HAPPENING, de AUDREY DIWAN, LEVA o LEÃO DE OURO em VENEZA

APESAR DE CONTAR COM GRANDES NOMES COMO ALMODÓVAR E SORRENTINO, A CINEASTA FRANCESA SE CONSAGRA ATRAVÉS DE JÚRI PRESIDIDO POR BONG JOON HO

Apesar das apostas para a 78ª edição do festival italiano se concentrarem em diretores consagrados presentes como Pedro Almodóvar, Jane Campion e Paolo Sorrentino, foi a jovem e pouco conhecida diretora francesa de 41 anos Audrey Diwan que conquistou o prêmio máximo de Veneza com seu segundo longa Happening (L’évenement), que logo aborda um tema tão polêmico como o aborto clandestino nos anos 60 na França.

Baseado no romance homônimo de Annie Ernaux, o filme acompanha o calvário de uma estudante que engravida e busca uma forma de realizar um aborto ilegal sem poder contar com a ajuda de amigos, professores, médicos e o próprio namorado. O retrato realista dessa saga rendeu comparações inevitáveis com o longa romeno 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias (2007), de Cristian Mungiu, e o recente Nunca Raramente Às Vezes Sempre (2020), de Eliza Hittman. E embora seja uma história que se passa há 60 anos, o tema continua muito atual.

A vitória de Audrey Diwan é apenas a 6ª de uma mulher (Margarethe Von Trotta (1981), Agnès Varda (1985), Mira Nair (2001), Sofia Coppola (2010) e Chloé Zhao (2020), a primeira consecutiva (logo após Chloé Zhao), e a primeira de um cineasta francês desde 1987 com Louis Malle. Vale lembrar que a francesa Julia Ducournau venceu a Palma de Ouro em Cannes este ano, concretizando uma ascensão feminina no cinema internacional.

Lembra dos diretores consagrados? Eles ficaram com os demais prêmios. Enquanto o Grande Prêmio do Júri foi para o diretor italiano Paolo Sorrentino por seu autobiográfico A Mão de Deus, numa clara referência aos tempos do jogador argentino Diego Maradona, o Prêmio de Direção foi para a neozelandesa Jane Campion por The Power of the Dog.

Almodóvar foi reconhecido através de sua atriz Penélope Cruz por Mães Paralelas, batendo a forte concorrência de Kristen Stewart (Spencer) e Olivia Colman (A Filha Perdida). Já o prêmio de interpretação masculina foi para o filipino John Arcilla por On the Job: The Missing 8. Esse reconhecimento de Cruz já vem elevando suas chances de conquistar uma 4ª indicação ao Oscar, ainda mais que existe cada vez menos preconceito com produções em língua estrangeira.

Falando em atriz, Maggie Gyllenhaal foi logo premiada pelo roteiro de seu primeiro filme, A Filha Perdida, adaptação do romance da italiana Elena Ferrante.

Confira todos os vencedores da 78ª edição do Festival de Veneza:

COMPETIÇÃO

LEÃO DE OURO
“Happening,” Audrey Diwan

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
“The Hand of God,” Paolo Sorrentino

DIREÇÃO
“The Power of the Dog,” Jane Campion

ATRIZ
“Parallel Mothers,” Penélope Cruz

ATOR
“On the Job: The Missing 8,” John Arcilla

ROTEIRO
“The Lost Daughter,” Maggie Gyllenhaal

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
“Il Buco,” Michelangelo Frammartino

PRÊMIO MARCELLO MASTROIANNI
“The Hand of God,” Filippo Scotti

ORIZZONTI AWARDS

Melhor Filme
“Pilgrims,” Laurynas Bareisa

Melhor Diretor
“Full Time,” Eric Gravel

Prêmio Especial do Júri
“El Gran Movimiento,” Kiro Russo

Melhor Atriz
“Full Time,” Laure Calamy

Melhor Ator
“White Building,” Piseth Chhun

Melhor Roteiro
“107 Mothers,” Ivan Ostrochovský, Peter Kerekes

Melhor Curta-Metragem
“Los Huesos,” Cristóbal León, Joaquín Cociña

LUIGI DE LAURENTIIS AWARD

Melhor Filme de Estreante
“Imaculat,” Monica Stan, George Chiper-Lillemark

VENICE VR EXPANDED AWARDS

Grande Prêmio do Júri por Melhor Filme de RV
“Goliath: Playing With Reality,” Barry Gene Murphy, May Abdalla

Melhor Experiência RV
“Le Bal de Paris de Blanca Li,” Blanca Li

Melhor História RV 

“End of Night,” David Adler

ORIZZONTI EXTRA

Armani Beauty Audience Award: “The Blind Man Who Did Not Want to See Titanic,” Teemu Nikki

CAMPION, ALMODÓVAR e SORRENTINO na DISPUTA pelo LEÃO DE OURO. ‘DUNA’ e ‘O ÚLTIMO DUELO’ COMPETEM por FORA

Benedict Cumberbatch em The Power of the Dog

FESTIVAL ITALIANO PROCURA REPETIR PRÉVIA DO OSCAR DAS ÚLTIMAS EDIÇÕES

Logo após o término de um prorrogado Festival de Cannes, o festival de cinema mais tradicional de todos acaba de divulgar seus filmes selecionados da sua 78ª edição. Para quem não se recorda, nos últimos quatro anos, Veneza premiou dois vencedores do Oscar de Melhor Filme: Nomadland e A Forma da Água, e dois fortes indicados: Coringa e Roma. Pelo calendário, Veneza divide as atenções com o Festival de Toronto, mas não há dúvidas que tem se tornado um ótimo chamariz para estúdios lançarem seus filmes e iniciarem a temporada de premiações.

Contudo, apesar de um boa seleção oficial, filmes altamente aguardados como Duna, de Denis Villeneuve, O Último Duelo, de Ridley Scott, e Last Night in Soho, de Edgar Wright, serão exibidos fora de competição. Teria sido alguma ordem dos estúdios, dos realizadores ou simplesmente não qualificaram para a disputa principal pelo Leão de Ouro?

Já dentre os filmes na competição oficial, Pedro Almodóvar abre o festival com Parallel Mothers, teremos também a neozelandesa Jane Campion com The Power of the Dog, Paul Schrader com uma história de vingança The Card Counter, Paolo Sorrentino com The Hand of God, Michael Franco (que venceu o Grande Prêmio do Júri no ano passado por New Order) com Sundown, o retorno do único venezuelano vencedor do Leão de Ouro Lorenzo Vigas com La Caja, a estreia na direção da atriz Maggie Gyllenhaal com The Lost Daughter, adaptação do romance de Elena Ferrante, e a iraniana-americana Ana Lily Amirpour, conhecida por Garota Sombria Caminha Pela Noite, com Mona Lisa and the Blood Moon.

Obviamente, há nomes de atores conhecidos nessas produções que podem levar o Volpi Cup de interpretação. Pelo filme de Gyllenhaal, temos “só” Olivia Colman, Ed Harris, Jessie Buckley e Peter Sarsgaard, enquanto pelo filme de Campion, Benedict Cumberbatch, Kirsten Dunst e Jesse Plemons. A disputa entre as atrizes também ganha os nomes de Penélope Cruz (que compete por Parallel Mothers, de Almodóvar, e Official Competition, da dupla Mariano Cohn e Gastón Duprat), e Kristen Stewart que viveu a Princesa Diana em Spencer, de Pablo Larraín.

Assim como em Cannes, haverá uma mostra paralela intitulada Horizontes Extra, que tem o intuito de acolher mais produções que sofreram com a pandemia e perderam espaço em festivais. Aliás, é nessa mostra que está o único representante do Brasil: 7 Prisioneiros, de Alexandre Moratto, filme sobre tráfico humano com Rodrigo Santoro e Christian Malheiros, que disputou o Independent Spirit Award de Melhor Ator por Sócrates em 2019.

Vale lembrar que este ano, Veneza concederá um Leão de Ouro Honorário pela carreira dos atores Jamie Lee Curtis, que estrela o novo Halloween Kills, que será exibido fora de competição, e Roberto Benigni, que recentemente foi Gepeto na nova adaptação de Pinóquio.

A 78ª edição do Festival de Veneza começa no dia 1º de Setembro e termina no dia 11. O júri será presidido pelo diretor de Parasita, Bong Joon Ho, que contará também com Chloé Zhao (atual vencedora do Oscar e Leão de Ouro por Nomadland), a atriz Virginie Efira (Benedetta), Cynthia Erivo (Harriet), atriz e produtora canadense Sarah Gadon (O Homem Duplicado), o diretor italiano Saverio Costanzo (Hungry Hearts) e documentarista romeno Alexander Nanau, recém-indicado ao Oscar por Collective.

Confira a seleção completa de Veneza:

COMPETIÇÃO

Parallel Mothers, Pedro Almodovar (Espanha) – FILME DE ABERTURA
Mona Lisa and the Blood Moon, Ana Lily Amirpour (EUA)
Un Autre Monde, Stephane Brizé (França)
The Power of the Dog, Jane Campion (Nova Zelândia, Austrália)
America Latina, Damiano D’Innocenzo, Fabio D’Innocenzo (Itália, França)
L’Evenement, Audrey Diwan (França)
Official Competition, Gaston Depart, Mariano Cohn (Espanha, Argentina)
Il Buco, Michelangelo Frammartino (Itália, France, Alemanha)
Sundown, Michel Franco (México, França, Suécia)
Lost Illusions, Xavier Giannoli (França)
The Lost Daughter, Maggie Gyllenhaal (Grécia, EUA, Reino Unido, Israel)
Spencer, Pablo Larrain (Alemanha, Reino Unido)
Freaks Out, Gabriele Mainetti (Itália, Bélgica)
Qui Rido Io, Mario Martone (Itália, Espanha)
On The Job: The Missing 8, Eric Matti (Filipinas)
Leave No Traces, Jan P. Matuszyski (Polônia, França, República Tcheca)
Captain Volkonogov Escaped, Yuriy Borisov (Rússia, Estônia, França)
The Card Counter, Paul Schrader (EUA, Reino Unido, China)
The Hand of God, Paolo Sorrentino (Itália)
Reflection, Valentin Vasyanovych (Ucrânia)
La Caja, Lorenzo Vigas (México, EUA)

FORA DE COMPETIÇÃO – Ficção

Il Bambino Nascosto, Roberto Andò (Itália) – FILME DE ENCERRAMENTO
Les Choses Humaines, Yvan Attal (França)
Ariaferma, Leonardo Di Costanzo (Itália, Suíça)
Halloween Kills, David Gordon Green (EUA)
La Scuola Cattolica, Stefano Mordini (Itália)
Old Henry, Potsy Ponciroli (EUA)
The Last Duel, Ridley Scott (EUA, Reino Unido)
Dune, Denis Villeneuve (EUA, Hungria, Jordânia, Emirados Árabes, Noruega, Canadá)
Last Night in Soho, Edgar Wright (Reino Unido)

FORA DE COMPETIÇÃO – Não-Ficção

Life of Crime 1984-2020, Jon Albert (EUA)
Tranchées, Loup Bureau (França)
Viaggio Nel Crepuscolo, Augusto Contento (França, Itália)
Republic of Silence, Diana El Jeiroudi (Alemanha, França, Síria, Catar)
Hallelujah: Leonard Cohen, A Journey, A Song, Daniel Geller, Dayna Goldfine (EUA)
DeAndré#Deandré Storia di un Impiegato, Roberta Lena (Itália)
Django & Django, Luca Rea (Itália)
Ezio Bosso. Le Cose Che Restano, Giorgio Verdelli (Itália)

FORA DE COMPETIÇÃO – Série de TV

“Scenes From a Marriage” (episodes 1-5), Hagai Levi (EUA)

HORIZONTES

Les Promesses, Thomas Kruithof (França) – FILME DE ABERTURA
Atlantide, Yuri Ancarani (Itália, França, EUA, Catar)
Miracle Bogdan George Apetri (Romênia, República Tcheca, Letônia)
Pilgrims, Laurynas Bareisa (Lituânia)
The Peackock’s Paradise, Laura Bispuri (Itália, Alemanha)
The Falls, Chung Mong-Hong (Taiwan)
El Hoyo En La Cerca, Joachin Del Paso (México, Polônia)
Amira, Mohamed Diab (Egito, Jordânia, Emirados Árabes, Arábia Saudita)
A Plein Temps, Eric Gravel (França)
107 Mothers, Peter Kerkekes (Eslovênia, República Tcheca, Ucrânia)
Vera Dreams of the Sea, Kaltrina Krasniqi (Albânia, Macedônia do Norte)
White Building, Kavich Neang (Camboja, França, China, Catar)
Anatomy of Time, Jakrawal Nilthamrong (Tailândia, França, Holanda, Singapura, Alemanha)
El Otro Tom, Rodrigo Pla, Laura Santullo (México, EUA)
El Gran Movimiento, Kiro Russo (Bolívia, França, Catar, Suíça)
Once Upon a Time in Calcutta, Adita Vikram Sengupta (Índia, França, Noruega)
Rhino, Oleg Sentsov (Ucrânia, Polônia, Alemanha)
True Things, Harry Wootliff (Reino Unido)
Inu-Oh, Yuasa Masaaki (Japão, China)

HORIZONTES EXTRA

Land of Dreams, Shirin Neshat, Shoja Azari (EUA, Alemanha, Catar) — FILME DE ABERTURA
Costa Brava, Mounia Akl (Líbano, França, Espanha, Suécia, Dinamarca, Noruega, Catar)
Mama, I’m Home, Vladimir Bitokov (Rússia)
Ma Nuit, Antoinette Boulot (França, Bélgica)
La Ragazza Ha Volato, Wilma Labate (Itália, Eslovênia)
7 Prisoners, Alexandre Moratto (Brasil)
The Blind Man Who Did Not Want to See Titanic, Teemu Nikki (Finlândia)
La Macchina Delle Immagini di Alfredo C, Roland Sejko (Itália)

‘NOMADLAND’ VENCE o LEÃO de OURO em VENEZA

Frances McDormand em NOMADLAND. Photo Courtesy of Searchlight Pictures. © 2020 20th Century Studios All Rights Reserved

ROAD MOVIE DEVE RENDER INDICAÇÕES AO OSCAR 2021 DE DIREÇÃO E ATRIZ

A 77ª edição do Festival de Veneza certamente entrará para a história já por acontecer mesmo diante de uma pandemia. E agora com a premiação de uma diretora asiática, a chinesa Chloé Zhao, algo que não acontecia desde 2001 quando a indiana Mira Nair ganhou o Leão de Ouro por Um Casamento à Indiana.

Apesar de haver um número recorde de oito diretoras indicadas, havia forte expectativa de que a presidente do júri Cate Blanchett reconhecesse uma delas. Infelizmente, Zhao não estava presente na cerimônia, mas agradeceu numa chamada virtual: “Obrigada por nos deixarem participar do festival nesse modo estranho. A gente se vê pela frente!”

A diretora chinesa, que se destacou há três anos com o filme independente Domando o Destino, tornou-se também a primeira diretora mulher a ganhar o prêmio depois de Sofia Coppola, que venceu em 2010 por Um Lugar Qualquer. Como todos sabem, uma vitória no festival italiano tem aumentado consideravelmente as chances no Oscar seguinte.

Só para citar exemplos mais recentes de vencedores do Leão de Ouro, A Forma da Água levou os Oscars de Filme e Diretor para Guillermo del Toro, enquanto Roma levou Diretor para Alfonso Cuarón, e Coringa foi o recordista de indicações, levando Melhor Ator para Joaquin Phoenix e Trilha Original. Com isso, existe uma forte expectativa para que Chloé Zhao se torne a primeira diretora não-branca a ser indicada na categoria. A Searchlight (ex-Fox) vai lançar Nomadland no dia 04 de Dezembro nos EUA. Já no Brasil, a previsão por enquanto é só para o dia 04 de Fevereiro.

Já para o Grande Prêmio do Júri, que seria uma espécie de segundo colocado, o júri concedeu o prêmio para o mexicano Michel Franco e seu novo filme Nuevo Orden, que é uma distopia social em forma de thriller. Para quem conhece os trabalhos anteriores do diretor, sabe que ele costuma abordar temas mais polêmicos, e este filme não deve fugir do padrão.

Naian González em cena de Nuevo Orden, de Michel Franco

Para Melhor Direção, o japonês Kiyoshi Kurosawa foi lembrado pelo drama de espionagem Wife of a Spy, que foi bastante elogiado na crítica internacional, inclusive muitos alegando que se tratava do melhor filme dele dos últimos anos.

Enquanto na seleção de Melhor Ator, o júri não encontrou dificuldades e premiou o italiano Pierfrancesco Favino pelo thriller sobre terrorismo baseado em fatos reais de Padrenostro, para escolher a Melhor Atriz, Cate Blanchett afirmou que ficou maravilhada por contar com “tantas performances extraordinárias”, já que havia muitos filmes protagonizados por mulheres. O prêmio ficou com a britânica Vanessa Kirby por Pieces of a Woman, que foi adquirido pela Netflix e deve estrear na plataforma digital.

À esquerda, Pierfrancesco Favino em cena de Padrenostro.

Até pouco tempo atrás, a atriz era mais conhecida por seu trabalhos nos filmes de ação Missão: Impossível – Efeito Fallout (2018) e Velozes & Furiosos: Hobbs e Shaw (2019) e pela série da Netflix The Crown, mas já nesta edição de Veneza, estrelava dois dramas na corrida pelo Leão de Ouro: The World to Come e este Pieces of a Woman, no qual ela ela interpreta uma mãe em luto por ter perdido seu bebê. Ela aceitou o prêmio e dedicou a “todas as mães que perderam seus filhos e não tiveram suas histórias contadas”, e agradeceu Shia LaBeouf com quem contracenou no filme.

Vanessa Kirby contracena com Shia LaBeouf em Pieces of a Woman

O prêmio de Roteiro ficou com o indiano Chaitanya Tamhane pelo filme The Disciple, que explora uma jornada pela música Indiana clássica. E o Prêmio do Júri ficou com o russo Andrei Konchalovsky pelo drama soviético Dear Comrades.

Pela mostra paralela Horizontes, presidida pela cineasta Claire Denis, o grande vencedor foi o filme iraniano The Wasteland, de Ahmed Bahrami, que lida com a tensão de trabalhadores numa fábrica de tijolos no ambiente rural.

Confira todos os vencedores desta 77ª edição do Festival de Veneza:

LEÃO DE OURO
“Nomadland,” Chloé Zhao

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
“New Order,” Michel Franco

LEÃO DE PRATA DE MELHOR DIRETOR
Kiyoshi Kurosawa, “Wife of a Spy”

MELHOR ATRIZ
Vanessa Kirby, “Pieces of a Woman”

MELHOR ATOR
Pierfrancesco Favino, “Padrenostro”

MELHOR ROTEIRO
“The Disciple,” Chaitanya Tamhane

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
“Dear Comrades,” Andrei Konchalovsky

PRÊMIO MARCELLO MASTROIANNI DE ATOR JOVEM
Rouhollah Zamani, “Sun Children”

MOSTRA HORIZONTES

MELHOR FILME
“The Wasteland,” Ahmad Bahrami

MELHOR DIRETOR
“Genus Pan,” Lav Diaz

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
“Listen,” Ana Rocha de Sousa

MELHOR ATOR
Yahya Mahayni, “The Man Who Sold His Skin”

MELHOR ATRIZ
Khansa Batma, “Zanka Contact”

MELHOR ROTEIRO
“I Predatori,” Pietro Castellitto

MELHOR CURTA-METRAGEM
“Entre tú y milagros,” Mariana Safron


LEÃO DO FUTURO

PRÊMIO LUIGI DELAURENTIIS POR FILME DE ESTREANTE
“Listen,” Ana Rocha de Sousa

COMPETIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL

MELHOR VR
“The Hangman at Home: An Immersive Single User Experience,”Michelle and Uri Kranot

MELHOR EXPERIÊNCIA VR
“Finding Pandora X,” Kiira Benzing

MELHOR HISTÓRIA VR
“Killing a Superstar,” Fan Fan

‘CORINGA’, POLANSKI e NETFLIX na SELEÇÃO do FESTIVAL DE VENEZA

Joaquin Phoenix como protagonista de ‘Coringa’

PRESIDENTE ALBERTO BARBERA RESPONDEU ÀS POLÊMICAS

O festival de cinema mais antigo da história revelou os filmes selecionados desta edição na última quinta-feira. O júri, presidido pela estupenda diretora argentina Lucrecia Martel, contará com produções bem diversificadas para distribuir seus prêmios.

Entre nomes consagrados, já começamos com o filme de abertura: ‘The Truth’, primeiro longa do diretor japonês Hirokazu Koreeda em língua estrangeira. Vencedor da Palma de Ouro em 2018, ele pôde contar com atores do calibre de Catherine Deneuve, Juliette Binoche e Ethan Hawke.

O festival também terá os franceses Olivier Assayas e Robert Guediguian, o chileno Pablo Larraín, o colombiano Ciro Guerra, o sueco Roy Andersson e o chinês Lou Ye. O cinema norte-americano está dividido entre filmes de grande estúdio como ‘Ad Astra’ (da Fox), ‘Coringa’ (sim, o filme solo do vilão do Batman, da Warner), e de produtoras de streaming service. ‘Marriage Story’, novo filme de Noah Baumbach, ‘The Laundromat’, de Steven Soderbergh, representando a Netflix, que ano passado levou o Leão de Ouro com ‘Roma’.

Meryl Streep em cena de ‘The Laundromat’

O presidente do evento, Alberto Barbera, ao responder algumas perguntas sobre a baixa presença de diretoras mulheres, foi bastante categórico. “Este ano, em todas as seleções, tivemos 24% de diretoras mulheres. Ano passado foram 20%. Recebemos 1.860 inscrições este ano. Dessas inscrições, contabilizamos menos de 24% de diretoras. O que nunca vou fazer é pegar um filme dirigido por uma mulher só pra aumentar a proporção”. Ele acredita que a presença de mulheres em filmes de estúdio ainda levará mais tempo, e realmente vai. Toda grande mudança leva um tempo considerável, e o que muitos não se dão conta é que os festivais e premiações não deveriam ser responsabilizados por essa disparidade. Entre os indicados ao Leão de Ouro, temos duas diretoras: a saudita Haifaa Al-Mansour com ‘The Perfect Candidate’ e a australiana Shannon Murphy com ‘Babyteeth’.

Outra polêmica deste ano é a seleção do novo filme de Roman Polanski, intitulado ‘An Officer and a Spy’, que tem Jean Dujardin como o oficial francês e discute anti-semitismo. Segundo Barbera, a qualidade do filme se equivale a ‘O Pianista’ (2002). Ele defende que o artista deveria ser visto separado do homem. Polanski foi condenado por estupro em 1977 e foi recentemente expulso da Academia. “Quando você vê uma pintura de Caravaggio, você está vendo o trabalho de um assassino que, depois de matar um homem, teve que fugir para Palermo. É ridículo. Se você não consegue fazer uma distinção entre a culpabilidade de uma pessoa e o valor de uma pessoa como artista, você não vai chegar a lugar algum. Os problemas de Polanski com a justiça de Los Angeles e sua consciência são problemas pessoais dele, além do fato de pensar assim, depois de quarenta anos de tribulações, ele pagou pelo que fez. Mas como diretor de um festival, o que conta para mim é que ele fez um grande filme”.

Jean Dujardin em cena de ‘An Officer and a Spy’

Nessa mesma entrevista, o presidente faz uma observação pertinente sobre o cinema americano. Ele acredita que a redução se deve às compras de estúdios por outros como a Disney que comprou a Fox, e a forte possibilidade da Lionsgate ser comprada. Realmente, nesse cenário, o cinema perde muito em diversidade de filmes. Como forma de Arte, deveria contar com inúmeras filosofias e diferentes padrões para sobreviver ao marasmo. Por isso, não tem como não defender a Netflix. Ela permite que os diretores ou autores que perderam suas vozes nos estúdios continuem seus trabalhos em outra plataforma, inclusive mais acessível ao grande público.

A atriz britânica Julie Andrews e o diretor espanhol Pedro Almodóvar serão homenageados com o Leão de Ouro Honorário.

A 76a edição do Festival de Veneza tem início em 28 de Agosto e termina em 07 de Setembro.

COMPETIÇÃO OFICIAL

“The Truth,” Kore-eda Hirokazu – Filme de Abertura

“The Perfect Candidate,” Haifaa Al-Mansour

“About Endlessness,” Roy Andersson

“Wasp Network,” Olivier Assayas

“Marriage Story,” Noah Baumbach

“Guest of Honor,” Atom Egoyan

“Ad Astra,” James Gray

“A Herdade,” Tiago Guedes

“Gloria Mundi,” Robert Guediguian

“Waiting for the Barbarians,” Ciro Guerra

“Ema,” Pablo Larrain

“Saturday Fiction,” Lou Ye

“Martin Eden,” Pietro Marcello

“La Mafia non è più quella di Una Volta,” Franco Maresco

“The Painted Bird,” Vaclav Marhoul

“The Mayor of Rione Sanità,” Mario Martone

“Babyteeth,” Shannon Murphy

“Joker,” Todd Philips

“An Officer and a Spy,” Roman Polanski

“The Laundromat,” Steven Soderbergh

“No. 7 Cherry Lane,” Yonfan

FORA DE COMPETIÇÃO – Ficção

“The Burnt Orange Heresy,” Giuseppe Capotondi

“Seberg,” Benedict Andrews

“Vivere,” Francesca Archibugi

“Mosul,” Matthew Michael Carnahan

“Adults in the Room,” Costa-Gavras

“The King,” David Michod

“Tutto il mio folle amore,” Gabriele Salvatores

FORA DE COMPETIÇÃO – Não-Ficção

“Woman,” Yann Arthus-Bertrand, Anastasia Mikova

“Roger Waters: Us + Them,” Roger Waters

“I Diari di Angela – Noi Due Cineasti. Capitolo Secondo. Yervant Gianikian, Angela Ricci Lucchi

“Citizen K,” Alex Gibney

“Citizen Rosi,” Didi Gnocchi, Carolina Rosi

“The Kingmaker,” Lauren Greenfield

“State Funeral,” Sergei Loznitsa

“Collective,” Alexander Nanau

“45 Seconds of Laughter,” Tim Robbins

“Il pianeta in mare,” Daniele Segre

FORA DE COMPETIÇÃO – Exibições Especiais

“No One Left Behind,” Guillermo Arriaga

“Electric Swan,” Konstantina Kotzamani

“Irreversible – Inversion Integrale,” Gaspar Noe

“ZeroZeroZero,” (Episodes 1 and 2) Stefano Sollima

“The New Pope” (Episodes 2 and 7) Paolo Sorrentino

“Never Just a Dream: Stanley Kubrick And Eyes Wide Shut,” Matt Wells

“Eyes Wide Shut,” Stanley Kubrick

MOSTRA HORIZONTES

“Pelican Blood,” Katrin Gebbe

“Zumiriki,” Oskar Alegria

“Bik Eneich – Un Fils,” Mehdi M. Barsaoui

“Blanco en Blanco,” Theo Court

“Mes Jours de Gloire,” Antoine De Bary

“Nevia,” Nunzia De Stefano

“Moffie,” Oliver Hermanus

“Hava, Maryam, Ayesha,” Sahara Karimi

“Rialto,” Peter Mackie Burns

“The Criminal Man,” Dmitry Mamuliya

“Revenir,” Jessica Palud

“Giants Being Lonely,” Great Patterson

“Balloon,” Pema Tseden

“Verdict,” Raymund Ribas Gutierrez

“Just 6.5,” Saeed Roustaee

“Shadow of Water,” Sasidharan Sanal Kumar

“Sole,” Carlo Sironi

“Madre,” Rodrigo Sorogoyen

“Atlantis,” Valentyn Vasyanovych

‘ROMA’, de ALFONSO CUARÓN, CONQUISTA o LEÃO DE OURO no FESTIVAL DE VENEZA

Alfonso Cuarón Venice.jpg

Alfonso Cuarón recebe o Leão de Ouro por Roma, seu projeto mais pessoal (pic by Variety)

COM A VITÓRIA, NETFLIX CAVA UMA VAGA INÉDITA NA CATEGORIA DE MELHOR FILME NO OSCAR 2019

Depois de inúmeras avaliações positivas em Veneza, o Leão de Ouro só podia ir para Roma. O mais novo trabalho do mexicano Alfonso Cuarón, um drama preto-e-branco que acompanha a vida de uma família trabalhadora nos anos 70 no México, bateu outras 21 produções e praticamente garantiu seu lugar na próxima edição do Oscar.

Por se tratar de um projeto bastante pessoal do diretor, baseado em sua vida e seu passado, Cuarón sequer chamou seu colaborador assíduo Emmanuel Lubezki e assumiu a direção de fotografia, além da montagem e roteiro. Resultado: o diretor retorna ao festival que o consagrou com Gravidade em 2013 para levar o prêmio máximo.

Roma.jpg

Cena de Roma, de Alfonso Cuarón (pic by imdb.com)

“Esse prêmio e este festival são incrivelmente importantes para mim”, agradeceu o diretor Alfonso Cuarón ao receber a honraria. De certa forma, esta premiação resume bem o que foi o Festival de Veneza deste ano.

Primeiramente, trata-se da primeira produção da Netflix a ganhar o Leão de Ouro. Sim, a mesma plataforma de streaming que foi recusada e odiada no Festival de Cannes em Maio e agora brilha na Itália, onde foi muito bem recebida pelos organizadores do evento. O presidente de Veneza, Alberto Barbera, reconheceu que Netflix é o futuro do cinema, e que não poderia impedir esse próximo passo.

Por outro lado, os donos das salas de cinema na França podem fazer cara feia,  mas o fato é que os streamings já são realidade e não será nada fácil mantê-los afastados dos festivais, pois a tendência é que os eventos que os recusam sejam os extintos nessa história. Hollywood e seus profissionais querem trabalhar e o que não falta na Netflix, Amazon e outras plataformas é justamente trabalho!

Além de Roma, a Netflix viu outra produção premiada na noite: Melhor Roteiro para os irmãos Coen por The Ballad of Buster Scruggs, que originalmente seria uma série Netflix, mas acabou se tornando um longa-metragem.

Yorgos Lanthimos Silver Lion

Yorgos Lanthimos recebe o Grande Prêmio do Júri (Leão de Prata) por The Favourite (pic by The Greek Observer)

Pra não dizer que foi tudo um mar de rosas em Veneza, houve um pequeno burburinho sobre um possível favorecimento de Roma pelo presidente do júri deste ano, Guillermo del Toro, conterrâneo e amigo de Alfonso Cuarón. Essa especulação só não tomou maiores proporções, porque o filme mexicano foi tão bem recebido por toda a mídia especializada, que ficou difícil levantar essa suspeita.

Além de premiar Roma, Veneza também reconheceu dois prováveis atores indicados ao Oscar 2019: Olivia Colman e Willem Dafoe. A atriz britânica estrela ao lado de Rachel Weisz e Emma Stone o novo filme do grego Yorgos Lanthimos, The Favourite, que faturou também o Grande Prêmio do Júri. Já o ator americano foi premiado por viver o artista Vincent Van Gogh no filme biográfico At Eternity’s Gate, dirigido por Julian Schnabel.

Design sem nome.jpg

À esquerda, Olivia Colman interpreta a Rainha Anne em cena de The Favourite, e ao receber o prêmio de Melhor Atriz em Veneza

Design sem nome (1).jpg

À esquerda, Willem Dafoe interpreta o pintor Vincent Van Gogh em cena de At Eternity’s Gate, e ao lado recebendo o prêmio de Melhor Ator em Veneza

E vale destacar o prêmio especial do júri para a cineasta australiana Jennifer Kent, que já havia surpreendido o público com O Babadook em 2014. Ela retorna com uma história de vingança e violência passada no século XIX em The Nightingale, que também valeu o prêmio Marcello Mastroianni para o jovem Baykali Ganambarr. Em sites especializados, destacaram que Kent foi a única cineasta mulher a receber um dos principais prêmios. Prefiro dizer que ela foi simplesmente merecedora por sua competência.

Design sem nome (2).jpg

À esquerda, a atriz Aisling Franciosi em cena de The Nightingale, e à direita, a diretora Jennifer Kent com o Prêmio Especial do Júri.

VENCEDORES DA 75ª EDIÇÃO DO FESTIVAL DE VENEZA:

LEÃO DE OURO
Roma
Dir: Alfonso Cuarón

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
The Favourite
Dir: Yorgos Lanthimos

LEÃO DE PRATA PARA MELHOR DIRETOR
Jacques Audiard (The Sisters Brothers)

MELHOR ATRIZ
Olivia Colman (The Favourite)

MELHOR ATOR
Willem Dafoe (At Eternity’s Gate)

MELHOR ROTEIRO
Joel Coen e Ethan Coen (The Ballad of Buster Scruggs)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
The Nightingale
Dir: Jennifer Kent

PRÊMIO MARCELLO MASTROIANNI PARA JOVEM ATOR
Baykali Ganambarr (The Nightingale)

MOSTRA HORIZONTES (ORIZZONTI)

MELHOR FILME: “Manta Ray”, de Phuttiphong Aroonpheng (Tailândia)

MELHOR DIREÇÃO: Emir Baigazin, Emir Baigazin (Cazaquistão)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI“The Announcement”, de Mahmut Fazil Coskun (Turquia)

MELHOR ATRIZ: Natalia Kudryashova (A Man Who Surprised Everyone) (Rússia)

MELHOR ATOR: Kais Nashif (Tel Aviv on Fire) (Israel)

MELHOR ROTEIRO: “Jinpa”, de Pema Tseden (China)

MELHOR CURTA-METRAGEM: “Kado”, de Aditya Ahmad (Indonésia)

LEÃO DO FUTURO: “The Day I Lost My Shadow”, de Soudade Kaadan (Síria)

Luigi De Laurentiis Award for Best Debut Film:

VENICE CLASSICS

MELHOR DOCUMENTÁRIO NO CINEMA:  “The Great Buster: A Celebration,” Peter Bogdanovich

MELHOR FILME RESTAURADO: “The Night of the Shooting Stars”, de Paolo e Vittorio Taviani

VIRTUAL REALITY COMPETITION

MELHOR REALIDADE VIRTUAL: 
“Spheres”, de Eliza McNitt

MELHOR EXPERIÊNCIA DE REALIDADE VIRTUAL: “Buddy VR”, de Chuck Chae

MELHOR HISTÓRIA DE REALIDADE VIRTUAL: “Isle of the Dead”, de Benjamin Nuel

VENEZA ELEVA SEU STATUS AO ACEITAR OSCARIZÁVEIS E NETFLIX, REJEITADO EM CANNES

FIRST MAN Neil_Ryan_Gosling

Ryan Gosling como Neil Armstrong em O Primeiro Homem, de Damien Chazelle, abrirá a mostra competitiva de Veneza (pic by CineImage)

FESTIVAL ITALIANO VAI NA CONTRAMÃO DE CANNES E RECEBE PRODUÇÕES DE PLATAFORMAS COMO NETFLIX E AMAZON DE BRAÇOS ABERTOS

Se no Festival de Cannes, o negócio estava emperrado com uma série de restrições e até banimento das selfies no tapete vermelho, na cidade italiana de Veneza, it’s all open for business!

Filme da Netflix?
– Pode trazer que a gente põe até pra competir!
Filme restaurado inédito do Orson Welles distribuído pela Netflix?
– Traga que será recebido como uma gema do cinema!
Candidato fortíssimo ao prêmio da indústria hollywoodiana do Oscar?
– Não apenas concorrerá ao Leão de Ouro, como vai abrir a competição oficial.
Filme estrelado pela Lady Gaga?
– Aceitamos… mas pode ser na mostra paralela?

Quando questionado sobre a presença maciça da Netflix com seis títulos, o presidente do evento, Alberto Barbera, foi contundente: “Não podemos nos recusar a aceitar a realidade do novo cenário das produções.” Pela perspectiva dos cineastas, que buscam financiamentos e plataformas diversas para seus projetos, essa aceitação do festival foi abraçada e aplaudida. Só para citar um exemplo: o novo filme do mexicano Alfonso Cuarón, Roma, produzido pela Netflix, foi recusado em Cannes, mas aceito em Veneza. Quem sai perdendo nessa história?

Se antes Veneza já vinha num crescendo por ser uma prévia do Oscar (Vencedores do Oscar, Gravidade, Spotlight e A Forma da Água, estrearam no festival italiano), agora com essa abertura de formatos e plataformas, firma-se como o mais prestigiado no cenário internacional. E com isso em mente, o filme de abertura, O Primeiro Homem, do diretor de La La Land, Damien Chazelle, automaticamente se torna o franco-favorito para a próxima temporada de premiações.

Além de O Primeiro Homem contar com o triunfo de ser uma cinebiografia do astronauta Neil Armstrong, subgênero muito querido pela Academia, depois daquela lambança de La La Land ganhando e perdendo o Oscar de Melhor Filme em dois minutos, muitos votantes podem se sentir compelidos a compensar o diretor em 2019.

Outros nomes fortes aqui presentes para o Oscar são: Mike Leigh com seu drama histórico PeterlooJulian Schnabel com seu At Eternity’s Gate sobre a vida do artista Van Gogh; o novo filme dos irmãos Ethan e Joel CoenThe Ballad of Buster Scruggs, que era uma série originalmente que acabou virando um longa; o próprio Roma, de Alfonso Cuarón, que se passa na Cidade do México nos anos 70; e 22 July, de Paul Greengrass, que volta com mais uma tragédia terrorista que se passa na Noruega.

PETERLOO

Cena de Peterloo, de Mike Leigh (pic by Variety)

E diretores consagrados que costumam bater o cartão em festivais e sempre são favoritos aos grandes prêmios como o francês Jacques Audiard, que fez seu primeiro filme em inglês com The Sister Brothers, um western com Jake Gyllenhaal e Joaquin Phoenix; o grego Yorgos Lanthimos com The Favorite, que contou com as vencedoras do Oscar Emma Stone e Rachel Weisz. Também competindo pelo Leão de Ouro estão os ganhadores do Oscar de Filme em Língua Estrangeira: o húngaro László Nemes, que volta com Sunset; e o alemão Florian Henckel Von Donnersmarck, com Work Without Auhor.

thesistersbrothers_01

Joaquin Phoenix e John C. Reilly em cena de The Sister Brothers, de Jacques Audiard (pic by ew.com)

Dentre os concorrentes desta edição, Suspiria certamente tem um dos visuais mais arrebatadores. Dirigido pelo italiano Luca Guadanigno, que repete a ótima parceria com o diretor de fotografia Sayombhu Mukdeeprom com quem trabalhou em Me Chame Pelo seu Nome, a refilmagem teria chances mínimas de premiação ainda mais por ser do gênero terror, mas como o presidente do júri deste ano é ninguém menos do que o criador de monstros Guillermo Del Toro, algumas surpresas podem acontecer. Veja trailer abaixo:

Apesar de entender toda a situação da briga que o festival de Cannes compraria com os vários donos de cinemas na França se aceitasse a Netflix, por outro lado, agora está vendo o festival de Veneza investindo no futuro por ter uma mente mais aberta. Nas últimas duas décadas, vimos o Cinema como Arte definhar a cada ano e se tornar um mero produto de grandes estúdios, especialmente da Disney que, recentemente, oficializou a compra da Fox. Nesse cenário de decadência criativa, a Netflix e outras plataformas de streaming estão acolhendo cineastas que perderam sua liberdade criativa e lhes oferecendo oportunidades de criação de conteúdo de forma mais livre. Hoje, os filmes produzidos pela Netflix ainda demonstram certo amadorismo, mas com as recentes inclusões de talentos como Alfonso Cuarón no acervo, a tendência é que dentro de alguns anos, teremos mais filmes de Netflix no Oscar do que os que estrearam nos cinemas. Além disso, o valor do ingresso que já era caro, pode ficar ainda mais devido à redução de público nas salas de projeção.

INDICADOS AO LEÃO DE OURO DE VENEZA 2018:

EM COMPETIÇÃO

  • O Primeiro Homem (First Man). Dir: Damien Chazelle
  • The Mountain. Dir: Rick Alverson
  • Doubles Vies. Dir: Olivier Assayas
  • The Sisters Brothers. Dir: Jacques Audiard
  • The Ballad of Buster Scruggs. Dir: Ethan and Joel Coen
  • Vox Lux. Dir: Brady Corbet
  • Roma. Dir: Alfonso Cuarón
  • 22 July. Dir: Paul Greengrass
  • Suspiria (Suspiria). Dir: Luca Guadagnino
  • Work Without Author. Dir: Florian Henkel Von Donnersmark
  • The Nightingale. Dir: Jennifer Kent
  • The Favourite. Dir: Yorgos Lanthimos
  • Peterloo.  Dir: Mike Leigh
  • Capri-Revolution. Dir: Mario Martone
  • What You Gonna Do When The World’s On Fire?. Dir: Roberto Minervini
  • Sunset. Dir: László Nemes
  • Freres Ennemis. Dir: David Oelhoffen
  • Neustro Tiempo. Dir: Carlos Reygadas
  • At Eternity’s Gate. Dir: Julian Schnabel
  • Acusada. Dir: Gonzalo Tobal
  • Killing. Dir: Shinya Tsukamoto

FORA DE COMPETIÇÃO

SPECIAL EVENT

  • The Other Side Of The Wind. Dir: Orson Welles
  • They’ll Love Me When I’m Dead. Dir: Morgan Neville

PROJEÇÕES ESPECIAIS

  • My Brilliant Friend. Dir: Saverio Costanzo
  • Il Diario Di Angela – Noi Due Cineasti. Dir: Yervant Gianikian

FICÇÃO

  • Una Storia Senza Nome. Dir: Roberto Andò
  • Les Estivants. Dir: Valeria Bruni Tedeschi
  • A Star Is Born. Dir: Bradley Cooper
  • Mi Obra Maestra. Dir: Gaston Duprat
  • A Tramway in Jerusalem. Dir: Amos Gitai
  • Un Peuple et Son Roi. Dir: Pierre Schoeller
  • La Quietud. Dir: Pablo Trapero
  • Dragged Across Concrete. Dir: S. Craig Zahler
  • Shadow. Dir: Zhang Yimou

NÃO-FICÇÃO

  • A Letter to a Friend In Gaza. Dir: Amos Gitai
  • Aquarela. Dir: Victor Kossakovsky
  • El Pepe, Una Vida Suprema. Dir: Emir Kusturica
  • Process. Dir: Sergei Loznitsa
  • Carmine Street Guitars. Dir: Ron Mann
  • Isis, Tomorrow. The Lost Souls Of Mosul. Dir: Francesca Mannocchi, Alessio Romenzi
  • American Dharma. Dir: Errol Morris
  • Introduzione All’Oscuro. Dir: Gaston Solnicki
  • 1938 Diversi. Dir: Giorgio Treves
  • Your Face. Dir: Tsai Ming-Liang
  • Monrovia, Indiana. Dir: Frederick Wiseman

MOSTRA HORIZONTES

  • Sulla Mia Pelle. Dir: Alessio Cremonini
  • Manta Ray. Dir: Phuttiphong Aroonpheng
  • Soni. Dir: Ivan Ayr
  • The River. Dir: Emir Baigazin
  • La Noche de 12 Anos. Dir: Alvaro Brechner
  • Deslembro. Dir: Flavia Castro
  • The Announcement. Dir: Mahmut Fazil Coskun
  • Un Giorno All’Improvviso. Dir: Ciro D’Emilio
  • Charlie Says. Dir: Mary Harron
  • Amanda. Dir: Mikhael Hers
  • The Day I Lost My Shadow. Dir: Soudade Kaadan
  • L’Enkas. Dir: Sarah Marx
  • The Man Who Surprised Everyone. Dir: Evgeniy Tsiganov, Natalya Kudryashowa
  • Through The Holes. Dir: Garin Nugroho
  • As I Lay Dying. Dir: Mostafa Sayyari
  • La Profezia Dell’armadillo. Dir: Emanuele Scaringi
  • Stripped. Dir: Yaron Shani
  • Jinpa. Dir: Pema Tseden
  • Tel Aviv on Fire. Dir: Same Zoabi

‘THE SHAPE OF WATER’, de Guillermo del Toro conquista o LEÃO DE OURO

Guillermo del Toro golden lion

Guillermo del Toro beija seu Leão de Ouro por The Shape of Water pic by The Globe and Mail)

GUILLERMO DEL TORO NOVAMENTE SE UTILIZA DA FÁBULA PARA CONTAR HISTÓRIA DURA

Nesse último dia 09, o Festival de Veneza anunciou sua lista de vencedores, e seu prêmio máximo foi para o mexicano Guillermo del Toro por uma produção americana da Fox Searchlight, The Shape of Water. O cineasta é conhecido por dirigir filmes de fantasia e terror como Hellboy, Círculo de Fogo, Blade II, A Colina Escarlate e O Labirinto do Fauno, este o que mais se assemelha ao novo trabalho. No filme de 2006, a fantasia procurava encobrir a dureza da Guerra Civil Espanhola. Já neste filme, a realidade é a Guerra Fria nos anos 60 e sua falta de escrúpulos.

A crítica presente no festival rasgou elogios ao filme vencedor, e mesmo que tenha sido exibido no segundo dia do evento, foi logo considerado um favorito para o Leão de Ouro. Em seu discurso de agradecimento, o cineasta mexicano abriu com uma declaração tocante: “Eu acredito na vida, acredito no amor e acredito no cinema”. O longa The Shape of Water aborda temas como a solidão e a empatia entre personagens complexos.

shape-of-water

Love’s in the water: Sally Hawkins num momento de interação com a criatura em The Shape of Water (pic by i2.wp.com)

É difícil defender um filme que ainda não conferimos, mas considero bem interessante o reconhecimento de del Toro num festival tão grandioso como o de Veneza. Para quem trabalha na área ou mesmo é cinéfilo, sabe, mesmo que inconscientemente, que os filmes de gênero (aqui incluo a Ficção Científica, Terror, Thriller e até mesmo Policial) costumam ser os excluídos e renegados em premiações. Tanto que existem prêmios específicos para eles como o Fantasia, Fantasporto, o Fangoria Chainsaw Awards e o Academy of Science Fiction, Fantasy and Horror Films, que anualmente acolhem essas produções que dificilmente chegam ao tapete vermelho do Oscar, vide o único filme de “terror” premiado O Silêncio dos Inocentes em 1992. Portanto, a vitória de The Shape of Water tem um significado bem especial para quem atua com cinema de gênero ao redor do mundo. Aproveito para protestar contra premiação de apenas filmes “cabeçudos” ou politicamente corretos, como se precisasse ter apenas esses dois elementos para se candidatar ao Oscar de Melhor Filme.

Contudo, voltando ao Festival de Veneza, algumas matérias internacionais teriam alegado que o júri, presidido pela atriz Annette Bening, teria optado por uma escolha segura, já que o filme de del Toro seria bem mais light na questão política do que outros candidatos ao Leão de Ouro como o israelense Foxtrot, de Samuel Maoz, que retrata a vida de militares sempre prontos para a guerra, e que acabou levando o Grande Prêmio do Júri, uma espécie de segundo lugar da competição. Esse alto reconhecimento pode render uma indicação ao Oscar de Filme em Língua Estrangeira, já que representará Israel na categoria.

Foxtrot

Soldados em alerta para o próximo ataque em Foxtrot, de Samuel Maoz (pic by outnow.ch)

Dentre outras produções selecionadas que tinham forte apelo político estão o canadense Jusqu’a La Garde (Custody), de Xavier Legrand, que trata da violência doméstica ao tratar de um divórcio que se torna uma batalha pela guarda do filho; e o novo filme do insano Martin McDonagh, Three Billboards Outside Ebbing, Missouri, no qual Frances McDormand é uma mãe que cobra as autoridades policiais com protestos em outdoors pelo assassinato de sua filha. Enquanto o filme de Legrand levou Melhor Direção, o de McDonagh levou Melhor Roteiro. Embora não tenha visto, os diálogos fenomenais de humor negro característicos de McDonagh devem ter colaborado bastante nessa vitória.

Já nas categorias de atuação, o palestino Kamel El Basha levou Melhor Ator pela produção libanesa The Insult, que retrata uma briga fora de proporções por causa de religião (aliás, por também considerar a religião como grande causadora de guerras, estou bastante curioso pra ver essa filme), a atriz britânica Charlotte Rampling levou o prêmio de Melhor Atriz por Hannah, de Andrea Pallaoro. De acordo com o jornalista Bruno Ghetti da Folha de S. Paulo, a atriz faz “o mesmo papel contido, amargurado e de poucas falas que […] tem feito há anos”, e aproveitou pra defender uma vitória para Helen Mirren por The Leisure Seeker, onde ela faz uma esposa com câncer que pega a estrada para levar seu marido com Alzheimer para a Disneylândia.

Kamel-El-Basha

Kamel El Basha ostenta seu Volpi Cup de Melhor Ator por The Insult (pic by oglobo.com)

 

Charlotte Rampling Hannah Volpi Cup

Charlotte Rampling abraça seu prêmio de Melhor Atriz por Hannah (pic by topsy.one)

Para o prêmio de Atriz, a disputa ia além de Rampling e Mirren. A americana Frances McDormand (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri) e a britânica Sally Hawkins (The Shape of Water) estavam super bem cotadas também, fato que pode impulsionar bastante suas campanhas para o Oscar.

Vale a pena destacar que Veneza se tornou o primeiro festival a conceder prêmios de realidade virtual, com o diretor americano John Landis presidindo o júri. As produções live-action ou animações devem ser vistas por óculos de realidade virtual, e os personagens costumam interagir com o espectador.

venice-vr3

Espectadora no festival de Veneza usando os óculos de realidade virtual (pic by http://www.labiennale.org)

Vencedor por Arden’s Wake, Eugene Y.K. Chung, recebeu o prêmio e soltou: “Aqui que o cinema estava há 100 anos, e será uma jornada realmente excitante. Mal posso esperar até onde isso vai.” Arden’s Wake é uma história de futuro apocalíptico, quando as águas engoliram as terras, e os personagens centrais são um pai e sua filha que vivem num farol adaptado como lar até ele desaparecer.

ardens-wake-by-penrose-studio

Arte de Arden’s Wake, de Eugene Y.K. Chung (pic by www.vrandfun.com)

VENCEDORES DA 74ª EDIÇÃO DO FESTIVAL DE VENEZA:

LEÃO DE OURO
The Shape of Water
Dir: Guillermo del Toro

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
Foxtrot
Dir: Samuel Maoz

LEÃO DE PRATA DE MELHOR DIRETOR
Xavier Legrand (Custody)

MELHOR ATRIZ
Charlotte Rampling (Hannah)

MELHOR ATOR
Kamel El Basha (The Insult)

MELHOR ROTEIRO
Martin McDonagh (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
Sweet Country
Dir: Warwick Thornton

PRÊMIO MARCELLO MASTROIANNI PARA JOVEM ATOR
Charlie Plummer (Lean on Pete)

 

MOSTRA HORIZONTES

MELHOR FILME
Nico, 1988
Dir: Susanna Nicchiarelli

MELHOR DIRETOR
Vahid Jalilvand (No Date, No Signature)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
Caniba
Dir: Verena Paravel e Lucien Castaing-Taylor

MELHOR ATRIZ
Lyna Khoudri (Les bienheureux)

MELHOR ATOR
Navid Mohammadzadeh (No Date, No Signature)

MELHOR ROTEIRO
Alireza Khatami (Oblivion Verses)

MELHOR CURTA-METRAGEM
Gros chagrin
Dir: Céline Devaux

 

LEÃO DO FUTURO

Prêmio Luigi De Laurentiis por Filme Debutante
Custody
Dir: Xavier Legrand

 

CLÁSSICOS DE VENEZA

Melhor Documentário
The Prince and the Dybbuk
Dir: Elvira Niewiera and Piotr Rosolowski

Melhor Filme Restaurado
Come and See
Dir: Elem Klimov

 

COMPETIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL

Melhor Realidade Virtual
Arden’s Wake (Expanded)
Dir: Eugene Y.K. Chung

Melhor Experiência de Realidade Virtual
La Camera Insabbiata
Dir: Laurie Anderson e Hsin-chien Huang

Melhor História de Realidade Virtual
Bloodless
Dir: Gina Kim

Com presença de CLOONEY, ARONOFSKY e PAYNE, Festivais de VENEZA e TORONTO se consolidam como REDUTOS PRÉ-OSCAR

Suburbicon

Cena de Suburbicon, novo filme dirigido por George Clooney, com Julianne Moore e Matt Damon (pic by cine.gr)

PRÉ-CANDIDATOS AO OSCAR BUSCAM OS HOLOFOTES INTERNACIONAIS PARA ABRIR A TEMPORADA DE PREMIAÇÕES

Houve um tempo em que os filmes selecionados pelo Festival de Veneza, o mais antigo do mundo, tinham um distância quilométrica do Oscar. Era extremamente raro que um filme presente no evento italiano também estivesse no prêmio da Academia. Claro que todos os grandes festivais hoje tiveram uma aproximação com o Oscar por causa da projeção internacional, mas Veneza se tornou palco do “esquenta”.

Pra isso, Veneza convidou artistas hollywoodianos que certamente atrairão mais olhares para o evento e ao mesmo tempo se beneficiarão com a abertura de temporada de premiações. Assim, teremos os novos trabalhos de George Clooney, Darren Aronofsky, Alexander Payne e Guillermo del Toro. Se vão ganhar prêmios são outros quinhentos, mas somente a presença no festival já os consolida como fortes candidatos ao Oscar. Vale sempre ressaltar que Veneza teve recordistas de indicações ao Oscar nos últimos 4 anos: Gravidade (2013), Birdman (2014) e La La Land (2016).

Particularmente, já dou como certas as indicações para Clooney e Payne, que costumam ter uma forte afinidade com os gostos da Academia. Curiosamente, ambos os filmes foram protagonizados por Matt Damon, que pode ter até dupla indicação na categoria de Ator – Comédia ou Musical no próximo Globo de Ouro.

Já os filmes de Aronofsky e del Toro ainda tenho minhas dúvidas por apresentarem elementos do gênero terror, mas acredito que devem obter sucesso em categorias técnicas. Contudo, ambos podem ter ótimas chances com suas atrizes: Jennifer Lawrence e Sally Hawkins, respectivamente, em Mother! e The Shape of Water.

shape of water

Sally Hawkins interage com um experimento do governo em The Shape of Water, de Guillermo del Toro

Particularmente, tenho boas expectativas em relação a três diretores:

Martin McDonagh
Mais conhecido pelas ótimas comédias Na Mira do Chefe e Sete Psicopatas e um Shih Tzu, o diretor britânico chega com Three Billboards Outside Ebbing, Missouri. Aqui temos a atriz Frances McDormand como uma mãe que desafia o chefe da polícia da cidade depois que sua filha foi assassinada e não houve nenhum preso. É curiosa a capacidade de McDonagh de conseguir extrair humor de temas bastante pesados, algo que apenas os irmãos Coen conseguiam fazer com maestria até alguns anos atrás. E engana-se quem pensa que se trata de apenas uma comédia. O filme critica a baixa eficiência policial (imagina se a personagem vivesse no Brasil…) e a prisão e tortura de negros, que continua recorrente nos EUA. Veja trailer abaixo:

Andrew Haigh
Admito que a trama de Lean on Pete, adaptação homônima do romance, sobre um jovem que busca sua tia perdida acompanhado por um cavalo de corrida não me animou muito, mas pra quem amou seu filme anterior, 45 Anos, é impossível não criar expectativas. No elenco, o diretor conta com os experientes Steve Buscemi e Chloë Sevigny. É esperar pra ver…

Abdellatif Kechiche
Esse diretor tunisiano conquistou Cannes e o mundo com seu filme anterior: Azul é a Cor Mais Quente, mas pra quem conferiu seus outros trabalhos como O Segredo do Grão e Vênus Negra, sabe que estamos diante de um diretor extremamente cuidadoso esteticamente e que não abre mão de seu olhar minucioso do comportamento humano. Ele traz Mektoub, My Love: Canto Uno que aborda a difícil decisão de um roteirista entre seu amor e sua carreira, curiosamente, um tema bastante parecido com o musical La La Land.

FORA DE COMPETIÇÃO

Embora não estejam competindo pelo Leão de Ouro, algumas produções também podem conseguir seu lugar ao sol na temporada de premiações. O novo filme de Stephen Frears, Victoria and Abdul, sobre a história verídica da amizade entre a rainha Victoria e um serviçal indiano, aparentemente se assemelha ao A Rainha (2006), que rendeu o Oscar para Helen Mirren. Honestamente, com exceção do ótimo Philomena (2014), os últimos trabalhos de Frears me desagradam um pouco por apresentarem formato e linguagem de TV, mas o diretor britânico tem seu talento inquestionável na direção de atores. E curiosamente Judi Dench volta a interpretar a rainha Victoria depois de Sua Majestade Mrs. Brown (1997), filme pelo qual foi indicada ao Oscar e perdeu injustamente para Helen Hunt.

Achei interessante o documentário que William Friedkin trouxe a Veneza: The Devil and Father Amorth (em tradução livre: “O Diabo e o Padre Amorth”), que captura imagens do nono exorcismo praticado pelo padre na Itália. Mesmo após mais de quatro décadas do clássico O Exorcista (1973), o diretor americano continua muito vinculado ao exorcismo, portanto, esse documentário pode de alguma forma “exorcizá-lo” dessa ligação e ao mesmo tempo, alimentar a sede de seus incontáveis fãs de como ele tratará desse tema novamente.

DISPUTA POR NOVOS FILMES

Por se tratar de um festival que acontece em setembro, existem desvantagens também, pois as atenções se dividem com o festival canadense de Toronto. Embora não tenha o mesmo prestígio do italiano, tem servido de vitrine para os filmes americanos, os vencedores do People’s Choice Awards costumam ser indicados a Melhor Filme (vide os recentes O Quarto de Jack, O Jogo da Imitação, 12 Anos de Escravidão e O Lado Bom da Vida), sem contar que o país é vizinho dos EUA e o mesmo idioma.

Em entrevista, o diretor do Festival de Veneza, Alberto Barbera, se disse “97% satisfeito” com sua seleção, já que houve apenas dois ou três filmes que ele queria exibir, mas não pôde porque já estavam comprometidos com outros festivais, provavelmente Toronto.

Contudo, se formos analisar os filmes exibidos em Veneza, temos muitos que também estarão presentes em Toronto. A única diferença é que o festival italiano exibirá alguns dias antes. Entre algumas exclusividades estão o novo filme de Angelina Jolie como diretora, First They Killed My Father, um drama pesado sobre o genocídio no Camboja feito para a Netflix; a nova produção de Joe Wright, Darkest Hour, que promete gerar a segunda indicação ao Oscar para Gary Oldman, interpretando um impecável Winston  Churchill; o drama verídico Film Stars Don’t Die in Liverpool sobre um romance da atriz Gloria Grahame com um jovem traz Annette Bening como a protagonista (será que ela ganha o Oscar desta vez?); e Stronger, um drama que recria o atentado da Maratona de Boston e uma vítima que perdeu as pernas com a explosão da bomba. Jake Gyllenhaal promete arrancar lágrimas do público.

Estou bastante curioso pra conferir o novo filme da dupla Jonathan Dayton e Valerie Faris, que se consagraram com Pequena Miss Sunshine (2006): Battle of the Sexes, que recria uma disputa de tênis bastante curiosa ocorrida em 1973 entre Billie Jean King (Emma Stone) e o ex-campeão Bobby Riggs (Steve Carell). Além de toda a caracterização de época (Emma Stone está quase irreconhecível com aqueles óculos fundo de garrafa), será curioso ver o quanto de atual ainda temos sobre essa discussão de igualdade entre gêneros.

battle-of-the-sexes-mit-emma-stone-und-steve-carell

Emma Stone e Steve Carell fazem dupla de tenistas em 1973 em Battle of the Sexes (pic by moviepilot.de)

E também bastante interessado em assistir ao francês 120 Battements par Minute (BPM (Beats per Minute), de Robin Campillo, que foi bem ovacionado em Cannes. Trata-se da luta de um portador de Aids contra a indiferença no início dos anos 90. Embora os filmes representantes para o Oscar de Filme Estrangeiro ainda não tenham sido definidas, muito provavelmente este será o candidato da França e com fortes chances de ganhar a estatueta, que o país não ganha desde 1993 com Indochina.

toronto-international-film-festival-website

SELEÇÃO DO FESTIVAL INTERNACIONAL DE TORONTO

GALAS
Breathe
The Catcher Was A Spy
Darkest Hour
Film Stars Don’t Die in Liverpool
Kings
Long Time Running
Mary Shelley
The Mountain Between Us
Mudbound
Stronger
The Wife
Woman Walks Ahead

APRESENTAÇÕES ESPECIAIS
Battle of the Sexes
BPM (Beats Per Minute)
The Brawler
The Breadwinner
Call Me By Your Name
Catch the Wind
The Current War

The Children Act
Disobedience
Downsizing
A Fantastic Woman
First They Killed My Father
The Guardians
Hostiles
The Hungry
I, Tonya
mother!
Novitiate
Omerta
Plonger
The Price of Success
Professor Marston & the Wonder Women
The Rider
A Season in France
The Shape of Water
Sheikh Jackson
The Square
Submergence
Suburbicon
Thelma
Three Billboards Outside Ebbing, Missouri
Untitled Bryan Cranston/Kevin Hart Film

Victoria and Abdul

 

Festival-de-Cinema-de-Veneza-em-2017

INDICADOS AO LEÃO DE OURO 2017

  • Human Flow
    Dir: Ai Weiwei (Alemanha, EUA)
  • Mother!
    Dir: Darren Aronofsky (EUA)
  • Suburbicon
    Dir: George Clooney (EUA)
  • The Shape Of Water
    Dir: Guillermo Del Toro (EUA)
  • L’Insulte
    Dir: Ziad Doueiri (França, Líbano)
  • La Villa
    Dir: Robert Guediguian (França)
  • Lean on Pete
    Dir: Andrew Haigh (Reino Unido)
  • Mektoub, My Love: Canto Uno
    Dir: Abdellatif Kechiche (França)
  • The Third Murder
    Dir: Hirkazu Koreeda (Japão)
  • Jusqu’a La Garde
    Dir: Xavier Legrand (França)
  • Amore e Malavita
    Dir: Manetto Bros. (Itália)
  • Three Billboards Outside Ebbing, Missouri
    Dir: Martin McDonagh (Reino Unido)
  • Hannah
    Dir: Andrea Pallaoro (Itália, Bélgica, França)
  • Downsizing
    Dir: Alexander Payne (EUA)
  • Angels Wear White
    Dir: Vivian Qu (China, França)
  • Una Famiglia
    Dir: Sebastiano Risio (Itália)
  • First Reformed
    Dir: Paul Schrader (EUA)
  • Sweet Country
    Dir: Warwick Thornton (Austrália)
  • The Leisure Seeker
    Dir: Paolo Virzì (Itália)
  • Ex Libris – The New York Public Library
    Dir: Frederick Wiseman (EUA)

FORA DE COMPETIÇÃO

Eventos Especiais

  • Casa D’Altri
    Dir: Gianni Amelio (Itália)
  • Michael Jackson’s ‘Thriller’ 3D
    Dir: John Landis (EUA)
  • Making of Michael Jackson’s ‘Thriller’
    Dir: Jerry Kramer (EUA)

FICÇÃO

  • Our Souls at Night
    Dir: Ritesh Batra (EUA)
  • Il Signor Rotopeter
    Dir: Antonietta De Lillo (Itália)
  • Victoria and Abdul
    Dir: Stephen Frears (Reino Unido)
  • La Melodie
    Dir: Rachid Hami (França)
  • Outrage Coda
    Dir: Takeshi Kitano (Japão)
  • Loving Pablo
    Dir: Fernando Leon De Aranoa (Espanha)
  • Zama
    Dir: Lucrecia Martel (Argentina, Brasil)
  • Wormwood
    Dir: Errol Morris (EUA)
  • Diva!
    Dir: Francesco Patierno (Itália)
  • La Fidele
    Dir: Michael R. Roskam (Bélgica, França, Holanda)
  • The Private Life of a Modern Woman
    Dir: James Toback (EUA)
  • Brawl in Cell Block 99
    Dir: S. Craig Zahler (EUA)

NÃO-FICÇÃO

  • Cuba and the Cameraman
    Dir: Jon Albert (EUA)
  • My Generation
    Dir: David Batty (Reino Unido)
  • The Devil and Father Amorth
    Dir: William Friedkin (EUA)
  • This Is Congo
    Dir: Daniel McCabe (Congo)
  • Ryuichi Sakamoto: Coda
    Dir: Stephen Nomura Schible (EUA, Japão)
  • Jim & Andy: The Great Beyond. The Story of Jim Carrey, Andy Kaufman, and Tony Clifton
    Dir: Chris Smith (EUA)
  • Happy Winter
    Dir: Giovanni Totaro (Itália)

HORIZONTES

  • Disappearance
    Dir: Ali Asgari (Irã, Catar)
  • Especes Menaces
    Dir: Gilles Bourdos (França, Bélgica)
  • The Rape of Recy Taylor
    Dir: Nancy Buirski (EUA)
  • Caniba
    Dir: Lucian Castaing-Taylor, Verena Paravel (França)
  • Les Bienheureux
    Dir: Sofia Djama (França, Bélgica)
  • Marvin
    Dir: Anne Fontaine (França)
  • Invisibile
    Dir: Pablo Giorgelli (Argentina, Brasil, Uruguai, Alemanha)
  • Brutti e Cattivi
    Dir: Cosimo Gomez (Itália, França)
  • The Cousin
    Dir: Tzahi Grad (Israel)
  • Reparer les vivants
    Dir: Katell Quillevere (França, Bélgica)
  • The Testament
    Dir: Amichai Greenberg (Israel, Áustria)
  • No Date, No Signature
    Dir: Vahid Jalilvand (Irã)
  • Los Versos Del Olvido
    Dir: Alireza Khatami (França, Alemanha, Holanda, Chile)
  • Nico, 1988
    Dir: Susanna Nicchiarelli (Itália)
  • Krieg
    Dir: Rick Ostermann, Barbara Auer (Alemanha)
  • West of Sunshine
    Dir: Jason Raftopoulos (Austrália)
  • Gotta Cenerentola
    Dir: Alessandro Rak, Ivan Cappiello, Marino Guarnieri, Dario Sansone (Itália)
  • Under The Tree
    Dir: Hafsteinn Gunnar Sigurdsson (Islândia, Dinamarca, Polônia, Alemanha)
  • La Vita in Comune
    Dir: Edoardo Winspeare (Itália)

CINEMA IN THE GARDEN

  • Manuel
    Dir: Dario Albertini (Itália)
  • Controfigura
    Dir: Ra Di Martino (Itália, França, Marrocos, Suíça)
  • Woodstock
    Dir: Kate Mulleavy, Laura Mulleavy (EUA)
  • Nato A Casal Di Principe
    Dir: Bruno Oliviero (Itália, Espanha)
  • Suburra — The Series
    Dir: Michele Placido, Andrea Molaioli, Giuseppe Capotondi (Itália)
  • Tuers
    Dir: Francois Truokens, Jean-Francois Hensgens (Bélgica, França)

VENEZA REALIDADE VIRTUAL

  • Melita
    Dir: Nicolas Alcala (EUA)
  • La Camera Insabbiata
    Dir: Laurie Anderson, Huang Sin-Chien (EUA)
  • The Last Goodbye
    Dir: Gabo Arora (EUA)
  • My Name Is Peter Stillman
    Dir: Lysander Ashton, Leo Warner (Reino Unido)
  • Alice, The Virtual Reality Play
    Dir: Mathias Chelebourg (França)
  • Arden’s Wake Expanded
    Dir: Eugene YK Chung (EUA)
  • Greenland Melting
    Dir: Nonny De La Pena (EUA)
  • Bloodless
    Dir: Gina Kim (EUA)
  • Nothing Happens
    Dir: Uri Kranot, Michelle Kranot (Dinamarca, França)
  • The Dream Collector
    Dir: Mi Li (China)
  • Snatch VR Heist Experience
    Dir: Rafael Pavon, Nicolas Alcala (EUA)
  • Nefertiti
    Dir: Richard Mills, Kim-Leigh Pontin (Reino Unido)
  • Proxima
    Dir: Mathieu Pradat (França)
  • In The Pictures
    Dir: Qing Shao (China)
  • Dispatch
    Dir: Edward Robles (EUA, Reino Unido)
  • The Argos File
    Dir: Josema Roig (EUA)
  • Gomorra VR – We Own The Streets
    Dir: Enrico Roast (Itália)
  • Draw Me Close, Chapters 1-2
    Dir: Jordan Tannahill (Canadá, Reino Unido)
  • The Deserted
    Dir: Tsai Ming-Liang (Taiwan)
  • I Saw The Future
    Dir: Francois Vautier (França)
  • Separate Silences
    Dir: David Wedel (Dinamarca)
  • Free Whale
    Dir: Zhang Peibin (China)

***

O Festival de Veneza começa dia 30 de agosto e encerra dia 09 de setembro.

Já o Festival Internacional de Toronto tem início em 07 de setembro e vai até o dia 17.

Americanos dominam Veneza, mas filme filipino ‘The Woman Who Left’ leva o Leão de Ouro

the-woman-who-left-ang-babaeng-humayo-venice

Cena de “The Woman Who Left”, de Lav Diaz (photo by Venice Cortesy through Variety)

DIANTE DE VÁRIAS OPÇÕES INTERESSANTES,
SAM MENDES CONSEGUIU BOM EQUILÍBRIO NA PREMIAÇÃO ITALIANA

Deve ser difícil ser o presidente do júri de um grande festival como Veneza. Primeiramente, tem que assistir a uma série de filmes bons e instigantes que muitas vezes exigem uma preparação do espectador. Depois, precisa analisar e selecionar aqueles que considera melhores num âmbito artístico em que, teoricamente, não há melhores ou piores. E após a divulgação dos resultados, pode ser severamente criticado por suas escolhas, ou acusado de patriotismo, coleguismo ou nepotismo.

Levando tudo isso em consideração, o diretor americano Sam Mendes, aquele mesmo prodígio de Beleza Americana, teve a audácia de assumir essa responsabilidade. Premiou quatro filmes americanos nas categorias principais, mas deixou o prêmio máximo para uma produção filipina de 4 horas de duração.

lav-diaz-venice

O diretor filipino Lav Diaz e seu Leão de Ouro (photo by qz.com)

Alguns podem  se questionar: “Será que ele quis impressionar através de um alto cunho artístico? Ou simplesmente escolheu aquele longa que mais mexeu com ele?”. Particularmente, acredito que a última opção foi o que aconteceu, mas de qualquer forma, o presidente fica muito suscetível a questionamentos.

O fato é que o diretor filipino Lav Diaz possui uma filmografia bastante densa. Seus filmes costumam ter alta duração e tópicos profundos. E The Woman Who Left, um drama de vingança sobre uma professora presa por 30 anos acusada erroneamente, deve ser mais uma gema para sua coleção. Filmado em preto-e-branco, o filme foi altamente recomendado por críticos, que ressaltaram o estudo que faz da moral.

Voltando à questão do júri e de suas escolhas, acho interessante esse papel dos festivais de instigar diretores autorais através de premiações a se reinventarem ou jogar uma luz onde não havia, pois isso que alimenta o Cinema como Arte. Em seu discurso de agradecimento, Lav Diaz declarou: “Isto é para meu país, para o povo filipino, por nossa luta da humanidade”.

Quanto aos filmes norte-americanos, havia realmente um apanhado de boas produções selecionadas que podem, e devem figurar na temporada de premiações de 2017, e talvez por isso mesmo, Sam Mendes não tenha se esforçado tanto para conceder o Leão de Ouro a uma dessas produções com lugar cativo no Oscar. Vale ressaltar que Gravidade e Birdman são exemplos recentes de produções que se destacaram em Veneza e acumularam estatuetas do Oscar na sequência.

Em apenas seu segundo trabalho como diretor, o estilista mundialmente reconhecido da Gucci, Tom Ford, retorna à Veneza após o ótimo drama Direito de Amar (2009) para apresentar outro drama contundente intitulado Nocturnal Animals. Também se trata de uma história de vingança que dialoga com o mundo artístico de Los Angeles e com o mundo do crime do Texas. Ford contou com a colaboração de atores em alta em Hollywood como Amy Adams, Jake Gyllenhaal e Michael Shannon. Já podemos arriscar suas indicações ao Oscar 2017?

nocturnal-animals

Jake Gylenhaal (centro) e Michael Shannon (à direita) em cena de Nocturnal Animals (photo by independent.co.uk)

Os outros dois filmes mais falados em Veneza também são americanos: o musical La La Land, e o drama Jackie. O primeiro é o musical dirigido pelo talentoso Damien Chazelle de Whiplash: Em Busca da Perfeição. Para quem viu o trailer, dá pra se ter altas expectativas pelo visual e por se tratar de um musical mais jazz e inusitado. Por sua performance, Emma Stone levou o Volpi Cup de Melhor Atriz. Infelizmente, ela não estava presente na cerimônia, pois seria uma surpresa e tanto!

Trailer oficial de La La Land, de Damien Chazelle (Lions Gate Movies)

A vitória de Stone surpreendeu um pouco porque Natalie Portman como a primeira-dama Jacqueline Kennedy em Jackie estava no topo das casas de apostas. O drama dirigido pelo chileno Pablo Larraín concentra sua trama no pós-assassinato do presidente Kennedy, quando Jackie estava de luto, precisava consolar seus filhos e tomar as rédeas para honrar o legado de seu marido. Se Portman saiu de mãos abanando, pelo menos o roteiro de Noah Oppenheim saiu reconhecido.

natalie-portman-jackie-kennedy

Natalie Portman como a ex-Primeira Dama, Jacqueline Kennedy, em Jackie (photo by vogue.com)

E a última produção americana premiada foi The Bad Batch, de Ana Lily Amirpour. Conhecida pelo inovador filme iraniano de vampiros falado em persa, Garota Sombria Caminha Pela Noite, a jovem diretora trouxe outro filme com “peculiaridades”: uma história de amor que se passa num Texas à la western com comunidade de canibais. Particularmente, fiquei curioso pra saber como estão as performances de dois atores bastante rotulados: Jim Carrey e Keanu Reeves.

Falando em atores, o prêmio Volpi Cup de Ator foi para o argentino Oscar Martinez na dramédia The Distinguished Citizen, no qual interpreta um vencedor de prêmio Nobel de Literatura que retorna à sua cidade natal em busca de inspiração. Como todo bom filme argentino, apresenta críticas contemporâneas como a fama, ao mesmo tempo em que nos diverte com diálogos perfeitos e atuações sucintas.

Actor Oscar Martinez holds the Volpi Cup prize for best actor for the movie "The Distinguished Citizen" during the awards ceremony at the 73rd Venice Film Festival in Venice

Oscar Martinez segura seu Volpi Cup de Melhor Ator por “The Distinguished Citizen” Photo by REUTERS/Alessandro Bianchi

E o único empate desta edição ficou na categoria de Direção, dividido entre o mexicano Amat Escalante por The Untamed, e o russo Andrei Konchalovsky, que trouxe o drama do Holocausto, Paradise.

 

VENCEDORES DA 73ª EDIÇÃO DE VENEZA

LEÃO DE OURO
“The Woman Who Left,” de Lav Diaz

LEÃO DE PRATA DE MELHOR DIRETOR (EMPATE)
“Paradise,” Andrei Konchalovsky
“The Untamed,” Amat Escalante

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
“Nocturnal Animals,” Tom Ford

tomfordvenice

O elegante Tom Ford posando com seu Grande Prêmio do Júri pelo drama “Nocturnal Animals” (photo by hollywoodreporter.com)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
“The Bad Batch,” Ana Lily Amirpour

ana_lily_amirpour_640x360_afp_nocredit

A jovem diretora Ana Lily Amirpour com seu Prêmio do Júri por ‘The Bad Batch’ (photo by Getty Images through BBC.com)

ATOR
Oscar Martinez (“The Distinguished Citizen”)

ATRIZ
Emma Stone (“La La Land”)

PRÊMIO MARCELLO MASTROIANNI PARA JOVENS ATORES
Paula Beer (“Frantz”)

MELHOR ROTEIRO
Noah Oppenheim  (“Jackie”)

PRÊMIO LUIGI DE LAURENTIIS
“The Last of Us,” Ala Eddine Slim

MOSTRA HORIZONTES

MELHOR FILME
“Liberami,” Federica di Giacomo

MELHOR DIRETOR
“Home,” Fien Troch

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
“Big Big World,” Reha Erdam

PRÊMIO ESPECIAL PARA MELHOR ATOR
Nuno Lopes (“São Jorge”)

PRÊMIO ESPECIAL PARA MELHOR ATRIZ
Ruth Diaz (“The Fury of a Patient Man”)

MELHOR ROTEIRO
Wang Bing (“Bitter Money”)

MELHOR CURTA-METRAGEM
“La Voz Perdida,” Marcelo Mantinessi, Paraguay

VENICE CLASSICS AWARDS

MELHOR DOCUMENTÁRIO
“Le Councours,” Claire Simon

MELHOR FILME RESTAURADO
“Break-Up — L’uomo dei cinque palloni,” Marco Ferreri

%d blogueiros gostam disto: