‘NOMADLAND’ CONQUISTA os OSCARS de MELHOR FILME, DIREÇÃO e ATRIZ!

CERIMÔNIA MAIS CONTIDA PELA PANDEMIA FUNCIONA, MAS DISCURSOS LONGOS NÃO AJUDAM

Havia uma expectativa enorme em torna desta 93ª cerimônia do Oscar, afinal existia um sério risco do evento sequer acontecer por causa da pandemia. Apesar da vacinação nos EUA estar bem avançada, seria necessário respeitar uma série de protocolos sanitários para garantir o bem estar de todos os envolvidos. A organização do Oscar não queria uma cerimônia como as demais premiações anteriores, formada por reuniões virtuais de Zoom, por isso fizeram todo o possível para criar um ambiente seguro para os convidados. Apesar do capricho do evento, nem todos os indicados puderam comparecer, mas montaram toda uma estrutura profissional em várias localidades no mundo como Londres, Paris e Roma para que houvesse a participação de todos.

A Union Station, que também fica em Los Angeles, ofereceu um clima aconchegante para a cerimônia. Os convidados presentes pareciam bem confortáveis em seus assentos. Quando subiam ao palco, não havia sequer a pessoa encarregada de entregar o prêmio para evitar contato, então puseram a estatueta numa espécie de pódio para o vencedor retirar. Aliás, era sempre uma única estatueta no pódio, independente do número de vencedores da categoria. Particularmente, senti falta de uma orquestra que sempre torna tudo muito marcante e glorioso, mas é compreensível a presença do DJ Questlove.

Falando em música, todas as cinco canções indicadas foram pré-gravadas e exibidas antes do início da cerimônia, mais precisamente durante as entrevistas no tapete vermelho. Já que reclamam sempre do excesso de tempo, resolveram antecipar as performances musicais. Foi uma ótima ideia que permitiu a gravação de “Husavik” direto da Islândia. Contudo, esse ganho de tempo não se converteu bem nos discursos de agradecimento que foram quase todos muito longos. Como não havia a tradicional orquestra para cortar os discursos, os vencedores abraçavam o microfone e não queriam largar mais! Aliás, de uma forma geral, os discursos foram muito politicamente corretos, protocolares e até meio robóticos, passando longe daqueles discursos super animados que extravasam a alegria do momento.

Fiquei na maior expectativa do discurso da Frances McDormand porque o último dela em 2018 foi fenomenal, mas ela foi bem mais contida, muito provavelmente porque já havia discursado poucos minutos antes com a vitória de Melhor Filme. Então, o melhor da noite foi da Yuh-Jung Youn, que venceu Atriz Coadjuvante por Minari. Conhecida por ser bem sincera, ela passou a autenticidade que a cerimônia precisava. Apesar de longo, dá pra incluir o lado emotivo do discurso de THOMAS VINTERBERG ao mencionar a morte prematura de sua filha num atropelamento causado por um motorista usando celular ao volante. E o melhor momento da noite foi quando GLENN CLOSE, 74 anos, levantou-se para rebolar ao vivo ao som de um hip hop.

NÚMEROS DO OSCAR

Em termos de estúdio, a NETFLIX foi a grande vencedora da edição com 7 estatuetas: 2 para MANK, 2 para A VOZ SUPREMA DO BLUES, 1 para PROFESSOR POLVO, 1 para COLETTE e 1 para SE ALGO ACONTECER… TE AMO. Bem mais atrás ficou a WARNER, que levou 3 prêmios: 2 por JUDAS E O MESSIAS NEGRO e 1 por TENET. Empatados com 2 vitórias cada, tivemos a AMAZON (2 por O SOM DO SILÊNCIO), DISNEY (2 por SOUL) e SONY PICTURES CLASSICS (2 por MEU PAI).

Em termos de filme, NOMADLAND ficou em 1º lugar com 3 estatuetas (Filme, Direção e Atriz), seguido por 6 filmes que levaram 2 estatuetas cada: Meu Pai (Ator e Roteiro Adaptado), MANK (Fotografia e Design de Produção), JUDAS E O MESSIAS NEGRO (Ator Coadjuvante e Canção Original), A VOZ SUPREMA DO BLUES (Figurino e Maquiagem), O SOM DO SILÊNCIO (Montagem e Som), SOUL (Longa de Animação e Trilha Original), mostrando-se um Oscar melhor distribuído.

Claro que mesmo assim, houve alguns filmes que saíram de mãos vazias. O maior perdedor da noite foi OS 7 DE CHICAGO, o único entre os oito indicados a Melhor Filme que não ganhou nenhum prêmio. Vale destacar também as campanhas sem vitória de RELATOS DO MUNDO (4 indicações) e UMA NOITE EM MIAMI (3 indicações).

SURPRESAS

Talvez a maior surpresa da noite tenha sido a ordem de apresentação das categorias. A intenção dos produtores do evento era assemelhar o Oscar com a produção de um filme, então começaram com a entrega dos dois Oscars de Roteiro. Até aí, tudo ok. Inclusive, no ano de Spotlight aconteceu a mesma coisa. Mas duas trocas foram estranhas: Oscar de Direção foi o sétimo prêmio, e principalmente o Oscar de Melhor Filme sendo o antepenúltimo da noite. A intenção dos organizadores era ter um grand finale com a possível vitória de Chadwick Boseman com uma salva de palmas acompanhadas de lágrimas, mas a vitória de Anthony Hopkins frustrou esses planos, não tanto pela troca de vencedor em si, mas porque Hopkins não compareceu ao evento.

Sobre os resultados, é impossível falar de surpresas sem mencionar os dois Oscars de MEU PAI. Alguns já esperavam que levasse Roteiro Adaptado muito em função do BAFTA que conquistou há duas semanas, mas pouquíssimos não imaginaram que a Academia não homenagearia Chadwick Boseman postumamente com um Oscar. Felizmente, a qualidade da atuação de ANTHONY HOPKINS foi primordial para que o britânico levasse sua segunda estatueta de Melhor Ator. Desde que ele ganhou o BAFTA, acreditei nessa virada contra Boseman. Muitos acreditaram que ele só havia ganhado porque era britânico e o BAFTA o teria reconhecido somente por esse motivo, mas eu acreditava que todos que viram Meu Pai se convenceriam da qualidade da atuação dele. É realmente uma pena que o ator não tenha comparecido à cerimônia… Preferiu ficar resguardado em sua casa no País de Gales.

Ainda sobre atuação, a vitória de FRANCES MCDORMAND também acabou com o bolão de muita gente, que estava entre Carey Mulligan e Viola Davis. Particularmente, achei que o Oscar como produtora de Nomadland seria o suficiente para a atriz, mas sua performance cativou muitos votantes, além, claro, de toda sua figura emblemática nessa Hollywood em metamorfose após os movimentos feministas. A verdade é que McDormand é uma das melhores atrizes do momento, ganhando suas terceira estatueta de Melhor Atriz, aliás a única com essa estatística atualmente. Meryl Streep e Ingrid Bergman têm dois Oscars de Melhor Atriz e um de Coadjuvante. E ela está a apenas um Oscar da lendária Katherine Hepburn com 4 Oscars de Melhor Atriz. Num ano bastante disputado, em que não havia uma favorita, a divisão de votos beneficiou McDormand, mas poderia ter beneficiado qualquer outra, dadas as qualidades de suas atuações.

Ainda das surpresas da noite, destaco o Oscar de Canção Original para “Fight for You” de JUDAS E O MESSIAS NEGRO, já que todos estavam entre as canções de Uma Noite em Miami e Rosa e Momo. Inicialmente a canção não tinha me cativado, mas confesso que ouvindo na apresentação, a música me pegou melhor e me fez lembrar de toda a essência do filme de Shaka King. E a vitória de COLETTE como Documentário-curta não chega a ser aqueeeeeela surpresa, mas a maioria apostava em Uma Canção Para Latasha. Não sei se dá pra defender que o Oscar de Fotografia de MANK foi surpresa, porque tinha levado o prêmio do sindicato, mas é inegável que foi um reconhecimento merecido.

DESTAQUES

Como dito inúmeras vezes, CHLOÉ ZHAO se tornou a segunda diretora mulher a ganhar o Oscar de Direção por Nomadland, 11 anos após Kathryn Bigelow por Guerra ao Terror. Como citado acima, FRANCES MCDORMAND se torna a única a vencer 3 vezes o Oscar de Melhor Atriz. Ela havia vencido anteriormente por Fargo e Três Anúncios Para um Crime. MIA NEAL e JAMIKA WILSON se tornaram as primeiras negras a ganhar o Oscar de Maquiagem e Penteado por A Voz Suprema do Blues. YUH-JUNG YOUN obviamente se tornou a primeira atriz sul-coreana a vencer um Oscar por Minari.

Por Bela Vingança, EMERALD FENNELL foi a primeira roteirista feminina a levar um Oscar de Roteiro desde 2008, quando Diablo Cody levou por Juno. Aos 89 anos, a figurinista ANN ROTH se iguala ao roteirista James Ivory (por Me Chame Pelo Seu Nome) ao se tornar a pessoa mais idosa a ganhar um Oscar por A Voz Suprema do Blues.

OPINIÕES PESSOAIS

De uma forma geral, dá pra dizer que o Oscar 2021 mais acertou do que errou, partindo do princípio que não dá pra agradar a gregos e troianos. Por um lado não gostei do Oscar de Documentário para Professor Polvo (que teria dado para Crip Camp ou Collective), mas por outro, aplaudi os Oscars para Anthony Hopkins, para o Roteiro de Meu Pai e Yuh-Jung Youn. Gostaria que Meu Pai tivesse sido indicado à Direção e até levado Melhor Filme, mas ao mesmo tempo, entendo a vitória de Nomadland e ressalto que adoraria rever esse filme numa tela de cinema, porque acredito que a experiência seria infinitamente mais transcendental do que numa tela de notebook em casa.

Sobre a cerimônia, primeiramente foi uma vitória da Academia ter conseguido realizar um evento dessa proporção sem nenhum problema técnico em plena pandemia. Claro que não dá pra cobrar coisa muito melhor devido às circunstâncias, mas eu queria ter visto mais clipes dos filmes e atuações ao invés daquele monte de falatório sobre as curiosidades dos indicados, gostaria de ter visto mais humor de forma geral, seja através de uma brincadeira ou de um comediante no palco, e claro, discursos mais empolgantes e emocionantes. Parece que os vencedores estavam com receio de se soltarem e serem julgados pela mídia por “furar a quarentena”. Enfim, houve aquele momento de descontração no final com o comediante Lil Rel Howery fazendo um quizz sobre canções com convidados, culminando na rebolada de Glenn Close, mas aquele momento deveria ter ocorrido no início para quebrar o gelo e proporcionar um clima mais leve à premiação…

CONFIRA TODOS OS VENCEDORES DO 93º ACADEMY AWARDS:

FILME
NOMADLAND (Nomadland)

DIREÇÃO
* CHLOÉ ZHAO (Nomadland)

ATOR
* ANTHONY HOPKINS (Meu Pai)

ATRIZ
* FRANCES MCDORMAND (Nomadland)

ATOR COADJUVANTE
DANIEL KALUUYA (Judas e o Messias Negro)

ATRIZ COADJUVANTE
* YUH-JUNG YOUN (Minari)

ROTEIRO ORIGINAL
* BELA VINGANÇA – Emerald Fennell

ROTEIRO ADAPTADO
* MEU PAI – Christopher Hampton, Florian Zeller

FOTOGRAFIA
* MANK – Erik Messerschmidt

MONTAGEM
* O SOM DO SILÊNCIO – Mikkel E.G. Nielsen

DESENHO DE PRODUÇÃO 
* MANK – Donald Graham Burt, Jan Pascale

FIGURINO
* A VOZ SUPREMA DO BLUES – Ann Roth

MAQUIAGEM E PENTEADO
* A VOZ SUPREMA DO BLUES – Matiki Anoff, Mia Neal, Larry M. Cherry

TRILHA MUSICAL ORIGINAL
* SOUL – Trent Reznor, Atticus Ross, Jon Batiste

CANÇÃO ORIGINAL
* “Fight for You” – JUDAS E O MESSIAS NEGRO
Música por H.E.R. and Dernst Emile II; Letra por H.E.R. e Tiara Thomas

SOM
* O SOM DO SILÊNCIO – Phillip Bladh, Nicolas Becker, Jaime Baksht, Michelle Couttolenc, Carlos Cortés, Carolina Santana

EFEITOS VISUAIS
* TENET – Andrew Jackson, Andrew Lockley, Scott R. Fisher, Mike Chambers 

LONGA DE ANIMAÇÃO
* SOUL

DOCUMENTÁRIO
* PROFESSOR POLVO

FILME INTERNACIONAL
* DRUK – MAIS UMA RODADA – Dinamarca

CURTA-METRAGEM
* DOIS ESTRANHOS (TWO DISTANT STRANGERS)

CURTA DE ANIMAÇÃO
* SE ALGO ACONTECER… TE AMO (IF ANYTHING HAPPENS… I LOVE YOU)

DOCUMENTÁRIO-CURTA
* COLETTE

PODCAST CINEMA OSCAR e AFINS – EPISÓDIO 5: APOSTAS do OSCAR 2021

No último dia 21/04, lançamos mais um episódio do nosso podcast para fazer uma breve análise das 23 categorias e concedermos nossas apostas. Não se esqueça de votar no bolão do Oscar, seguindo o nosso perfil do Instagram @cinemaoscareafins e clicando no link abaixo:

Lançaremos o próximo episódio depois do Oscar para fazer comentários sobre a cerimônia e os vencedores.

Não votou no Bolão? Ainda dá tempo de fazer suas apostas até às 16h. Basta seguir o nosso perfil no Instagram @cinemaoscareafins e clicar no link abaixo para votar.

https://forms.gle/cPnqoDrEYiZfhAkD7


Confira o episódio 5 pelos links abaixo.

Pelo SPOTIFY:

Pelo ANCHOR:

https://anchor.fm/cinemaoscareafins/episodes/Episdio-5-Apostas-para-o-Oscar-2021-evaasd

Pelo Google Podcasts:

https://podcasts.google.com/feed/aHR0cHM6Ly9hbmNob3IuZm0vcy81MTQ1NTFiOC9wb2RjYXN0L3Jzcw==?fbclid=IwAR3BHacbx2sQeCkPnEdn02nQOKTt4XvGEEaycOjQtbnZijlE2w1z9_Xy9ak

PODCAST CINEMA OSCAR e AFINS – EPISÓDIO 4: INDICADOS ao OSCAR 2021

Neste dia 20/03, lançamos mais um episódio do nosso podcast, agora em nova hospedagem da Anchor, e disponível no Spotify. Na companhia de Hugo Cancela, discutimos sobre as indicações da Academia, dando destaque para algumas surpresas como LaKeith Stanfield, Thomas Vinterberg e Steven Yeun.

Confira o episódio 4 pelos links abaixo.

Pelo SPOTIFY:

E pelo nosso novo serviço de hospedagem ANCHOR:

A 93ª cerimônia do Oscar está agendada para o dia 25 de Abril, e será transmitida pelo canal pago TNT.

ONDE e QUANDO ACOMPANHAR os INDICADOS ao OSCAR 2021

EM ASCENSÃO DURANTE PANDEMIA, SERVIÇOS DE STREAMING CONCENTRAM BOA PARTE DOS INDICADOS AO OSCAR 2021

Ao contrários dos anos anteriores e por causa da pandemia, a maioria dos títulos indicados ao Oscar já está disponível em plataformas de streaming há algumas semanas e até meses. Sabe o que isso significa? Que você não tem desculpas para não acompanhar os filmes desta temporada.

Outra coisa bacana desta edição é que não houve uma concentração de indicações em poucos filmes. Com exceção às 10 indicações de MANK, todos os demais acumularam no máximo 6 indicações cada. Isso representa um aumento no número de produções reconhecidas pela Academia e que podem ter maior visibilidade por causa da indicação. Só pra ilustrar e comparar, na edição de 2019 tivemos 52 filmes (incluindo curtas), em 2020 tivemos 53 filmes, e este ano tivemos 56 filmes.

Alguns filmes têm data de lançamento nos cinemas como MEU PAI, BELA VINGANÇA e NOMADLAND em Abril, mas tudo pode mudar por causa das fases vermelhas e roxas da pandemia que acometem quase todos os estados brasileiros. As datas descritas abaixo são uma previsão das distribuidoras, mas não deixe de acompanhar a programação por jornais ou aplicativos de ingressos. E, claro, se puder ficar em casa, aguente mais um pouco antes da vacinação. Recomendamos que vá assistindo aos filmes disponíveis em streaming até ser mais seguro sair, e sempre de máscara. Cuidem-se!

Com o crescimento e popularização das plataformas de streaming, retiramos a seção de DVDs e Blu-Rays. Infelizmente, a mídia física tem a tendência de reduzir drasticamente a produção até se tornar um objeto de luxo e para colecionadores. Particularmente, sempre gostamos muito dos discos (especialmente da Criterion Collection) porque podemos assistir aos filmes a hora que queremos sem depender de direitos de exibição das plataformas, mas pensando pelo lado ecológico, ficamos aliviados que essa produção vai cair.

Confira a situação atual de todos os filmes indicados ao Oscar 2021. Faremos uma busca pelos curtas-metragens disponíveis de graça online ao longo dos próximos dias.

DISPONÍVEIS na NETFLIX

A CAMINHO DA LUA (Over the Moon)
1 indicação: Longa de Animação.

O CÉU DA MEIA-NOITE (The Midnight Sky)
1 indicação: Efeitos Visuais.

CRIP CAMP: REVOLUÇÃO PELA INCLUSÃO (Crip Camp)
1 indicação: Documentário.

DESTACAMENTO BLOOD (Da 5 Bloods)
1 indicação: Trilha Original.

ERA UMA VEZ UM SONHO (Hillbilly Elegy)
2 indicações: Atriz Coadjuvante (Glenn Close) e Maquiagem e Penteado.

FESTIVAL EUROVISION DE CANÇÃO: A SAGA DE SIGRIT E LARS (Eurovision Song Contest: The Story of Fire Saga)
1 indicação: Canção Original (“Husavik”)

MANK (Mank)
10 indicações: Filme, Direção, Ator (Gary Oldman), Atriz Coadjuvante (Amanda Seyfried), Fotografia, Design de Produção, Figurino, Maquiagem e Penteado, Trilha Original e Som.

PIECES OF A WOMAN
1 indicação: Atriz (Vanessa Kirby)

PROFESSOR POLVO (My Octopus Teacher)
1 indicação: Documentário.

RELATOS DO MUNDO (News of the World)
4 indicações: Fotografia, Design de Produção, Trilha Original e Som.

ROSA E MOMO (The Life Ahead)
1 indicação: Canção Original (“Io Sì (Seen)”)

OS 7 DE CHICAGO (The Trial of the Chicago 7)
6 indicações: Filme, Ator Coadjuvante (Sacha Baron Cohen), Roteiro Original, Fotografia, Montagem e Canção Original (“Hear My Voice).

SHAUN, O CARNEIRO: O FILME – A FAZENDA CONTRA-ATACA (A Shaun the Sheep Movie: Farmageddon)
1 indicação: Longa de Animação.

O TIGRE BRANCO (The White Tiger)
1 indicação: Roteiro Adaptado

A VOZ SUPREMA DO BLUES (Ma Rainey’s Black Bottom)
5 indicações: Ator (Chadwick Boseman), Atriz (Viola Davis), Design de Produção, Figurino e Maquiagem e Penteado.

14/04: AMOR E MONSTROS (Love and Monsters)
1 indicação: Efeitos Visuais.

MANK (2020) Lily Collins as Rita Alexander and Gary Oldman as Herman Mankiewicz. NETFLIX

DISPONÍVEIS na AMAZON PRIME VIDEO

BORAT: FITA DE CINEMA SEGUINTE (Borat: Subsequent Moviefilm)
2 indicações: Atriz Coadjuvante (Maria Bakalova) e Roteiro Adaptado.

UMA NOITE EM MIAMI… (One Night in Miami)
3 indicações: Ator Coadjuvante (Leslie Odom Jr.), Roteiro Adaptado e Canção Original (“Speak Now”).

O SOM DO SILÊNCIO (Sound of Metal)
6 indicações: Filme, Ator (Riz Ahmed), Ator Coadjuvante (Paul Raci), Roteiro Original, Montagem e Som.

TIME (Time)
1 indicação: Documentário.

Eli Goree stars in ONE NIGHT IN MIAMI Photo: Patti Perret/Amazon Studios

DISPONÍVEIS no DISNEY PLUS

DOIS IRMÃOS: UMA JORNADA FANTÁSTICA (Onward)
1 indicação: Longa de Animação.

O GRANDE IVAN (The One and Only Ivan)
1 indicação: Efeitos Visuais.

MULAN (Mulan)
2 indicações: Figurino e Efeitos Visuais.

SOUL (Soul)
2 indicações: Trilha Original e Longa de Animação.

Soul

DISPONÍVEIS no APPLE TV +

GREYHOUND: NA MIRA DO INIMIGO (Greyhound)
1 indicação: Som.

WOLFWALKERS
1 indicação: Longa de Animação.

DISPONÍVEIS no NOW (NET)

EMMA. (Emma.)
2 indicações: Figurino e Maquiagem e Penteado.

TENET (Tenet)
2 indicações: Design de Produção e Efeitos Visuais.

DISPONÍVEIS na GLOBOPLAY

AGENTE DUPLO (The Mole Agent)
1 indicação: Documentário.

DISPONÍVEIS no TELECINE

EMMA. (Emma.)
2 indicações: Figurino e Maquiagem e Penteado.

FILMES EM CARTAZ nos CINEMAS de SÃO PAULO

JUDAS E O MESSIAS NEGRO (Judas and the Black Messiah)
6 indicações: Filme, Ator Coadjuvante (Daniel Kaluuya), Ator Coadjuvante (LaKeith Stanfield), Roteiro Original, Fotografia e Canção Original (“Fight for You”).

PINÓQUIO (Pinocchio)
2 indicações: Figurino e Maquiagem e Penteado.

PREVISÃO de ESTREIA nos CINEMAS

25/03: DRUK – MAIS UMA RODADA (Another Round)
2 indicações: Direção e Filme Internacional (Dinamarca)

08/04: BELA VINGANÇA (Promising Young Woman)
5 indicações: Filme, Direção, Atriz (Carey Mulligan), Roteiro Original e Montagem.

08/04: MEU PAI (The Father)
6 indicações: Filme, Ator (Anthony Hopkins), Atriz Coadjuvante (Olivia Colman), Roteiro Adaptado, Montagem e Design de Produção.

15/04: NOMADLAND (Nomadland)
6 indicações: Filme, Direção, Atriz (Frances McDormand), Roteiro Adaptado, Fotografia e Montagem.

20/04: QUO VADIS, AIDA? (plataformas digitais)
1 indicação: Filme Internacional (Bósnia e Herzegovina).

Agosto: O HOMEM QUE VENDEU SUA PELE (The Man Who Sold His Skin)
1 indicação: Filme Internacional (Tunísia)

SEM PREVISÃO (apelo aos torrents)

BETTER DAYS
1 indicação: Filme Internacional (Hong Kong).

COLLECTIVE
2 indicações: Documentário e Filme Internacional (Romênia).

OS ESTADOS UNIDOS VS. BILLIE HOLIDAY (The United States vs. Billie Holiday)
1 indicação: Atriz (Andra Day)

MINARI (Minari)
6 indicações: Filme, Direção, Ator (Steven Yeun), Atriz Coadjuvante (Yuh-Jung Youn), Roteiro Original e Trilha Original.

CURTAS PELA INTERNET

A Concerto is a Conversation
Documentário -Curta

COLETTE
Documentário-Curta

FEELING THROUGH
Curta-Metragem

DO NOT SPLIT (YouTube)
Documentário-Curta

UMA CANÇÃO PARA LATASHA (Netflix)
Documentário-Curta

SE ALGO ACONTECER… TE AMO (Netflix)
Curta de Animação

TOCA (Burrow) (Disney Plus)
Curta de Animação

THE LETTER ROOM (Vimeo – PAGO)
Curta-Metragem

INDISPONÍVEIS (Apenas teasers ou trailers online)

HUNGER WARD
Documentário-Curta

Genius Loci
Curta de Animação

YES-PEOPLE
Curta de Animação

OPERA
Curta de Animação

THE PRESENT
Curta-Metragem

TWO DISTANT STRANGERS
Curta-Metragem

WHITE EYE
Curta-Metragem

‘MANK’ LIDERA INDICAÇÕES ao OSCAR 2021. THOMAS VINTERBERG e LAKEITH STANFIELD são as GRANDES SURPRESAS

PELA PRIMEIRA VEZ, DUAS DIRETORAS SÃO INDICADAS EM MESMA EDIÇÃO

O anúncio dos indicados ao Oscar estava previamente agendado para às 10h19, horário de Brasília, mas com a entrada do horário de verão nos EUA, o evento ao vivo foi antecipado para às 9h19. Muitos canais online que queriam cobrir o anúncio em lives também sofreram com essa mudança de última hora. Conforme combinado, o casal Priyanka Chopra e Nick Jonas dividiram essa responsabilidade em duas partes. Ela ficou bastante feliz pela indicação a Melhor Roteiro Original para o filme O Tigre Branco, no qual estrela ao lado de Adarsh Gourav. Poderiam ter caprichado um pouco mais na arte e inserido fotos dos filmes e atores indicados, mas preferiram apenas o texto. Confira o anúncio em vídeo do YouTube abaixo:

NÚMEROS DO OSCAR

Como previsto, Mank foi o filme que mais acumulou indicações nesta 93ª edição do Oscar, com 10. Com 6 indicações cada, seis filmes empataram: MEU PAI, JUDAS E O MESSIAS NEGRO, MINARI, NOMADLAND, O SOM DO SILÊNCIO e OS 7 DE CHICAGO. Todos os filmes acima foram indicados a Melhor Filme ao lado de BELA VINGANÇA que recebeu 5 indicações.

Num ano marcado pela pandemia, a NETFLIX foi a recordista pelo segundo ano consecutivo com 35 indicações. Em 2020, a companhia de streaming havia acumulado 24 indicações.

Esta foi a última vez que a categoria de MELHOR FILME terá número de indicados flexível dependendo do número de votos. Foi combinado que a partir da próxima edição, teremos sempre DEZ filmes indicados a Melhor Filme, como foi em 2010 e 2011. O objetivo é aumentar a visibilidade de mais filmes que tragam maior diversidade ao Oscar (e por que não audiência?). Este ano, tivemos oito indicados, e tivemos ausência de três indicados ao PGA: Borat: Fita de Cinema Seguinte, A Voz Suprema do Blues e Uma Noite em Miami.

HISTÓRICOS

Depois de 93 anos, finalmente temos duas diretoras indicadas na categoria de DIREÇÃO: Emerald Fennell por Bela Vingança e CHLOÉ ZHAO por Nomadland. Elas se tornaram apenas a SEXTA e SÉTIMA mulheres indicadas nesta categoria. Enquanto Zhao se tornou a primeira diretora não-branca indicada e foi a primeira mulher a receber 4 indicações (Filme, Direção, Roteiro Adaptado e Montagem), Fennell foi a terceira mulher a acumular 3 indicações (Filme, Direção e Roteiro Original). Havia a possibilidade de Regina King também integrar essa acirrada competição por Uma Noite em Miami, mas sua possível vaga foi “roubada” pelo dinamarquês THOMAS VINTERBERG por Druk – Mais uma Rodada.

Pela primeira vez, tivemos NOVE ATORES NÃO-BRANCOS indicados nas 4 categorias: Chadwick Boseman, Riz Ahmed (primeiro descendente de Paquistanês indicado), Steven Yeun e Yuh-Jung Youn (primeiros atores sul-coreanos), Andra Day, Viola Davis, Daniel Kaluuya, LaKeith Stanfield e Leslie Odom Jr.

CHADWICK BOSEMAN se tornou apenas o sétimo ator a receber indicação póstuma. O jovem ator, que faleceu em Agosto de 2020 aos 43 anos, junta-se a nomes consagrados como James Dean (Vidas Amargas e Assim Caminha a Humanidade) e os vencedores do Oscar Peter Finch (Rede de Intrigas) e Heath Ledger (Batman – O Cavaleiro das Trevas). Ele é o primeiro ator negro a ser indicado postumamente.

SURPRESAS E AUSÊNCIAS

Talvez a maior surpresa desta edição tenha sido a indicação de LaKeith Stanfield. Se ele fosse indicado para Melhor Ator já seria uma surpresa, mas como foi indicado a Ator Coadjuvante, foi um CHOQUE! Mais uma vez vemos aquela manipulação entre as categorias de atuação, mas de forma mais descarada aqui, afinal, se Stanfield e Kaluuya são Coadjuvantes, quem é o protagonista em Judas e o Messias Negro??

A segunda maior surpresa foi a de Thomas Vinterberg na Melhor Direção. Embora ele tivesse sido recentemente indicado ao BAFTA, poucos previram outra indicação a não ser na categoria de Filme Internacional pela Dinamarca. Havia uma chance mínima também para uma indicação de Melhor Ator para Mads Mikkelsen, mas a disputa estava acirradíssima. Num ano conturbado, com Minari levando vários prêmios de Filme em Língua Estrangeira, mas não podendo concorrer ao Oscar da categoria por ser uma produção americana, e Bacurau excluído por ter competido em 2020, Druk – Mais uma Rodada foi se firmando como favorito.

Ainda sobre a categoria de Filme Internacional, embora imprevisível este ano, podemos considerar surpresas as indicações do filme de Hong Kong, Better Days, e da Tunísia, The Man Who Sold His Skin. Havia uma expectativa de indicações para o filme La Llorona, da Guatemala, Nós Duas, da França, e até A Sun, de Taiwan. Romênia e Tunísia comemoram suas primeiras indicações ao Oscar.

Voltando às categorias de atuação, e GLENN CLOSE? Ela se tornou a terceira pessoa a ter a mesma performance indicada para o Oscar e para o Framboesa de Ouro! Se ganhar o Oscar, torna-se a primeira a conquistar esse feito. E se perder, será sua oitava derrota sem nenhuma vitória. Pra sorte dela, não existe uma franco-favorita na categoria (Yuh-Jung Youn é a mais cotada), então pode ser que ela ganhe, mas será aquela vitória com bastante ressalva por causa do Framboesa. E se perder, será a atriz recordista de indicações sem vitória, igualando o recorde histórico do já falecido Peter O’Toole.

Depois de muita pressão por não terem indicado SONG KANG HO ano passado por Parasita, STEVEN YEUN se torna o primeiro ator sul-coreano indicado ao Oscar por Minari. Quando se fala sobre #OscarsSoWhite, é mais comum discutirmos a ausência de atores negros, então ficamos contentes com a inclusão de dois atores asiáticos numa só edição, já que YUH-JUNG YOUN também foi reconhecida na categoria de Atriz Coadjuvante. Ela tem tudo para representar Minari no palco, pois a disputa entre as atrizes está bastante confusa ainda. Aliás, o SAG que será no próximo dia 04 de Abril, deve esclarecer melhor as reais chances dos atores até o final da temporada.

Com uma boa safra de performances, muitos atores acabaram sendo esnobados, mas felizmente nenhuma dessas ausências pode ser considerada um absurdo ou um ultraje. Melhor Ator: Delroy Lindo (Destacamento Blood) e Tahar Rahim (The Mauritanian); Melhor Atriz: Amy Adams (Era uma Vez um Sonho), Sophia Loren (Rosa e Momo) e Zendaya (Malcolm & Marie); Melhor Ator Coadjuvante: Chadwick Boseman (Destacamento Blood), Alan Kim (Minari), Bill Murray (On the Rocks) e Jared Leto (Os Pequenos Vestígios); Melhor Atriz Coadjuvante: Jodie Foster (The Mauritanian), Helena Zengel (Relatos do Mundo) e Dominique Fishback (Judas e o Messias Negro). Desses acima, gostaríamos de ter visto indicações para Tahar Rahim que está fantástico em The Mauritanian, e para Alan Kim, que conquista o coração de todos em Minari. Já das atuações que foram esnobadas por todos, mas adoraríamos ver aqui é a de Elisabeth Moss em O Homem Invisível, que também merecia indicação pelos efeitos visuais.

Dentre outras boas surpresas, destacamos a dupla indicação do filme romeno COLLECTIVE para DOCUMENTÁRIO e FILME INTERNACIONAL, repetindo o raro feito de Honeyland na última edição, que saiu sem nenhuma estatueta. A categoria de Documentário está bem representada também por AGENTE DUPLO, CRIP CAMP, TIME e PROFESSOR POLVO. Na categoria de Longa de Animação, gostamos da entrada do simpático trabalho de stop motion SHAUN, O CARNEIRO: O FILME – A FAZENDA CONTRA-ATACA, mas esperávamos que ele tomasse o lugar do fraco A CAMINHO DA LUA, para que a sequência Croods 2: Uma Nova Era fosse indicada.

Comemoramos duas ausências que indicam uma queda nas chances de Melhor Filme. A primeira para JACK FINCHER pelo roteiro de MANK. O filme de David Fincher pode ser perfeito em muitos aspectos técnicos, principalmente Fotografia e Som, mas seu roteiro, escrito décadas atrás, não chega a empolgar para um filme de bastidores de Hollywood e de Cidadão Kane. E a segunda seria a de AARON SORKIN na categoria de DIREÇÃO por OS 7 DE CHICAGO. Sorkin ainda precisa comer muito arroz e feijão para se tornar um bom diretor, então ficamos felizes por sua substituição na categoria. Ambas as ausências enfraquecem as campanhas dos filmes para ganhar o Oscar de Melhor Filme, afinal, indicações para direção e roteiro costumam ser essenciais para levar o prêmio principal da noite.

CONFIRA TODOS OS INDICADOS AO 93º ACADEMY AWARDS:

FILME
Meu Pai (The Father)
Judas e o Messias Negro (Judas and the Black Messiah)
Mank (Mank)
Minari (Minari)
Nomadland (Nomadland)
Bela Vingança (Promising Young Woman)
O Som do Silêncio (Sound of Metal)
Os 7 de Chicago (The Trial of the Chicago 7)

DIREÇÃO
* Thomas Vinterberg (Druk – Mais uma Rodada)
* David Fincher (Mank)
* Lee Isaac Chung (Minari)
* Emerald Fennell (Bela Vingança)
Chloé Zhao (Nomadland)

ATOR
*
Riz Ahmed (O Som do Silêncio)
* Chadwick Boseman (A Voz Suprema do Blues)
* Anthony Hopkins (Meu Pai)
* Gary Oldman (Mank)
* Steven Yeun (Minari)

ATRIZ
* Viola Davis (A Voz Suprema do Blues)
* Andra Day (Estados Unidos vs. Billie Holiday)
* Vanessa Kirby (Pieces of a Woman)
* Frances McDormand (Nomadland)
* Carey Mulligan (Bela Vingança)

ATOR COADJUVANTE
* Sacha Baron Cohen
(Os 7 de Chicago)
* Daniel Kaluuya (Judas e o Messias Negro)
* Leslie Odom Jr. (Uma Noite em Miami)
* Paul Raci (O Som do Silêncio)
* LaKeith Stanfield (Judas e o Messias Negro)

ATRIZ COADJUVANTE
* Maria Bakalova
(Borat: Fita de Cinema Seguinte)
* Glenn Close (Era uma Vez um Sonho)
* Olivia Colman (Meu Pai)
* Amanda Seyfried (Mank)
* Yuh-Jung Youn (Minari)

ROTEIRO ORIGINAL
* Judas e o Messias Negro – Will Berson, Shaka King, Keith Lucas, Kenneth Lucas 
Minari – Lee Isaac Chung 
* Bela Vingança – Emerald Fennell
O Som do Silêncio – Abraham Marder, Darius Marder, Derek Cianfrance 
Os 7 de Chicago – Aaron Sorkin

ROTEIRO ADAPTADO
*
Borat: Fita de Cinema Seguinte – Peter Baynham, Sacha Baron Cohen, Jena Friedman, Anthony Hines, Lee Kern, Dan Mazer, Nina Pedrad, Erica Rivinoja, Dan Swimer 
Meu Pai – Christopher Hampton, Florian Zeller
Nomadland – Chloé Zhao
Uma Noite em Miami – Kemp Powers 
O Tigre Branco – Ramin Bahrani

FOTOGRAFIA
Judas e o Messias Negro – Sean Bobbitt
Mank – Erik Messerschmidt
Relatos do Mundo – Dariusz Wolski
Nomadland – Joshua James Richardson
Os 7 de Chicago – Phedon Papamichael

MONTAGEM
Meu Pai – Yorgos Lamprinos
* Nomadland – Chloé Zhao 
* Bela Vingança – Frédéric Thoraval 
* O Som do Silêncio – Mikkel E.G. Nielsen
* Os 7 de Chicago – Alan Baumgarten

DESENHO DE PRODUÇÃO
Meu Pai – Peter Francis, Cathy Featherstone
A Voz Suprema do Blues – Mark Ricker, Karen O’Hara, Diana Stoughton 
Mank – Donald Graham Burt, Jan Pascale
Relatos do Mundo – David Crank, Elizabeth Keenan
* Tenet – Nathan Crowley, Kathy Lucas

FIGURINO
*
Emma. – Alexandra Byrne
A Voz Suprema do Blues – Ann Roth
Mank – Trish Summerville
Mulan – Bina Daigeler
Pinóquio – Massimo Cantini Parrini

MAQUIAGEM E PENTEADO
* Emma. – Marese Langan
* Era uma Vez um Sonho – Eryn Krueger Mekash, Patricia Dehaney, Matthew Mungle 
A Voz Suprema do Blues – Matiki Anoff, Mia Neal, Larry M. Cherry
* Mank – Kimberley Spiteri, Gigi Williams 
* Pinóquio – Dalia Colli, Anna Kieber, Sebastian Lochmann, Stephen Murphy 

TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Destacamento Blood – Terence Blanchard
* Mank – Trent Reznor, Atticus Ross
Minari – Emile Mosseri
Relatos do Mundo – James Newton Howard
Soul – Trent Reznor, Atticus Ross, Jon Batiste

CANÇÃO ORIGINAL
* “Fight for You” – JUDAS E O MESSIAS NEGRO
Música por H.E.R. and Dernst Emile II; Letra por H.E.R. e Tiara Thomas
* “Hear my Voice” – OS 7DE CHICAGO
Música por Daniel Pemberton; Letra por Daniel Pemberton e Celeste Waite
* “Husavik” – FESTIVAL EUROVISION DA CANÇÃO: A SAGA DE SIGRIT E LARS
Música e letra por Savan Kotecha, Fat Max Gsus e Rickard Göransson
* “Io Sì (SeEn)” – ROSA E MOMO
Música por Diane Warren; Letra por Diane Warren e Laura Pausini
* “Speak Now” – UMA NOITE EM MIAMI…
Música e letra por Leslie Odom, Jr. e Sam Ashworth

SOM
Greyhound: Na Mira do Inimigo – Odin Benitez, Jason King, Christian P. Minkler, Michael Minkler, Jeff Sawyer
Mank – Ren Klyce, Jeremy Molod, David Parker, Nathan Nance, Drew Kunin 
Relatos do Mundo – John Pritchett, Mike Prestwood Smith, William Miller, Oliver Tarney, Michael Fentum
Soul – Coya Elliott, Ren Klyce, David Parker, Vince Caro
* O Som do Silêncio – Phillip Bladh, Nicolas Becker, Jaime Baksht, Michelle Couttolenc, Carlos Cortés, Carolina Santana

EFEITOS VISUAIS
* PROBLEMAS MONSTRUOSOS
*
O Céu da Meia-Noite – Matt Kasmir, Chris Lawrence, Dave Watkins, Max Solomon 
Mulan – Sean Faden, Anders Langlands, Seth Maury, Steve Ingram
O Grande Ivan – Nick Davis, Greg Fisher, Ben Jones, Santiago Colomo Martinez 
Tenet – Andrew Jackson, Andrew Lockley, Scott R. Fisher, Mike Chambers 

LONGA DE ANIMAÇÃO
* Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica
* A Caminho da Lua
* SHAUN, O CARNEIRO: O FILME – A FAZENDA CONTRA-ATACA
* Soul
* Wolfwalkers

DOCUMENTÁRIO
* Collective
* Crip Camp: REVOLUÇÃO PELA INCLUSÃ
O
* Agente Duplo
* Professor Polvo
* Time

FILME INTERNACIONAL
Druk – Mais uma Rodada – Dinamarca
Better Days – Hong Kong
Collective – Romênia
The Man Who Sold his Skin – Tunísia
Quo Vadis, Aida? – Bósnia e Herzegovina

CURTA-METRAGEM
* Feeling Through
* The Letter Room
* The Present
* Two Distant Strangers
* White Eye

CURTA DE ANIMAÇÃO
* Burrow
* Genius Loci
* Se Algo Acontecer… Te Amo
* Opera
* Yes-People

DOCUMENTÁRIO-CURTA
* Colette
* A Concerto is a Conversation
* Do Not Split
* Hunger Ward
* UMA CANÇÃO PARA Latasha

____________________________________________________________________________________
A 93ª cerimônia do Oscar está marcada para o dia 25 de Abril.

ACADEMIA DIVULGA SHORTLISTS de NOVE CATEGORIAS. BRASIL FICA DE FORA em FILME INTERNACIONAL

‘BABENCO: ALGUÉM TEM QUE OUVIR O CORAÇÃO E DIZER PAROU’ NÃO CONSEGUE SE QUALIFICAR NEM COMO FILME INTERNACIONAL, NEM COMO DOCUMENTÁRIO

A Academia anunciou as nove pré-listas da próxima edição do Oscar. Foram 15 pré-selecionados nas categorias de Documentário, Filme Internacional, Trilha Musical Original e Canção Original, enquanto foram 10 pré-selecionados nas categorias de Maquiagem e Penteado, Efeitos Visuais, Documentário-Curta, Curta-Metragem e Curta de Animação. Apenas os filmes dessas listas poderão seguir adiante na disputa para conquistar indicações nessas categorias, que serão divulgadas no próximo dia 15 de Março.

Mais uma vez, o Cinema Brasileiro não participa da categoria de Filme Internacional do Oscar desde 1999 com Central do Brasil. A estratégia do Comitê que selecionou o filme representante do Brasil até tinha uma coerência: eleger o documentário sobre o cineasta argentino naturalizado brasileiro Hector Babenco, que ganhou um prêmio especial na penúltima edição do Festival de Veneza, para ter chances em duas frentes: Melhor Filme Internacional e Melhor Documentário. O objetivo ideal seria repetir o feito do filme da Macedônia do Norte, Honeyland, em 2020 mas no final, o filme de Bárbara Paz não conseguiu nem uma, nem outra indicação. Curiosamente, os representantes da Romênia, Collective, e do Chile, Agente Duplo, podem conseguir essa dobradinha de Filme Internacional e Documentário, pois ambos estão na pré-lista.

A última vez que o Brasil esteve presente na pré-lista foi lá no longínquo ano de 2007, quando O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias avançou, mas não conseguiu a indicação. Claro que a Ancine está decadente no governo Bolsonaro, mas é importante ressaltar que a seleção foi mal planejada. Bacurau foi preterido por A Vida Invisível pelo comitê em 2019, contudo com o lançamento do filme nos EUA em Março de 2020 pela Kino Lorber, o filme de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles vem conquistando prêmios e indicações importantes nesta temporada como o dos críticos de Nova York do NYFCC e Independent Spirit Awards, mas agora não pode participar desta seleção. Está faltando uma profissionalização para fazer uma seleção mais bem sintonizada e com o devido planejamento de campanha publicitária em território americano, senão o Cinema Brasileiro permanecerá fora da festa por mais alguns anos.

Abaixo, seguem as pré-listas das nove categorias e um breve panorama e comentário.

DOCUMENTÁRIO

  • 76 Days (MTV Documentary Films) – Dir: Weixi Chen, Hao Wu, Anonymous
  • Até o Fim: A Luta Pela Democracia (All In: The Fight for Democracy) (Amazon Studios) – Dir: Lisa Cortes, Liz Garbus
  • Boys State (Apple TV Plus) – Dir: Amanda McBaine, Jesse Moss
  • Collective (Magnolia Pictures and Participant) – Dir: Alexander Nanau
  • Crip Camp: Revolução Pela Inclusão (Crip Camp) (Netflix) – Dir: James Lebrecht, Nicole Newnham
  • As Mortes de Dick Johnson (Dick Johnson Is Dead) (Netflix) – Dir: Kirsten Johnson
  • Gunda (Neon) – Dir: Viktor Kosakovskiy
  • MLK/FBI (IFC Films) – Dir: Sam Pollard
  • Agente Duplo (The Mole Agent) (Gravitas Ventures) – Dir: Maite Alberdi
  • Professor Polvo (My Octopus Teacher) (Netflix) – Dir: Pippa Ehrlich, James Reed
  • Notturno (Neon) – Dir: Gianfranco Rosi
  • The Painter and the Thief (Neon) – Dir: Benjamin Ree
  • Time (Amazon Studios) – Dir: Garrett Bradley
  • The Truffle Hunters (Sony Pictures Classics) – Dir: Michael Dweck, Gregory Kershaw
  • Bem-Vindo à Chechênia (Welcome to Chechnya) (HBO) – Dir: David France

Como mencionado em post anterior, houve um recorde histórico de inscritos este ano com 238 documentários, número muito impulsionado pelo crescimento das plataformas digitais e da pandemia. Caso essa crescente permaneça, é possível que a Academia eleve o número de indicados da categoria de 5 para 10 nos próximos anos.

Dos 15 pré-selecionados, vale destacar que oito foram dirigidos por mulheres e de várias etnias e comunidades. Sobre a disputa, podemos dizer que se trata da categoria mais competitiva de todas daqui, e que independentemente dos cinco indicados, todos serão bem representados. Por enquanto, Time é o que vem conquistando mais prêmios e deve figurar entre os finalistas, seguido de perto por Collective. Contudo, tanto Collective quanto Agente Duplo podem ter votos anulados já que competem também como Filme Internacional.

FILME INTERNACIONAL

  • Druk – Mais uma Rodada (Another Round) (Dinamarca) – Dir: Thomas Vinterberg
  • Better Days (Hong Kong) – Dir: Derek Tsang
  • Charlatan (República Tcheca) – Dir: Agnieszka Holland
  • Collective (Romênia) – Dir: Alexander Nanau
  • Dear Comrades! (Rússia) – Dir: Andrey Konchalovskiy
  • I’m No Longer Here (México) – Dir: Fernando Frias
  • Hope (Noruega) – Dir: Maria Sødahl
  • La Llorona (Guatemala) – Dir: Jayro Bustamante
  • The Mole Agent (Chile) – Dir: Maite Alberdi
  • Night of the Kings (Costa do Marfim) – Dir: Philippe Lacôte
  • Quo Vadis, Aida? (Bósnia e Herzegovina) – Dir: Jasmila Žbanić
  • Sun Children (Irã) – Dir: Majid Majidi
  • Two of Us (França) – Dir: Filippo Meneghetti
  • A Sun (Taiwan) – Dir: Chung Mong-hong
  • The Man Who Sold His Skin (Tunísia) – Dir: Kaouther Ben Hania

Filmes de 93 países foram elegíveis este ano, igualando o recorde anterior. O que a Academia ainda não deixou claro é a quantidade mínima de filmes vistos para um membro da Academia estar apto a votar nesta categoria. Seriam 30? 40? 50? Talvez nunca saberemos. Felizmente, mesmo sem o comitê especial que “salva” os filmes mais conceituados da crítica, a pré-seleção mandou bem, com raras exceções, sendo uma delas a exclusão do filme do Lesoto, Isto Não é um Enterro, É uma Ressureição, e o filme espanhol A Trincheira Infinita. É uma pena também que o filme português Vitalina Varela não está na lista. Embora não tenha muito o perfil do Oscar, merecia estar pelo menos na pré-lista.

Em relação às chances, Druk – Mais uma Rodada, da Dinamarca, parece já ter uma vaga garantida, não apenas pela seleção no último Festival de Cannes, mas pelo prestígio que a parceria entre Thomas Vinterberg e Mads Mikkelsen tem. Apostaria também nas indicações de Quo Vadis, Ainda? (Bósnia e Herzegovina) e Night of the Kings (Costa do Marfim). Particularmente, gostaríamos que o filme guatemalteco La Llorona chegasse à cerimônia por apresentar uma mistura inusitada de elementos sobrenaturais com críticas políticas. E pra última vaga, a expectativa é do documentário Collective, da Romênia, mas pode ir para o mexicano I’m No Longer Here.

MAQUIAGEM E PENTEADO

  • Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa (Birds of Prey and the Fantabulous Emancipation of One Harley Quinn) (Warner Bros)
  • Emma (Focus Features)
  • The Glorias (Roadside Attractions and LD Entertainment)
  • Era uma Vez um Sonho (Hillbilly Elegy) (Netflix)
  • Uma Invenção de Natal (Jingle Jangle: A Christmas Journey (Netflix)
  • Os Pequenos Vestígios (The Little Things) (Warner Bros)
  • A Voz Suprema do Blues (Ma Rainey’s Black Bottom) (Netflix)
  • Mank (Netflix)
  • Uma Noite em Miami… (One Night in Miami) (Amazon Studios)
  • Pinóquio (Pinocchio) (Roadside Attractions)

Dos dez filmes, quatro são da Netflix. Com a ausência de Os 7 de Chicago, automaticamente A Voz Suprema do Blues assume o favoritismo. Outros quatro que podem ser indicados são Mank, Emma, Os Pequenos Vestígios e Aves de Rapina, já que Esquadrão Suicida chegou a ganhar o Oscar de Maquiagem. Ainda não descartaríamos Era uma Vez um Sonho, caso a Academia queira fazer uma dupla indicação com Glenn Close como Coadjuvante.

Particularmente, sentimos falta daquela maquiagem transformativa de criaturas fantasiosas que costumavam frequentar a categoria nos anos 80 e 90, que Rick Baker fazia de olhos vendados. Hoje em dia, a maquiagem tem seguido a linha discreta dos efeitos visuais, o que não é de todo ruim. O problema é quando a maquiagem parece básica demais pra estar entre os indicados ou até mesmo ganhar.

TRILHA MUSICAL ORIGINAL

  • Ammonite (Neon) – Dustin O’Halloran, Volker Bertelmann
  • Blizzard of Souls (Film Movement) – Lolita Ritmanis
  • Destacamento Blood (Da 5 Bloods) (Netflix) – Terence Blanchard
  • O Homem Invisível (The Invisible Man) (Universal Pictures) – Benjamin Wallfisch
  • Uma Invenção de Natal (Jingle Jangle: A Christmas Journey) (Netflix) – John Debney
  • Rosa e Momo (The Life Ahead (La Vita Davanti a Se) (Netflix) – Gabriel Yared
  • Os Pequenos Vestígios (The Little Things) (Warner Bros) – Thomas Newman
  • Mank (Netflix) – Trent Reznor, Atticus Ross
  • O Céu da Meia-Noite (The Midnight Sky) (Netflix) – Alexandre Desplat
  • Minari (A24) – Emile Mosseri
  • Mulan (Walt Disney Pictures) – Henry Gregson-Williams
  • Relatos do Mundo (News of the World) (Universal Pictures) – James Newton Howard
  • Soul (Pixar) – Jon Batiste, Trent Reznor, Atticus Ross
  • Tenet (Warner Bros) – Ludwig Göransson
  • Os 7 de Chicago (The Trial of the Chicago 7) (Netflix) – Daniel Pemberton

Nesta edição, 136 trilhas foram inscritas e elegíveis, e agora restam 15 composições no pote. Não sei se essa pré-lista abre espaço para muitas surpresas no anúncio das indicações, mas fico feliz com a inclusão de Benjamin Wallfisch por O Homem Invisível. Sua trilha que acentua a paranóia da protagonista faz uma baita diferença no filme de Leigh Whannell. Felizmente não tem John Williams este ano por Star Wars, senão ele teria uma vaga cativa.

Nossos palpites são: Soul, Mank, Tenet, Relatos do Mundo e O Céu da Meia-Noite. Talvez Minari fique com a vaga de James Newton Howard ou Alexandre Desplat, caso os votantes queiram dar uma inovada. E reforçando: Se Thomas Newman for indicado novamente, com certeza será outra derrota em seu vasto histórico sem vitórias, então talvez seja o caso de nem indicá-lo (?).

CANÇÃO ORIGINAL

  • “Turntables” de Até o Fim: A Luta Pela Democracia (Amazon Studios)
  • “See What You’ve Done” de Belly of the Beast (Independent Lens)
  • “Wuhan Flu” de Borat: Fita de Cinema Seguinte (Amazon Studios)
  • “Husavik” de Festival Eurovision da Canção: A Saga de Sigrit e Lars (Netflix)
  • “Never Break” de Vozes que Inspiram (Netflix)
  • “Make It Work” de Uma Invenção de Natal (Netflix)
  • “Fight For You” de Judas e o Messias Negro (Warner Bros)
  • “lo Sì (Seen)” de Rosa e Momo (Netflix)
  • “Rain Song” de Minari (A24)
  • “Show Me Your Soul” de Mr. Soul! (Shoes in the Bed Productions)
  • “Loyal Brave True” de Mulan (Walt Disney Pictures)
  • “Free” de O Grande Ivan (Disney Plus)
  • “Speak Now” de Uma Noite em Miami… (Amazon Studios)
  • “Green” de Som do Silêncio (Amazon Studios)
  • “Hear My Voice” de Os 7 de Chicago (Netflix)

105 canções foram inscritas e agora restam 15 na disputa. Dos mais reconhecidos até o momento, as canções de Os 7 de Chicago, Uma Noite em Miami…, Rosa e Momo e Judas e o Messias Negro são as que têm maiores chances de concretizar indicações. Seria engraçado ver Sacha Baron Cohen fazendo uma performance de “Wuhan Flu”, de Borat: Fita de Cinema Seguinte, mas está com cara de que vai rolar uma indicação para aquela canção de letras inspiradoras porém sem musicalidade de documentários, no caso, Até o Fim: A Luta Pela Democracia, ainda mais que a canção de Andra Day em The United States vs. Billie Holiday já ficou pelo caminho.

EFEITOS VISUAIS

  • Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa (Birds of Prey and the Fantabulous Emancipation of One Harley Quinn) (Warner Bros)
  • Bloodshot (Lionsgate)
  • Problemas Monstruosos (Love and Monsters) (Paramount Pictures)
  • Mank (Netflix)
  • O Céu da Meia-Noite (The Midnight Sky) (Netflix)
  • Mulan (Walt Disney Pictures)
  • O Grande Ivan (The One and Only Ivan) (Disney Plus)
  • Soul (Pixar)
  • Tenet (Warner Bros)
  • Bem-Vindo à Chechênia (Welcome to Chechnya) (HBO)

O comitê executivo de Efeitos Visuais será convidado a conferir um trecho de 10 minutos desses dez filmes pré-selecionados no dia 06 de Março para decidirem os cinco indicados. Nos últimos anos, a Academia tem premiado filmes com efeitos bem mais discretos e que servem a narrativa sem chamar muita atenção. Foram os casos vitoriosos de O Primeiro Homem e 1917. Nesse sentido, Mank se encaixa bem já que usou efeitos para reconstruir a Hollywood dos anos 30, e em uma escala um pouco maior, temos O Céu da Meia-Noite, que usou a tecnologia para criar estações espaciais e o próprio espaço sideral. Já em termos de efeitos exibicionistas que sempre marcam presença na categoria, a indicação de Tenet é dada como 99% certa.

A presença mais curiosa da lista é do documentário Bem-Vindo à Chechênia. Afinal, por que um documentário estaria indicado a Efeitos Visuais? Simples. Por se tratar de um filme sobre pessoas gays perseguidas na Rússia, os efeitos digitais foram utilizados para aplicar o chamado Deep Fake, trocando o verdadeiro rosto das vítimas para não serem identificadas pelo governo russo. Acredito que seria indicado mais pelo uso criativo e efetivo da tecnologia.

Já entre os excluídos, dá pra destacar o filme de submarinos Greyhound: Na Mira do Inimigo e até o Sonic: O Filme, que trocou bem o design do porco-espinho. Mas a grande injustiça aqui foi a ausência de O Homem Invisível. Totalmente injustificável, pois os efeitos caíram como uma luva no thriller de paranóia.

CURTA DE ANIMAÇÃO

  • Burrow
  • Genius Loci
  • If Anything Happens I Love You
  • Kapaemahu
  • Opera
  • Out
  • The Snail and the Whale
  • To Gerard
  • Traces
  • Yes-People

96 curtas animados foram inscritos, incluindo o brasileiro Umbrella, que acabou ficando de fora. O candidato com maior visibilidade aqui certamente é If Anything Happens I Love You, que está na plataforma da Netflix, é conta com a produtora Laura Dern.

DOCUMENTÁRIO-CURTA

  • Abortion Helpline, This Is Lisa
  • Call Center Blues
  • Colette
  • A Concerto Is a Conversation
  • Do Not Split
  • Hunger Ward
  • Hysterical Girl
  • A Love Song for Latasha
  • The Speed Cubers
  • O Que Sophia Loren Faria? (What Would Sophia Loren Do?)

De 114 documentários-curtas inscritos, restaram dez na disputa. Embora a Academia tenha uma preferência por curtas envolvendo crianças, adolescentes ou pessoas doentes, já arrisco a dizer que O Que Sophia Loren Faria? já apresenta todas as justificativas para estar entre os indicados: história de superação, envolve uma atriz internacional, faz uma ode ao cinema, conta com a publicidade da Netflix, e ainda tem trechos do Oscar.

CURTA-METRAGEM

  • Bittu
  • Da Yie
  • Feeling Through
  • The Human Voice
  • The Kicksled Choir
  • The Letter Room
  • The Present
  • Two Distant Strangers
  • The Van
  • White Eye

Desses dez pré-selecionados, o que tem as maiores chances de longe é o curta The Human Voice, já que é dirigido pelo cineasta espanhol Pedro Almodóvar e estrelado por Tilda Swinton. Filmado durante a pandemia, o curta foi exibido no último Festival de Veneza.

______________________________________________________________________________________
O anúncio dos indicados ao Oscar 2021 será no dia 15 de Março.

ACADEMIA DIVULGA LISTA de INSCRITOS de ANIMAÇÕES, DOCUMENTÁRIOS e FILMES INTERNACIONAIS

93ª EDIÇÃO JÁ COMEÇA COM UM RECORDE HISTÓRICO NA CATEGORIA DE DOCUMENTÁRIO

Nesta quinta-feira, dia 28, a Academia divulgou três listas de produções elegíveis nas categorias de Longa de Animação, Documentário e Filme Internacional. Enquanto na categoria de Animação houve uma queda de inscritos de 32 para 27, e na de Filme Internacional uma igualdade do número recorde de 93 filmes, houve um aumento expressivo de documentários, que passou do recorde anterior de 170 em 2017 para 238 (!) neste ano. Esse aumento significativo fez alguns críticos levantarem a questão se a Academia não deveria elevar o número de indicados para 10 ao invés dos costumeiros 5.

É importante ressaltar que nem todos dessas listas estão com sua candidatura garantida. Alguns ainda precisam cumprir o regulamento como exibições, enquanto outros precisam ser avaliados para serem devidamente qualificados. Em 2020, o representante da Nigéria foi desclassificado nesse período por apresentar mais de 50% de diálogos em Inglês, já que a categoria exige mais da metade em língua estrangeira.

Falando na categoria de Filme Internacional, há alguns dias o comitê da Academia decidiu aumentar a shortlist da pré-seleção (que sairá no dia 09 de Fevereiro) de 10 para 15 filmes por causa da pandemia. Parece uma boa notícia esse aumento, mas a verdade é que não é, pois isso ocorreu devido à exclusão do comitê especial que costuma garantir a presença de filmes mais relevantes nessa pré-lista. Agora, deixando a votação de 1º turno aberta para todos os membros, existem chances bem maiores de filmes premiados e bem recebidos pela crítica ficarem de fora para cederem suas vagas para produções mais quadradas e de temáticas constantes como a Segunda Guerra ou Holocausto.

Abaixo, seguem as três listas completas. É bem difícil fazermos qualquer tipo de avaliação sem conferir os filmes, mas após a lista, faremos uma aposta de quais podem ser os indicados do Oscar com base no seu histórico na temporada e o prestígio do estúdio e equipes.

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO

Accidental Luxuriance of the Translucent Watery Rebus
Bombay Rose
Calamity
Os Croods: Uma Nova Era (The Croods: A New Age)
Demon Slayer -Kimetsu No Yaiba- The Movie: Mugen Train
Dreambuilders
Earwig and the Witch
Kill It and Leave This Town
Lupin III: O Primeiro (Lupin III: The First)
Mosley
My Favorite War
The Nose or Conspiracy of Mavericks
No.7 Cherry Lane
On-Gaku: Our Sound
Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica (Onward)
A Caminho da Lua (Over the Moon)
Sapatos Vermelhos e os Sete Anões (Red Shoes and the Seven Dwarfs)
Pegando uma Onda com Você (Ride Your Wave)
Scooby: O Filme (Scoob!)
Shaun, o Carneiro: O Filme – A Fazenda Contra-Ataca (A Shaun the Sheep Movie: Farmageddon)
Soul (Soul)
Bob Esponja: O Incrível Resgate (The SpongeBob Movie: Sponge on the Run)
Astro Kid (Terra Willy)
Trolls 2 (Trolls World Tour)
Olhos de Gato (A Whisker Away)
Os Irmãos Willoughby (The Willoughbys)
Wolfwalkers

NOSSAS APOSTAS PARA O OSCAR:
– A Caminho da Lua (Over the Moon)
– Os Croods: Uma Nova Era (The Croods: A New Age)
– Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica (Onward)
– Soul (Soul)
– Wolfwalkers

Muitos já cravam a vitória de Soul, mas outros vêem como uma ótima oportunidade para quebrar a hegemonia da Pixar/Disney com a nova animação do estúdio irlandês Cartoon Saloon, que seria Wolfwalkers. Anteriormente, o estúdio já obteve três indicações na categoria com Uma Viagem ao Mundo das Fábulas, A Canção do Oceano e A Ganha-Pão, e esta deve ser quarta indicação. Adoraríamos incluir o novo filme do Studio Ghibli na nossa previsão, Earwig and the Witch, mas o estilo 3D utilizado pelo filho de Hayao Miyazaki não deve agradar a maioria dos votantes.

MELHOR FILME INTERNACIONAL

África do SulToorbosRene van Rooyen
AlbâniaOpen DoorFlorenc Papas
AlemanhaAnd Tomorrow the Entire WorldJulia von Heinz
Arábia SauditaScalesShahad Ameen
ArgéliaHéliopolisDjafar Gacem
ArgentinaThe SleepwalkersPaula Hernández
ArmêniaSongs of SolomonArman Nshanyan
ÁustriaQuando a Vida AconteceUlrike Kofler
BangladeshSincerely Yours, Dhaka11 diretores
BélgicaWorking GirlsFrédéric Fonteyne, Anne Paulicevich
BielorússiaPersian LessonsVadim Perelman
BolíviaChacoDiego Mondaca
Bósnia HerzegovinaQuo Vadis, Aida?Jasmila Žbanić
BrasilBabenco: Alguém tem que Ouvir o Coração e Dizer ParouBárbara Paz
BulgáriaThe FatherKristina Grozeva, Petar Valchanov
ButãoLunana: A Yak in the ClassroomPawo Choyning Dorji
CamarõesThe Fisherman’s DiaryEnah Johnscott
CambojaFathersHuy Yaleng
Canadá14 Days, 12 NightsJean-Philippe Duval
CazaquistãoThe Crying SteppeMarina Kunarova
ChileAgente DuploMaite Alberdi
ChinaLeapPeter Chan
ColômbiaForgotten We’ll BeFernando Trueba
Coréia do SulThe Man Standing NextWoo Min-ho
Costa do MarfimNight of the KingsPhilippe Lacôte
Costa RicaTerra das CinzasSofía Quirós Ubeda
CroáciaExtracurricularIvan-Goran Vitez
CubaBuscando a CasalJorge Luis Sánchez
DinamarcaAnother RoundThomas Vinterberg
EgitoWhen We’re BornTamer Ezzat
EquadorEmptinessPaul Venegas
EslováquiaThe Auschwitz ReportPeter Bebjak
EstôniaThe Last OnesVeiko Õunpuu
EslovêniaStories from the Chestnut WoodsGregor Bozic
EspanhaThe Endless TrenchAitor Arregi, Jon Garaño, Jose Mari Goenaga
EstôniaThe Last OnesVeiko Õunpuu
FilipinasMindanaoBrillante Mendoza
FinlândiaToveZaida Bergroth
FrançaNós DuasFilippo Meneghetti
GeórgiaBeginningDea Kulumbegashvili
GréciaApplesChristos Nikou
GuatemalaLa LloronaJayro Bustamante
HolandaBuladóÉche Janga
HondurasDays of Light6 diretores
Hong KongBetter DaysDerek Tsang
HungriaPreparations to be Together for an Unknown Period of TimeLili Horvát
ÍndiaJallikattuLijo Jose Pellissery
IndonésiaImpetigoreJoko Anwar
IrãCrianças do SolMajid Majidi
IrlandaArrachtTom Sullivan
IslândiaAgnes JoySilja Hauksdóttir
IsraelAsiaRuthy Pribar
ItáliaNotturnoGianfranco Rosi
JapãoMães de VerdadeNaomi Kawase
Jordânia200 MetersAmeen Nayfeh
KosovoExileVisar Morina
LesotoIsso Não é um Enterro, É uma RessurreiçãoLemohang Jeremiah Mosese
LetôniaBlizzard of SoulsDzintars Dreibergs
LíbanoBroken KeysJimmy Keyrouz
LituâniaNova LituaniaKarolis Kaupinis
LuxemburgoRiver TalesJulie Schroell
Macedônia do NorteWillowMilcho Manchevski
MalásiaRohEmir Ezwan
MarrocosThe Unknown SaintAlaa Eddine Aljem
MéxicoI’m No Longer HereFernando Frías de la Parra
MongóliaVeins of the WorldByambasuren Davaa
MontenegroBreastsMarija Perovic
NigériaThe MilkmaidDesmond Ovbiagele
NoruegaHopeMaria Sødahl
PalestinaGaza mon AmourTarzan Nasser, Arab Nasser
PanamáCausa JustaLuis Franco Brantley, Luis Pacheco
PaquistãoCircus of LifeSarmad Khoosat
ParaguaiKilling the DeadHugo Giménez
PeruCanção Sem NomeMelina León
PolôniaNever Gonna Snow AgainMalgorzata Szumowska, Michal Englert
PortugalVitalina VarelaPedro Costa
QuêniaThe LetterMaia Lekow, Chris King
QuirguistãoRunning to the SkyMirlan Abdykalykov
República DominicanaA State of MadnessLeticia Tonos
República TchecaCharlatanAgnieszka Holland
RomêniaCollectiveAlexander Nanau
RússiaDear ComradesAndrei Konchalovskiy
SenegalNafi’s FatherMamadou Dia
SérviaDara of JasenovacPredrag Antonijevic
SingapuraEstação das ChuvasAnthony Chen
SudãoYou Will Die at 20Amjad Abu Alala
SuéciaCharterAmanda Kernell
SuíçaMy Little SisterStéphanie Chuat, Véronique Reymond
SurinameWirenIvan Tai-Apin
TailândiaHappy Old YearNawapol Thamrongrattanarit
TaiwanA SunChung Mong-hong
TunísiaThe Man Who Sold His SkinKaouther Bem Hania
TurquiaMilagre na Cela 7Mehmet Ada Oztekin
UcrâniaAtlantisValentyn Vasyanovych
UruguaiAlelíLeticia Jorge
Uzbequistão2000 Songs of FaridaYalkin Tuychiev
VenezuelaOnce Upon a Time in VenezuelaAnabel Rodríguez Ríos
VietnãDreamy EyesVictor Vu

NOSSAS APOSTAS PARA O OSCAR:
– And Tomorrow the Entire World (Alemanha)
– Another Round (Dinamarca)
– Agente Duplo (Chile)
– Night of the Kings (Costa do Marfim)
– Quo Vadis, Aida? (Bósnia e Herzegovina)

Como dissemos acima, a categoria se tornou uma incógnita ainda maior com a ausência do comitê que “salva” filmes mais prestigiados da temporada. Por mais que a votação seja mais aberta aos membros, os mais idosos continuam tendo mais tempo para conferir o número mínimo de filmes para habilitar seu voto, por isso a tendência é que produções mais conservadoras passem para a shortlist.

Mesmo que houvesse o comitê, não existe um franco-favorito como nos anos anteriores em que Roma e Parasita reinaram ao longo da temporada. Infelizmente, um dos mais premiados até o momento tem sido o brasileiro Bacurau. “Infelizmente” porque o filme de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles não pode competir na categoria de Filme Internacional por já ter participado da seleção anterior na qual perdeu para Vida Invisível.

MELHOR DOCUMENTÁRIO

Acasa, My Home
Addicted to Ralphie
Aggie
All I Can Say
All In: The Fight for Democracy
The American Sector
American Selfie: One Nation Shoots Itself
America’s Forgotten
The Antidote
Apocalypse ’45
The Art of Living in Danger
The Art of Political Murder
Assassins
Aswang
Athlete A
Babenco – Tell Me When I Die
Be Water
Beastie Boys Story
Beautiful Something Left Behind
Becoming
Bedlam
Belly of the Beast
Belushi
Beyond the Visible: Hilma af Klint
The Big Scary “S” Word
Billie
Black Boys
Bloody Nose, Empty Pockets
The Booksellers
Born to Be
Boys State
Bulletproof
Bully. Coward. Victim. The Story of Roy Cohn
Capital in the Twenty-First Century
Chicago: America’s Hidden War
Childhood 2.0
Chuck Berry
Circus of Books
City Dream
City Hall
Coded Bias
Collective
Colombia in My Arms
Coming Clean
Coronation
Coup 53
Created Equal: Clarence Thomas in His Own Words
Creem: America’s Only Rock ’n’ Roll Magazine
Crip Camp
Crock of Gold – A Few Rounds with Shane MacGowan
The Curve
Dads
Dave Grusin: Not Enough Time
David Attenborough: A Life on Our Planet
Days of Cannibalism
Dear Santa
Death Protocol
Descent
Desert One
Diana Kennedy: Nothing Fancy
Dick Johnson Is Dead
Disclosure
The Dissident
The Dog Doc
The Donut King
Dope Is Death
Down a Dark Stairwell
Downstream to Kinshasa
The Earth Is Blue as an Orange
Elementa
Ending Disease
Epicentro
Erased,___Ascent of the Invisible
Escape from Extinction
Everybody Flies
F11 and Be There
Fandango at the Wall
Father Soldier Son
Feels Good Man
The Fight
Find Your Groove
Finding Yingying
Fireball: Visitors from Darker Worlds
First Vote
First We Eat
Flannery
For They Know Not What They Do
The Forbidden Reel
40 Years a Prisoner
Freak Power: The Ballot or the Bomb
Freedia Got a Gun
The Ghost of Peter Sellers
Giving Voice
A Glitch in the Matrix
The Go-Go’s
Gordon Lightfoot: If You Could Read My Mind
Gunda
Harry Chapin: When in Doubt, Do Something
He Dreams of Giants
House of Cardin
The Human Factor
Human Nature
I Am Greta
I Am Not Alone
I Owe You a Letter about Brazil
iHuman
In My Skin
Indian Space Dreams
The Infiltrators
Influence
(In)Visible Portraits
Irmi
Irradiés (Irradiated)
Jimmy Carter: Rock & Roll President
John Lewis: Good Trouble
Journey to Royal: A World War II Rescue Mission
Kate Nash: Underestimate the Girl
A Kid from Coney Island
Kingdom of Silence
Kings of Capitol Hill
Kiss the Ground
La Madrina: The Savage Life of Lorine Padilla
Lance
Landfall
The Last Blockbuster
Last Call for Tomorrow
Lennox: The Untold Story
Lessons of Love
The Letter
Libelu – Down with the Dictatorship
Life Is Deadly
Lift Like a Girl
Lost Course
Lost in Face
Love Child
MLK/FBI”
Made You Look: A True Story about Fake Art
Man in the Arena
Martin Margiela: In His Own Words
Mayor
Mighty Ira
Miss Americana
Mr. Soul!
The Mole Agent
The Monster inside Me
A Most Beautiful Thing
Mother to Earth: The Untold Story of Earth Bound
Mucho Mucho Amor: The Legend of Walter Mercado
My Darling Supermarket
My Darling Vivian
My Octopus Teacher
My People: The Jews of Greece
My Psychedelic Love Story
My Rembrandt
Napoli Eden
Narciso Em Férias
Nasrin
The New Corporation: The Unfortunately Necessary Sequel
9/11 Kids
915
9to5: The Story of a Movement
Notturno
Oliver Sacks: His Own Life
Olympia
On the Record
Once upon a Time in Venezuela
Once Were Brothers: Robbie Robertson and the Band
Ottolenghi and the Cakes of Versailles
Our Time Machine
Pahokee
The Painter and the Thief
A Pandemic: Away from the Motherland
The Phenomenon
Planet of the Humans
The Plot against the President
The Pollinators
The Power of Movement
Pray: The Story of Patrick Peyton
Public Trust
Queen of Hearts: Audrey Flack
The Reason I Jump
Rebuilding Paradise
Red Penguins
Reunited
Rewind
The Right Girls
Ringside
Rising Phoenix
River City Drumbeat
River Tales
Runner
Searching for Mr. Rugoff
Self Portrait
17 Blocks The Final Cut
76 Days
Sky Blossom
Slay the Dragon
The Social Dilemma
Softie
Some Kind of Heaven
Songs of Repression
Soros
Spaceship Earth
Stars and Strife
The State of Texas vs. Melissa
Stray
Strip Down, Rise Up
System K
They Call Me Babu
This Is Not a Movie
This Is Paris
A Thousand Cuts
Through the Night
Time
The Times of Bill Cunningham
Totally under Control
Transhood
The Truffle Hunters
Trust Me
Uncle Tom
#Unfit: The Psychology of Donald Trump
Us Kids
WBCN and the American Revolution
The Walrus and the Whistleblower
The Way I See It
We Are the Radical Monarchs
We Don’t Deserve Dogs
Welcome to Chechnya
White Noise
Who Is Gatsby Randolph
Wild Daze
Wim Wenders: Desperado
With Drawn Arms
A Woman’s Work: The NFL’s Cheerleader Problem
Women in Blue
You Cannot Kill David Arquette
Yusuf Hawkins: Storm over Brooklyn
Zappa

NOSSAS APOSTAS PARA O OSCAR:
– All In: The Fight for Democracy
– Collective
– Crip Camp
– As Mortes de Dick Johnson
– Time

O documentário de Garrett Bradley, Time, venceu a trinca da crítica de Nova York, Los Angeles e o National Board of Review, mas engana-se aquele que acha que a indicação está 100% garantida. Em 2012, Stories We Tell, de Sarah Polley, ganhou os mesmos prêmios e acabou fora da festa do Oscar. Ok, apesar dessa exceção, Time está praticamente garantido na lista. A Academia também contará com uma shortlist de 15 documentários para o dia 9 de Fevereiro.

O documentário romeno Collective apresenta uma história muito semelhante à nossa da tragédia de Santa Maria – RS, onde houve aquele incêndio da casa noturna que culminou na morte de várias pessoas e outras hospitalizadas. Esse incidente possibilitou a descoberta de uma rede de corrupção que chega ao governo. Já ganhou inúmeros prêmios e não deve ficar de fora do Oscar, seja como Documentário ou Filme Internacional (já que representa a Romênia também).

QUAIS FILMES DISPUTAM o OSCAR 2021 de FILME INTERNACIONAL

APÓS VITÓRIA DE ‘PARASITA’ COMO MELHOR FILME E FILME INTERNACIONAL, CAMPANHAS TENDEM A SER MAIS AMBICIOSAS

Neste segundo ano da categoria renomeada Filme Internacional (ex-Filme em Língua Estrangeira), houve um pró e um contra. O pró se deve à vitória da produção sul-coreana Parasita na última edição do Oscar, na qual venceu 4 estatuetas, sendo uma histórica: Melhor Filme. Até o ano passado, todos imaginavam que isso seria impossível, já que em 91 anos de premiação, a Academia sempre preteriu filmes de outros idiomas nessa categoria, embora tenha indicado alguns ao longo de sua história como Roma, de Alfonso Cuarón. Com essa porta finalmente aberta, as campanhas de filmes internacionais não devem mais se limitar a uma única categoria, e o Oscar tem tudo para se tornar um prêmio mais globalizado e diversificado.

O contra fica por conta da pandemia do Covid-19. Embora os prazos para inscrições tenham se estendido, trata-se de um ano atípico, pois as campanhas não poderão atuar como antes com sessões fechadas para evitar aglomerações. Por outro lado, a vantagem é que a Academia lançou sua própria plataforma de streaming para membros, o que em tese facilita o acesso dos filmes para os votantes. Resta saber se eles vão conseguir assistir cerca de 90 filmes (quase ninguém vai) e quais filmes eles vão selecionar para assistir e porquê. Se houvesse campanha normal, ela faria diferença, mas nesse cenário, vai depender apenas de publicidade em sites e revistas; lembrando ainda que este é o último ano permitido para cópias de DVD e Blu-ray para membros, pois a Academia está buscando sustentabilidade há alguns anos.

CURIOSIDADES

Devido à pandemia, os filmes elegíveis tiveram um prazo maior no quesito data de lançamento, que pode ter ocorrido em seus países entre os dias 1º de Outubro de 2019 a 31 de Dezembro de 2020, o que acaba atrasando um pouco as inscrições. Até o momento, temos 87 filmes inscritos, mas esse número pode aumentar ainda com a oficialização de países como Camboja, Gana, Nepal, Uganda e Malawi. Este ano, três países inscreveram um filme pela primeira vez na história: o Sudão, que enviou You Will Die at 20, o Suriname, que inscreveu Wiren, e o Lesoto, que com seu Isso Não é um Enterro, É uma Ressurreição tem grandes chances de conquistar também sua primeira indicação.

O país asiático Butão, que inscreveu Lunana: A Yak in the Classroom, participa do Oscar após um longo intervalo de 21 anos.

COMO ESTÁ A DISPUTA ATÉ O MOMENTO?

Apesar da pandemia, a melhor forma de publicidade continua sendo a inclusão em festivais internacionais como Cannes (que embora não tenha acontecido fisicamente, liberou uma lista de selecionados), Berlim, Veneza, Sundance e Toronto, portanto, aquelas produções que tiveram passagem nesses eventos acabam largando na frente dos demais.

ANOTHER ROUND (Dinamarca). Dir: Thomas Vinterberg
Nesse quesito, o representante dinamarquês é um dos que mais se destacam. Selecionado no Festival de Cannes, o filme acompanha quatro professores colegiais que fazem um teste que melhoraria a qualidade de suas vidas ao manter um nível constante de álcool no sangue. Comédia pode não ser o gênero favorito da Academia, mas vale lembrar que a parceria entre o diretor Vinterberg (um dos fundandores do movimento Dogma 95) e o ator Mads Mikkelsen deu origem à indicação ao Oscar por A Caça em 2013.

QUO VADIS, AIDA? (Bósnia Herzegovina). Dir: Jasmila Zbanic
Além de ter sido indicado ao Leão de Ouro no último Festival de Veneza, o filme apresenta uma premissa que parece concebida para conquistar uma vaga no Oscar: a tradutora Aida, que trabalha para a ONU, tem sua família procurando por abrigo no acampamento da ONU após o exército Sérvio tomar conta de sua cidade. A última vez que a Bósnia esteve no Oscar foi em 2002, quando ganhou o prêmio de Filme em Língua Estrangeira pelo bom Terra de Ninguém, que curiosamente também lida com guerra e ONU.

ISSO NÃO É UM ENTERRO, É UMA RESSURREIÇÃO (Lesoto). Dir: Lemohang Jeremiah Mosese
Com passagem em vários festivais, inclusive Sundance, onde foi indicado ao Grande Prêmio do Júri, esta modesta produção tem como protagonista uma senhora viúva de mais de 80 anos que, quando ameaçada para sair de suas terras para a construção de uma barragem, acende seu espírito de resiliência. A trama lembra um pouco o brasileiro Aquarius, e o filme foi bastante elogiado na última edição da Mostra de Cinema de SP.

AND TOMORROW THE ENTIRE WORLD (Alemanha). Dir: Julia von Heinz
Este filme alemão foi indicado ao Leão de Ouro em Veneza, mas o que mais chama a atenção é sua vertente mais política que ajuda a conquistar votos. Na trama, uma estudante de Direito de 20 anos se junta ao movimento anti-fascista (Antifa) por se opor à ascensão da extrema direita na Alemanha. A história teria como base a experiência da própria diretora Julia von Heinz, que já foi integrante do movimento, e agora busca discutir suas perspectivas a respeito.

LA LLORONA (Guatemala). Dir: Jayro Bustamante
Com passagem também em Veneza, este filme apresenta uma mistura de filme político e ficção com toques sobrenaturais. Um general aposentado que supervisionou um genocídio foi absolvido dos crimes e assassinatos, mas passa a sofrer de crises de demência relacionada ao Alzheimer. Contudo, o filme apoia a sugestão de que o espírito tradicional da Llorona esteja por trás dessa vingança.

OUTROS DESTAQUES

Muitas vezes, os países selecionam seus filmes baseados na credibilidade dos diretores. No caso do Japão, República Tcheca e do Irã, por exemplo, os respectivos nomes de Naomi Kawase, Agnieszka Holland e Majid Majidi reforçam essa estratégia de largar na frente com nomes já consagrados em festivais e até no Oscar. Brillante Mendoza é talvez o cineasta mais famoso das Filipinas e vive nos festivais. Já Fernando Trueba já ganhou o Oscar pela Espanha por Sedução, mas este ano defende a Colômbia.

Embora não esteja tão forte na disputa, é preciso ressaltar que o representante turco, O Milagre na Cela 7, ganhou notoriedade após o sucesso de público na plataforma da Netflix. Ainda sobre a Netflix, o representante da Áustria, Quando a Vida Acontece (What We Wanted) também está disponível no catálogo. Já pela Globoplay, temos disponível o chileno Agente Duplo no acervo.

E O BRASIL?

A comissão formada por membros da Academia Brasileira de Cinema (lembrando novamente que não houve interferência do governo) apostou suas fichas em Babenco: Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer Parou. Foi uma escolha incomum por se tratar de um documentário, e ainda em preto-e-branco, mas dentre alguns argumentos para sua defesa estão o tema (Babenco já foi um diretor indicado ao Oscar nos anos 80) e a classificação automática na categoria de Melhor Documentário. O filme de estréia de Bárbara Paz pode ser indicado nessas duas categorias ao mesmo tempo, assim como aconteceu este ano com o filme da Macedônia do Norte, Honeyland.

Apesar de não ter havido um franco-favorito nessa seleção brasileira, Casa de Antiguidades (que foi selecionado por Cannes) era cotado como um dos favoritos, mas logo atrás vinham Pacarrete (que conquistou o festival de Gramado), Sertânia e Marighella. Agora não adianta pensar em hipóteses do que poderia acontecer, mas uma coisa é certa: se Bacurau fosse o selecionado deste ano (já concorreu ano passado), as chances do Brasil no Oscar seriam infinitamente maiores, pois o filme de Kléber Medonça Filho e Juliano Dornelles estreou comercialmente nos EUA este ano e vem conquistando a crítica e até aparecendo em listas de melhores de 2020. Uma pena. Central do Brasil continua sendo nossa última indicação nesta categoria, desde 1999.

A 93ª cerimônia do Oscar acontecerá no dia 25 de Abril, e as indicações serão anunciadas no dia 15 de Março.

CONFIRA OS FILMES SELECIONADOS POR SEUS PAÍSES PARA DISPUTAR VAGA NO OSCAR 2021 (ATÉ O MOMENTO):

PAÍSFILMEDIRETOR (A) (ES)
África do SulToorbosRene van Rooyen
AlbâniaOpen DoorFlorenc Papas
AlemanhaAnd Tomorrow the Entire WorldJulia von Heinz
Arábia SauditaScalesShahad Ameen
ArgéliaHéliopolisDjafar Gacem
ArgentinaThe SleepwalkersPaula Hernández
ArmêniaSongs of SolomonArman Nshanyan
ÁustriaQuando a Vida AconteceUlrike Kofler
BangladeshSincerely Yours, Dhaka11 diretores
BélgicaWorking GirlsFrédéric Fonteyne, Anne Paulicevich
BielorússiaPersian LessonsVadim Perelman
BolíviaChacoDiego Mondaca
Bósnia HerzegovinaQuo Vadis, Aida?Jasmila Žbanić
BrasilBabenco: Alguém tem que Ouvir o Coração e Dizer ParouBárbara Paz
BulgáriaThe FatherKristina Grozeva, Petar Valchanov
ButãoLunana: A Yak in the ClassroomPawo Choyning Dorji
Canadá14 Days, 12 NightsJean-Philippe Duval
CazaquistãoThe Crying SteppeMarina Kunarova
ChileAgente DuploMaite Alberdi
ChinaLeapPeter Chan
ColômbiaForgotten We’ll BeFernando Trueba
Coréia do SulThe Man Standing NextWoo Min-ho
Costa do MarfimNight of the KingsPhilippe Lacôte
Costa RicaTerra das CinzasSofía Quirós Ubeda
CroáciaExtracurricularIvan-Goran Vitez
DinamarcaAnother RoundThomas Vinterberg
EgitoWhen We’re BornTamer Ezzat
EquadorEmptinessPaul Venegas
EslováquiaThe Auschwitz ReportPeter Bebjak
EslovêniaStories from the Chestnut WoodsGregor Bozic
EspanhaThe Endless TrenchAitor Arregi, Jon Garaño, Jose Mari Goenaga
EstôniaThe Last OnesVeiko Õunpuu
FilipinasMindanaoBrillante Mendoza
FinlândiaToveZaida Bergroth
FrançaNós DuasFilippo Meneghetti
GeórgiaBeginningDea Kulumbegashvili
GréciaApplesChristos Nikou
GuatemalaLa LloronaJayro Bustamante
HolandaBuladóÉche Janga
Hong KongBetter DaysDerek Tsang
HungriaPreparations to be Together for an Unknown Period of TimeLili Horvát
ÍndiaJallikattuLijo Jose Pellissery
IndonésiaImpetigoreJoko Anwar
IrãCrianças do SolMajid Majidi
IrlandaArrachtTom Sullivan
IslândiaAgnes JoySilja Hauksdóttir
IsraelAsiaRuthy Pribar
JapãoMães de VerdadeNaomi Kawase
Jordânia200 MetersAmeen Nayfeh
KosovoExileVisar Morina
LesotoIsso Não é um Enterro, É uma RessurreiçãoLemohang Jeremiah Mosese
LetôniaBlizzard of SoulsDzintars Dreibergs
LíbanoBroken KeysJimmy Keyrouz
LituâniaNova LituaniaKarolis Kaupinis
LuxemburgoRiver TalesJulie Schroell
Macedônia do NorteWillowMilcho Manchevski
MalásiaRohEmir Ezwan
MarrocosThe Unknown SaintAlaa Eddine Aljem
MéxicoI’m No Longer HereFernando Frías de la Parra
MontenegroBreastsMarija Perovic
NigériaThe MilkmaidDesmond Ovbiagele
NoruegaHopeMaria Sødahl
PalestinaGaza mon AmourTarzan Nasser, Arab Nasser
PanamáCausa JustaLuis Franco Brantley, Luis Pacheco
PaquistãoZindagi TamashaSarmad Khoosat
ParaguaiKilling the DeadHugo Giménez
PeruCanção Sem Nome Melina León
PolôniaNever Gonna Snow AgainMalgorzata Szumowska, Michal Englert
PortugalVitalina VarelaPedro Costa
QuêniaThe LetterMaia Lekow, Chris King
QuirguistãoRunning to the SkyMirlan Abdykalykov
República DominicanaA State of MadnessLeticia Tonos
República TchecaCharlatanAgnieszka Holland
RomêniaCollectiveAlexander Nanau
RússiaDear ComradesAndrei Konchalovskiy
SérviaDara in JasenovacPredrag Antonijevic
SingapuraEstação das ChuvasAnthony Chen
SudãoYou Will Die at 20Amjad Abu Alala
SuéciaCharterAmanda Kernell
SuíçaMy Little SisterStéphanie Chuat, Véronique Reymond
SurinameWirenIvan Tai-Apin
TailândiaHappy Old YearNawapol Thamrongrattanarit
TaiwanA SunChung Mong-hong
TunísiaThe Man Who Sold His SkinKaouther Bem Hania
TurquiaMilagre na Cela 7Mehmet Ada Oztekin
UcrâniaAtlantisValentyn Vasyanovych
UruguaiAlelíLeticia Jorge
Uzbequistão2000 Songs of FaridaYalkin Tuychiev
VenezuelaOnce Upon a Time in VenezuelaAnabel Rodríguez Ríos
VietnãDreamy EyesVictor Vu

COMITÊ SELECIONA DOCUMENTÁRIO ‘BABENCO’, de BÁRBARA PAZ, para REPRESENTAR o BRASIL no OSCAR 2021

ACADEMIA BRASILEIRA DE CINEMA FEZ A SELEÇÃO DENTRE 19 FILMES

Em reunião virtual realizada nesta manhã, o Comitê de Seleção votou o próximo filme que disputará uma das cinco vagas na categoria de Melhor Filme Internacional do Oscar 2021. Evitando novas interferências políticas do governo como aconteceu em 2016, com a exclusão de Aquarius, a Academia reconheceu oficialmente a Academia Brasileira de Cinema como o único órgão responsável pela seleção. Dessa forma, o comitê contou com sete profissionais da área: Viviane Ferreira (diretora e roteirista) – presidente do comitê, André Ristum (diretor e roteirista), Clélia Bessa (produtora), Leonardo Monteiro de Barros (produtor de cinema e TV), Lula Carvalho (diretor de fotografia), Renata Maria de Almeida Magalhães (produtora) e Toni Venturi (diretor).

Dezenove longas se inscreveram para representar o Brasil no Oscar:

A Divisão, de Vicente Amorim e Rodrigo Monte
A Febre, de Maya Werneck Da-Rin
Alice Júnior, de Gil Baroni
Aos Olhos de Ernesto, de Ana Luiza Azevedo
Babenco – Alguém tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou, de Bárbara Paz
Casa de Antiguidades, de João Paulo Miranda Maria
Cidade Pássaro, de Matias Mariani
Jovens Polacas, de Alex Levy-Heller
M8 – Quando a Morte Socorre a Vida, de Jeferson De
Macabro, de Marcos Prado
Marighella, de Wagner Moura
Minha Mãe é uma Peça 3, de Susana Garcia
Narciso em Férias, de Renato Terra e Ricardo Calil
Pacarrete, de Allan Deberton
Pureza, de Renato Barbieri
Sertânia, de Geraldo Sarno
Todos os Mortos, de Caetano Gotardo e Marco Dutra
Três Verões, de Sandra Kogut
Valentina, de Cássio Pereira Dos Santos

Apesar de não haver um franco-favorito, alguns filmes tinham maiores chances como Casa de Antiguidades, que foi selecionado pelo Festival de Cannes, e Todos os Mortos, que foi indicado ao Urso de Ouro em Berlim. Mas vale lembrar que Babenco: Alguém tem que Ouvir o Coração e Dizer Parou ganhou o prêmio de Melhor Documentário no Festival de Veneza de 2019.

O documentário aborda a carreira autoral do diretor argentino naturalizado brasileiro, que teve uma passagem vitoriosa em Hollywood com filmes como O Beijo da Mulher-Aranha e Ironweed, trabalhando com atores renomados como Jack Nicholson, Meryl Streep, Willem Dafoe e William Hurt, dirigiu um dos melhores filmes brasileiro intitulado Pixote: A Lei do Mais Fraco (1981), e claro, aborda a vida pessoal do cineasta, sua natureza controversa e polêmica, incluindo os últimos anos de vida em que encarou uma luta contra o câncer, mas acabou morrendo de ataque cardíaco. Em preto-e-branco, em tom de despedida, o filme busca uma imersão poética numa abordagem lírica, já que foi dirigido por sua esposa e viúva Bárbara Paz.

trailer

Após o anúncio, muitos se perguntaram: “Mas documentário tem chances nesta categoria?”. As estatísticas não são muito animadoras, afinal desde sua concepção nos anos 40 e 50, a categoria de Filme em Língua Estrangeira só indicou três documentários: Valsa com Bashir (2008), A Imagem que Falta (2013) e Honeyland (2019). Felizmente, os três são produções recentes, o que ajuda na campanha, mas vale ressaltar que foram todos abordagens voltadas ao ficcional. Vamos aguardar e torcer para que Babenco seja o quarto nesta lista, o que não é tarefa nada impossível diante de um ano atípico da pandemia no mundo. Assim como Honeyland, Babenco pode também concorrer na categoria de Melhor Documentário.

Em 2019, A Vida Invisível foi o escolhido para representar o Brasil no Oscar, mas apesar do prestigiado prêmio Un Certain Regard em Cannes, ficou de fora da disputa. O último filme que chegou ao Oscar nesta categoria continua sendo Central do Brasil, em 1999.

OSCAR 2021: As PREVISÕES da VARIETY

SEGUNDO PREVISÕES, DIVERSIDADE NÃO FALTARÁ ENTRE OS INDICADOS

Em recentes postagens do site americano Variety, o especialista Clayton Davis lançou suas primeiras previsões para a próxima edição do Oscar, que vale lembrar, acontecerá em 25 de Abril, e os filmes lançados até 28 de Fevereiro estarão elegíveis. Portanto, até lá, os estúdios podem remanejar as datas de estréias como aconteceu com o novo filme de Steven Spielberg, a refilmagem de West Side Story, que ficou para 2021 (talvez para abafar a denúncia de abuso sexual do ator Ansel Elgort). Existe ainda risco de algumas produções serem adiadas para 2021 como Mulher-Maravilha 1984.

Na categoria de Filme Internacional, as deduções são ainda maiores, já que a maioria dos países ainda não selecionou seus representantes para o Oscar. Casa de Antiguidades, de João Paulo Miranda Maria, larga na frente porque estava na seleção oficial do Festival de Cannes deste ano, mesmo não havendo o evento fisicamente.

Seguem todas as categorias previstas de autoria de Clayton Davis do número 1 ao número 10 para que você tenha uma noção do que pode vir nesta temporada de premiações. Caso tenha curiosidade de ver os nomes restantes, acesse o site da Variety:
https://variety.com/feature/2021-oscars-predictions-academy-awards-nominations-1234764774/

MELHOR FILME
1. Nomadland
2. Os 7 de Chicago (The Trial of the Chicago 7)
3. One Night in Miami
4. Mank
5. The Father
6. News of the World
7. Ma Rainey’s Black Bottom
8. Destacamento Blood (Da 5 Bloods)
9. Judas e o Messias Negro (Judas and the Black Messiah)
10. Minari

MELHOR DIREÇÃO
1. Chloé Zhao (Nomadland)
2. David Fincher (Mank)
3. Aaron Sorkin (Os 7 de Chicago)
4. Regina King (One Night in Miami)
5. Florian Zeller (The Father)

6. Paul Greengrass (News of the World)
7. Shaka King (Judas e o Messias Negro)
8. George C. Wolfe (Ma Rainey’s Black Bottom)
9. Spike Lee (Destacamento Blood)
10. Lee Isaac Chung (Minari)

MELHOR ATOR
1. Anthony Hopkins (The Father)
2. Delroy Lindo (Destacamento Blood)
3. Gary Oldman (Mank)
4. Tom Hanks (News of the World)
5. Daniel Kaluuya (Judas e o Messias Negro)

6. Steven Yeun (Minari)
7. Riz Ahmed (Sound of Metal)
8. Dev Patel (The Personal History of David Copperfield)
9. Jesse Plemons (Estou Pensando em Acabar com Tudo)
10. Ben Affleck (The Way Back)

MELHOR ATRIZ
1. Michelle Pfeiffer (French Exit)
2. Vanessa Kirby (Pieces of a Woman)
3. Frances McDormand (Nomadland)
4. Viola Davis (Ma Rainey’s Black Bottom)
5. Jennifer Hudson (Respect)

6. Kate Winslet (Ammonite)
7. Andra Day (The United States vs. Billie Holiday)
8. Carey Mulligan (Promising Young Woman)
9. Sophia Loren (The Life Ahead)
10. Amy Adams (Hillbilly Elegy)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
1. David Strathairn (Nomadland)
2. Chadwick Boseman (Ma Rainey’s Black Bottom)
3. Bill Murray (On the Rocks)
4. Leslie Odom Jr. (One Night in Miami)
5. Lakeith Stanfield (Judas e o Messias Negro)

6. Sacha Baron Cohen (Os 7 de Chicago)
7. Frank Langella (Os 7 de Chicago)
8. Mark Rylance (Os 7 de Chicago)
9. Kingsley Ben-Adir (One Night in Miami)
10. Shia LaBeaouf (Pieces of a Woman)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
1. Olivia Colman (The Father)
2. Amanda Seyfried (Mank)
3. Saiorse Ronan (Ammonite)
4. Audra McDonald (Respect)
5. Ellen Burstyn (Pieces of a Woman)

6. Glenn Close (Hillbilly Elegy)
7. Helena Zengel (News of the World)
8. Swankie (Nomadland)
9. Kristin Scott Thomas (Rebecca)
10. Meryl Streep (The Prom)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
1. Jack Fincher (Mank)
2. Aaron Sorkin (Os 7 de Chicago)
3. Lee Isaac Chung (Minari)
4. Will Berson, Shaka King, Keith Lucas, Kenny Lucas (Judas e o Messias Negro)
5. Emerald Fennell (Promising Young Woman)

6. Pete Docter, Mike Jones, Kemp Powers (Soul)
7. Eliza Hitman (Never Rarely Sometimes Always)
8. Danny Bilson, Paul De Meo, Kelvin Willmott, Spike Lee (Destacamento Blood)
9. Julia Hart, Jordan Horowitz (I’m Your Woman)
10. Tracey Scott Wilson, Callie Khouri (Respect)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
1. Chloé Zhao (Nomadland)
2. Kemp Powers (One Night in Miami)
3. Christopher Hampton (The Father)
4. Ruben Santiago-Hudson (Ma Rainey’s Black Bottom)
5. Luke Davies, Paul Greengrass (News of the World)

6. Charlie Kaufman (Estou Pensando em Acabar com Tudo)
7. Kelly Reichardt, Jonathan Raymond (First Cow)
8. Ramin Bahrani (The White Tiger)
9. Patrick deWitt (French Exit)
10. Suza-Lori Parks (The United States vs. Billie Holiday)

MELHOR FOTOGRAFIA
1. Joshua James Richards (Nomadland)
2. Erik Messerchmidt (Mank)
3. Darius Wolski (News of the World)
4. Phedon Papamichael (Os 7 de Chicago)
5. Tami Reiker (One Night in Miami)

6. Linus Sandgren (Sem Tempo Para Morrer)
7. Hoyte van Hoytema (Tenet)
8. Newton Thomas Sigel (Destacamento Blood)
9. Sean Bobbitt (Judas e o Messias Negro)
10. Mandy Walker (Mulan)

MELHOR MONTAGEM
1. Alan Baumgarten (Os 7 de Chicago)
2. Kirk Baxter (Mank)
3. William Goldenberg (News of the World)
4. Chloé Zhao (Nomadland)
5. Tariq Anwar (One Night in Miami)

6. Yorgos Lamprinos (Tha Father)
7. Andrew Mondshein (Ma Rainey’s Black Bottom)
8. Kristan Sprague (Judas e o Messias Negro)
9. Adam Gough (Destacamento Blood)
10. Tom Cross, Elliot Graham (Sem Tempo Para Morrer)

MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO
1. Donald Graham Burt, Jan Pascale (Mank)
2. David Crank, Elizabeth Keenan (News of the World)
3. Cristina Casali, Charlotte Dirickx (The Personal History of David Copperfield)
4. Grant Major, Anne Kuljian (Mulan)
5. Mark Ricker, Karen O’Hara, Diana Stoughton (Ma Rainey’s Black Bottom)

6. Shane Valentino, Andrew Baseman (Os 7 de Chicago)
7. Sarah Finlay, Sophie Hervieu (Ammonite)
8. Page Buckner, Janessa Hitsman (One Night in Miami)
9. Sam Lisenco, Rebecca Brown (Judas e o Messias Negro)
10. Molly Hughes, Merissa Lombardo (Hillbilly Elegy)

MELHOR FIGURINO
1. Suzie Harman, Robert Worley (The Personal History of David Copperfield)
2. Trish Summerville (Mank)
3. Ruth E. Carter (Um Príncipe em Nova York 2)
4. Ann Roth (Ma Rainey’s Black Bottom)
5. Francine Jamison-Tanchuck (One Night in Miami)

6. Alexandra Byrne (Emma)
7. Mark Bridges (News of the World)
8. Michael O’Connor (Ammonite)
9. Bina Daigeler (Mulan)
10. Paco Delgado (Morte no Nilo)

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO
1. Respect
2. Mank
3. Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa
4. Um Príncipe em Nova York
5. Os 7 de Chicago

6. Morte no Nilo
7. Ammonite
8. Mulan
9. News of the World
10. Judas e o Messias Negro

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
1. Trent Reznor, Atticus Ross (Soul)
2. Trent Reznor, Atticus Ross (Mank)
3. Daniel Pemberton (Os 7 de Chicago)
4. Terence Blanchard (Destacamento Blood)
5. James Newton Howard (News of the World)

6. Kris Bowers (The United States vs. Billie Holiday)
7. Terence Blanchard (One Night in Miami)
8. Volker Bertelmann, Dustin O’Halloran (Ammonite)
9. Steven Price (A Caminho da Lua)
10. Kris Bowers (Respect)

MELHORES EFEITOS VISUAIS
1. Tenet
2. Greyhound: Na Mira do Inimigo
3. Free Guy: Assumindo o Controle
4. Mulan
5. Mulher-Maravilha 1984

6. Morte no Nilo
7. Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa
8. Dolittle
9. O Chamado da Floresta
10. Soul

MELHOR SOM
1. Os 7 de Chicago
2. Tenet
3. News of the World
4. Sound of Metal
5. O Homem Invisível

6. Sem Tempo Para Morrer
7. Destacamento Blood
8. Mulher-Maravilha 1984
9. The United States vs. Billie Holiday
10. Respect

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
1. Soul
2. A Caminho da Lua (Over the Moon)
3. Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica (Onward)
4. Wolfwalkers
5. Os Croods 2: Uma Nova Era (The Croods: A New Age)

6. Super Conectados (Connected)
7. Lupin III: O Primeiro (Lupin III: The First)
8. Trolls 2 (Trolls: World Tour)
9. A Liga de Monstros (Rumble)
10. Os Irmãos Willoughby (The Willoughbys)

MELHOR FILME INTERNACIONAL
1. Another Round – Dinamarca
2. The Disciple – Índia
3. The Life Ahead – Itália
4. Casa de Antiguidades – Brasil
5. Night of the Kings – Costa do Marfim

%d blogueiros gostam disto: