‘NASCE UMA ESTRELA’ é o DESTAQUE do DGA, WGA, ASC e EDDIE AWARDS

a quiet place 025

Indicado ao WGA: cena de Um Lugar Silencioso com John Krasinski (pic by outnow.ch)

Mal o ano começou, já tivemos as surpresas do Globo de Ouro, e agora temos o anúncios de três prêmios de sindicatos relevantes para a temporada e para a corrida do Oscar.

Vamos começar pelo mais chato e rígido de todos, o Writers Guild of America (WGA), do sindicato dos roteiristas. Pra quem está embarcando agora, o WGA é o mais complicado porque ele exige uma série de cumprimento de regras como filiação ao sindicato, e não reconhece roteiros de animações (com isso, quem sai perdendo é o próprio sindicato).

Os roteiros ausentes na lista do WGA não perdem muito, mas se forem lembrados, suas campanhas encorpam para o Oscar. Ano passado, os vencedores Corra! e Me Chame Pelo Seu Nome repetiram suas vitórias no Oscar. Apesar de serem rígidos, na última década, 2/3 dos indicados do WGA foram indicados ao Oscar também.

Este ano, entre as ausências mais notáveis que foram desqualificadas pelas toneladas de regras estão: A Favorita, Não Deixe Rastros, Domando o Destino, A Morte de Stalin, Hereditário e Sorry to Bother You, além dos estrangeiros Guerra Fria e Capernaum, e as animações Os Incríveis 2 e Ilha dos Cachorros. Já os esnobados foram Paul Schrader (No Coração da Escuridão) e Josh Singer (O Primeiro Homem).

Entre os indicados, destaque para os sucessos comerciais de Um Lugar Silencioso, Nasce uma Estrela e Pantera Negra, que pode repetir o feito de Logan (2017), que foi indicado no WGA e Oscar, tornando-se o primeiro roteiro indicado ao Oscar baseado em quadrinhos de super-heróis.

black panther 056

Indicado ao WGA: Cena de Pantera Negra (pic by outnow.ch)

Pela categoria de Documentário, o curioso foi a total ausência de trabalhos reconhecidos em premiações anteriores como Won’t You Be My Neighbor, Free Solo e RBG, mas dá notoriedade para outros como o de Michael Moore, Fahrenheit 11/09.

ROTEIRO ORIGINAL
* Bo Burnham (Oitava Série)
* Nick Vallelonga, Brian Currie e Peter Farrelly (Green Book: O Guia)
* Bryan Woods, Scott Beck e John Krasinski, história de Bryan Woods e Scott Beck (Um Lugar Silencioso)
* Alfonso Cuarón (Roma)
* Adam McKay (Vice)

ROTEIRO ADAPTADO
Charlie Wachtel, David Rabinowitz, Kevin Willmott e Spike Lee – Baseado no livro de Ron Stallworth (Infiltrado na Klan)
* Ryan Coogler, Joe Robert Cole – Baseado nos quadrinhos da Marvel Comics de Stan Lee e Jack Kirby (Pantera Negra)
* Nicole Holofcener e Jeff Whitty – Baseado no livro de Lee Israel (Poderia Me Perdoar?)
* Barry Jenkins – Baseado no romance de James Baldwin (Se a Rua Beale Falasse)
* Eric Roth, Bradley Cooper e Will Fetters – Baseado no roteiro de 1954 de Moss Hart, no roteiro de 1976 de John Gregory Dunne, Joan Didion e Frank Pierson, baseado na história William Wellman e Robert Carson (Nasce uma Estrela)

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO
Ozzy Inguanzo & Dava Whisenant (Bathtubs Over Broadway)
* Michael Moore (Fahrenheit 11/9)
* Lauren Greenfield (Generation Wealth)
* Gabe Polsky (In Search of Greatness)

***

O anúncio dos vencedores do WGA ocorre no dia 17 de fevereiro.

roma dp_

Cena dentro do cinema em Roma, de Alfonso Cuarón (pic by IMDb)

A Associação Americana de Diretores de Fotografia (ASC) também divulgou suas seleções de trabalhos. A lista demonstra diversidade técnica que vai da película de 65 mm de Roma, passando pela exploração das luzes de velas em A Favorita, até o multi-formato de O Primeiro Homem.

Felizmente, é daqueles ano em que podemos dizer “Qualquer um que ganhar merece”. Até o momento, o trabalho mais premiado foi de Alfonso Cuarón por Roma, aliás, ele se tornou o primeiro DP (director of photography) a ser indicado na categoria principal fotografando o próprio filme que dirigiu. Em 2016, Cary Joji Fukunaga conseguiu o mesmo feito por Beasts of No Nation, mas pela categoria  Spotlight Award.

Pelas estatísticas, 80% dos trabalhos nas listas do ASC vão parar na categoria de Fotografia do Oscar. Normalmente, quatro estão em ambas as listas, e um é substituído. À princípio, nessa dança das cadeiras, Matthew Libatique por Nasce uma Estrela pode perder seu lugar para um dos ausentes mais comentados: Rachel Morrison (que se tornou a primeira DP mulher indicada ao ASC e ao Oscar por Mudbound) por Pantera Negra, ou James Laxton por Se a Rua Beale Falasse.

MELHOR FOTOGRAFIA
* Alfonso Cuarón (Roma)
* Matthew Libatique (Nasce uma Estrela)
* Robbie Ryan (A Favorita)
* Linus Sandgren (O Primeiro Homem)
* Łukasz Żal (Guerra Fria)

PRÊMIO SPOTLIGHT
* Joshua James Richards (Domando o Destino)
* Giorgi Shvelidze (Namme)
* Frank van den Eeden (Girl)

THE RIDER

Joshua James Richards conseguiu explorar o melhor no singelo Domando o Destino (pic by IMDb)

Pela categoria do prêmio Spotlight para filmes menos conhecidos, Joshua James Richards merece o destaque por explorar a beleza natural do cenário, identificando sua luz no protagonista e seu paixão pelo cavalo em Domando o Destino, que faturou o prêmio de Melhor Filme no último Gotham Award.

***

A cerimônia do 33º ASC Awards está marcado para o dia 09 de fevereiro.

blackkkansman8

John David Washington e Laura Harrier em cena de Infiltrado na Klan (pic by outnow.ch)

Com cerca de 1.000 membros, o sindicato de Montadores também anunciou seus indicados na última segunda. Aqui a porcentagem de acerto é um pouco melhor do que a de Fotografia com 88% considerando os últimos 25 anos.

Aqui, como no Globo de Ouro, o Eddie é dividido em duas categorias: Drama e Comédia, além das de Animação e Documentário, o que dificulta no esquecimento de alguns trabalhos mais fortes. No ano passado, Dunkirk levou Montagem – Drama e acabou ficando com o Oscar também. Normalmente, os filmes de ação e guerra têm boa vantagem em relação aos demais gêneros. E o prêmio costuma revelar o Melhor Filme. Dificilmente o filme que levar Melhor Filme não vai estar indicado ao Oscar de Montagem.

Achei curiosa a indicação de Infiltrado na Klan como Drama. Apesar do tema sério do racismo, fica nítido que Spike Lee dirigiu uma comédia. O resultado pode ser catastrófico como no Globo de Ouro, de onde saiu de mãos abanando.

MELHOR MONTAGEM (DRAMA)
* Barry Alexander Brown (Infiltrado na Klan)
* John Ottman (Bohemian Rhapsody)
* Tom Cross (O Primeiro Homem)
* Alfonso Cuarón & Adam Gough (Roma)
* Jay Cassidy (Nasce uma Estrela)

MELHOR MONTAGEM (COMÉDIA)
* Myron Kerstein (Podres de Ricos)
* Craig Alpert, Elísabet Ronaldsdóttir, Dirk Westervelt (Deadpool 2)
* Yorgos Mavropsaridis (A Favorita)
* Patrick J. Don Vito (Green Book: O Guia)
* Hank Corwin (Vice)

MELHOR MONTAGEM DE ANIMAÇÃO
* Stephen Schaffer (Os Incríveis 2)
* Andrew Weisblum, Ralph Foster, Edward Bursch (Ilha dos Cachorros)
* Robert Fisher, Jr. (Homem-Aranha no Aranhaverso)

MELHOR MONTAGEM DE DOCUMENTÁRIO
* Bob Eisenhardt (Free Solo)
* Carla Gutierrez (RBG)
* Michael Harte (Três Estranhos Idênticos)
* Jeff Malmberg, Aaron Wickenden (Won’t You Be My Neighbor?)

MELHOR MONTAGEM DE DOCUMENTÁRIO (FEITO PARA TV)
* Martin Singer (A Final Cut for Orson: 40 Years in the Making)
* Greg Finton, Poppy Das (Robin Williams: Come Inside My Mind)
* Neil Meiklejohn (Wild Wild Country, Part 3)
* Joe Beshenkovsky (The Zen Diaries of Garry Shandling)

***

A cerimônia do 69º Eddie Awards acontecerá no dia 1º de fevereiro.

'A Star Is Born' Film - 2018

Bradley Cooper explica cena para diretor de fotografia Matthew Libatique para Nasce uma Estrela (pic by Variety)

Entre todos os prêmios de sindicato, o Directors Guild of America (DGA) é o mais importante pelo seu histórico de ter apenas sete divergências entre ele e o Oscar, sendo a última em 2013, naquele episódio fatídico do Ben Affleck ficar de fora da categoria por Argo. As estatísticas, como citei, são as maiores: 90% de acerto em relação ao Oscar, ou seja, quem ganhar aqui, está com uma das mãos na estatueta dourada.

MELHOR DIREÇÃO

  • Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
  • Alfonso Cuarón (Roma)
  • Peter Farrelly (Green Book: O Guia)
  • Spike Lee (Infiltrado na Klan)
  • Adam McKay (Vice)

Apesar da vasta filmografia, Spike Lee é apenas o quinto diretor negro indicado ao DGA. O primeiro foi Lee Daniels (Preciosa) em 2010, Steve McQueen (12 Anos de Escravidão) em 2014, Barry Jenkins (Moonlight) em 2017 e Jordan Peele (Corra!) ano passado. Na verdade, esse é um dado estatístico que não costumo dar muita importância, porque parece que estou pedindo mais diretores negros indicados APENAS pela cor da pele. Gostaria de ver diretores negros mais reconhecidos apenas por seus trabalhos, assim como queria que Spike Lee tivesse sido indicado lá atrás em 1990 por Faça a Coisa Certa.

Ainda na temática politicamente correta, houve bons trabalhos de diretoras mulheres em 2018 como Poderia Me Perdoar?, da Marielle Heller, e Mais uma Chance, da Tamara Jenkins, mas particularmente, se fosse defender campanha feminina seria apenas da Chloé Zhao no independente Domando o Destino.

Voltando à lista do DGA, a inclusão de Peter Farrelly foi uma surpresa. Apesar da recente vitória de seu Green Book no Globo de Ouro ter ajudado bastante, o diretor nunca gozou de uma boa reputação como diretor em Hollywood, porque suas comédias escrachadas e politicamente incorretas sempre sofreram preconceito. Por isso, se alguém da lista não conseguir espaço no Oscar, acredito que será ele.

Por outro lado, se alguém conseguir surpreender, temos alguns nomes na fila de espera como o de Barry Jenkins (Se a Rua Beale Falasse), Damien Chazelle (O Primeiro Homem), Yorgos Lanthimos (A Favorita) e até Ryan Coogler (Pantera Negra).

MELHOR DIRETOR ESTREANTE

  • Bo Burnham (Oitava Série)
  • Bradley Cooper (Nasce uma Estrela)
  • Carlos Lopez Estrada (Ponto Cego)
  • Matthew Heineman (A Private War)
  • Boots Riley (Sorry to Bother You)

Na categoria de estreantes, Bradley Cooper aparece novamente e é o que mais tem chances de vitória, a menos que ganhe Direção e o prêmio de estreante vá para outro. Se for para Bo Burnham, seria um prêmio bem justo, pois ele trouxe muita energia e vibração desta nova geração de adolescentes em Oitava Série.

eighth-grade-bo-burnham

Bo Burnham dirige Elsie Fisher em cena de Oitava Série (pic by Vanity Fair)

Não vi os demais diretores indicados aqui, mas sem querer menosprezar esses trabalhos, ressalto aqui a estréia corajosa de Ari Aster em Hereditário, que mostrou muita personalidade na criação de atmosfera de terror psicológico, e Aneesh Chaganti por Buscando…, que teve ótimas sacadas para seu filme se apoiar exclusivamente de telas de celular, computador e TV.

Sobre Matthew Heineman, um fato curioso: ele foi indicado como estreante, mas já ganhou dois prêmios do DGA por Cartel Land e City Ghosts, mas como se tratam de documentários, eles consideram estréia na ficção.

***

A 71ª cerimônia de premiação do DGA está agendada para o dia 02 de fevereiro. 

Anúncios

‘ROMA’ é ELEITO o MELHOR FILME pelos CRÍTICOS de LOS ANGELES

Roma 3

Cena de Roma, vencedor dos prêmios de Melhor Filme e Melhor Fotografia no LAFCA (pic by IMDb)

APÓS CONQUISTAR NYFCC, FILME DO MEXICANO ALFONSO CUARÓN REPETE FEITO NO LAFCA

Seguindo o calendário dos prêmios da crítica, chegou a vez de Los Angeles. O que mais gosto do povo de LA é a mente aberta que eles têm em relação aos filmes em língua estrangeira. Todo ano, eles dão algum jeito de conceder um prêmio (além da própria categoria, claro). Normalmente, eles gostam de premiar atrizes estrangeiras. Foi assim com a belga Yolande Moreau, as sul-coreanas Do-yeon Jeon e Jeong-hie Yun, a polonesa Agata Kulesza e as francesas Marion Cotillard, Adèle Exarchopoulos e Isabelle Huppert. Infelizmente, a Academia ainda tem certo preconceito em premiar atuações em idioma estrangeiro, tanto que dessas acima, a única oscarizada foi Cotillard em 2008.

Ainda em comparação ao Oscar, o Los Angeles Film Critics Association (LAFCA) não tem das melhores estatísticas. Dos últimos dez anos, acertou apenas 3 vezes, porém dois foram recentes: Moonlight e Spotlight. Ao que me parece também, as escolhas deste seleto grupo de críticos tende ao humanismo. Eles costumam selecionar produções e performances que apresentem maior ênfase no drama humanista.

Já em relação aos prêmios anteriores, o LAFCA foi na cola de seus colegas nova-iorquinos ao reconhecer Roma como Melhor Filme do ano e a Melhor Fotografia, porém, a melhor Direção ficou com Debra Granik por Não Deixe Rastros. À princípio, não soa como uma escolha politicamente correta, contudo se fosse optar por uma diretora, escolheria Marielle Heller por Poderia Me Perdoar?.

Leave no Trace Ben Foster

Não Deixe Rastros levou o prêmio de Direção para Debra Granik e seu ator, Ben Foster, ficou com o segundo lugar (pic by IMDb)

Pelas categorias de atuação, houve duas surpresas: a inclusão de Ben Foster (pelo mesmo Não Deixe Rastros) como 2º lugar de Ethan Hawke (que tenta se recuperar da ausência do Globo de Ouro) como Melhor Ator – a maioria acreditava em Bradley Cooper, Christian Bale ou Viggo Mortensen; e a premiação de Steven Yeun como Coadjuvante pelo ótimo filme sul-coreano Em Chamas, que também levou o prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira ao lado do japonês Assunto de Família. Lembra que falei que os críticos de LA adoram abraçar os atores estrangeiros?

Steven Yeun Burning

Vencedor de Melhor Ator Coadjuvante, Steven Yeun como o enigmático Ben do filme sul-coreano Em Chamas (pic by IMDb)

Na ala feminina, Olivia Colman e Toni Collette estão representando bem as atrizes como vencedora e segundo lugar de Melhor Atriz, enquanto Regina King acumula mais um prêmio de Coadjuvante, e Elizabeth Debicki, mesmo em segundo lugar, ajuda Viúvas a se destacar na temporada.

Na categoria de Documentário, destaque para a vitória de Shirkers, de Sandi Tan. A produção modesta, porém bastante criativa, já está no catálogo brasileiro da Netflix para conferir. Já o Melhor Longa de Animação foi para o surpreendente Homem-Aranha no Aranhaverso, que conseguiu a proeza de bater o segundo lugar da Pixar, Os Incríveis 2. A grande questão é: “E Ilha dos Cachorros?” Não vai ganhar nada?

Shirkers

Shirkers, o documentário sobre o filme perdido dos anos 90, ganha como Melhor Documentário (pic by IMDb)

Dos prêmios especiais, merecido o reconhecimento da diretora chinesa Chloé Zhao pelo humilde e tocante Domando o Destino. Não poderia faltar um citação especial para o último trabalho do mestre Orson Welles por The Other Side of the Wind. E o prêmio pelo conjunto da obra para um dos maiores animadores da história do Cinema: o japonês Hayao Miyazaki, responsável por clássicos da animação como Meu Vizinho Totoro, A Viagem de Chihiro e O Castelo Animado.

VENCEDORES DO 44º LAFCA (2018):

MELHOR FILME: Roma (Roma)
2º lugar: Em Chamas (Beoning)

MELHOR DIRETOR: Debra Granik (Não Deixe Rastros)
2º lugar: Alfonso Cuarón (Roma)

MELHOR ATOR: Ethan Hawke (First Reformed)
2º lugar: Ben Foster (Não Deixe Rastros)

MELHOR ATRIZ: Olivia Colman (A Favorita)
2º lugar: Toni Collette (Hereditário)

MELHOR ATOR COADJUVANTE: Steven Yeun (Em Chamas)
2º lugar: Hugh Grant (Paddington 2)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Regina King (Se a Rua Beale Falasse)
2º lugar: Elizabeth Debicki (Viúvas)

MELHOR ROTEIRO: Nicole Holofcener, Jeff Whitty (Poderia Me Perdoar?)
2º lugar: Deborah Davis, Tony McNamara (A Favorita)

MELHOR FOTOGRAFIA: Alfonso Cuarón (Roma)
2º lugar: James Laxton (Se a Rua Beale Falasse)

MELHOR MONTAGEM: Joshua Altman, Bing Liu (Minding the Gap)
2º lugar: Alfonso Cuarón, Adam Gough (Roma)

MELHOR TRILHA MUSICAL: Nicholas Brittel (Se a Rua Beale Falasse)
2º lugar: Justin Hurwitz (O Primeiro Homem)

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE: Hannah Beachler (Pantera Negra)
2º lugar: Fiona Crombie (A Favorita)

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA: Em Chamas, de Lee Chang-dong (CORÉIA DO SUL) e Assunto de Família, de Hirokazu Koreeda (JAPÃO) – EMPATE

MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO: Homem-Aranha no Aranhaverso (Spider-Man into the Spiderverse), de Bob Persichetti, Peter Ramsey, Rodney Rothman
2º lugar: Os Incríveis 2 (Incredibles 2), de Brad Bird

MELHOR DOCUMENTÁRIO: Shirkers, de Sandi Tan
2º lugar: Minding the Gap, de Bing Liu

PRÊMIO DOUGLAS EDWARDS PARA FILME EXPERIMENTAL: Green Frog, de Evan Johnson, Galen Johnson e Guy Maddin

PRÊMIO NEW GENERATION: Chloé Zhao (Domando o Destino)

CITAÇÃO ESPECIAL: The Other Side of the Wind, de Orson Welles

PRÊMIO PELO CONJUNTO DA OBRA: Hayao Miyazaki

‘DOMANDO O DESTINO’ rouba a cena no GOTHAM AWARDS

THE RIDER

Brady Jandreau em cena do vencedor do Gotham Domando o Destino (pic by The Hollywood Reporter)

LANÇADO EM 2017, ‘DOMANDO O DESTINO’ CONTINUA CONQUISTANDO PRÊMIOS

Com três produções com chances no Oscar no páreo de Melhor Filme no Gotham, premiação do cinema independente, foi o humilde Domando o Destino (The Rider) que acabou conquistando o maior prêmio da noite.

Dirigido pela chinesa Chloé Zhao, o filme acompanha a recuperação do peão de rodeio Brady após um acidente com seu cavalo. Baseado na vida do peão Brady Jandreau, Domando o Destino foi uma forma ficcional da diretora recontar sua história. Curiosamente, o filme concorreu ao Independent Spirit Awards de 2017, mas volta agora à temporada de premiações pelo Gotham.

Em sua 34ª edição, o Gotham Awards elevou seu grau de importância no cenário quando coincidiu seus vencedores com os do Oscar de Melhor Filme em 3 oportunidades consecutivas com Moonlight, Spotlight e Birdman. Ano passado, o Gotham elegeu Me Chame Pelo seu Nome, mas deu A Forma da Água no Oscar.

Pelas categorias de atuação, o Gotham conquistou acertos bem esporádicos como Julianne Moore (Para Sempre Alice) e Casey Affleck (Manchester à Beira-Mar). Assim sendo, os vencedores deste ano: Ethan Hawke (First Reformed) e Toni Collette (Hereditário) podem não ter grandes chances no Oscar, mas certamente são vitórias merecidas que precisam ser celebradas.

ethan hawke

Ethan Hawke aceita prêmio de Ator por First Reformed (pic by IMDb)

Excetuando o prêmio de Melhor Filme, o grande vencedor da edição foi o drama adolescente Oitava Série, que ganhou dois prêmios: de Atuação Revelação para Elsie Fisher, e de Direção Revelação para o jovem Bo Burnham. Trata-se de um retrato bem fresco dessa nova geração de jovens e como eles lidam com interação social e familiar com o suporte da tecnologia.

bo burnham

O diretor estreante Bo Burnham de Oitava Série discursa no palco do Gotham (pic by IMDb)

Apesar da categoria de Atuação Revelação ser unissex, este ano foi composta apenas por mulheres: além de Fisher, estavam indicadas a mexicana Yalitza Aparicio de Roma, Helena Howard de A Madeline de Madeline, KiKi Layne de Se a Rua Beale Falasse e Thomasin McKenzie de Não Deixe Rastros, atestando uma força feminina nos filmes.

Vale destacar os dois prêmios também para o drama existencial First Reformed, que além de levar o prêmio de Ator para Ethan Hawke, conquistou o de Roteiro para o veterano Paul Schrader. Também indicado ao Independent Spirit, Schrader está caminhando bem para sua possível primeira indicação ao Oscar. Seria uma ótima oportunidade de reconhecer o roteirista de Taxi Driver (1976) e Touro Indomável (1980).

paul schrader

Diretor e roteirista Paul Schrader aceita o prêmio de Roteiro por First Reformed (pic by Arizona Daily Star)

Confira os vencedores do 34º Gotham Awards assinalados na cor laranja:

MELHOR FILME
First Reformed
A Favorita (The Favorite)
Madeline de Madeline (Madeline’s Madeline)
If Beale Street Could Talk
Domando o Destino (The Rider)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
Bisbee ‘17
Hale County This Morning, This Evening
Minding the Gap
Shirkers
Won’t You Be My Neighbor?

PRÊMIO BINGHAM RAY PARA DIRETOR ESTREANTE
Bo Burnham (Oitava Série)
Ari Aster (Hereditário)
Boots Riley (Sorry to Bother You)
Crystal Moselle (Skate Kitchen)
Jennifer Fox (O Conto)

MELHOR ROTEIRO
Deborah Davis, Tony McNamara (A Favorita)
Cory Finley (Thoroughbreds)
Paul Schrader (First Reformed)
Tamara Jenkins (Mais uma Chance)
Andrew Bujalski (Support the Girls)

MELHOR ATOR
Adam Driver (Infiltrado na Klan)
Ben Foster (Não Deixe Rastros)
Richard E. Grant (Poderia me Perdoar?)
Ethan Hawke (First Reformed)
Lakeith Stanfield (Sorry to Bother You)

MELHOR ATRIZ
Glenn Close (A Esposa)
Toni Collette (Hereditário)
Kathryn Hahn (Mais uma Chance)
Regina Hall (Support the Girls)
Michelle Pfeiffer (Where is Kyra?)

ATOR OU ATRIZ REVELAÇÃO
Thomasin McKenzie (Não Deixe Rastros)
Helena Howard (A Madeline de Madeline)
Kiki Layne (If Beale Street Could Talk)
Elsie Fisher (Oitava Série)
Yalitza Aparicio (Roma)

SÉRIE REVELAÇÃO – EPISÓDIOS LONGOS
Alias Grace
Big Mouth
The End of the F***ing World
Killing Eve
Pose
Sharp Objects

SÉRIE REVELAÇÃO – EPISÓDIOS CURTOS
195 Lewis
Cleaner Daze
Distance
The F Word
She’s the Ticket

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI PARA PERFORMANCE DE ELENCO
Olivia Colman, Emma Stone, Rachel Weisz (A Favorita)

EM VÉSPERA do OSCAR, ‘CORRA!’ LEVA MELHOR FILME e DIRETOR no INDEPENDENT SPIRIT AWARDS

Get-out-spirit-awards-20180303.jpg

No centro, Jordan Peele levanta o prêmio de Melhor Filme do Independent Spirit Awards por Corra! (pic by latimes.com)

FILME DE TERROR PODE ENTRAR PARA O HALL DOS VENCEDORES DO INDEPENDENT E OSCAR

Os tempos mudaram no Independent Spirit… Antigamente, o vencedor do prêmio passava bem longe do Oscar que acontece sempre no dia seguinte. De alguns anos pra cá, tem rolado uma dobradinha Independent-Oscar. Foi assim com O Artista, 12 Anos de Escravidão, Birdman, Spotlight e Moonlight.

O fato é que a indústria de cinema mudou desde a crise econômica dos EUA (por volta de 2008), e desde então, os estúdios e as premiações têm preferido produções de menor orçamento, pensando tanto em margem de lucro quanto qualidade. E nesse aspecto, o Independent Spirit se consagrou o eleito da temporada de premiações como novo parâmetro, pois seu regulamento exige que os indicados tenham orçamento de até 20 milhões de dólares, caso contrário, não compete.

Essa regra fundamental do Independent excluiu este ano filmes do Oscar como O Destino de uma Nação, Dunkirk e The Post, abrindo caminho para outros artistas menos favoritos desta temporada como Timothée Chalamet, que venceu o prêmio de Melhor Ator, no lugar do vitorioso frequente Gary Oldman. É claro que a um dia da cerimônia do Oscar, os votos já foram computados e o resultado do Independent pouco vai influenciar, mas ele já costuma dar um forte indicativo das intenções de votos de muitos membros da Academia.

Timothée Chalamet Independent.JPG

Timothée Chalamet sobe eufórico para receber o prêmio de Melhor Ator por Me Chame Pelo Seu Nome (pic by Tommaso Boddi, Getty Images throught USA Today)

Infelizmente, Chalamet foi a única surpresa das categorias de atuação diante do predomínio do favoritismo de Frances McDormand, Sam Rockwell e Allison Janney. Já nas categorias principais, as vitórias de Corra! e seu diretor Jordan Peele podem significar que o filme não está descartado na corrida das apostas perante Três Anúncios Para um Crime e A Forma da Água. Aliás, a vitória de Greta Gerwig na categoria de Melhor Roteiro pode indicar a possibilidade de ela receber a estatueta no Oscar como forma de compensação por perder como Diretora por Lady Bird.

GretaGerwig_Independent Spirit.jpg

Greta Gerwig é ovacionada enquanto recebe o prêmio de roteiro por Lady Bird. Pic by filmindependent.com

Mas voltando à vitória de Corra!, foi bem interessante ver que as duas figuras que se encarregaram de apresentar os prêmios de Diretor e Filme foram dois artistas negros do passado e do presente: o diretor Spike Lee e o ator sensação de Pantera Negra, Chadwick Boseman, respectivamente.

Importante lembrar que outros indicados ao Oscar como o filme chileno Uma Mulher Fantástica e o documentário Visages Villages também saíram premiados no Independent Spirit como Filme em Língua Estrangeira e Documentário, respectivamente.

Vencedores do 33º INDEPENDENT SPIRIT AWARDS

MELHOR FILME

  • CORRA! (Get Out)
    Produtores: Jason Blum, Edward H. Hamm Jr., Sean McKittrick, Jordan Peele

MELHOR FILME DE DIRETOR ESTREANTE

  • INGRID GOES WEST
    Diretor: Matt Spicer
    Produtores: Jared Ian Goldman, Adam Mirels, Robert Mirels, Aubrey Plaza, Tim White, Trevor White

PRÊMIO JOHN CASSAVETES – Concedido a uma produção com orçamento abaixo de 500 mil dólares.

  • Life and nothing more
    Roteirista/Diretor: Antonio Méndez Esparza
    Produtores: Amadeo Hernández Bueno, Alvaro Portanet Hernández, Pedro Hernández Santos

MELHOR DIRETOR

  • Jordan Peele (Corra!)

MELHOR ROTEIRO

  • Greta Gerwig (Lady Bird)

MELHOR ROTEIRO DE ESTREANTE

  • Emily V. Gordon, Kumail Nanjiani (Doentes de Amor)

MELHOR FOTOGRAFIA

  • Sayombhu Mukdeeprom (Me Chame Pelo seu Nome)

MELHOR MONTAGEM

  • Tatiana S. Riegel (Eu, Tonya)

MELHOR ATRIZ

  • Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)

MELHOR ATOR

  • Timothée Chalamet (Me Chame Pelo seu Nome)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

  • Allison Janney (Eu, Tonya)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

  • Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)

PRÊMIO ROBERT ALTMAN – Concedido ao diretor, diretor de casting e ao elenco

  • Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi (Mudbound)
    Diretor: Dee Rees
    Diretores de Casting: Billy Hopkins, Ashley Ingram
    Elenco: Jonathan Banks, Mary J. Blige, Jason Clarke, Garrett Hedlund, Jason Mitchell, Rob Morgan, Carey Mulligan

MELHOR DOCUMENTÁRIO

  • Visages Villages
    Diretores: Agnés Varda, JR
    Produtora: Rosalie Varda

MELHOR FILME INTERNACIONAL

  • Uma Mulher Fantástica (Una Mujer Fantástica)
    Chile
    Dir: Sebastián Lelio

PRÊMIO BONNIE – Este prêmio inaugural reconhecerá uma diretora no meio de sua carreira com um prêmio de 50 mil dólares.

  • Chloé Zhao

PRÊMIO JEEP TRUER THAN FICTION – Concedido a um diretor emergente de não-ficção que ainda não recebeu nenhum reconhecimento significante.

  • Jonathan Olshefski
    Diretor de Quest

PRÊMIO KIEHL’S SOMEONE TO WATCH – Reconhece um cineasta talentoso de visão singular que ainda não recebeu nenhum reconhecimento apropriado.

  • Justin Chon
    Diretor de Gook

PRÊMIO PIAGET DE PRODUTORES – Honra produtores emergentes, que com poucos recursos, demonstram criatividade, tenacidade e visão necessários para produzir filmes independentes de qualidade.

  • Summer Shelton
Emily V Gordon Kumail Nanjiani Independent

O casal de roteiristas na vida real Kumail Nanjiani e Emily V. Gordon recebem o prêmio de Roteiro Estreante por Doentes de Amor (pic by Film Independent)

A 90ª cerimônia do Oscar acontece hoje, dia 04 de março, e será transmitida pelo canal TNT a partir das 22h, com tapete vermelho a partir das 20h.

‘ME CHAME PELO SEU NOME’ conquista 6 INDICAÇÕES ao INDEPENDENT SPIRIT AWARDS 2018

Call Me by Your Name - Still 1

À direita, o jovem Timithée Chalamet e Armie Hammer avaliam estátua. Mais ao fundo, Michael Stuhlbarg em cena de Me Chame Pelo seu Nome (pic by cine.gr)

PRÊMIO DO CINEMA INDEPENDENTE AMERICANO RECONHECE BONS TÍTULOS, MAS ALGUMAS AUSÊNCIAS CHEGAM A ESTRANHAR

Na manhã desta terça, dia 21, as atrizes Lily Collins e Tessa Thompson anunciaram os indicados ao 33º Independent Spirit Awards, concedido às produções de orçamento de até 20 milhões de dólares. Sim, com esse montante no Brasil, seria uma mega-produção… E sim, provavelmente desses 20 milhões, 10 estariam em malas de políticos.

Pra quem não se recorda, houve um tempo em que o prêmio Independent Spirit era o “patinho feio” da temporada, pois os vencedores passavam longe do tapete vermelho do Oscar. Agora as coisas se inverteram. As produções aqui presentes já apresentam boa vantagem em relação aos ausentes, já que dos últimos quatro vencedores do Independent acabaram ganhando o Oscar de Melhor Filme também. Para refrescar a memória:

2014: 12 Anos de Escravidão
2015: Birdman
2016: Spotlight: Segredos Revelados
2017: Moonlight: Sob a Luz do Luar

Nesta edição, o franco-favorito também se tornou o recordista com seis indicações. Me Chame Pelo seu Nome, novo trabalho do diretor italiano Luca Guadagnino, foi indicado a Filme, Diretor, Ator, Ator Coadjuvante, Fotografia e Montagem.

Não sei se é válido rotulá-lo de drama LGBT, mas a trama envolve uma relação entre um rapaz de 17 anos no auge de sua descoberta sexual e um assistente do pai dele nos anos 80 na Itália. Os atores que os interpretam, Timothée Chalamet e Armie Hammer, respectivamente, ambos indicados aqui, vêm recebendo críticas bastante positivas e devem frequentar futuras listas de melhores do ano. O diretor Guadagnino, que dirigiu o ótimo Um Sonho de Amor, costuma filmar com um olhar mais metafórico, que parece combinar com a essência mais dúbia do filme.

Com cinco indicações cada, Bom Comportamento e Corra! vêm logo em seguida. Coincidentemente, foram duas ótimas surpresas do ano. Enquanto o primeiro apresenta uma atmosfera mais crua e fria, o segundo busca ótimos artifícios cinematográficos para tornar crível a ficção. Já a diferença entre eles está nos números das bilheterias. Enquanto o tenso filme dos irmãos Josh e Bennie Safdie arrecadou apenas 2 milhões de dólares até o momento, o drama racial de Jordan Peele se tornou um sucesso comercial de mais de 250 milhões pelo mundo. Será que a Academia vai ignorar esses números na hora das indicações?

get-out-mit-daniel-kaluuya.jpg

Daniel Kaluuya em cena de desconcertante de Corra! (pic by moviepilot.de)

A ausência, se podemos dizer assim, mais sentida foi a de Três Anúncios Para um Crime na categoria de Melhor Filme. Após uma recepção extremamente favorável no Festival de Toronto, muitos especialistas já o consideravam o filme a ser batido na temporada. O novo filme de Martin McDonagh critica severamente a impunidade e a falta de eficiência policial, que embora aconteça no Missouri, é um tema bastante universal. Felizmente, a produção foi lembrada nas categorias de Atriz (Frances McDormand), Ator Coadjuvante (Sam Rockwell) e Roteiro (do próprio McDonagh).

three-billboards-outside-ebbing-missouri-mit-sam-rockwell-frances-mcdormand-und-zeljko-ivanek

Sam Rockwell, Frances McDormand e Woody Harrelson em cena tensa de Três Anúncios Para um Crime (pic by moviepilot.de)

Outra ausência sentida foi do ator americano Willem Dafoe, que vinha num crescendo de críticas positivas por seu papel em The Florida Project, que foi indicado a Melhor Filme e Diretor. Como tem prestígio junto à Academia (foi indicado ao Oscar duas vezes: em 1987 por Platoon, e em 2001 por A Sombra do Vampiro), o ator deve ter boas chances de se integrar à categoria de Ator Coadjuvante. O diretor do filme, Sean Baker, ficou conhecido pelo drama Tangerine, que acompanha dois personagens trans com a câmera do iPhone.

 

the-florida-project-mit-willem-dafoe-und-brooklynn-prince

Willem Dafoe com a pequena Brooklynn Prince em The Florida Project (pic by moviepilot.de)

 

Após vencer o cobiçado Leão de Ouro no último Festival de Veneza, muito se falou do favoritismo do novo filme de Guillermo del Toro, A Forma da Água. Porém, além de ter ficado de fora por completo no Gotham Awards, não recebeu nenhuma indicação no Independent. As melhores chances estavam com a atriz Sally Hawkins e o próprio diretor mexicano. Curiosamente, o filme teve orçamento de 19,5 milhões, como se tivesse se planejado exclusivamente para entrar no Independent Spirit, mas seus esforços foram em vão…

Falando em atriz, a categoria apresentou seis candidatas. Até o momento, as atuações de Frances McDormand e Saoirse Ronan foram as mais comentadas, mas Margot Robbie interpretando uma patinadora de gelo em I, Tonya tem recebido boas críticas, além de Allison Janney, que atua como a mãe problemática dela.

 

 

i-tonya-2017_ (6)

À esquerda, Sebastian Stan interpreta o ex-marido de Tonya (Margot Robbie) em I, Tonya. pic by myfilm.gr

Este ano, o prêmio Robert Altman pelo elenco foi para Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississipi, da diretora Dee Rees. Este drama acompanha o retorno de dois homens que voltam da Segunda Guerra Mundial para trabalhar numa fazenda, enquanto lidam com questões de racismo no Mississipi.

Segue lista de indicados do Independent Spirit Awards:

MELHOR FILME

  • ME CHAME PELO SEU NOME (Call Me by Your Name)
    Produtores: Peter Spears, Luca Guadagnino, Emilie Georges, Rodrigo Teixeira, Marco Morabito, James Ivory, Howard Rosenman
  • THE FLORIDA PROJECT
    Produtores: Sean Baker, Chris Bergoch, Kevin Chinoy, Andrew Duncan, Alex Saks, Francesca Silvestri, Shih-Ching Tsou
  • CORRA! (Get Out)
    Produtores: Jason Blum, Edward H. Hamm Jr., Sean McKittrick, Jordan Peele
  • LADY BIRD
    Producers: Eli Bush, Evelyn O’Neill, Scott Rudin
  • THE RIDER
    Produtores: Mollye Asher, Bert Hamelinck, Sacha Ben Harroche, Chloé Zhao

MELHOR FILME DE DIRETOR ESTREANTE

  • COLUMBUS
    Diretor: Kogonada
    Produtores: Danielle Renfrew Behrens, Aaron Boyd, Giulia Caruso, Ki Jin Kim, Andrew Miano, Chris Weitz
  • INGRID GOES WEST
    Diretor: Matt Spicer
    Produtores: Jared Ian Goldman, Adam Mirels, Robert Mirels, Aubrey Plaza, Tim White, Trevor White
  • MENASHE
    Diretor/Produtor: Joshua Z. Weinstein
    Produtores: Yoni Brook, Traci Carlson, Daniel Finkelman, Alex Lipschultz
  • OH LUCY!
    Diretor/Producer: Atsuko Hirayanagi
    Produtores: Jessica Elbaum, Yukie Kito, Han West
  • PATTI CAKE$
    Diretor: Geremy Jasper
    Produtores: Chris Columbus, Michael Gottwald, Dan Janvey, Daniela Taplin Lundberg, Noah Stahl, Rodrigo Teixeira

PRÊMIO JOHN CASSAVETES – Concedido a uma produção com orçamento abaixo de 500 mil dólares.

  • Dayveon
    Roteirista/Diretor/Produtor: Amman Abbasi
    Roteirista: Steven Reneau
    Produtores: Lachion Buckingham, Alexander Uhlmann
  • A Ghost Story
    Roteirista/Diretor: David Lowery
    Produtores: Adam Donaghey, Toby Halbrooks, James M. Johnston
  • Life and nothing more
    Roteirista/Diretor: Antonio Méndez Esparza
    Produtores: Amadeo Hernández Bueno, Alvaro Portanet Hernández, Pedro Hernández Santos
  • Most Beautiful Island
    Roteirista/Diretor/Produtor: Ana Asensio
    Produtores: Larry Fessenden, Noah Greenberg, Chadd Harbold, Jenn Wexler
  • The Transfiguration
    Roteirista/Diretor: Michael O’Shea
    Produtor: Susan Leber

MELHOR DIRETOR

  • Sean Baker (The Florida Project)
  • Jonas Carpignano (A Ciambra)
  • Luca Guadagnino (Me Chame Pelo seu Nome)
  • Jordan Peele (Corra!)
  • Benny Safdie, Josh Safdie (Bom Comportamento)
  • Chloé Zhao (The Rider)

MELHOR ROTEIRO

  • Greta Gerwig (Lady Bird)
  • Azazel Jacobs (The Lovers)
  • Martin McDonagh (Três Anúncios Para um Crime)
  • Jordan Peele (Corra!)
  • Mike White (Beatriz at Dinner)

MELHOR ROTEIRO DE ESTREANTE

  • Kris Avedisian. História por: Kyle Espeleta, Jesse Wakeman (Donald Cried)
  • Emily V. Gordon, Kumail Nanjiani (The Big Sick)
  • Ingrid Jungermann (Women Who Kill)
  • Kogonada (Columbus)
  • David Branson Smith, Matt Spicer (Ingrid Goes West)

MELHOR FOTOGRAFIA

  • Thimios Bakatakis (The Killing of a Sacred Deer)
  • Elisha Christian (Columbus)
  • Hélène Louvart (Beach Rats)
  • Sayombhu Mukdeeprom (Me Chame Pelo seu Nome)
  • Joshua James Richards (The Rider)

MELHOR MONTAGEM

  • Ronald Bronstein, Benny Safdie (Bom Comportamento)
  • Walter Fasano (Me Chame Pelo seu Nome)
  • Alex O’Flinn (The Rider)
  • Gregory Plotkin (Corra!)
  • Tatiana S. Riegel (I, Tonya)

MELHOR ATRIZ

  • Salma Hayek (Beatriz at Dinner)
  • Frances McDormand (Três Anúncios Para um Crime)
  • Margot Robbie (I, Tonya)
  • Saoirse Ronan (Lady Bird)
  • Shinobu Terajima (Oh Lucy!)
  • Regina Williams (Life and nothing more)

MELHOR ATOR

  • Timothée Chalamet (Me Chame Pelo seu Nome)
  • Harris Dickinson (Beach Rats)
  • James Franco (Artista do Desastre)
  • Daniel Kaluuya (Corra!)
  • Robert Pattinson (Bom Comportamento)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

  • Holly Hunter (The Big Sick)
  • Allison Janney (I, Tonya)
  • Laurie Metcalf (Lady Bird)
  • Lois Smith (Marjorie Prime)
  • Taliah Lennice Webster (Bom Comportamento)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

  • Nnamdi Asomugha (Crown Heights)
  • Armie Hammer (Me Chame Pelo seu Nome)
  • Barry Keoghan (The Killing of a Sacred Deer)
  • Sam Rockwell (Três Anúncios Para um Crime)
  • Benny Safdie (Bom Comportamento)

PRÊMIO ROBERT ALTMAN – Concedido ao diretor, diretor de casting e ao elenco

  • Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississipi (Mudbound)
    Diretor: Dee Rees
    Diretores de Casting: Billy Hopkins, Ashley Ingram
    Elenco: Jonathan Banks, Mary J. Blige, Jason Clarke, Garrett Hedlund, Jason Mitchell, Rob Morgan, Carey Mulligan

MELHOR DOCUMENTÁRIO

  • The Departure
    Diretora/Produtora: Lana Wilson
  • Faces Places
    Diretores: Agnés Varda, JR
    Produtora: Rosalie Varda
  • Last Men in Aleppo
    Diretor: Feras Fayyad
    Produtores: Kareem Abeed, Søeren Steen Jespersen, Stefan Kloos
  • Motherland
    Diretora/Produtora: Ramona S. Diaz
    Produtor: Rey Cuerdo
  • Quest
    Diretor: Jonathan Olshefski
    Produtora: Sabrina Schmidt Gordon

MELHOR FILME INTERNACIONAL

  • BPM (Beats Per Minute)
    França
    Dir: Robin Campillo
  • Uma Mulher Fantástica (Una Mujer Fantástica)
    Chile
    Dir: Sebastián Lelio
  • I Am Not a Witch
    Zâmbia
    Dir: Rungano Nyoni
  • Lady Macbeth
    Reino Unido
    Dir: William Oldroyd
  • Loveless
    Rússia
    Dir: Andrey Zvyagintsev

PRÊMIO BONNIE – Este prêmio inaugural reconhecerá uma diretora no meio de sua carreira com um prêmio de 50 mil dólares.

  • So Yong Kim
  • Lynn Shelton
  • Chloé Zhao

PRÊMIO JEEP TRUER THAN FICTION – Concedido a um diretor emergente de não-ficção que ainda não recebeu nenhum reconhecimento significante.

  • Shevaun Mizrahi
    Diretor de Distant Constellation
  • Jonathan Olshefski
    Diretor de Quest
  • Jeff Unay
    Diretor de The Cage Fighter

PRÊMIO KIEHL’S SOMEONE TO WATCH – Reconhece um cineasta talentoso de visão singular que ainda não recebeu nenhum reconhecimento apropriado.

  • Amman Abbasi
    Diretor de Dayveon
  • Justin Chon
    Diretor de Gook
  • Kevin Phillips
    Diretor de Super Dark Times

PRÊMIO PIAGET DE PRODUTORES – Honra produtores emergentes, que com poucos recursos, demonstram criatividade, tenacidade e visão necessários para produzir filmes independentes de qualidade.

  • Giulia Caruso & Ki Jin Kim
  • Ben LeClair
  • Summer Shelton

***

Como já é de costume, a cerimônia do Independent Spirit acontece um dia antes do Oscar, neste caso, no dia 03 de março.

‘Carol’ lidera as indicações do Independent Spirit Awards 2016

Carol

Rooney Mara e Cate Blanchett em cena de Carol, de Todd Haynes (photo by outnow.ch)

PREMIAÇÃO DOS INDEPENDENTES DESTACA OSCARIZÁVEIS

Antes de analisar esta edição, cabe aqui recordar o crescimento da importância do Independent Spirit em relação ao Oscar. Considerado como anti-Oscar até os anos 90, quando a Academia premiava grandes produções de estúdios em sua grande maioria como Coração Valente e Titanic, o prêmio singelo focado em filmes independentes ganhou muita força por sua veia mais artística e claro, por seus baixos orçamentos que animam qualquer produtor em anos de crise econômica.

Nos últimos anos, Birdman, 12 Anos de Escravidão e O Artista se sagraram Melhor Filme tanto no Independent como no Oscar, assim como vários atores, cujas performances foram reconhecidas em ambas as premiações como Julianne Moore (Para Sempre Alice), J.K. Simmons (Whiplash: Em Busca da Perfeição), Patricia Arquette (Boyhood: Da Infância à Juventude), Matthew McConaughey (Clube de Compras Dallas), Cate Blanchett (Blue Jasmine), Jared Leto (Clube de Compras Dallas) e Lupita Nyong’o (12 Anos de Escravidão) só pra citar as duas últimas edições, ou seja, 7 vencedores coincididos em 8. Resumindo: O Independent Spirit só fica atrás do SAG Awards para garantir o Oscar de atuação. Portanto, nessa função de prévia do Oscar, o Independent Spirit tomou o lugar do Globo de Ouro há tempos.

Neste ano, os convidados para o anúncio das indicações foram os atores Elizabeth Olsen, a Feiticeira Escarlate de Vingadores: Era de Ultron, e John Boyega, que estrela o novo filme da saga: Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força. Eles revelaram os indicados na manhã desta última terça-feira, dia 24, e a transmissão segue em link do Youtube:

O recordista em indicações é o novo filme de Todd Haynes, conhecido por Longe do Paraíso e Velvet Goldmine, Carol. Rotulado como o romance lésbico, o longa conquistou seis indicações, incluindo para a dupla de protagonistas Cate Blanchett e Rooney Mara, que competirão na mesma categoria. Claro que isso não significa que Mara não possa concorrer por Coadjuvante no Oscar, pois dependerá de sua inscrição pela campanha, mas certamente sua inclusão como atriz principal aqui, juntamente com o prêmio de atuação feminina em Cannes, reforçam sua indicação ao Oscar.

Em seguida, com cinco indicações, vem Beasts of No Nation, de Cary Joji Fukunaga, que aborda o treinamento de crianças para se formarem soldados com o intuito de lutarem em guerras civis no continente africano. Curiosamente, é a primeira produção da Netflix a concorrer ao prêmio, comprovando que as plataformas de streaming não vão se limitar às séries.

Michael Keaton e Mark Ruffalo em cena de Spotlight (photo by cine.gr)

Michael Keaton e Mark Ruffalo em cena de Spotlight (photo by cine.gr)

Com quatro indicações, Spotlight, drama jornalístico sobre escândalos verídicos de abusos de padres católicos, ganhou mais impulso para a temporada. Havia um certo receio de que o conservadorismo da Academia pudesse barrar a produção, mas com a alta de seu reconhecimento, fica praticamente impossível ignorar o filme, que já conquistou o prêmio de Melhor Elenco pelas performances de Mark Ruffalo, Michael Keaton, Rachel McAdams, Liev Schreiber e Stanley Tucci.

Com o mesmo número de indicações, a animação Anomalisa surpreendeu ao conquistar espaço nas principais categorias como Filme, Diretor e Roteiro. Contudo, a maior surpresa aqui é a inclusão do trabalho de dublagem da atriz Jennifer Jason Leigh como Atriz Coadjuvante. Sem contar com a presença de tela, a dublagem normalmente passa desapercebida pela maioria dos prêmios, pois muitos acreditam ainda que se trata de uma performance menor, ou mesmo limitada. As últimas duas atuações vocais que causaram um hype foram a de Scarlett Johansson, que faz a voz do sistema operacional em Ela (2013), e Ellen DeGeneres como a personagem amnésica Dory de Procurando Nemo (2003). Infelizmente, nenhuma das duas atrizes foram indicadas ao Oscar, mas alguns críticos já estão fazendo campanha para Jennifer Jason Leigh, que ainda conta com sua participação em Os 8 Odiados.

À direita, a personagem Lisa, dublada pela atriz Jennifer Jason Leigh (photo by observatoriodocinema.com.br)

À direita, a personagem Lisa, dublada pela atriz Jennifer Jason Leigh em Anomalisa  (photo by observatoriodocinema.com.br)

De todas as indicações, a que mais gostei foi para o diretor David Robert Mitchell por seu trabalho em Corrente do Mal. Trata-se de um terror pós-moderno que faz uma bela analogia à liberdade sexual entre os jovens de hoje. Fazer um filme de terror com conteúdo como fazia John Carpenter nos anos 70 e 80 está cada vez mais raro, e por isso mesmo, merece tal reconhecimento.

Vale destacar também as quatro indicações para o drama Tangerina, sobre duas prostitutas transsexuais que buscam vingança com seu cafetão na época do Natal em Los Angeles. Com um orçamento irrisório de 100 mil dólares e câmeras de iPhones modificadas, está competindo com grandes favoritos ao Oscar. Além disso, está lançando duas atrizes transsexuais para competir nas categorias de Atriz e Atriz Coadjuvante: Kitana Kiki Rodriguez e Mya Taylor, respectivamente. Caso uma das duas seja indicada para o Oscar, será a primeira vez que um ator transgênero consegue o feito.

Da esquerda pra direita, as atrizes Kitana Kiki Rodriguez e Mya Taylor em cena de Tangerina (photo by cine.gr)

Da esquerda pra direita, as atrizes Kitana Kiki Rodriguez e Mya Taylor em cena de Tangerina (photo by cine.gr)

Ainda sobre a lista de indicados, muitos especialistas acreditam que o drama O Quarto de Jack, considerado um “Oscar lock”, ficou aquém das expectativas na premiação. Segundo as apostas, faltaram indicações para Melhor Filme, Diretor (Lenny Abrahamson), Atriz Coadjuvante para Joan Allen, e Ator Coadjuvante Para Jacob Tremblay. Nesse cenário, a protagonista Brie Larson continua firme e forte na disputa para o Oscar de Atriz.

Outras ausências sentidas foram das atrizes Blythe Danner (I’ll See You in My Dreams), Lily Tomlin (Grandma), Saoirse Ronan (Brooklyn) e Elizabeth Banks (Love & Mercy), confirmando que estamos diante de um ano excepcional para atrizes como há muito não se via.

Diante desses indicados, com mais “cara de independente”, com exceções de Spotlight e Carol, talvez seja um ano de ruptura entre o Independent Spirit e o Oscar.

Seguem as indicações do Independent Spirit Awards 2016:

MELHOR FILME
– Anomalisa
– Beasts of No Nation
– Carol
– Spotlight
– Tangerina (Tangerine)

MELHOR DIRETOR
– Sean Baker (Tangerina)
– Cary Joji Fukunaga (Beasts of No Nation)
– Todd Haynes (Carol)
– Charlie Kaufman & Duke Johnson (Anomalisa)
– Tom McCarthy (Spotlight)
– David Robert Mitchell (Corrente do Mal)

MELHOR ROTEIRO
– Charlie Kaufman (Anomalisa)
– Donald Margulies (O Fim da Turnê)
– Phyllis Nagy (Carol)
– Tom McCarthy & Josh Singer (Spotlight)
– S. Craig Zahler (Bone Tomahawk)

MELHOR FILME DE ESTRÉIA
– The Diary of a Teenage Girl
– James White
– Manos Sucias
– Mediterranea
– Songs My Brothers Taught Me

MELHOR ROTEIRO ESTREANTE
– Jesse Andrews (Eu, Você e a Garota que Vai Morrer)
– Jonas Carpignano (Mediterranea)
– Emma Donoghue (O Quarto de Jack)
– Marielle Heller (The Diary of a Teenage Girl)
– John Magary, Russell Harbaugh, Myna Joseph (The Mend)

MELHOR ATOR
– Christopher Abbott (James White)
– Abraham Attah (Beasts of No Nation)
– Ben Mendelsohn (Mississippi Grind)
– Jason Segel (O Fim da Turnê)
– Koudous Seihon (Mediterranea)

MELHOR ATRIZ
– Cate Blanchett (Carol)
– Brie Larson (O Quarto de Jack)
– Rooney Mara (Carol)
– Bel Powley (The Diary of A Teenage Girl)
– Kitana Kiki Rodriguez (Tangerina)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
– Kevin Corrigan (Resultados)
– Paul Dano (Love & Mercy)
– Idris Elba (Beasts of No Nation)
– Richard Jenkins (Bone Tomahawk)
– Michael Shannon (99 Homes)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Robin Bartlett (H.)
– Marin Ireland (Glass Chin)
– Jennifer Jason Leigh (Anomalisa)
– Cynthia Nixon (James White)
– Mya Taylor (Tangerina)

MELHOR DOCUMENTÁRIO
– (T)error
– Best of Enemies
– Heart of a Dog
– The Look of Silence
– Meru
– The Russian Woodpecker

MELHOR FILME INTERNACIONAL
– Um Pombo Pousou num Galho Refletindo Sobre a Existência (En duva satt på en gren och funderade på tillvaron), de Roy Andersson
– Embrace of the Serpent (El Abrazo de la Serpiente), de Ciro Guerra
– Garotas (Bande de Filles), de Céline Sciamma
– Mustang, de Deniz Gamze Ergüven
– O Filho de Saul (Saul Fia), de László Nemes

MELHOR FOTOGRAFIA
– Beasts of No Nation
– Carol
– Corrente do Mal
– Meadlowland
– Songs My Brothers Taught Me

MELHOR MONTAGEM
– Heaven Knows What
– Corrente do Mal
– Manos Sucias
– O Quarto de Jack
– Spotlight

PRÊMIO JOHN CASSAVETES (Best Feature Under $500,000)
– Advantageous
– Christmas, Again
– Heaven Knows What
– Krisha
– Out of My Hand

PRÊMIO ROBERT ALTMAN (Best Ensemble)
* Spotlight

Kiehl’s Someone to Watch Award
– Chloé Zhao
– Felix Thompson
– Robert Machoian & Rodrigo Ojeda-Beck

PRÊMIO PIAGET DE PRODUTORES
– Darren Dean
– Mel Eslyn
– Rebecca Green and Laura D. Smith

A 31ª edição do Independent Spirit Awards acontece no dia 27 de fevereiro, como de costume, um dia antes da cerimônia do Oscar.

Idris Elba em cena de Beasts of No Nation, de Cary Fukunaga (photo by cine.gr)

Idris Elba em cena de Beasts of No Nation, de Cary Joji Fukunaga (photo by cine.gr)