COMO PREVISTO, THE CROWN e TED LASSO VENCEM O EMMY AWARDS

NETFLIX FOI A GRANDE VENCEDORA DA NOITE PELA PRIMEIRA VEZ

A cerimônia da 73ª edição do Emmy aconteceu neste domingo (19) em Los Angeles, com menos convidados, com exigência de teste negativo para Covid, e sob o comando do host Cedric the Entertainer, que apresentou um rap em seu monólogo. Segundo as medições, houve um aumento de 16% de audiência em relação ao ano passado, o que demonstra um claro aumento de interesse do público por séries na pandemia. Talvez isso faça com que a Academia repense um pouco esse preconceito contra filmes lançados em streaming, lembrando que a Netflix nunca levou o Oscar de Melhor Filme.

Pela primeira vez, a Netflix conquistou o maior número de estatuetas (44!) e finalmente levou o prestigioso prêmio de Melhor Série Dramática com The Crown, que acumulou 11 Emmys (7 na cerimônia e 4 da Creative Arts Emmy), mesmo número de sua minissérie The Queen’s Gambit. Já a HBO conquistou 19 prêmios no total, alguns pela minissérie Mare of Easttown, pela série de comédia Hacks e pela minissérie britânica I May Destroy You. A Apple TV Plus faturou 10 Emmys, sendo 7 pela série Ted Lasso. Apesar da Disney Plus ter conquistado 13 prêmios da Creative Arts Emmy, só levou um Emmy na cerimônia por Hamilton como Melhor Especial Pré-Gravado. WandaVision não levou nenhuma estatueta ao vivo.

Há cerca de 6 anos, muito se falou sobre o #OscarsSoWhite, já que por dois anos consecutivos nenhum ator ou atriz negros ou latinos haviam sido indicados nas quatro categorias de atuação. Nesta edição, o Emmy prometia uma representatividade inédita em sua história, já que havia número recorde de indicados não-caucasianos, mas quando os envelopes foram se abrindo, houve uma frustração notória pois apenas atores brancos foram premiados, gerando a hashtag #EmmysSoWhite. Embora considere um pouco exagerada essa reação, havia uma expectativa de que um ou outro nome sairia vitorioso como o recém-falecido Michael K. Williams, que concorria por Lovecraft Country mas perdeu para Tobias Menzies como Melhor Coadjuvante, ou mesmo Michaela Jaé (Mj) Rodriguez que poderia ter se tornado a primeira atriz trans a vencer o Emmy pela série Pose. Felizmente, a atriz Michaela Coel venceu como roteirista da série I May Destroy You, o que amenizou um pouquinho essa polêmica.

Só um breve comentário que gostaria de fazer em relação ao Emmy e as produções televisivas: É preciso aplaudir os realizadores das séries, sem exceção. Lembro de alguns anos atrás, a TV era sempre considerada uma plataforma para profissionais menores ou no mínimo um plano B caso não conseguissem entrar no disputado mercado cinematográfico. Contudo, sob comando de produtores e chefes de estúdios gananciosos que não queriam correr risco algum, o Cinema foi perdendo muitos de seus profissionais e de seu público para a TV e streaming, que vem colhendo muitos frutos por terem a coragem de fazer produções ousadas, diversificadas, com roteiros de qualidade e ainda representatividade por trás e à frente das câmeras. Amo Cinema e sempre vou amar, mas desejo vida longa à TV e sua audácia.

Seguem os vencedores da cerimônia do Emmy 2021:

Minissérie

  • ”I May Destroy You”
  • “Mare of Easttown”
  • “The Queen’s Gambit”
  • “The Underground Railroad”
  • “WandaVision”

Série de drama

  • ”The Boys”
  • “Bridgerton”
  • “The Crown”
  • “The Handmaid’s Tale”
  • “Lovecraft Country”
  • “The Mandalorian”
  • “Pose”
  • “This Is Us”

Série de comédia

  • ”Black-ish”
  • “Cobra Kai”
  • “Emily in Paris”
  • “Hacks”
  • “The Flight Attendant”
  • “The Kominsky Method”
  • “Pen15″
  • “Ted Lasso”

Programa especial de variedades (gravado)

  • “Bo Burnham: Inside”
  • “David Byrne’s American Utopia”
  • “8:46 – Dave Chappelle”
  • “Friends: The Reunion”
  • “Hamilton”
  • “A West Wing Special to Benefit When We All Vote”

Programa especial de variedades (ao vivo)

  • “Celebrating America – An Inauguration Night Special”
  • “The 63rd Annual Grammy Awards”
  • “The Oscars”
  • “The Pepsi Super Bowl LV Halftime Show Starring The Weeknd”
  • “Stephen Colbert’s Election Night 2020: Democracy’s Last Stand Building Back America Great Again Better 2020”

Ator em série de drama

  • Sterling K. Brown – “This Is Us”
  • Jonathan Majors – “Lovecraft Country”
  • Josh O’Connor – “The Crown”
  • Rege-Jean Page – “Bridgerton”
  • Billy Porter – “Pose”
  • Matthew Rhys – “Perry Mason”

Atriz em série de drama

  • Uzo Aduba – “In Treatment”
  • Olivia Colman – “The Crown”
  • Emma Corrin – “The Crown”
  • Elisabeth Moss – “The Handmaid’s Tale”
  • Mj Rodriguez – “Pose”
  • Jurnee Smollett – “Lovecraft Country”

Ator em minissérie ou filme para TV

  • Paul Bettany – “WandaVision”
  • Hugh Grant – “The Undoing”
  • Ewan McGregor – “Halston”
  • Lin-Manuel Miranda – “Hamilton”
  • Leslie Odom, Jr. – “Hamilton”

Atriz em minissérie ou filme para TV

  • Michaela Coel – “I May Destroy You”
  • Cynthia Erivo – “Genius: Aretha”
  • Elizabeth Olsen – “WandaVision”
  • Anya Taylor-Joy – “The Queen’s Gambit”
  • Kate Winslet – “Mare of Easttown”

Roteiro de minissérie, antologia ou filme para TV

  • Michaela Coel – “I May Destroy You”
  • Brad Ingelsby – “Mare of Easttown”
  • Scott Frank – “The Queen’s Gambit”
  • Chuck Hayward e Peter Cameron – WandaVision (“All-New Halloween Spooktacular!”)
  • Jac Schaeffer – “WandaVision” (“Filmed Before a Live Studio Audience”)
  • Laura Donney – “WandaVision” (“Previously On”)

Direção em minissérie, antologia ou filme para TV

  • Thomas Kail – “Hamilton”
  • Sam Miller e Michaela Coel – “I May Destroy You” (“Ego Death”)
  • Sam Miller – “I May Destroy You” (“Eyes Eyes Eyes Eyes”), Directed by (HBO)
  • Craig Zobel – “Mare of Easttown”
  • Scott Frank – “The Queen’s Gambit”
  • Barry Jenkins – “The Underground Railroad”
  • Matt Shakman – “WandaVision”

Programa de competição

  • “The Amazing Race”
  • “Nailed It!”
  • “RuPaul’s Drag Race”
  • “Top Chef”
  • “The Voice”

Ator em série de comédia

  • Anthony Anderson – “Black-ish”
  • Michael Douglas – “The Kominsky Method”
  • William H. Macy – “Shameless”
  • Jason Sudeikis – “Ted Lasso”
  • Kenan Thompson – “Kenan”

Atriz em série de comédia

  • Aidy Bryant – “Shrill”
  • Kaley Cuoco – “The Flight Attendant”
  • Allison Janney – “Mom”
  • Tracee Ellis Ross – “Black-ish”
  • Jean Smart – “Hacks”

Direção em série de comédia

  • James Burrows – “B Positive” (“Pilot”)
  • Susanna Fogel – “The Flight Attendant” (“In Case of Emergency”)
  • Lucia Aniello – “Hacks” (“There Is No Line”)
  • James Widdoes – “Mom” (“Scooby-Doo Checks and Salisbury Steak”)
  • Zach Braff – “Ted Lasso” (“Biscuits”)
  • MJ Delaney – “Ted Lasso” (“The Hope that Kills You”)
  • Declan Lowney – “Ted Lasso” (“Make Rebecca Great Again”)

Roteiro de série de comédia

  • Steve Yockey – “The Flight Attendant” (“In Case of Emergency”)
  • Meredith Scardino – “Girls5eva” (“Pilot”)
  • Lucia Aniello, Paul W. Downs e Jen Statsky – “Hacks” (“There Is No Line”)
  • Maya Erskine – “PEN15” (“Play”)
  • Joe Kelly, Brendan Hunt e Jason Sudeikis – “Ted Lasso” (“Make Rebecca Great Again”)
  • Jason Sudeikis, Bill Lawrence, Brendan Hunt e Joe Kelly – “Ted Lasso” (Pilot”)

Série de esquetes

  • “A Black Lady Sketch Show”
  • “Saturday Night Live”

Talk show

  • “Conan”
  • “The Daily Show with Trevor Noah”
  • “Jimmy Kimmel Live!”
  • “Last Week Tonight with John Oliver”
  • “The Late Show with Stephen Colbert”

Roteiro de programa de variedades

  • “The Amber Ruffin Show”
  • “A Black Lady Sketch Show”
  • “Last Week Tonight with John Oliver”
  • “The Late Show with Stephen Colbert”
  • “Saturday Night Live”

Ator coadjuvante em série de drama

  • Michael K. Williams – “Lovecraft Country”
  • John Lithgow – “Perry Mason”
  • Tobias Menzies – “The Crown”
  • O-T Fagbenle – “The Handmaid’s Tale”
  • Max Minghella – “The Handmaid’s Tale”
  • Bradley Whitford – “The Handmaid’s Tale”
  • Giancarlo Esposito – “The Mandalorian”
  • Chris Sullivan – “This Is Us”

Atriz coadjuvante em série de drama

  • Aunjanue Ellis – “Lovecraft Country”
  • Gillian Anderson – “The Crown”
  • Helena Bonham Carter – “The Crown”
  • Emerald Fennell – “The Crown”
  • Madeline Brewer – “The Handmaid’s Tale”
  • Ann Dowd – “The Handmaid’s Tale”
  • Yvonne Strahovski – “The Handmaid’s Tale”
  • Samira Wiley – “The Handmaid’s Tale”

Direção em série de drama

  • Julie Anne Robinson – “Bridgerton” (“Diamond of the First Water”)
  • Benjamin Caron – “The Crown” (“Fairytale”)
  • Jessica Hobbs – “The Crown” (“War”)
  • Liz Garbus – “The Handmaid’s Tale” (“The Wilderness”)
  • Jon Favreau – “The Mandalorian” (“Chapter 9: The Marshal”)
  • Steven Canals – “Pose” (“Series Finale”)

Roteiro de série de drama

  • Rebecca Sonnenshine – “The Boys” (“What I Know”)
  • Peter Morgan – “The Crown”
  • Yahlin Chang – “The Handmaid’s Tale” (“Home”)
  • Misha Green – “Lovecraft Country” (“Sundown”)
  • Dave Filoni – “The Mandalorian” (“Chapter 13: The Jedi”)
  • Jon Favreau – “The Mandalorian” (“Chapter 16: The Rescue”)
  • Steven Canals, Brad Falchuk, Our Lady J, Janet Mock, and Ryan Murphy – “Pose” (“Series Finale”)

Ator coadjuvante em minissérie ou filme para TV

  • Thomas Brodie-Sangster – “The Queen’s Gambit”
  • Daveed Diggs – “Hamilton”
  • Paapa Essiedu – “I May Destroy You”
  • Jonathan Groff – “Hamilton”
  • Evan Peters – “Mare of Easttown”
  • Anthony Ramos – “Hamilton”

Atriz coadjuvante em minissérie ou filme para TV

  • Renée Elise Goldsberry – “Hamilton”
  • Kathryn Hahn – “WandaVision”
  • Moses Ingram – “The Queen’s Gambit”
  • Julianne Nicholson – “Mare of Easttown”
  • Jean Smart – “Mare of Easttown”
  • Phillipa Soo – “Hamilton”

Ator coadjuvante em série de comédia

  • Carl Clemons-Hopkins – “Hacks”
  • Kenan Thompson – “SNL”
  • Bowen Yang – “SNL”
  • Brett Goldstein – “Ted Lasso”
  • Brendan Hunt – “Ted Lasso”
  • Nick Mohammed – “Ted Lasso”
  • Jeremy Swift – “Ted Lasso”
  • Paul Reiser – “The Kominsky Method”

Atriz coadjuvante em série de comédia

  • Hannah Einbinder -“Hacks”
  • Aidy Bryant – “SNL”
  • Kate McKinnon – “SNL”
  • Cecily Strong – “SNL”
  • Juno Temple – “Ted Lasso”
  • Hannah Waddingham – “Ted Lasso”
  • Rosie Perez – “The Flight Attendant”

HAPPENING, de AUDREY DIWAN, LEVA o LEÃO DE OURO em VENEZA

APESAR DE CONTAR COM GRANDES NOMES COMO ALMODÓVAR E SORRENTINO, A CINEASTA FRANCESA SE CONSAGRA ATRAVÉS DE JÚRI PRESIDIDO POR BONG JOON HO

Apesar das apostas para a 78ª edição do festival italiano se concentrarem em diretores consagrados presentes como Pedro Almodóvar, Jane Campion e Paolo Sorrentino, foi a jovem e pouco conhecida diretora francesa de 41 anos Audrey Diwan que conquistou o prêmio máximo de Veneza com seu segundo longa Happening (L’évenement), que logo aborda um tema tão polêmico como o aborto clandestino nos anos 60 na França.

Baseado no romance homônimo de Annie Ernaux, o filme acompanha o calvário de uma estudante que engravida e busca uma forma de realizar um aborto ilegal sem poder contar com a ajuda de amigos, professores, médicos e o próprio namorado. O retrato realista dessa saga rendeu comparações inevitáveis com o longa romeno 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias (2007), de Cristian Mungiu, e o recente Nunca Raramente Às Vezes Sempre (2020), de Eliza Hittman. E embora seja uma história que se passa há 60 anos, o tema continua muito atual.

A vitória de Audrey Diwan é apenas a 6ª de uma mulher (Margarethe Von Trotta (1981), Agnès Varda (1985), Mira Nair (2001), Sofia Coppola (2010) e Chloé Zhao (2020), a primeira consecutiva (logo após Chloé Zhao), e a primeira de um cineasta francês desde 1987 com Louis Malle. Vale lembrar que a francesa Julia Ducournau venceu a Palma de Ouro em Cannes este ano, concretizando uma ascensão feminina no cinema internacional.

Lembra dos diretores consagrados? Eles ficaram com os demais prêmios. Enquanto o Grande Prêmio do Júri foi para o diretor italiano Paolo Sorrentino por seu autobiográfico A Mão de Deus, numa clara referência aos tempos do jogador argentino Diego Maradona, o Prêmio de Direção foi para a neozelandesa Jane Campion por The Power of the Dog.

Almodóvar foi reconhecido através de sua atriz Penélope Cruz por Mães Paralelas, batendo a forte concorrência de Kristen Stewart (Spencer) e Olivia Colman (A Filha Perdida). Já o prêmio de interpretação masculina foi para o filipino John Arcilla por On the Job: The Missing 8. Esse reconhecimento de Cruz já vem elevando suas chances de conquistar uma 4ª indicação ao Oscar, ainda mais que existe cada vez menos preconceito com produções em língua estrangeira.

Falando em atriz, Maggie Gyllenhaal foi logo premiada pelo roteiro de seu primeiro filme, A Filha Perdida, adaptação do romance da italiana Elena Ferrante.

Confira todos os vencedores da 78ª edição do Festival de Veneza:

COMPETIÇÃO

LEÃO DE OURO
“Happening,” Audrey Diwan

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
“The Hand of God,” Paolo Sorrentino

DIREÇÃO
“The Power of the Dog,” Jane Campion

ATRIZ
“Parallel Mothers,” Penélope Cruz

ATOR
“On the Job: The Missing 8,” John Arcilla

ROTEIRO
“The Lost Daughter,” Maggie Gyllenhaal

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
“Il Buco,” Michelangelo Frammartino

PRÊMIO MARCELLO MASTROIANNI
“The Hand of God,” Filippo Scotti

ORIZZONTI AWARDS

Melhor Filme
“Pilgrims,” Laurynas Bareisa

Melhor Diretor
“Full Time,” Eric Gravel

Prêmio Especial do Júri
“El Gran Movimiento,” Kiro Russo

Melhor Atriz
“Full Time,” Laure Calamy

Melhor Ator
“White Building,” Piseth Chhun

Melhor Roteiro
“107 Mothers,” Ivan Ostrochovský, Peter Kerekes

Melhor Curta-Metragem
“Los Huesos,” Cristóbal León, Joaquín Cociña

LUIGI DE LAURENTIIS AWARD

Melhor Filme de Estreante
“Imaculat,” Monica Stan, George Chiper-Lillemark

VENICE VR EXPANDED AWARDS

Grande Prêmio do Júri por Melhor Filme de RV
“Goliath: Playing With Reality,” Barry Gene Murphy, May Abdalla

Melhor Experiência RV
“Le Bal de Paris de Blanca Li,” Blanca Li

Melhor História RV 

“End of Night,” David Adler

ORIZZONTI EXTRA

Armani Beauty Audience Award: “The Blind Man Who Did Not Want to See Titanic,” Teemu Nikki

CAMPION, ALMODÓVAR e SORRENTINO na DISPUTA pelo LEÃO DE OURO. ‘DUNA’ e ‘O ÚLTIMO DUELO’ COMPETEM por FORA

Benedict Cumberbatch em The Power of the Dog

FESTIVAL ITALIANO PROCURA REPETIR PRÉVIA DO OSCAR DAS ÚLTIMAS EDIÇÕES

Logo após o término de um prorrogado Festival de Cannes, o festival de cinema mais tradicional de todos acaba de divulgar seus filmes selecionados da sua 78ª edição. Para quem não se recorda, nos últimos quatro anos, Veneza premiou dois vencedores do Oscar de Melhor Filme: Nomadland e A Forma da Água, e dois fortes indicados: Coringa e Roma. Pelo calendário, Veneza divide as atenções com o Festival de Toronto, mas não há dúvidas que tem se tornado um ótimo chamariz para estúdios lançarem seus filmes e iniciarem a temporada de premiações.

Contudo, apesar de um boa seleção oficial, filmes altamente aguardados como Duna, de Denis Villeneuve, O Último Duelo, de Ridley Scott, e Last Night in Soho, de Edgar Wright, serão exibidos fora de competição. Teria sido alguma ordem dos estúdios, dos realizadores ou simplesmente não qualificaram para a disputa principal pelo Leão de Ouro?

Já dentre os filmes na competição oficial, Pedro Almodóvar abre o festival com Parallel Mothers, teremos também a neozelandesa Jane Campion com The Power of the Dog, Paul Schrader com uma história de vingança The Card Counter, Paolo Sorrentino com The Hand of God, Michael Franco (que venceu o Grande Prêmio do Júri no ano passado por New Order) com Sundown, o retorno do único venezuelano vencedor do Leão de Ouro Lorenzo Vigas com La Caja, a estreia na direção da atriz Maggie Gyllenhaal com The Lost Daughter, adaptação do romance de Elena Ferrante, e a iraniana-americana Ana Lily Amirpour, conhecida por Garota Sombria Caminha Pela Noite, com Mona Lisa and the Blood Moon.

Obviamente, há nomes de atores conhecidos nessas produções que podem levar o Volpi Cup de interpretação. Pelo filme de Gyllenhaal, temos “só” Olivia Colman, Ed Harris, Jessie Buckley e Peter Sarsgaard, enquanto pelo filme de Campion, Benedict Cumberbatch, Kirsten Dunst e Jesse Plemons. A disputa entre as atrizes também ganha os nomes de Penélope Cruz (que compete por Parallel Mothers, de Almodóvar, e Official Competition, da dupla Mariano Cohn e Gastón Duprat), e Kristen Stewart que viveu a Princesa Diana em Spencer, de Pablo Larraín.

Assim como em Cannes, haverá uma mostra paralela intitulada Horizontes Extra, que tem o intuito de acolher mais produções que sofreram com a pandemia e perderam espaço em festivais. Aliás, é nessa mostra que está o único representante do Brasil: 7 Prisioneiros, de Alexandre Moratto, filme sobre tráfico humano com Rodrigo Santoro e Christian Malheiros, que disputou o Independent Spirit Award de Melhor Ator por Sócrates em 2019.

Vale lembrar que este ano, Veneza concederá um Leão de Ouro Honorário pela carreira dos atores Jamie Lee Curtis, que estrela o novo Halloween Kills, que será exibido fora de competição, e Roberto Benigni, que recentemente foi Gepeto na nova adaptação de Pinóquio.

A 78ª edição do Festival de Veneza começa no dia 1º de Setembro e termina no dia 11. O júri será presidido pelo diretor de Parasita, Bong Joon Ho, que contará também com Chloé Zhao (atual vencedora do Oscar e Leão de Ouro por Nomadland), a atriz Virginie Efira (Benedetta), Cynthia Erivo (Harriet), atriz e produtora canadense Sarah Gadon (O Homem Duplicado), o diretor italiano Saverio Costanzo (Hungry Hearts) e documentarista romeno Alexander Nanau, recém-indicado ao Oscar por Collective.

Confira a seleção completa de Veneza:

COMPETIÇÃO

Parallel Mothers, Pedro Almodovar (Espanha) – FILME DE ABERTURA
Mona Lisa and the Blood Moon, Ana Lily Amirpour (EUA)
Un Autre Monde, Stephane Brizé (França)
The Power of the Dog, Jane Campion (Nova Zelândia, Austrália)
America Latina, Damiano D’Innocenzo, Fabio D’Innocenzo (Itália, França)
L’Evenement, Audrey Diwan (França)
Official Competition, Gaston Depart, Mariano Cohn (Espanha, Argentina)
Il Buco, Michelangelo Frammartino (Itália, France, Alemanha)
Sundown, Michel Franco (México, França, Suécia)
Lost Illusions, Xavier Giannoli (França)
The Lost Daughter, Maggie Gyllenhaal (Grécia, EUA, Reino Unido, Israel)
Spencer, Pablo Larrain (Alemanha, Reino Unido)
Freaks Out, Gabriele Mainetti (Itália, Bélgica)
Qui Rido Io, Mario Martone (Itália, Espanha)
On The Job: The Missing 8, Eric Matti (Filipinas)
Leave No Traces, Jan P. Matuszyski (Polônia, França, República Tcheca)
Captain Volkonogov Escaped, Yuriy Borisov (Rússia, Estônia, França)
The Card Counter, Paul Schrader (EUA, Reino Unido, China)
The Hand of God, Paolo Sorrentino (Itália)
Reflection, Valentin Vasyanovych (Ucrânia)
La Caja, Lorenzo Vigas (México, EUA)

FORA DE COMPETIÇÃO – Ficção

Il Bambino Nascosto, Roberto Andò (Itália) – FILME DE ENCERRAMENTO
Les Choses Humaines, Yvan Attal (França)
Ariaferma, Leonardo Di Costanzo (Itália, Suíça)
Halloween Kills, David Gordon Green (EUA)
La Scuola Cattolica, Stefano Mordini (Itália)
Old Henry, Potsy Ponciroli (EUA)
The Last Duel, Ridley Scott (EUA, Reino Unido)
Dune, Denis Villeneuve (EUA, Hungria, Jordânia, Emirados Árabes, Noruega, Canadá)
Last Night in Soho, Edgar Wright (Reino Unido)

FORA DE COMPETIÇÃO – Não-Ficção

Life of Crime 1984-2020, Jon Albert (EUA)
Tranchées, Loup Bureau (França)
Viaggio Nel Crepuscolo, Augusto Contento (França, Itália)
Republic of Silence, Diana El Jeiroudi (Alemanha, França, Síria, Catar)
Hallelujah: Leonard Cohen, A Journey, A Song, Daniel Geller, Dayna Goldfine (EUA)
DeAndré#Deandré Storia di un Impiegato, Roberta Lena (Itália)
Django & Django, Luca Rea (Itália)
Ezio Bosso. Le Cose Che Restano, Giorgio Verdelli (Itália)

FORA DE COMPETIÇÃO – Série de TV

“Scenes From a Marriage” (episodes 1-5), Hagai Levi (EUA)

HORIZONTES

Les Promesses, Thomas Kruithof (França) – FILME DE ABERTURA
Atlantide, Yuri Ancarani (Itália, França, EUA, Catar)
Miracle Bogdan George Apetri (Romênia, República Tcheca, Letônia)
Pilgrims, Laurynas Bareisa (Lituânia)
The Peackock’s Paradise, Laura Bispuri (Itália, Alemanha)
The Falls, Chung Mong-Hong (Taiwan)
El Hoyo En La Cerca, Joachin Del Paso (México, Polônia)
Amira, Mohamed Diab (Egito, Jordânia, Emirados Árabes, Arábia Saudita)
A Plein Temps, Eric Gravel (França)
107 Mothers, Peter Kerkekes (Eslovênia, República Tcheca, Ucrânia)
Vera Dreams of the Sea, Kaltrina Krasniqi (Albânia, Macedônia do Norte)
White Building, Kavich Neang (Camboja, França, China, Catar)
Anatomy of Time, Jakrawal Nilthamrong (Tailândia, França, Holanda, Singapura, Alemanha)
El Otro Tom, Rodrigo Pla, Laura Santullo (México, EUA)
El Gran Movimiento, Kiro Russo (Bolívia, França, Catar, Suíça)
Once Upon a Time in Calcutta, Adita Vikram Sengupta (Índia, França, Noruega)
Rhino, Oleg Sentsov (Ucrânia, Polônia, Alemanha)
True Things, Harry Wootliff (Reino Unido)
Inu-Oh, Yuasa Masaaki (Japão, China)

HORIZONTES EXTRA

Land of Dreams, Shirin Neshat, Shoja Azari (EUA, Alemanha, Catar) — FILME DE ABERTURA
Costa Brava, Mounia Akl (Líbano, França, Espanha, Suécia, Dinamarca, Noruega, Catar)
Mama, I’m Home, Vladimir Bitokov (Rússia)
Ma Nuit, Antoinette Boulot (França, Bélgica)
La Ragazza Ha Volato, Wilma Labate (Itália, Eslovênia)
7 Prisoners, Alexandre Moratto (Brasil)
The Blind Man Who Did Not Want to See Titanic, Teemu Nikki (Finlândia)
La Macchina Delle Immagini di Alfredo C, Roland Sejko (Itália)

JULIA DUCOURNAU SE TORNA a 2ª MULHER a LEVAR a PALMA DE OURO com ‘TITANE’

French director Julia Ducournau poses on stage with the Palme d'Or for her film "Titane".
Julia Ducournau com Palma de Ouro (pic by Valéry Hache, AFP)

CONHECIDA POR FILME ‘GRAVE’ (2016), CINEASTA FRANCESA CONQUISTA JÚRI PRESIDIDO POR SPIKE LEE

Adiada em 2 meses devido à pandemia, a 74ª edição do Festival de Cannes fez história ao premiar a segunda diretora feminina com a Palma de Ouro em toda sua história. A primeira e única vencedora até então havia sido a neozelandesa Jane Campion em 1993 por O Piano. Vale lembrar que o fato do júri ter sido composto por maioria feminina foi fundamental para esta histórica vitória também.

Em seu primeiro filme, Grave, uma estudante vegetariana de medicina veterinária passa por mudanças comportamentais após digerir um órgão de um coelho como trote de colegas. Já neste segundo longa, Julia mistura os gêneros comédia, drama, suspense e ficção científica numa história sobre uma mulher que passa a sentir atração sexual por carros após um acidente de infância. Apesar da trama lembrar o chocante Crash – Estranhos Prazeres (1996), de David Cronenberg, o filme dela ainda trata de troca de gêneros e um reencontro de um pai com seu filho após dez anos.

Na cerimônia de premiação, Spike Lee acabou anunciando o vencedor da Palma de Ouro antes de tudo, quebrando uma longa tradição. Mas sua gafe não afetou o bom andamento do evento, e ainda gerou uma energia incrivelmente imprevisível para saber quais filmes ainda seriam premiados e ouvir o discurso de agradecimento de Ducournau, que confessou que assistia à premiação todos os anos quando mais jovem: “Naquela época, eu tinha certeza que todos os filmes que eram premiados deveriam ser perfeitos. E hoje, eu estou nessa posição, mas sei que meu filme não é perfeito – mas acho que nenhum filme é perfeito aos olhos de quem o realizou”. Ela ainda agradeceu ao júri pela mente aberta, já que se trata de um filme sobre identidade de gênero também.

Com altas expectativas para uma possível segunda Palma de Ouro, o filme Memoria, do tailandês Apichatpong Weerasethakul acabou ficando apenas com o Prêmio do Júri (uma espécie de 3º lugar), empatado ainda com Ahed’s Knee, de Nadav Lapid. Outro empate ficou na categoria de Grande Prêmio do Júri (considerado o 2º lugar) entre A Hero, do iraniano Asghar Farhadi (que pode ganhar um 3º Oscar depois de A Separação e O Apartamento) e Compartment No. 6, do finalndês Juho Kuosmanen.

Nas categorias de atuação, o americano Caleb Landry Jones (conhecido por Três Anúncios Para um Crime, X-Men: Primeira Classe e Corra!) levou Melhor Interpretação Masculina ao viver o responsável por um massacre ocorrido em na Austrália em 1996 no filme Nitram, enquanto a norueguesa Renate Reinsve foi reconhecida por The Worst Person in the World, que vive uma jovem indecisa sobre seus interesses amorosos, carreira e família.

O controverso Leos Carax, que abriu o evento com Annette, acabou levando o prêmio de Direção. Esta é a terceira vez que o diretor foi indicada à Palma de Ouro, e este é o maior prêmio que já conquistou pelo festival. Havia uma expectativa de que seus protagonistas pudessem levar prêmios de intepretação, mas Adam Driver e Marion Cotillard tiveram que se contentar com o reconhecimento do diretor. Já na categoria de Roteiro, o japonês Ryûsuke Hamaguchi foi reconhecido por sua adaptação de um conto de Haruki Murakami em seu filme Drive My Car. Em 2018, ele disputou a Palma de Ouro pelo ótimo Asako I & II.

Dentre os filmes que não levaram prêmios, destaque para o novo e polêmico filme de Paul Verhoeven, Benedetta, sobre uma relação lésbica entre freiras de um convento, e Red Rocket, de Sean Baker. Embora tivessem recebido boas críticas, não parecem ter o perfil de filmes que agradariam Spike Lee.

Concorrendo com dois curtas-metragens, o Brasil ficou com o prêmio de Menção Honrosa por Céu de Agosto, de Jasmin Tenucci, sobre uma grávida que frequenta igreja e sofre com as queimadas de sua região.

Confira todos os vencedores desta 74ª edição de Cannes:

COMPETIÇÃO OFICIAL

Palma de Ouro: “Titane”

Grande Prêmio do Júri (EMPATE):: Asghar Farhadi, “A Hero” E Juho Kuosmanen’s “Compartment No. 6”

Direção: Leos Carax, “Annette”

Ator: Caleb Landry Jones, “Nitram”

Atriz:  Renate Reinsve, “The Worst Person in the World”

Prêmio do Júri (EMPATE): Nadav Lapid “Ahed’s Knee” E Apichatpong Weerasethakul’s “Memoria”

Roteiro: Ryûsuke Hamaguchi, ”Drive My Car”

OUTROS PRÊMIOS

Camera d’Or: ”Murina,” Antoneta Alamat Kusijanović

Palma de Ouro Curta: “All the Crows in the World,” Tang Yi

Short Films Special Mention: “August Sky,” Jasmin Tenucci

Queer Palm: “The Divide”

UN CERTAIN REGARD

Un Certain Regard Award: “Unclenching the Fists,” Kira Kovalenko

Jury Prize: “Great Freedom,” Sebastian Meise

Prize for Ensemble Performance: “Bonne Mere,” Hafsia Herzi

Prize for Courage: “La Civil,” Teodora Ana Mihai

Prize for Originality: “Lamb,” Valdimar Johannsson

Special Mention: “Prayers for the Stolen,” Tatiana Huezo

DIRECTORS’ FORTNIGHT

Europa Cinemas Label: “A Chiara,” Jonas Carpignano

Society of Dramatic Authors and Composers Prize: “Magnetic Beats,” Vincent Maël Cardona

CRITICS’ WEEK

Nespresso Grand Prize: “Feathers,” Omar El Zohairy

Society of Dramatic Authors and Composers Prize: Elie Grappe and Raphaëlle Desplechin, “Olga”

GAN Foundation Award for Distribution: Elie Grappe and Raphaëlle Desplechin, “Zero Fucks Given”

Louis Roederer Foundation Rising Star Award: Sandra Melissa Torres, “Amparo”

CINÉFONDATION

First Prize: “The Salamander Child,” Theo Degen

Second Prize: “Salamander,” Yoon Daewoon

Third Prize — TIE: “Love Stories on the Move”, Carina-Gabriela Dasoveanu AND “Cantareira,” Rodrigo Ribeyro

SELEÇÃO OFICIAL do RETORNO do FESTIVAL DE CANNES!

FESTIVAL INTERNACIONAL RETORNA APÓS HIATO PANDÊMICO

Dentre todos os festivais mais famosos, Cannes foi o mais prejudicado pela pandemia, pois foi o único que teve que cancelar sua edição anterior. Por esse motivo, o diretor artístico Thierry Frémaux caprichou na seleção desta edição e se mostrou bastante animado para revelá-la.

Além de nomes consagrados como Wes Anderson, Leos Carax, Sean Baker, Asghar Farhadi e Paul Verhoeven, temos o retorno de vencedores da Palma de Ouro: Jacques Audiard, Nanni Moretti e Apichatpong Weerasethakul. Além disso, novamente temos presença de quatro diretoras na competição, recorde igual a de 2019: a húngara Ildikó Enyedi, as francesas Julia Ducornau, Mia Hansen-Løve e Catherine Corsini.

Apesar do retorno gradual do público aos cinemas nos EUA devido à vacinação avançada, a Europa ainda vive uma incerteza em relação ao Covid com a chegada de novas variantes, por isso Fremaux teve de adiar o festival em dois meses (de Maio para Julho), organizar tudo de acordo com medidas sanitárias e convencer os cineastas consagrados a cederem seus filmes para exibição.

É possível que muitos atores de Hollywood (como o elenco do novo filme de Wes Anderson, The French Dispatch) marquem presença na França, pois muitos já devem ter se vacinado, então é bem possível que tenhamos Tilda Swinton, Timothée Chalamet e Bill Murray no tapete vermelho de Cannes. Nesta edição, além das tradicionais mostras Un Certain Regard, Fora de Competição e Midnight Screenings, Fremaux também criou uma nova seção intitulada Cannes Premiere, que seria um espaço para que outros autores tenham um local seguro para exibirem seus novos filmes fora da competição, aproveitando projetos que ficaram na fila por causa da pandemia.

Cannes deve estar muito excitada com o retorno do festival, pois seus organizadores apoiam o tradicional sistema de salas de cinema e a ampla janela de 90 dias para a chegada dos filmes via streaming ou locação, algo completamente oposto ao sistema da Netflix e companhia que lançou novos filmes diretamente na plataforma digital e normalizaram seu método durante a pandemia. Melhor para o Festival de Veneza, que recebe os filmes da Netflix e Amazon de braços abertos e tem se tornado novo parâmetro dos filmes do Oscar seguinte, como tem acontecido com os vencedores do Leão de Ouro: A Forma da Água, Coringa e Nomadland.

Sobre a competição, os filmes selecionados são bastante promissores como os novos filmes de Sean Baker e Leos Carax. Seria bacana uma das quatro diretoras ganhar, pois seria o segundo filme dirigido por uma mulher a vencer a Palma de Ouro depois de O Piano em 1993. Mas particularmente, gostaria muito que o holandês Paul Verhoeven saísse com o prêmio pelo filme com freiras, e aumentasse suas chances de finalmente levar um Oscar, principalmente depois daquele absurdo de Elle sequer ter sido indicado ao Oscar de Filme em Língua Estrangeira em 2017. MAS… o presidente do júri será o diretor Spike Lee, que deve valorizar questões raciais nas produções.

Destaque para o único brasileiro nesta edição: Karim Aïnouz, que venceu o prêmio Un Certain Regard em 2019 por A Vida Invisível. Ele retorna com O Marinheiro das Montanhas, um diário de viagem da primeira visita do diretor à Argélia, país que seu pai nasceu. O filme será exibido na mostra de Sessões Especiais.

COMPETIÇÃO OFICIAL (PALMA DE OURO)

“Ahed’s Knee” OR “Ha’berech,” Nadav Lapid (Israel)

“Annette,” Leos Carax (França) — FILME DE ABERTURA

“Benedetta,” Paul Verhoeven (Holanda)

“Bergman Island,” Mia Hansen-Løve (França)

“Casablanca Beats,” Nabil Ayouch (Marrocos)

“Compartment No. 6” OR “Hytti Nro 6,” Juho Kuosmanen (Finlândia)

“Drive My Car,” Ryûsuke Hamaguchi (França)

“Everything Went Fine” OR “Tout s’est bien passé,” Francois Ozon (França)

“Flag Day,” Sean Penn (EUA)

“France,” Bruno Dumont (França)

“The French Dispatch,” Wes Anderson (EUA)

“A Hero,” Asghar Farhadi (Irã)

“La fracture,” Catherine Corsini (França)

“Lingui,” Mahamat-Saleh Haroun (Chad)

“Memoria,” Apichatpong Weerasethakul (Tailândia)

“Nitram,” Justin Kurzel (Austrália)

“Paris, 13th District” OR “Les Olympiades,” Jacques Audiard (França)

“Petrov’s Flu,” Kirill Serebrennikov (Rússia)

“Red Rocket,” Sean Baker (EUA)

“The Restless” OR “Les Intranquilles,” Joachim Lafosse (Bélgica)

“The Story of My Wife,” Ildikó Enyedi (Hungria)

“Three Floors” OR “Tre Piani,” Nanni Moretti (Itália)

“Titane,” Julia Ducournau (França)

“The Worst Person in the World,” Joachim Trier (Noruega)

UN CERTAIN REGARD

“After Yang,” Kogonada (EUA)

“Blue Bayou,” Justin Chon (EUA)

“Bonne Mère,” Hafsia Herzi (França)

“Commitment Hasan,” Hasan Semih Kaplanoglu (Turquia)

“Freda,” Gessica Généus (Haiti)

“Gaey Wa’r,” Na Jiazuo (China)

“Great Freedom,” Sebastian Meise (Áustria)

“House Arrest” OR “Delo,” Alexey German Jr. (Rússia)

“The Innocents,” Eskil Vogt (Noruega)

“La Civil,” Teodora Ana Mihai (Romênia-Bélgica)

“Lamb,” Valdimar Jóhansson (Islândia)

“Let There Be Morning,” Eran Kolirin (Israel)

“Moneyboys,“ C.B. Yi (Áustria)

“Noche de Fuego,” Tatiana Huezo (México)

“Rehana Maryam Noor,” Abdullah Mohammad Saad (Bangladesh)

“Unclenching the Fists,” Kira Kovalenko (Rússia)

“Un Monde,” Laura Wandel (Bélgica)

“Women Do Cry,” Mina Mileva and Vesela Kazakova (Bulgária)

FORA DE COMPETIÇÃO

“Aline, the Voice of Love,” Valerie Lemercier (França)

“Bac Nord,” Cédric Jimenez (França)

“Emergency Declaration,” Han Jae-Rim (Coréia do Sul)

“Peaceful” OR “De son vivant,” Emmanuelle Bercot (França)

“Stillwater,” Tom McCarthy (EUA)

“The Velvet Underground,” Todd Haynes (EUA)

MIDNIGHT SCREENINGS

“Bloody Oranges,” Jean-Christophe Meurisse (França)

SPECIAL SCREENINGS

“Babi Yar. Context,” Sergei Loznitsa (Ucrânia)

“Black Notebooks,” Shlomi Elkabetz (Israel)

“H6,” Yé Yé (França)

“Mariner of the mountains” OR “O Marinheiro das Montanhas,” Karim Aïnouz (Brasil)

“The Year of the Everlasting Storm,” Jafar Panahi (Irã), Anthony Chen (Singapura), Malik Vitthal (EUA), Laura Poitras (EUA), Dominga Sotomayor (Chile), David Lowery (EUA) and Apichatpong Weerasethakul (Tailândia)

CANNES PREMIERE

“Cow,” Andrea Arnold (Reino Unido)

“Deception” OR “Tromperie,” Arnaud Desplechin (França)

“Evolution,” Kornél Mundruczo (Hungria)

“Hold Me Tight,” Mathieu Almaric (França)

“In Front of Your Face,” Hong Sang-soo (Coréia do Sul)

“Jane by Charlotte,” Charlotte Gainsbourg (França)

“JFK Revisted: Through the Looking Glass,” Oliver Stone (EUA)

“Mothering Sunday,” Eva Husson (França)

“This Music Is Playing for No One,” Samuel Benchetrit (França)

“Val,” Ting Poo e Leo Scott (EUA)

‘PARA TODOS OS GAROTOS: AGORA E PARA SEMPRE’ e SÉRIE ‘WANDAVISION’ SÃO PREMIADOS no MTV MOVIE e TV AWARDS

FILME DA NETFLIX E SÉRIE DA DISNEY PLUS SÃO OS GRANDES VENCEDORES DESTA EDIÇÃO

Se você pertence a uma geração que viu grandes filmes como O Exterminador do Futuro 2, Pulp Fiction e Seven serem premiados no MTV Movie Awards nos anos 90, é provável que haja um certo estranhamento ao ver produções mais padronizadas serem reconhecidas. Já para a geração que viu os filmes da saga Crepúsculo saírem premiadas na MTV, pouca coisa mudou.

Desde 2017, o prêmio passou a reconhecer as várias produções televisivas e de streaming entre os filmes, o que foi um acerto grande, pois o público jovem não mais consumia filmes como antes e passou a preferir maratonar séries. Num ano de pandemia e quarentena, seria natural que as séries predominassem a edição 2021. Tanto Para Todos os Garotos quanto WandaVision são frutos das plataformas de streaming da Netflix e da Disney Plus, respectivamente.

As séries da Marvel Studios foram as maiores vencedoras. Enquanto WandaVision acumulou 4 baldinhos de pipoca dourada, Falcão e o Soldado Invernal ficou com 2 prêmios, confirmando um acerto também do estúdio, que estendeu seu universo cinematográfico às séries na hora certa (da pandemia). Particularmente, não acompanho séries, mas vi essas duas por serem da Marvel. Valeu a pena só pra matar saudade dos personagens, mas ainda estão aquém dos filmes. Achei um absurdo premiarem a luta entre Wanda e Agatha como a Melhor Luta, pois são duas pessoas voando e jogando feitiços de computação gráfica uma contra a outra durante 40 minutos. Por que não premiaram a série Cobra Kai, que teve lutas coreografadas? Somos a favor da democracia do voto, mas muitas vezes é difícil entender esse público.

Sobre os indicados ao Oscar no MTV Movie Awards, acho bacana a vitória de Chadwick Boseman, que perdeu o Oscar (de forma justa) para Sir Anthony Hopkins, mas você consegue acreditar que o mesmo público que votou em Para Todos os Garotos e Barraca do Beijo 2 também votou para Boseman? E mesmo se votaram, é quase certeza de que nem viram o filme A Voz Suprema do Blues, votando simplesmente pelo nome, fama e morte precoce. E como explicar o voto para Leslie Jones como melhor atuação em comédia por Um Príncipe em Nova York 2? Essa sequência do filme de 1988 é no mínimo medíocre.

Claro que não dá pra cobrar do voto popular, ainda mais num prêmio jovem. De um lado, fico decepcionado por perderem a oportunidade de elevarem o patamar do MTV Movie Awards, pois era um prêmio que acolhia e reconhecia filmes bons e ousados que a Academia não tinha coragem de premiar, mas por outro lado, é preciso entender que o prêmio é mais um instrumento para medir a repercussão das produções em seu público-alvo. E se for pra se basear nisso, o império da Marvel Studios deve reinar facilmente a indústria por pelo menos mais uma década.

Confira vídeo da compilação dos discursos de agradecimentos do canal da MTV abaixo:

Veja lista dos vencedores do MTV Movie & TV Awards:

MELHOR SÉRIE
* WandaVision
– Bridgerton
– Cobra Kai
– Emily in Paris
– The Boys

MELHOR FILME
* Para Todos os Garotos: Agora e Para Sempre (To All the Boys: Always and Forever)

– Borat: Fita de Cinema Seguinte
– Judas e o Messias Negro
– Bela Vingança
– Soul

MELHOR ATUAÇÃO EM FILME
* Chadwick Boseman (A Voz Suprema do Blues)

– Carey Mulligan (Bela Vingança)
– Daniel Kaluuya (Judas e o Messias Negro)
– Sacha Baron Cohen (Os 7 de Chicago)
– Zendaya (Malcolm & Marie)

MELHOR MOMENTO MUSICAL
* “Edge of Great” (Julie and the Phantoms)

– “Brown Skin Girl” (Black is King)
– “Wildest Dreams” (Bridgerton)
– “I Wanna Rock” (Cobra Kai)
– “Stand by Me” (Amor e Monstros)
– “Lost in the Wild” (A Barraca do Beijo 2)
– “Beginning, Middle, End” (Para Todos os Garotos: Agora e Para Sempre)
– “Agatha All Along” (WandaVision)

MELHOR ATUAÇÃO ASSUSTADORA
* Victoria Pedretti (The Haunting of Bly Manor)
– Jurnee Smollett (Lovecraft Country)
– Elisabeth Moss (O Homem Invisível)
– Simona Brown (Behind Her Eyes)
– Vince Vaughn (Freaky – No Corpo de um Assassino)

MELHOR VILÃO
* Kathryn Hahn (WandaVision)
– Aya Cash (The Boys)
– Ewan McGregor (Aves de Rapina)
– Giancarlo Esposito (The Mandalorian)
– Nicholas Hoult (The Great)

MELHOR DUPLA
* Anthony Mackie & Sebastian Stan (Falcão e o Soldado Invernal)

– Kristen Wiig e Annie Mumolo (Barb & Star Go To Vista Del Mar)
– Pedro Pascal e “Grogu” (The Mandalorian)
– Lily Collins e Mindy Chen (Emily in Paris)
– Sacha Baron Cohen e Maria Bakalova (Borat: Fita de Cinema Seguinte)

MELHOR LUTA
* Wanda vs. Agatha (WandaVision)

– Final Funhouse Fight (Aves de Rapina)
– Finale House Fight (Cobra Kai)
– Starlight, Queen Maeve, Kimiko vs. Stormfront (The Boys)
– Final Fight vs. Steppenwolf (Liga da Justiça – Snyder Cut)

MELHOR ATUAÇÃO DE COMÉDIA
*
Leslie Jones (Um Príncipe em Nova York 2)
– Annie Murphy (Schitt’s Creek)
– Eric Andre (Bad Trip)
– Issa Rae (Insecure)
– Jason Sudeikis (Ted Lasso)

MELHOR BEIJO
* Chase Stokes & Madelyn Cline (Outer Banks
)
– Jodie Comer & Sandra Oh (Killing Eve)
– Lily Collins & Lucas Bravo (Emily in Paris)
– Maitreyi Ramakrishnan & Jaren Lewison (Never Have I Ever)
– Regé-Jean Page & Phoebe Dynevor (Bridgerton)

MELHOR ATUAÇÃO REVELAÇÃO
* Regé-Jean Page (Bridgerton)

– Antonia Gentry (Ginny & Georgia)
– Ashley Park (Emily in Paris)
– Maria Bakalova (Borat: Fita de Cinema Seguinte)
– Paul Mescal (Normal People)

MELHOR ATUAÇÃO EM SÉRIE
* Elizabeth Olsen (WandaVision)

– Anya Taylor-Joy (The Queen’s Gambit)
– Elliot Page (The Umbrella Academy)
– Emma Corrin (The Crown)
– Michaela Coel (I May Destroy You)

MELHOR HERÓI
*
Anthony Mackie (Falcão e o Soldado Invernal)
– Gal Gadot (Mulher-Maravilha 1984)
– Jack Quaid (The Boys)
– Pedro Pascal (The Mandalorian)
– Teyonah Parris (WandaVision)

COMEDIC GENIUS AWARD
Sacha Baron Cohen

MTV GENERATION AWARD
Scarlett Johansson

‘NOMADLAND’ CONQUISTA os OSCARS de MELHOR FILME, DIREÇÃO e ATRIZ!

CERIMÔNIA MAIS CONTIDA PELA PANDEMIA FUNCIONA, MAS DISCURSOS LONGOS NÃO AJUDAM

Havia uma expectativa enorme em torna desta 93ª cerimônia do Oscar, afinal existia um sério risco do evento sequer acontecer por causa da pandemia. Apesar da vacinação nos EUA estar bem avançada, seria necessário respeitar uma série de protocolos sanitários para garantir o bem estar de todos os envolvidos. A organização do Oscar não queria uma cerimônia como as demais premiações anteriores, formada por reuniões virtuais de Zoom, por isso fizeram todo o possível para criar um ambiente seguro para os convidados. Apesar do capricho do evento, nem todos os indicados puderam comparecer, mas montaram toda uma estrutura profissional em várias localidades no mundo como Londres, Paris e Roma para que houvesse a participação de todos.

A Union Station, que também fica em Los Angeles, ofereceu um clima aconchegante para a cerimônia. Os convidados presentes pareciam bem confortáveis em seus assentos. Quando subiam ao palco, não havia sequer a pessoa encarregada de entregar o prêmio para evitar contato, então puseram a estatueta numa espécie de pódio para o vencedor retirar. Aliás, era sempre uma única estatueta no pódio, independente do número de vencedores da categoria. Particularmente, senti falta de uma orquestra que sempre torna tudo muito marcante e glorioso, mas é compreensível a presença do DJ Questlove.

Falando em música, todas as cinco canções indicadas foram pré-gravadas e exibidas antes do início da cerimônia, mais precisamente durante as entrevistas no tapete vermelho. Já que reclamam sempre do excesso de tempo, resolveram antecipar as performances musicais. Foi uma ótima ideia que permitiu a gravação de “Husavik” direto da Islândia. Contudo, esse ganho de tempo não se converteu bem nos discursos de agradecimento que foram quase todos muito longos. Como não havia a tradicional orquestra para cortar os discursos, os vencedores abraçavam o microfone e não queriam largar mais! Aliás, de uma forma geral, os discursos foram muito politicamente corretos, protocolares e até meio robóticos, passando longe daqueles discursos super animados que extravasam a alegria do momento.

Fiquei na maior expectativa do discurso da Frances McDormand porque o último dela em 2018 foi fenomenal, mas ela foi bem mais contida, muito provavelmente porque já havia discursado poucos minutos antes com a vitória de Melhor Filme. Então, o melhor da noite foi da Yuh-Jung Youn, que venceu Atriz Coadjuvante por Minari. Conhecida por ser bem sincera, ela passou a autenticidade que a cerimônia precisava. Apesar de longo, dá pra incluir o lado emotivo do discurso de THOMAS VINTERBERG ao mencionar a morte prematura de sua filha num atropelamento causado por um motorista usando celular ao volante. E o melhor momento da noite foi quando GLENN CLOSE, 74 anos, levantou-se para rebolar ao vivo ao som de um hip hop.

NÚMEROS DO OSCAR

Em termos de estúdio, a NETFLIX foi a grande vencedora da edição com 7 estatuetas: 2 para MANK, 2 para A VOZ SUPREMA DO BLUES, 1 para PROFESSOR POLVO, 1 para COLETTE e 1 para SE ALGO ACONTECER… TE AMO. Bem mais atrás ficou a WARNER, que levou 3 prêmios: 2 por JUDAS E O MESSIAS NEGRO e 1 por TENET. Empatados com 2 vitórias cada, tivemos a AMAZON (2 por O SOM DO SILÊNCIO), DISNEY (2 por SOUL) e SONY PICTURES CLASSICS (2 por MEU PAI).

Em termos de filme, NOMADLAND ficou em 1º lugar com 3 estatuetas (Filme, Direção e Atriz), seguido por 6 filmes que levaram 2 estatuetas cada: Meu Pai (Ator e Roteiro Adaptado), MANK (Fotografia e Design de Produção), JUDAS E O MESSIAS NEGRO (Ator Coadjuvante e Canção Original), A VOZ SUPREMA DO BLUES (Figurino e Maquiagem), O SOM DO SILÊNCIO (Montagem e Som), SOUL (Longa de Animação e Trilha Original), mostrando-se um Oscar melhor distribuído.

Claro que mesmo assim, houve alguns filmes que saíram de mãos vazias. O maior perdedor da noite foi OS 7 DE CHICAGO, o único entre os oito indicados a Melhor Filme que não ganhou nenhum prêmio. Vale destacar também as campanhas sem vitória de RELATOS DO MUNDO (4 indicações) e UMA NOITE EM MIAMI (3 indicações).

SURPRESAS

Talvez a maior surpresa da noite tenha sido a ordem de apresentação das categorias. A intenção dos produtores do evento era assemelhar o Oscar com a produção de um filme, então começaram com a entrega dos dois Oscars de Roteiro. Até aí, tudo ok. Inclusive, no ano de Spotlight aconteceu a mesma coisa. Mas duas trocas foram estranhas: Oscar de Direção foi o sétimo prêmio, e principalmente o Oscar de Melhor Filme sendo o antepenúltimo da noite. A intenção dos organizadores era ter um grand finale com a possível vitória de Chadwick Boseman com uma salva de palmas acompanhadas de lágrimas, mas a vitória de Anthony Hopkins frustrou esses planos, não tanto pela troca de vencedor em si, mas porque Hopkins não compareceu ao evento.

Sobre os resultados, é impossível falar de surpresas sem mencionar os dois Oscars de MEU PAI. Alguns já esperavam que levasse Roteiro Adaptado muito em função do BAFTA que conquistou há duas semanas, mas pouquíssimos não imaginaram que a Academia não homenagearia Chadwick Boseman postumamente com um Oscar. Felizmente, a qualidade da atuação de ANTHONY HOPKINS foi primordial para que o britânico levasse sua segunda estatueta de Melhor Ator. Desde que ele ganhou o BAFTA, acreditei nessa virada contra Boseman. Muitos acreditaram que ele só havia ganhado porque era britânico e o BAFTA o teria reconhecido somente por esse motivo, mas eu acreditava que todos que viram Meu Pai se convenceriam da qualidade da atuação dele. É realmente uma pena que o ator não tenha comparecido à cerimônia… Preferiu ficar resguardado em sua casa no País de Gales.

Ainda sobre atuação, a vitória de FRANCES MCDORMAND também acabou com o bolão de muita gente, que estava entre Carey Mulligan e Viola Davis. Particularmente, achei que o Oscar como produtora de Nomadland seria o suficiente para a atriz, mas sua performance cativou muitos votantes, além, claro, de toda sua figura emblemática nessa Hollywood em metamorfose após os movimentos feministas. A verdade é que McDormand é uma das melhores atrizes do momento, ganhando suas terceira estatueta de Melhor Atriz, aliás a única com essa estatística atualmente. Meryl Streep e Ingrid Bergman têm dois Oscars de Melhor Atriz e um de Coadjuvante. E ela está a apenas um Oscar da lendária Katherine Hepburn com 4 Oscars de Melhor Atriz. Num ano bastante disputado, em que não havia uma favorita, a divisão de votos beneficiou McDormand, mas poderia ter beneficiado qualquer outra, dadas as qualidades de suas atuações.

Ainda das surpresas da noite, destaco o Oscar de Canção Original para “Fight for You” de JUDAS E O MESSIAS NEGRO, já que todos estavam entre as canções de Uma Noite em Miami e Rosa e Momo. Inicialmente a canção não tinha me cativado, mas confesso que ouvindo na apresentação, a música me pegou melhor e me fez lembrar de toda a essência do filme de Shaka King. E a vitória de COLETTE como Documentário-curta não chega a ser aqueeeeeela surpresa, mas a maioria apostava em Uma Canção Para Latasha. Não sei se dá pra defender que o Oscar de Fotografia de MANK foi surpresa, porque tinha levado o prêmio do sindicato, mas é inegável que foi um reconhecimento merecido.

DESTAQUES

Como dito inúmeras vezes, CHLOÉ ZHAO se tornou a segunda diretora mulher a ganhar o Oscar de Direção por Nomadland, 11 anos após Kathryn Bigelow por Guerra ao Terror. Como citado acima, FRANCES MCDORMAND se torna a única a vencer 3 vezes o Oscar de Melhor Atriz. Ela havia vencido anteriormente por Fargo e Três Anúncios Para um Crime. MIA NEAL e JAMIKA WILSON se tornaram as primeiras negras a ganhar o Oscar de Maquiagem e Penteado por A Voz Suprema do Blues. YUH-JUNG YOUN obviamente se tornou a primeira atriz sul-coreana a vencer um Oscar por Minari.

Por Bela Vingança, EMERALD FENNELL foi a primeira roteirista feminina a levar um Oscar de Roteiro desde 2008, quando Diablo Cody levou por Juno. Aos 89 anos, a figurinista ANN ROTH se iguala ao roteirista James Ivory (por Me Chame Pelo Seu Nome) ao se tornar a pessoa mais idosa a ganhar um Oscar por A Voz Suprema do Blues.

OPINIÕES PESSOAIS

De uma forma geral, dá pra dizer que o Oscar 2021 mais acertou do que errou, partindo do princípio que não dá pra agradar a gregos e troianos. Por um lado não gostei do Oscar de Documentário para Professor Polvo (que teria dado para Crip Camp ou Collective), mas por outro, aplaudi os Oscars para Anthony Hopkins, para o Roteiro de Meu Pai e Yuh-Jung Youn. Gostaria que Meu Pai tivesse sido indicado à Direção e até levado Melhor Filme, mas ao mesmo tempo, entendo a vitória de Nomadland e ressalto que adoraria rever esse filme numa tela de cinema, porque acredito que a experiência seria infinitamente mais transcendental do que numa tela de notebook em casa.

Sobre a cerimônia, primeiramente foi uma vitória da Academia ter conseguido realizar um evento dessa proporção sem nenhum problema técnico em plena pandemia. Claro que não dá pra cobrar coisa muito melhor devido às circunstâncias, mas eu queria ter visto mais clipes dos filmes e atuações ao invés daquele monte de falatório sobre as curiosidades dos indicados, gostaria de ter visto mais humor de forma geral, seja através de uma brincadeira ou de um comediante no palco, e claro, discursos mais empolgantes e emocionantes. Parece que os vencedores estavam com receio de se soltarem e serem julgados pela mídia por “furar a quarentena”. Enfim, houve aquele momento de descontração no final com o comediante Lil Rel Howery fazendo um quizz sobre canções com convidados, culminando na rebolada de Glenn Close, mas aquele momento deveria ter ocorrido no início para quebrar o gelo e proporcionar um clima mais leve à premiação…

CONFIRA TODOS OS VENCEDORES DO 93º ACADEMY AWARDS:

FILME
NOMADLAND (Nomadland)

DIREÇÃO
* CHLOÉ ZHAO (Nomadland)

ATOR
* ANTHONY HOPKINS (Meu Pai)

ATRIZ
* FRANCES MCDORMAND (Nomadland)

ATOR COADJUVANTE
DANIEL KALUUYA (Judas e o Messias Negro)

ATRIZ COADJUVANTE
* YUH-JUNG YOUN (Minari)

ROTEIRO ORIGINAL
* BELA VINGANÇA – Emerald Fennell

ROTEIRO ADAPTADO
* MEU PAI – Christopher Hampton, Florian Zeller

FOTOGRAFIA
* MANK – Erik Messerschmidt

MONTAGEM
* O SOM DO SILÊNCIO – Mikkel E.G. Nielsen

DESENHO DE PRODUÇÃO 
* MANK – Donald Graham Burt, Jan Pascale

FIGURINO
* A VOZ SUPREMA DO BLUES – Ann Roth

MAQUIAGEM E PENTEADO
* A VOZ SUPREMA DO BLUES – Matiki Anoff, Mia Neal, Larry M. Cherry

TRILHA MUSICAL ORIGINAL
* SOUL – Trent Reznor, Atticus Ross, Jon Batiste

CANÇÃO ORIGINAL
* “Fight for You” – JUDAS E O MESSIAS NEGRO
Música por H.E.R. and Dernst Emile II; Letra por H.E.R. e Tiara Thomas

SOM
* O SOM DO SILÊNCIO – Phillip Bladh, Nicolas Becker, Jaime Baksht, Michelle Couttolenc, Carlos Cortés, Carolina Santana

EFEITOS VISUAIS
* TENET – Andrew Jackson, Andrew Lockley, Scott R. Fisher, Mike Chambers 

LONGA DE ANIMAÇÃO
* SOUL

DOCUMENTÁRIO
* PROFESSOR POLVO

FILME INTERNACIONAL
* DRUK – MAIS UMA RODADA – Dinamarca

CURTA-METRAGEM
* DOIS ESTRANHOS (TWO DISTANT STRANGERS)

CURTA DE ANIMAÇÃO
* SE ALGO ACONTECER… TE AMO (IF ANYTHING HAPPENS… I LOVE YOU)

DOCUMENTÁRIO-CURTA
* COLETTE

PODCAST CINEMA OSCAR e AFINS – EPISÓDIO 5: APOSTAS do OSCAR 2021

No último dia 21/04, lançamos mais um episódio do nosso podcast para fazer uma breve análise das 23 categorias e concedermos nossas apostas. Não se esqueça de votar no bolão do Oscar, seguindo o nosso perfil do Instagram @cinemaoscareafins e clicando no link abaixo:

Lançaremos o próximo episódio depois do Oscar para fazer comentários sobre a cerimônia e os vencedores.

Não votou no Bolão? Ainda dá tempo de fazer suas apostas até às 16h. Basta seguir o nosso perfil no Instagram @cinemaoscareafins e clicar no link abaixo para votar.

https://forms.gle/cPnqoDrEYiZfhAkD7


Confira o episódio 5 pelos links abaixo.

Pelo SPOTIFY:

Pelo ANCHOR:

https://anchor.fm/cinemaoscareafins/episodes/Episdio-5-Apostas-para-o-Oscar-2021-evaasd

Pelo Google Podcasts:

https://podcasts.google.com/feed/aHR0cHM6Ly9hbmNob3IuZm0vcy81MTQ1NTFiOC9wb2RjYXN0L3Jzcw==?fbclid=IwAR3BHacbx2sQeCkPnEdn02nQOKTt4XvGEEaycOjQtbnZijlE2w1z9_Xy9ak

FRAMBOESA DE OURO PREMIA KATE HUDSON e RUDY GIULIANI

APESAR DO FILME MUSICAL DE SIA TER LEVADO TRÊS PRÊMIOS, O DOCUMENTÁRIO DE CONSPIRAÇÃO ABSOLUTE PROOF FOI ELEITO O PIOR FILME DO ANO

A 41ª edição do Framboesa de Ouro, que premia os piores filmes do ano, ganhou notoriedade por ter indicado Glenn Close como Pior Atriz Coadjuvante por Era uma Vez um Sonho, performance que também foi indicada ao Oscar. Felizmente, a veterana não ganhou o desagradável prêmio, que foi para Maddie Ziegler por Music. O consenso geral (que concordamos) diz que foi um exagero essa indicação, mas é importante ressaltar duas coisas: 1º O Framboesa só ganha destaque se incluírem na lista filmes e atores conhecidos. Se indicassem apenas desconhecidos do grande público, o prêmio teria baixa relevância na temporada. 2º Achamos válida a indicação como uma crítica construtiva do tipo “Olha, Glenn, você não precisa se render a filmes apelativos como este para ganhar o Oscar a qualquer custo”. Claro que, olhando de longe, ao ver Ron Howard (que já ganhou Oscar de Direção), Amy Adams e uma personagem transformativa, parece realmente uma fórmula de sucesso garantido, mas na prática foi um pesadelo. Muitos já apontam a adaptação da peça teatral Sunset Blvd (Crepúsculo dos Deuses), que deve ser lançada em 2022, a melhor oportunidade da atriz levar finalmente seu Oscar. O papel de Norma Desmond realmente se encaixa na história de Glenn Close, já que se trata de uma atriz veterana porém esquecida.

O pior filme do ano foi um documentário pouco conhecido aqui no Brasil chamado ABSOLUTE PROOF, que apresenta teorias conspiratórias de que houve intervenção da China nas últimas eleições americanas como verdadeiras. MIKE LINDELL, que também dirigiu o filme, ganhou o prêmio de Pior Ator, superando os mais conhecidos Robert Downey Jr. e Adam Sandler.

Já o filme de estreia da cantora SIA acabou sendo o maior vencedor da noite com 3 prêmios: Pior Direção, Atriz (Kate Hudson) e Atriz Coadjuvante. É no mínimo curioso que há dois meses, o filme recebeu duas indicações ao Globo de Ouro: Melhor Filme – Comédia ou Musical e Atriz – Comédia ou Musical, e agora está sendo laureado como um dos piores do ano. É provável que esses prêmios do Framboesa pesem mais para a HFPA que promove o Globo de Ouro do que para a equipe envolvida na produção do filme. Nos últimos meses, a HFPA tem sido alvo de inúmeras denúncias de cartel, suborno, racismo e por último, um dos membros classificou o Movimento Black Lives Matter como um “movimento de ódio”. Gostamos da cerimônia leve e descontraída do Globo de Ouro, mas depois de tantos problemas, é possível que Hollywood ignore a premiação caso não haja uma reformulação por completo. Mas voltando ao filme MUSIC, ainda não vimos, mas parece um videoclipe brega saído dos anos 90. Caso alguém tenha visto, por favor comente abaixo sua opinião!

E sobre os dois prêmios concedidos a BORAT: FITA DE CINEMA SEGUINTE, concordamos com o de Pior Ator Coadjuvante para o aliado de Trump, RUDY GIULIANI, que quase comete um estupro em Maria Bakalova, mas discordávamos da indicação de Pior Dupla (ou Combinação) formada por Giuliani e Bakalova, pois a imagem da atriz seria denegrida de forma equivocada. Felizmente, a organização do Framboesa retirou o nome da atriz e a substituiu por “Rudy Giuliani e o zíper de suas calças”. O ator Sacha Baron Cohen postou a lista dos prêmios do Framboesa em seu Instagram, exaltando a promoção do filme. Claro que é estranho alguém comemorar dois prêmios de Piores do Ano, mas neste caso, é compreensível justamente por esse aspecto de publicidade em relação ao filme e da participação escrota de Giuliani. De qualquer forma, não acreditamos que isso vá prejudicar a campanha de Maria Bakalova para Melhor Atriz Coadjuvante no Oscar, porém o prêmio parece estar bem mais próximo de Yuh-Jung Youn por Minari.

Pra quem quiser ver o compilado de 4 minutos do Razzies, clique no link abaixo:

CONFIRA TODOS OS VENCEDORES (em negrito) AO 41º FRAMBOESA DE OURO:

PIOR FILME

365 Dias
Absolute Proof
Dolittle
A Ilha da Fantasia (Fantasy Island)
Music

PIOR ATOR

Robert Downey Jr. / Dolittle
Mike Lindell / Absolute Proof
Michele Morrone / 365 Dias
Adam Sandler / O Halloween do Hubie
David Spade / A Missy Errada

PIOR ATRIZ

Anne Hathaway / A Última Coisa que Ele Queria & Convenção das Bruxas
Katie Holmes / Brahms: O Boneco do Mal II & O Segredo: Ouse Sonhar
Kate Hudson / Music
Lauren Lapkus / A Missy Errada
Anna-Maria Sieklucka / 365 Dias

PIOR ATRIZ COADJUVANTE

Glenn Close / Era uma Vez um Sonho
Lucy Hale / A Ilha da Fantasia
Maggie Q / A Ilha da Fantasia
Kristen Wiig / Mulher-Maravilha 1984
Maddie Ziegler / Music

PIOR ATOR COADJUVANTE

Chevy Chase / The Very Excellent Mr. Dundee
Rudy Giuliani / Borat: Fita de Cinema Seguinte
Shia LaBeouf / The Tax Collector
Arnold Schwarzeneggar / Iron Mask
Bruce Willis / Breach, Hard Kill & Sobreviver à Noite

PIOR DUPLA NA TELA

Rudy Giuliani & o zíper de suas calças / Borat: Fita de Cinema Seguinte
Robert Downey Jr. & seu sotaque galês nada convincente / Dolittle
Harrison Ford & aquele cachorro CGI totalmente falso / O Chamado da Floresta
Lauren Lapkus & David Spade / The Missy Errada
Adam Sandler & sua voz irritante / O Halloween do Hubie

PIOR DIRETOR

Charles Band / Todos os 3 filmes de Barbie & Kendra
Barbara Bialowas & Tomasz Mandes / 365 Dias
Stephen Gaghan / Dolittle
Ron Howard / Era uma Vez um Sonho
Sia / Music

PIOR ROTEIRO

365 Dias
Todos os 3 filmes de Barbie & Kendra
Dolittle
A Ilha da Fantasia
Era uma Vez um Sonho

PIOR REMAKE, CÓPIA OU SEQUÊNCIA

365 Dias
Dolittle
A Ilha da Fantasia
O Halloween do Hubie
Mulher-Maravilha 1984

RIZ AHMED e CAREY MULLIGAN VENCEM o INDEPENDENT SPIRIT de ‘NOMADLAND’

FILME DE CHLOÉ ZHAO VENCE ÚLTIMO PRÊMIO ANTES DO OSCAR. RIZ AHMED GANHA SEU PRÊMIO MAIS RELEVANTE NA TEMPORADA.

A 36ª edição do Independent Spirit Awards aconteceu nesta quinta-feira (22), mas desta vez não contou com transmissão fora do território americano. Tradicionalmente, a premiação ocorria um dia antes do Oscar, mas a organização do evento optou por adiantar uns dias para ter um tempo maior de repercussão na mídia. Vale ressaltar que o resultado deste prêmio não interfere diretamente no Oscar, já que a votação da Academia já se encerrou.

De uma forma geral, os vencedores foram bastante previsíveis, com NOMADLAND levando a melhor em 4 categorias: Filme, Direção, Fotografia e Montagem. Logo atrás, O SOM DO SILÊNCIO coletou 3 prêmios: Ator (Riz Ahmed), Ator Coadjuvante (Paul Raci) e Filme de Estreante, seguido por BELA VINGANÇA que ficou com 2 prêmios: Atriz (Carey Mulligan) e Roteiro. Das produções com mais indicações, NUNCA RARAMENTE ÀS VEZES SEMPRE e A VOZ SUPREMA DO BLUES foram os grandes perdedores da noite, já que ambos saíram da cerimônia sem nenhum prêmio.

Embora a votação do Oscar já esteja fechada, o reconhecimento de RIZ AHMED demorou mas chegou! Com amplo predomínio de Chadwick Boseman na categoria, a performance do ator em O Som do Silêncio acabou ficando de lado em premiações televisionadas, mas agora fecha com chave de ouro no Independent Spirit. Sua vitória no Oscar continua bem improvável, mas não tão impossível como antes, porque a ascensão de Anthony Hopkins no BAFTA mexeu com o favoritismo de Boseman.

Ainda sobre atuações, esperávamos ver um nome menos conhecido levando o prêmio de Melhor Atriz como Sidney Flanigan, mas CAREY MULLIGAN acabou conquistando a estatueta por Bela Vingança. Nessa temporada bem maluca, a categoria tem sido a maior incógnita, pois cada indicada levou um prêmio mais importante. Mulligan coleta o segundo após vitória no Critics’ Choice Awards, mas isso pode não ser o suficiente na disputa pelo Oscar.

Nas categorias de Coadjuvante, PAUL RACI acabou ganhando como Melhor Ator Coadjuvante com certa facilidade, já que não disputava com nenhum indicado ao Oscar, que deve ir para o franco-favorito Daniel Kaluuya. Já na categoria feminina, YUH-JUNG YOUN vence novamente após levar o SAG e o BAFTA, consolidando seu favoritismo na reta final do Oscar.

Talvez as maiores surpresas da noite foram nas categorias de FILME INTERNACIONAL e DOCUMENTÁRIO, vencidos por Quo Vadis, Aida? e Crip Camp, respectivamente, já que havia a expectativa de que Bacurau e As Mortes de Dick Johnson (ou Time) levassem esses prêmios. Aparentemente, no Oscar, o favoritismo de Druk – Mais uma Rodada e Professor Polvo deve prevalecer, mas como dissemos no Episódio 5 do podcast, não subestimem o representante da Bósnia e Herzegovina para Filme Internacional, porque deve ter havido muitos votantes que torceram o nariz para o filme do Vinterberg com um “Eu não vou votar em filme sobre apologia às bebidas alcóolicas” ou algo do tipo.

Pela primeira vez em 36 anos, o Independent Spirit Awards resolveu premiar séries de TV independentes, com orçamentos bem limitados. Provavelmente foi uma estratégia de atrair mais atenção do público mais jovem que acompanha e maratona séries em plataformas de streaming. As séries I MAY DESTROY YOU e UNORTHODOX foram as grandes vencedoras da edição. Não conferimos essas séries, mas até onde sabemos, foram uma chuva de elogios apenas.

CONFIRA TODOS OS VENCEDORES (em negrito) DO INDEPENDENT SPIRIT AWARDS:

MELHOR FILME
First Cow
A Voz Suprema do Blues (Ma Rainey’s Black Bottom)
Minari
Nunca Raramente Às Vezes Sempre (Never Rarely Sometimes Always)
Nomadland

MELHOR DIREÇÃO
Lee Isaac Chung (Minari)
Emerald Fennell (Bela Vingança)
Eliza Hittman (Nunca Raramente Às Vezes Sempre)
Kelly Reichardt (First Cow)
Chloé Zhao (Nomadland)

MELHOR FILME DE ESTRÉIA
I Carry You With Me
The 40-Year-Old Version
O Som do Silêncio (Sound of Metal)
Miss Juneteenth
Nine Days

MELHOR ATRIZ
Nicole Beharie (Miss Juneteenth)
Viola Davis (A Voz Suprema do Blues)
Sidney Flanigan (Nunca Raramente Às Vezes Sempre)
Julia Garner (A Assistente)
Frances McDormand (Nomadland)
Carey Mulligan (Bela Vingança)

MELHOR ATOR
Riz Ahmed (O Som do Silêncio)
Chadwick Boseman (A Voz Suprema do Blues)
Rob Morgan (Bull)
Steven Yeun (Minari)
Adarsh Gourav (O Tigre Branco)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Alexis Chikaeze (Miss Juneteenth)
Yeri Han (Minari)
Valerie Mahaffey (French Exit)
Talia Ryder (Nunca Raramente Às Vezes Sempre)
Yuh-jung Youn (Minari)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Colmand Domingo (A Voz Suprema do Blues)
Orion Lee (First Cow)
Paul Raci (O Som do Silêncio)
Glynn Turman (A Voz Suprema do Blues)
Benedict Wong (Nine Days)

MELHOR ROTEIRO
Má Educação (Bad Education)
Minari
Você Nem Imagina (The Half of It)
Nunca Raramente Às Vezes Sempre (Never Rarely Sometimes Always)
Bela Vingança (Promising Young Woman)

MELHOR PRIMEIRO ROTEIRO
Kitty Green (A Assistente)
Noah Hutton (Lapsis)
Channing Godfrey Peoples (Miss Juneteenth)
Andy Siara (Palm Springs)
James Sweeney (Straight Up)

MELHOR FOTOGRAFIA
Jay Keitel (She Dies Tomorrow)
Shabier Kirchner (Bull)
Michael Latham (A Assistente)
Hélène Louvart (Nunca Raramente Às Vezes Sempre)
Joshua James Richards (Nomadland)

MELHOR MONTAGEM
I Carry You With Me
O Homem Invisível
Residue
Nunca Raramente Às Vezes Sempre
Nomadland

PRÊMIO JOHN CASSAVETES (filmes com orçamentos abaixo de 500 mil dólares)
The Killing of Two Lovers
La Leyenda Negra
Lingua Franca
Residue
Saint Frances

PRÊMIO ROBERT ALTMAN
Uma Noite em Miami

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Collective
Crip Camp: Revolução Pela Inclusão (Crip Camp)
As Mortes de Dick Johnson (Dick Johnson Is Dead)
Time
Agente Duplo (The Mole Agent)

MELHOR FILME INTERNACIONAL
Bacurau
The Disciple
Night of the Kings
Preparations to be Together for an Unknown Period of Time
Quo Vadis, Aida?

Piaget Producers Award
Kara Durrett
Lucas Joaquin
Gerry Kim

Someone to Watch Award
David Midell – Diretor de The Killing of Kenneth Chamberlain
Ekwa Msangi – Diretor de Farewell Amor
Annie Silverstein – Diretora de Bull

Truer Than Fiction Award
Cecilia Aldarondo – Diretor de Landfall
Elegance Bratton – Diretora de Pier Kids
Elizabeth Lo – Diretora de Stray

MELHOR SÉRIES NÃO-ROTEIRIZADAS OU DOCUMENTÁRIOS
Atlanta’s Missing and Murdered: The Lost Children
City So Real
Immigration Nation
Love Fraud
We’re Here

MELHORES SÉRIES ROTEIRIZADAS
I May Destroy You
Little America
Small Axe
A Teacher
Unorthodox

MELHOR ATRIZ
Elle Fanning (The Great)
Shira Haas (Unorthodox)
Abby McEnany (Work in Progress)
Maitreyi Ramakrishnan (Never Have I Ever)
Jordan Kristine Seamón (We Are Who We Are)

MELHOR ATOR
Conphidance (Little America)
Adam Ali (Little America)
Nicco Annan (P-Valley)
Amit Rahav (Unorthodox)
Harold Torre (Zero, Zero, Zero)

MELHOR ELENCO NUMA SÉRIE ROTEIRIZADA
I May Destroy You

%d blogueiros gostam disto: