Cannes & Almodóvar vs. Netflix & TILDA SWINTON!

okja cannes

Equipe do filme Okja, da Netflix, no Festival de Cannes. No centro, o diretor Bong Joon-ho ao lado da atriz Tilda Swinton e Jake Gyllenhaal. Pic by AFP.com

EM SEGUNDO DIA DO FESTIVAL, NETFLIX CAUSA GRANDE ALVOROÇO

Sim, tá rolando uma treta em Cannes! E a musa Tilda Swinton calou a boca do povo! Por isso venho aqui pra compartilhar com vocês não apenas a treta, mas toda uma discussão sobre o futuro do cinema como o conhecemos hoje.

Vamos pela cronologia dos fatos:

1 – NETFLIX NA SELEÇÃO OFICIAL DE CANNES

Dentre os indicados à Palma de Ouro, havia duas produções de streaming da Netflix competindo pela primeira vez na história do evento: The Meyerowitz Stories, de Noah Baumbach; e Okja, do sul-coreano Bong Joon-ho.

OKJA

Cena do filme Okja, de Bong Joon-ho. Pic by cine.gr

2 – INCÔMODO ENTRE OS DISTRIBUIDORES DE CINEMA NA FRANÇA

Como se trata de um festival bastante tradicional, obviamente que os inúmeros distribuidores de cinema não gostaram nem um pouco do início da invasão da Netflix em Cannes, já que as produções não serão exibidas nas salas de cinema comercialmente, apenas pela plataforma da própria Netflix. Mais do que deixar de lucrar, os distribuidores estão enfurecidos com a possibilidade da profissão se tornar obsoleta num futuro não muito distante.

3 – OS ORGANIZADORES TOMAM PROVIDÊNCIAS

Com a insatisfação dos distribuidores no ouvido, os organizadores se viram obrigados a tomar providências para agradar gregos e troianos. Assim, passou a exigir que os filmes de streaming sejam exibidos em salas de cinema para que possam competir a partir de 2018.

4 – NETFLIX REAGE COM SENSATEZ

Depois de sofrer retaliações, a Netflix poderia reclamar ou se espernear, mas tem ciência do ótimo impacto de ter produções selecionadas e por isso, anunciou que está estudando a possibilidade de lançar seus filmes em algumas salas selecionadas.

5 – ALMODÓVAR USUFRUI DE SUA AUTORIDADE

Como presidente do júri deste ano, o cineasta Pedro Almodóvar, resolveu fazer declaração sobre o assunto, mas de forma intimidatória: “Não concederei não apenas a Palma de Ouro, mas qualquer outro prêmio para um filme que não poderei ver na tela grande”. Embora o júri seja formado por outros artistas como os atores Will Smith, Jessica Chastain, Fan Bingbing, e os cineastas Paolo Sorrentino, Park Chan-wook, Maren Ade e Agnès Jaoui, além do compositor Gabriel Yared, o presidente sempre tem a palavra final, portanto, existe forte possibilidade desses dois filmes da Netflix saírem de mãos abanando apenas por causa de seu formato.

Jury Press Conference - The 70th Annual Cannes Film Festival

À direita, o presidente do júri Pedro Almodóvar em coletiva de imprensa. Pic by The Upcoming

6 – TILDA SWINTON CALA A BOCA DE ALMODÓVAR

Durante a conferência do filme em Cannes, a atriz do filme Okja, a britânica Tilda Swinton, rebateu a declaração do presidente do júri Pedro Almodóvar: “NÃO VIEMOS AQUI PELOS PRÊMIOS”. Cadê aquela musiquinha do “Turn down for what” com os óculos escuros pra Tilda Swinton???

tilda-jake.jpg.size.custom.crop.1086x724

Tilda Swinton responde às perguntas dos jornalistas em coletiva de Okja em Cannes. Ao fundo, Jake Gyllenhaal. (pic by thestar.com)

ADENDO: A EXIBIÇÃO DE ‘OKJA’ EM CANNES

Depois de toda essa discussão, até parece que sabotaram a exibição do longa Okja! Após alguns minutos de exibição, o filme foi interrompido por problemas técnicos. Alguns membros da imprensa estrangeira aproveitaram para vaiar, mas o diretor Bong Joon-ho soube ter jogo de cintura após o término da sessão, quando disse: “Fiquei feliz pelos problemas técnicos. Assim vocês tiveram a oportunidade de ver duas vezes a sequência de abertura!”.

ANÁLISE PERTINENTE EM RELAÇÃO AO FUTURO DO CINEMA

Bom, mas tirando a sarrafada da Tilda Swinton, o que é necessário entender aqui é que a Netflix é o FUTURO. Simples. Para quem acompanha cinema, sabe que houve uma queda significativa de conteúdo nas salas de exibição. Os estúdios não querem mais arriscar em novas idéias, e preferem ficar limitados a adaptações de quadrinhos, refilmagens e sequências, pois as chances de prejuízo são praticamente inexistentes. Claro que não estou criticando esses filmes de estúdio (eu mesmo sou fã dos filmes da Marvel), mas cinema não deve ficar restrito a essas produções. Cinema é uma arte que precisa sempre se reinventar para poder sobreviver.

E a Netflix está providenciando isso. Há pouco tempo, eles deixaram de ser uma mera plataforma de exibição para produzir conteúdo. Começaram com as séries de TV , que logo conquistaram o grande público como as pioneiras House of Cards e Orange is the New Black, e agora estão fazendo grandes contratos com diretores renomados e renegados do cinema como os já citados Bong Joon-ho e Noah Baumbach. Esses mesmos diretores sabem que estão perdendo espaço nas salas de cinema e por isso, estão buscando alternativas para produzirem seus filmes. Vale lembrar que recentemente o diretor David Lynch anunciou sua aposentadoria de filmes, concentrando seus esforços na série Twin Peaks. Quem sabe ele não consegue retornar com a ajuda da Netflix também?

netflix screen-shot-2013-11-13-at-8-05-16-am

Tela da Netflix com destaque para a série House of Cards, sucesso absoluto de crítica e público. 

Quando o Festival de Cannes impõe restrições à Netflix, ele está adiando o futuro. Mesmo sendo cinéfilo que gosta de frequentar salas de cinema, não dá pra simplesmente ignorar uma plataforma tão promissora. Logo de cara, já desbancou as locadoras do mundo todo, e agora a tendência é aposentar as salas de cinema.

ÉPOCA DE TRANSIÇÃO

Embora a Netflix seja o futuro, ele não vem da noite para o dia. É necessário um período de adaptação do público e até mesmo da crítica. Acredito que o ideal nesse caso seja que a Netflix inicialmente disponibilize seus filmes em salas selecionadas de cinema, e que retire suas produções dos cinemas gradativamente. Hoje, podem lançar um filme para 200 salas nos EUA. Daqui a 6 meses, 150 salas, e assim sucessivamente. E o público que vai decidir isso. Se hoje pagam bem pra assistir mega-produções da Disney nos cinemas, eles podem elevar os números positivos das produções de streaming.

Voltando ao discurso do Almodóvar, ele lança sua opinião para que possamos refletir sobre essas mudanças. “Plataformas digitais são um novo meio de oferecer trabalho, o que é interessante e positivo. Mas elas não devem tomar o lugar de formatos existentes. Elas não deveriam mudar os hábitos dos espectadores. Essa é a grande questão do debate.”, declarou o diretor.

Realmente, assistir a um filme na tela grande do cinema é uma experiência de outro nível. A tela grande consegue aprimorar a experiência de ver um filme, e até mesmo melhorar a qualidade daquele filme meio capenga. É verdade. E tem uma questão primordial nesse modo de assistir a um filme: a concentração do espectador. Na sala de cinema, além da imagem e áudio de qualidades, existe o foco. Não há interrupções de telefone, barulho ou mesmo de distrações dentro da sala de cinema, que certamente existem em casa. Então, nesse sentido, o Almodóvar tem razão.

Mas pra ele, que já é um cineasta de renome que frequenta os festivais e sempre tem público nos cinemas, é mais fácil condenar a Netflix. Mas e praquele diretor em começo de carreira? Ou mesmo praquele que foi esquecido pelos grandes estúdios como o já citado David Lynch? Hoje, eles têm duas alternativas: Ou imploram por financiamento por leis de incentivo ou eles cedem para o streaming que vai produzir os filmes e vão oferecer para milhões de espectadores via plataforma.

O próprio diretor Bong Joon-ho ressaltou sua experiência de ter trabalhado com a Netflix: “Eu amei ter trabalhado com a Netflix. Eles me deram muito apoio. O orçamento para este filme foi considerável. Dar esse tipo de orçamento para um diretor não é muito comum.” A Netflix concedeu 50 milhões de dólares para a produção de Okja. Uma boa grana para quem teve astros como Tilda Swinton, Jake Gyllenhaal, Lily Collins e Paul Dano, sem contar com os efeitos especiais.

Enfim, fechando a discussão, nada desse debate todo justifica Pedro Almodóvar fechar as portas para as duas produções por causa da plataforma! Por isso, adorei Tilda Swinton, que ressaltou o privilégio de estar em Cannes, e de lembrar que o real intuito do filme é ser visto e passar sua mensagem. Os prêmios são mera consequência.

***

A 70ª edição do Festival de Cannes termina dia 28 de maio, quando serão anunciados os vencedores.

Com 11 indicações, ‘LA LA LAND’ também lidera o BAFTA 2017

Cena do filme britânico Eu, Daniel Blake, com Hayley Squire ao centro. Ela foi indicada como Atriz Coadjuvante (pic by moviepilot.de)

Cena do filme britânico Eu, Daniel Blake, com Hayley Squires ao centro. Ela foi indicada como Atriz Coadjuvante (pic by moviepilot.de)

APÓS VITÓRIA RECORDISTA NO GLOBO DE OURO, MUSICAL PODE ALCANÇAR NOVOS FEITOS EM PRÊMIO DA ACADEMIA BRITÂNICA

Nos últimos anos, o prêmio da Academia Britânica, BAFTA, deixou ser aquele mérito fechado no Reino Unido pra se tornar um ótimo parâmetro para o Oscar. Claro que existem as disparidades (nos últimos dois anos, elegeram O Regresso e Boyhood), mas certamente o Oscar está de olho nos indicados da terra da Rainha, tanto que quem estiver fora do BAFTA, tem suas chances consideravelmente reduzidas.

Sim, infelizmente, sob essa lógica, a grande Isabelle Huppert teve suas chances de vitória no Oscar de Atriz bem reduzidas com sua ausência aqui. Tudo graças ao atraso no lançamento de Elle no Reino Unido, agendado para março, o que o desqualificou para esta temporada. Claro que ela tem totais chances de indicação ao Oscar (que seria sua primeira), mas ganhar será mais difícil… Na sua ausência forçada, preencheram sua vaga com Emily Blunt por A Garota no Trem, fato que já tinha acontecido no SAG Awards.

Sophie Turner e Dominic Cooper anunciam as indicações em nove categorias (canal BAFTA no YouTube)

Bom, quanto aos números dessas indicações, temos La La Land liderando com 11 indicações, seguido por A Chegada e Animais Noturnos com nove indicações cada. Esse reconhecimento impulsiona bastante as campanhas desses dois filmes rumo ao Oscar, podendo acarretar nas inclusões de Denis Villeneuve e Tom Ford na categoria de Diretor. Ambos andavam meio esquecidos das premiações, mas mereciam mais reconhecimento por trabalhos tão diferentes da maioria.

O diretor Denis Villeneuve passa instruções para Amy Adams em set de A Chegada (pic by moviepilot.de)

O diretor Denis Villeneuve passa instruções para Amy Adams em set de A Chegada (pic by moviepilot.de)

Se por um lado, alguns ganham, outros perdem com o BAFTA. O drama independente Moonlight: Sob a Luz do Luar contou com apenas quatro indicações: Filme, Roteiro Original, Atriz Coadjuvante (Naomie Harris) e Ator Coadjuvante (Mahershala Ali). Seu diretor Barry Jenkins, que era outrora uma unanimidade na categoria, foi lembrado aqui apenas pelo roteiro. Havia uma forte expectativa de que ele seria o primeiro diretor negro a vencer o Oscar, mas com essa ausência e sua recém derrota no Globo de Ouro para Damien Chazelle, passo a ter minhas dúvidas.

Pra piorar sua situação, Moonlight, considerado um dos favoritos da temporada, perdeu em número de indicações até mesmo para Animais Fantásticos e Onde Habitam, Até o Último Homem, Lion: Uma Jornada Para Casa e Eu, Daniel Blake, todos receberam cinco indicações.

Aliás, o filme britânico Eu, Daniel Blake foi a maior surpresa desta edição. Vencedor da Palma de Ouro no último Festival de Cannes, o novo filme de Ken Loach foi bem valorizado ao ser reconhecido nas categorias de Filme, Filme Britânico, Diretor, Roteiro Original e Atriz Coadjuvante (Hayley Squires). Acho difícil a Academia indicar Loach como Diretor num ano tão concorrido, mas poderiam incluir o filme na categoria de Roteiro Original.

O diretor Ken Loach, 80 anos, vencedor de duas Palmas de Ouro, recebeu sua segunda indicação de Diretor no BAFTA (pic by moviepilot.de)

O diretor Ken Loach, 80 anos, vencedor de duas Palmas de Ouro, recebeu sua segunda indicação de Diretor no BAFTA (pic by moviepilot.de)

Deadpool, que vinha numa ascendente nas últimas semanas, acabou de fora do BAFTA. Nada. Nem uma indicaçãozinha de Melhor Maquiagem. Outros que ficaram de mãos abanando foram Sully: O Herói do Rio Hudson e Silêncio, o que praticamente enterra do filme de Scorsese para o Oscar. Claro que é complicado julgar sem ter visto o filme, mas é uma pena porque se trata de um projeto pessoal de longa data do diretor americano. Será que ele errou tão feio assim?

Quando falavam da corrida de Melhor Ator, dois nomes eram considerados certeza: Casey Affleck e Denzel Washington. Bom, agora Denzel perdeu a cadeira. A Academia Britânica preferiu indicar Jake Gyllenhaal por Animais Noturnos. Curiosamente, (isso nem eu me dei conta!) Denzel Washington nunca foi indicado para o BAFTA, mesmo com seis indicações e duas vitórias no Oscar. Particularmente, também não considero Washington um dos melhores atores, mas não posso falar antes de checar sua performance em Cercas, filme que ele também foi diretor. Já Gyllenhaal, apesar de ser um ator em ascensão, não acho um de seus melhores trabalhos, mas entendo sua inclusão. Ele faz dois personagens na adaptação de Tom Ford e isso deve ter lhe dado crédito para a indicação.

Jake Gyllenhaal em cena de Animais Noturnos, segundo filme sob a direção de Tom Ford (photo by cine.gr)

Jake Gyllenhaal em cena de Animais Noturnos: conquista sua terceira indicação ao BAFTA (photo by cine.gr)

***

EE RISING STAR AWARD

E nesta edição, o prêmio de revelação selecionou os atores: Anya Taylor-Joy (A Bruxa), Laia Costa (Victoria), Lucas Hedges (Manchester à Beira-Mar), Ruth Negga (Loving) e Tom Holland (Capitão América: Guerra Civil e Homem-Aranha: De Volta ao Lar). O voto é popular nas terras britânicas, e qualquer um que ganhar, acredito que será bem merecido. Mas se eu pudesse votar, elegeria Lucas Hedges. Apesar de não ter visto Manchester à Beira-Mar ainda, li boas críticas sobre a atuação dele, e lembrando que a última vez que o diretor Kenneth Lonergan revelou um ator, este foi Mark Ruffalo pelo ótimo Conte Comigo (2000).logo_master-bafta

INDICADOS AO BAFTA

MELHOR FILME
* A Chegada (Arrival) – Produtores: Dan Levine, Shawn Levy, David Linde, Aaron Ryder
* Eu, Daniel Blake (I, Daniel Blake) – Produtora: Rebecca O’Brien
* La La Land: Cantando Estações (La La Land) – Produtores: Fred Berger, Jordan Horowitz, Marc Platt
* Manchester à Beira-Mar (Manchester by the Sea) – Produtores: Lauren Beck, Matt Damon, Chris Moore, Kimberly Steward, Kevin J. Walsh
* Moonlight: Sob a Luz do Luar (Moonlight) – Produtores: Dede Gardner, Jeremy Kleiner, Adele Romanski

DIRETOR
* Denis Villeneuve (A Chegada)
* Ken Loach (Eu, Daniel Blake)
* Damien Chazelle (La La Land: Cantando Estações)
* Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar)
* Tom Ford (Animais Noturnos)

ROTEIRO ORIGINAL
* Taylor Sheridan (A Qualquer Custo)
* Paul Laverty (Eu, Daniel Blake)
* Damien Chazelle (La La Land)
* Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar)
* Barry Jenkins (Moonlight)

ROTEIRO ADAPTADO
* Eric Heisserer (A Chegada)
* Robert Schenkkan, Andrew Knight (Até o Último Homem)
* Theodore Melfi, Allison Schroeder (Estrelas Além do Tempo)
* Luke Davies (Lion: Uma Jornada Para Casa)
* Tom Ford (Animais Noturnos)

ATOR
Andrew Garfield (Até o Último Homem)
Casey Affleck  (Manchester à Beira-Mar)
Jake Gyllenhaal (Animais Noturnos)
Ryan Gosling (La La Land: Cantando Estações)
Viggo Mortensen (Capitão Fantástico)

ATRIZ
Amy Adams (A Chegada)
Emily Blunt (A Garota no Trem)
Emma Stone (La La Land: Cantando Estações)
Meryl Streep (Florence: Quem é Essa Mulher?)
Natalie Portman (Jackie)

ATOR COADJUVANTE
Aaron Taylor-Johnson (Animais Noturnos)
Dev Patel (Lion: Uma Jornada Para Casa)
Hugh Grant (Florence: Quem é Essa Mulher?)
Jeff Bridges (A Qualquer Custo)
Mahershala Ali (Moonlight: Sob a Luz do Luar)

ATRIZ COADJUVANTE
Hayley Squires (Eu, Daniel Blake)
Michelle Williams (Manchester à Beira-Mar)
Naomie Harris (Moonlight: Sob a Luz do Luar)
Nicole Kidman (Lion: Uma Jornada Para Casa)
Viola Davis (Cercas)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
* Dheepan: O Refúgio – Jacques Audiard, Pascal Caucheteux
* Julieta – Pedro Almodóvar
* Cinco Graças – Deniz Gamze Ergüven, Charles Gillibert
* O Filho de Saul – László Nemes, Gábor Sipos
* Toni Erdmann – Maren Ade, Janine Jackowski

DOCUMENTÁRIO
* A 13ª Emenda – Ava Duvernay
* The Beatles: Eight Days A Week – The Touring Years – Ron Howard
* The Eagle Huntress – Otto Bell, Stacey Reiss
* Notes on Blindness – Peter Middleton, James Spinney
* Weiner – Josh Kriegman, Elyse Steinberg

LONGA DE ANIMAÇÃO
* Procurando Dory – Dir: Andrew Stanton
* Kubo e as Cordas Mágicas – Dir: Travis Knight
* Moana: Um Mar de Aventuras – Dir: Ron Clements, John Musker
* Zootopia – Dir: Byron Howard, Rich Moore

TRILHA MUSICAL ORIGINAL
* Jóhann Jóhannsson (A Chegada)
* Mica Levi  (Jackie)
* Justin Hurwitz (La La Land: Cantando Estações)
* Dustin O’halloran, Hauschka (Lion: Uma Jornada Para Casa)
* Abel Korzeniowski (Animais Noturnos)

FOTOGRAFIA
* Bradford Young (A Chegada)
* Giles Nuttgens (A Qualquer Custo)
* Linus Sandgren (La La Land: Cantando Estações)
* Greig Fraser (Lion: Uma Jornada Para Casa)
* Seamus Mcgarvey (Animais Noturnos)

MONTAGEM
* Joe Walker (A Chegada)
* John Gilbert (Até o Último Homem)
* Tom Cross (La La Land: Cantando Estações)
* Jennifer Lame (Manchester à Beira-Mar)
* Joan Sobel (Animais Noturnos)

DIREÇÃO DE ARTE
* John Bush, Charles Wood (Doutor Estranho)
* Stuart Craig, Anna Pinnock (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
* Jess Gonchor, Nancy Haigh (Ave, César!)
* Sandy Reynolds-Wasco, David Wasco (La La Land: Cantando Estações)
* Shane Valentino, Meg Everist (Animais Noturnos)

FIGURINO
* Joanna Johnston (Aliados)
* Colleen Atwood (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
* Consolata Boyle (Florence: Quem é Essa Mulher?)
* Madeline Fontaine (Jackie)
* Mary Zophres (La La Land: Cantando Estações)

MAQUIAGEM E CABELO
* Jeremy Woodhead (Doutor Estranho)
* J. Roy Helland, Daniel Phillips (Florence: Quem é Essa Mulher?)
* Shane Thomas (Até o Último Homem)
* Donald Mowat, Yolanda Toussieng (Animais Noturnos)
* Rogue One: Uma História Star Wars

SOM
* Claude La Haye, Bernard Gariépy Strobl, Sylvain Bellemare (A Chegada)
* Mike Prestwood Smith, Dror Mohar, Wylie Stateman, David Wyman (Horizonte Profundo: Desastre no Golfo)
* Niv Adiri, Glenn Freemantle, Simon Hayes, Andy Nelson, Ian Tapp (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
* Peter Grace, Robert Mackenzie, Kevin O’Connell, Andy Wright (Até o Último Homem)
* Mildred Iatrou Morgan, Ai-Ling Lee, Steve A. Morrow, Andy Nelson (La La Land: Cantando Estações)

EFEITOS VISUAIS
* Louis Morin (A Chegada)
* Richard Bluff, Stephane Ceretti, Paul Corbould, Jonathan Fawkner (Doutor Estranho)
* Tim Burke, Pablo Grillo, Christian Manz, David Watkins (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
* Robert Legato, Dan Lemmon, Andrew R. Jones, Adam Valdez (Mogli: O Menino Lobo)
* Neil Corbould, Hal Hickel, Mohen Leo, John Knoll, Nigel Sumner (Rogue One: Uma História Star Wars)

FILME BRITÂNICO
* American Honey – Produtores: Andrea Arnold, Lars Knudsen, Pouya Shahbazian, Jay Van Hoy
* Negação (Denial) – Produtores: Mick Jackson, Gary Foster, Russ Krasnoff, David Hare
* Animais Fantásticos e Onde Habitam (Fantastic Beast and Where to Find Them) – Produtores: David Yates, J.K. Rowling, David Heyman, Steve Kloves, Lionel Wigram (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
* Eu, Daniel Blake (I, Daniel Blake) – Produtores: Ken Loach, Rebecca O’Brien, Paul Laverty
* Notes on Blindness – Produtores: Peter Middleton, James Spinney, Mike Brett, Jo-Jo Ellison, Steve Jamison
* Sob a Sombra (Under the Shadow) – Produtores: Babak Anvari, Emily Leo, Oliver Roskill, Lucan Toh

ESTRÉIA DE ROTEIRISTA, DIRETOR OU PRODUTOR BRITÂNICO
* The Girl With All the Gifts – Mike Carey (Roteirista), Camille Gatin (Produtor)
* The Hard Stop – George Amponsah (Roteirista/Diretor/Produtor), Dionne Walker (Roteirista/Produtor)
* Notes on Blindness – Peter Middleton (Roteirista/Diretor/Produtor), James Spinney (Roteirista/Diretor), Jo-Jo Ellison (Produtor)
* The Pass – John Donnelly (Roteirista), Ben A. Williams (Diretor)
* Sob a Sombra (Under the Shadow) – Babak Anvari (Roteirista/Diretor), Emily Leo, Oliver Roskill, Lucan Toh (Produtores)

CURTA DE ANIMAÇÃO BRITÂNICO
* The Alan Dimension – Jac Clinch, Jonathan Harbottle, Millie Marsh
* A Love Story – Khaled Gad, Anushka Kishani Naanayakkara, Elena Ruscombe-King
* Tough – Jennifer Zheng

CURTA-METRAGEM BRITÂNICO
* Consumed – Richard John Seymour
* Home – Shpat Deda, Afolabi Kuti, Daniel Mulloy, Scott O’Donnell
* Mouth of Hell – Bart Gavigan, Samir Mehanovic, Ailie Smith, Michael Wilson
* The Party – Farah Abushwesha, Emmet Fleming, Andrea Harkin, Conor Macneill
* Standby – Charlotte Regan, Jack Hannon

EE RISING STAR AWARD (Voto do público)
Anya Taylor-Joy
Laia Costa
Lucas Hedges
Ruth Negga
Tom Holland

Indicados ao EE Rising Star Award. pic by metro.co.uk

Indicados ao EE Rising Star Award. pic by metro.co.uk

***

A cerimônia do BAFTA ocorre no dia 12 de fevereiro.

‘Elle’ fica de fora do Oscar de Filme em Língua Estrangeira. E agora, Academia?

O representante alemão Toni Erdmann, de Maren Ade., agora favorito na categoria. Pic by moviepilot.de

O representante alemão Toni Erdmann, de Maren Ade, agora favorito na categoria. Pic by moviepilot.de

MAIS UMA VEZ, UM DOS FILMES FAVORITOS AO PRÊMIO FICA DE FORA

A Academia divulgou a pré-lista dos nove filmes em língua estrangeira que ainda concorrem às cinco indicações ao Oscar. Então, daqueles 85 filmes que representavam seus países, restaram apenas nove produções:

  • Tanna
    Dir: Martin Butler e Bentley Dean (Austrália)
  • Toni Erdmann
    Dir: Maren Ade (Alemanha)
  • É Apenas o Fim do Mundo (Just La Fin du Monde)
    Dir: Xavier Dolan (Canadá)
  • O Apartamento (Forushande)
    Dir: Asghar Farhadi (Irã)
  • Terra de Minas (Under Sandet)
    Dir: Martin Zandvliet (Dinamarca)
  • The King’s Choice (Kongens Nei)
    Dir: Eric Poppe (Noruega)
  • Paradise (Ray)
    Dir: Andrey Konchalovskiy (Rússia)
  • Um Homem Chamado Ove (En Man Som Heter Over)
    Dir: Hannes Holm (Suécia)
  • My Life as a Zucchini (Ma Vie de Courgette)
    Dir: Claude Barras (Suíça)

Pra quem não conhece o sistema atual, dos 85 filmes vistos pelo departamento de Filmes em Língua Estrangeira nos últimos dois meses, os seis mais bem votados se juntam a outros 3 selecionados por um comitê executivo especial, que foi criado para assegurar 3 votos para produções mais pertinentes.

Quando soube que o filme Elle, representante francês e favorito ao prêmio até então, ficou de fora logo na pré-lista do Oscar, confesso que tive uma mistura de sentimentos. No começo foi “Não acredito nisso” com um “Ah, eu já sabia… já tinha previsto no blog”, mas no geral fiquei chateado com a eliminação precoce de um filme ousado na abordagem do tema do estupro. Na verdade, desde que a França lançou o filme como representante em outubro, já torcia por ele, porque foi uma escolha igualmente ousada, afinal, todas as comissões internacionais sabem que os votantes da Academia que elegem os indicados e vencedores são em sua maioria senhores idosos brancos e judeus.  Por isso eles sempre estão selecionando produções com temática da Segunda Guerra Mundial e do Holocausto, porque sabem que terão maiores chances.

A ausência de Elle na corrida também significa a perda de uma ótima oportunidade de premiar seu diretor, o  holandês Paul Verhoeven, que rendeu muito dinheiro e prestígio à Hollywood nos anos 80 e 90, com as produções de RoboCop – O Policial do Futuro (1987), O Vingador do Futuro (1990), Instinto Selvagem (1992) e Tropas Estelares (1997). Graças a diretores como ele, não faltou coragem e ousadia nos filmes americanos nessas duas décadas, afastando o politicamente correto. Claro que o histórico de um artista não deveria influenciar numa escolha atual, mas nesse caso, o filme em si já justificaria sua indicação.

O diretor Paul Verhoeven dirige uma Isabelle Huppert estirada no chão no set de Elle. Pic by moviepilot.de

O diretor Paul Verhoeven dirige uma Isabelle Huppert estirada no chão no set de Elle. Pic by moviepilot.de

A aversão dos votantes a temas polêmicos também pode ter prejudicado bastante a campanha de Isabelle Huppert como Melhor Atriz. Ela vinha coletando uma série de prêmios importantes como o NYFCC, LAFCA e indicações para o Critics’ Choice e Globo de Ouro, mas depois de sua exclusão do SAG e agora de seu filme da categoria de Filme em Língua Estrangeira, sua primeira indicação ao Oscar pode não estar mais 100% garantida. Apesar dos reveses, ainda acredito em sua indicação, mas a vitória… ah, essa está difícil! Quem sabe se ela ganhar o BAFTA?

Mas parando de chorar sobre o leite derramado, a Academia pode pisar na bola muitas vezes, mas ela sempre busca reforçar a idéia de que os filmes selecionados podem surpreender o espectador. Aliás, muitos dos críticos que abominaram a ausência de Elle sequer viram todos os nove pré-indicados. Particularmente, eu nunca tinha ouvido falar do norueguês The King’s Choice ou o representante sueco Um Homem Chamado Ove, então como dá pra alegar se eles são menos merecedores de uma indicação, certo? Eu só fico receoso se o filme for sobre o Holocausto…

Cena do norueguês The King's Choice. Pic by cine.gr

Cena do norueguês The King’s Choice. Pic by cine.gr

Do histórico mais recente da categoria, a Academia surpreendeu, sim, ao indicar produções pouco conhecidas de países que não tem quase produção cinematográfica. Para citar alguns: O Lobo do Deserto (Jordânia), O Abraço da Serpente (Colômbia), Tangerinas (Estônia), Timbuktu (Mauritânia) e A Imagem que Falta (Camboja). Infelizmente, nenhum deles saiu vitorioso da cerimônia. Aliás, tá difícil de lembrar quando foi a última vez que a Academia surpreendeu no vencedor da categoria… o Oscar para o bósnio Terra de Ninguém em 2002 talvez?

Bom, quanto aos selecionados, à princípio, os favoritos são o alemão Toni Erdmann e o iraniano O Apartamento. Curiosamente, ambos estavam indicados à Palma de Ouro em Cannes em maio. O filme alemão de Maren Ade também foi indicado ao Independent Spirit, Globo de Ouro e levou o NYFCC. Já o iraiano de Asghar Farhadi, vencedor do Oscar em 2012 por A Separação, foi indicado ao Globo de Ouro, e levou o National Board of Review e os prêmios de Melhor Ator (Shahab Hosseini) e Roteiro (Farhadi) em Cannes.

Cena de O Apartamento, de Asghar Farhadi. Em cena: Shahab Hosseini e Taraneh Alidoosti. Pic by cine.gr

Cena do representante iraniano O Apartamento, de Asghar Farhadi. Em cena: Shahab Hosseini e Taraneh Alidoosti. Pic by cine.gr

O representante da Suíça tem uma curiosidade: pode ser indicado tanto como Filme em Língua Estrangeira quanto Longa de Animação. My Life as a Zucchini é uma delicada animação stop-motion sobre um menino que é levado para um orfanato depois que sua mãe morre. Da última vez que um filme esteve na mesma situação, Vidas ao Vento (2013), de Hayao Miyazaki, acabou indicado a Melhor Longa de Animação, mas perdeu para Frozen: Uma Aventura Congelante.

Cena da animação suíça My Life as a Zucchini, que também concorre como Longa de Animação. Pic by moviepilot.de

Cena da animação suíça My Life as a Zucchini, que também concorre como Longa de Animação. Pic by moviepilot.de

A pré-indicação de Terra de Minas consolida o cinema dinamarquês como um dos mais prolixos dos últimos anos. São 5 indicações nos últimos dez anos: Guerra em 2016, A Caça em 2014, O Amante da Rainha em 2013, Em um Mundo Melhor em 2011 (vencedor do Oscar) e Depois do Casamento em 2007. A produção dinamarquesa foi bastante influenciada pelo movimento Dogma 95, que tinha fundamentos como não usar iluminação artificial, tripé e roteiro, e tinha como seguidores Lars von Trier, Thomas Vinterberg e Susanne Bier. Hoje, o cinema da Dinamarca amadureceu, abandonou essas regras, mas mantém a importância da história como essência. Terra de Minas se trata de um grupo que tem a missão de cavar buracos para 2 milhões de minas terrestres.

Cena do representante dinamarquês, Terra de Minas. Pic by moviepilot.de

Cena do representante dinamarquês, Terra de Minas. Pic by moviepilot.de

Acredito que entre os três votados pelo comitê especial tenha sido o canadense É Apenas o Fim do Mundo. Não tanto pelo jovem diretor Xavier Dolan, que levou o Grande Prêmio do Júri em Cannes, mas mais pelo elenco francês composto por Marion Cotillard, Vincent Cassel, Nathalie Baye e Léa Seydoux, pois não é o tipo de filme que os votantes mais idosos apreciariam pelo ritmo mais frenético.

Cena de É Apenas o Fim do Mundo, de Xavier Dolan, com Marion Cotillard e Vincent Cassel. Pic by moviepilot.de

Cena do canadense É Apenas o Fim do Mundo, de Xavier Dolan, com Marion Cotillard e Vincent Cassel. Pic by moviepilot.de

Já o norueguês The King’s Choice e o russo Paradise apresentam essas tramas da Segunda Guerra. O primeiro tem o rei da Noruega precisando fazer uma importante decisão quando as máquinas alemãs chegam a Oslo em 1940, enquanto o segundo apresenta o cruzamento de três pessoas durante a guerra: uma russa, uma francesa e um oficial alemão. Já o sueco, Um Homem Chamado Ove, é uma comédia de humor negro em que o protagonista é um idoso reclamão (identificação com os votantes?) que decide abandonar sua cidade. Enquanto o australiano Tanna oferece uma interessante e bela releitura de uma briga entre duas tribos que habitam uma ilha no Pacífico. Se esses filmes são melhores do que Elle? Só conferindo todos pra poder analisar de fato.

Filme preto-e-branco sobre personagens da Segunda Guerra Mundial no russo Paradise. Pic by moviepilot.de

Filme preto-e-branco sobre personagens da Segunda Guerra Mundial no russo Paradise. Pic by moviepilot.de

Rolfe Lassgard como Ove em Um Homem Chamado Ove, representante sueco. Pic by moviepilot.de

Rolfe Lassgard como Ove em Um Homem Chamado Ove, representante sueco. Pic by moviepilot.de

Cena de Tanna, representante austraiano. Pic by cine.gr

Cena de Tanna, representante australiano. Pic by cine.gr

 

OPORTUNIDADES PERDIDAS

Como Aquarius não foi selecionado pela comissão brasileira (via Michel Temer), o representante Pequeno Segredo ficou de fora. Era óbvio que o dramalhão familiar não avançaria, por mais que seu diretor David Schurmann jurasse de pé junto que seu filme tinha um tema universal que conquistaria a Academia. Aquarius foi sabotado, sim. Assim como Boi Neon, de Gabriel Mascaro. E é uma pena, pois havia grandes chances do Brasil voltar a concorrer ao Oscar após 17 anos depois de Central do Brasil.

O mesmo aconteceu com o representante da Coréia do Sul, país asiático que nunca foi indicado ao Oscar. Seu filme mais forte do ano é The Handmaiden, de Park Chan-wook, mas devido a conflitos políticos com a então presidente Park Geun-hye (hoje fora do governo por processo de impeachment), o filme não foi selecionado. O escolhido The Age of Shadows também ficou de fora. E mais uma ótima oportunidade foi desperdiçada. Por apresentar intensas cenas de sexo, The Handmaiden provavelmente teria que ser salvo pelo comitê especial, mas de qualquer forma, o filme pode concorrer em categorias técnicas como Fotografia, Direção de Arte e Figurino.

Sônia Braga em cena de Aquarius, preterido pela comissão brasileira para o Oscar. Pic by moviepilot.de

Sônia Braga em cena de Aquarius, preterido pela comissão brasileira para o Oscar. Pic by moviepilot.de

Entre os excluídos mais famosos estão o espanhol Julieta, de Pedro Almodóvar, e o chileno Neruda, de Pablo Larraín, que pode concorrer como diretor por Jackie, estrelado por Natalie Portman.

ROLA UMA REFORMA?

Por mais que descubramos produções interessantes através das indicações da Academia, uma reforma no sistema de votação ainda precisa ser implantada. Já citei aqui anteriormente uma solução que agradaria gregos e troianos: aumentar para 10 indicados a Melhor Filme em Língua Estrangeira! Ou pelo menos algo maleável como a categoria de Melhor Filme hoje, que varia de 5 a 10 indicados. Seria algo mais justo, já que são 85 países disputando 5 vagas. E a divisão de votos entre o departamento e a comissão especial ser alterada para 50% a 50%.  Hoje são 2/3 para o departamento e 1/3 para a comissão. Seria algo tão impossível assim para o conservadorismo da Academia?

***

As indicações ao Oscar 2017 serão anunciadas no dia 24 de janeiro.

‘Manchester à Beira-Mar’ leva Melhor Filme no National Board of Review

Segundo críticos, Casey Affleck entrega a performance de sua vida em Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

Vencedor de Melhor Ator, Casey Affleck em Manchester à Beira-Mar. (photo by moviepilot.de)

DRAMA SOBRE LUTO CONQUISTA O CORAÇÃO DOS MEMBROS DO NBR

Como muitos devem saber, o National Board of Review é um grupo formado por uma mistura de cinéfilos, acadêmicos e até profissionais da área, mas suas escolhas permanecem bem relevantes após 107 anos de história. Ultimamente, não tem sido tão parelho com os vencedores do Oscar, mas sempre mostra forte personalidade em suas escolhas dos melhores do ano. Mad Max: Estrada da Fúria, O Ano Mais ViolentoEla, A Hora Mais Escura e A Invenção de Hugo Cabret foram seus Melhores Filmes nos últimos cinco anos.

Este ano, elegeram o drama familiar de Kenneth Lonergan, Manchester à Beira-Mar, que dificilmente será esquecido no Oscar, devido ao seu roteiro inventivo e seu elenco encabeçado por um inspirado Casey Affleck. Bom, pelo menos é o que toda crítica anda dizendo: “A performance da carreira”. Indicações nas categorias de roteiro e atores já são meio caminho andado para uma campanha de sucesso.

O prêmio de direção ficou com Barry Jenkins pelo drama Moonlight, que acompanha o amadurecimento de um rapaz em Miami. Curiosamente, este é apenas o segundo trabalho de direção de longa de Jenkins. Seria muito cedo pra cogitar o primeiro Oscar para um diretor negro? Se depender da polêmica do #OscarSoWhite que deve cair matando, não duvido nem um pouco. Pelo filme, Naomie Harris também ganhou o prêmio de Atriz Coadjuvante pelo papel da mãe do rapaz, viciada em crack.

Barry Jenkins em set de Moonlight (photo by esquire.com)

Barry Jenkins em set de Moonlight (photo by esquire.com)

Nas demais categorias de atuação, Amy Adams foi reconhecida pela ficção científica A Chegada, sobre a invasão de naves alienígenas à Terra e a tarefa árdua de encontrar uma linguagem em comum. A atriz vinha sendo cogitada também pelo filme Animais Noturnos, mas acredito que sua campanha deve se prender ao filme de Denis Villeneuve. Sua vitória dá uma ofuscada no favoritismo de Emma Stone, e se junta às demais fortes candidatas: Natalie Portman, Annette Bening, Meryl Streep e Ruth Negga.

Amy Adams em cena de A Chegada. Seu primeiro grande prêmio pela performance veio no NBR (photo by moviepilot.de)

Amy Adams em cena de A Chegada. Seu primeiro grande prêmio pela performance veio no NBR (photo by moviepilot.de)

Vivendo um policial de Texas, Jeff Bridges foi agraciado com o prêmio de Ator Coadjuvante por A Qualquer Custo. Embora seja um filme tenso e pesado, a Academia tem um forte apreço por Bridges, que vem se mostrando cada vez mais eclético e maduro em suas escolhas. Sou um pouco suspeito pra falar porque gosto de filmes de crimes, mas A Qualquer Custo promete ser um dos melhores filmes do ano.

Jeff Bridges em primeiro plano, e Gil Birmingham ao fundo, em cena de A Qualquer Custo (photo by moviepilot.de)

Jeff Bridges em primeiro plano, e Gil Birmingham ao fundo, em cena de A Qualquer Custo (photo by moviepilot.de)

O prêmio de Roteiro Adaptado para Silêncio me pareceu um consolo. Trata-se de um aguardadíssimo filme de Martin Scorsese, que só recentemente lançaram o trailer. Ficou a impressão de que poucos viram e resolveram recompensar seus esforços concedendo um prêmio. O filme será lançado no final de dezembro nos EUA, e pode perder a força de sua campanha por falta de tempo. Vamos aguardar pra ver. No Brasil, não há nem previsão, mas deve chegar por aqui em fevereiro.

Na categoria de animação, vale destacar a vitória de Kubo e as Cordas Mágicas. Embora seja o primeiro filme sob a direção de Travis Knight, ele foi responsável pela produção de Os Boxtrolls (2014) e ParaNorman (2012), dois longas indicados ao Oscar. Ele bateu fortes concorrentes como Procurando Dory, Moana – Um Mar de Aventuras e Zootopia.

Cena da animação Kubo e as Cordas Mágicas, de Travis Knight (photo by moviepilot.de)

Cena da animação Kubo e as Cordas Mágicas, de Travis Knight (photo by moviepilot.de)

E, particularmente, adorei a inclusão do francês Elle e do sul-coreano The Handmaiden no Top 5 de filmes de língua estrangeira. São dois trabalhos altamente ousados pela temática sexual e pela narrativa.

Tae-ri Kim e Min-hee Kim no deslumbrante The Handmaiden, de Park Chan-wook (photo by moviepilot.de)

Tae-ri Kim e Min-hee Kim no deslumbrante The Handmaiden, de Park Chan-wook (photo by moviepilot.de)

Aqui, o grande “perdedor” entre os favoritos da temporada foi o musical La La Land. Embora tenha sido mencionado entre os melhores, não chegou a ganhar nada. Quem sabe nos prêmios dos críticos de Los Angeles e Nova York?

VENCEDORES DO NATIONAL BOARD OF REVIEW:

MELHOR FILME
Manchester à Beira-Mar

MELHOR DIRETOR
Barry Jenkins (Moonlight)

MELHOR ATOR
Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)

MELHOR ATRIZ
Amy Adams (A Chegada)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Jeff Bridges (A Qualquer Custo)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Naomie Harris (Moonlight)

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
Kenneth Lonergan (Manchester à Beira-Mar)

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Jay Cocks e Martin Scorsese (Silêncio)

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO
Kubo e as Cordas Mágicas

MELHOR ATOR REVELAÇÃO
Lucas Hedges (Manchester à Beira-Mar)

MELHOR ATRIZ REVELAÇÃO
Royalty Hightower (The Fits)

MELHOR DIRETOR ESTREANTE
Trey Edward Shults (Krisha)

MELHOR FILEM EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
O Apartamento, de Asghar Farhadi (Irã)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
O.J.: Made in America

MELHOR ELENCO
Estrelas Além do Tempo

PRÊMIO SPOTLIGHT
Colaboração criativa de Peter Berg e Mark Walhberg

PRÊMIO NBR FREEDOM OF EXPRESSION
Cameraperson

 

TOP FILMES
– A Chegada (Arrival)
– Até o Último Homem (Hacksaw Ridge)
– Ave, César! (Hail, Caesar!)
– A Qualquer Custo (Hell or High Water)
– Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures)
– La La Land: Cantando Estações (La La Land)
– Moonlight
– Dia de Heróis (Patriots Day)
– Silêncio (Silence)
– Sully: O Herói do Rio Hudson (Sully)

TOP 5 FILMES EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
– Elle, de Paul Verhoeven
– The Handmaiden, de Park Chan-Wook
– Julieta, de Pedro Almodóvar
– Terra de Minas, de Martin Zandvliet
– Neruda, de Pablo Larraín

TOP 5 DOCUMENTÁRIOS
– De Palma
– The Eagle Huntress
– Gleason
– Life, Animated
– Miss Sharon Jones!

TOP 10 FILMES INDEPENDENTES
– 20th Century Women
– Capitão Fantástico (Captain Fantastic)
– Creative Control
– Eye in the Sky
– The Fits
– Green Room
– Doris, Redescobrindo o Amor (Hello, My Name is Doris)
– Krisha
– Morris from America
– Sing Street

***

A cerimônia de entrega de prêmios do National Board of Review está marcada para o dia 04 de janeiro.

PREVISÕES OSCAR 2017! Uma breve espiada nos candidatos

DEPOIS DE POLÊMICAS RACIAIS, OSCAR 2017 PROMETE RESULTADOS MAIS DIVERSIFICADOS

É complicado prever quais filmes serão indicados ao Oscar. Como não disponho de uma bola de cristal, e não tenho credencial de jornalista estrangeiro pra cobrir os festivais internacionais, baseio-me em algumas pistas que costumam render boa porcentagem de acerto. Uma delas é dar aquela olhada básica nas produções que estiveram presentes nos festivais de Veneza (Itália), Toronto (Canadá) e Telluride (EUA), já que todos têm sido pólos artísticos que selecionam futuros vencedores do Oscar nos últimos anos. Só pra citar alguns que seguiram esse tour e saíram vitoriosos no Oscar: Gravidade, Birdman, 12 Anos de Escravidão, O Discurso do Rei e Quem Quer Ser um Milionário?. As produções que passaram por esses festivais já têm meio caminho andado.

Em segundo lugar, estar atento ao histórico dos artistas. Não é porque o novo filme de Steven Spielberg não participou de festivais que vai ficar de fora do burburinho da Academia. Foi assim com Ponte dos Espiões: estreou em outubro de 2015 sem grande alarde e acabou indicado a Melhor Filme e levou a estatueta de Ator Coadjuvante para Mark Rylance. Então, o pensamento é o seguinte: “Tem filme novo de Spielberg, Ang Lee, David O. Russell ou Clint Eastwood? Bota na roda!”. O mesmo vale para atores, que vivem aceitando desafios e chamando a atenção dos votantes da Academia como Christian Bale e obviamente, Meryl Streep, que aliás, pode conquistar sua 20ª indicação: mais um marco histórico!

Meryl Streep como Florence Foster Jenkins (photo by cine.gr)

Meryl Streep como Florence Foster Jenkins (photo by cine.gr)

E neste ano, temos um fator que pode e deve ser determinante nas indicações e vencedores: a polêmica do #OscarSoWhite. Pra quem estava em outro planeta, 2016 foi o segundo ano consecutivo em que todas as 20 vagas nas categorias de atuação foram preenchidas por atores caucasianos. Isso acabou causando protestos e levantando questões raciais na indústria cinematográfica, o que fez com que a presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, convidasse artistas negros e de outras etnias como membros com o intuito de dar resultados imediatos na votação. Portanto, as produções de temática racial devem figurar nas listas de previsões e conquistar indicações, inclusive de atores negros como Viola Davis e Denzel Washington.

Ao longo das categorias (veja lista abaixo), você perceberá que nomes de profissionais negros estão em quantidade maior do que a habitual. Como não tivemos a oportunidade de conferir os trabalhos, não podemos acusar ou defender a existência de uma possível retaliação perante o “racismo” dos últimos dois anos. Como já lancei aqui em posts anteriores, teremos um ano bem politicamente correto, e isso deve prejudicar a imagem dos indicados e vencedores, levantando a questão: “Estou ganhando por méritos ou por ser negro?”.

Naomie Harris em Moonlight. Ela pode concorrer como coadjuvante (photo by variety.com)

Naomie Harris em Moonlight. Ela pode concorrer como coadjuvante (photo by variety.com)

Sou contra cotas raciais em quaisquer áreas por esse motivo. A cota julga o beneficiado como incapaz de obter sucesso pelo próprio esforço. E nas Artes, não dá pra obrigar um reconhecimento artístico. Essa atitude será bastante injusta para esses atores negros reconhecidos, pois, por mais que mereçam, correrão sério risco de serem vistos como uma mera resposta à polêmica. E depois? Teremos a revolta dos asiáticos, latinos e índios? Quem sabe uma vaga por raça e religião pra agradar gregos e troianos?

Justamente devido à essa “falta de diversidade”, um dos filmes mais bem cotados se tornou automaticamente o drama independente O Nascimento de uma Nação (The Birth of a Nation), já que se trata de uma rebelião de escravos nos EUA. O filme estreou no festival de Sundance em fevereiro, e era até então, o candidato com maior potencial de Oscar. Contudo, a campanha descambelou quando a mídia descobriu que uma jovem, que cometeu suicídio em 2012, teria sido abusada pelo diretor e ator Nate Parker em 1999. Embora tenha sido absolvido na época, a morte da vítima reacendeu o escândalo e tem prejudicado bastante a carreira de Parker e seu filme. A bilheteria de 12 milhões de dólares nos EUA sequer pagou o investimento de 20 milhões que a Fox Searchlight pagou. Por mais que Parker seja indicado e premiado na temporada, sua glória está seriamente ameaçada devido à reação do público e dos demais artistas.

No centro, Nate Parker, o diretor e ator que protagoniza O Nascimento de uma Nação (photo by cine.gr)

No centro, Nate Parker, o diretor e ator que protagoniza O Nascimento de uma Nação (photo by cine.gr)

Claro que a Academia premiou e ainda premia acusados de crimes sexuais como Roman Polanski e Woody Allen, mas como se trata de algo tão recente, tenho minhas dúvidas da participação do filme na temporada. Pude conferir O Nascimento de uma Nação recentemente na 40ª Mostra de Cinema de SP, e particularmente, considero um filme convencional com uma narrativa simples que busca a todo momento estar à altura de seu tema, mas que só consegue oferecer elementos chavões como câmera lenta e trilha musical que busca catarse no público. O recém-oscarizado 12 Anos de Escravidão é muito mais filme se formos comparar pela temática escravista.

Ainda sobre questões raciais, o filme Loving pode ser uma ótima alternativa no Oscar. Indicado à Palma de Ouro, este novo trabalho do diretor Jeff Nichols, apresenta a história verídica de um homem branco que casou com uma mulher negra na Viriginia racista dos anos 50. O amor que ultrapassa barreiras raciais deve chegar ao tapete vermelho, pelo menos através de seus atores Joel Edgerton e Ruth Negga.

Quando o casamento interracial é caso de polícia em Loving: Joel Edgerton e Ruth Negga são coagidos por policiais (photo by cine.gr)

Quando o casamento interracial é caso de polícia em Loving: Joel Edgerton e Ruth Negga são coagidos por policiais (photo by cine.gr)

E ainda nesse contexto, também vale citar o drama racial Fences, baseado numa peça de sucesso da Broadway de 1987. A história de um pai de família, ex-jogador de beisebol, que trabalha como lixeiro na década de 50 racista da Pensilvânia para sustentar sua família foi renovada como peça teatral em 2010 pela mesma equipe do filme, com Denzel Washington dirigindo, e estrelando ao lado de Viola Davis. Muitos já consideram certas as indicações para ator e atriz (ou atriz coadjuvante).

Parceria de sucesso entre Denzel Washington e Viola Davis pode resultar em Oscar para Fences (photo by cine.gr)

Parceria de sucesso entre Denzel Washington e Viola Davis pode resultar em Oscar para Fences (photo by cine.gr)

Aliás, os temas são fatores de desequilíbrio quando se trata de candidatos ao Oscar de Melhor Filme. Filmes de guerra como Até o Último Homem (Hacksaw Ridge) tem como protagonista um soldado médico que foi à guerra sem armas por não acreditar na violência, trazendo uma mensagem anti-bélica que pode resgatar o diretor Mel Gibson de seu ostracismo depois de suas declarações anti-semitas.

Cena de Até o Último Homem, dirigido por Mel Gibson. À direita, o protagonista Andrew Garfield, e à esquerda, Vince Vaughn (photo by cine.gr)

Cena de Até o Último Homem, dirigido por Mel Gibson. À direita, o protagonista Andrew Garfield, e à esquerda, Vince Vaughn (photo by cine.gr)

O drama histórico de Martin Scorsese, Silêncio, também tem boas chances por se tratar de um drama histórico de dois padres jesuítas no Japão do século XVII. Além de contar com destaques técnicos como Direção de Arte, Figurino e Fotografia, e o próprio prestígio de Scorsese, o filme tem parte do elenco japonês, o que pode ajudar na questão da “diversidade racial” da Academia.

Cena do novo filme de Martin Scorsese, estrelado por Andrew Garfield (photo by cine.gr)

Cena do novo filme de Martin Scorsese, estrelado por Andrew Garfield (photo by cine.gr)

Claro que a temporada está apenas começando, mas até o momento, boa parte da crítica acredita que o novo filme de Ang Lee tem as melhores chances. A Longa Caminhada de Billy Lynn tem elementos típicos da filmografia do diretor, como a entrega do protagonismo para um ator desconhecido (no caso, Joe Alwyn), e uma grande história: o soldado Billy volta do Iraque para um tour de vitória pelos EUA, intercalando com flashbacks do que realmente aconteceu na guerra. Esse tema era muito bem explorado pelo diretor Oliver Stone (que ganhou dois Oscars por filmes anti-bélicos Platoon e Nascido em 4 de Julho), e costuma agradar a Academia por expôr as entranhas da guerra e sua forte conexão com os EUA.

Cena de comemorações em A Longa Caminhada de Billy Lynn, de Ang Lee (photo by cine.gr)

Cena de comemorações em A Longa Caminhada de Billy Lynn, de Ang Lee (photo by cine.gr)

Não sei quais as reais chances de vitória como Melhor Filme, mas dois candidatos prometem fazer barulho nesta temporada: o drama tenso Animais Noturnos e o musical La La Land: Cantando Estações (pois é, queria esganar quem inventou esse subtítulo escroto!). Curiosamente, ambos saíram premiados no último festival de Veneza e participaram do festival de Toronto. Animais Noturnos é nada mais, nada menos do que o segundo longa do conhecido estilista Tom Ford, que dirigiu o belo Direito de Amar, com atuação soberba de Colin Firth. Depois que conferi o filme na Mostra, foi a obra que mais fiquei pensando por dias, pois tem sequências bem tensas e uma direção com personalidade. Particularmente, não acredito que seja material para Oscar porque tem a coisa da violência e do sexo (vide o fracasso de Os Suspeitos, de Denis Villeneuve no Oscar), e não há um ator que eu possa garantir que receberá uma indicação ao Oscar, mesmo que Aaron Taylor-Johnson e Laura Linney estejam bem, então restaria uma bastante justa indicação para Ford na direção.

Jake Gyllenhaal em cena de Animais Noturnos, segundo filme sob a direção de Tom Ford (photo by cine.gr)

Jake Gyllenhaal em cena de Animais Noturnos, segundo filme sob a direção de Tom Ford (photo by cine.gr)

La La Land já gerou burburinho a partir de seu trailer todo bonito e colorido. É o tipo de trabalho que, por pior que seja sua história, vale a pena ver pelo apuro visual. Mas como fã de Damien Chazelle e seu Whiplash: Em Busca da Perfeição, aposto num musical bem escrito e com ótima montagem. Aliás, além da montagem, a fotografia e a direção são categorias praticamente garantidas no Oscar, assim como a segunda indicação para Emma Stone, que já faturou o prêmio Volpi Cup de Atriz em Veneza e deve conquistar o Globo de Ouro de Atriz – Comédia ou Musical.

Coreografia do musical de Damien Chazelle, La La Land, com Ryan Gosling e Emma Stone (photo by cine.gr)

Coreografia do musical de Damien Chazelle, La La Land, com Ryan Gosling e Emma Stone (photo by cine.gr)

Manchester à Beira-Mar foi o drama que mais reviews positivos recebeu até o momento. Dirigido pelo sempre competente Kenneth Lonnergan, o filme praticamente garante as indicações de Casey Affleck como Ator, e Michelle Williams como Atriz Coadjuvante, além de uma possível para o novato Lucas Hedges como Coadjuvante. A história gira em torno de um tio que precisa cuidar de seu sobrinho após a morte do pai. Dependendo de como vai se sair nos prêmios da crítica como LAFCA e NYFCC, pode surgir como forte candidato a Melhor Filme.

Segundo críticos, Casey Affleck entrega a performance de sua vida em Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

Segundo críticos, Casey Affleck entrega a performance de sua vida em Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

Enfim, sem mais delongas, seguem minhas apostas para o momento. Assinalei aqueles que acredito que convertem seu favoritismo em indicação na cor laranja. Lembrando que de novembro até fevereiro, muita coisa pode mudar de acordo com as premiações anteriores ao Oscar, as bilheterias de cada filme, e até mesmo declarações polêmicas que podem ruir toda uma campanha.

MELHOR FILME

  • A Chegada (Arrival)
  • A Longa Caminhada de Billy Lynn (Billy Lynn’s Long Halftime Walk)
  • O Nascimento de uma Nação (The Birth of a Nation)
  • Fences
  • Até o Último Homem (Hacksaw Ridge)
  • Hell or High Water
  • Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures)
  • Jackie
  • La La Land: Cantando Estações (La La Land)
  • A Luz Entre Oceanos (The Light Between Oceans)
  • Lion
  • Loving
  • Manchester à Beia-Mar (Manchester by the Sea)
  • Moonlight
  • Animais Noturnos (Nocturnal Animals)
  • Silêncio (Silence)
  • Sully: O Herói do Rio Hudson (Sully)
  • 20th Century Women

Talvez seja a categoria mais complicada de adivinhar, afinal, temos que levar em consideração todas as demais categorias que podem resultar em maior número de estatuetas ganhas. E, claro, a história do filme conta muuuuito. Vejam a vitória de Spotlight nesse ano! Conseguiu ganhar apenas mais um Oscar além de Melhor Filme devido ao peso de sua história verídica.

A Academia adora histórias edificantes, com redenções e humanismo. Nesse quesito, os já citados A Longa Caminhada de Billy Lynn, Até o Último Homem e Fences saem na frente. Também incluiria Estrelas Além do Tempo, que envolve um pequeno grupo de mulheres negras que foi essencial através de seus conhecimentos matemáticos na corrida espacial da NASA contra a Rússia; e o novo filme de Clint Eastwood, Sully: O Herói do Rio Hudson, pela trajetória verídica do piloto de aeronave que pousou o avião no rio para salvar seus passageiros e tripulação. Sim, lembra um pouco o filme O Vôo com Denzel Washington, mas Eastwood e Tom Hanks costumam ter mais prestígio no Oscar.

Particularmente, acredito bastante numa vitória de La La Land. Embora o gênero musical tenha perdido aquela onda dos anos 50 e 60, a Academia nunca deixou de amá-lo. Premiou Moulin Rouge – Amor em Vermelho com dois Oscars em 2001, Chicago como Melhor Filme em 2003, e mais recentemente Os Miseráveis com duas estatuetas. E este novo trabalho de Damien Chazelle, diretor de Whiplash: Em Busca da Perfeição, vem arrancando muitos aplausos desde sua estréia em Veneza e Toronto. Alguns, inclusive, já defendem a vitória incontestável de Emma Stone como atriz. Será?

DIRETOR

  • Ben Affleck (A Lei da Noite)
  • Warren Beatty (Rules Don’t Apply)
  • Damien Chazelle (La La Land)
  • Garth Davis (Lion)
  • Clint Eastwood (Sully: O Herói do Rio Hudson)
  • Tom Ford (Animais Noturnos)
  • Stephen Frears (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Mel Gibson (Até o Último Homem)
  • Barry Jenkins (Moonlight)
  • Pablo Larraín (Jackie)
  • Ang Lee (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Kenneth Lonnergan (Manchester à Beira-Mar)
  • Mike Mills (20th Century Women)
  • Jeff Nichols (Loving)
  • Martin Scorsese (Silêncio)
  • Oliver Stone (Snowden)
  • Morten Tyldum (Passageiros)
  • Denis Villeneuve (A Chegada)
  • Denzel Washington (Fences)

Mesmo sem sequer ter lançado o trailer de Silêncio, Martin Scorsese já está em todas as listas do Oscar 2017 por causa de sua reputação. Aliás, considero Scorsese um caso raríssimo em que a estatueta do Oscar lhe rendeu muito mais maturidade e sabedoria na escolha de projetos. Pra mim, O Lobo de Wall Street e A Invenção de Hugo Cabret, que vieram depois do premiado Os Infiltrados, são ótimos filmes e com ousadia de linguagem. Portanto, vou com os especialistas e incluir seu nome como certo.

Damien Chazelle em set de La La Land: Cantando Estações (photo by lionsgatepublicity.com)

Damien Chazelle em set de La La Land: Cantando Estações (photo by lionsgatepublicity.com)

Em seguida, por mais jovem que seja, Damien Chazelle já merecia ter sido indicado ao Oscar de Diretor em 2015 por Whiplash, dessa forma, acredito que seja natural sua indicação nesta categoria por La La Land. Ele tem um forte apuro técnico na fotografia e na montagem, além de ser um ótimo roteirista, que busca algo inovador (quem não curtiu aquele final de Whiplash?), o que deve lhe garantir vaga na final.

Vencedor de 2 Oscars de Diretor, o taiwanês Ang Lee é aquele profissional competente que sempre tem algo de novo pra mostrar. É um dos raros diretores que consegue mudar de gênero sem perder sua capacidade de contar bem uma história. Por mais que ache difícil ele ganhar o terceiro Oscar, não deve ter dificuldade de figurar entre os cinco indicados.

Por mais que esteja pegando carona na polêmica do #OscarSoWhite, o trabalho de direção de Denzel Washington em Fences tem sido bastante elogiado.

ATOR

  • Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar)
  • Don Cheadle (Miles Ahead)
  • Robert De Niro (The Comedian)
  • Joel Edgerton (Loving)
  • Michael Fassbender (A Luz Entre Oceanos)
  • Andrew Garfield (Até o Último Homem) (Silêncio)
  • Joseph Gordon-Levitt (Snowden)
  • Ryan Gosling (La La Land)
  • Jake Gyllenhaal (Animais Noturnos)
  • Tom Hanks (Sully)
  • Ethan Hawke (Born to be Blue)
  • Michael Keaton (Fome de Poder)
  • Matthew McConaughey (Ouro e Cobiça)
  • Viggo Mortensen (Capitão Fantástico)
  • Nate Parker (O Nascimento de uma Nação)
  • Will Smith (Beleza Oculta)
  • Miles Teller (Bleed for This)
  • Denzel Washington (Fences)

De acordo com os sites de apostas, os únicos “garantidos” na categoria até o momento são Casey Affleck e Denzel Washington. Ambos tiveram suas performances muito bem elogiadas e seriam muito improváveis suas ausências no tapete vermelho. Se confirmadas as previsões, seria a segunda indicação de Affleck (a primeira como ator principal), e a sétima indicação de Washington, que pode levar seu terceiro Oscar depois de Coadjuvante por Tempo de Glória (1989) e Ator por Dia de Treinamento (2001).

À direita, Casey Affleck contracena com Kyle Chandler em cena de Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

À direita, Casey Affleck contracena com Kyle Chandler em cena de Manchester à Beira-Mar (photo by moviepilot.de)

Quase garantido também está Joel Edgerton. Este ator australiano que já participou de grandes produções hollywoodianas como O Grande Gatsby (2013) e Êxodo: Deuses e Reis (2014), vem chamando atenção em papéis mais discretos como em Guerreiro (2011), Aliança do Crime (2015) e O Presente (2015), que também dirigiu. No papel verídico de Richard em Loving, arrancou aplausos em Cannes. Se o filme receber indicações para Filme e Roteiro, suas chances de vitória aumentam bastante.

Existem dois atores mais experientes que viveram músicos este ano que podem entrar na penetra na festa. Don Cheadle como Miles Davis em Miles Ahead, e Ethan Hawke como Chet Baker em Born to be Blue. Como a Academia adora personagens baseados em figuras reais, e sempre tem lugar para produções independentes, por que não?

ATRIZ

  • Amy Adams (Animais Noturnos) (A Chegada)
  • Annette Bening (20th Century Women)
  • Emily Blunt (A Garota no Trem)
  • Jessica Chastain (Miss Sloane)
  • Marion Cotillard (Aliados)
  • Rebecca Hall (Christine)
  • Taraji P. Henson (Estrelas Além do Tempo)
  • Isabelle Huppert (Elle)
  • Jennifer Lawrence (Passageiros)
  • Ruth Negga (Loving)
  • Natalie Portman (Jackie)
  • Emma Stone (La La Land: Cantando Estações)
  • Meryl Streep (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Alicia Vikander (A Luz Entre Oceanos)
  • Rachel Weisz (Denial)

Quando vi o trailer de Fences, já havia decretado que 2017 seria o ano de Viola Davis. Além de já ter tido a oportunidade de ganhar o Oscar em duas vezes, e estar em alta na série How to Get Away With Murder, a polêmica da ‘diversidade’ certamente garantiria sua vitória. Mas recentemente, após conferir o filme, ela decidiu que sua personagem era coadjuvante, e que portanto, concorreria como uma.

Com o caminho aberto, os holofotes apontam para Emma Stone, que saiu premiada do último Festival de Veneza por La La Land.  Apesar de jovem (tem 28 anos), ela tem se mostrado bem versátil. Já trabalhou com comédias besteirol (A Casa das Coelhinhas), drama (Birdman), animação (Os Croods), comédia romântica (A Mentira), blockbuster (O Espetacular Homem-Aranha), terror (se considerarmos Zumbilândia) já atuou sob a batuta de Woody Allen duas vezes, e agora canta num musical!

Emma Stone em cena do musical La La Land: Cantando Estações (photo by tumblr.com)

Emma Stone em cena do musical La La Land: Cantando Estações (photo by tumblr.com)

Não se sabe se suas concorrentes terão força para bater de frente, mas Natalie Portman promete muita luta por Jackie, no qual vive a ex-primeira dama no momento crítico após o assassinato de seu marido. Estão falando bem de Amy Adams em A Chegada, o que poderia render sua sexta (!) indicação, e uma das raras para atriz em ficção científica. Particularmente, acho que ela só ganha se ela passar por alguma transformação física (será que só eu penso assim?), mas… Caso ela não agrade, temos sempre Meryl Streep à mão, que aliás se transforma em Florence Foster Jenkins, considerada a pior cantora de todos os tempos. Se cuide, Amy!

ATOR COADJUVANTE

  • Mahershala Ali (Moonlight)
  • Warren Beatty (Rules Don’t Apply)
  • Jeff Bridges (Hell or High Water)
  • Kevin Costner (Estrelas Além do Tempo)
  • John Goodman (Rua Cloverfield 10)
  • Hugh Grant (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Lucas Hedges (Manchester à Beira Mar)
  • Stephen Henderson (Fences)
  • Steve Martin (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Liam Neeson (Silêncio)
  • Dev Patel (Lion)
  • Michael Shannon (Animais Noturnos)
  • Timothy Spall (Denial)
  • Aaron Taylor-Johnson (Animais Noturnos)

Das atuações coadjuvantes mais comentadas até agora foi de Lucas Hedges, como o sobrinho que passa a ser criado pelo tio após a morte do pai. Ele seria o comic relief (alívio cômico) de uma trama sobre luto e passado trágico. Esse tipo de papel apresenta elementos que o fazem se destacar num drama, iluminando ainda mais uma atuação, e de quebra, a Academia adora esse tipo de personagem. Acredito que pelo menos um dos três atores possivelmente indicados de Manchester à Beira-Mar deva levar uma estatueta pra casa. Se Casey Affleck não ganhar, temos Lucas Hedges…

À direita, Lucas Hedges atua ao lado de Casey Affleck em Manchester à Beira-Mar (photo by shootlonline.com)

À direita, Lucas Hedges atua ao lado de Casey Affleck em Manchester à Beira-Mar (photo by shootlonline.com)

Na cola de Hedges, outros dois nomes estão crescendo na temporada. Mahershala Ali em Moonlight tem despertado os críticos num drama que contém bullying, pobreza, drogas e família em frangalhos, tanto que já foi comparado a Preciosa: Uma História de Esperança (2009). E o eterno Schindler, Liam Neeson, que deu um tempo nos filmes de ação (não, não tenho nada contra, tanto que adoro o primeiro Busca Implacável) para trabalhar com Martin Scorsese em Silêncio. Como o filme só terá exibição em dezembro, não se sabe praticamente nada sobre a produção, mas quando um ator desse calibre entra num projeto de Scorsese, cheiro de indicação já tem automaticamente.

ATRIZ COADJUVANTE

  • Viola Davis (Fences)
  • Elle Fanning (20th Century Women)
  • Greta Gerwig (20th Century Women)
  • Naomie Harris (Moonlight)
  • Felicity Jones (Sete Minutos Depois da Meia-Noite)
  • Nicole Kidman (Lion)
  • Aja Naomi King (O Nascimento de uma Nação)
  • Sasha Lane (American Honey)
  • Margo Martindale (The Hollars)
  • Janelle Monáe (Estrelas Além do Tempo)
  • Lupita Nyong’o (Rainha de Katwe)
  • Octavia Spencer (Estrelas Além do Tempo)
  • Kristen Stewart (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Michelle Williams (Manchester à Beira Mar)
Viola Davis em Fences

Viola Davis em Fences

Muitos já decretaram a vitória de Viola Davis nesta categoria por Fences. Se a transição da campanha de Atriz para Atriz Coadjuvante realmente se concretizar como o estúdio e ela mesma deseja, será muito difícil não entregar o prêmio em suas mãos, já que, além de sua atuação ter sido bem elogiada, ela já foi indicada 2 vezes ao Oscar e está em alta com o público através da série How to Get Away With Murder. E além disso tudo, é uma das melhores atrizes de sua geração. Ela consegue transformar uma única cena de um papel menor em ouro como aconteceu em Dúvida.

Talvez a candidata mais forte depois de Davis, seja Naomie Harris que, além de satisfazer a “diversidade”, interpreta um papel forte de uma mãe viciada em crack no drama Moonlight. Pelas críticas que acompanhei, ela foge do estereótipo e entrega uma performance densa sem apelar. O fato de ela ser conhecida do público por ser o nova Miss Moneypenny na franquia do 007 ajuda bastante, claro.

Outra atuação bem comentada nessa temporada é a de Nicole Kidman como uma mãe que vê seu filho adotado sair em busca de seus pais biológicos. Como Lion tem a grande Weinstein Co. por trás da campanha, acredito que Kidman tem lugar garantido.

ROTEIRO ORIGINAL

  • Steven Knight (Aliados)
  • Andrea Arnold (American Honey)
  • Woody Allen (Café Society)
  • Matt Ross (Capitão Fantástico)
  • Taylor Sheridan (Hell or High Water)
  • Noah Oppenheim (Jackie)
  • Damien Chazelle (La La Land: Cantando Estações)
  • Yorgos Lanthimos e Efthymis Filippou (O Lagosta)
  • Jeff Nichols (Loving)
  • Kenneth Lonnergan (Manchester à Beira-Mar)
  • Barry Jenkins (Moonlight)
  • Mike Mills (20th Century Women)
Cena do drama independente Moonlight, de Barry Jenkins (photo by cine.gr)

Cena do drama independente Moonlight, de Barry Jenkins (photo by cine.gr)

ROTEIRO ADAPTADO

  • Eric Heisserer (A Chegada)
  • Jean-Christophe Castelli (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • David Hare (Denial)
  • August Wilson (Fences)
  • Robert D. Siegel (Fome de Poder)
  • Erin Cressida Wilson (A Garota no Trem)
  • Allison Schroeder e Theodore Melfi (Estrelas Além do Tempo)
  • Luke Davies (Lion)
  • Ben Affleck (A Lei da Noite)
  • Whit Stillman (Love & Friendship)
  • Patrick Ness (Sete Minutos Depois da Meia-Noite)
  • Tom Ford (Animais Noturnos)
  • Jay Cocks (Silêncio)
  • Todd Komarnicki (Sully: O Herói do Rio Hudson)
Dev Patel em cena de Lion (photo by cine.gr)

Dev Patel em cena de Lion (photo by cine.gr)

FOTOGRAFIA

  • Bradford Young (A Chegada)
  • John Toll (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Charlotte Bruus Christensen (Fences)
  • Robert Elswit (Ouro e Cobiça)
  • Roger Deakins (Ave, César!)
  • Mandy Walker (Estrelas Além do Tempo)
  • Stéphane Fontaine (Jackie)
  • Bill Pope (Mogli: O Menino Lobo)
  • Linus Sandgren (La La Land: Cantando Estações)
  • Robert Richardson (A Lei da Noite)
  • Adam Stone (Loving)
  • James Laxton (Moonlight)
  • Seamus McGarvey (Animais Noturnos)
  • Rodrigo Prieto (Silêncio)
Fotografia de A Chegada, de Denis Villeneuve (photo by moviepilot.de)

Fotografia de Bradford Young de A Chegada, de Denis Villeneuve (photo by moviepilot.de)

MONTAGEM

  • Joe Walker (A Chegada)
  • Tim Squyres (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Steven Rosenblum (O Nascimento de uma Nação)
  • John Gilbert (Até o Último Homem)
  • Sebastián Sepúlveda (Jackie)
  • Mark Livolsi (Mogli: O Menino Lobo)
  • Tom Cross (La La Land: Cantando Estações)
  • Alexandre de Franceschi (Lion)
  • William Goldenberg (A Lei da Noite)
  • Joi McMillon e Nat Sanders (Moonlight)
  • Joan Sobel (Animais Noturnos)
  • Ruy Diaz e Thelma Schoonmaker (Silêncio)
  • Jabez Olssen (Rogue One: Uma História Star Wars)
  • Blu Murray (Sully: O Herói do Rio Hudson)
Tom Hanks como o piloto em Sully: O Herói do Rio Hudson (photo by moviepilot.de)

Tom Hanks como o piloto em Sully: O Herói do Rio Hudson (photo by moviepilot.de)

DIREÇÃO DE ARTE

  • Gary Freeman (Aliados)
  • Patrice Vermette (A Chegada)
  • Rick Carter (O Bom Gigante Amigo)
  • Mark Friedberg (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • Charles Wood (Doutor Estranho)
  • Stuart Craig (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
  • Alan MacDonald (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Jess Gonchor (Ave, César!)
  • Jean Rabasse (Jackie)
  • Christopher Glass (Mogli: O Menino Lobo)
  • David Wasco (La La Land: Cantando Estações)
  • Jess Gonchor (A Lei da Noite)
  • Gavin Bocquet (O Lar das Crianças Peculiares)
  • Eugenio Caballero (Sete Minutos Depois da Meia-Noite)
  • Guy Hendrix Dyas (Passageiros)
  • Jeannine Oppewall (Rules Don’t Apply)
  • Dante Ferretti (Silêncio)
No centro, Eddie Redmayne em Animais Fantásticos e Onde Habitam (photo by cine.gr)

No centro, Eddie Redmayne em Animais Fantásticos e Onde Habitam (photo by cine.gr)

FIGURINO

  • Joanna Johnston (Aliados)
  • Colleen Atwood (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
  • Sharen Davis (Fences)
  • Consolata Boyle (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Mary Zophres (Ave, César!)
  • Seong-hie Ryu (The Handmaiden)
  • Madeline Fontaine (Jackie)
  • Mary Zophres (La La Land: Cantando Estações)
  • Jacqueline West (A Lei da Noite)
  • Colleen Atwood (O Lar das Crianças Peculiares)
  • Albert Wolsky (Rules Don’t Apply)
  • Dante Ferretti (Silêncio)
Figurinos de Colleen Atwood em O Lar das Crianças Peculiares (photo by cine.gr)

Figurinos de Colleen Atwood em O Lar das Crianças Peculiares (photo by cine.gr)

MAQUIAGEM

  • Deadpool
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Florence: Quem é Essa Mulher?
  • Até o Último Homem
  • O Lar das Crianças Peculiares
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Silêncio
  • Star Trek: Sem Fronteiras
Sofia Boutella em cena de Star Trek: Sem Fronteiras (photo by cine.gr)

Sofia Boutella em cena de Star Trek: Sem Fronteiras (photo by cine.gr)

TRILHA MUSICAL ORIGINAL

  • Alan Silvestri (Aliados)
  • Jóhann Jóhannsson (A Chegada)
  • John Williams (O Bom Gigante Amigo)
  • Jeff Danna e Mychael Danna (A Longa Caminhada de Billy Lynn)
  • James Newton Howard (Animais Fantásticos e Onde Habitam)
  • Thomas Newman (Procurando Dory)
  • Alexandre Desplat (Florence: Quem é Essa Mulher?)
  • Pharrell Williams e Hans Zimmer (Estrelas Além do Tempo)
  • Mica Levi (Jackie)
  • John Debney (Mogli: O Menino Lobo)
  • Justin Hurwitz (La La Land: Cantando Estações)
  • Alexandre Desplat (A Luz Entre Oceanos)
  • Volker Bertelmann e Dustin O’Halloran (Lion)
  • Opetaia Foa’i, Mark Mancina e Lin-Manuel Miranda (Moana – Um Mar de Aventuras)
  • Abel Korzeniowski (Animais Noturnos)
  • Thomas Newman (Passageiros)
  • Michael Giacchino (Rogue One: Uma História Star Wars)
  • Michael Giacchino (Zootopia)

CANÇÃO ORIGINAL

  • “I See a Victory” (Estrelas Além do Tempo)
  • “Audition (The Fools Who Dream”) (La La Land: Cantando Estações)
  • “City of Stars” (La La Land: Cantando Estações)
  • “Never Give Up” (Lion)
  • “How Far I’ll Go” (Moana – Um Mar de Aventuras)
  • “The Great Beyond” (Festa da Salsicha)
  • “Faith” (Sing: Quem Canta Seus Males Espanta)
  • “A Letter to the Free” (The 13th)
  • “Can’t Stop the Feeling!” (Trolls)

SOM

  • Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
  • Até o Último Homem
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Jason Bourne
  • Mogli: O Menino Lobo
  • La La Land: Cantando Estações
  • A Lei da Noite
  • Passageiros
  • Silêncio
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Star Trek: Sem Fronteiras
  • Sully: O Herói do Rio Hudson

EFEITOS SONOROS

  • 13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi
  • A Chegada
  • Horizonte Profundo: Desastre no Golfo
  • Doutor Estranho
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Até o Último Homem
  • A Lei da Noite
  • Passageiros
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Silêncio
  • Star Trek: Sem Fronteiras
  • Sully: O Herói do Rio Hudson

EFEITOS VISUAIS

  • O Bom Gigante Amigo
  • Capitão América: Guerra Civil
  • Animais Fantásticos e Onde Habitam
  • Doutor Estranho
  • Mogli: O Menino Lobo
  • O Lar das Crianças Peculiares
  • Sete Minutos Depois da Meia-Noite
  • Passageiros
  • Meu Amigo, O Dragão
  • Rogue One: Uma História Star Wars
  • Star Trek: Sem Fronteiras
  • X-Men: Apocalipse
  • Warcraft
Efeitos visuais de Doutor Estranho (photo by moviepilot.de)

Efeitos visuais de Doutor Estranho (photo by moviepilot.de)

LONGA DE ANIMAÇÃO

  • Angry Birds: O Filme
  • Kubo e as Cordas Mágicas
  • Kung Fu Panda 3
  • Moana – Um Mar de Aventuras
  • Procurando Dory
  • O Pequeno Príncipe
  • Miss Hokusai
  • The Red Turtle 
  • Festa da Salsicha
  • A Vida Secreta dos Pets
  • Sing: Quem Canta Seus Males Espanta
  • Trolls
  • Zootopia
Cena de The Red Turtle, de Michael Dudok de Wit (photo by cine.gr)

Cena de The Red Turtle, de Michael Dudok de Wit (photo by cine.gr)

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

  • Afterimage, de Andrzej Wajda (Polônia)
  • Barakah Meets Barakah, de Mahmoud Sabbagh (Arábia Saudita)
  • De Longe te Observo, de Lorenzo Vigas (Venezuela)
  • Desierto, de Carlos Cuarón (México)
  • A Distinguished Citizen, de Gastón Duprat e Mariano Cohn (Argentina)
  • Elle, de Paul Verhoeven (França)
  • Fogo no Mar, de Gianfranco Rosi (Itália)
  • O Ídolo, de Hany Abu Assad (Palestina)
  • It’s Only the End of the World, de Xavier Dolan (Canadá)
  • Julieta, de Pedro Almodóvar (Espanha)
  • Land of Mine, de Martin Zandvliet (Dinamarca)
  • Ma’Rosa, de Brillante Mendoza (Filipinas)
  • Morte em Sarajevo, de Danis Tanovic (Bósnia Herzegovina)
  • Neruda, de Pablo Larraín (Chile)
  • Toni Erdmann, de Maren Ade (Alemanha)
  • O Apartamento, de Asghar Farhadi (Irã)
Cena do iraniano The Salesman, que dialoga com a obra literária de Arthur Miller. Com o histórico de vitória no Oscar, Asghar Farhadi praticamente garante sua presença no Oscar 2017, na opinião deste humilde blogueiro. (photo by cine.gr)

Cena do iraniano The Salesman, que dialoga com a obra literária de Arthur Miller. Com o histórico de vitória no Oscar, Asghar Farhadi praticamente garante sua presença no Oscar 2017, na opinião deste humilde blogueiro. (photo by cine.gr)

Na lista, existem nomes fortes na disputa, como o espanhol Pedro Almodóvar com Julieta, e o canadense Xavier Dolan com It’s Only the End of the World, mas eu, particularmente, aposto nas indicações de Neruda, de Pablo Larraín (Chile) – até mesmo porque o diretor também é responsável por Jackie, estrelado por Natalie Portman – e The Salesman, de Asghar Farhadi (Irã) – ele já venceu em 2012 com A Separação e este novo filme dialoga com a obra de Arthur Miller, “A Morte de um Caixeiro-Viajante”. Também não descartaria os vencedores de prêmios de festivais como o documentário italiano Fogo no Mar, de Gianfranco Rosi, que levou o Urso de Ouro em Berlim; o drama venezuelano De Longe te Observo, de Lorenzo Vigas, que ganhou o Leão de Ouro 2015. Gostaria muito que o representante francês Elle recebesse uma indicação, pois idolatro o diretor Paul Verhoeven. Mas as chances são mínimas, já que seu filme retrata um tema polêmico (estupro) sob uma perspectiva… bem, digamos, “Verhoevenesca”, à la provocateur. Espero que a tal “diversidade” também atinja a categoria mais conservadora do Oscar…

***

As indicações ao Oscar 2017 serão anunciadas ao vivo no dia 24 de janeiro, e a cerimônia está marcada para o dia 26 de fevereiro.

 

85 produções concorrem às 5 indicações do Oscar de Filme em Língua Estrangeira em 2017

laszlo-nemes

O vencedor do último Oscar de Filme em Língua Estrangeira, Lászlò Nemes, por seu drama O Filho de Saul (photo by washington.kormany.hu)

RECORDE NOS NÚMEROS EVIDENCIA CRESCIMENTO DE PRODUÇÕES INTERNACIONAIS EM BUSCA DE RECONHECIMENTO

Todos os países podem discordar das escolhas da Academia, mas é crescente o número de produções internacionais que se inscrevem na categoria de Filme em Língua Estrangeira. Este ano, temos o novo recorde de filmes: 85, superando o recorde anterior de 83 em 2014.

Particularmente, agrada-me essa elevação, pois proporciona a chance real de espectadores comuns conhecerem visões cinematográficas de outras nações menos famosas. Só pra exemplificar, nos últimos anos, a Academia indicou o filme da Mauritânia, Timbuktu, e da Camboja, A Imagem que Falta. Tudo bem que nenhum deles venceu, mas só o fato de estarem disputando o prêmio, já gera interesse por parte de cinéfilos do mundo todo, e cria uma referência daquele país. Este ano, o Iêmen inscreveu seu primeiro candidato: I Am Nojoom, Age 10 and Divorced, da diretora Khadija Al-Salami.

Claro que ainda tem países que nunca receberam uma indicação como a Coréia do Sul, e seu cinema intenso e violento (que costuma não ser popular entre os votantes mais idosos da Academia), mas acredito que seja mera questão de tempo com inserções de membros jovens e novos da Academia feitas pela presidente Cheryl Boone Isaacs no primeiro semestre.

E O BRASIL?

O filme selecionado pela comissão da Cultura este ano gerou uma grande polêmica de cunho político. Com o processo de impeachment questionado, a equipe do filme Aquarius, do diretor Kléber Mendonça Filho, fez um protesto em pleno tapete vermelho em Cannes, já que concorria à Palma de Ouro. Os cartazes de protesto levados diziam que “O Brasil está sob um golpe”.

aquarius-cannes

Equipe do filme ‘Aquarius’ no tapete vermelho de Cannes. No centro, a atriz Sônia Braga e à direita, o diretor Kléber Mendonça Filho (photo by elpais.com)

Cada um tem o direito de protestar sobre o que bem entender, claro, mas depois da saída da ex-presidente Dilma Roussef, o governo de Michel Temer não deve ter gostado nada e teria sabotado a campanha do filme como representante do Brasil no Oscar.

Particularmente, acredito que ninguém está certo. Se o filme recebeu verba do governo brasileiro para ser feito, o protesto é de certa forma incoerente, uma vez que estaria “cuspindo no prato que comeu”. Mas de qualquer forma, defendo a liberdade de expressão, e aliás, acredito que os artistas devem se expressar através de suas obras, e não cartazes mal feitos. Sou só eu que vejo a personagem de Sônia Braga como a Dilma Rousseff sendo expulsa? Já o governo Temer, se realmente criou esse imbróglio, errou ao confundir à obra com a opinião política de seus realizadores. O que vai concorrer ao Oscar? O filme ou a posição política do diretor? Se fosse assim, Clint Eastwood jamais teria ganhado um Oscar sequer, já que apóia veemente o extremista candidato republicano Donald Trump.

aquarius-20150818-006_original1

Sônia Braga em cena de Aquarius, de Kleber Mendonça Filho. (photo by abrilveja.com.br)

Enfim, o filme selecionado foi o drama Pequeno Segredo, de David Schurmann. O diretor deu uma entrevista defendendo a escolha de filme ao Oscar, pois teria os “ingredientes dramáticos que a Academia adora”. Realmente, o tema de adoção é internacional, mas obviamente, ele apenas tentou maquiar o escândalo de Aquarius preterido. Obviamente que o filme de Kléber Mendonça Filho teria mais chances de concorrer ao Oscar por sua projeção em Cannes, e ainda mais que conta com Sônia Braga, atriz de porte internacional, mas essa “briguinha” ridícula faz o cinema brasileiro perder essa boa oportunidade.

pequeno-segredo

Cena com Julia Lemmertz (à direita) em Pequeno Segredo (photo by AdoroCinema)

CANDIDATOS

Como vocês sabem, essa lista de 85 filmes será reduzida a uma pré-seleção de nove produções em dezembro, para então se consolidarem aos 5 indicados em janeiro, mais precisamente no dia 24, quando haverá o anúncio ao vivo das indicações.

Apesar do crescimento de produções de países menos conhecidos, os autores de outros países largam na frente como é o caso do espanhol Pedro Almodóvar. Ele já faturou o prêmio em 2000 pelo poderoso Tudo Sobre Minha Mãe e ainda levou o Oscar de Roteiro Original em 2003 por Fale com Ela. Nesse quesito, o bósnio Danis Tanovic também leva vantagem por já ter vencido em 2002 com Terra de Ninguém, e o iraniano Asghar Farhadi, que levou o Oscar em 2012 com A Separação. Vale lembrar também que a Polônia apresentou o último filme de Andrzej Wajda, Afterimage, como representante. O filme retrata a luta de um artista polonês contra o Stalinismo e seus ideais. Wajda, que faleceu nesta última semana, recebeu o Oscar Honorário em 2000. Pode ser a última chance da Academia conceder um Oscar póstumo pra um dos maiores diretores europeus.

Cena do filme polonês Afterimage, de Andrzej Wajda (photo by cine.gr)

Cena do filme polonês Afterimage, de Andrzej Wajda (photo by cine.gr)

Outro termômetro para quem larga na frente são os festivais. Muitos países preferem lançar representantes que já participaram em grandes festivais internacionais como Cannes e até conquistaram prêmios para ter mais chances com a Academia. Exemplos dessa estratégia são o alemão Toni Erdmann (indicado à Palma de Ouro), o argentino The Distinguished Citizen (prêmio de Ator em Veneza), o canadense It’s Only the End of the World (Grande Prêmio do Júri em Cannes), o filipino Ma’Rosa (Prêmio de Atriz em Cannes), o documentário italiano Fire at Sea (Urso de Ouro em Berlim) e o venezuelano De Longe te Observo (o primeiro filme latino a vencer o Leão de Ouro em Veneza).

Cena estranha de Toni Erdmann, representante alemão no Oscar. (photo by critic.de)

Cena estranha de Toni Erdmann, representante alemão no Oscar. (photo by critic.de)

E minha torcida vai para o representante francês, Elle, por se tratar de um dos meus diretores favoritos Paul Verhoeven (diretor de RoboCop e Instinto Selvagem). E também pelo tema polêmico, já que a protagonista vivida pela Isabelle Huppert tem fantasias com seu estuprador. Admiro a ousadia francesa em lançar este filme para votantes conservadores da Academia analisarem. Adoraria ver filmes mais ousados na lista de indicações, pois estou farto de filmes de Segunda Guerra Mundial e o Holocausto.

elle

Isabelle Huppert em cena de Elle, de Paul Verhoeven (photo by TelaTela)

Segue a lista dos 85 candidatos oficiais ao Oscar 2017 de Melhor Filme em Língua Estrangeira:

ALBÂNIA
Chromium
Dir: Bujar Alimani

ALEMANHA
Toni Erdmann
Dir: Maren Ade

ARÁBIA SAUDITA
Barakah Meets Barakah
Dir: Mahmoud Sabbagh

ARGÉLIA
The Well
Dir: Lotfi Bouchouchi

ARGENTINA
The Distinguished Citizen
Dir: Mariano Cohn, Gastón Duprat

AUSTRÁLIA
Tanna
Dir: Bentley Dean, Martin Butler

ÁUSTRIA
Stefan Zweig: Farewell to Europe
Dir: Maria Schrader

BANGLADESH
The Unnamed
Dir: Tauquir Ahmed

BÉLGICA
The Ardennes
Dir: Robin Pront

BOLÍVIA
Sealed Cargo
Dir: Julia Vargas Weise

BÓSNIA HERZEGOVINA
Death in Sarajevo
Dir: Danis Tanovic

BRASIL
Pequeno Segredo
Dir: David Schurmann

BULGÁRIA
Losers
Dir: Ivaylo Hristov

CAMBOJA
Before the Fall
Dir: Ian White

CANADÁ
It’s Only the End of the World
Dir: Xavier Dolan

Cena do filme canadense It's Only the End of the World. O jovem cineasta Xavier Dolan não parece ser unanimidade entre os votantes da Academia, mas a presença de atrizes como Marion Cotillard e Léa Seydoux podem ajudar na campanha. (photo by critic.de)

Cena do filme canadense It’s Only the End of the World. O jovem cineasta Xavier Dolan não parece ser unanimidade entre os votantes da Academia, mas a presença de atrizes como Marion Cotillard e Léa Seydoux podem ajudar na campanha. (photo by critic.de)

CAZAQUISTÃO
Amanat
Dir: Satybaldy Narymbetov

CHILE
Neruda
Dir: Pablo Larraín

Cena do filme biográfico Neruda, sobre poeta chileno. A vantagem aqui é o diretor Pablo Larraín, que além de já ter sido indicado ao Oscar por No, tem o filme Jackie com Natalie Portman nas categorias principais (photo by cine.gr)

Cena do filme biográfico Neruda, sobre poeta chileno. A vantagem aqui é o diretor Pablo Larraín, que além de já ter sido indicado ao Oscar por No, tem o filme Jackie com Natalie Portman nas categorias principais (photo by cine.gr)

CHINA
Xuan Zang
Dir: Huo Jianqi

COLÔMBIA
Alias Maria
Dir: José Luis Rugeles

CORÉIA DO SUL
The Age of Shadows
Dir: Kim Jee-woon

COSTA RICA
About Us
Dir: Hernán Jiménez

CROÁCIA
On the Other Side
Dir: Zrinko Ogresta

CUBA
The Companion
Dir: Pavel Giroud

DINAMARCA
Land of Mine
Dir: Martin Zandvliet

EGITO
Clash
Dir: Mohamed Diab

EQUADOR
Such Is Life in the Tropics
Dir: Sebastián Cordero

ESLOVÁQUIA
Eva Nová
Dir: Marko Skop

ESLOVÊNIA
Houston, We Have a Problem!
Dir: Žiga Virc

ESPANHA
Julieta
Dir: Pedro Almodóvar

ESTÔNIA
Mother
Dir: Kadri Kõusaar

FILIPINAS
Ma’ Rosa

Dir: Brillante Ma Mendoza

FINLÂNDIA
The Happiest Day in the Life of Olli Mäki
Dir: Juho Kuosmanen

FRANÇA
Elle
Dir: Paul Verhoeven

GEORGIA
House of Others
Dir: Rusudan Glurjidze

GRÉCIA
Chevalier
Dir: Athina Rachel Tsangari

HOLANDA
Tonio
Dir: Paula van der Oest

HONG KONG
Port of Call
Dir: Philip Yung

HUNGRIA
Kills on Wheels
Dir: Attila Till

IÊMEN
I Am Nojoom, Age 10 and Divorced
Dir: Khadija Al-Salami

ISLÂNDIA
Sparrows
Dir: Rúnar Rúnarsson

ÍNDIA
Interrogation
Dir: Vetri Maaran

INDONÉSIA
Letters from Prague
Dir: Angga Dwimas Sasongko

IRÃ
The Salesman
Dir: Asghar Farhadi

Cena do iraniano The Salesman, que dialoga com a obra literária de Arthur Miller. Com o histórico de vitória no Oscar, Asghar Farhadi praticamente garante sua presença no Oscar 2017, na opinião deste humilde blogueiro. (photo by cine.gr)

Cena do iraniano The Salesman, que dialoga com a obra literária de Arthur Miller. Com o histórico de vitória no Oscar, Asghar Farhadi praticamente garante sua presença no Oscar 2017, na opinião deste humilde blogueiro. (photo by cine.gr)

IRAQUE
El Clásico
Dir: Halkawt Mustafa

ISRAEL
Sand Storm
Dir: Elite Zexer

ITÁLIA
Fire at Sea
Dir: Gianfranco Rosi

JAPÃO
Nagasaki: Memories of My Son
Dir: Yoji Yamada

JORDÂNIA
3000 Nights
Dir: Mai Masri

KOSOVO
Home Sweet Home
Dir: Faton Bajraktari

LETÔNIA
Dawn
Dir: Laila Pakalnina

LÍBANO
Very Big Shot
Dir: Mir-Jean Bou Chaaya

LITUÂNIA
Seneca’s Day
Dir: Kristijonas Vildziunas

LUXEMBURGO
Voices from Chernobyl
Dir: Pol Cruchten

MACEDÔNIA
The Liberation of Skopje
Dir: Rade Šerbedžija, Danilo Šerbedžija

MALÁSIA
Beautiful Pain
Dir: Tunku Mona Riza

MARROCOS
A Mile in My Shoes
Dir: Said Khallaf

MÉXICO
Desierto
Dir: Jonás Cuarón

Jeffrey Dean Morgan faz um cidadão americano que protege a fronteira americana contra os mexicanos por seus próprios termos. Além do tema polêmico, tem Jonás Cuarón, irmão de Alfonso, vencedor do Oscar por Gravidade. (photo by cine.gr)

Jeffrey Dean Morgan faz um cidadão americano que protege a fronteira americana contra os mexicanos por seus próprios termos. Além do tema polêmico, tem Jonás Cuarón, irmão de Alfonso, vencedor do Oscar por Gravidade. (photo by cine.gr)

MONTENEGRO
The Black Pin
Dir: Ivan Marinović

NEPAL
The Black Hen
Dir: Min Bahadur Bham

NORUEGA
The King’s Choice
Dir: Erik Poppe

NOVA ZELÂNDIA
A Flickering Truth
Dir: Pietra Brettkelly

PALESTINA
The Idol
Dir: Hany Abu-Assad

PANAMÁ
Salsipuedes
Dir: Ricardo Aguilar Navarro, Manolito Rodríguez

PAQUISTÃO
Mah-e-Mir
Dir: Anjum Shahzad

PERU
Videophilia (and Other Viral Syndromes)
Dir: Juan Daniel F. Molero

POLÔNIA
Afterimage
Dir: Andrzej Wajda

PORTUGAL
Letters from War
Dir: Ivo M. Ferreira

QUIRGUISTÃO
A Father’s Will
Dir: Bakyt Mukul, Dastan Zhapar Uulu

REINO UNIDO
Under the Shadow

Dir: Babak Anvari

REPÚBLICA DOMINICANA
Sugar Fields

Dir: Fernando Báez

REPÚBLICA TCHECA
Lost in Munich
Dir: Petr Zelenka

ROMÊNIA
Sieranevada
Dir: Cristi Puiu

RÚSSIA
Paradise
Dir: Andrei Konchalovsky

SÉRVIA
Diário de um Maquinista (Train Driver’s Diary)
Dir: Milos Radovic

SINGAPURA
Apprentice
Dir: Boo Junfeng

SUÉCIA
A Man Called Ove
Dir: Hannes Holm

SUÍÇA
My Life as a Zucchini
Dir: Claude Barras

TAILÂNDIA
Karma
Dir: Kanittha Kwunyoo

TAIWAN
Hang in There, Kids!
Dir: Laha Mebow

TURQUIA
Cold of Kalandar
Dir: Mustafa Kara

UCRÂNIA
Ukrainian Sheriffs
Dir: Roman Bondarchuk

URUGUAI
Breadcrumbs
Dir: Manane Rodríguez

VENEZUELA
De Longe te Observo (Desde Allah)
Dir: Lorenzo Vigas

Cena do filme venezuelano De Longe te Observo, de Lorenzo Vigas. Trata-se de um bom drama, mas a temática homossexual pode enfraquecer sua campanha (photo by cine.gr)

Cena do filme venezuelano De Longe te Observo, de Lorenzo Vigas. Trata-se de um bom drama, mas a temática homossexual pode enfraquecer sua campanha (photo by cine.gr)

VIETNÃ
Yellow Flowers on the Green Grass
Dir: Victor Vu

A 89ª cerimônia do Oscar será no dia 26 de fevereiro.

Academia convida 683 novos membros em busca de diversidade

três novos membros da Academia: Michael B. Jordan, Emma Watson e Idris Elba (Photo by Rex Shutterstock through Variety)

Três novos membros da Academia: Michael B. Jordan, Emma Watson e Idris Elba (Photo by Rex Shutterstock through Variety)

GRUPO VOTANTE DO OSCAR GANHA MAIS CORES, INTERNACIONALIDADE E EXPERIÊNCIA

Nesta quarta-feira, dia 29, a presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs, anunciou o convite anual para novos membros votantes. Primeiramente, vamos aos números:

São 683 novos membros: um recorde histórico, já que nos últimos anos, a média girava em torno de 270 adesões. Desses 683 convidados, 46% são mulheres e 41% são negros. Como presidente, Isaacs cumpre sua promessa de elevar o número de mulheres e minorias raciais depois da polêmica do #OscarSoWhite, que criticava a ausência de negros nas 4 categorias de atuação neste e no ano anterior.

Com essas adesões, houve um aumento de 2% da presença feminina na Academia (de 25 para 27%) e de 3% de afro-americanos (de 8 para 11%). Não parece muita coisa vendo em porcentagens, mas segundo a própria presidente, “trata-se de um grande passo para a diversidade do Oscar”. Como havia prometido no início deste ano que iria dobrar a diversidade até 2020, ela demonstra que realmente está empenhada em concretizar grandes mudanças.

A presidente da Academia Cheryl Boone Isaacs (Photo by David Fisher/REX/Shutterstock

A presidente da Academia Cheryl Boone Isaacs (Photo by David Fisher/REX/Shutterstock)

Engana-se quem pensa que os convites se resumem a mulheres e negros. Dos 683 convites, 283 novos membros são internacionais vindos de 59 países, o que inclui latinos e asiáticos na conta. Também vale ressaltar que a campanha se estende também aos profissionais mais jovens, já que outra dura reclamação foi do predomínio de votantes idosos demais. A busca por “novo fôlego” já se fez necessária nas décadas de 60 e 70, quando os membros da Academia estavam envelhecendo demais.

Entre os novos membros que se destacam, temos os atores negros Idris Elba,  John Boyega, Chadwick Boseman e Michael B. Jordan, além do diretor Ryan Coogler, de Creed: Nascido Para Lutar. Na ala feminina, a vencedora do Oscar por O Quarto de Jack, Brie Larson, foi integrada ao grupo, assim como a jovem Emma Watson, Greta Gerwig, Rachel McAdams, Rose Byrne e Kate Beckinsale. Particularmente, fiquei feliz pela inclusão de grandes atrizes como Marisa Paredes e Cecilia Roth, que trabalharam com Pedro Almodóvar.

Chadwick Boseman, o Pantera Negra, no tapete vermelho do Oscar 2016. (photo by Rob Latour/REX/Shutterstock)

Chadwick Boseman, o Pantera Negra, no tapete vermelho do Oscar 2016. (photo by Rob Latour/REX/Shutterstock)

Atores asiáticos estão representados pela nova geração como Byung-Hun Lee e Daniel Dae Kim, mas o convite se estendeu a atores bem mais experientes como Tatsuya Nakadai, que trabalhou com Akira Kurosawa em Ran (1985) e Kagemusha, a Sombra de um Samurai (1980), e James Hong, o ator que deu vida a ninguém menos do que Lo Pan (!), o vilão de Os Aventureiros do Bairro Proibido (1986), além de participar de Blade Runner – O Caçador de Andróides (1982).

E pra fechar, temos America Ferrera, Luis Guzmán e Michelle Rodriguez, atores com raízes latinas. O Brasil recebeu convites também. O fotógrafo Lula Carvalho, o compositor Antonio Pinto, o animador Alê Abreu (de O Menino e o Mundo) e a diretora Anna Muylaert (de Que Horas Ela Volta?) formam essa nova safra de brasileiros na Academia.

A diretora Anna Muylaert em frente ao cartaz de Que Horas Ela Volta? (photo by ocafezinho.com)

A diretora Anna Muylaert em frente ao cartaz de Que Horas Ela Volta? (photo by ocafezinho.com)

“Estamos orgulhosos em dar as boas-vindas para estes novos membros para a Academia, e sabemos que eles enxergam isso como uma oportunidade e não apenas um convite, uma missão e não apenas uma filiação.” – declarou ainda a presidente Isaacs, que aproveitou para encorajar  a indústria cinematográfica a abrir as portas para quaisquer profissionais interessados em trabalhar.

Só por esta iniciativa da presidente Cheryl Boone Isaacs, ela já poderia ser considerada uma das melhores políticas a ocupar o cargo na Academia. Nitidamente, sua intenção ultrapassa questões político-raciais. Ela quer transformar o Cinema numa Arte aberta para todos os profissionais, enfraquecendo também sua elitização. Ela não quer incluir negros porque é politicamente correto com o intuito de agradar uma classe, mas porque o Cinema também é feito por negros, assim como é feito por mulheres, latinos, asiáticos, canadenses, russos, homossexuais e transgêneros.

O que se pode tirar dessa atitude? À princípio, o mote era trazer novas opiniões através de votos a fim de fazer escolhas mais justas. Se essa tática vai dar resultado nos próximos anos ou não, só poderemos saber com o tempo, mas independente do futuro, a porta aberta hoje certamente tende a enriquecer o grupo que forma a Academia. Se nós, como cinéfilos, muitas vezes reclamamos dos resultados do Oscar por ele ser conservador demais, talvez com essa nova leva de votantes, filmes mais ousados como o próprio Mad Max: Estrada da Fúria pudesse ter batido Spotlight – Segredos Revelados como Melhor Filme, indo muito além da questão racial apenas.

Ainda sob essa perspectiva do conservadorismo, há uma década, vimos 4 filmes ousados perderem para um filme careta, conservador e maniqueísta levar o Oscar de Melhor Filme. Este ano foi 2006, quando Crash – No Limite bateu os fortes e infinitamente superiores concorrentes: O Segredo de Brokeback Mountain, Capote, Boa Noite e Boa Sorte, e Munique. Talvez se já tivesse havido votantes mais novos e de pensamentos mais abertos naquele ano, o resultado teria sido outro, e hoje, poderiam se orgulhar mais dessa votação num clipe dos vencedores de Melhor Filme.

Jack Nicholson entre os produtores de Crash - No Limite: Cathy Schulman e Paul Haggis no Oscar 2006 (photo by grantland.com)

Jack Nicholson entre os produtores de Crash – No Limite: Cathy Schulman e Paul Haggis no Oscar 2006 (photo by grantland.com)

Contudo, é de extrema importância não se deixar levar por rótulos. Não é porque a Academia colocou mais negros que eles têm obrigação de votar para artistas negros ou filmes de temática negra. Se Idris Elba gostou mais de Gravidade, ele deve votar para Gravidade, e não para 12 Anos de Escravidão como a cartilha racial manda. Pelo menos, espero que não haja nenhum tipo de instrução por parte da Academia nesse sentido, porque senão seria patético e contraditório.

Particularmente, desse anúncio de novos membros, nada se compara à abertura internacional! E o engraçado é que na mídia, pouco se fala sobre isso! O foco está apenas em mulheres e negros, como se fossem os únicos injustiçados. Se formos dar uma olhada na lista de diretores convidados, temos nomes que vão acrescentar muito na real diversidade cinematográfica do Oscar. Só para citar alguns: o chinês Hou Hsiao-Hsien, a japonesa Naomi Kawase, o turco Nuri Bilge Ceylan, o jovem prodígio canadense Xavier Dolan, o tunisiano Abdellatif Kechiche, o iraniano Abbas Kiarostami, o britânico Ken Loach (que acaba de ganhar sua segunda Palma de Ouro em Cannes), a argentina Lucrecia Martel, o romeno Cristian Mungiu, o sul-coreano Park Chan-Wook, o dinamarquês Nicolas Winding Refn e o novo rei do terror, o malaio James Wan: são nomes tão consagrados do atual cinema mundial que é até ridículo que não eram membros da Academia ainda!

O jovem diretor Xavier Dolan, quando ganhava o Prêmio do Júri em Cannes de 2014. Além de canadense, ele tem apenas 27 aninhos. (photo by proibidoler.com)

O jovem diretor Xavier Dolan, quando ganhava o Prêmio do Júri em Cannes de 2014. Além de canadense, ele tem apenas 27 aninhos. (photo by proibidoler.com)

Na época do bafafá do #OscarSoWhite, achei muita estupidez por parte de alguns críticos politicamente corretos demais que culpavam a Academia por não haver negros entre os 20 atores indicados. Já defendi e volto a dizer aqui: a premiação apenas reflete a indústria cinematográfica. A real mudança deve acontecer na mentalidade dos produtores e dos grandes estúdios. E como o Cinema é uma Arte que depende demais da bilheteria, o público tem que dar a resposta positiva em caso de grandes mudanças.

O que achei bacana por parte da postura da Academia e de sua presidente é que, mesmo não sendo culpa deles, eles estão fazendo o possível para reverter esse quadro, convidando artistas e profissionais de todos os tipos e de todas as partes do mundo, a fim de tornar o Oscar mais globalizado e harmônico.

Eu só espero que, mesmo com essas mudanças positivas, o Oscar 2017 não conceda indicação a um ator ou atriz negros por piedade ou preencher cotas. Se for pra indicar, que seja por méritos próprios, porque do contrário, pode ser embaraçoso demais para o profissional.

A 89ª edição do Oscar já apresenta o seguinte calendário oficial:

12/Nov: Governors Awards
05/Jan: Início da votação das indicações
13/Jan: Término da votação das indicações
24/Jan: Anúncio dos Indicados ao Oscar
06/Fev: Almoço dos Indicados ao Oscar
11/Fev: Scientific and Technical Awards
13/Fev: Início da votação dos vencedores
21/Fev: Término da votação dos vencedores
26/Fev: 89º Academy Awards

Cena de The Birth of a Nation, de Nate Parker (photo by cine.gr)

Cena de The Birth of a Nation, de Nate Parker (photo by cine.gr)

Com tamanha discussão envolvendo diversidade, dois filmes já se tornaram fortes candidatos ao Oscar 2017 por sua temática racial. The Birth of a Nation é um drama de época que acompanha a trajetória de um escravo e pregador, que após testemunhar atrocidades contra seu povo, orquestra uma revolução em prol da liberdade. Obviamente, lembra bastante o recente 12 Anos de Escravidão, porém, como foi bastante elogiado em sua passagem pelo último Festival de Sundance, deve se consolidar como um favorito. E outro candidato, Loving, é um romance interracial envolvendo um branco (Joel Edgerton, numa atuação bastante aclamada) e uma negra (Ruth Negga) baseado em fatos verídicos ocorridos nos anos 50 na Virginia.

Joel Edgerton e Ruth Negga fazem um casal interracial em Loving, de Jeff Nichols (photo by cine.gr)

Joel Edgerton e Ruth Negga fazem um casal interracial em Loving, de Jeff Nichols (photo by cine.gr)

E pra quem tem curiosidade de ver a lista completa dos 683 novos membros da Academia, seguem os nomes abaixo de acordo com seu cargo:

Actors
Mahershala Ali – “The Hunger Games: Mockingjay (Parts 1 and 2),” “The Curious Case of Benjamin Button”
Anthony Anderson – “The Departed,” “Hustle & Flow”
Adam Beach – “Suicide Squad,” “Flags of Our Fathers”
Kate Beckinsale – “Love & Friendship,” “The Aviator”
Chadwick Boseman – “Captain America: Civil War,” “Get on Up”
John Boyega – “Star Wars: The Force Awakens,” “Attack the Block”
Betty Buckley – “Wyatt Earp,” “Carrie”
Rose Byrne – “X-Men: First Class,” “Bridesmaids”
Julie Carmen – “The Milagro Beanfield War,” “Gloria”
Enrique Castillo – “Déjà Vu,” “Bound by Honor”
Morris Chestnut – “G.I. Jane,” “Boyz N the Hood”
Cliff Curtis – “Live Free or Die Hard,” “Training Day”
Loretta Devine – “Crash,” “I Am Sam”
Carmen Ejogo – “Selma,” “Sparkle”
Idris Elba – “Beasts of No Nation,” “Pacific Rim”
America Ferrera – “Cesar Chavez,” “End of Watch”
Vivica A. Fox – “Kill Bill,” “Independence Day”
Andrew Garfield – “99 Homes,” “The Amazing Spider-Man”
Greta Gerwig – “Frances Ha,” “To Rome with Love”
Jesse D. Goins – “The Ugly Truth,” “Patriot Games”
Bruce Greenwood – “Flight,” “Star Trek”
Carla Gugino – “Watchmen,” “Night at the Museum”
Luis Guzmán – “Punch-Drunk Love,” “Carlito’s Way”
Dennis Haysbert – “Dear White People,” “Wreck-It Ralph”
Tom Hiddleston – “Crimson Peak,” “Marvel’s The Avengers”
James Hong – “Safe,” “Mulan”
Oscar Isaac – “Ex Machina,” “A Most Violent Year”
O’Shea “Ice Cube” Jackson* – “Ride Along,” “Friday”
Dakota Johnson – “Black Mass,” “Fifty Shades of Grey”
Cherry Jones – “Whiskey Tango Foxtrot,” “Signs”
Michael B. Jordan – “Creed,” “Fruitvale Station”
Daniel Dae Kim – “The Divergent Series: Insurgent,” “Crash”
Regina King – “Ray,” “Jerry Maguire”
Brie Larson – “Room,” “Trainwreck”
Byung-Hun Lee – “Terminator Genisys,” “G.I. Joe: The Rise of Cobra”
Nia Long – “Keanu,” “Boyz N the Hood”
Sal Lopez – “The Astronaut Farmer,” “Full Metal Jacket”
Ignacio López Tarso – “Under the Volcano,” “Nazarin”
Patti LuPone – “Parker,” “Driving Miss Daisy”
Peter Mackenzie – “Trumbo,” “42”
Rachel McAdams – “Spotlight,” “Midnight in Paris”
Eva Mendes – “The Place beyond the Pines,” “Hitch”
Tatsuya Nakadai – “Ran,” “Kagemusha”
Adepero Oduye – “The Big Short,” “12 Years a Slave”
Marisa Paredes – “The Skin I Live In,” “All about My Mother”
Nate Parker – “Beyond the Lights,” “Red Tails”
Harold Perrineau – “Zero Dark Thirty,” “28 Weeks Later”
Jorge Perugorría – “Che,” “Strawberry and Chocolate”
Silvia Pinal – “Vintage Model,” “The Exterminating Angel”
Freida Pinto – “Immortals,” “Slumdog Millionaire”
Michelle Rodriguez – “Avatar,” “Girlfight”
Anika Noni Rose – “For Colored Girls,” “Dreamgirls”
Cecilia Roth – “Lucia Lucia,” “All about My Mother”
Mark Rylance – “Bridge of Spies,” “The Other Boleyn Girl”
Pepe Serna – “The Black Dahlia,” “The Ballad of Gregorio Cortez”
Martin Starr – “I’ll See You in My Dreams,” “Adventureland”
Elizabeth Sung – “Memoirs of a Geisha,” “The Joy Luck Club”
Sharmila Tagore – “Dhadkan,” “The World of Apu”
Tessa Thompson – “Creed,” “Dear White People”
Lorraine Toussaint – “Selma,” “Middle of Nowhere”
Glynn Turman – “Super 8,” “Men of Honor”
Gabrielle Union – “Top Five,” “Bad Boys II”
Jacob Vargas – “The 33,” “Jarhead”
Alicia Vikander – “The Danish Girl,” “Ex Machina”
Emma Watson – “The Bling Ring,” “The Perks of Being a Wallflower”
Damon Wayans, Jr. – “Big Hero 6,” “Let’s Be Cops”
Marlon Wayans – “The Heat,” “Requiem for a Dream”
Rita Wilson – “It’s Complicated,” “Runaway Bride”
Daphne Zuniga – “Staying Together,” “Spaceballs”

Casting Directors
Shaheen Baig – “Youth,” “The Impossible”
Sharon Bialy – “Secret in Their Eyes,” “Mr. Holland’s Opus”
Sara Bilbatua – “Pan’s Labyrinth,” “The Devil’s Backbone”
Antoinette Boulat – “Diary of a Chambermaid,” “The Grand Budapest Hotel”
Deirdre Bowen – “Eastern Promises,” “Billy Madison”
Jacqueline Brown – “Akeelah and the Bee,” “Jackie Brown”
Carmen Cuba – “The Martian,” “Side Effects”
Christian Kaplan – “The Book of Life,” “Rio”
Moonyeenn Lee – “Avengers: Age of Ultron,” “Blood Diamond”
Natalie Lyon – “Inside Out,” “Toy Story 3”
Walter Rippell – “Everybody Has a Plan,” “The Secret in Their Eyes”
Richard Rousseau – “Saint Laurent,” “Renoir”
Kim Taylor-Coleman – “Dope,” “Oldboy”
Manuel Teil – “Babel,” “Y Tu Mamá También”

Cinematographers
Bárbara Alvarez – “The Second Mother,” “Whisky”
C. Mitchell Amundsen – “Ride Along 2,” “Now You See Me”
Adam Arkapaw – “Macbeth,” “McFarland, USA”
Sergio Armstrong – “No,” “The Maid”
Michael Barrett – “Ted 2,” “A Million Ways to Die in the West”
Natasha Braier – “The Rover,” “The Milk of Sorrow”
Lula Carvalho – “Teenage Mutant Ninja Turtles,” “RoboCop”
Caroline Champetier – “Holy Motors,” “Of Gods and Men”
Enrique Chediak – “The 5th Wave,” “The Maze Runner”
Charlotte Bruus Christensen – “Far from the Madding Crowd,” “The Hunt”
Sofian El Fani – “Timbuktu,” “Blue Is the Warmest Color”
Mátyás Erdély – “Son of Saul,” “The Quiet Ones”
Frank Griebe – “A Hologram for the King,” “Cloud Atlas”
Kirsten Johnson* – “CitizenFour,” “This Film Is Not Yet Rated”
Judith Kaufmann – “13 Minutes,” “Inbetween Worlds”
Jeanne Lapoirie – “Gett: The Trial of Viviane Amsalem,” “My Little Princess”
Hélène Louvart – “The Wonders,” “Pina”
Félix Monti – “Our Last Tango,” “The Secret in Their Eyes”
Peter Pau – “The Forbidden Kingdom,” “Crouching Tiger Hidden Dragon”
Daniel Pearl – “Friday the 13th,” “Aliens vs. Predator – Requiem”
Poon Hang-Sang – “Ip Man 2: Legend of the Grandmaster,” “Kung Fu Hustle”
Gökhan Tiryaki – “Winter Sleep,” “Once upon a Time in Anatolia”
Kim White – “Inside Out,” “Toy Story 3”
Jo Willems – “The Hunger Games: Mockingjay (Parts 1 and 2),” “The Hunger Games: Catching Fire”
Steve Yedlin – “Carrie,” “Looper”
Nelson Yu Lik-Wai – “A Simple Life,” “24 City”
Haris Zambarloukos – “Cinderella,” “Jack Ryan: Shadow Recruit”
Zhao Fei – “The Sun Also Rises,” “The Curse of the Jade Scorpion”

Costume Designers
Olivier Bériot – “Lucy,” “Taken”
Madeline Fontaine – “The Young and Prodigious T.S. Spivet,” “Yves Saint Laurent”
Pierre-Yves Gayraud – “Albert Nobbs,” “The Bourne Identity”
Sonia Grande – “Magic in the Moonlight,” “Even the Rain”
Suttirat Anne Larlarb – “Steve Jobs,” “127 Hours”
Manon Rasmussen – “Nymphomaniac,” “A Royal Affair”

Designers
Yoshihito Akatsuka – “The Left Ear,” “Warriors of the Rainbow: Seediq Bale”
Kokayi Ampah – “Knight and Day” “Flags of Our Fathers”
Jille Azis – “Magic in the Moonlight,” “Tinker Tailor Soldier Spy”
Hannah E. Beachler – “Miles Ahead,” “Creed”
Bert Berry – “Inside Out,” “Cars 2”
Celia Bobak – “The Martian,” “Shanghai”
Stephanie Carroll – “Elsa & Fred,” “Monsoon Wedding”
Sue Chan – “Gone Girl,” “300: Rise of an Empire”
Rodolfo Damaggio – “Tomorrowland,” “Terminator Genisys”
Rena DeAngelo – “Bridge of Spies,” “The Judge”
Warren Drummond – “Straight Outta Compton,” “Nightcrawler”
Colin Gibson – “Mad Max: Fury Road,” “Happy Feet Two”
Bernhard Henrich – “Bridge of Spies,” “Unfinished Business”
Kalina Ivanov – “Max,” “Little Miss Sunshine”
Michael Anthony Jackson – “Gods of Egypt,” “Fantastic Four”
Philip Keller – “Jurassic World,” “The Last Witch Hunter”
Carolyn A. Loucks – “Batman v Superman: Dawn of Justice,” “RoboCop”
Chris Lowe – “Spectre,” “Into the Woods”
Ina Mayhew – “Barbershop: The Next Cut,” “Tyler Perry’s Good Deeds”
Alice Normington – “Suffragette,” “Nowhere Boy”
Hamish Purdy – “The Revenant,” “Step Up All In”
Peter Ramsey* – “Penguins of Madagascar,” “Shrek the Third”
Pilar Revuelta – “Exodus: Gods and Kings,” “Pan’s Labyrinth”
Mark Ricker –“Trumbo,” “Get on Up
Dena Roth – “The Wedding Ringer,” “Think Like a Man Too”
David Schlesinger – “True Story,” “Annie”
Richard Sherman – “The Gift,” “Beautiful Creatures”
Michael Standish – “The Danish Girl,” “Victor Frankenstein”
Yohei Taneda – “Monster Hunt,” “The Hateful Eight”
Lisa Thompson – “Mad Max: Fury Road,” “San Andreas”
Patrice Vermette – “Sicario,” “The Young Victoria”
Frank Walsh – “The Huntsman: Winter’s War,” “High-Rise”

Directors
Lenny Abrahamson – “Room,” “Frank”
Naji Abu Nowar – “Theeb”
Maren Ade – “Everyone Else,” “The Forest for the Trees”
Lexi Alexander – “Punisher: War Zone,” “Green Street Hooligans”
Haifaa al-Mansour – “Wadjda”
Ana Lily Amirpour – “A Girl Walks Home Alone at Night”
Amma Asante – “Belle,” “A Way of Life”
Katie Aselton – “Black Rock,” “The Freebie”
Ramin Bahrani – “99 Homes,” “At Any Price”
Anna Boden – “Mississippi Grind,” “It’s Kind of a Funny Story”
Catherine Breillat – “The Sleeping Beauty,” “Sex Is Comedy”
Israel Cárdenas – “Sand Dollars,” “Carmita”
Carlos Carrera – “Backyard,” “El Crimen del Padre Amaro”
Nuri Bilge Ceylan – “Winter Sleep,” “Once upon a Time in Anatolia”
Souleymane Cissé – “Brightness,” “The Wind”
Isabel Coixet – “Learning to Drive,” “Elegy”
Ryan Coogler* – “Creed,” “Fruitvale Station”
Scott Cooper – “Black Mass,” “Crazy Heart”
John Crowley – “Brooklyn,” “Closed Circuit”
Julie Dash – “Daughters of the Dust”
Tamra Davis – “Jean-Michel Basquiat: The Radiant Child,” “Billy Madison”
Jonathan Dayton – “Ruby Sparks,” “Little Miss Sunshine”
Dominique Deruddere – “Flying Home,” “Everybody Famous!”
Xavier Dolan – “Mommy,” “Tom at the Farm”
Cheryl Dunye – “My Baby’s Daddy,” “The Watermelon Woman”
Deniz Gamze Ergüven – “Mustang”
Valerie Faris – “Ruby Sparks,” “Little Miss Sunshine”
Shana Feste – “Endless Love,” “Country Strong”
Hannah Fidell – “A Teacher”
Anne Fletcher – “The Proposal,” “Step Up”
Ari Folman – “The Congress,” “Waltz with Bashir”
Anne Fontaine – “Gemma Bovery,” “Coco before Chanel”
Cary Joji Fukunaga – “Beasts of No Nation,” “Jane Eyre”
Nicole Garcia – “A View of Love,” “Charlie Says”
Juan Antonio Garcia Bayona – “The Impossible,” “The Orphanage”
Sarah Gavron – “Suffragette,” “Brick Lane”
Lesli Linka Glatter – “The Proposition,” “Now and Then”
Ciro Guerra* – “Embrace of the Serpent,” “The Wind Journeys”
Laura Amelia Guzmán – “Sand Dollars,” “Carmita”
Sanaa Hamri – “Just Wright,” “Something New”
Mia Hansen-Løve* – “Eden,” “The Father of My Children”
Mahamet-Saleh Haroun – “Grigris,” “Our Father”
Mary Harron – “The Notorious Bettie Page,” “American Psycho”
Marielle Heller* – “The Diary of a Teenage Girl”
Albert Hughes – “The Book of Eli,” “Dead Presidents”
Hou Hsiao-Hsien – “The Assassin,” “Three Times”
Patty Jenkins – “Wonder Woman,” “Monster”
Naomi Kawase* – “Still the Water,” “The Mourning Forest”
Abdellatif Kechiche – “Blue Is the Warmest Color,” “Black Venus”
Abbas Kiarostami – “Certified Copy,” “Taste of Cherry”
So Yong Kim – “For Ellen,” “In Between Days”
Kiyoshi Kurosawa – “Seventh Code,” “Pulse”
Karyn Kusama – “Jennifer’s Body,” “Girlfight”
Francis H. Lawrence – “The Hunger Games: Catching Fire,” “I Am Legend”
Tobias Lindholm* – “A War,” “A Hijacking”
Phyllida Lloyd – “The Iron Lady,” “Mamma Mia!”
Ken Loach – “The Wind That Shakes the Barley,” “Kes”
Julia Loktev – “The Loneliest Planet,” “Day Night Day Night”
Ami Canaan Mann – “Jackie & Ryan,” “Texas Killing Fields”
Lucrecia Martel – “The Headless Woman,” “The Holy Girl”
Adam McKay* – “The Big Short,” “Anchorman: The Legend of Ron Burgundy”
Deepa Mehta – “Midnight’s Children,” “Water”
Ursula Meier – “Sister,” “Home”
Rebecca Miller* – “The Private Lives of Pippa Lee,” “Personal Velocity”
Karen Moncrieff – “The Dead Girl,” “Blue Car”
Cristian Mungiu* – “Graduation,” “4 Months, 3 Weeks and 2 Days”
Anna Muylaert – “The Second Mother”
László Nemes* – “Son of Saul”
María Novaro – “The Good Herbs,” “Lola”
Victor Nunez – “Spoken Word,” “Ulee’s Gold”
Euzhan Palcy – “Siméon,” “A Dry White Season”
Park Chan-wook* – “Stoker,” “Oldboy”
Lucía Puenzo – “The German Doctor,” “El Niño Pez”
Lynne Ramsay – “We Need to Talk about Kevin,” “Morvern Callar”
Dee Rees – “Pariah”
Nicolas Winding Refn – “Only God Forgives,” “Drive”
Patricia Riggen – “The 33,” “Girl in Progress”
Gillian Robespierre – “Obvious Child”
Patricia Rozema – “Kit Kittredge: An American Girl,” “Mansfield Park”
Marjane Satrapi – “The Voices,” “Persepolis”
Sam Taylor-Johnson – “Fifty Shades of Grey,” “Nowhere Boy”
George Tillman, Jr. – “Notorious,” “Soul Food”
Luis Valdez – “La Bamba,” “Zoot Suit”
Melvin Van Peebles – “Identity Crisis,” “Sweet Sweetback’s Baadasssss Song”
Margarethe von Trotta – “Rosenstrasse,” “Marianne and Juliane”
Lana Wachowski – “Cloud Atlas,” “The Matrix Trilogy”
Lilly Wachowski – “Cloud Atlas,” “The Matrix Trilogy”
Taika Waititi – “Hunt for the Wilderpeople,” “What We Do in the Shadows”
James Wan – “The Conjuring,” “Saw”
Keenan Ivory Wayans* – “Scary Movie,” “A Low Down Dirty Shame”
Apichatpong Weerasethakul – “Uncle Boonmee Who Can Recall His Past Lives,” “Tropical Malady”

Documentary
Joslyn Barnes – “The House I Live In,” “Trouble the Water”
Danielle Renfrew Behrens – “Kurt Cobain: Montage of Heck,” “The Queen of Versailles”
Joe Bini* – “Tales of the Grim Sleeper,” “Encounters at the End of the World”
Douglas Blush – “The Hunting Ground,” “The Invisible War”
Rachel Boynton – “Big Men,” “Our Brand Is Crisis”
Irene Taylor Brodsky – “The Final Inch,” “Hear and Now”
Margaret Brown – “The Great Invisible,” “The Order of Myths”
Nancy Buirski – “Afternoon of a Faun: Tanaquil Le Clercq,” “The Loving Story”
Maro Chermayeff – “Marina Abramovic The Artist Is Present,” “The Kindness of Strangers”
Ramona S. Diaz – “Don’t Stop Believin’: Everyman’s Journey,” “Imelda”
James Gay-Rees – “Amy,” “Senna”
Haile Gerima – “Teza,” “Ashes and Embers”
Laurens Grant – “The Black Panthers: Vanguard of the Revolution,” “Freedom Riders”
Richard Hankin – “Art and Craft,” “God Loves Uganda”
Kazuo Hara – “A Dedicated Life,” “The Emperor’s Naked Army Marches On”
Thomas Allen Harris – “Through a Lens Darkly: Black Photographers and the Emergence of a People,” “Twelve
Disciples of Nelson Mandela”
Matthew Heineman – “Cartel Land,” “Escape Fire: The Fight to Rescue American Healthcare”
Judith Helfand – “The Barber of Birmingham: Foot Soldier of the Civil Rights Movement,” “Blue Vinyl”
Amy Hobby – “What Happened, Miss Simone?,” “Shepard & Dark”
Kirsten Johnson* – “Cameraperson,” “CitizenFour”
Asif Kapadia – “Amy,” “Senna”
Aviva Kempner – “Rosenwald,” “The Life and Times of Hank Greenberg”
Pedro Kos* – “The Square,” “Waste Land”
Victor Kossakovsky – “Vivan las Antipodas!,” “The Belovs”
Anita Lee – “Stories We Tell,” “Everybody’s Children”
Shola Lynch – “Free Angela and All Political Prisoners,” “Chisholm ’72 – Unbought & Unbossed”
Louis Massiah – “W.E.B. Dubois: A Biography in Four Voices”
Amanda Micheli – “La Corona,” “Double Dare”
Spencer Nakasako – “Refugee,” “A.K.A. Don Bonus”
Emiko Omori – “Rabbit in the Moon,” “Regret to Inform”
Joshua Oppenheimer – “The Look of Silence,” “The Act of Killing”
Dawn Porter – “Trapped,” “Gideon’s Army”
Gini Reticker – “Pray the Devil Back to Hell,” “Asylum”
Azin Samari* – “Ethel,” “The September Issue”
Jessica Sanders – “After Innocence,” “Sing!”
Regina Scully – “The Hunting Ground,” “Alive Inside”
Signe Byrge Sørensen – “The Look of Silence,” “The Act of Killing”
David Teague – “Cutie and the Boxer,” “Freeheld”
Trinh T. Minh-ha – “Forgetting Vietnam,” “Surname Viet Given Name Nam”
Jean Tsien – “Shut Up & Sing,” “Scottsboro: An American Tragedy”
Elizabeth Chai Vasarhelyi – “Meru,” “Youssou N’Dour: I Bring What I Love”
Wang Bing – “Three Sisters,” “West of the Tracks”

Executives
Pam Abdy
Courtney D. Armstrong
Arturo Barquet
Arianna Bocco
Nicole Brown
Rona Cosgrove
Craig Dehmel
Zanne Devine
Lisa Ellzey
Monique Esclavissat
Pauline Fischer
DeVon Franklin
David W. Greenbaum
Matthew Greenfield
Erica Huggins
Peter Kujawski
Pamela Kunath
Christine Langan
Bonni Lee
James F. Lopez
Xavier Marchand
Anikah Elizabeth McLaren
James Rupert Jacob Murdoch
Lachlan K. Murdoch
Gigi Pritzker
Josh Sapan
Scott Shooman
Adrian Smith
Frank H. Smith
Darren Dennis Throop
Jason D. Young

Film Editors
Niels Pagh Andersen – “The Look of Silence,” “The Act of Killing”
Joe Bini* – “We Need to Talk about Kevin,” “Cave of Forgotten Dreams”
Bettina Böhler – “Phoenix,” “Barbara”
Pernille Bech Christensen – “The Salvation,” “In a Better World”
Raúl Antonio Dávalos – “The Amateurs,” “Meet Wally Sparks”
Marie-Hélène Dozo – “Two Days, One Night,” “L’Enfant”
Amy E. Duddleston – “Elegy,” “Laurel Canyon”
Suzy Elmiger – “Lola Versus,” “Mighty Fine”
Sim Evan-Jones – “Shaun the Sheep Movie,” “Shrek”
Sarah Flack – “Away We Go,” “Lost in Translation”
Affonso Gonçalves – “Carol,” “Winter’s Bone”
Matthew Hamachek – “Cartel Land,” “If a Tree Falls: A Story of the Earth Liberation Front”
Chris King – “Amy,” “Exit through the Gift Shop”
Pedro Kos* – “The Square,” “Waste Land”
Sylvie Landra – “Catwoman,” “The Fifth Element”
Tom McArdle – “Spotlight,” “The Station Agent”
Adam Nielsen – “A War,” “A Hijacking”
Kevin Nolting – “Inside Out,” “Up”
Nathan Nugent – “Room,” “Frank”
Stan Salfas – “Morning,” “Let Me In”
Azin Samari* – “Ethel,” “The September Issue”
Margaret Sixel – “Mad Max: Fury Road,” “Happy Feet”
Mary Stephen – “Blind Mountain,” “A Tale of Winter”
Troy Takaki – “Baggage Claim,” “The Bounty Hunter”
Camilla Toniolo – “His Way,” “Company Man”
Bernat Vilaplana – “Crimson Peak,” “Pan’s Labyrinth”
Pax Wassermann – “Elaine Stritch: Shoot Me,” “Pussy Riot: A Punk Prayer”
Julia Wong – “Hercules,” “Extract”
Mark Yoshikawa – “The Hunger Games: Mockingjay (Parts 1 and 2),” “The Tree of Life”

Makeup Artists and Hairstylists
Karen Asano-Myers – “Star Wars: The Force Awakens,” “42”
Pierce Austin – “Concussion,” “After Earth”
Julie Dartnell – “The Grand Budapest Hotel,” “Les Misérables”
Beatrice De Alba – “Away We Go,” “Frida”
Dave Elsey – “Mr. Holmes,” “The Wolfman”
Camille Friend – “The Hateful Eight,” “Django Unchained”
Anita Gibson – “Beyond the Lights,” “Top Five”
Giorgio Gregorini – “The Impossible,” “Apocalypto”
Siân Grigg – “The Revenant,” “Ex Machina”
Norma Hill-Patton – “X-Men: Days of Future Past,” “The Company You Keep”
Duncan Jarman – “The Revenant,” “Rush”
Love Larson – “The 100-Year-Old Man Who Climbed Out the Window and Disappeared,” “The Girl Who Played with
Fire”
Angela Levin – “Cake,” “Horrible Bosses”
Ivana Primorac – “Anna Karenina,” “The Reader”
Beverly Jo Pryor – “Straight Outta Compton,” “Selma”
Jan Sewell – “The Danish Girl,” “The Theory of Everything”
Maurizio Silvi – “The Great Gatsby,” “Moulin Rouge”
Heba Thorisdottir – “The Hateful Eight,” “Bridesmaids”
Lesley Vanderwalt – “Mad Max: Fury Road,” “The Great Gatsby”
Eva von Bahr – “The 100-Year-Old Man Who Climbed Out the Window and Disappeared,” “The Girl with the Dragon
Tattoo”

Music
Lesley Barber – “The Moth Diaries,” “Los Locos”
Wendy Blackstone – “Whitey: United States of America v. James J. Bulger,” “To Be Heard”
Mary J. Blige – “The Help,” “Precious: Based on the Novel ‘Push’ by Sapphire”
Kathryn Bostic – “Dear White People,” “The New Black”
Carl Davis – “The Understudy,” “Scandal”
Joseph S. DeBeasi – “The Revenant,” “Sicario”
Joanie Diener – “Merchants of Doubt,” “The Skulls”
Fitzgerald Diggs (RZA) – “Django Unchained,” “The Man with the Iron Fists”
Germaine Franco – “Dope,” “Mr. and Mrs. Smith”
Sia Furler – “Zootopia,” “Fifty Shades of Grey”
Peter Golub – “Audrey,” “Countdown to Zero”
Amanda Goodpaster – “Pitch Perfect 2,” “Diary of a Wimpy Kid”
Tanya Noel Hill – “Ant-Man,” “Chef”
Deborah Lurie – “Safe Haven,” “Dear John”
Heather McIntosh – “Z for Zachariah,” “Honeymoon”
Marcus Miller – “About Last Night,” “Deliver Us from Eva”
Antonio Pinto – “Amy,” “Senna”
Raphael Saadiq – “Epic,” “Love and Basketball”
Jim Schultz – “Black Mass,” “Inglourious Basterds”
Del Spiva – “Fury,” “Prometheus”
Taura Stinson – “Rio 2,” “Black Nativity”
Joseph Trapanese – “Straight Outta Compton,” “Nightcrawler”
Shigeru Umebayashi – “The Grandmaster,” “2046”
Fernando Velázquez – “Crimson Peak,” “Mama”
Will.i.am – “The Great Gatsby,” “Rio”
Marcelo Zarvos – “Rock the Kasbah,” “The Beaver”

Producers
Belén Atienza – “Out of the Dark,” “The Impossible”
Amy Baer – “A Storm in the Stars,” “Last Vegas”
David Barron – “Cinderella,” “Harry Potter and the Deathly Hallows (Parts 1 and 2)
Ram Bergman – “Don Jon,” “Looper”
Virginie Besson-Silla – “Lucy,” “The Lady”
Fernando Bovaira – “Biutiful,” “The Sea Inside”
Anne Carey – “Mr. Holmes,” “The Savages”
Debra Martin Chase – “Sparkle,” “The Sisterhood of the Traveling Pants”
Bonnie Curtis – “Albert Nobbs,” “Minority Report”
Susan Downey – “The Judge,” “Sherlock Holmes”
Ed Guiney – “Room,” “Frank”
Paul E. Hall – “Peeples,” “For Colored Girls”
Rachael Horovitz – “Maggie’s Plan,” “Moneyball”
Mark Huffam – “The Martian,” “Exodus: Gods and Kings”
Elizabeth Karlsen – “Carol,” “Made in Dagenham”
Gail Katz – “Pawn Sacrifice,” “The Perfect Storm”
Amy Kaufman – “Beasts of No Nation, “Ain’t Them Bodies Saints”
Neil Kopp – “Green Room,” “Wendy and Lucy”
Kristie Macosko Krieger – “Bridge of Spies,” “Lincoln”
David Lancaster – “Eye in the Sky,” “Whiplash”
Albert Lee – “Chinese Zodiac,” “Let the Bullets Fly”
Roy Lee – “The Lego Movie,” “Abduction”
Mynette Louie – “Land Ho!,” “Cold Comes the Night”
Daniela Taplin Lundberg – “Beasts of No Nation,” “The Kids Are All Right”
Lori McCreary – “The Magic of Belle Isle,” “Invictus”
Edward L. McDonnell – “Sicario,” “Insomnia”
Jamie Patricof – “Mississippi Grind,” “Blue Valentine”
Amanda Posey – “Brooklyn,” “An Education”
Heather Rae – “The Dry Land,” “Frozen River”
Alexander Rodnyansky – “Leviathan,” “Stalingrad”
Esther García Rodríguez – “Wild Tales,” “The Skin I Live In”
Anish Savjani – “Green Room,” “Meek’s Cutoff”
Allison Shearmur – “Pride and Prejudice and Zombies,” “Cinderella”
Michael Sugar – “Spotlight,” “The Fifth Estate”
Robert Teitel – “Barbershop: The Next Cut,” “Men of Honor”
Rodrigo Teixeira – “The Witch,” “Mistress America”
Nina Yang Bongiovi – “Dope,” “Fruitvale Station”

Public Relations
Michael S. Agulnek
Marina Bailey
Jacqueline L. Bazan
Stephen D. Bruno
Cassandra O. Butcher
Zachary Eller
Linda Guerrero
Barry Dale Johnson
Kate Lee
Amy Mastriona
R.J. Millard
Kelly Bush Novak
Fumiko Kitahara Otto
Jack Pan
Terra Potts
Arnold Robinson
David Stern
Lisa Taback
Jean-Pierre Vincent
David S. Waldman
Ryan Werner
Katherine Willing

Short Films and Feature Animation
Alê Abreu – “Boy and the World,” “Cosmic Boy”
Line K. Andersen – “The Croods,” “Monsters vs Aliens”
Bruce Anderson – “Rio 2,” “Rio”
Graham Annable – “The Boxtrolls,” “ParaNorman”
Guillaume Aretos – “Puss in Boots,” “Shrek the Third”
Serena Armitage – “Stutterer,” “Scorned”
Sanjay Bakshi – “The Good Dinosaur,” “Monsters University”
Maxwell Boas – “Kung Fu Panda 3,” “Rise of the Guardians”
Lydia Bottegoni – “Hotel Transylvania,” “Surf’s Up”
Rebecca Wilson Bresee – “Zootopia,” “Frozen”
Mark Burton – “Shaun the Sheep Movie,” “Gnomeo & Juliet”
Chris Butler – “ParaNorman,” “Coraline”
Clément Calvet – “Cafard,” “Song of the Sea”
Tom Cardone – “Rio 2,” “Dr. Seuss’ Horton Hears a Who!”
Marci Carlin – “The Soul of Nashville,” “Human Destiny”
Galen Tan Chu – “Epic,” “Ice Age: Dawn of the Dinosaurs”
Benjamin Cleary – “Love Is a Sting,” “Stutterer”
Pam Coats – “Gnomeo & Juliet,” “Mulan”
Melissa Beth Cobb – “Kung Fu Panda 3,” “Kung Fu Panda 2”
Deborah Cook – “The Boxtrolls,” “ParaNorman”
Jamie Oliver Donoughue – “Shok,” “Life on the Line”
Renato Dos Anjos – “Wreck-It Ralph,” “Bolt”
Jeff Draheim – “Frozen,” “The Princess and the Frog”
Karen Dufilho – “Duet,” “For the Birds”
Pato Escala – “Bear Story”
Katie Fico – “Zootopia,” “Feast”
Michael Fong – “Inside Out,” “Toy Story 3”
Lori Forte – “Epic,” “Ice Age Continental Drift”
Oorlagh George – “The Shore”
Jonathan Gibbs – “Turbo,” “The Croods”
Steven Goldberg – “Frozen,” “Tangled”
Judith Gruber-Stitzer – “Wild Life,” “When the Day Breaks”
Jorge R. Gutierrez – “The Book of Life,” “Carmelo”
Jane Hartwell – “The Croods,” “Madagascar”
Georgina Hayns – “The Boxtrolls,” “ParaNorman”
Janet Healy – “Minions,” “Despicable Me 2”
Tang K. Heng – “Kung Fu Panda 2,” “Kung Fu Panda”
Jon W.S. Huertas – “The Box,” “Lone”
Raman Hui – “Monster Hunt,” “Shrek the Third”
Claire Jennings – “Coraline,” “Father and Daughter”
Yong Duk Jhun – “The Croods,” “Shrek Forever After”
Sahim Omar Kalifa – “Bad Hunter,” “Baghdad Messi”
Scott Kersavage – “Zootopia,” “Wreck-It Ralph”
Basil Khalil – “Ave Maria,” “Shooter”
Michael Knapp – “Epic,” “Ice Age: Dawn of the Dinosaurs”
Robert Kondo – “The Dam Keeper,” “La Luna”
Shawn Krause – “Inside Out,” “Cars 2”
Max Lang – “Room on the Broom,” “The Gruffalo”
Nicolas Marlet – “Kung Fu Panda 3,” “How to Train Your Dragon 2”
Steve Martino – “The Peanuts Movie,” “Ice Age Continental Drift”
Dale Mayeda – “Planes: Fire & Rescue,” “Frozen”
Brian McLean – “The Boxtrolls,” “ParaNorman”
Mike Mitchell – “Alvin and the Chipmunks: Chipwrecked,” “Shrek Forever After”
Joe Moshier – “Penguins of Madagascar,” “How to Train Your Dragon 2”
James Ford Murphy – “Lava,” “Cars”
Kiel Murray – “Up,” “Cars”
Yoshiaki Nishimura – “When Marnie Was There,” “The Tale of the Princess Kaguya”
Kyle Odermatt – “Big Hero 6,” “Paperman”
Linda Campos Olszewski – “Car-Ma’,” “A Bad Hair Day”
Gabriel Osorio – “Bear Story,” “Residuos”
Sanjay Patel – “Sanjay’s Super Team,” “Tokyo Mater”
Martin Pope – “Room on the Broom,” “Chico & Rita”
Christian Potalivo – “The New Tenants,” “The Pig”
Tina Price – “Dinosaur,” “Fantasia/2000”
Peter Ramsey* – “Rise of the Guardians,” “Monsters vs Aliens”
Denise Ream – “The Good Dinosaur,” “Cars 2”
Julie Roy – “Carface,” “Kali the Little Vampire”
Damon Russell – “Curfew,” “Brink”
William Salazar – “Kung Fu Panda 3,” “Monsters vs Aliens”
Scott Santoro – “Cloudy with a Chance of Meatballs 2,” “Flushed Away”
Katherine Sarafian – “Brave,” “Lifted”
Kent Seki – “Rocky and Bullwinkle,” “Megamind”
Osnat Shurer – “One Man Band,” “Boundin’”
Mireille Soria – “Home,” “Madagascar 3: Europe’s Most Wanted”
Richard Starzak – “Shaun the Sheep Movie,” “A Matter of Loaf and Death”
Michael D. Surrey – “The Princess and the Frog,” “The Lion King”
Galyn Susman – “Ratatouille,” “Toy Story 2”
Imogen Sutton – “Prologue,” “The Thief and the Cobbler”
Dice Tsutsumi – “The Dam Keeper,” “Monsters University”
Nora Twomey – “Song of the Sea,” “The Secret of Kells”
Pablo Valle – “How to Train Your Dragon 2,” “Turbo”
Michael Venturini – “The Good Dinosaur,” “Toy Story 3”
Pierre-Olivier Vincent – “How to Train Your Dragon 2,” “How to Train Your Dragon”
Patrick Vollrath – “Everything Will Be Okay (Alles Wird Gut),” “The Jacket (Die Jacke)”
Dan Wagner – “Kung Fu Panda 3,” “Kung Fu Panda 2”
Koji Yamamura – “Muybridge’s Strings,” “Mt. Head”
Hiromasa Yonebayashi – “When Marnie Was There,” “The Secret World of Arrietty”
Raymond Zibach – “Kung Fu Panda 3,” “Sinbad: Legend of the Seven Seas”

Sound
Pud Cusack – “Free State of Jones,” “The Mask of Zorro”
Susan Dawes – “Deadpool,” “Wild”
Chris Duesterdiek – “The Revenant,” “Elysium”
Tammy Fearing – “Trainwreck,” “Bridesmaids”
Roberto Fernandez – “St. Vincent,” “Drive”
Eric Flickinger – “The Big Short,” “World War Z”
Gabriel Gutiérrez – “Automata,” “Mama”
Matthew Harrison – “Paper Towns,” “The Maze Runner”
Nina Hartstone – “The Book Thief,” “Gravity”
Michael Hertlein – “The Hateful Eight,” “American Hustle”
Paul Hsu – “Spotlight,” “Salt”
George Lara – “Chi-Raq,” “Spotlight”
Anna MacKenzie – “Spectre,” “Prometheus”
John G. Marquis – “Godzilla,” “Beautiful Creatures”
James Harley Mather – “Mission: Impossible – Rogue Nation,” “Sherlock Holmes”
Chuck Michael – “Mad Max: Fury Road,” “X-Men: Days of Future Past”
Timothy Karl Nielsen – “Racing Extinction,” “War Horse”
Eric Norris – “Unbroken,” “Man of Steel”
Ben Osmo – “Mad Max: Fury Road,” “Happy Feet Two”
Eliza Paley – “Miles Ahead,” “Carol”
Glenfield Payne – “Beasts of No Nation,” “Blue Jasmine”
Michele Perrone – “The Revenant,” “Straight Outta Compton”
Lisa Pinero – “Steve Jobs,” “Fury”
Mac Ruth – “The Martian,” “World War Z”
Christopher Scarabosio – “Star Wars: The Force Awakens,” “The Grand Budapest Hotel”
Paul P. Soucek – “Fright Night,” “Michael Clayton”
Nancy Nugent Title – “Spy,” “Dawn of the Planet of the Apes”
Richard Toenes – “Iron Man 3,” “Warrior”
Todd Toon – “The Revenant,” “The Princess and the Frog”
Bernard Weiser – “American Hustle,” “The Hurt Locker”
David White – “Mad Max: Fury Road,” “The Railway Man”
Byron Wilson – “Black Mass,” “True Grit”
Matthew R. Wood – “Star Wars: The Force Awakens,” “WALL-E”
Tamás Zányi – “Son of Saul,” “Delta”

Visual Effects
Kevin Baillie – “The Walk,” “Transformers: Age of Extinction”
Sara Bennett – “Ex Machina,” “Hercules”
Theo Bialek – “The Amazing Spider-Man 2,” “The Smurfs 2”
Richard Bluff – “The Big Short,” “Unbroken”
Steve Cremin – “Hail, Caesar!,” “The Hunger Games: Mockingjay (Parts 1 and 2)”
Lindy Wilson De Quattro – “Pacific Rim,” “Mission: Impossible – Ghost Protocol”
Adrian de Wet – “The Hunger Games: Mockingjay (Parts 1 and 2),” “The Hunger Games: Catching Fire”
Matt Dessero – “Jupiter Ascending,” “Divergent”
Deak Ferrand – “By the Sea,” “Lucy”
Ronald Frankel – “Gods of Egypt,” “Riddick”
John Gibson – “X-Men: Days of Future Past,” “Snow White and the Huntsman”
Martin Hill – “The Hunger Games: Mockingjay – Part 2,” “Furious Seven”
Bruce L. Holcomb – “Ant-Man,” “Avengers: Age of Ultron”
Andrew Jackson – “Mad Max: Fury Road,” “The Hobbit: The Battle of the Five Armies”
Matthew Jacobs – “Gods of Egypt,” “Deliver Us from Evil”
Anders Langlands – “The Martian,” “X-Men: Days of Future Past”
Seth Maury – “Night at the Museum: Secret of the Tomb,” “Maleficent”
Rich McBride – “The Revenant,” “Gravity”
Kelvin McIlwain – “Furious Seven,” “Snow White and the Huntsman”
Paul Norris – “Ex Machina,” “Mission: Impossible – Rogue Nation”
Dan Oliver – “Gods of Egypt,” “Mad Max: Fury Road”
Edward M. Pasquarello – “Paranormal Activity: The Ghost Dimension,” “Tomorrowland”
Betsy Paterson – “The Hunger Games,” “The Incredible Hulk”
Matthew Shumway – “The Revenant,” “Life of Pi”
Jason Smith – “The Revenant,” “Super 8”
Kevin Andrew Smith – “Hunt for the Wilderpeople,” “Krampus”
Simone Kraus Townsend – “Ant-Man,” “Avengers: Age of Ultron”
Stefano Trivelli – “Star Wars: The Force Awakens,” “Pan”
Adam Valdez – “Maleficent,” “World War Z”
David Vickery – “Mission: Impossible – Rogue Nation,” “Fast & Furious 6”
Steven Warner – “The Brothers Grimsby,” “The Martian”
Andrew Whitehurst – “Ex Machina,” “Paddington”
Andy Williams – “Mad Max: Fury Road,” “Fury”
Tom Wood – “Mad Max: Fury Road,” “The Last Witch Hunter”

Writers
Jonathan Aibel – “Kung Fu Panda” series, “Monsters vs Aliens”
Sherman Alexie – “The Business of Fancydancing,” “Smoke Signals”
Glenn Berger – “Kung Fu Panda” series, “Monsters vs Aliens”
Andrea Berloff – “Straight Outta Compton,” “World Trade Center”
Vera Blasi – “Tortilla Soup,” “Woman on Top”
Ryan Coogler* – “Creed,” “Fruitvale Station”
Destin Daniel Cretton – “Short Term 12,” “I Am Not a Hipster”
Emma Donoghue – “Room”
Tina Fey – “Mean Girls”
Efthimis Filippou – “The Lobster,” “Dogtooth”
Jennifer Flackett-Levin – “Little Manhattan,” “Wimbledon”
Ryan Fleck – “Mississippi Grind,” “Half Nelson”
Alex Garland – “Ex Machina,” “28 Days Later”
Drew Goddard – “The Martian,” “Cloverfield”
Ciro Guerra* – “Embrace of the Serpent,” “The Wind Journeys”
Mia Hansen-Løve* – “Eden,” “The Father of My Children”
Marielle Heller* – “The Diary of a Teenage Girl”
David Henry Hwang – “Possession,” “Golden Gate”
O’Shea “Ice Cube” Jackson* – “The Players Club,” “Friday”
Jia Zhangke – “Mountains May Depart,” “Still Life”
Miranda July – “The Future,” “Me and You and Everyone We Know”
Laeta Kalogridis – “Terminator Genisys,” “Shutter Island”
Naomi Kawase* – “Still the Water,” “Firefly”
Richard Kelly – “Domino,” “Donnie Darko”
Takeshi Kitano – “Outrage,” “Kikujiro”
Hirokazu Koreeda – “Like Father, Like Son,” “Nobody Knows”
Yorgos Lanthimos – “The Lobster,” “Dogtooth”
Lee Chang-dong – “Poetry,” “Oasis”
Sebastián Lelio – “Gloria,” “Navidad”
Mark Levin – “Journey to the Center of the Earth,” “Nim’s Island”
Tobias Lindholm* – “A War,” “The Hunt”
Adam McKay* – “The Big Short,” “The Other Guys”
Rebecca Miller* – “Maggie’s Plan,” “The Ballad of Jack and Rose”
Abi Morgan – “Suffragette,” “The Iron Lady”
Cristian Mungiu* – “Beyond the Hills,” “Occident”
Phyllis Nagy – “Carol”
László Nemes* – “Son of Saul”
Park Chan-wook* – “Thirst,” “Oldboy”
Charles Randolph – “The Big Short,” “The Life of David Gale”
Carlos Reygadas – “Silent Light,” “Battle in Heaven”
Clara Royer – “Son of Saul”
Misan Sagay – “Belle,” “The Secret Laughter of Women”
Lorene Scafaria – “The Meddler,” “Nick & Norah’s Infinite Playlist”
Josh Singer – “Spotlight,” “The Fifth Estate”
Keenan Ivory Wayans* – “White Chicks,” “A Low Down Dirty Shame”
Alice Winocour – “Mustang,” “Home”

Members-at-Large
Tina Anderson
M. James Arnett
Dana Belcastro
Schawn Belston
Katherine Beyda
Lynwen Brennan
Camille Cellucci
Annie Chang
Yolanda T. Cochran
Gary Combs
Jenny Fulle
Theodore E. Gluck
Hal H. Haenel
Ramzi Haidamus
Eunice Huthart
Jeff Imada
Stephanie A. Ito
Mike Knobloch
Ravi D. Mehta
Sunny Park
Manny Perry
Ana Maria Quintana
Nancy St. John
Philip Steuer
Keith Woulard
Susan Zwerman

Associates
Adriana Alberghetti
Michelle Bohan
David Bugliari
John Campisi
Esther Chang
Maha Dakhil
David DeCamillo
Jerome Duboz
Helen du Toit
Jeff Gorin
Julie Huntsinger
Tracey R. Jacobs
Adam J. Kanter
Craig Kestel
Franklin Leonard
Betsy A. McLane
Cameron Mitchell
Andrea Nelson Meigs
Emanuel Nunez
Joanelle Romero
Rena Ronson
Lara Sackett
Carin Sage
Phillip Sun
Joanne Roberts Wiles
Warren Zavala

Cannes: Indicados à Palma de Ouro 2016

Pôster da 69ª edição do Festival de Cannes: homenagem ao filme O Desprezo, de Jean-Luc Godard (photo by thehollywoodreporter.com)

Pôster da 69ª edição do Festival de Cannes: homenagem ao filme O Desprezo, de Jean-Luc Godard (photo by thehollywoodreporter.com)

GRANDES NOMES DO CINEMA INTERNACIONAL ESTÃO REUNIDOS NESTA EDIÇÃO DO FESTIVAL DE CANNES

Não me recordo de um ano tão repleto de nomes consagrados como este em Cannes. Olha o naipe dos profissionais: Pedro Almodóvar, Olivier Assayas, Jean-Pierre e Luc Dardenne, Cristian Mungiu, Andrea Arnold, Park Chan-wook, Ken Loach, Xavier Dolan, Jeff Nichols, Nicolas Winding Refn, Jim Jarmusch, Sean Penn e um dos meus favoritos: Paul Verhoeven. Isso sem contar aqueles que não estão competindo como Woody Allen, Steven Spielberg e Jodie Foster. Resumindo: O presidente do júri, George Miller, indicado ao Oscar pelo fenomenal Mad Max: Estrada da Fúria, terá muito trabalho para garimpar os melhores. Esperamos que suas escolhas sejam tão ousadas como seus filmes!

Presidente do Júri de Cannes 2016: George Miller (photo by Carl Court/AFP)

Presidente do Júri de Cannes 2016: George Miller (photo by Carl Court/AFP)

Para nós, brasileiros, a grande notícia vem com a participação de um filme brasileiro após 4 anos na competição oficial. O último havia sido Na Estrada (2012), de Walter Salles, que na verdade é uma co-produção entre Brasil, Argentina, EUA, Reino Unido, França e Canadá. Se for contar uma produção 100% brasileira, ainda assim, a marca fica com Walter Salles; ele competiu com o drama urbano Linha de Passe em 2008, e saiu com o prêmio de interpretação feminina para Sandra Corveloni. A bola da vez atende pelo nome de Kleber Mendonça Filho, que ficou conhecido por O Som ao Redor, drama que aborda a questão da violência numa rua de Recife.
Da esquerda para a direita: os atores Julia Bernat, Sonia Braga e Pedro Queiroz em cena do longa Aquarius, de Kleber Mendonça Filho (photo by folha.com.br)

Da esquerda para a direita: os atores Julia Bernat, Sonia Braga e Pedro Queiroz em cena do longa Aquarius, de Kleber Mendonça Filho (photo by folha.com.br)

Ele trilha o caminho dos críticos da revista francesa Cahiers du Cinema, como François Truffaut, que deixaram as críticas e se tornaram cineastas. Seu segundo longa, intitulado Aquarius, aparentemente possui uma sinopse com tons fantasiosos: No Recife, uma viúva de 60 anos briga com uma construtora que está querendo comprar seu apartamento para demolir todo o edifício. Ela teria habilidades de viajar no tempo (!). Um dos grandes trunfos do filme seria a presença magnética da madame do cinema nacional Sonia Braga. Indicada a três Globos de Ouro nas décadas de 80 e 90, ainda possui prestígio em produções internacionais, e pode (por que não?) iniciar uma nova fase em sua carreira. A respeito de sua escolha como protagonista, o diretor explicou em entrevista à Folha de S. Paulo: “A personagem é muito específica, surpreendentemente, uma pessoa 3D num filme não 3D. Tinha que ser alguém interessante e profissional. Numa reunião com amigos, alguém disse ‘Sonia Braga’. Respondi ‘puta que o pariu, seria incrível’.”
Elle Faning em cena de The Neon Demon, novo trabalho de Nicolas Winding Refn (photo by cine.gr)

Elle Faning em cena de The Neon Demon, novo trabalho de Nicolas Winding Refn (photo by cine.gr)

Além de penca de diretores renomados, o tapete vermelho de Cannes contará com celebridades hollywoodianas como Charlize Theron, George Clooney, Julia Roberts, Russell Crowe, Ryan Gosling, Kristen Stewart, Jesse Eisenberg, Shia LaBeouf, Mark Rylance, Rebecca Hall, além de astros internacionais como Marion Cotillard, Léa Seydoux, Vincent Cassel, Isabelle Huppert e Javier Bardem. Atores que se tornaram diretores como Jodie Foster e Sean Penn também devem ter presença garantida no evento.
Dentre as 20 produções indicadas à Palma de Ouro, apenas uma é latino-americana: justamente o Aquarius. 13 são europeus, 3 americanos, um canadense e dois asiáticos. Curiosamente, não há filmes italianos em busca do prêmio máximo; apenas na mostra Un Certain Regard. Alguns jornalistas também reclamaram da ausência de produções mexicanas, mas enfim, é muito difícil agradar a todos, já que quando se trata de Arte, não existem cotas. No quesito competição, temos três diretores vencedores da Palma de Ouro: o britânico Ken Loach, o romeno Cristian Mungiu e os irmãos belgas Jean-Pierre e Luc Dardenne, que já venceram duas vezes.
Isabelle Huppert em cena de Elle, de Paul Verhoeven (photo by cine.gr)

Isabelle Huppert em cena de Elle, de Paul Verhoeven (photo by cine.gr)

Ao contrário das premiações hollywoodianas, é difícil prever algum tipo de vencedor em Cannes, uma vez que os membros do júri mudam todos os anos. Se formos levar em consideração os filmes de ação (os 4 Mad Max) do presidente do júri, George Miller, os filmes mais estranhos e de estética dinâmica têm seu favoritismo. São os casos do sul-coreano The Handmaiden, do diretor de Oldboy, Park Chan-wook; o dinamarquês The Neon Demon, de Nicolas Winding Refn; e Elle, do holandês Paul Verhoeven. Todos sabem filmar muito bem, com um estilo bem peculiar e têm suas obsessões bizarras. MAS… Vale lembrar que o mesmo George Miller já dirigiu dramas chorosos como O Óleo de Lorenzo e a animação familiar Happy Feet: O Pinguim.
Cena do filme sul-coreano The Handmaiden, de Park Chan-wook (photo by cine.gr)

Cena do filme sul-coreano The Handmaiden, de Park Chan-wook (photo by cine.gr)

Particularmente, considero o cinema sul-coreano muito bonito esteticamente, mas suas bizarrices e alto teor de violência acabam minando suas chances em premiações (o país nunca recebeu uma única indicação ao Oscar de Filme em Língua Estrangeira), já que muitos votantes são senhores que evitam tramas violentas demais. Talvez com um presidente do júri mais adepto a esse “gênero”, existem altas expectativas para que o cinema sul-coreano ganhe sua primeira Palma de Ouro. Em 2003, ele levou o Grande Prêmio do Júri por Oldboy (uma espécie de segundo lugar), quando Quentin Tarantino era presidente do júri.

INDICADOS À PALMA DE OURO:

FILME DE ABERTURA

  • Cafe Society
    Dir: Woody Allen
Jesse Eisenberg e Kristen Stewart recebem direções de Woody Allen em set de Café Society (photo by cine.gr)

Jesse Eisenberg e Kristen Stewart recebem direções de Woody Allen em set de Café Society (photo by cine.gr)

COMPETIÇÃO

  • Acquarius
    Dir: Kleber Mendonca Filho
  • American Honey
    Dir: Andrea Arnold
  • Baccalaureat
    Dir: Cristian Mungiu
  • Elle
    Dir: Paul Verhoeven
  • From the Land of the Moon
    Dir: Nicole Garcia
  • The Handmaiden
    Dir: Park Chan-wook
  • I, Daniel Blake
    Dir: Ken Loach
  • It’s Only the End of the World
    Dir: Xavier Dolan
  • Julieta
    Dir: Pedro Almodóvar
  • The Last Face
    Dir: Sean Penn
  • Loving
    Dir: Jeff Nichols
  • Ma’ Rosa
    Dir: Brillante Mendoza
  • The Neon Demon
    Dir: Nicolas Winding Refn
  • Paterson
    Dir: Jim Jarmusch
  • Personal Shopper
    Dir: Olivier Assayas
  • Sierra-Nevada
    Dir: Cristi Puiu
  • Slack Bay
    Dir: Bruno Dumont
  • Staying Vertical
    Dir: Alain Guiraudie
  • Toni Erdmann
    Dir: Maren Ade
  • The Unknown Girl
    Dir: Jean-Pierre e Luc Dardenne
Cena do novo filme de Pedro Almodóvar, Julieta, com Emma Suárez e Adriana Ugarte (photo by outnow.ch)

Cena do novo filme de Pedro Almodóvar, Julieta, com Emma Suárez e Adriana Ugarte (photo by outnow.ch)

FORA DE COMPETIÇÃO

– The BFG
Dir: Steven Spielberg

– Goksung
Dir: Na Hong-jin

Money Monster
Dir: Jodie Foster

– Nice Guys
Dir: Shane Black

Ruby Barnhill em cena de O Bom Gigante Amigo, de Steven Spielberg (photo by cine.gr)

Ruby Barnhill em cena de O Bom Gigante Amigo, de Steven Spielberg (photo by cine.gr)

UN CERTAIN REGARD

* After the Storm
Dir: Hirokazu Kore-eda

* Apprentice
Dir: Boo Junfeng

* Beyond the Mountains and Hills
Dir: Eran Kolirin

Captain Fantastic
Dir: Matt Ross
* Clash
Dir: Mohmaed Diab
* The Dancer
Dir: Stephanie Di Giusto
* The Disciple
Dir: Kirill Serebrennikov
* Dogs
Dir: Bogdan Mirica
* The Happiest Day in the Life of Olli Maki
Dir: Juho Kuosmanen
* Harmonium
Dir: Fukada Koji
* Inversion
Dir: Behnam Behzadi
* The Long Night of Francisco Sanctis
Dir: Andrea Testa
* Pericles the Black Man
Dir: Stefano Mordini
* Personal Affairs
Dir: Maha Haj
* The Red Turtle
Dir: Michael Dudok de Wit
The Transfiguration
Dir: Michael O’Shea
* Voir du Pays
Dir: Delphine Coulin, Muriel Coulin

MIDNIGHT SCREENINGS

* Gimme Danger
Dir: Jim Jarmusch

* Train to Busan
Dir: Yeon Sang-ho

SPECIAL SCREENINGS

* Le Cancre
Dir: Paul Vecchiali

* Exil
Dir: Rithy Panh
* A Chad Tragedy
Dir: Mahamat-Saleh Haroun
* The Last Beach
Dir: Thanos Anastopoulos, Davide Del Degan
* Last Days of Louis XIV
Dir: Albert Serra
A 69ª edição do Festival de Cannes começa no dia 11 de maio e vai até o dia 22.

Nove filmes seguem em busca do Oscar de Filme em Língua Estrangeira 2016. Brasil fica de fora mais uma vez…

mustang

Cena do representante da França, Cinco Graças, um dos filmes classificados para a próxima fase (photo by cine.gr)

ACADEMIA LIMA 72 PRODUÇÕES DA COMPETIÇÃO. O FAVORITO O FILHO DE SAUL PERMANECE NO PÁREO.

Toda vez que vou postar algo relacionado à categoria de Melhor Filme em Língua Estrangeira, a expressão: “Vira o disco” me vem à mente. Desde que fundei esse blog, é a categoria que mais reclamo, pois é a que mais necessita de uma reforma.

Primeiramente, vamos às notícias. Saiu a lista dos 9 filmes pré-selecionados dos 81 filmes internacionais inscritos. As 72 produções não-selecionadas podem dar adeus às chances de ganhar o Oscar, inclusive o filme brasileiro Que Horas Ela Volta?.

A War (photo by cine.gr)

A War, de Tobias Lindholm (photo by cine.gr)

Segue a lista:

The Brand New Testament (Le Tout Nouveau Testament), de Jaco Van Dormael – BÉLGICA
O Abraço da Serpente (El Abrazo de la Serpiente), de Ciro Guerra – COLÔMBIA
A War (Krigen), de Tobias Lindholm – DINAMARCA
O Esgrimista (Miekkailija), de Klaus Härö – FINLÂNDIA
Cinco Graças (Mustang), de Deniz Gamze Ergüven – FRANÇA
Labirinto de Mentiras (Im Labyrinth des Schweigens), de Giulio Ricciarelli – ALEMANHA
O Filho de Saul (Saul fia), de László Nemes – HUNGRIA
Viva, de Paddy Breathnach – IRLANDA
Theeb, de Naji Abu Nowar – JORDÂNIA

Claro que é difícil você criticar ou mesmo elogiar filmes sem ter visto, e alguns desses selecionados acima podem ser até de ótima qualidade, mas havia alguns títulos que sequer passaram dessa primeira triagem e eram considerados fortes candidatos como o taiwanês A Assassina, o sueco Um Pombo Pousou num Galho Refletindo Sobre a Existência, o austríaco Boa Noite, Mamãe e o brasileiro Que Horas Ela Volta?, que vinha conquistando seu espaço na temporada, principalmente depois da indicação ao Critics’ Choice Awards. Apesar de ter declarado que não acreditava em indicação, nas últimas semanas, confesso que estava mais confiante na passagem do Brasil, pelo menos nessa primeira peneira. Infelizmente, Central do Brasil continuará sendo nosso último representante indicado por mais um ano.

O Esgrimista (photo by cine.gr)

O Esgrimista, de Klaus Härö  (photo by cine.gr)

Aí você vai perguntar: “Mas não existe o Comitê de Filme em Língua Estrangeira justamente pra evitar essas ausências?”. Sim, existe, mas dessa lista de 9, o comitê seleciona apenas 3 com base em méritos artísticos e grau de importância em premiações e festivais. Os outros 6 são resultado dos votantes idosos que comparecem às sessões vespertinas para poder votar com base em suas taras obsessivas por filmes de temática bélica e Holocausto.

Uns dois anos atrás, fiz essa análise para tentar deduzir de onde vinham os votos desses 9 filmes. Vamos dar uma olhada no que temos este ano:

The Brand New Testament, de (photo by outnow.ch)

The Brand New Testament, de Jaco Van Dormael (photo by outnow.ch)

1. The Brand New Testament
Comédia sobre uma nova versão da bíblia, onde Deus estaria vivo e vivendo em Bruxelas com a filha. Apesar do tema religioso, tem Catherine Deneuve no elenco, e recentemente foi indicado ao Globo de Ouro. COMITÊ

2. O Abraço da Serpente
Drama em preto-e-branco sobre relação entre shaman amazônico e dois cientistas que buscam uma planta milagrosa. Foi indicado ao Independent Spirit Awards. VOTANTES

3. A War
Drama sobre a Guerra do Afeganistão e os crimes de guerra cometidos pelo comandante dinamarquês. COMITÊ

4. O Esgrimista
Fugindo da polícia secreta russa, jovem esgrimista estoniano é forçado a voltar para seu país, onde se torna professor de educação física numa escola local. VOTANTES

5. Cinco Graças
Cinco irmãs adolescentes amantes da liberdade são mantidas aprisionadas em casa pelos pais, depois que uma brincadeira inocente com meninos vai à tona. Casamentos passam a ser arranjados em seguida. Indicado ao Globo de Ouro e Independent Spirit Awards. VOTANTES

6. Labirinto de Mentiras
15 anos após a Segunda Guerra Mundial, os nazistas estão esquecidos até o dia em que um promotor público reconhece um comandante de Auschwitz dando aulas livremente. VOTANTES

7. O Filho de Saul
Saul trabalha no campo de concentração queimando corpos. Quando reconhece o corpo de seu filho, ele se arrisca para poder enterrá-lo. VOTANTES

8. Viva
Ao fazer uma performance como drag queen, jovem é surpreendido pelo pai, que estava ausente há 15 anos. Na volta da convivência, eles precisam acertar suas diferenças.  COMITÊ

9. Theeb
Theeb é um menino que tem a missão de guiar um oficial britânico pelo deserto durante a Primeira Guerra Mundial. VOTANTES

Viva (photo by cine.gr)

Viva, de Paddy Breathach (photo by cine.gr)

Como postei anteriormente, o ideal seria se a categoria estendesse o número de seus indicados para dez. Garimpar 10 produções americanas boas no ano pode ser difícil às vezes, mas 10 filmes mundo afora? Mais fácil do que indicar Meryl Streep! Mas aí vem a outra questão: chega de filmes só de guerra e nazismo! Vamos diversificar! Para isso, as regras precisam mudar. Por que não formar um comitê com profissionais internacionais e um americano? Como se fosse um júri de festival, que mudaria anualmente.

Theeb (photo by cine.gr)

Theeb, de Naji Abu Nowar (photo by cine.gr)

Por exemplo: Este ano, o comitê selecionado pela Academia será composto por David Lynch (diretor americano) e os internacionais: Pedro Almodóvar (Espanha), Zhangke Jia (China), Guillermo Del Toro (México), Jacques Audiard (França) e Walter Salles (Brasil). Eles se comprometeriam a assistir aos 81 filmes e selecionar os 5 finalistas, que aí poderiam ser votados pelos membros da Academia.

O Abraço da Serpente, de Ciro Guerra (photo by cine.gr)

O Abraço da Serpente, de Ciro Guerra (photo by cine.gr)

Enfim, todo ano faço sugestões na vã esperança de que algum dia um membro da Academia receba essa informação e cause alguma mudança. Acho uma categoria muitas vezes tratada como secundária, até mesmo pelos apresentadores do prêmio que chegam ao palco com aquela cara de “por que não me colocaram para apresentar Melhor Filme ou Diretor?”, mas que deveria ser mais valorizada pela instituição, cuja cerimônia depende dos números de audiência além da fronteira americana.

Labyrinth of Lies

Labirinto de Mentiras, de Giulio Ricciarelli (photo by cine.gr)

Contudo, acho que até o público já se habituou a ver filmes de Segunda Guerra Mundial e campos de concentração ganharem nessa categoria. E nesse quesito, nenhum outro representante melhor do que o húngaro O Filho de Saul, que deve ter passado para a segunda fase com sobras. Vi o filme de László Nemes na Mostra Internacional de Cinema, e pode ser que minha opinião crítica tenha sido afetada por todas essas questões que citei, mas o filme não me impressionou. Basicamente é a mesma história de sempre, mas com o diferencial de que a história toda do pai que quer enterrar o filho é filmada com “câmera na mão” (steadycam) e colada no protagonista o filme todo, deixando boa parte do fundo desfocada.

O Filho de Saul, de László Nemes (photo by cine.gr)

O Filho de Saul, de László Nemes (photo by cine.gr)

A lista dos 9 filmes não me agrada à princípio, porque gosto de ver coisas diferentes, ainda mais nessa categoria super manjada. Por isso estava na torcida pelo austríaco Boa Noite, Mamãe, que tem um terror psicológico que há muito não vejo por aqui… Gostaria muito que o chileno O Clube estivesse concorrendo, pois achei um dos melhores do ano por sua coragem em abordar o tema dos padres que cometeram abuso sexual, ao mesmo tempo em que deixa um forte desconforto no espectador. Daria uma ótima combinação para acompanhar um dos favoritos ao Oscar, Spotlight – Segredos Revelados, que trata do mesmo tema.

Na atual conjuntura, torço pelos The Brand New Testament e A War, porque parecem apresentar algo mais inusitado, e coincidentemente ou não, dois filmes que acredito que foram selecionados pelo Comitê. E claro, torço para que os selecionados apresentem algo a mais além da temática.

O anúncio dos 5 indicados a Melhor Filme em Língua Estrangeira será no dia 14 de janeiro.

Definidos 9 semi-finalistas para Filme Estrangeiro no Oscar 2014. Brasileiro “O Som ao Redor” fica de fora

Michael Haneke recebendo o Oscar de Filme Estrangeiro das mãos de Jennifer Garner (photo by umikarahajimaru.at.webry.info)

Michael Haneke recebendo o Oscar de Filme Estrangeiro das mãos de Jennifer Garner (photo by umikarahajimaru.at.webry.info)

Seguindo o calendário da categoria de Melhor Filme Estrangeiro, a Academia divulgou os nove semi-finalistas que disputarão as cinco indicações. Trata-se de uma vitória e tanto estar entre esses nove, afinal havia 76 filmes de várias partes do mundo concorrendo às 5 vagas acirradas.

Sem delongas, eis os nove selecionados:

  • The Broken Circle Breakdown, de Felix van Groeningen (BÉLGICA)
  • An Episode in the Life of an Iron Picker, de Danis Tanovic (BÓSNIA E HERZEGOVINA)
  • The Missing Picture, de Rithy Panh (CAMBOJA)
  • A Caça, de Thomas Vinterberg (DINAMARCA)
  • Two Lives, de Georg Maas (ALEMANHA)
  • O Grande Mestre, de Wong Kar-wai (HONG KONG)
  • The Notebook, de Janós Szász (HUNGRIA)
  • A Grande Beleza, de Paolo Sorrentino (ITÁLIA)
  • Omar, de Hany Abu-Assad (PALESTINA)

Logo de cara, a ausência mais sentida é a de Azul é a Cor Mais Quente, de Abdellatif Kechiche. Depois de ter vencido a Palma de Ouro em Cannes, o filme vem conquistando vários prêmios, inclusive foi indicado ao Globo de Ouro e recentemente o Critics’ Choice Award. Contudo, devido às regras ultrapassadas da Academia, o filme não pôde representar a França na categoria de Filme Estrangeiro por não ter estreado em seu país até setembro deste ano. Pode concorrer ainda por outras categorias como Atriz (Adèle Exarchopoulos), Atriz Coadjuvante (Léa Seydoux) e Roteiro Adaptado. O representante da França, Renoir, de Gilles Bourdos, ficou de fora da corrida.

Azul é a Cor Mais Quente, de Abdellatif Kechiche: Fora do Oscar de Filme Estrangeiro (photo by www.elfilm.com)

Azul é a Cor Mais Quente, de Abdellatif Kechiche: Fora do Oscar de Filme Estrangeiro (photo by http://www.elfilm.com)

Por um lado, fico triste pela ausência do filme na disputa pela redução na qualidade da categoria, mas por outro lado, conhecendo o conservadorismo dos votantes da Academia (um bando de velhos viciado em filmes sobre o Holocausto), tenho quase certeza de que o filme francês não teria chances reais de Oscar por sua temática homossexual e cenas longas e praticamente explícitas de sexo. Os mesmos votantes homofóbicos que preteriram O Segredo de Brokeback Mountain, sobre o amor entre dois caubóis, certamente tirariam Azul é a Cor Mais Quente da jogada.

BÉLGICA: Broken Circle Breakdown, de

BÉLGICA: The Broken Circle Breakdown, de Felix van Groeningen

O fato de vários filmes aclamados pela crítica ficarem de fora nos últimos anos, como em 2003 o espanhol Fale com Ela, de Pedro Almodóvar, tem chamado a atenção para alterações nos protocolos do Oscar. Em outubro, o presidente do comitê de filmes estrangeiros, Mark Johnson, prometeu que faria “mudanças radicais”, mas infelizmente, a alteração mais significativa não deu conta do recado. Os votantes teriam direito a eleger seis produções, e a comissão elegeria os outros três tendo como base o reconhecimento da crítica e dos festivais.

An Episode of an Iron Picker, de Danis Tanovic (photo by http://www.berlinale.de/)

BÓSNIA E HERZEGOVINA: An Episode of an Iron Picker, de Danis Tanovic (photo by http://www.berlinale.de/)

Tal “radicalismo” está longe de ser a tão sonhada reforma das regras da categoria para filmes estrangeiros. Primeiramente, devido ao crescente número de concorrentes, deveriam estender o número de indicados para dez. Se em toda cerimônia, eles se gabam de que há bilhões de pessoas assistindo ao redor do mundo, por que não agradar os cinéfilos e cineastas fora dos Estados Unidos?

The Missing Picture, de Rithy Panh, que levou o Un Certain Regard

CAMBOJA: The Missing Picture, de Rithy Panh, que levou o Un Certain Regard

Então, dessas dez produções, 5 deveriam vir dos mais bem votados pelos críticos americanos (a média geral do NYFCC, LAFCA e demais estados e do National Board of Review), valorizando o trabalho dessas associações que visam destacar os melhores filmes do ano, e os outros 5 seriam eleitos pelo modo convencional de triagem. MAS de forma que facilite a vida dos votantes que trabalham, disponibilizando cópias de DVD/Blu-Ray, pois do jeito que está, com sessões vespertinas, apenas membros aposentados votam, elegendo filmes de temática judaica, 2ª Guerra Mundial e com quase zero de violência e sexo. Praticamente uma censura da época da ditadura militar.

DINAMARCA: A Caça, de Thomas Vinterberg (photo by www.elfilm.com)

DINAMARCA: A Caça, de Thomas Vinterberg (photo by http://www.elfilm.com)

Os comitês que elegem os representantes de cada país já conhecem esse sistema, e por isso, costumam selecionar produções com roteiros nessa direção. Até mesmo o Brasil enviou em 2006: O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias, de Cao Hamburger, e em 2004: Olga, de Jayme Monjardim. O primeiro chegou a passar entre os semi-finalistas, mas não obteve a indicação. O Brasil não tem um filme indicado desde 1999, quando Central do Brasil concorreu também por Melhor Atriz para Fernanda Montenegro.

ALEMANHA: Two Lives, Georg Mass (photo by www.cinemagia.ro)

ALEMANHA: Two Lives, Georg Mass (photo by http://www.cinemagia.ro)

Claro que essa sugestão seria uma utopia no momento, mas os próprios membros do comitê de Filme Estrangeiro almejam mudanças há tempos. Acho que só precisam encontrar o meio certo para que a categoria se torne mais abrangente e justa. Espero que até o centenário do Oscar (estamos na 86ª edição), esse empecilho já esteja resolvido, pois o cinema americano anda cada vez mais dependente de produções estrangeiras como fonte de inspiração (vide as quinhentas refilmagens) e dos próprios profissionais estrangeiros que recebem oportunidade de trabalhar na indústria hollywoodiana.

The Grandmaster, de Wong Kar-Wai (photo by www.berlinale.de)

HONG KONG: The Grandmaster, de Wong Kar-Wai (photo by http://www.berlinale.de)

Enquanto esse impasse não é resolvido, o jeito é analisar a lista dos nove pré-selecionados. Temos as ausências significativas de The Past, de Asghar Farhadi (Irã), O Sonho de Wadjda, de Haifaa Al-Mansour (Arábia Saudita), Gloria, de Sebastián Lelio (Chile), Instinto Materno, de Calin Peter Netzer (Romênia), The Rocket, de Kim Mordaunt (Austrália) e do brasileiro O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho. Gostaria muito que o filme nacional fosse escolhido para incentivar produções independentes brasileiras e a produção cinematográfica atual, que depende demais de incentivos fiscais de empresas desinteressadas e do império da Globo Filmes, que tem feito TV no Cinema.

HUNGRIA: The Notebook, de Janós (photo by www.elfilm.com)

HUNGRIA: The Notebook, de Janós Szász (photo by http://www.elfilm.com)

Dentre os semi-finalistas, é curioso adivinhar qual filme foi escolhido pelos votantes (os judeus idosos) e pelo comitê (baseado no reconhecimento da crítica).

1. The Broken Circle Breakdown, de Felix van Groeningen (BÉLGICA)
Filme sobre diferenças religiosas numa família. COMITÊ

2. An Episode in the Life of an Iron Picker, de Danis Tanovic (BÓSNIA E HERZEGOVINA)
História real de um catador de lixo que luta por tratamento médico para sua esposa doente. VOTANTES

3. The Missing Picture, de Rithy Panh (CAMBOJA)
Documentário sobre as atrocidades do Khmer Vermelho no Camboja utilizando bonecos de argila. Venceu o prêmio Un Certain Regard no último Festival de Cannes. VOTANTES

4. A Caça, de Thomas Vinterberg (DINAMARCA)
Um homem é acusado de pedofilia numa pequena cidade. Indicado à Palma de Ouro, e Mads Mikkelsen ganhou o prêmio de Melhor Ator em Cannes. COMITÊ

5. Two Lives, de Georg Maas (ALEMANHA)
Uma mulher esconde sua identidade para desvendar segredo que envolve a 2ª Guerra Mundial. VOTANTES

6. O Grande Mestre, de Wong Kar-wai (HONG KONG)
História sobre a vida do mestre em artes marciais, Ip Man, que treinou Bruce Lee. VOTANTES

7. The Notebook, de Janos Szasz (HUNGRIA)
Os horrores da 2ª Guerra Mundial na visão de dois irmãos gêmeos de 13 anos. VOTANTES

8. A Grande Beleza, de Paolo Sorrentino (ITÁLIA)
Depois da morte de um amor antigo, escritor passa por crise existencial em Roma. Foi indicado à Palma de Ouro e o Globo de Ouro. COMITÊ

9. Omar, de Hany Abu-Assad (PALESTINA)
Estudo da vida e relações entre a fronteira palestina. VOTANTES

ITÁLIA: A Grande Beleza, de Paolo Sorrentino (photo by www.elfilm.com)

ITÁLIA: A Grande Beleza, de Paolo Sorrentino (photo by http://www.elfilm.com)

Claro que o fato de ter sido escolhido pelos votantes conservadores não significa que o filme seja ruim. Às vezes, eles acertam como nas recentes vitórias de A Vida dos Outros em 2007, e O Segredo dos Seus Olhos em 2010. Mas denota uma fixação doentia por roteiros que envolvam fatos históricos como a guerra. Vamos virar o disco?

As indicações que revelarão os cinco escolhidos serão anunciadas no dia 16 de janeiro.

PALESTINA: Omar, de (photo by www.outnow.ch)

PALESTINA: Omar, de Hany Abu-Assad (photo by http://www.outnow.ch)