93 PRODUÇÕES DISPUTAM O OSCAR DE FILME INTERNACIONAL

Alfonso Cuarón, com as três estatuetas que ganhou com Roma, incluindo o último Oscar de Filme em Língua Estrangeira

CATEGORIA QUE MUDOU DE NOME RECEBEU O TOTAL DE 94 INSCRIÇÕES

Sim, a categoria Filme em Língua Estrangeira, criada oficialmente na década de 50, foi rebatizada para Melhor Filme Internacional no último mês de Abril, pois consideraram o termo “Estrangeiro” ultrapassado. Outras mudanças significativas foram da pré-lista de dezembro, que pula de nove para dez filmes pré-selecionados, e pela primeira vez, os votantes poderão assistir aos dez filmes online, sem precisar comparecer às salas de Los Angeles, Nova York ou Londres.

Dos 94 filmes inscritos, logo de cara já houve uma desqualificação do Afeganistão. Havia questionamento de legitimidade do comitê que elegeu o representante do país, portanto foi descartado antes mesmo do anúncio dos oficialmente inscritos.

Em seguida, no dia 04 de Novembro, a Academia anunciou a desqualificação da Nigéria, que havia inscrito um filme na competição pela primeira vez com Lionheart. Segundo o departamento responsável que viu a película, houve uma infração do regulamento que exige língua não-inglesa predominante. Foi constatado que o filme continha apenas onze minutos no idioma estrangeiro. Essa ilegalidade causou revolta na Nigéria e conquistou apoio da cineasta Ava DuVernay.

Em sua conta do Twitter, a diretora de Selma esbravejou:
“Para a Academia, Vocês desqualificaram a primeiríssima inscrição da Nigéria para Melhor Filme Internacional porque está em Inglês. Mas Inglês é a língua oficial da Nigéria. Vocês estão barrando este país para que nunca dispute um Oscar em sua língua oficial?…”

Há duas formas de enxergar a situação. Pelo lado da Academia, regras são regras. Essa que exige predominância de língua não-inglesa existe há décadas. Faltou atenção ao comitê nigeriano ao regulamento da categoria. Já pelo lado da Nigéria, da modernização e do bom senso, a Academia não poderia ter sido mais flexível nessa questão do idioma ao modernizar o nome do prêmio de Filme em Língua Estrangeira para Filme Internacional? Quer dizer, todas as nações que foram colonizadas no passado jamais poderão disputar esse Oscar? Além disso, há algum tempo, é uma raridade vermos produções de um único país. Atualmente, o normal é a realização de co-produções em conjunto com dois ou mais países. Hoje, se um filme co-produzido por três países, apenas um pode selecioná-lo como representante no Oscar.

Não acreditamos que a Academia vá voltar atrás agora nessas questões, contudo os responsáveis do departamento podem estudar o caso para uma próxima cerimônia. Desta forma, permanecerão 92 filmes inscritos, número que mesmo assim iguala o recorde anterior de 2017.  Ainda sobre números, mesmo com a queda da Nigéria, temos 28 diretoras mulheres nessa disputa, um recorde na história da premiação.

COMO ESTÁ A DISPUTA ATÉ O MOMENTO?

Parasita, de Bong Joon-ho

PARASITA (Coréia do Sul) Dir: Bong Joon-ho
Vamos resumir assim: o filme sul-coreano Parasita está trilhando o mesmo caminho de Roma, de Alfonso Cuarón. Além de ter faturado prêmios importantes como a Palma de Ouro em Cannes, vem conquistando toda a crítica e o público de forma unânime, o que leva o filme a ser considerado inclusive para outras categorias como Melhor Filme, Direção, Roteiro Original, Fotografia, Direção de Arte e Ator Coadjuvante. Curiosamente, se concretizada, seria a primeira indicação do país na história do Oscar. Particularmente, sentimos que o Cinema Sul-coreano tem sido injustiçado há duas décadas pelo Oscar. Só para citar alguns filmes que mereciam uma indicação estão Oldboy (2002), Oasis (2002), Memórias de um Assassino (2003), Casa Vazia (2004), Secret Sunshine (2007), Poesia (2010), A Criada (2016) e Em Chamas (2018).

Dor e Glória, de Pedro Almodóvar

DOR E GLÓRIA (Espanha) Dir: Pedro Almodóvar
Quando o filme estava entre os indicados à Palma de Ouro deste ano, havia uma forte especulação de que Pedro Almodóvar ganharia pelo menos o prêmio de Direção ou o Grande Prêmio do Júri, mas acabou ficando apenas com o prêmio de interpretação masculina para Antonio Banderas, que vive o alter-ego do diretor espanhol. Muito querido entre os membros da Academia, o diretor já ganhou duas estatuetas: Filme em Língua Estrangeira por Tudo Sobre Minha Mãe em 2000, e Melhor Roteiro Original por Fale com Ela em 2003. Ao lado do representante sul-coreano, este espanhol está praticamente garantido entre os cinco indicados.

Les Misérables, de Ladj Ly

LES MISÉRABLES (França) Dir: Ladj Ly
Havia uma forte expectativa para que Retrato de uma Jovem em Chamas fosse o representante da França para o Oscar, mas talvez por motivos homofóbicos, o filme cedeu lugar a Les Misérables. Apesar de compartilhar o mesmo título da obra de Victor Hugo e o musical homônimo de 2012, o primeiro filme de Ladj Ly aborda a violência e o preconceito vivido por habitantes dos subúrbios franceses. A produção faturou o mesmo Prêmio do Júri ao lado do brasileiro Bacurau, o que pode facilitar um pouco sua campanha. Ladj Ly é o primeiro diretor negro que representa a França.

Monos, de Alejandro Landes

MONOS (Colômbia) Dir: Alejandro Landes
Para quem acompanha o Oscar, sabe que o cinema colombiano tem se destacado recentemente na premiação como o indicado O Abraço da Serpente (2015) e Pássaros de Verão (2018), que estava na última pré-lista. E pra elevar a ainda mais a campanha de Monos, os diretores mexicanos Alejandro González Iñárritu e Guillermo del Toro esbanjaram rasgaram elogios publicamente ao filme, o que certamente chamará a atenção de outros votantes, especialmente os latinos. Monos, que estava na Mostra Internacional de São Paulo, acompanha oito jovens militantes em um acampamento no alto da montanha. Eles precisam manter uma refém americana (Julianne Nicholson), mas os planos mudam quando eles matam acidentalmente uma vaca que os mantinha no local. Vale ressaltar que o diretor Alejandro Landes é brasileiro, filho de mãe colombiana.

Atlantics, de Mati Diop

ATLANTICS (Senegal) Dir: Mati Diop
A carreira do filme senegalês começou com sua indicação à Palma de Ouro em Cannes. Mati Diop se tornou a primeira mulher negra na competição oficial. Produção da Netflix, o filme aborda uma história de amor com a imigração ilegal como pano de fundo. Trata-se da segunda inscrição do país africano no Oscar, sendo que a primeira, Félicité, esteve entre os nove filmes pré-selecionados de 2018. Seria um reconhecimento para coroar o crescimento do cinema do continente africano, e dar um equilíbrio entre as produções indicadas, que costumam ficar restritas à Europa.

OUTROS EM DESTAQUE

Da esquerda para a direita: Honeyland, Papicha, O Paraíso Deve Ser Aqui, O Menino que Descobriu o Vento, e O Traidor

Honeyland (Macedônia do Norte): Elogiada produção de ficção que se assemelha a um documentário ao narrar a história de uma apicultora tradicional considerada a última da região.

Papicha (Argélia): Passado nos anos 90, acompanha a opressão sofrida por todas as mulheres por terroristas islâmicos, buscando alterar de forma conservadora seus hábitos, suas vestimentas e seus espaços públicos.

O Paraíso Deve Ser Aqui (Palestina): Trata-se de uma comédia autobiográfica do diretor Elia Suleiman que, ao viajar para fora de seu país para encontrar paz, acaba se deparando com os mesmos problemas de racismo e dificuldades sociais nas terras consideradas paraísos como EUA e França.

O Menino que Descobriu o Vento (Reino Unido): Embora tenha poucas chances no Oscar, pode surpreender por dirigido e atuado pelo ator indicado ao Oscar Chiwetel Ejiofor (de 12 Anos de Escravidão) e estar disponível na plataforma da Netflix. O filme narra a história de um menino no Malawi que desenvolve uma turbina de vento em seu vilarejo.

O Traidor (Itália): Além do renome do diretor Marco Bellocchio, o país europeu aposta na fama do mafioso Tommaso Buscetta, que fugiu para o Brasil e para os EUA e delatou a máfia italiana Costa Nostra. A atriz brasileira Maria Fernanda Cândido faz parte do elenco.

E O BRASIL?

A Academia de Cinema Brasileiro enfrentou um duro dilema este ano. Bacurau ou A Vida Invisível? Ambos os filmes haviam sido bem recebidos e premiados no Festival de Cannes. Enquanto o primeiro faturou o Prêmio do Júri (uma espécie de terceiro lugar), o segundo levou o cobiçado prêmio Un Certain Regard. Uma coisa era certa: o representante brasileiro tinha que ser um dos dois, mas qual?

A Vida Invisível, de Karim Ainouz

A presidente da comissão Anna Muylaert acabou desempatando a briga. Cinco votos para A Vida Invisível e quatro para Bacurau. Dentre as justificativas para a escolha, teria pesado a presença de Fernanda Montenegro no elenco, uma vez que ela já foi indicada ao Oscar por Central do Brasil. Além disso, Bacurau pode ser interpretado como uma afronta para o público norte-americano, pois eles são os vilões do filme de Kleber Mendonça Filho que se passa no sertão de Pernambuco. Já A Vida Invisível busca exaltar a força feminina através de suas protagonistas irmãs, algo em voga nas premiações.

Alguns alegam que Bacurau teria sido uma escolha mais ousada e por isso, teria mais chances de ser notado entre os votantes da Academia. Será? Claro que depende muito da campanha de publicidade rumo ao Oscar, que acontece em Fevereiro. Vamos torcer para que Vida Invisível se torne a 5ª indicação do Brasil após a última de Central do Brasil em 1999.

SEGUE LISTA COMPLETA DAS PRODUÇÕES INSCRITAS PARA O OSCAR 2020:

PAÍS FILME DIRETOR(A)(ES)
África do Sul Knuckle City Jahmil X.T. Qubeka
Albânia The Delegation Bujar Alimani
Alemanha System Crasher Nora Fingscheidt
Arábia Saudita The Perfect Candidate Haifaa al-Mansour
Argélia Papicha Mounia Meddour
Argentina Heroic Losers Sebastián Borensztein
Armênia Lengthy Night Edgar Baghdasaryan
Austrália Buoyancy Rodd Rathjen
Áustria Joy Sudabeh Mortezai
Bangladesh Alpha Nasiruddin Yousuff
Bélgica Our Mothers César Díaz
Bielorrússia Debut Anastasiya Miroshnichenko
Bolívia I Miss You Rodrigo Bellott
Bósnia Herzegovina The Son Ines Tanovic
Brasil A Vida Invisível Karim Aïnouz
Bulgária Ága Milko Lazarov
Camboja In the Life of Music Caylee So, Sok Visal
Canadá Antigone Sophie Deraspe
Cazaquistão Kazakh Khanate – Golden Throne Rustem Abdrashev
Chile Spider Andrés Wood
China Ne Zha Jiaozi
Colômbia Monos Alejandro Landes
Coréia do Sul Parasita Bong Joon-ho
Costa Rica The Awakening of the Ants Antonella Sudasassi
Croácia Mali Antonio Nuic
Cuba A Translator Rodrigo Barriuso, Sebastián Barriuso
Dinamarca Queen of Hearts May el-Toukhy
Egito Poisonous Roses Fawzi Saleh
Equador The Longest Night Gabriela Calvache
Eslováquia Let There Be Light Marko Skop
Eslovênia History of Love Sonja Prosenc
Espanha Dor e Glória Pedro Almodóvar
Estônia Truth and Justice Tanel Toom
Etiópia Running Against the Wind Jan Philipp Weyl
Filipinas Verdict Raymund Ribay Gutierrez
Finlândia Stupid Young Heart Selma Vilhunen
França Les Misérables Ladj Ly
Gana Azali Kwabena Gyansah
Geórgia Shindisi Dito Tsintsadze
Grécia When Tomatoes Met Wagner Marianna Economou
Holanda Instinct Halina Reijn
Honduras Blood, Passion and Coffee Carlos Membreño
Hong Kong The White Storm 2 – Drug Lords Herman Yau
Hungria Those Who Remained Barnabás Tóth
Índia Gully Boy Zoya Akhtar
Indonésia Memories of my Body Garin Nugroho
Irã Finding Fariden Kourosh Ataee, Azadeh Moussavi
Irlanda Gaza Garry Keane, Andrew McConnell
Islândia A White, White Day Hlynur Pálmason
Israel Incitement Yaron Zilberman
Itália O Traidor Marco Bellocchio
Japão Weathering With You Makoto Shinkai
Kosovo Zana Antoneta Kastrati
Látvia The Mover Davis Simanis
Líbano 1982 Oualid Mouaness
Lituânia Bridges of Time Kristine Briede, Audrius Stonys
Luxemburgo Tel Aviv on Fire Sameh Zoabi
Macedônia do Norte Honeyland Tamara Kotevska, Ljubomir Stefanov
Malásia M for Malaysia Dian Lee, Ineza Roussille
Marrocos Adam Maryam Touzani
México The Chambermaid Lila Avilés
Mongólia The Steed Erdenebileg Ganbold
Montenegro Neverending Past Andro Martinovic
Nepal Bulbul Binod Paudel
Nigéria Lionheart Genevieve Nnaji
Noruega Out Stealing Horses Hans Petter Moland
Palestina It Must Be Heaven Elia Suleiman
Panamá Everybody Changes Arturo Montenegro
Paquistão Laal Kabootar Kamal Khan
Peru Retablo Alvaro Delgado-Aparicio
Polônia Corpus Christi Jan Komasa
Portugal The Domain Tiago Guedes
Quênia Subira Ravneet Sippy Chadha
Quirguistão Aurora Bekzat Pirmatov
Reino Unido O Menino que Descobriu o Vento Chiwetel Ejiofor
Rep Dominicana The Projectionist José María Cabral
Rep Tcheca The Painted Bird Václav Marhoul
Romênia The Whistlers Corneliu Porumboiu
Rússia Beanpole Kantemir Balagov
Senegal Atlantics Mati Diop
Sérvia King Petar of Serbia Petar Ristovski
Singapura A Land Imagined Yeo Siew Hua
Suécia And Then We Danced Levan Akin
Suíça Wolkenbruch’s Wondrous Journey Into the Arms of a Shiksa Michael Steiner
Tailândia Krasue: Inhuman Kiss Sitisiri Mongkolsiri
Taiwan Dear Ex Mag Hsu, Hsu Chih-yen
Tunísia Dear Son Mohamed Ben Attia
Turquia Commitment Semih Kaplanoglu
Ucrânia Homeward Nariman Aliev
Uruguai The Moneychanger Federico Veiroj
Uzbequistão Hot Bread Umid Khamdamov
Venezuela Being Impossible Patricia Ortega
Vietnã Furie Lê Van Kiêt

A pré-lista com os dez filmes será divulgada no dia 16 de dezembro. O anúncio das indicações ao Oscar estão marcadas para o dia 13 de janeiro.

32 ANIMAÇÕES CONCORREM AO OSCAR 2020

Design sem nome

NÚMERO RECORDE INCLUI NETFLIX NO PÁREO

A Academia divulgou a lista com as 32 animações inscritas para concorrer ao Oscar de Melhor Longa de Animação da próxima cerimônia, marcada para o dia 9 de Fevereiro. Trata-se de um recorde, já que o número mais alto até então era de 27 no ano de 2017.

Muitos desses trabalhos ainda precisam cumprir algumas regras para se tornarem elegíveis ao prêmio, como a exibição mínima por sete dias em Los Angeles, portanto, podem haver alterações.

Segue lista completa:

* Abominável (Abominable)
* A Família Addams (The Addams Family)
* Angry Birds 2: O Filme (The Angry Birds Movie 2)
* Another Day of Life
* Longe (Away)
* Buñuel in the Labyrinth of the Turtles (Buñuel en el laberinto de las tortugas)
* Children of the Sea (Kaijû no kodomo)
* Dilili à Paris (Dilili in Paris)
* Frozen 2 (Frozen II)
* Funan
* Primal
* Como Treinar o Seu Dragão 3 (How to Train Your Dragon: The Hidden World)
* Perdi Meu Corpo (J’ai perdu mon corps)
* Klaus
* The Last Fiction
* Uma Aventura Lego 2 (The Lego Movie 2: The Second Part)
* Marona’s Fantastic Tale (L’extraordinaire voyage de Marona)
* Link Perdido (Missing Link)
* Ne Zha (Ne Zha zhi mo tong jiang shi)
* Okko’s Inn (Waka okami wa Shôgakusei!)
* Pachamama
* Promare
* Rezo
* Pets: A Vida Secreta dos Bichos 2 (The Secret Life of Pets 2)
* Um Espião Animal (Spies in Disguise)
* The Swallows of Kabul (Les hirondelles de Kaboul)
* This Magnificent Cake! (Ce Magnifique gateau!)
* The Tower
* Toy Story 4 (Toy Story 4)
* Upin & Ipin: The Lone Gibbon Kris (Upin & Ipin: Keris Siamang Tunggal)
* Weathering with You (Tenki no ko)
* White Snake (Baishe: Yuanqi)

Design sem nome (1)

As animações Ne Zha e Weathering With You também competem na categoria de Filme Internacional (ex-Filme em Língua Estrangeira) pelos países China e Japão, respectivamente, onde foram sucessos de bilheteria. Embora suas chances de indicação aumentem, as animações têm maiores chances na categoria de Animação. Vidas ao Vento (2013), de Hayao Miyazaki, também concorreu em ambas, mas foi indicado apenas na categoria de Animação. Já na categoria de Filme Internacional, houve apenas uma animação indicada na história: Valsa com Bashir, de Ari Folman, que concorreu por Israel em 2009.

Design sem nome (2)

A Netflix também está na corrida por reconhecimento. A plataforma de streaming inscreveu três trabalhos: as animações francesas Perdi Meu Corpo e Pachamama, e a espanhola Klaus que tem em seu elenco J.K. Simmons e Joan Cusack. Enquanto Pachamama já está disponível no acervo brasileiro, Klaus estará disponível a partir de 15 de novembro, e Perdi Meu Corpo (I Lost my Body) a partir de 29 de novembro. Essa última produção recebeu alguns prêmios importantes como a da Semana da Crítica em Cannes, o que pode contribuir para sua campanha ao Oscar.

Talvez ainda seja cedo para dar previsões certeiras, mas à princípio nossas apostas para os indicados são:

– Frozen 2
– Perdi Meu Corpo
– Missing Link
– Toy Story 4
– Weathering With You

Design sem nome (3)

As indicações ao Oscar 2020 serão anunciadas no dia 13 de janeiro.

‘GREEN BOOK’ BATE ‘ROMA’ e LEVA o OSCAR DE MELHOR FILME!

green-book-1.jpg

Equipe de Green Book comemora a vitória no Oscar (pic by Variety)

Tinha tudo para ser uma cerimônia extremamente chata e monótona, já que não haveria host ou hostess, e com os resultados aparentemente previsíveis. E realmente foi na primeira metade do show, mas a partir da segunda metade, o Oscar esquentou um pouco, começando com a apresentação da canção “Shallow”. Sério! Antes disso, estava tudo um marasmo.

shallow-1

Assim que anunciados os nomes, Lady Gaga e Bradley Cooper se levantaram de suas poltronas para cantar “Shallow” num belo dueto (pic by Variety)

Mas vamos começar com o lance do host. Para muitos, o anfitrião não fez falta alguma. E eu digo: “Como assim, gente?”. Ok, teve gente que preferiu aquele showzinho meia-boca do Queen B com Adam Lambert não chegando aos pés de Freddie Mercury. Enfim, gosto não se discute. Mas quando se assiste ao Oscar, não vemos apenas pelos resultados, afinal, se fosse só isso, bastaria acordar no dia seguinte e ver os vencedores no jornal sem as olheiras no rosto, certo? Eu, que particularmente comecei a acompanhar o Oscar com Billy Crystal que cantava e fazia inúmeras piadas ótimas, senti falta de um host, mas um bom.

Porque se for pra ser uma tragédia como aquela chamada James Franco e Anne Hathaway em 2011 preferia que não tivesse hosts, mas peraí: “Vamos aguentar mais de três horas de apresentadores fazendo piadinhas sem graça antes de abrir o envelope?”. Melhor esperar o jornal. Um evento desse tamanho e dessa importância não se sustenta com uma locutora anunciando os apresentadores. Cadê os sketches, as brincadeiras, a interação com as celebridades? Aliás, faço já a campanha para o Oscar 2020 com Ricky Gervais, Sacha Baron Cohen, Jim Carrey… todos que podem entregar boas piadas com pitadas ou toneladas de humor politicamente incorreto, porque o mundo está chato demais. Voltando e resumindo: prefiro o host no lugar do show do Queen B, que mais agradou quem estava na platéia.

kw4_0597_2019022450748731.jpg

Maya Rudolph, Tina Fey e Amy Poehler apresentaram o primeiro Oscar da noite, mas poderia ter sido o trio de hostess da cerimônia… (pic by People)

A meta de horário de 3 horas do presidente da Academia foi praticamente cumprida. O 91º Oscar teve duração aproximada de 3 horas e 15 minutos com os intervalos. Economizaram no tempo e no entretenimento. Na maioria das vezes eles pegavam no pé sobre a duração do discurso e simplesmente cortavam o microfone e apagavam as luzes, já nas categorias de atuação, eles deixavam rolar o máximo que dava como era previsto.

NÚMEROS DESTA EDIÇÃO

Embora Green Book: O Guia tenha sido eleito o Melhor Filme com 3 estatuetas, incluindo Roteiro Original e Ator Coadjuvante, o filme com maior número de prêmios da noite foi Bohemian Rhapsody, que levou 4 Oscars para casa: Ator, Montagem, Mixagem de Som e Efeitos Sonoros.

Também com 3 estatuetas ficaram: Pantera Negra, que se destacou pelas vitórias históricas de Direção de Arte e Figurino, com as profissionais Hannah Beachler e Ruth E. Carter se tornando as primeiras negras a vencer, respectivamente, além de Trilha Original. E Roma, que apesar de não ter levado Melhor Filme, ficou com os Oscars de Direção, Fotografia e Filme em Língua Estrangeira, denotando que Hollywood ainda vai levar um tempo para digerir melhor essa história de Netflix e filmes em outra língua ganhando prêmio principal do ano.

91st Annual Academy Awards - Show

A primeira figurinista negra a ganhar o Oscar de Figurino pelo filme Pantera Negra (pic by EW.com)

Ainda sobre estatísticas, vale ressaltar que Roma foi a primeira vitória do Oscar de Filme em Língua Estrangeira para o México. Esta era a nona indicação do cinema mexicano na categoria e que se tornou a primeira vitória. Assim como no ano passado, o Oscar premiou um filme latino pela primeira vez, já que Uma Mulher Fantástica coroou o Chile pela primeira vez.

Ainda sobre primeira vez, o Oscar concedido para Homem-Aranha no Aranhaverso foi o primeiro do estúdio Sony, em parceria com a Marvel Studios. Apesar de ser grande fã dos trabalhos da Pixar, é sempre bom quebrar uma hegemonia com animações fora da curva. O visual desta adaptação de Homem-Aranha foi bastante elogiada e com méritos, deixando uma crítica indireta ao visual padrão dos filmes da Pixar.

SURPRESAS DA NOITE

A grande surpresa da noite se chama Olivia Colman. Apesar de ter havido uma pequena chance de vitória, poucos acreditavam que haveria outra vencedora que não fosse Glenn Close em sua sétima indicação sem vitória, ainda mais quando a vimos desfilar no tapete vermelho com aquele vestido dourado Oscar com capa de super-heroína. Dava para perceber que Close estava bem confiante em sua primeira vitória, o que torna ainda mais dolorosa sua derrota.

olivia-colman-faz-careta-ao-ganhar-o-oscar-de-melhor-atriz-por-a-favorita-1551067696597_v2_1920x1227

Olivia Colman chega a fazer deboche do cronômetro do Oscar em seu discurso bem humorado de Melhor Atriz por A Favorita (pic by UOL Entretenimento)

A coisa só não ficou pior porque Olivia Colman é um doce de pessoa. Além de extremamente humilde, ela tem um carisma britânico singular que se torna impossível de não gostar dela. E para quem assistiu ao filme A Favorita sabe que sua interpretação era digna de um Oscar. Em seu discurso, ela presta homenagens sinceras às colegas indicadas, especialmente Glenn, e por último para Gaga. Todos se levantaram para aplaudi-la. Foi realmente uma surpresa agradável.

Quanto à Glenn Close, é o que eu disse no post do Facebook: independente do resultado, torço para que esta nova indicação lhe traga maior projeção e papéis mais instigantes e profundos. Esta atriz talentosa e carismática tem que ganhar o Oscar dela, sim. Ela só não ganhou hoje porque muitos tinham a opinião de que ela merece ganhar por um filme melhor do que A Esposa, de fato. Estou torcendo para que um diretor de renome e em alta como Damien Chazelle, Martin Scorsese ou Clint Eastwood tenham uma personagem feita sob medida para ela poder brilhar e ganhar seu primeiro Oscar com louvor.

Também se encaixaria aqui a vitória surpreendente de Green Book: O Guia, mesmo com o prêmio do sindicato de produtores (PGA) debaixo do braço. Apesar de estar rodeado de polêmicas externas envolvendo o roteirista Nick Vallelonga e o diretor Peter Farrelly, o sistema de votos preferenciais beneficiou este filme agridoce sobre racismo, afinal, costuma ganhar aquele filme que menos desagradou os membros da Academia em geral. Agora fica a questão: Você alguma vez imaginou que veria o diretor de Debi & Lóide: Dois Idiotas em Apuros e Quem Vai Ficar com Mary? ganhando o Oscar de Melhor Filme? Eu sou suspeito para falar porque gosto do humor politicamente incorreto dele, especialmente em Antes Só que Mal Casado.

CURIOSIDADES

Nos quatro discursos de agradecimento do filme Bohemian Rhapsody, ninguém sequer citou o nome do diretor Bryan Singer, que foi demitido da produção a duas semanas do término das filmagens por motivos investigativos de assédio sexual. Claro que ninguém quer sarna pra se coçar, ainda mais se estragar uma campanha de Oscar, mas honestamente acreditava que John Ottman, colaborador de longa data de Singer, mencionaria pelo menos o nome de seu colega, mas, como se estivessem impedidos por contrato a citar o nome dele, Singer permaneceu como diretor-fantasma no Oscar.

Rami Malek foi o que mais atacou o diretor na campanha para o Oscar, pois teria creditado a si mesmo pela saída benéfica de Singer para o bem do filme. A atitude agressiva do ator só foi deixada de lado graças ao seu belo discurso de agradecimento, que enalteceu suas origens e as origens estrangeiras de Freddie Mercury num momento em que os EUA enfrentam um dilema de xenofobia. “Penso como seria contar ao pequeno Rami que um dia isso aconteceria com ele, e acho que a mente dele explodiria. Aquela criança estava lutando contra sua identidade, tentando se descobrir, e para qualquer um que estiver lutando e tentando descobrir sua voz, ouça isso, nós fizemos um filme sobre um homem gay, um imigrante, que viveu sua vida sem pedir desculpas. E o fato de eu estar celebrando-o e sua história com vocês hoje é a prova que estamos ansiando por histórias como esta.”, falou Malek.

91st Annual Academy Awards - Show

Rami Malek sequer cita o diretor Bryan Singer em seu discurso de Melhor Ator por Bohemian Rhapsody (pic by  Exame Abril)

Sobre a categoria de Melhor Canção Original, que gerou toda a polêmica das duas canções apresentadas na cerimônia, a Academia fez questão que todas as cinco canções fossem apresentadas como manda o figurino, mas de última hora, os músicos Kendrick Lamar e SZA cancelaram suas participações alegando motivos de logística e de tempo curto. Se serve de consolo, eles também não se apresentaram no Grammy deste ano pela canção “All the Stars” de Pantera Negra.

Ainda sobre as canções, Bette Midler cantou “The Place Where Lost Things Go” de O Retorno de Mary Poppins porque Emily Blunt, que canta a música no filme, teria arregado. Falta de confiança ou muitos efeitos na gravação? O fato é que ninguém mais lembra quem é Bette Midler na fila do pão. Por que não convocar uma cantora mais atual com sotaque britânico como Jessie J, por exemplo, sei lá. Não queriam aumentar os números de audiência??

E pensando na estratégia de melhorar a audiência, não entendi a convocação de tantos nomes pouco conhecidos como Diego Luna, Amandla Stenberg e até a tenista Serena Williams (!) ou desconhecidos como o Chef José Andrés e o congressista John Lewis.

Na sessão In Memorian, apresentada pelo presidente da Academia, John Bailey, o clipe com os profissionais e artistas falecidos no último ano incluíram nomes oscarizados como os diretores Bernardo Bertolucci e Milos Forman, mas para quem prestou atenção, a Academia lembrou do diretor brasileiro Nelson Pereira dos Santos, que ficou conhecido por Rio, 40 Graus, e pela adaptação de Vidas Secas. Apesar de nunca ter sido indicado ao Oscar, foi indicado algumas vezes para o Urso de Ouro em Berlim e a Palma de Ouro em Cannes ao longo da carreira.

Nelson Pereira dos Santos

Imagem do diretor brasileiro homenageado pela Academia no In Memorian (pic by The Visuallized)

COMENTÁRIOS EXTRAS

Já que não tinha host e o tempo era curto, por que não surpreender mais nos resultados? Apesar de Mahershala Ali estar bem em Green Book, este foi seu segundo Oscar em três anos depois de Moonlight. Não poderiam ter reconhecido a atuação de Richard E. Grant por Poderia Me Perdoar? Além de uma ótima atuação, seu personagem é muito querido, tem ótimos diálogos e excelente química com a protagonista vivida por Melissa McCarthy.

Foi bacana ver Spike Lee extremamente feliz e realizado ao vencer seu primeiro Oscar competitivo (ele havia sido homenageado com o Oscar Honorário em 2016) por Infiltrado na Klan. A alegria que ele sentiu ao subir o palco e pular sobre o ator Samuel L. Jackson foi um dos melhores momentos da noite. Claro que o diretor aproveitou para dar suas cutucadas ao lembrar que era aniversário de 400 anos da chegada dos escravos africanos nos EUA, e que “A eleição presidencial de 2020 estava logo ali. Vamos todos nos mobilizar. Vamos todos estar do lado certo da história. Fazer a escolha moral entre amor contra ódio.”, declarou Spike Lee, um crítico ferrenho de Donald Trump.

E quando soube que Green Book levou o Oscar de Melhor Filme, alegou que a Academia “fez uma escolha infeliz” e tentou abandonar o Dolby Theater antes do fim do discurso dos produtores, mas teve que voltar. “Toda vez que alguém está dirigindo alguém, eu perco”, comentou em alusão à sua derrota em 1990 para Conduzindo Miss Daisy. Nem ele, nem Jordan Peele aplaudiram para Green Book, que consideram aquela típica história do “branco salvador”.

Spike Lee Oscars

Spike Lee era puro êxtase em sua vitória de Roteiro Adaptado por Infiltrado na Klan (pic by New York Daily News)

VENCEDORES DO 91º OSCAR :

FILME
* Green Book: O Guia (Green Book)

DIREÇÃO
* Alfonso Cuarón (Roma)

ATOR
* Rami Malek (Bohemian Rhapsody)

ATRIZ
* Olivia Colman (A Favorita)

ATOR COADJUVANTE
* Mahershala Ali (Green Book: O Guia)

ATRIZ COADJUVANTE
* Regina King (Se a Rua Beale Falasse)

ROTEIRO ORIGINAL
* Green Book: O Guia, Brian Hayes Currie, Peter Farrelly, Nick Vallelonga

ROTEIRO ADAPTADO
* Infiltrado na Klan, Charlie Wachtel, David Rabinowitz, Kevin Willmott e Spike Lee

FOTOGRAFIA
* Roma, Alfonso Cuarón

MONTAGEM
* Bohemian Rhapsody, John Ottman

DESENHO DE PRODUÇÃO
* Pantera Negra, Hannah Beachler e Jay Hart

FIGURINOS
* Pantera Negra, Ruth E. Carter

MAQUIAGEM
* Vice, Greg Cannom, Kate Biscoe, Patricia Dehaney

TRILHA MUSICAL ORIGINAL
* Pantera Negra, Ludwig Göransson

CANÇÃO ORIGINAL
* “Shallow”, Nasce uma Estrela (escrita por Lady Gaga, Mark Ronson, Anthony Rossomando e Andrew Wyatt)

MIXAGEM DE SOM
* Bohemian Rhapsody

EDIÇÃO DE SOM
* Bohemian Rahpsody

EFEITOS VISUAIS
* O Primeiro Homem

ANIMAÇÃO
* Homem-Aranha no Aranhaverso

DOCUMENTÁRIO
* Free Solo

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
* Roma (México)

CURTA-METRAGEM
* Skin

CURTA DE ANIMAÇÃO
* Bao

DOCUMENTÁRIO-CURTA
* Absorvendo o Tabu (Period. End of Sentence.)

APOSTAS PARA O OSCAR 2019: O ANO DA DIVERSIDADE

91o_shortlist_share.png

ACADEMIA TEM ANO ATÍPICO QUE COLOCA EM XEQUE SUA CREDIBILIDADE. SERÁ QUE OS RESULTADOS AJUDAM A RESGATAR?

PERRENGUES DA ACADEMIA

Vamos encarar o fato. A Academia está em crise, ou melhor, em transformação. Diante da abertura para vários novos membros que a presidente anterior Cheryl Boone Isaacs trouxe, o atual John Bailey não soube dar a continuidade de seu trabalho. Além de suas propostas não terem sido bem aceitas, ele não teve pulso firme em nenhuma decisão, voltando atrás em todas elas. Pelo menos, a volta foi benéfica para todos.

John Bailey Oscars

O Presidente da Academia John Bailey (pic Los Angeles Times)

OSCAR DE MELHOR FILME POPULAR?

O que é um filme popular? Qual o parâmetro ou critério para qualificar um filme de popular? É o que todos se questionaram quando a Academia decidiu que iria lançar uma nova categoria. Seriam as bilheterias ou a temática dos filmes? Ou ambos?

Nosso melhor palpite para tamanha aberração seria uma forte pressão por parte da Disney para que o estúdio pudesse ganhar prêmios mais importantes, e não apenas os técnicos. Primeiro: a Academia jamais deveria se curvar diante de interesses próprios de estúdio algum. E segundo: Não é criando uma nova categoria que as coisas se resolvem magicamente.

Os profissionais de cinema ficaram meio divididos, mas a maioria foi contra essa decisão. Assim, a Academia resolveu suspender, pelo menos até o próximo ano o tal Oscar de Filme Popular. De qualquer forma, os candidatos a filmes populares estão entre os indicados a Melhor Filme este ano: Pantera Negra, Nasce uma Estrela e Bohemian Rhapsody, todos sucesso de público. Só faltaram Vingadores: Guerra Infinita e Podres de Ricos.

OSCAR SEM HOST

Há 30 anos o Oscar sempre elegeu um ou dois hosts para a cerimônia de premiação, sejam eles experientes como Billy Crystal ou Ellen DeGeneres, ou sejam apostas terríveis como o casal James Franco e Anne Hathaway. Se a maioria reclama dos hosts do Oscar é porque certamente não viu o último ano sem host de cerimônia. Resolveram colocar um número musical estranhíssimo estrelado pelo ator Rob Lowe e uma atriz desconhecida trajada de Branca de Neve (que a Disney afirma não ter autorizado e que abomina este evento até hoje).

Com atraso, decidiram chamar o ator e comediante Kevin Hart, mas mal sabiam que ele tinha um histórico de tweets homofóbicos. Dois dias depois, a Academia o pressionou para pedir desculpas publicamente, caso contrário, ele não assumiria o cargo. Cansado das ofensas que gerou esse resgate no Twitter, Hart decidiu recusar a proposta e pediu demissão-relâmpago. Aí fica a pergunta: Por que não analisaram o histórico do candidato antes de anunciar?

Kevin Hart Oscars

Kevin Hart foi host do Oscar 2019 por quase 2 dias! 

Com receio de serem crucificados como Kevin Hart, ninguém queria tomar seu lugar, afinal, quem tem um histórico que seja 0% sem polêmica alguma hoje em dia?  Ninguém quer ter a vida vasculhada em busca de polêmicas, ainda mais nos dias de #MeToo. Com isso, a Academia resolveu regredir e cancelou apresentação de um host ou hostess. Não haveria monólogo de abertura. Mas então, o que vai abrir o Oscar 2019? Até agora, esse é o nosso maior receio. Tudo pode desmoronar antes mesmo da abertura do primeiro envelope! Medo…

FAVORITISMO EM CANÇÃO ORIGINAL

Com o intuito de reduzir a duração do evento televisivo, começaram a rodar boatos de que apenas duas das cinco canções indicadas seriam apresentadas ao vivo: “Shallow” e “All the Stars”, que coincidentemente são dos famosos Lady Gaga e Kendrick Lamar. Curioso, não? Isso acabou gerando protestos e o boato sequer saiu do papel. Essa pré-seleção injusta já havia acontecido em duas oportunidades anteriores, quando Adele levou o Oscar por “Skyfall” e Sam Smith levou por “Writings on the Wall”. Ficou ridículo mostrar um breve clipe das canções não apresentadas ao vivo.

gaga-Oscar survivors-v3

Lady Gaga quando se apresentou com a canção “Til it Happens to You” do documentário The Hunting Ground

4 CATEGORIAS NO PORÃO

Ainda com o objetivo de reduzir a duração da cerimônia para até 3 horas, o presidente da Academia alegou que combinara com os departamentos respectivos que os Oscars de Fotografia, Montagem, Maquiagem e Curta-Metragem seriam apresentados durante o intervalo, e os discursos editados para serem apresentados em seguida. Pra quê?

Todos os profissionais afetados pela decisão botaram a boca no trombone como Alfonso Cuarón e Caleb Deschanel, que concorrem por Fotografia. Eles alegaram que seu ofício é essencial para o cinema. Sim, realmente é essencial, mas outros departamentos também são como Montagem e Maquiagem. Afinal, Cinema é uma Arte colaborativa, não?

Já pensou o Oscar de Fotografia apresentado nos bastidores desde o ano passado? Roger Deakins finalmente receberia seu Oscar depois de 14 indicações no porão do Dolby Theater? Seria trágico.

Roger Deakins Oscar

Roger Deakins recebe seu Oscar de Fotografia por Blade Runner 2049

Diante de tantos protestos, a Academia enfiou o rabo entre as pernas e voltou atrás. Todas as 24 categorias serão apresentadas ao vivo. Porém, eles ressaltaram que cada vencedor terá 90 segundos do momento que se levantar até o término do discurso. Querem apostar que vários vão ultrapassar esse tempo? Vão conceder 3 minutos para Rami Malek e 80 segundos para o maquiador de Vice. Com certeza, vai ter gente reclamando no discurso. Pode escrever aí!

91ª EDIÇÃO: O QUE PODE ACONTECER

O primeiro Oscar para um diretor negro. Curiosamente, o primeiro diretor negro que a Academia considerou uma indicação foi justamente Spike Lee em 1989, mas ele acabou sendo indicado apenas para Roteiro Original pelo marcante Faça a Coisa Certa. Caso Spike Lee ganhe, seria uma feliz e justa coincidência.

As categorias de Direção de Arte e Figurino também podem ter os primeiros profissionais negros premiados por causa de Pantera Negra, especialmente Ruth E. Carter pelos figurinos afro do filme da Marvel. E falando em Pantera Negra, este pode se tornar o primeiro filme de super-heróis ganhando o Oscar de Melhor Filme.

Yalitza Aparicio, uma professora numa cidadezinha do México, pode se tornar a primeira descendente de índios a ganhar um Oscar, por Roma. Depois de sofrer ofensas por não ter a beleza desejada pelos mexicanos, a atriz pode ter ganhado um gás na campanha, mas é pouco provável que ela surpreenda.

E falando em Roma, a produção que já foi a primeira da Netflix a ser indicada a Melhor Filme, pode se tornar a primeira a vencer o Oscar. Seria uma vitória e tanto para a plataforma de streaming, que busca atrair novos projetos com profissionais em alta de Hollywood, e faria frente a qualquer grande estúdio. Contudo, é preciso repensarem as exibições da Netflix em salas de cinema, afinal, Roma merece ser visto numa tela grande e com boas caixas de som.

Roma 2

Roma pode ser a primeira produção da Netflix a ganhar o Oscar de Melhor Filme

As indicações e as possibilidades denotam uma maior diversidade na Academia. Claro que ainda falta muito para que a adesão de novos membros de outras etnias e outras nacionalidades surta o resultado esperado nas votações, mas certamente estamos diante de mudanças. Mesmo que Roma não leve Melhor Filme, só o fato de vê-lo como favorito significa uma maior abertura para filmes de língua estrangeira na Academia. E o Oscar só tem a ganhar com isso.

MELHOR FILME

  • BOHEMIAN RHAPSODY (Bohemian Rhapsody)
  • A FAVORITA (The Favourite)
  • GREEN BOOK: O GUIA (Green Book)
  • INFILTRADO NA KLAN (BlackKklansman)
  • NASCE UMA ESTRELA (Nasce uma Estrela)
  • PANTERA NEGRA (Black Panther)
  • ROMA (Roma)
  • VICE (Vice)

DEVE GANHAR: Green Book: O Guia
DEVERIA GANHAR: Roma
SE ROLAR, É ZEBRA: Vice

NÃO RECEBEU O CONVITE: Oitava Série (Eighth Grade)

Apesar dos esforços de Roma, o ano de 2018 foi um ano abaixo da média em relação a qualidade dos filmes, tanto que qualquer um dos oito filmes poderia levar o Oscar. Alguns são considerados ruins por vários cinéfilos como Vice, Bohemian Rhapsody e Green Book. Segundo eles, esses filmes jamais poderiam ser indicados a Melhor Filme.

Nenhum dos oito indicados pertence ao cinema independente (se pensarmos que Netflix não é produção independente). Filmes menores mas com coração como Oitava Série e No Coração da Escuridão ficaram faltando na disputa.

Sobre a disputa em si, o favorito permanece Roma, mesmo se tratando de um filme falado em espanhol, preto-e-branco e da Netflix. Aliás, será o primeira da plataforma de streaming a ganhar o Oscar de Melhor Filme caso vença. Como os votantes da Academia estão encarando essa ascensão da Netflix? Devem privilegiar os estúdios ou a maior abundância de empregos gerados pelo streaming? Para nós do blog, esse preconceito deve cair para que o cinema abrace uma nova era, e não corra o risco de ficar ultrapassado.

MELHOR DIREÇÃO

  • Alfonso Cuarón (Roma)
  • Yorgos Lanthimos (A Favorita)
  • Spike Lee (Infiltrado na Klan)
  • Adam McKay (Vice)
  • Pawel Pawlikowski (Guerra Fria)

DEVE GANHAR: Alfonso Cuarón (Roma)
DEVERIA GANHAR: Alfonso Cuarón (Roma)
SE ROLAR, É ZEBRA: Adam McKay (Vice)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Chang-dong Lee (Em Chamas)

Alfonso Cuarón Roma

Alfonso Cuarón em set de Roma

Alfonso Cuarón levou o DGA de Melhor Diretor. E isso já resulta em suas melhores chances, pois a estatística de acerto é de 95%. Seria o segundo Oscar de Direção para Cuarón, e o quinto dos seis últimos Oscars de Direção para um mexicano!

Ainda assim, nos 5%, Spike Lee pode surpreender o favoritismo do concorrente e ainda entrar para a história como o primeiro diretor negro a vencer nesta categoria.

Quando digo que este ano os melhores diretores foram de filmes em língua estrangeira é a mais pura verdade. Além de Alfonso Cuarón, destacamos o sul-coreano Chang-dong Lee por Em Chamas. Se você gosta de finais previsíveis, esquecíveis e com tudo devidamente respondido, passe longe deste filme.

MELHOR ATRIZ

  • Yalitza Aparicio (Roma)
  • Glenn Close (A Esposa)
  • Olivia Colman (A Favorita)
  • Lady Gaga (Nasce uma Estrela)
  • Melissa McCarthy (Poderia Me Perdoar?)

DEVE GANHAR: Glenn Close (A Esposa)
DEVERIA GANHAR: Olivia Colman (A Favorita)
SE ROLAR, É ZEBRA: Yalitza Aparicio (Roma)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Toni Collette (Hereditário), Helena Howard (A Madeline de Madeline), Elsie Fisher (Oitava Série)

Glenn Close Wife

Glenn Close em A Esposa

Em sua sétima indicação sem vitória e muito querida pelos seus colegas de profissão, Glenn Close tem a melhor chance da carreira de finalmente levar seu Oscar para casa. Embora tenha empatado no Critics’ Choice com Lady Gaga, Close venceu o Globo de Ouro de Atriz – Drama, e o SAG Award.

Olivia Colman, que venceu o BAFTA há duas semanas, pode ser a surpresa aqui. Porém, diante de tanto amor por Glenn Close, ela pode se sentir embaraçada caso venha a vencer logo em sua primeira indicação.

MELHOR ATOR

  • Christian Bale (Vice)
  • Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
  • Willem Dafoe (No Portal da Eternidade)
  • Rami Malek (Bohemian Rhapsody)
  • Viggo Mortensen (Green Book: O Guia)

DEVE GANHAR: Rami Malek (Bohemian Rhapsody)
DEVERIA GANHAR: Christian Bale (Vice)
SE ROLAR, É ZEBRA: Willem Dafoe (No Portal da Eternidade)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Ethan Hawke (No Coração da Escuridão)

rami-malek-bohemian-rhapsody

Rami Malek em Bohemian Rhapsody

A performance de Christian Bale tem todos os elementos necessários para ganhar um Oscar: interpreta uma figura real, engordou para o papel, usou próteses de maquiagem para se transformar e tem prestígio da Academia. Porém, o que pesa contra sua campanha é justamente a figura que ele interpreta: Dick Cheney, um político extremamente odiado pelos democratas (que são maioria em Hollywood). E o filme Vice não consegue mostrar o outro lado do político.

Se falta carisma e amor por Cheney, sobra para Freddie Mercury de Rami Malek. O ator também tem se empenhado bastante em sua campanha, comparecendo a todos os eventos, falando mal do diretor Bryan Singer que abusou de menores e foi expulso da produção, e dos cinco indicados é o único com página oficial no facebook. Rami Malek quer levar o Oscar e ele vai conseguir.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

  • Amy Adams (Vice)
  • Regina King (Se a Rua Beale Falasse)
  • Emma Stone (A Favorita)
  • Marina de Tavira (Roma)
  • Rachel Weisz (A Favorita)

DEVE GANHAR: Regina King (Se a Rua Beale Falasse)
DEVERIA GANHAR: Emma Stone (A Favorita)
SE ROLAR, É ZEBRA: Marina de Tavira (Roma)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Thomasin McKenzie (Sem Rastros)

Regina King If Beale_.jpg

Regina King em Se a Rua Beale Falasse

De todas as categorias de atuação, Atriz Coadjuvante parece ser a única incoerente na temporada. Regina King, considerada a favorita, levou o Globo de Ouro, mas sequer foi indicada ao SAG e ao BAFTA! Como pode isso? Quando fui ver o filme Se a Rua Beale Falasse, foi possível entender tamanha divisão de votos. O papel de King é limitado e quase raso na trama.

Tem também a dobradinha entre Emma Stone e Rachel Weisz pelo mesmo filme A Favorita. Divisão de votos? Talvez. Mas Weisz levou o BAFTA pra casa. Também vale ressaltar que Marina de Tavira foi a maior surpresa das indicações ao Oscar, e se ganhar, pode ser a primeira a vencer sem indicação em Globo de Ouro, BAFTA e SAG desde Marcia Gay Harden por Pollock.

MELHOR ATOR COADJUVANTE

  • Mahershala Ali (Green Book: O Guia)
  • Adam Driver (Infiltrado na Klan)
  • Sam Elliott (Nasce uma Estrela)
  • Richard E. Grant (Poderia Me Perdoar?)
  • Sam Rockwell (Vice)

DEVE GANHAR: Mahershala Ali (Green Book: O Guia)
DEVERIA GANHAR: Richard E. Grant (Poderia Me Perdoar?)
SE ROLAR, É ZEBRA: Sam Rockwell (Vice)

NÃO RECEBEU O CONVITE: Steven Yeun (Em Chamas)

Mahershala Ali Green Book

Mahershala Ali em Green Book: O Guia

Apesar de ter levado seu primeiro Oscar há dois anos por Moonlight, a campanha do ator Mahershala Ali não parece ter sofrido nenhum revés. Nenhum de seus concorrentes foi unanimidade na temporada, e ele pode se tornar o único Oscar para Green Book: O Guia.

Se ocorrer algum imprevisto, este pode se chamar Richard E. Grant. Para quem acompanha as redes sociais, sabe que ele está se empenhando bastante na campanha, buscando votos e apoio entre colegas. Embora tenha deslanchado apenas agora com Poderia me Perdoar?, o ator já é um veterano na profissão.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

  • Roma, Alfonso Cuarón
  • A Favorita, Deborah Davis, Tony McNamara
  • No Coração da Escuridão, Paul Schrader
  • Vice, Adam McKay
  • Green Book: O Guia, Brian Hayes Currie, Peter Farrelly, Nick Vallelonga

DEVE GANHAR: Green Book: O Guia
DEVERIA GANHAR: No Coração da Escuridão
SE ROLAR, É ZEBRA: Vice

NÃO RECEBEU O CONVITE: Bo Burnham (Oitava Série)

Honestamente, não entendi a indicação de Roteiro Original para Roma. O filme de Cuarón prima pelo aspecto técnico de fotografia e direção, mas seu roteiro não apresenta lá grande originalidade. Em seu lugar, poderiam ter indicado o jovem Bo Burnham por Oitava Série, considerado um dos melhores sobre a juventude de hoje. Claro que se fôssemos levar em conta a qualidade do roteiro, o de Adam McKay em Vice também não se garantiria nesta categoria…

Repleto de polêmicas externas como o apoio preconceituoso do roteirista Nick Vallelonga a Donald Trump contra muçulmanos e os nudes que o diretor Peter Farrelly mandou para Cameron Diaz na época de Quem Vai Ficar com Mary?, o roteiro Green Book ainda tem ótimas chances de vencer. Porém, A Favorita ficaria sem nenhum prêmio importante…

Se Paul Schrader for anunciado como vencedor, será um dos melhores da cerimônia. Roteirista de clássicos de Martin Scorsese como Taxi Driver e Touro Indomável, Schrader nunca foi indicado anteriormente. Caso vença, a Academia estaria fazendo justiça aos trabalhos anteriores, mas também reconhecendo um grande e maduro roteiro em No Coração da Escuridão.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

  • A Balada de Buster Scruggs, Joel Coen e Ethan Coen
  • Infiltrado na Klan, Charlie Wachtel, David Rabinowitz, Kevin Willmott e Spike Lee
  • Se a Rua Beale Falasse, Barry Jenkins
  • Poderia Me Perdoar?, Nicole Holofcener e Jeff Whitty
  • Nasce uma Estrela, Eric Roth, Bradley Cooper e Will Fetters

DEVE GANHAR: Infiltrado na Klan
DEVERIA GANHAR: Poderia Me Perdoar?
SE ROLAR, É ZEBRA: A Balada de Buster Scruggs

NÃO RECEBEU O CONVITE: Jungmi Oh e Chang-dong Lee (Em Chamas)

Esta categoria representa a melhor chance de Spike Lee para ganhar seu primeiro Oscar (competitivo, já que venceu o Oscar Honorário há pouco tempo). Ele terá que bater fortes concorrentes como Poderia Me Perdoar? e Nasce uma Estrela, mas ainda assim pode ser considerado o favorito nesta reta final.

O roteiro de Poderia Me Perdoar?, que levou o WGA semana passada, é o melhor aqui. Tem uma ótima trama, apresenta personagens consistentes e diálogos hilários, além de explorar as dificuldades de um artista em decadência.

A melhor adaptação de Haruki Murakami não foi lembrada aqui injustamente, mas fazemos questão de destacá-la aqui. Em Chamas tem um roteiro fabuloso, repleto de dúvidas e incertezas que o fará se questionar por semanas.

MELHOR FOTOGRAFIA

  • Roma, Alfonso Cuarón
  • Nasce uma Estrela, Matthew Libatique
  • A Favorita, Robbie Ryan
  • Nunca Deixe de Lembrar, Caleb Deschanel
  • Guerra Fria, Łukasz ŻAl

DEVE GANHAR: Roma
DEVERIA GANHAR: Roma
SE ROLAR, É ZEBRA: Nasce uma Estrela

NÃO RECEBEU O CONVITE: Benoît Delhomme (No Portal da Eternidade)

Duas fotografias preto-e-branco belíssimas que certamente merecem o Oscar. Mas para qual? Em termos de qualidade de fotografia, Guerra Fria parece ter a melhor, porém a de Cuarón tem os melhores movimentos de câmera. Suas cenas são devidamente coreografadas, explorando com poucos a rotina simples da personagem.

Roma 3

Fotografia de Alfonso Cuarón em Roma

MELHOR MONTAGEM

  • A Favorita, Yorgos Mavropsaridis
  • Green Book: O Guia, Patrick J. Don Vito
  • Vice, Hank Corwin
  • Bohemian Rhapsody, John Ottman
  • Infiltrado na Klan, Barry Alexander Brown

DEVE GANHAR: Bohemian Rhapsody
DEVERIA GANHAR: A Favorita
SE ROLAR, É ZEBRA: Infiltrado na Klan

NÃO RECEBEU O CONVITE: Tom Cross (O Primeiro Homem)

Apesar dos protestos da ordem cronológica dos shows do Queen estarem incorretas, a montagem de John Ottman fez a maioria esquecer disso e se deliciar com as apresentações em Bohemian Rhapsody. E ele fez seu trabalho basicamente sem a presença física do diretor Bryan Singer, que foi demitido a duas semanas do término das filmagens.

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

  • A Favorita, Fiona Crombie e Alice Felton
  • O Retorno de Mary Poppins, John Myhre e Gordon Sim
  • O Primeiro Homem, Nathan Crowley e Kathy Lucas
  • Pantera Negra, Hannah Beachler e Jay Hart
  • Roma, Eugenio Caballero e Bárbara Enriquez

DEVE GANHAR: Pantera Negra
DEVERIA GANHAR: Pantera Negra
SE ROLAR, É ZEBRA: O Retorno de Mary Poppins

NÃO RECEBEU O CONVITE: Ilha dos Cachorros

Black Panther 025

Palácio de Wakanda em Pantera Negra

Todos sabem que os filmes de época sempre levam vantagem nesta categoria, mas com o forte apelo cultural de Pantera Negra, esse favoritismo pode cair por terra. Só aquele palácio de Wakanda já pode se tornar o motivo principal para uma vitória merecida.

Não fosse o preconceito da Academia, a direção de arte da animação Ilha dos Cachorros deveria estar indicada e possivelmente ganhar aqui. Todos sabem que o diretor Wes Anderson é extremamente perfeccionista e cuidadoso no aspecto do design de produção. Ele recria um Japão inteiro, que vai de cidades até sushis.

MELHOR FIGURINO

  • A Balada de Buster Scruggs, Mary Zophres
  • A Favorita, Sandy Powell
  • Duas Rainhas, Alexandra Byrne
  • Pantera Negra, Ruth E. Carter
  • O Retorno de Mary Poppins, Sandy Powell

DEVE GANHAR: Pantera Negra
DEVERIA GANHAR: Pantera Negra
SE ROLAR, É ZEBRA: A Balada de Buster Scruggs

NÃO RECEBEU O CONVITE: Mary E. Vogt (Podres de Ricos)

Black Panther costume design

Figurinos de Ruth E. Carter para Pantera Negra (pic by IMDb)

Sobre esta categoria, assim como de Direção de Arte, sempre costumo comentar que existe um gosto por parte da Academia muito restrito aos filmes de época, e em segundo caso, dos filmes de fantasia. Assim como nos filmes indicados, os figurinos de Podres de Ricos também são recriações e também têm sua importância para a trama, especialmente as roupas da protagonista Rachel Chu. Então por que não indicar outro sucesso comercial como este?

Apesar de reconhecer o talento nato de Sandy Powell, que teve o “infortúnio” de ser dupla indicada com chances de ser dupla perdedora, os figurinos de Ruth E. Carter (aliás, uma colaboradora de Spike Lee) para Pantera Negra exploram como poucos a cultura africana aliada ao universo dos quadrinhos da Marvel. A terra fictícia de Wakanda não seriam os mesmos sem suas criações.

MELHOR MAQUIAGEM E CABELO

  • Vice, Greg Cannom, Kate Biscoe, Patricia Dehaney
  • Duas Rainhas, Jenny Shircore, Marc Pilcher, Jessica Brooks
  • Border, Göran Lundström, Pamela Goldammer

DEVE GANHAR: Vice
DEVERIA GANHAR: Vice
SE ROLAR, É ZEBRA: Duas Rainhas

NÃO RECEBEU O CONVITE: Pantera Negra

A transformação mais comentada da temporada foi a de Christian Bale no ex-vice presidente norte-americano Dick Cheney em Vice. Claro que os méritos não são apenas dos maquiadores, pois o ator também engordou bastante para o papel, uma vez que o filme retrata um longo período de tempo da vida do político. Mas como a foto de Bale como Cheney foi veiculada pelo mundo todo, e os demais atores estão parecidos com as figuras reais retratadas, o Oscar deve ir para Vice, o que seria um prêmio de consolação caso perca nas demais sete categorias.

A maquiadora Jenny Shircore, indicada por Duas Rainhas, já venceu o Oscar em 1999, quando realizou a transformação de Cate Blanchett na rainha em Elizabeth. Já a dupla do filmes sueco Border vem fazendo prostéticos em blockbusters americanos como X-Men: Primeira Classe e Fúria de Titãs. A transformação dos dois atores centrais em trolls é digna de nota.

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

  • Se a Rua Beale Falasse, Nicholas Brittel
  • Pantera Negra, Ludwig Göransson
  • Ilha dos Cachorros, Alexandre Desplat
  • O Retorno de Mary Poppins, Marc Shaiman
  • Infiltrado na Klan, Terence Blanchard

DEVE GANHAR: Se a Rua Beale Falasse
DEVERIA GANHAR: Se a Rua Beale Falasse
SE ROLAR, É ZEBRA: Infiltrado na Klan

NÃO RECEBEU O CONVITE: Justin Hurwitz (O Primeiro Homem)

É muito estranho não contarmos aqui com a bela e importante trilha de Justin Hurwitz em O Primeiro Homem. A música consegue pontuar os momentos-chave do filme biográfico de Neil Armstrong. Chegou a ganhar o Globo de Ouro e o Critics’ Choice, mas no Oscar… nem indicação. Vai entender!

Já dentre os indicados, a trilha de Nicholas Brittel consegue ressaltar as imagens plásticas e de câmera lenta de Barry Jenkins em Se a Rua Beale Falasse. Ele já havia conseguido esse feito lírico no filme anterior do diretor, Moonlight, mas desta vez sua música traz uma alma romântica necessária, já que os atores não conseguiram transparecer esse sentimento na tela.

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

  • “When a Cowboy Trades His Spurs for Wings”, A Balada de Buster Scruggs (escrita por David Rawlings e Gillian Welch)
  • “Shallow”, Nasce uma Estrela (escrita por Lady Gaga, Mark Ronson, Anthony Rossomando e Andrew Wyatt)
  • “All the Stars”, Pantera Negra (escrita por Kendrick Lamar, Al Shux, Sounwave e SZA)
  • “The Place Where Lost Things Go”, O Retorno de Mary Poppins (escrita por Marc Shaiman e Scott Wittman)
  • “I’ll Fight”, RBG (escrita por Diane Warren)

DEVE GANHAR: “Shallow” (Nasce uma Estrela)
DEVERIA GANHAR: “Shallow” (Nasce uma Estrela)
SE ROLAR, É ZEBRA: “When a Cowboy Trades His Spurs for Wings” (A Balada de Buster Scruggs)

NÃO RECEBEU O CONVITE: “Girl in the Movies” (Dumplin’)

A Star is Born

Lady Gaga e Bradley Cooper cantam “Shallow” em Nasce uma Estrela (pic by IMDb)

É difícil entender a Academia quando se trata desta categoria. Eles fazem umas escolhas que até hoje é difícil de entender, como ocorreu em 2006, quando resolveram premiar “It’s Hard Out Here for a Pimp” no lugar de “Travellin’ Thru”. E nos últimos anos, estão vindo com essa história de apresentar duas ou três canções, gerando uma injustiça indefensável. Este ano, por pouco, evitam uma nova tragédia. Queriam apresentar Lady Gaga e Kendrick Lamar, e os outros que se explodam. Felizmente, por pressão externa e protestos, o plano não passou de um boato.

De qualquer forma, “Shallow” é a única canção concorrente que tem 100% de garantia de vitória por três motivos: Pelo histórico nas outras premiações, por ser um possível único Oscar para Nasce uma Estrela, e pela importância que a canção tem na trama do filme. Como fã, gostaria que Diane Warren finalmente levasse seu Oscar depois de 10 indicações, mas sua nova canção “I’ll Fight” do documentário RBG não empolgou tanto assim.

MELHOR MIXAGEM DE SOM

  • Nasce uma Estrela
  • Bohemian Rhapsody
  • Roma
  • O Primeiro Homem
  • Pantera Negra

DEVE GANHAR: Bohemian Rhapsody
DEVERIA GANHAR: O Primeiro Homem
SE ROLAR, É ZEBRA: Roma

NÃO RECEBEU O CONVITE: Missão: Impossível – Efeito Fallout

Se reconheceram tantos blockbusters e os chamados “filmes populares” nesta edição do Oscar, por que não finalmente reconhecer o Som da franquia Missão: Impossível? Não se trata de cotas, mas o trabalho de som realmente é impressionante. São tiros, explosões, perseguições e pancadarias com ótima qualidade sonora (para aqueles que viram numa sala IMAX sabem do que estou falando). E seria um ótimo reconhecimento para um dos melhores filmes da franquia e para os esforços descomunais de Tom Cruise, que quase morreu nas filmagens.

Nesta categoria, quando não há filmes de guerra no páreo, os musicais costumam levar vantagem. Foi assim com Dreamgirls, Os Miseráveis e Whiplash. Portanto, não será surpresa se Bohemian Rhapsody levar mais esse Oscar para casa, ainda mais que já ganhou o prêmio do sindicato dos técnicos de som. Não querendo desmerecer as músicas do Queen, o melhor trabalho de som foi de O Primeiro Homem.

MELHORES EFEITOS SONOROS

  • O Primeiro Homem
  • Bohemian Rhapsody
  • Um Lugar Silencioso
  • Pantera Negra
  • Roma

DEVE GANHAR: Um Lugar Silencioso
DEVERIA GANHAR: O Primeiro Homem
SE ROLAR, É ZEBRA: Roma

NÃO RECEBEU O CONVITE: Vingadores: Guerra Infinita

Pra quem não sabe a diferença entre Mixagem de Som e Efeitos Sonoros, os efeitos são aqueles criados em estúdio, normalmente presentes em filmes de ação, ficção científica e, claro, animações. Particularmente, nenhum dos candidatos me impressionou nesse quesito, mas o efeitos sonoros são utilizados com bastante propriedade em Um Lugar Silencioso.

MELHORES EFEITOS VISUAIS

  • Vingadores: Guerra Infinita
  • Christopher Robin: Um Reencontro Inesquecível
  • Jogador Nº 1
  • Solo: Uma História Star Wars
  • O Primeiro Homem

DEVE GANHAR: Vingadores: Guerra Infinita
DEVERIA GANHAR: O Primeiro Homem
SE ROLAR, É ZEBRA: Solo: Uma História Star Wars

NÃO RECEBEU O CONVITE: Pedro Coelho

Thanos Avengers.jpg

Thanos e o efeito motion capture em Vingadores: Guerra Infinita (pic by Marvel)

Se formos pensar em quantidade de efeitos e de diversidade, nossa aposta vai para Vingadores: Guerra Infinita. Sua vitória coroaria a maior bilheteria de 2018 também. Mas se formos pensar em qualidade, os efeitos de O Primeiro Homem estão bem caprichados e quase imperceptíveis, como deveriam ser.

MELHOR DOCUMENTÁRIO

  • RBG
  • Hale County This Morning, This Evening
  • Minding the Gap
  • Free Solo
  • Of Fathers and Sons

DEVE GANHAR: RBG
DEVERIA GANHAR: Free Solo
SE ROLAR, É ZEBRA: Hale County This Morning, This Evening

NÃO RECEBEU O CONVITE: Shirkers

RBG

RBG, sobre a juíza Ruth Bader Ginsburg

A categoria de Documentário também é uma incógnita de vez em quando. Algumas vezes, premiam os favoritos da temporada como Amy e Procurando Sugar Man, às vezes premiam temáticas em filmes mais desconhecidos como Undefeated. Este ano, a zebra já começou dando as caras com a ausência do favorito Won’t You Be My Neighbour?, sobre o apresentador Fred Rogers, que vinha ganhando todos os prêmios.

Com a exclusão deste, o favorito passou a ser Free Solo, o documentário belíssimo da National Geographics e que tem sido o maior sucesso de bilheterias nos EUA. Porém, na última semana, RBG tem ganhado força devido à fama da juíza Ruth Badder Ginsburg, que defende há tempos a igualidade entre homens e mulheres perante a lei. Apesar de ser um documentário mais com cara de televisão, o peso da protagonista e de seu tema pode ser o diferencial no Oscar.

Em relação a Shirkers, disponível no Netflix, trata-se de um ótimo documentário que merecia uma indicação. Ele dialoga com os sonhos de jovens cineastas em Singapura, que foram despedaçados com o sumiço de seu trabalho. Tudo narrado com memórias investigativas e melancólicas.

MELHOR DOCUMENTÁRIO-CURTA

  • Black Sheep
  • Uma Noite no Madison Square Garden (A Night at the Garden)
  • A Partida Final (End Game)
  • Lifeboat
  • Absorvendo o Tabu (Period. End of Sentence.)

DEVE GANHAR: Black Sheep
DEVERIA GANHAR: Black Sheep
SE ROLAR, É ZEBRA: Lifeboat

MELHOR CURTA-METRAGEM

  • Detainment
  • Fauve
  • Madre
  • Marguerite
  • Skin

DEVE GANHAR: Skin
DEVERIA GANHAR: Fauve
SE ROLAR, É ZEBRA: Detainment

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

  • Comportamento Animal (Animal Behaviour)
  • Bao
  • Fim de Tarde (Late Afternoon)
  • Um Pequeno Passo (One Small Step)
  • Weekends

DEVE GANHAR: Bao
DEVERIA GANHAR: Weekends
SE ROLAR, É ZEBRA: Comportamento Animal

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Os Incríveis (Incredibles 2)
  • Ilha dos Cachorros (Isle of Dogs)
  • Mirai (Mirai no Mirai)
  • WiFi Ralph: Quebrando a Internet (Ralph Breaks the Internet)
  • Homem-Aranha no Aranhaverso (Spider-Man Into the Spider-verse)

DEVE GANHAR: Homem-Aranha no Aranhaverso
DEVERIA GANHAR: Mirai
SE ROLAR, É ZEBRA: Mirai

NÃO RECEBEU O CONVITE: O Homem das Cavernas

Spider-Man in Spiderverse

Homem-Aranha no Aranhaverso

Homem-Aranha no Aranhaverso tem sido uma unanimidade na temporada. E se vencer, será o primeiro Oscar da Sony na categoria dominada por Disney e Pixar. Seu aspecto visual é realmente único, e seu humor sarcástico encanta tanto o público infantil quanto o adulto. O único porém seria a trama simples demais: basta plugar um pen drive na máquina que tudo volta ao normal.

A animação de stop motion O Homem das Cavernas pode não ser a melhor do ano, mas se você quer assistir a um bom filme sobre futebol (sim, o nosso futebol, não o americano), não deixe de conferir este novo trabalho de Nick Park, que conta com dublagens fenomenais de Tom Hiddleston e Eddie Redmayne.

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

  • Cafarnaum (Capharnaum)
  • Guerra Fria (Zimna wojna)
  • Roma (Roma)
  • Nunca Deixe de Lembrar (Werk ohne Autor)
  • Assunto de Família (Manbiki Kazoku)

DEVE GANHAR: Roma
DEVERIA GANHAR: Roma
SE ROLAR, É ZEBRA: Cafarnaum

NÃO RECEBEU O CONVITE: Em Chamas (Coréia do Sul)

Roma

Roma

Normalmente, o filme estrangeiro indicado a Melhor Filme e Melhor Filme em Língua Estrangeira leva o último. Foi assim com A Vida é Bela, O Tigre e o Dragão e Amor, dos mais recentes. Portanto, tudo leva a crer que Roma levará o Oscar da categoria… mas e se também levar Melhor Filme? Pela primeira vez, um filme poderá levar os dois Oscars pra casa.

Nesse cenário, as chances dos demais concorrentes aumentam consideravelmente, principalmente para o polonês Guerra Fria, que também disputa Melhor Direção e Fotografia, e em segundo caso, para o alemão Nunca Deixe de Lembrar, que também concorre por Melhor Fotografia.

Pena que o sul-coreano Em Chamas ficou de fora da disputa. Ele chegou a ser pré-selecionado entre nove filmes, mas acabou sendo esnobado na reta final. Seria a primeira indicação ao Oscar do cinema da Coréia do Sul, que já entregou tantas obras-primas do século XXI como Memórias de um Assassino (2003), Oldboy (2003), O Hospedeiro (2006), Poesia (2010), Invasão Zumbi (2016) e A Criada (2016). Em Chamas foi considerado a melhor adaptação do escritor japonês Haruki Murakami para o cinema.

***

A 91ª cerimônia do Oscar acontece a partir das 22h na TNT e… sei lá quando depois do BBB na Globo.

BOLÃO DO OSCAR 2019!

88th Annual Academy Awards, Arrivals, Los Angeles, America - 28 Feb 2016

Pela primeira vez, o blog e a página do Cinema Oscar e Afins estão promovendo um bolão do Oscar.

Obviamente, ganha aquele ou aquela que acertar o maior número de vencedores das 24 categorias (sim, inclusive os curtas-metragens). Em caso de empate, levará quem postou primeiro as respostas. Ainda não decidimos sobre o brinde, mas deve ser um filme ou talvez livro relacionado a cinema, que enviaremos via Correios.

A cédula de votação está no link abaixo. Basta preencher seus dados e seus votos para quem você acha que vai ganhar a estatueta. Só será aceita uma cédula por usuário e não será possível editar os votos depois do envio, portanto pense com carinho. Por favor, VOTE, CURTA A PÁGINA do FACEBOOK (para receber o prêmio) e COMPARTILHE com seus amigos!

A votação se encerra no próximo dia 24, domingo às 16h. A 91ª cerimônia do Oscar se inicia às 23h (com tapete vermelho às 22h – horário de Brasília) e será transmitida pelo canal TNT e pela Globo (depois do tal BBB), além do canal do Oscar no YouTube.

Boa sorte a todos!

https://goo.gl/forms/be0uG50vV7qtvXF03

#Oscar #Oscar2019 #Bolão #BolãoOscar

ONDE e QUANDO ACOMPANHAR os INDICADOS ao OSCAR 2019!

kumail-nanjiani-and-tracee-ellis-reg

Kumail Nanjiani e Tracee Ellis Ross durante anúncio dos indicados ao Oscar 2019 (pic by TV Guide)

Oscars-2019-Best-Picture-Nominees.jpg

Corrida ao Oscar de Melhor Filme: Vice, Nasce uma Estrela, Bohemian Rhapsody, Infiltrado na Klan, Roma, Green Book, Pantera Negra e A Favorita (montage by Screen Rant)

Ok, as indicações ao Oscar 2019 saíram esta semana, e você descobriu que dessa lista viu só o Bohemian Rhapsody, Pantera Negra, e ficou com preguiça de assistir ao Roma só porque é preto-e-branco, falado em espanhol e tava ali fácil fácil na Netflix? Não se desespere, meu caro cinéfilo ou cinéfila! Com exceção da sua preguiça, o blog Cinema, Oscar e Afins organizou esse mundaréu de filmes que você precisa assistir para ficar sintonizado no dia 24 de fevereiro, quando acontece a 91ª cerimônia do Oscar.

A lista de indicados ao Oscar nada mais é do que uma seleção de alguns dos melhores filmes lançados nos EUA em 2018. Independente de sua opinião sobre a qualidade do filme, a Academia procurou integrar produções pertinentes ao cenário sócio-político do momento como o já citado Pantera Negra, que trouxe uma multidão de cinéfilos afro-descendentes às salas de cinema, e Roma e Infiltrado na Klan, que batem de frente com a política racista de Donald Trump.

Caso você goste de acompanhar a cerimônia, assistir a essa seleção lhe permitirá entender melhor o cinema atual e muitas das piadas que virão dos apresentadores no palco, uma vez que aparentemente não haverá host no Oscar. Muitos dos filmes selecionados já estão disponíveis em mídias e video on demand, como Now e iTunes, assim como nas salas de cinema. Obviamente, São Paulo é uma cidade abençoada e pode oferecer boa parte da exibição dessas produções, mas inúmeras outras cidades do Brasil encontrarão dificuldades para ter uma boa programação.

Pela internet, por conta e risco, você pode até encontrar alguns títulos, porém muitos dos sites que abrigavam catálogos estão fora do ar nos últimos dias. Vida de cinéfilo no Brasil não é nada fácil. Além de ter muita coisa que não chega, os valores dos ingressos não cabem no bolso. Eu me lembro de uma entrevista num telejornal da Globo que o presidente da associação de cinemas deu ao vivo, alegando que o preço do ingresso só estava caro porque muita gente falsificava carteirinhas de estudante para pagar meia. De lá pra cá, muita gente deixou de usar carteirinhas falsas por causa de regras mais rígidas, mas os preços só subiram. Hoje, se você quiser ver um filme no cinema com sua namorada ou amigo, você gasta no mínimo uns 80 reais (60 pra dois ingressos e 20 para o estacionamento), sem contar comes e bebes.

Aí você gasta essa grana toda e descobre que o filme é ruim! Aí não dá, né? Rs Eu mesmo fico PUTO quando o filme é chato e eu DURMO! Quero morrer! Enfim… antes eu conseguia assistir cinco filmes no cinema por dia até a bunda ficar quadrada, mas hoje? Se assisto um já quero tirar uma sonequinha. O segredo pra evitar isso pode se chamar M & M’s.

Bom, desculpem-me pela breve reflexão! Só um último adendo: este ano, como estou disposto a ver os curtas-metragens (live action, animação e documentário), vou inclui-los na listagem. Não sei por que os realizadores não disponibilizam todos no Vimeo ou YouTube, pois festivais de curtas tem um alcance extremamente limitado de público ao redor do mundo, e sem contar que não é possível cobrar ingressos para ver os curtas. A maioria está disponível em YouTube ou Vimeo, mas alguns só consegui encontrar o trailer…

Enfim, espero que vocês consigam assistir a bastantes filmes e que gostem!

DISPONÍVEIS EM BLU-RAY/DVD/ON DEMAND

CHRISTOPHER ROBBIN: UM REENCONTRO INESQUECÍVEL (Christopher Robin)
1 indicação: EFEITOS VISUAIS.

HAN SOLO: UMA HISTÓRIA STAR WARS (SOLO: A STAR WARS STORY)
1 indicação: EFEITOS VISUAIS.

ILHA DOS CACHORROS (Isle of Dogs)
2 indicações: TRILHA MUSICAL e LONGA DE ANIMAÇÃO.

OS INCRÍVEIS 2 (The Incredibles 2)
1 indicação: LONGA DE ANIMAÇÃO.

JOGADOR Nº 1 (Ready Player One)
1 indicação: EFEITOS VISUAIS.

UM LUGAR SILENCIOSO (A Quiet Place)
1 indicação: EFEITOS SONOROS.

PANTERA NEGRA (Black Panther)
7 indicações: FILME, DIREÇÃO DE ARTE, FIGURINO, SOM, EFEITOS SONOROS, TRILHA MUSICAL e CANÇÃO ORIGINAL (“All the Stars”).

VINGADORES: GUERRA INFINITA (Avengers: Infinity War)
1 indicação: EFEITOS VISUAIS.

christopher robin_

Efeitos visuais de Christopher Robin (pic by IMDb)

DISPONÍVEL NO NETFLIX

A BALADA DE BUSTER SCRUGGS (The Ballad of Buster Scruggs)
3 indicações: ROTEIRO ADAPTADO, FIGURINO e CANÇÃO ORIGINAL (“When a Cowboy Trades His Spurs for Wings”).

ROMA (Roma)
10 indicações: FILME, DIREÇÃO (Alfonso Cuarón), ATRIZ (Yalitza Aparicio), ATRIZ COADJUVANTE (Marina de Tavira), ROTEIRO ORIGINAL, FOTOGRAFIA, DIREÇÃO DE ARTE, SOM, EFEITOS SONOROS e FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA.

the ballad of buster scruggs_

Tim Blake Nelson em cena de A Balada de Buster Scruggs (pic by IMDb)

CURTAS PELA INTERNET

ABSORVENDO O TABU (Period. End of Sentence.)
1 indicação: DOCUMENTÁRIO-CURTA (Netflix)

COMPORTAMENTO ANIMAL (Animal Behaviour)
1 indicação: CURTA DE ANIMAÇÃO (YouTube)

BAO
1 indicação: CURTA DE ANIMAÇÃO (exibido nos cinemas antes de ‘Os Incríveis 2’)

BLACK SHEEP
1 indicação: DOCUMENTÁRIO-CURTA (YouTube)

A PARTIDA FINAL (End Game)
1 indicação: DOCUMENTÁRIO-CURTA (Netflix)

FAUVE
1 indicação: CURTA-METRAGEM (Vimeo ou YouTube)

FIM DE TARDE (Late Afternoon)
1 indicação: CURTA DE ANIMAÇÃO (YouTube)

LIFEBOAT
1 indicação: DOCUMENTÁRIO-CURTA (YouTube)

UMA NOITE NO MADISON SQUARE GARDEN (A Night at the Garden)
1 indicação: DOCUMENTÁRIO-CURTA (YouTube)

UM PEQUENO PASSO (One Small Step)
1 indicação: CURTA DE ANIMAÇÃO (YouTube)

fauve_

Cena do ótimo curta Fauve (pic by IMDb)

FILMES EM CARTAZ NOS CINEMAS – com base na programação de São Paulo

ASSUNTO DE FAMÍLIA (Manbiki kazoku)
1 indicação: FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA.

BOHEMIAN RHAPSODY (Bohemian Rhapsody)
5 indicações: FILME, ATOR (Rami Malek), MONTAGEM, SOM e EFEITOS SONOROS.

CAFARNAUM (Capharnaüm)
1 indicação: FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA.

A ESPOSA (The Wife)
1 indicação: ATRIZ (Glenn Close).

A FAVORITA (The Favourite)
10 indicações: FILME, DIREÇÃO (Yorgos Lanthimos), ATRIZ (Olivia Colman), ATRIZ COADJUVANTE (Emma Stone), ATRIZ COADJUVANTE (Rachel Weisz), ROTEIRO ORIGINAL, FOTOGRAFIA, MONTAGEM, DIREÇÃO DE ARTE e FIGURINO.

GREEN BOOK: O GUIA (Green Book)
5 indicações: FILME, ATOR (Viggo Mortensen), ATOR COADJUVANTE (Mahershala Ali), ROTEIRO ORIGINAL e MONTAGEM.

HOMEM-ARANHA NO ARANHAVERSO (Spider-Man Into the Spiderverse)
1 indicação: LONGA DE ANIMAÇÃO.

INFILTRADO NA KLAN (BlacKkKlansman)
6 indicações: FILME, DIREÇÃO (Spike Lee), ATOR COADJUVANTE (Adam Driver), ROTEIRO ADAPTADO, MONTAGEM e TRILHA MUSICAL.

NASCE UMA ESTRELA (A Star is Born)
8 indicações: FILME, ATOR (Bradley Cooper), ATRIZ (Lady Gaga), ATOR COADJUVANTE (Sam Elliott), ROTEIRO ADAPTADO, FOTOGRAFIA, SOM e CANÇÃO ORIGINAL (“Shallow”).

O RETORNO DE MARY POPPINS (Mary Poppins Returns)
4 indicações: DIREÇÃO DE ARTE, FIGURINO, TRILHA MUSICAL e CANÇÃO ORIGINAL (“The Place Where Lost Things Go”).

WIFI RALPH: QUEBRANDO A INTERNET (Ralph Breaks the Internet)
1 indicação: LONGA DE ANIMAÇÃO.

the wife

Glenn Close, indicada ao Oscar de Melhor Atriz por A Esposa, em cartaz em SP (pic by IMDb)

PREVISÃO DE ESTRÉIA – Datas previstas para São Paulo, que podem sofrer alterações de acordo com as distribuidoras

31/01: VICE (Vice)
8 indicações: FILME, DIREÇÃO (Adam McKay), ATOR (Christian Bale), ATOR COADJUVANTE (Sam Rockwell), ATRIZ COADJUVANTE (Amy Adams), ROTEIRO ORIGINAL, MONTAGEM e MAQUIAGEM E CABELO.

07/02: GUERRA FRIA (Zimna wojna)
3 indicações: DIREÇÃO (Pawel Pawlikowski), FOTOGRAFIA e  FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA.

07/02: NO PORTAL DA ETERNIDADE (At Eternity’s Gate)
1 indicação: ATOR (Willem Dafoe).

07/02: PODERIA ME PERDOAR? (Can You Ever Forgive Me?)
3 indicações: ATRIZ (Melissa McCarthy), ATOR COADJUVANTE (Richard E. Grant) e ROTEIRO ADAPTADO.

07/02: SE A RUA BEALE FALASSE (If Beale Street Could Talk)
3 indicações: ATRIZ COADJUVANTE (Regina King), ROTEIRO ADAPTADO (Barry Jenkins) e TRILHA MUSICAL.

14/02: DUAS RAINHAS (Mary Queen of Scots)
2 indicações: FIGURINO e MAQUIAGEM E CABELO.

if beale st could talk_

KiKi Layne e Stephan James em cena de Se a Rua Beale Falasse (pic by IMDb)

FORA DE CARTAZ E AGUARDANDO LANÇAMENTO EM BLU-RAY/DVD

O PRIMEIRO HOMEM (First Man)
4 indicações: DIREÇÃO DE ARTE, SOM, EFEITOS SONOROS e EFEITOS VISUAIS.

first man 2

A família Armstrong em O Primeiro Homem (pic by IMDb)

SEM PREVISÃO DE ESTRÉIA (mas se você tem uma boa conexão de internet…)

BORDER (Gräns)
1 indicação: MAQUIAGEM E CABELO.

FREE SOLO
1 indicação: DOCUMENTÁRIO.

HALE COUNTY THIS MORNING, THIS EVENING
1 indicação: DOCUMENTÁRIO.

MINDING THE GAP
1 indicação: DOCUMENTÁRIO.

MIRAI (Mirai no Mirai)
1 indicação: LONGA DE ANIMAÇÃO.

NO CORAÇÃO DA ESCURIDÃO (First Reformed)
1 indicação: ROTEIRO ORIGINAL

NEVER LOOK AWAY (Werk ohne Autor)
2 indicações: FOTOGRAFIA e FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA.

OF FATHERS AND SONS (Kinder des Kalifats)
1 indicação: DOCUMENTÁRIO.

RBG (RBG)
2 indicações: CANÇÃO ORIGINAL (“I’ll Fight”) e DOCUMENTÁRIO.

free solo_

Cena do documentário Free Solo (pic by IMDb)

***

A cerimônia da 91ª edição do Oscar será no dia 24 de Fevereiro, e transmitida pelo canal pago TNT. Pra quem costuma acompanhar pela Globo, vale lembrar que eles sempre priorizam aquele programão chamado “Big Brother Brasil”.

‘ROMA’ e ‘A FAVORITA’ LIDERAM as INDICAÇÕES ao OSCAR 2019 com 10 INDICAÇÕES CADA

Roma 2

Cena da praia de Roma, indicado a 10 Oscars.

‘ROMA’ SE TORNA PRIMEIRA PRODUÇÃO NETFLIX INDICADA A MELHOR FILME

Na manhã desta terça, dia 22, os atores Kumail Nanjiani e Tracee Ellis Ross se encarregaram do anúncio das indicações ao Oscar 2019.

Não sei se sou conservador, mas ainda prefiro o antigo modo de anúncio das indicações, com o presidente da Academia acompanhado de algum ator ou atriz, e ao fundo, as imagens dos filmes, atores e diretores indicados. Fica tudo mais ilustrativo e dinâmico. Colocar apenas um painel com os nomes fica muito sem graça… Apesar de gostar dos dois apresentadores, achei as piadinhas meio bobas…

NÚMEROS DA 91ª EDIÇÃO DO OSCAR

Que A Favorita seria recordista de indicações desta edição ninguém duvidava, mas o que poucos previam era que a liderança seria compartilhada com o mexicano Roma, primeira produção Netflix a concorrer para Melhor Filme, e que poderia ter conquistado mais uma indicação por Montagem. Ambos os filmes conquistaram 10 indicações cada, incluindo Filme, Direção e Roteiro.

the favourite oscar

Rachel Weisz e Olivia Colma, ambas indicadas por A Favorita

Empatados em segundo lugar, com oito indicações cada estão Vice e Nasce uma Estrela. A grande diferença entre os dois é que o diretor Bradley Cooper não foi indicado como Melhor Diretor, o que enfraquece bastante suas chances de vitória, uma vez que dificilmente uma produção leva Melhor Filme sem ter seu diretor sequer indicado na categoria respectiva. A ausência de Cooper foi uma das mais notáveis, pois ele vinha recebendo altos elogios pela sua estréia na direção, tendo sido indicado inclusive pelo Sindicato de Diretores (DGA).

Em terceiro lugar, com sete indicações, a surpresa que todos já sabiam que iria acontecer: Pantera Negra. Com a suspensão do tal Oscar de Filme Popular, muitos acreditavam que a produção da Marvel Studios conseguiria uma vaga para Melhor Filme, justificando a repercussão mundial no âmbito cultural e comercial. Trata-se do primeiro filme de super-heróis a conquistar uma indicação a Melhor Filme no Oscar em 91 anos de história da Academia. Curiosamente, tal acontecimento só foi possível graças a outro filme de super-herói de 2008, Batman: O Cavaleiro das Trevas, cuja ausência foi bastante criticada no Oscar, aumentando para dez indicados a Melhor Filme no ano seguinte.

Com seis indicações, Infiltrado na Klan resgata o cineasta Spike Lee, coroando-o com sua primeira indicação de Diretor, assim como de Produtor. Num ano sem um franco-favorito e com alguns filmes sem chance de levar Melhor Filme, este pode se tornar um forte candidato na reta final. Além de ter seu diretor reconhecido, tem roteiro adaptado, montagem e Ator Coadjuvante (Adam Driver).

Bohemian Rhapsody e Green Book: O Guia empataram com cinco indicações cada. Enquanto o primeiro basicamente se apoia na performance de Rami Malek, o segundo se sustenta pela química entre Viggo Mortensen e Mahershala Ali, no roteiro sobre racismo com bom humor e que, recentemente, levou o importante prêmio do Producers Guild of America (PGA), que costuma prever o vencedor do Oscar de Melhor Filme.

SURPRESAS e INJUSTIÇAS

A primeira grande surpresa veio logo na primeira categoria anunciada: a mexicana Marina Tavira indicada como Atriz Coadjuvante por Roma. Ela recebeu elogios, mas nada comparado a uma indicação como esta. As excluídas foram Margot Robbie por Duas Rainhas e Claire Foy por O Primeiro Homem.

roma team

O diretor Alfonso Cuarón com suas atrizes indicadas ao Oscar: Yalitza Aparicio e Marina de Tavira (pic by IMDb)

Yalitza Aparicio, por mais desconhecida que seja também, ainda integrou a lista do Critics’ Choice Awards. Emily Blunt foi a grande esnobada, já que poderia ter concorrido por O Retorno de Mary Poppins como Atriz e por Um Lugar Silencioso como Coadjuvante. Pena que nessa dança de cadeiras, outra excluída foi Toni Collette pela ótima performance em Hereditário

Na ala masculina, a grande ausência foi de Timothée Chalamet por Querido Menino, que deu lugar a Sam Rockwell por Vice. Na categoria de Ator, Willem Dafoe ficou com a última vaga, que poderia ter ido para Ethan Hawke por No Coração da Escuridão, que pelo menos foi lembrado como Roteiro Original escrito por Paul Schrader, que foi responsável pelos roteiros de Taxi Driver e Touro Indomável.

Na categoria de Direção, a ausência praticamente inexplicável foi de Bradley Cooper, que vinha aparecendo em todas as listas de premiação. Ele foi substituído pelo polonês Pawel Pawlikowski por Guerra Fria. Aliás, não me lembro do último ano em que vi dois diretores de filmes estrangeiros na categoria. Pawlikowski concorre com Alfonso Cuarón, que está indicado a Melhor Filme Estrangeiro por Roma. E curiosamente, também temos um diretor grego, Yorgos Lanthimos, mas que concorre por um filme britânico, A Favorita.

Cold War 2

Guerra Fria: Indicado a Diretor, Fotografia e Filme em Língua Estrangeira

Já li algumas matérias reclamando da falta de mulheres na categoria de direção, mas pelo que acompanhamos até aqui na temporada, nenhuma delas se destacou a ponto de ser uma garantia no Oscar. Alguns apontavam Debra Granik por Sem Rastros ou até mesmo Chloé Zhao por Domando o Destino, mas não conquistaram os votantes este ano. Ainda na categoria, temos enfim a primeira indicação de Spike Lee como Diretor e Produtor por Infiltrado na Klan. Antes, ele havia sido indicado apenas pelo roteiro de Faça a Coisa Certa em 1990.

Ainda sobre Filmes Estrangeiros, estava na torcida pela indicação de Em Chamas, da Coréia da Sul, mas como alguns já previam, ele foi substituído pelo alemão Never Look Away. O filme pode até ser bom, pois é do diretor do excelente A Vida dos Outros, que ganhou em 2007, mas filme sobre Segunda Guerra Mundial e nazistas de novo?! Sério mesmo?

Outra surpresa foi a indicação de Caleb Deschanel pela fotografia do filme alemão Never Look Away. Apesar de Deschanel já ter um histórico no Oscar (esta é sua 6ª indicação), a fotografia do filme não vinha chamando atenção em nenhuma premiação anterior, nem do sindicato de Fotógrafos (ASC).

Fiquei triste com a ausência de Oitava Série também. Não acreditava numa indicação para a atriz Elsie Fisher, mas esperava que o roteiro original de Bo Burnham fosse reconhecido… Outro que estava com bom hype, mas ficou completamente de fora foi Podres de Ricos, mas esse já era difícil de acontecer… Outra ausência sentida foi do documentário sobre Fred Rogers, Won’t You Be My Neighbor?, que estava conquistando praticamente todos os prêmios de documentário na temporada.

A indicação de Pantera Negra a Melhor Filme premia o trabalho colossal da Marvel Studios e seu produtor Kevin Feige, que soube aliar comercial, com crítica sócio-racial, transformando a estréia do filme nos cinemas um evento cultural pelo mundo. Essa indicação importante também pode ser interpretada como uma gratidão da Academia pelas excelentes bilheterias que as produções da Marvel renderam nesses últimos dez anos, mantendo toda uma indústria de cinema trabalhando e gerando receitas.

Black Panther

Pantera Negra se torna o primeiro filme de super-heróis a chegar lá: Oscar de Melhor Filme

Além da fantástica campanha de 10 indicações para Roma, a Netflix conseguiu mais três indicações com outra produção sua: The Ballad of Buster Scruggs, dos irmãos Joel e Ethan Coen. Apesar de não ter conquistado uma vaga como Melhor Filme, foi reconhecido na categoria de Roteiro Adaptado (dos próprios Coen), Figurino e uma surpreendente indicação para Canção Original por “When a Cowboy Trades His Spurs for Wings”, que não estava em nenhuma lista anterior.

Na categoria de Maquiagem e Cabelo, acreditava que Pantera Negra e Suspiria competiriam o Oscar com Vice, seus trabalhos foram esnobados em prol de Duas Rainhas e do filme sueco Border, que curiosamente, era o filme selecionado pela comissão da Suécia para concorrer ao Oscar de Filme em Língua Estrangeira, mas não conseguiu sequer passar da pré-lista de 9 filmes.

Border.jpg

Cena do filme sueco Border, que foi indicado a Melhor Maquiagem e Cabelo (pic by IMDb)

Ainda sobre ausências, embora O Primeiro Homem tenha recebido quatro indicações técnicas de Direção de Arte, Som, Efeitos Sonoros e Efeitos Visuais, continuou sua decadência na temporada. Nem o diretor Damien Chazelle, nem sua atriz Claire Foy conseguiram indicações, contudo, por se tratar de um filme tecnicamente impecável, a fotografia de Linus Sandgren poderia ter sido lembrada, assim como a bela trilha de Justin Hurwitz, que levou o Globo de Ouro no início de janeiro.

FILME
Roma (Roma)
Nasce uma Estrela (A Star is Born)
Green Book: O Guia (Green Book)
Pantera Negra (Black Panther)
Infiltrado na Klan (BlacKkKlansman)
A Favorita (The Favourite)
Bohemian Rhapsody (Bohemian Rhapsody)
Vice (Vice)

DIREÇÃO
* Alfonso Cuarón (Roma)
* Spike Lee (Infiltrado na Klan)
* Pawel Pawlikowski (Guerra Fria)
* Adam McKay (Vice)
* Yorgos Lanthimos (A Favorita)

ATOR
* Christian Bale (Vice)
* Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
* Rami Malek (Bohemian Rhapsody)
* Viggo Mortensen (Green Book: O Guia)
* Willem Dafoe (No Portal da Eternidade)

ATRIZ
* Yalitza Aparicio (Roma)
* Glenn Close (A Esposa)
* Olivia Colman (A Favorita)
* Lady Gaga (Nasce uma Estrela)
* Melissa McCarthy (Poderia Me Perdoar?)

ATOR COADJUVANTE
* Mahershala Ali (Green Book: O Guia)
* Adam Driver (Infiltrado na Klan)
* Richard E. Grant (Poderia Me Perdoar?)
* Sam Elliott (Nasce uma Estrela)
* Sam Rockwell (Vice)

ATRIZ COADJUVANTE
* Amy Adams (Vice)
* Regina King (Se a Rua Beale Falasse)
* Emma Stone (A Favorita)
* Marina de Tavira (Roma)
* Rachel Weisz (A Favorita)

ROTEIRO ORIGINAL
Roma, Alfonso Cuarón
A Favorita, Deborah Davis, Tony McNamara
* No Coração da Escuridão, Paul Schrader
Vice, Adam McKay
Green Book: O Guia, Brian Hayes Currie, Peter Farrelly, Nick Vallelonga

ROTEIRO ADAPTADO
* A Balada de Buster Scruggs, Joel Coen e Ethan Coen
Infiltrado na Klan, Charlie Wachtel, David Rabinowitz, Kevin Willmott e Spike Lee
Se a Rua Beale Falasse, Barry Jenkins
Poderia Me Perdoar?, Nicole Holofcener e Jeff Whitty
Nasce uma Estrela, Eric Roth, Bradley Cooper e Will Fetters

FOTOGRAFIA
Roma, Alfonso Cuarón
Nasce uma Estrela, Matthew Libatique
A Favorita, Robbie Ryan
* Nunca Deixe de Lembrar, Caleb Deschanel
Guerra Fria, Łukasz ŻAl

MONTAGEM
* A Favorita, Yorgos Mavropsaridis
Green Book: O Guia, Patrick J. Don Vito
Vice, Hank Corwin
Bohemian Rhapsody, John Ottman
Infiltrado na Klan, Barry Alexander Brown

DESENHO DE PRODUÇÃO
A Favorita, Fiona Crombie e Alice Felton
O Retorno de Mary Poppins, John Myhre e Gordon Sim
O Primeiro Homem, Nathan Crowley e Kathy Lucas
Pantera Negra, Hannah Beachler e Jay Hart
Roma, Eugenio Caballero e Bárbara Enriquez

FIGURINOS
* A Balada de Buster Scruggs, Mary Zophres
A Favorita, Sandy Powell
Duas Rainhas, Alexandra Byrne
Pantera Negra, Ruth E. Carter
O Retorno de Mary Poppins, Sandy Powell

MAQUIAGEM
Vice
Duas Rainhas
Border

TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Se a Rua Beale Falasse, Nicholas Brittel
* Pantera Negra, Ludwig Göransson
Ilha dos Cachorros, Alexandre Desplat
O Retorno de Mary Poppins, Marc Shaiman
Infiltrado na Klan, Terence Blanchard

CANÇÃO ORIGINAL
* “When a Cowboy Trades His Spurs for Wings”, The Ballad of Buster Scruggs (escrita por David Rawlings e Gillian Welch)
* “Shallow”, Nasce uma Estrela (escrita por Lady Gaga, Mark Ronson, Anthony Rossomando e Andrew Wyatt)
* “All the Stars”, Pantera Negra (escrita por Kendrick Lamar, Al Shux, Sounwave e SZA)
* “The Place Where Lost Things Go”, O Retorno de Mary Poppins (escrita por Marc Shaiman e Scott Wittman)
* “I’ll Fight”, RBG (escrita por Diane Warren)

MIXAGEM DE SOM
Nasce uma Estrela
Bohemian Rhapsody
Roma
O Primeiro Homem
* Pantera Negra

EDIÇÃO DE SOM
O Primeiro Homem
Bohemian Rahpsody
Um Lugar Silencioso
* Pantera Negra
Roma

EFEITOS VISUAIS
Vingadores: Guerra Infinita
* Christopher Robin: Um Reencontro Inesquecível

Jogador Número 1
Solo: Uma História Star Wars
O Primeiro Homem

ANIMAÇÃO
Os Incríveis 2
Ilha dos Cachorros
Homem-Aranha no Aranhaverso
Wi-Fi Ralph: Quebrando a Internet
Mirai

DOCUMENTÁRIO
RBG
* Hale County This Morning, This Evening
Minding the Gap
Free Solo
* Of Fathers and Sons

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Roma (México)
Guerra Fria (Polônia)
Cafarnaum (Líbano)
Assunto de Família (Japão)
Nunca Deixe de Lembrar (Alemanha)

CURTA-METRAGEM
* Detainment
* Fauve
* Madre
* Marguerite
* Skin

CURTA DE ANIMAÇÃO
* Comportamento Animal (Animal Behaviour)
* Bao
* Fim de Tarde (Late Afternoon)
* Um Pequeno Passo (One Small Step)
* Weekends

DOCUMENTÁRIO-CURTA
* Black Sheep
* Uma Noite no Madison Square Garden (A Night at the Garden)
* A Partida Final (End Game)
* Lifeboat
* Absorvendo o Tabu (Period. End of Sentence.)

mirai

Cena da animação japonesa Mirai, de Mamoru Hosoda, indicada para Melhor Longa de Animação (pic by IMDb)

***

A 91ª cerimônia do Oscar está marcada para o dia 24 de fevereiro e será transmitida pela TNT. Até o momento, o evento não conta com nenhum host ou hostess.

ACADEMIA DIVULGA PRÉ-LISTA de SELECIONADOS em 9 CATEGORIAS! COMO ESPERADO, BRASIL ESTÁ FORA DA CORRIDA…

oscars-academy-awards-best-picture-category

ACADEMIA RESOLVE FAZER UMA PENEIRA FORTE EM NOVE CATEGORIAS

Pela primeira vez na longeva história da Academia, divulgaram as short lists em nova categorias ao mesmo tempo. E pela primeira vez desde 1979, anunciaram a pré-lista nas categorias musicais. Portanto, com essa dança das cadeiras, alguns profissionais comemoraram a sobrevivência de chances no Oscar, e muitos outros já deram adeus.

E os números são bem expressivos dessas listas de corte. Na categoria de Filme em Língua Estrangeira, dos 87 inscritos, sobraram apenas nove, enquanto em Melhor Documentário, dos 166 inscritos, 15 continuam na luta. Pelas categorias de Trilha e Canção, de centenas passaram para 15 por categoria.

Em relação às categorias de curtas (documentário, animação e live action), praticamente todos somos Gloria Pires, não podemos opinar. Mas em relação às demais, dá pra comentar um pouco sobre.

Vamos às listas?

DOCUMENTÁRIO-CURTA
Black Sheep
End Game
Lifeboat
Los Comandos
My Dead Dad’s Porno Tapes*
A Night at the Garden
Period. End of Sentence.
’63 Boycott
Women of the Gulag
Zion

* Esse título que já havia me chamado a atenção desde o começo do ano. O diretor quis descobrir mais sobre o falecido pai através de objetos pessoais, inclusive uma pilha de fitas VHS de filmes pornográficos. Não sei se tem chances no Oscar, mas seria engraçado no mínimo.

My Dead Dad's Porno Tapes

My Dead Dad’s Porno Tapes, de Charlie Tyrell (pic by IMDb)

CURTA DE ANIMAÇÃO
Age of Sail
Animal Behaviour
Bao
Bilby
Bird Karma
Late Afternoon
Lost & Found
One Small Step
Pépé le Morse
Weekends

Obviamente, não podia faltar o curta-metragem Bao, que foi exibido nos cinemas antes do filme Os Incríveis 2. A Pixar sempre marca forte presença nessa categoria. Além da qualidade do material, eles tiveram essa brilhante idéia de passar seus curtas para o público em geral nas sessões de seus longas. Em relação ao curta em si, particularmente, acho bem sensível a idéia, mas poderiam dispensar a transformação do dumpling em ser humano. A metáfora já estava compreendida.

Bao_

Cena do curta de animação Bao (pic by Disney/Pixar)

CURTA-METRAGEM
Caroline
Chuchotage
Detainment
Fauve
Icare
Marguerite
May Day
Mother
Skin
Wale

DOCUMENTÁRIO
Charm City
Communion
Crime + Punishment
Dark Money
The Distant Barking of Dogs
Free Solo
Hale County This Morning, This Evening
Minding the Gap
Of Fathers and Sons
On Her Shoulders
RBG
Shirkers
The Silence of Others
Three Identical Strangers
Won’t You Be My Neighbor?

Felizmente, todos os documentários premiados até agora parecem estar nessa pré-lista. Por enquanto, o mais forte candidato é o Won’t You Be My Neighbor?, sobre as lições e legado de um apresentador de programa de TV infantil. Entre outros premiados estão o Hale Country This Morning This EveningMinding the Gap, RBG (sobre uma juíza americana que se tornou um ícone pop, e vale lembrar que o filme está na lista das canções também), Three Identical Strangers, Free Solo, Crime+Punishment e Shirkers, que já está disponível na Netflix e vale a pena dar uma olhada.

Won't You Be My Neighbor? - Still 1

O apresentador Fred Rogers em cena do documentário Won’t You Be My Neighbor? (pic by IMDb)

VISUAL EFFECTS
Homem-Formiga e a Vespa
Vingadores: Guerra Infinita
Pantera Negra
Christopher Robin
O Primeiro Homem
Jurassic World: Reino Ameaçado
O Retorno de Mary Poppins
Jogador Nº1
Han Solo: Uma História Star Wars
Bem-Vindos a Marwen

Bom, em primeiro lugar, acho um desaforo Jurassic World: Reino Ameaçado estar nessa lista. Além dos efeitos não apresentarem nada de novo (daqui a pouco até eu vou saber criar dinossauros em 3D), o filme é de uma gratuidade lucrativa asquerosa. Você assiste e não se importa com ninguém, e quer que todo mundo morra logo.

Enfim, dessa lista, O Primeiro Homem e Jogador Nº 1 parecem ser os mais fortes. Os efeitos de O Retorno de Mary Poppins parecem se assemelhar bastante com os efeitos da década de 60, mas vale lembrar que na época o filme foi um marco nos efeitos e ganhou o Oscar de Efeitos Visuais. E Vingadores: Guerra Infinita e Pantera Negra devem consolidar suas indicações por causa dos números nas bilheterias. Particularmente, considero os efeitos de Pantera Negra meio ruinzinhos. Já os efeitos de Bem-Vindos a Marwen são mais interessantes, já que transformar os atores em bonecos semelhantes às Barbies.

Welcome to Marwen_

Janelle Monáe e Steve Carell como bonecos em Bem-Vindos a Marwen (pic by IMDb)

MAQUIAGEM E CABELO
Pantera Negra
Bohemian Rhapsody
Border
Duas Rainhas
Stan & Ollie
Suspiria
Vice

Sempre fui a favor de maquiagens transformadoras ganharem o Oscar, tipo os trabalhos fenomenais do já aposentado Rick Baker, que fez Um Lobisomem Americano em Londres, O Grinch e Homens de Preto, porque essa coisa de colar um bigodezinho, passar um pózinho na cara e despentear o cabelo não é lá muito evidente pra ganhar esse prêmio.

Nesse quesito de transformação, eu diria que Suspiria sai na frente. Tilda Swinton interpreta três personagens e um deles é um senhor de idade. E você sabe o que aconteceu da última vez que Swinton se transformou numa idosa? O Grande Hotel Budapeste ganhou o Oscar.

Tilda Swinton Suspiria_

Sim, é a Tilda Swinton em Suspiria (pic by IMDb)

Também vale citar o Stan & Ollie, no qual John C. Reilly desaparece na maquiagem que o transforma no comediante Oliver Hardy. Já em Vice, embora temos muito do esforço descomunal de Christian Bale engordar, temos um trabalho de maquiagem de envelhecimento no seu personagem e de Amy Adams, pelo menos.

Já no quesito bigode e pózinho, a ausência de A Favorita se faz notar aqui.

TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Aniquilação
Vingadores: Guerra Infinita
The Ballad of Buster Scruggs
Pantera Negra
Infiltrado na Klan
Podres de Ricos
A Morte de Stalin
Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindewald
O Primeiro Homem
Se a Rua Beale Falasse
Ilha dos Cachorros
O Retorno de Mary Poppins
Um Lugar Silencioso
Jogador Nº 1
Vice

Duas trilhas que dá pra garantir indicação são de O Primeiro Homem (Justin Hurwitz) e Se a Rua Beale Falasse (Nicholas Britell). Acredito também nas indicações de Alan Silvestri por Jogador Nº 1 e de Alexandre Desplat por Ilha dos Cachorros. Se John Williams estivesse na lista, eu o incluiria porque ele é sempre hors-concours na Academia. Pela quinta vaga, eu arriscaria Ludwig Göransson (Pantera Negra) ou Terence Blanchard (Infiltrado na Klan), se bem que Marc Shaiman pode ser lembrado por O Retorno de Mary Poppins.

CANÇÃO ORIGINAL
“When A Cowboy Trades His Spurs For Wings” (The Ballad of Buster Scruggs)
“Treasure” (Querido Menino)
“All The Stars” (Pantera Negra)
“Revelation” (Boy Erased: Uma Verdade Anulada)
“Girl In The Movies” (Dumplin’)
“We Won’t Move” (O Ódio que Você Semeia)
“The Place Where Lost Things Go” (O Retorno de Mary Poppins)
“Trip A Little Light Fantastic” (O Retorno de Mary Poppins)
“Keep Reachin’” (Quincy)
“I’ll Fight” (RBG)
“A Place Called Slaughter Race” (WiFi Ralph: Quebrando a Internet)
“OYAHYTT” (Sorry to Bother You)
“Shallow” (Nasce uma Estrela)
“Suspirium” (Suspiria)
“The Big Unknown” (As Viúvas)

Depois que aquela canção de Ritmo de um Sonho levou o Oscar, “It’s Hard Out Here for a Pimp”, nada mais foi o mesmo nessa categoria, o que torna tudo muito imprevisível. Claro que a mais forte aqui é a “Shallows”, que será cantada no Oscar pela Lady Gaga, e que possivelmente será premiada como compositora pra também compensá-la pela derrota como atriz.

Dentre as demais canções, “All the Stars” (Pantera Negra), “I’ll Fight” (RBG), “Girl in the Movies” (Dumplin’) e “Revelation” (Boy Erased) foram as mais lembradas na temporada até o momento, mas pode apostar que pelo menos uma das canções de O Retorno de Mary Poppins estará lá.

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Pássaros de Verão – COLÔMBIA
A Culpa – DINAMARCA
Never Look Away – ALEMANHA
Assunto de Família – JAPÃO
Ayka – CAZAQUISTÃO
Capernaum – LÍBANO
Roma – MÉXICO
Guerra Fria – POLÔNIA
Em Chamas – CORÉIA DO SUL

Ok, vamos direto ao ponto. Roma tem absolutamente tudo para ganhar, tornando-se o primeiro filme do México a vencer nesta categoria? 95% de chances que sim. Não estou nem atribuindo esses 5% ao imprevisível, que realmente existe no Oscar, mas devido ao cenário dos prêmios da crítica. Por exemplo, no LAFCA, dos críticos de Los Angeles, Roma sagrou-se como Melhor Filme, enquanto como Filme em Língua Estrangeira deu empate entre Assunto de Família e Em Chamas. Ou seja, num cenário em que Alfonso Cuarón leva o Oscar de Melhor Filme, pode se abrir uma janela para os demais concorrentes na categoria de Filme Estrangeiro.

Claro que são apenas hipóteses por enquanto, afinal, em 90 anos de Oscar, nunca um filme de língua estrangeira levou o Oscar de Melhor Filme. No máximo, são indicados como Amor (2012), A Vida é Bela (1998) e Z (1969), mas só levam o Oscar de Filme em Língua Estrangeira mesmo. Vamos ver se Roma vai crescer com as indicações ao Oscar em janeiro para poder cravar alguma coisa.

E o Brasil? A polêmica escolha de O Grande Circo Místico para representar o cinema nacional foi por água abaixo. Agora nós, cinéfilos, ficamos imaginando se Benzinho ou As Boas Maneiras tivessem sido escolhidos… teríamos uma nova indicação para o Brasil? Acho que a seleção deve levar em consideração apenas dois quesitos: Qualidade fílmica (de nada adianta levar filme de Segunda Guerra Mundial e morrer na praia) e Histórico de Festivais Internacionais. De nada adianta o filme ser ótimo se não for visto lá fora. Os produtores, juntamente com o governo, têm de investir em campanhas de divulgação, que muitas vezes começa com uma seleção em Cannes ou Veneza. E chega de política querer se meter na escolha! Da última vez, Aquarius ficou de fora por picuinha política.

Não assisti a todos dessa pré-lista, mas adoraria ver Em Chamas indicado. Seria a primeira indicação da Coréia do Sul, que tem um cinema formidável, mas nunca lembrado pela Academia. O filme é uma adaptação de um conto do escritor japonês Haruki Murakami, conta com um elenco afiadíssimo, uma fotografia excepcional e com a mão do diretor Lee Chang-dong, que já entregou ótimos filmes como Sol Secreto (2007) e Poesia (2010).

Burning trio

Ah-in Yoo, Jong-seo Jun e Steven Yeun em cena de Em Chamas (pic by IMDb)

Por enquanto, minhas apostas são: México, Japão, Polônia, Líbano e Coréia do Sul.

***

As indicações ao Oscar 2019 serão anunciadas no dia 22 de janeiro.

 

 

25 ANIMAÇÕES INSCRITAS DISPUTAM as INDICAÇÕES ao OSCAR 2019

Isle of Dogs

Atari e seus novos amigos caninos em Ilha de Cachorros (pic by IMDb)

WES ANDERSON PODE CONQUISTAR SUA 2ª INDICAÇÃO NA CATEGORIA E SUA 7ª NO TOTAL

Nesta quarta, dia 24, a Academia anunciou 25 produções inscritas oficialmente que concorrerão às 5 indicações na categoria de Melhor Longa de Animação. Embora as animações ainda precisem preencher todos os pré-requisitos para avançar, a tendência é que pelo menos 16 sejam aprovadas para que haja 5 indicados.

Na lista, chama a atenção a quantidade de animações vindas do oriente, principalmente as japonesas que totalizam sete, além de uma co-produção com a França. Contudo, ao contrário dos anos anteriores, não há nenhum forte candidato nipônico. Mesmo contando com os demais estrangeiros vindos do México, Hungria e Brasil, podemos ver um ano apenas com animações no idioma Inglês, algo que não acontece há vários anos.

Sim, temos novamente uma animação brasileira no páreo e isso é ótimo para o nosso cinema! Tito e os Pássaros, dirigida pelo trio Gabriel Bitar, André Catoto e Gustavo Steinberg, acompanha um menino e seu pai que buscam a cura de uma doença que é contraída depois que a pessoa leva um susto. Embora tenha boa técnica de animação, ainda é um azarão nas apostas pela carreira internacional ainda no início. Pode se tornar a segunda animação brasileira indicada após O Menino e o Mundo, de Alê Abreu.

Tito e os Pássaros cena

Cena da animação brasileira Tito e os Pássaros (pic by IMDb)

O favoritismo deste ano, por incrível que pareça, não é da Pixar/Disney, que aposta em Os Incríveis 2. O franco-favorito é Ilha dos Cachorros, de Wes Anderson. Com um visual arrebatador e uma técnica de stop motion afiadíssima, o longa conta a história de Atari, filho do prefeito de uma cidade japonesa, que busca seu cachorro numa ilha do lixo habitada apenas por cães banidos. A maioria dos personagens são cachorros dublados por um elenco estelar: Bryan Cranston, Scarlett Johansson, Edward Norton, Jeff Goldblum, Bill Murray, Tilda Swinton, F. Murray Abraham, além de participações de Frances McDormand e Greta Gerwig, que dubla uma ativista.

Isle-of-Dogs-Wes-Anderson

O Criador e suas crias: Wes Anderson posa com sua galeria de personagens de Ilha de Cachorros (pic by Comunidade Cultura e Arte)

Além da própria qualidade do material, Ilha dos Cachorros carrega um histórico recente de Wes Anderson no Oscar. Indicado 6 vezes sem nenhuma vitória, inclusive pela animação O Fantástico Sr. Raposo (2009), esta pode e deve ser a oportunidade de ouro para a Academia premiar um dos diretores mais prolixos da atualidade, que perdeu injustamente o Oscar de Roteiro Original por O Grande Hotel Budapeste em 2015.

As apostas mais certeiras para serem indicadas ao Oscar são: Ilha dos Cachorros, Os Incríveis 2 e Wifi Ralph: Quebrando a Internet. Fica difícil fazer uma previsão sem ter assistido a todos os concorrentes, mas vamos lá.

Pela lógica de premiações, O Homem das Cavernas pode dar as caras por se tratar do novo filme de Nick Park, diretor consagrado de stop motion, que já conquistou 4 Oscars, incluindo Longa de Animação por Wallace & Gromit: A Batalha dos Vegetais. E outra possibilidade seria  a indicação de Homem-Aranha no Aranhaverso. Já que a Academia não dá estatuetas para os longas live-action da Marvel Studios, por que não reconhecer a animação? A adaptação dos quadrinhos possui uma identidade visual muito própria que não faria feio na premiação. Quem assistiu aquela draga chamada Venom, já conferiu um trecho da animação no pós-créditos finais. Pra quem não viu, veja pelo link que vale a pena:

Seguem os 25 inscritos (as apostas estão assinaladas em laranja):

  • Ana y Bruno
    Dir: Carlos Carrera
  • O Grinch (The Grinch)
    Dir: Yarrow Cheney e Scott Mosier
  • O Homem das Cavernas (Early Man)
    Dir: Nick Park
  • Fireworks (Uchiage hanabi, shita kara miru ka? Yoko kara miru ka?)
    Dir: Akiyuki Shinbo e Nobuyuki Takeuchi
  • Have a Nice Day (Hao jile)
    Dir: Jian Liu
  • Hotel Transilvânia 3: Férias Monstruosas (Hotel Transylvania 3: Summer Vacation)
    Dir: Genndy Tartakovsky
  • Os Incríveis 2 (The Incredibles 2)
    Dir: Brad Bird
  • Ilha de Cachorros (Isle of Dogs)
    Dir: Wes Anderson
  • The Laws of the Universe – Part I
    Dir: Isamu Imakake
  • Liz and the Blue Bird (Rizu to Aoi tori)
    Dir: Naoko Yamada
  • Lu Está Livre (Yoake Tsugeru Rû no uta)
    Dir: Masaaki Yuasa
  • MFKZ (Mutafukaz)
    Dir: Shôjirô Nishimi e Guillaume Renard
  • Maquia: When the Promised Flower Blooms (Sayonara no asa ni yakusoku no hana o kazarô)
    Dir: Mari Okada
  • Mirai (Mirai no Mirai)
    Dir: Mamoru Hosoda
  • The Night Is Short, Walk on Girl (Yoru wa mijikashi aruke yo otome)
    Dir: Masaaki Yuasa
  • On Happiness Road (Hsing fu lu shang)
    Dir: Hsin Yin Sung
  • Wifi Ralph: Quebrando a Internet (Ralph Breaks the Internet)
    Dir: Phil Johnston, Rich Moore
  • Ruben Brandt, Collector
    Dir: Milorad Krstic
  • Sgt. Stubby: An American Hero
    Dir: Richard Lanni
  • Gnomeu e Julieta: O Mistério do Jardim (Sherlock Gnomes)
    Dir: John Stevenson
  • PéPequeno (Smallfoot)
    Dir: Karey Kirkpatrick e Jason Reisig
  • Homem-Aranha no Aranhaverso (Spider-Man: Into the Spider-Verse)
    Dir: Bob Persichetti, Peter Ramsey e Rodney Rothman
  • Tall Tales (Drôles de petites bêtes)
    Dir: Arnaud Bouron e Antoon Krings
  • Os Jovens Titãs em Ação! Nos Cinemas (Teen Titans Go! To the Movies)
    Dir: Aaron Horvath e Peter Rida Michail
  • Tito e os Pássaros (Tito and the Birds)
    Dir: Gabriel Bitar, André Catoto e Gustavo Steinberg

***

As indicações ao Oscar 2019 serão anunciadas no dia 22 de janeiro. E a cerimônia ocorrerá no dia 24 de fevereiro.

87 PRODUÇÕES CONCORREM ao OSCAR 2019 de FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

Alfonso Cuarón Roma.jpg

Alfonso Cuarón dirige cena com Yalitza Aparicio em Roma (pic by imdb)

VENCEDOR DO OSCAR POR ‘GRAVIDADE’, ALFONSO CUARÓN COMPETE PELO MÉXICO

OK, os portões do ENEM fecharam! Ninguém mais entra, ninguém mais sai. 87 países enviaram seus filmes representantes para disputarem as 5 cobiçadas indicações na categoria de Filme em Língua Estrangeira. É importante ressaltar aqui que houve uma ligeira redução de inscritos comparando com o ano passado, quando houve 92 filmes.

Este ano marca a estréia na lista de dois países que muita gente sequer sabia da existência: Malawi e Niger, ambas nações do continente africano. Duas produções ainda aguardam aprovação da Academia: o filme cubano Sergio & Sergei, e o representante do Quirguistão Night Accident.

COMO ESTÁ A DISPUTA ATÉ O MOMENTO?

Ao contrário dos últimos anos, 2019 já tem um franco-favorito: Roma, de Alfonso Cuarón, que ganhou o Leão de Ouro em Veneza, é o representante oficial do México, que nunca ganhou o Oscar de Filme em Língua Estrangeira na história da Academia. Por todos os lugares por quais passa, independente de qual crítico, o filme biográfico do diretor é uma extrema unanimidade, inclusive, com alta possibilidade de concorrer ao Oscar de Melhor Filme (seria a primeira indicação da Netflix) e com boas chances de vencer! Essa dobradinha Melhor Filme e Melhor Filme em Língua Estrangeira nunca aconteceu antes.

Pra quem não se recorda, Alfonso Cuarón já venceu dois Oscars pela ficção científica Gravidade em 2014: Melhor Montagem e Melhor Direção. Ele já havia concorrido antes por Filhos da Esperança em 2007 (Roteiro Adaptado e Montagem) e por E Sua Mãe Também em 2002 (Roteiro Original). Tornou-se o primeiro diretor hispânico a vencer o Oscar de Diretor, abrindo a porta para seus compadres Alejandro González Iñárritu e Guillermo Del Toro.

Shoplifters.jpg

Sakura Andô (mãe) e Lily Franky (pai) interagem com menina adotada em Assunto de Família (pic by imdb)

Claro que, mesmo diante desse sucesso estrondoso, só vamos ter 100% de certeza quando o filme for anunciado vencedor no palco da cerimônia. Até lá, muita água ainda vai rolar nesse rio de filmes. O representante japonês, Assunto de Família, de Hirokazu Koreeda, figura como uma espécie de segundo lugar nessa bolsa de apostas. Cineasta com presença frequente em grandes festivais internacionais, Koreeda ganhou enorme impulso após a vitória da Palma de Ouro em Cannes com este singelo drama sobre uma família de ladrões que adota uma menina de rua.

Dá pra praticamente cravar que Roma e Assunto de Família já estão garantidos na categoria. As outras 3 vagas podem ir para:

POLÔNIA: Guerra Fria (Cold War), de Pawel Pawlikowski
– Temos aqui o diretor que ganhou o Oscar de Filme Estrangeiro por Ida em 2014, fazendo um novo filme em preto-e-branco com pano de fundo da guerra, tema que muitos votantes adoram. Cold War levou o prêmio de Direção em Cannes. E conta com a belíssima fotografia PB de Lukasz Zal (que foi indicado ao Oscar por Ida).

Cold War.jpg

Joanna Kulig em cena de Guerra Fria (pic by imdb)

CORÉIA DO SUL: Em Chamas (Burning), de Lee Chang-dong
– Bastante elogiado em Cannes, de onde saiu com o FIPRESCI Prize, que reconhece a vertente artística, Em Chamas pode se tornar a primeira indicação da Coréia do Sul ao Oscar após o país perder grande chance com A Criada em 2016. Seu diretor Lee Chang-dong tem um currículo internacional respeitável, já tendo vencido o prêmio de roteiro por Poesia (2010) em Cannes.

Burning

Ah-In Yoo, Jong-seo Jeon e Steven Yeun em cena de Em Chamas (pic by imdb)

PARAGUAI: As Herdeiras (Las Herederas), de Marcelo Martinessi
– Em sua passagem pelo Festival de Berlim, o filme conquistou o prêmio de Melhor Atriz para Ana Brun. O filme narra a decadência financeira de uma família da elite paraguaia. O longa paraguaio já estreou no Brasil.

The Heiresses

Ana Brun e Ana Ivanova em cena de As Herdeiras (pic by humanitieskansas.org)

BÉLGICA: Girl, de Lukas Dhont
– A produção acompanha a trajetória de Lara, uma menina de 15 anos nascida num corpo de menino, que tem o sonho de ser bailarina. Girl teve boa passagem pela mostra Un Certain Regard de Cannes, e pode se beneficiar da recente vitória de outro filme LGBT no Oscar: Uma Mulher Fantástica.

Girl

Victor Polster como a bailarina Lara em cena de Girl (pic by imdb)

Outros filmes bem cotados são o dinamarquês A Culpa, de Gustave Möller; o alemão Never Look Away, de Florian Henckel von Donnnersmarck (que venceu o Oscar por A Vida dos Outros); e o libanês Capernaum, de Nadine Labaki.

E O BRASIL?

A Academia de Cinema Brasileiro nomeou O Grande Circo Místico, de Cacá Diegues, para concorrer ao Oscar. Como o filme ainda não estreou em solo brasileiro, acabou não contando com o voto popular. Internacionalmente, o longa teve passagem bem discreta em mostra paralela não-competitiva de Cannes. A seleção se baseou na extensa filmografia do diretor, que este ano foi integrado à Academia de Letras Brasileira, e na temática circense que já fez sucesso décadas atrás na categoria como com A Estrada da Vida, de Federico Fellini.

O Grande Circo Místico

Jesuíta Barbosa em cena de O Grande Circo Místico (pic by imdb)

A menos que haja uma mega reviravolta na campanha nos EUA, o filme tem tudo para morrer na praia, infelizmente. A escolha mais sensata teria sido entre Benzinho e As Boas Maneiras, que tiveram carreira internacional mais rica, que facilitaria na divulgação. Porém, vamos continuar torcendo… pelo menos até conferir a qualidade do filme!

PREPARE-SE!

No final de dezembro, sai a pré-lista com 9 produções. E os cinco indicados serão conhecidos no dia do anúncio das indicações: 22 de janeiro. A cerimônia acontecerá no dia 24 de fevereiro.

SEGUE A LISTA DAS 87 PRODUÇÕES INSCRITAS PARA O OSCAR 2019:

PAÍS FILME DIRETOR(A)(ES)
Afeganistão Rona Azim’s Mother Jamshid Mahmoudi
África do Sul Sew the Winter to my Skin Jahmil X.T. Qubeka
Alemanha Never Look Away Florian H. von Donnersmarck
Argélia Until the End of Time Yasmine Chouikh
Argentina El Ángel Luis Ortega
Armênia Spitak Alexander Kott
Austrália Jirga Benjamin Gilmour
Áustria The Waldheim Waltz Ruth Beckermann
Bangladesh No Bed of Roses Mostofa Sarwar Farook
Bélgica Girl Lukas Dhont
Bielorrússia Crystal Swan Darya Zhuk
Bolívia The Goalkeeper Rodrigo ‘Gory’ Patiño
Bósnia Herzegovina Never Leave Me Ainda Begi´c
Brasil O Grande Circo Místico Cacá Diegues
Bulgária Omnipresent Ilian Djevelekov
Camboja Graves Without a Name Rithy Panh
Canadá Family Ties Sophie Dupuis
Cazaquistão Ayka Sergey Dvortsevoy
Chile …And Suddenly the Dawn Silvio Caiozzi
China Hidden Man Jiang Wen
Colômbia Birds of Passage Cristina Gallego, Ciro Guerra
Coréia do Sul Em Chamas Lee Chang-dong
Costa Rica Medea Alexandra Latishev
Croácia The Eighth Comissioner Ivan Salaj
Dinamarca Culpa Gustav Möller
Egito Yomeddine A.B. Shawky
Equador A Son of Man Jamaicanoproblem
Eslováquia The Interpreter Martin Šulík
Eslovênia Ivan Janez Burger
Espanha Champions Javier Fesser
Estônia Take it or Leave it Liina Trishkina-Vanhatalo
Filipinas Signal Rock Chito S. Roño
Finlândia Euthanizer Teemu Nikki
França Memoir of War Emmanuel Finkiel
Geórgia Namme Zaza Khalvashi
Grécia Polyxeni Dora Masklavanou
Holanda O Banqueiro da Resistência Joram Lürsen
Hong Kong Operation Red Sea Dante Lam
Hungria Sunset László Nemes
Iêmen 10 Days Before the Wedding Amr Gamal
Índia Village Rockstars Rima Das
Indonésia Marlina the Murderer in Four Acts Mouly Surya
Irã Sem Data, Sem Assinatura Vahid Jalivand
Iraque The Journey Mohamed Jabarah Al-Daradji
Islândia Woman at War Benedikt Erlingsson
Israel The Cakemaker Ofir Raul Graizer
Itália Dogman Matteo Garrone
Japão Assunto de Família Hirokazu Koreeda
Kosovo The Marriage Blerta Zeqiri
Letônia To Be Continued Ivars Seleckis
Líbano Capernaum Nadine Labaki
Lituânia Wonderful Losers: A Different World Arunas Matelis
Luxemburgo Gutland Govinda Van Maele
Macedônia Secret Ingredient Gjorce Stavreski
Malawi The Road to Sunrise Shemu Joyah
Marrocos Burnout Nour-Eddine Lakhmari
México Roma Alfonso Cuarón
Montenegro Iskra Gojko Berkuljan
Nepal Panchayat Shivam Adhikari
Níger The Wedding Ring Rahmatou Keïta
Noruega What Will People Say Iram Haq
Nova Zelândia Yellow is Borbidden Pietra Brettkelly
Palestina Ghost Hunting Raed Andoni
Panamá Ruben Blades is not my Name Abner Benaim
Paquistão Cake Assim Abbasi
Paraguai As Herdeiras Marcelo Martinessi
Peru Eternity Oscar Catacora
Polônia Guerra Fria Pawel Pawlikowski
Portugal Pilgrimage João Botelho
Quênia Supa Modo Likarion Wainaina
Reino Unido I Am Not a Witch Rungano Nyoni
Rep Dominicana Cocote Nelson Carlo De Los S. Arias
Rep Tcheca Winter Flies Olmo Omerzu
Romênia I Do Not Care If We Go Down in History as Barbarians Radu Jude
Rússia Sobibor Konstantin Khabensky
Sérvia Offenders Dejan Zecevic
Singapura Buffalo Boys Mike Wiluan
Suécia Border Ali Abbasi
Suíça Eldorado Markus Imhoof
Tailândia Malila the Farewell Flower Anucha Boonyawatana
Taiwan The Great Buddha+ Hsin-Yao Huang
Tunísia Beauty and the Dogs Kaouther Bem Hania
Turquia The Wild Pear Tree Nuri Bilge Ceylan
Ucrânia Donbass Sergei Loznitsa
Uruguai Uma Noite de 12 Anos Álvaro Brechner
Venezuela The Family Gustavo Rondón Córdova
Vietnã The Tailor Buu Loc Tran, Kay Nguyen
%d blogueiros gostam disto: