Oscar corta indicação de “Alone Yet Not Alone” como Melhor Canção Original

Pôster do filme Alone Yet Not Alone (photo by cinemagia.ro)

Pôster do filme Alone Yet Not Alone (photo by cinemagia.ro)

LOBBY DE MEMBRO INTERNO CAUSOU ELIMINAÇÃO

Numa decisão pra lá de incomum, a Academia decidiu eliminar um indicado. A canção “Alone Yet Not Alone” pertencente ao filme homônimo não está mais concorrendo ao prêmio porque houve acusações de que seu compositor, o ex-presidente do departamento de música Bruce Broughton, teria se aproveitado de sua posição como atual líder do comitê executivo para promover seu trabalho para obter votos.

O procedimento para eleger os indicados de Melhor Canção Original envolve a distribuição de um CD com todos os trabalhos elegíveis para os membros votantes do departamento de música. Segundo o acusado Broughton, ele apenas teria escrito para algumas pessoas e dito “Você poderia dar uma olhada nessa canção?”, o que seria menos direto do que o costumeiro lobby promovido pelos estúdios, que pode incluir desde a cópia do filme até brindes personalizados.

Visto sob esse ângulo, a campanha pessoal de Bruce Broughton não parece uma tática ilegal, porém, o problema maior é que ele faz parte da própria organização. É como naqueles concursos promocionais em que a cláusula “está vedada a participação de funcionários da empresa ou pessoas ligadas” é constante.

O compositor Bruce Broughton (photo by hollywoodinvienna.com)

O compositor Bruce Broughton (photo by hollywoodinvienna.com)

“Não importa o quão bem-intencionado ele tenha sido, usufruir de sua posição como ex-presidente e atual executivo do comitê para promover sua candidatura ao Oscar cria a impressão de uma injusta vantagem”, declarou a presidente da Academia, Cheryl Boone Isaac.

Apesar de concordar com a desqualificação da música, sou a favor de revisarem a questão do lobby, que muitas vezes é tão intenso e selvagem que acaba elegendo os filmes por sua campanha, e não por sua qualidade fílmica como deveria ser. Independente do filme promovido, a Weinstein Company de Harvey Weinstein (ex-dono da Miramax) tem conquistado alguns Oscars ao investir pesado nas campanhas, sendo a mais lembrada a vitória de Shakespeare Apaixonado e A Vida é Bela sobre O Resgate do Soldado Ryan e Além da Linha Vermelha em 1999.

É uma pena que um trabalho seja eliminado desta maneira. A atitude do compositor prejudicou a equipe que suou a camisa pra criar esta canção. Aliás, pra ficar mais feio ainda para Broughton, “Alone Yet Not Alone” é cantada por Joni Eareckson Tada, uma senhora cristã quadriplégica. No videoclipe abaixo, é possível conferir a canção e como ela consegue imprimir emoção na letra mesmo com o corpo e os pulmões debilitados. Não acredito que ganharia o Oscar, mas seria um belo candidato. Uma pena.

O fato da vaga aberta não ser preenchida por outra canção prejudica outras canções que poderiam conquistar a indicação como a comentada “Young and Beautiful”, de Lana Del Rey pelo filme O Grande Gatsby, por exemplo. Melhor para as quatro canções remanescentes:

“Let it Go”, de Frozen: Uma Aventura Congelante

“Happy”, de Meu Malvado Favorito 2

“The Moon Song”, de Ela

“Ordinary Love”, de Mandela: Long Walk to Freedom

CASOS RAROS NA ACADEMIA

Embora seja de uma raridade singular, esta eliminação não é inédita na história do Oscar.

Em 2012, a Academia descobriu que o curta-metragem Tuba Atlantic já havia sido transmitido pela TV norueguesa em 2010, tornando-o inelegível ao prêmio.

Em 1992, após o anúncio dos indicados, descobriram que o representante uruguaio A Place in the World foi todo produzido na Argentina e não continha controle artístico uruguaio o suficiente. O filme foi eliminado na categoria de Melhor Filme em Língua Estrangeira.

Cena de O Poderoso Chefão com Marlon Brando: trilha desqualificada (photo by hidefdiscnews.com)

Cena de O Poderoso Chefão com Marlon Brando: trilha desqualificada (photo by hidefdiscnews.com)

Em 1972, a trilha musical de Nino Rota para o clássico O Poderoso Chefão foi desqualificada, pois havia parte do tema previamente utilizado na comédia Fortunella. Curiosamente, o compositor italiano ganhou o Oscar dois anos depois com a trilha de O Poderoso Chefão 2, que tinha grandes semelhanças com a trilha do primeiro filme da trilogia.

Em 1969, o documentário Young Americans foi anunciado o vencedor da categoria, mas um mês depois foi revelado que a produção já havia sido exibida em 1967, prazo anterior ao elegível. Nesse caso, o segundo mais votado, Journey into Self, acabou levando o Oscar no lugar.

Em 1932, o curta de comédia Stout Hearts and Willing Hands foi removida da competição antes do fim da apuração. Assim, outro curta da RKO Radio preencheu a vaga, contudo não houve explicação oficial para essa troca.

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: