‘ROMA’ e ‘A FAVORITA’ LIDERAM as INDICAÇÕES ao OSCAR 2019 com 10 INDICAÇÕES CADA

Roma 2

Cena da praia de Roma, indicado a 10 Oscars.

‘ROMA’ SE TORNA PRIMEIRA PRODUÇÃO NETFLIX INDICADA A MELHOR FILME

Na manhã desta terça, dia 22, os atores Kumail Nanjiani e Tracee Ellis Ross se encarregaram do anúncio das indicações ao Oscar 2019.

Não sei se sou conservador, mas ainda prefiro o antigo modo de anúncio das indicações, com o presidente da Academia acompanhado de algum ator ou atriz, e ao fundo, as imagens dos filmes, atores e diretores indicados. Fica tudo mais ilustrativo e dinâmico. Colocar apenas um painel com os nomes fica muito sem graça… Apesar de gostar dos dois apresentadores, achei as piadinhas meio bobas…

NÚMEROS DA 91ª EDIÇÃO DO OSCAR

Que A Favorita seria recordista de indicações desta edição ninguém duvidava, mas o que poucos previam era que a liderança seria compartilhada com o mexicano Roma, primeira produção Netflix a concorrer para Melhor Filme, e que poderia ter conquistado mais uma indicação por Montagem. Ambos os filmes conquistaram 10 indicações cada, incluindo Filme, Direção e Roteiro.

the favourite oscar

Rachel Weisz e Olivia Colma, ambas indicadas por A Favorita

Empatados em segundo lugar, com oito indicações cada estão Vice e Nasce uma Estrela. A grande diferença entre os dois é que o diretor Bradley Cooper não foi indicado como Melhor Diretor, o que enfraquece bastante suas chances de vitória, uma vez que dificilmente uma produção leva Melhor Filme sem ter seu diretor sequer indicado na categoria respectiva. A ausência de Cooper foi uma das mais notáveis, pois ele vinha recebendo altos elogios pela sua estréia na direção, tendo sido indicado inclusive pelo Sindicato de Diretores (DGA).

Em terceiro lugar, com sete indicações, a surpresa que todos já sabiam que iria acontecer: Pantera Negra. Com a suspensão do tal Oscar de Filme Popular, muitos acreditavam que a produção da Marvel Studios conseguiria uma vaga para Melhor Filme, justificando a repercussão mundial no âmbito cultural e comercial. Trata-se do primeiro filme de super-heróis a conquistar uma indicação a Melhor Filme no Oscar em 91 anos de história da Academia. Curiosamente, tal acontecimento só foi possível graças a outro filme de super-herói de 2008, Batman: O Cavaleiro das Trevas, cuja ausência foi bastante criticada no Oscar, aumentando para dez indicados a Melhor Filme no ano seguinte.

Com seis indicações, Infiltrado na Klan resgata o cineasta Spike Lee, coroando-o com sua primeira indicação de Diretor, assim como de Produtor. Num ano sem um franco-favorito e com alguns filmes sem chance de levar Melhor Filme, este pode se tornar um forte candidato na reta final. Além de ter seu diretor reconhecido, tem roteiro adaptado, montagem e Ator Coadjuvante (Adam Driver).

Bohemian Rhapsody e Green Book: O Guia empataram com cinco indicações cada. Enquanto o primeiro basicamente se apoia na performance de Rami Malek, o segundo se sustenta pela química entre Viggo Mortensen e Mahershala Ali, no roteiro sobre racismo com bom humor e que, recentemente, levou o importante prêmio do Producers Guild of America (PGA), que costuma prever o vencedor do Oscar de Melhor Filme.

SURPRESAS e INJUSTIÇAS

A primeira grande surpresa veio logo na primeira categoria anunciada: a mexicana Marina Tavira indicada como Atriz Coadjuvante por Roma. Ela recebeu elogios, mas nada comparado a uma indicação como esta. As excluídas foram Margot Robbie por Duas Rainhas e Claire Foy por O Primeiro Homem.

roma team

O diretor Alfonso Cuarón com suas atrizes indicadas ao Oscar: Yalitza Aparicio e Marina de Tavira (pic by IMDb)

Yalitza Aparicio, por mais desconhecida que seja também, ainda integrou a lista do Critics’ Choice Awards. Emily Blunt foi a grande esnobada, já que poderia ter concorrido por O Retorno de Mary Poppins como Atriz e por Um Lugar Silencioso como Coadjuvante. Pena que nessa dança de cadeiras, outra excluída foi Toni Collette pela ótima performance em Hereditário

Na ala masculina, a grande ausência foi de Timothée Chalamet por Querido Menino, que deu lugar a Sam Rockwell por Vice. Na categoria de Ator, Willem Dafoe ficou com a última vaga, que poderia ter ido para Ethan Hawke por No Coração da Escuridão, que pelo menos foi lembrado como Roteiro Original escrito por Paul Schrader, que foi responsável pelos roteiros de Taxi Driver e Touro Indomável.

Na categoria de Direção, a ausência praticamente inexplicável foi de Bradley Cooper, que vinha aparecendo em todas as listas de premiação. Ele foi substituído pelo polonês Pawel Pawlikowski por Guerra Fria. Aliás, não me lembro do último ano em que vi dois diretores de filmes estrangeiros na categoria. Pawlikowski concorre com Alfonso Cuarón, que está indicado a Melhor Filme Estrangeiro por Roma. E curiosamente, também temos um diretor grego, Yorgos Lanthimos, mas que concorre por um filme britânico, A Favorita.

Cold War 2

Guerra Fria: Indicado a Diretor, Fotografia e Filme em Língua Estrangeira

Já li algumas matérias reclamando da falta de mulheres na categoria de direção, mas pelo que acompanhamos até aqui na temporada, nenhuma delas se destacou a ponto de ser uma garantia no Oscar. Alguns apontavam Debra Granik por Sem Rastros ou até mesmo Chloé Zhao por Domando o Destino, mas não conquistaram os votantes este ano. Ainda na categoria, temos enfim a primeira indicação de Spike Lee como Diretor e Produtor por Infiltrado na Klan. Antes, ele havia sido indicado apenas pelo roteiro de Faça a Coisa Certa em 1990.

Ainda sobre Filmes Estrangeiros, estava na torcida pela indicação de Em Chamas, da Coréia da Sul, mas como alguns já previam, ele foi substituído pelo alemão Never Look Away. O filme pode até ser bom, pois é do diretor do excelente A Vida dos Outros, que ganhou em 2007, mas filme sobre Segunda Guerra Mundial e nazistas de novo?! Sério mesmo?

Outra surpresa foi a indicação de Caleb Deschanel pela fotografia do filme alemão Never Look Away. Apesar de Deschanel já ter um histórico no Oscar (esta é sua 6ª indicação), a fotografia do filme não vinha chamando atenção em nenhuma premiação anterior, nem do sindicato de Fotógrafos (ASC).

Fiquei triste com a ausência de Oitava Série também. Não acreditava numa indicação para a atriz Elsie Fisher, mas esperava que o roteiro original de Bo Burnham fosse reconhecido… Outro que estava com bom hype, mas ficou completamente de fora foi Podres de Ricos, mas esse já era difícil de acontecer… Outra ausência sentida foi do documentário sobre Fred Rogers, Won’t You Be My Neighbor?, que estava conquistando praticamente todos os prêmios de documentário na temporada.

A indicação de Pantera Negra a Melhor Filme premia o trabalho colossal da Marvel Studios e seu produtor Kevin Feige, que soube aliar comercial, com crítica sócio-racial, transformando a estréia do filme nos cinemas um evento cultural pelo mundo. Essa indicação importante também pode ser interpretada como uma gratidão da Academia pelas excelentes bilheterias que as produções da Marvel renderam nesses últimos dez anos, mantendo toda uma indústria de cinema trabalhando e gerando receitas.

Black Panther

Pantera Negra se torna o primeiro filme de super-heróis a chegar lá: Oscar de Melhor Filme

Além da fantástica campanha de 10 indicações para Roma, a Netflix conseguiu mais três indicações com outra produção sua: The Ballad of Buster Scruggs, dos irmãos Joel e Ethan Coen. Apesar de não ter conquistado uma vaga como Melhor Filme, foi reconhecido na categoria de Roteiro Adaptado (dos próprios Coen), Figurino e uma surpreendente indicação para Canção Original por “When a Cowboy Trades His Spurs for Wings”, que não estava em nenhuma lista anterior.

Na categoria de Maquiagem e Cabelo, acreditava que Pantera Negra e Suspiria competiriam o Oscar com Vice, seus trabalhos foram esnobados em prol de Duas Rainhas e do filme sueco Border, que curiosamente, era o filme selecionado pela comissão da Suécia para concorrer ao Oscar de Filme em Língua Estrangeira, mas não conseguiu sequer passar da pré-lista de 9 filmes.

Border.jpg

Cena do filme sueco Border, que foi indicado a Melhor Maquiagem e Cabelo (pic by IMDb)

Ainda sobre ausências, embora O Primeiro Homem tenha recebido quatro indicações técnicas de Direção de Arte, Som, Efeitos Sonoros e Efeitos Visuais, continuou sua decadência na temporada. Nem o diretor Damien Chazelle, nem sua atriz Claire Foy conseguiram indicações, contudo, por se tratar de um filme tecnicamente impecável, a fotografia de Linus Sandgren poderia ter sido lembrada, assim como a bela trilha de Justin Hurwitz, que levou o Globo de Ouro no início de janeiro.

FILME
Roma (Roma)
Nasce uma Estrela (A Star is Born)
Green Book: O Guia (Green Book)
Pantera Negra (Black Panther)
Infiltrado na Klan (BlacKkKlansman)
A Favorita (The Favourite)
Bohemian Rhapsody (Bohemian Rhapsody)
Vice (Vice)

DIREÇÃO
* Alfonso Cuarón (Roma)
* Spike Lee (Infiltrado na Klan)
* Pawel Pawlikowski (Guerra Fria)
* Adam McKay (Vice)
* Yorgos Lanthimos (A Favorita)

ATOR
* Christian Bale (Vice)
* Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
* Rami Malek (Bohemian Rhapsody)
* Viggo Mortensen (Green Book: O Guia)
* Willem Dafoe (No Portal da Eternidade)

ATRIZ
* Yalitza Aparicio (Roma)
* Glenn Close (A Esposa)
* Olivia Colman (A Favorita)
* Lady Gaga (Nasce uma Estrela)
* Melissa McCarthy (Poderia Me Perdoar?)

ATOR COADJUVANTE
* Mahershala Ali (Green Book: O Guia)
* Adam Driver (Infiltrado na Klan)
* Richard E. Grant (Poderia Me Perdoar?)
* Sam Elliott (Nasce uma Estrela)
* Sam Rockwell (Vice)

ATRIZ COADJUVANTE
* Amy Adams (Vice)
* Regina King (Se a Rua Beale Falasse)
* Emma Stone (A Favorita)
* Marina de Tavira (Roma)
* Rachel Weisz (A Favorita)

ROTEIRO ORIGINAL
Roma, Alfonso Cuarón
A Favorita, Deborah Davis, Tony McNamara
* No Coração da Escuridão, Paul Schrader
Vice, Adam McKay
Green Book: O Guia, Brian Hayes Currie, Peter Farrelly, Nick Vallelonga

ROTEIRO ADAPTADO
* A Balada de Buster Scruggs, Joel Coen e Ethan Coen
Infiltrado na Klan, Charlie Wachtel, David Rabinowitz, Kevin Willmott e Spike Lee
Se a Rua Beale Falasse, Barry Jenkins
Poderia Me Perdoar?, Nicole Holofcener e Jeff Whitty
Nasce uma Estrela, Eric Roth, Bradley Cooper e Will Fetters

FOTOGRAFIA
Roma, Alfonso Cuarón
Nasce uma Estrela, Matthew Libatique
A Favorita, Robbie Ryan
* Nunca Deixe de Lembrar, Caleb Deschanel
Guerra Fria, Łukasz ŻAl

MONTAGEM
* A Favorita, Yorgos Mavropsaridis
Green Book: O Guia, Patrick J. Don Vito
Vice, Hank Corwin
Bohemian Rhapsody, John Ottman
Infiltrado na Klan, Barry Alexander Brown

DESENHO DE PRODUÇÃO
A Favorita, Fiona Crombie e Alice Felton
O Retorno de Mary Poppins, John Myhre e Gordon Sim
O Primeiro Homem, Nathan Crowley e Kathy Lucas
Pantera Negra, Hannah Beachler e Jay Hart
Roma, Eugenio Caballero e Bárbara Enriquez

FIGURINOS
* A Balada de Buster Scruggs, Mary Zophres
A Favorita, Sandy Powell
Duas Rainhas, Alexandra Byrne
Pantera Negra, Ruth E. Carter
O Retorno de Mary Poppins, Sandy Powell

MAQUIAGEM
Vice
Duas Rainhas
Border

TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Se a Rua Beale Falasse, Nicholas Brittel
* Pantera Negra, Ludwig Göransson
Ilha dos Cachorros, Alexandre Desplat
O Retorno de Mary Poppins, Marc Shaiman
Infiltrado na Klan, Terence Blanchard

CANÇÃO ORIGINAL
* “When a Cowboy Trades His Spurs for Wings”, The Ballad of Buster Scruggs (escrita por David Rawlings e Gillian Welch)
* “Shallow”, Nasce uma Estrela (escrita por Lady Gaga, Mark Ronson, Anthony Rossomando e Andrew Wyatt)
* “All the Stars”, Pantera Negra (escrita por Kendrick Lamar, Al Shux, Sounwave e SZA)
* “The Place Where Lost Things Go”, O Retorno de Mary Poppins (escrita por Marc Shaiman e Scott Wittman)
* “I’ll Fight”, RBG (escrita por Diane Warren)

MIXAGEM DE SOM
Nasce uma Estrela
Bohemian Rhapsody
Roma
O Primeiro Homem
* Pantera Negra

EDIÇÃO DE SOM
O Primeiro Homem
Bohemian Rahpsody
Um Lugar Silencioso
* Pantera Negra
Roma

EFEITOS VISUAIS
Vingadores: Guerra Infinita
* Christopher Robin: Um Reencontro Inesquecível

Jogador Número 1
Solo: Uma História Star Wars
O Primeiro Homem

ANIMAÇÃO
Os Incríveis 2
Ilha dos Cachorros
Homem-Aranha no Aranhaverso
Wi-Fi Ralph: Quebrando a Internet
Mirai

DOCUMENTÁRIO
RBG
* Hale County This Morning, This Evening
Minding the Gap
Free Solo
* Of Fathers and Sons

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Roma (México)
Guerra Fria (Polônia)
Cafarnaum (Líbano)
Assunto de Família (Japão)
Nunca Deixe de Lembrar (Alemanha)

CURTA-METRAGEM
* Detainment
* Fauve
* Madre
* Marguerite
* Skin

CURTA DE ANIMAÇÃO
* Comportamento Animal (Animal Behaviour)
* Bao
* Fim de Tarde (Late Afternoon)
* Um Pequeno Passo (One Small Step)
* Weekends

DOCUMENTÁRIO-CURTA
* Black Sheep
* Uma Noite no Madison Square Garden (A Night at the Garden)
* A Partida Final (End Game)
* Lifeboat
* Absorvendo o Tabu (Period. End of Sentence.)

mirai

Cena da animação japonesa Mirai, de Mamoru Hosoda, indicada para Melhor Longa de Animação (pic by IMDb)

***

A 91ª cerimônia do Oscar está marcada para o dia 24 de fevereiro e será transmitida pela TNT. Até o momento, o evento não conta com nenhum host ou hostess.

87 PRODUÇÕES CONCORREM ao OSCAR 2019 de FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

Alfonso Cuarón Roma.jpg

Alfonso Cuarón dirige cena com Yalitza Aparicio em Roma (pic by imdb)

VENCEDOR DO OSCAR POR ‘GRAVIDADE’, ALFONSO CUARÓN COMPETE PELO MÉXICO

OK, os portões do ENEM fecharam! Ninguém mais entra, ninguém mais sai. 87 países enviaram seus filmes representantes para disputarem as 5 cobiçadas indicações na categoria de Filme em Língua Estrangeira. É importante ressaltar aqui que houve uma ligeira redução de inscritos comparando com o ano passado, quando houve 92 filmes.

Este ano marca a estréia na lista de dois países que muita gente sequer sabia da existência: Malawi e Niger, ambas nações do continente africano. Duas produções ainda aguardam aprovação da Academia: o filme cubano Sergio & Sergei, e o representante do Quirguistão Night Accident.

COMO ESTÁ A DISPUTA ATÉ O MOMENTO?

Ao contrário dos últimos anos, 2019 já tem um franco-favorito: Roma, de Alfonso Cuarón, que ganhou o Leão de Ouro em Veneza, é o representante oficial do México, que nunca ganhou o Oscar de Filme em Língua Estrangeira na história da Academia. Por todos os lugares por quais passa, independente de qual crítico, o filme biográfico do diretor é uma extrema unanimidade, inclusive, com alta possibilidade de concorrer ao Oscar de Melhor Filme (seria a primeira indicação da Netflix) e com boas chances de vencer! Essa dobradinha Melhor Filme e Melhor Filme em Língua Estrangeira nunca aconteceu antes.

Pra quem não se recorda, Alfonso Cuarón já venceu dois Oscars pela ficção científica Gravidade em 2014: Melhor Montagem e Melhor Direção. Ele já havia concorrido antes por Filhos da Esperança em 2007 (Roteiro Adaptado e Montagem) e por E Sua Mãe Também em 2002 (Roteiro Original). Tornou-se o primeiro diretor hispânico a vencer o Oscar de Diretor, abrindo a porta para seus compadres Alejandro González Iñárritu e Guillermo Del Toro.

Shoplifters.jpg

Sakura Andô (mãe) e Lily Franky (pai) interagem com menina adotada em Assunto de Família (pic by imdb)

Claro que, mesmo diante desse sucesso estrondoso, só vamos ter 100% de certeza quando o filme for anunciado vencedor no palco da cerimônia. Até lá, muita água ainda vai rolar nesse rio de filmes. O representante japonês, Assunto de Família, de Hirokazu Koreeda, figura como uma espécie de segundo lugar nessa bolsa de apostas. Cineasta com presença frequente em grandes festivais internacionais, Koreeda ganhou enorme impulso após a vitória da Palma de Ouro em Cannes com este singelo drama sobre uma família de ladrões que adota uma menina de rua.

Dá pra praticamente cravar que Roma e Assunto de Família já estão garantidos na categoria. As outras 3 vagas podem ir para:

POLÔNIA: Guerra Fria (Cold War), de Pawel Pawlikowski
– Temos aqui o diretor que ganhou o Oscar de Filme Estrangeiro por Ida em 2014, fazendo um novo filme em preto-e-branco com pano de fundo da guerra, tema que muitos votantes adoram. Cold War levou o prêmio de Direção em Cannes. E conta com a belíssima fotografia PB de Lukasz Zal (que foi indicado ao Oscar por Ida).

Cold War.jpg

Joanna Kulig em cena de Guerra Fria (pic by imdb)

CORÉIA DO SUL: Em Chamas (Burning), de Lee Chang-dong
– Bastante elogiado em Cannes, de onde saiu com o FIPRESCI Prize, que reconhece a vertente artística, Em Chamas pode se tornar a primeira indicação da Coréia do Sul ao Oscar após o país perder grande chance com A Criada em 2016. Seu diretor Lee Chang-dong tem um currículo internacional respeitável, já tendo vencido o prêmio de roteiro por Poesia (2010) em Cannes.

Burning

Ah-In Yoo, Jong-seo Jeon e Steven Yeun em cena de Em Chamas (pic by imdb)

PARAGUAI: As Herdeiras (Las Herederas), de Marcelo Martinessi
– Em sua passagem pelo Festival de Berlim, o filme conquistou o prêmio de Melhor Atriz para Ana Brun. O filme narra a decadência financeira de uma família da elite paraguaia. O longa paraguaio já estreou no Brasil.

The Heiresses

Ana Brun e Ana Ivanova em cena de As Herdeiras (pic by humanitieskansas.org)

BÉLGICA: Girl, de Lukas Dhont
– A produção acompanha a trajetória de Lara, uma menina de 15 anos nascida num corpo de menino, que tem o sonho de ser bailarina. Girl teve boa passagem pela mostra Un Certain Regard de Cannes, e pode se beneficiar da recente vitória de outro filme LGBT no Oscar: Uma Mulher Fantástica.

Girl

Victor Polster como a bailarina Lara em cena de Girl (pic by imdb)

Outros filmes bem cotados são o dinamarquês A Culpa, de Gustave Möller; o alemão Never Look Away, de Florian Henckel von Donnnersmarck (que venceu o Oscar por A Vida dos Outros); e o libanês Capernaum, de Nadine Labaki.

E O BRASIL?

A Academia de Cinema Brasileiro nomeou O Grande Circo Místico, de Cacá Diegues, para concorrer ao Oscar. Como o filme ainda não estreou em solo brasileiro, acabou não contando com o voto popular. Internacionalmente, o longa teve passagem bem discreta em mostra paralela não-competitiva de Cannes. A seleção se baseou na extensa filmografia do diretor, que este ano foi integrado à Academia de Letras Brasileira, e na temática circense que já fez sucesso décadas atrás na categoria como com A Estrada da Vida, de Federico Fellini.

O Grande Circo Místico

Jesuíta Barbosa em cena de O Grande Circo Místico (pic by imdb)

A menos que haja uma mega reviravolta na campanha nos EUA, o filme tem tudo para morrer na praia, infelizmente. A escolha mais sensata teria sido entre Benzinho e As Boas Maneiras, que tiveram carreira internacional mais rica, que facilitaria na divulgação. Porém, vamos continuar torcendo… pelo menos até conferir a qualidade do filme!

PREPARE-SE!

No final de dezembro, sai a pré-lista com 9 produções. E os cinco indicados serão conhecidos no dia do anúncio das indicações: 22 de janeiro. A cerimônia acontecerá no dia 24 de fevereiro.

SEGUE A LISTA DAS 87 PRODUÇÕES INSCRITAS PARA O OSCAR 2019:

PAÍS FILME DIRETOR(A)(ES)
Afeganistão Rona Azim’s Mother Jamshid Mahmoudi
África do Sul Sew the Winter to my Skin Jahmil X.T. Qubeka
Alemanha Never Look Away Florian H. von Donnersmarck
Argélia Until the End of Time Yasmine Chouikh
Argentina El Ángel Luis Ortega
Armênia Spitak Alexander Kott
Austrália Jirga Benjamin Gilmour
Áustria The Waldheim Waltz Ruth Beckermann
Bangladesh No Bed of Roses Mostofa Sarwar Farook
Bélgica Girl Lukas Dhont
Bielorrússia Crystal Swan Darya Zhuk
Bolívia The Goalkeeper Rodrigo ‘Gory’ Patiño
Bósnia Herzegovina Never Leave Me Ainda Begi´c
Brasil O Grande Circo Místico Cacá Diegues
Bulgária Omnipresent Ilian Djevelekov
Camboja Graves Without a Name Rithy Panh
Canadá Family Ties Sophie Dupuis
Cazaquistão Ayka Sergey Dvortsevoy
Chile …And Suddenly the Dawn Silvio Caiozzi
China Hidden Man Jiang Wen
Colômbia Birds of Passage Cristina Gallego, Ciro Guerra
Coréia do Sul Em Chamas Lee Chang-dong
Costa Rica Medea Alexandra Latishev
Croácia The Eighth Comissioner Ivan Salaj
Dinamarca Culpa Gustav Möller
Egito Yomeddine A.B. Shawky
Equador A Son of Man Jamaicanoproblem
Eslováquia The Interpreter Martin Šulík
Eslovênia Ivan Janez Burger
Espanha Champions Javier Fesser
Estônia Take it or Leave it Liina Trishkina-Vanhatalo
Filipinas Signal Rock Chito S. Roño
Finlândia Euthanizer Teemu Nikki
França Memoir of War Emmanuel Finkiel
Geórgia Namme Zaza Khalvashi
Grécia Polyxeni Dora Masklavanou
Holanda O Banqueiro da Resistência Joram Lürsen
Hong Kong Operation Red Sea Dante Lam
Hungria Sunset László Nemes
Iêmen 10 Days Before the Wedding Amr Gamal
Índia Village Rockstars Rima Das
Indonésia Marlina the Murderer in Four Acts Mouly Surya
Irã Sem Data, Sem Assinatura Vahid Jalivand
Iraque The Journey Mohamed Jabarah Al-Daradji
Islândia Woman at War Benedikt Erlingsson
Israel The Cakemaker Ofir Raul Graizer
Itália Dogman Matteo Garrone
Japão Assunto de Família Hirokazu Koreeda
Kosovo The Marriage Blerta Zeqiri
Letônia To Be Continued Ivars Seleckis
Líbano Capernaum Nadine Labaki
Lituânia Wonderful Losers: A Different World Arunas Matelis
Luxemburgo Gutland Govinda Van Maele
Macedônia Secret Ingredient Gjorce Stavreski
Malawi The Road to Sunrise Shemu Joyah
Marrocos Burnout Nour-Eddine Lakhmari
México Roma Alfonso Cuarón
Montenegro Iskra Gojko Berkuljan
Nepal Panchayat Shivam Adhikari
Níger The Wedding Ring Rahmatou Keïta
Noruega What Will People Say Iram Haq
Nova Zelândia Yellow is Borbidden Pietra Brettkelly
Palestina Ghost Hunting Raed Andoni
Panamá Ruben Blades is not my Name Abner Benaim
Paquistão Cake Assim Abbasi
Paraguai As Herdeiras Marcelo Martinessi
Peru Eternity Oscar Catacora
Polônia Guerra Fria Pawel Pawlikowski
Portugal Pilgrimage João Botelho
Quênia Supa Modo Likarion Wainaina
Reino Unido I Am Not a Witch Rungano Nyoni
Rep Dominicana Cocote Nelson Carlo De Los S. Arias
Rep Tcheca Winter Flies Olmo Omerzu
Romênia I Do Not Care If We Go Down in History as Barbarians Radu Jude
Rússia Sobibor Konstantin Khabensky
Sérvia Offenders Dejan Zecevic
Singapura Buffalo Boys Mike Wiluan
Suécia Border Ali Abbasi
Suíça Eldorado Markus Imhoof
Tailândia Malila the Farewell Flower Anucha Boonyawatana
Taiwan The Great Buddha+ Hsin-Yao Huang
Tunísia Beauty and the Dogs Kaouther Bem Hania
Turquia The Wild Pear Tree Nuri Bilge Ceylan
Ucrânia Donbass Sergei Loznitsa
Uruguai Uma Noite de 12 Anos Álvaro Brechner
Venezuela The Family Gustavo Rondón Córdova
Vietnã The Tailor Buu Loc Tran, Kay Nguyen

‘SHOPLIFTERS’, DO AUTOR JAPONÊS HIROKAZU KORE-EDA, VENCE A PALMA DE OURO

 

 

hirokazu cannes

O diretor japonês Hirokazu Kore-eda ostenta sua Palma de Ouro. No fundo, a presidente do júri Cate Blanchett. Pic by Eric Gaillard/REUTERS

APESAR DAS EXPECTATIVAS PARA UMA SEGUNDA PALMA DE OURO PARA UMA MULHER, CANNES PREMIOU SEGUNDO FILME ASIÁTICO NESTE SÉCULO

Havia três filmes indicados à Palma de Ouro nesta edição dirigidos por mulheres, o júri era formado por maioria feminina e encabeçada pela presidente Cate Blanchett, e tudo indicava que a segunda Palma de Ouro poderia acontecer desde 1993, quando O Piano venceu, MAS ainda não foi desta vez. Como a própria Blanchett disse em entrevista, adoraria ver uma mulher recebendo a honraria, mas “Palma de Ouro não é o Nobel da Paz”.

O prêmio máximo da noite foi concedido ao cineasta autoral japonês Hirokazu Kore-eda por Shoplifters, um drama sócio-familiar sobre uma menina que vive nas ruas que é adotada por uma família pobre que a ensina a furtar em supermercados. Assim como o título francês, o brasileiro tende a ser “Assunto de Família”. Kore-eda ficou conhecido aqui no Brasil por Depois da Vida (1998), aquele em que as pessoas têm uma semana depois da morte para escolher uma memória, e pelo premiado em Cannes Ninguém Pode Saber (2004), quando o ator-mirim Yûya Yagira levou o prêmio de interpretação masculina.

Shoplifters

Cena de Shoplifters, vencedor da Palma de Ouro. Pic by outnow.ch

Contudo, meu favorito dele é Pais e Filhos (2013), que aborda uma difícil situação de troca de bebês na maternidade. Para quem acompanha a carreira do diretor, sabe que ele tem uma predileção por temas familiares, mas como poucos, consegue fazer retratos bastante intimistas de seus personagens. Mesmo em seu penúltimo trabalho, o policial O Terceiro Assassinato, mesmo tendo um crime como foco, ele ainda explora relações conturbadas de família.

Esta foi apenas a segunda Palma de Ouro para um diretor asiático neste século XXI, que não ocorria desde 2010, quando o tailandês Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas levou o prêmio. Apenas um fato curioso, longe de querer cobrar cotas para asiáticos em Cannes. Aliás, boa parte da imprensa apontou que a Palma teria sido uma espécie de prêmio pelo conjunto da obra para Hirokazu Kore-eda, já que ele tem seis passagens pela Croissette. Este foi sua quinta indicação à Palma de Ouro, e ele tinha levado apenas um Prêmio do Júri (tipo 3º lugar) com Pais e Filhos.

Muito bem cotado entre a crítica estrangeira, BlacKkKlansman, de Spike Lee, acabou levando o Grande Prêmio do Júri. Respeitando uma tradição em sua filmografia, a crítica ao racismo está novamente presente nesta trama em que um negro se infiltra na organização Ku Klux Klan. Presente na cerimônia, o diretor aceitou o prêmio em nome da “República Popular do Brooklyn, Nova York”, fazendo menção à sua terra natal. Animado, Spike declarou: “Cannes foi o local perfeito para lançar o filme. Espero que o filme possa nos tirar de nossa estagnação mental de forma global, e voltar à verdade, bondade, amor e sem ódio”, e obviamente, aproveitou para dar cutucadas em Donald Trump: “Com este governo, estamos regredindo no tempo.” Particularmente, torço para que este BlacKkKlansman, assim como futuros trabalhos, voltem a ser os meios de expressão que ele utilizava tão bem para dialogar sobre racismo.

Spike Lee Cannes

Spike Lee posa com seu Grande Prêmio do Júri por BlacKkKlansman. Pic by NY Daily News

Apesar de não terem levado a Palma de Ouro para casa, das três mulheres indicadas, duas levaram importantes prêmios nesta edição. Enquanto o Prêmio do Júri foi para a diretora libanesa Nadine Labaki por seu filme Capernaum, no qual retrata a vida de um menino de rua em Beirute que decide processar seus pais pela vida que tem, a diretora italiana Alice Rohrwacher dividiu o prêmio de Roteiro por Happy as Lazzaro com o cineasta iraniano Jafar Panahi por Três Faces.

Os prêmios de interpretação foram concedidos à talentos desconhecidos este ano. Do lado masculino, o ator italiano Marcello Fonte, que interpretou um franzino dono de pet shop que precisa tomar uma atitude drástica em Dogman, levou o prêmio, enquanto na ala feminina, a jovem cazaque Samal Yeslyamova conquistou a honra por sua performance como uma imigrante do Quirguistão que abandona seu bebê numa gélida Rússia em Ayka.

Marcello+Fonte+Samal+Yeslyamova+Palme+Winner+hs9yGQuwgRQl.jpg

Marcello Fonte e Samal Yeslyamova posam com seus prêmios de interpretação de Cannes. Pic by zimbio

Já pelo prêmio de Direção, o polonês Pawel Pawlikowski foi reconhecido pelo drama Cold War, sobre o romance entre dois músicos contada através de elipses, bela fotografia preto-e-branco, e enquadramentos rígidos como conhecemos em Ida, vencedor do Oscar de Filme em Língua Estrangeira em 2014.

Contudo, talvez o que mais tenha chamado a atenção no dia da premiação, tenha sido a presença da atriz italiana Asia Argento. Pouco antes do anúncio do primeiro prêmio, ela surgiu no palco e soltou uma bomba: “Tenho algumas palavras para dizer: Em 1997, fui estuprada por Harvey Weinstein aqui em Cannes. Eu tinha 21 anos. Este festival era a área de caça dele. Quero lançar uma previsão: Harvey Weinstein nunca será bem-vindo aqui novamente. Ele viverá em desgraça, evitado pela comunidade fílmica que o acolheu e acobertou seus crimes. Mesmo esta noite, sentados entre vocês, existem aqueles que ainda devem ser responsabilizados por comportamentos que não pertencem à essa indústria. Vocês sabem quem vocês são, e mais importante, nós sabemos quem vocês são, e não vamos mais permitir que se saiam impunes.”

Asia Argento Cannes

Asia Argento demonstrando a força feminina no dia do encerramento do festival de Cannes. Pic by Mashable

A declaração da atriz denota que os movimentos feministas como o #MeToo causaram rebuliço no evento. Embora a organização não tenha sido culpada pelo crime sexual ocorrido em 97, tomou providências e disponibilizou pela primeira vez uma linha direta para reportar qualquer ocorrência do tipo ou comportamento suspeito.

Se desse lado o festival soube se adequar aos tempos atuais, a briga com a Netflix devido ao sistema de streaming não se encaixar no antiquado sistema de exibição francês foi um ponto bastante negativo para Cannes. Sem poder contar com as novas produções da empresa americana, repletas de diretores renomados, para suas seleções, o festival francês pode perder relevância no cenário internacional.

BRASIL EM CANNES

Embora não estivesse concorrendo na mostra oficial neste ano, a produção nacional contou com três co-produções premiadas. Pela mostra Un Certain Regard (Um Certo Olhar), o documentário com toques de ficção Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos (intitulado internacionalmente como The Dead and the Others), dirigido pela brasileira Renée Nader Messora e o português João Salaviza, que conta uma jornada espiritual indígena, venceu o Prêmio do Júri.

Festival Internacional de Cine de Cannes

À direita, os diretores de Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos: João Salaviza e Renée Nader Messora, recebendo o Prêmio do Júri da mostra Un Certain Regard. Pic by Estadão

Co-produzido em parceria com a França e Portugal, o filme Diamantino venceu o Grande Prêmio da mostra da Semana da Crítica. Dirigido pela dupla Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, o filme tem como protagonista uma espécie de Cristiano Ronaldo, jogador de futebol e modelo. E já O Órfão, de Carolina Markowicz, levou o prêmio Queer Palm de Curta-Metragem.

VENCEDORES DA 71ª EDIÇÃO DO FESTIVAL DE CANNES

COMPETIÇÃO

PALMA DE OURO
Shoplifters

Dir: Hirokazu Kore-eda

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
BlacKkKlansman

Dir: Spike Lee

PRÊMIO DO JÚRI
Capernaum
Dir: Nadine Labaki

DIRETOR
Pawel Pawlikowski (Cold War)

ATOR
Marcello Fonte (Dogman)

ATRIZ
Samal Yeslyamova (Ayka)

ROTEIRO
Alice Rohrwacher (Happy as Lazzaro)
Jafar Panahi, Nader Saeivar (Three Faces)

PALMA DE OURO ESPECIAL
Jean-Luc Godard

 

UN CERTAIN REGARD

PRÊMIO UN CERTAIN REGARD
Border

Dir: Ali Abbasi

DIRETOR
Sergei Loznitsa (Donbass)

ATUAÇÃO
Victor Polster (Girl)

ROTEIRO
Meryem Benm’Barek (Sofia)

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
João Salaviza & Renée Nader Messora (Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos)

 

OUTROS PRÊMIOS

CAMERA D’OR
Girl

Dir: Lukas Dhont

PALMA DE OURO PARA CURTA
All These Creatures

Dir: Charles Williams

MENÇÃO ESPECIAL PARA CURTA
On the Border

Dir: Shujun Wei

PRÊMIO DO JÚRI ECUMÊNICO
Capernaum

Dir: Nadine Labaki

MENÇÃO ESPECIAL DO JÚRI ECUMÊNICO
BlacKkKlansman

Dir: Spike Lee

QUEER PALM
Girl

Dir: Lukas Dhont

 

 

DIRECTORS’ FORTNIGHT

PRÊMIO ART CINEMA
Climax

Dir: Gaspar Noé

PRÊMIO SOCIETY OF DRAMATIC AUTHORS AND COMPOSERS
The Trouble With You

Dir: Pierre Salvadori

EUROPA CINEMAS LABEL
Lucia’s Grace

Dir: Gianni Zanasi

PRÊMIO ILLY DE CURTA-METRAGEM
Skip Day

Dir: Patrick Bresnan, Ivete Lucas

 

SEMANA DA CRÍTICA

GRANDE PRÊMIO
Diamantino

Dir: Gabriel Abrantes, Daniel Schmidt

PRÊMIO SOCIETY OF DRAMATIC AUTHORS AND COMPOSERS
Woman at War
Dir: Benedikt Erlingsson

GAN Foundation Award for Distribution
Sir

PRÊMIO LOUIS ROEDERER FOUNDATION RISING STAR
Felix Maritaud (Sauvage)

CURTA-METRAGEM
Hector Malot – The Last Day Of The Year

Dir: Jacqueline Lentzou

 

FIPRESCI

COMPETIÇÃO
Burning

Dir: Lee Chang-dong

UN CERTAIN REGARD
Girl

Dir: Lukas Dhont

Directors’ Fortnight/Critics’ Week
One Day

Dir: Zsófa Szilagyi

 

CINÉFONDATION

PRIMEIRO PRÊMIO
The Summer of the Electric Lion
Dir: Diego Céspedes

SEGUNDO PRÊMIO
Calendar

Dir: Igor Poplauhin

The Storms in Our Blood
Dir: Shen Di

TERCEIRO PRÊMIO
Inanimate

Dir: Lucia Bulgheroni

%d blogueiros gostam disto: