Magidson, Ron Fricke (Samsara)

• Malik Bendjelloul (Searching for Sugar Man)

– Billy McMillin (West of Memphis)

MELHOR MONTAGEM – ANIMAÇÃO

– Joyce Arrastia (A Origem dos Guardiões)

– Robert Grahamjones, David Suther, Nicholas C.  Smith (Valente)

– Mark Solomon, Chris Lebenzon (Frankenweenie)

• Tim Mertens (Detona Ralph)

Cena do documentário premiado Searching for Sugar Man (photo by OutNow.CH)

Cena do documentário premiado Searching for Sugar Man (photo by OutNow.CH)

A 85ª cerimônia do Oscar será transmitida ao vivo pelo canal pago TNT no dia 24 de fevereiro.