26 Animações inscritas concorrem ao OSCAR de MELHOR LONGA DE ANIMAÇÃO

COCO

Cena de “Coco”, ou na versão brasileira politicamente correta: “Viva: A Vida é uma Festa” (pic by outnow.ch)

PRA VARIAR, UMA PRODUÇÃO PIXAR-DISNEY É A FRANCO-FAVORITA

A Academia anunciou as 26 produções que se inscreveram para concorrer na categoria de Melhor Longa de Animação.

Algumas delas ainda precisam completar as requisições para se qualificar, como o lançamento em salas de cinema de Los Angeles no prazo determinado, mas de acordo com o histórico das últimas edições, acredito que quase todas devem competir. Só para relembrar a regra: se houver pelo menos 16 classificados, serão 5 indicados. Menos de 16, serão apenas 2 ou 3.

Pra quem acompanha a categoria desde sua criação em 2002, sabe que pelo menos uma das vagas será da Disney/Pixar. E o candidato deste ano é Viva: A Vida é uma Festa, de Lee Unkrich. Na verdade, o filme se chama Coco, mas em tempos cada vez mais politicamente corretos, qualquer menção a escatologia infantil pode virar um escândalo.

Falando em politicamente correto, mesmo sem ver o filme, já podemos praticamente cravar sua vitória no Oscar. Sua temática da cultura rica mexicana já renderia prêmios, mas nessa era Trump, quando se cogitou erguer um muro entre EUA e México, o filme deve ganhar ares pró-imigratórios.

Ainda sobre a Pixar, acredito que não dá nem pra considerar Carros 3 como forte concorrente, pois a franquia não fez muito sucesso no Oscar. O primeiro foi indicado a Longa de Animação e Canção, já o segundo não participou do Oscar.

Entre outros títulos mais badalados estão Meu Malvado Favorito 3, O Poderoso Chefinho e os dois filmes de Lego, LEGO Batman: O Filme e LEGO Ninjango: O Filme, mas nenhum deles aparenta ter forças para não morrer na praia, considerando que nem o primeiro filme do Lego foi indicado a Melhor Animação. Talvez sobre uma vaga para O Touro Ferdinando, baseado num livro infantil popular e já adaptado pela Disney num curta premiado com o Oscar em 1939. Esta nova adaptação feita pela Fox foi dirigida pelo carioca Carlos Saldanha, que ficou conhecido por Era do Gelo 2 e Rio.

ferdinand

Cena de O Touro Ferdinando, de Carlos Saldanha (pic by moviepilot.de)

Nesse cenário, felizmente, as produções estrangeiras ganham muita força. E não há nada mais memorável do que o Com Amor, Van Gogh, uma co-produção entre Polônia e Reino Unido. Para quem nunca ouviu falar, trata-se de uma animação extremamente caprichosa feita com a técnica impressionista do próprio Vincent Van Gogh: tinta à óleo sobre tela.

loving-vincent.jpg

Cena de Com Amor, Van Gogh, dirigido pela dupla Dorota Kobiela e Hugh Welchman (pic by moviepilot.de)

Vale a pena conferir a técnica em movimento no trailer. Realmente é um deleite para os olhos de qualquer cinéfilo:

Além desse forte concorrente, temos alguns candidatos nipônicos que sempre conseguem descolar uma indicação, muito graças ao poder do Studio Ghibli, comandado por Hayao Miyazaki. São cinco animações japonesas na disputa: In This Corner of the World, Mary and the Witch’s Flower, Napping Princess, A Silent Voice Sword Art Online: The Movie – Ordinal Scale. Vale lembrar que o diretor de Mary and the Witch’s Flower, Hiromasa Yonebayashi, já foi indicado em 2016 por As Memórias de Marnie.

É possível destacar também The Breadwinner, uma co-produção da Irlanda, Canadá e Luxemburgo, e produzido por Angelina Jolie. Na trama, uma menina afegã se disfarça de menino para conseguir sustento para sua família após o pai ser preso.

the breadwinner

Cena de The Breadwinner, de Nora Twomey (pic by cine.gr)

Seguem os 26 inscritos (minhas apostas estão assinaladas em laranja):

  • The Big Bad Fox & Other Tales (Le Grand Méchant Renard et autres contes…) – França/Bélgica
    Dir: Patrick Imbert, Benjamin Renner
  • Birdboy: The Forgotten Children (Psiconautas, los niños olvidados) – Espanha
    Dir: Pedro Rivero, Alberto Vázquez
  • O Poderoso Chefinho (The Boss Baby) – EUA
    Dir: Tom McGrath
  • The Breadwinner – Irlanda/Canadá/Luxemburgo
    Dir: Nora Twomey
  • As Aventuras do Capitão Cueca: O Filme (Captain Underpants The First Epic Movie) – EUA
    Dir: David Soren
  • Carros 3 (Cars 3) – EUA
    Dir: Brian Fee
  • Cinderella the Cat (Gatta Cenerentola) – Itália
    Dir: Ivan Cappiello, Marino Guarnieri, Alessandro Rak, Dario Sansone
  • Viva: A Vida é uma Festa (Coco) – EUA
    Dir: Lee Unkrich
  • Meu Malvado Favorito 3 (Despicable Me 3) – EUA
    Dir: Kyle Balda, Pierre Coffin
  • Emoji: O Filme (The Emoji Movie) – EUA
    Dir: Tony Leondis
  • Ethel & Ernest – Reino Unido
    Dir: Roger Mainwood
  • O Touro Ferdinando (Ferdinand) – EUA
    Dir: Carlos Saldanha
  • The Girl without Hands (La jeune fille san mains) – França
    Dir: Sébastien Laudenbach
  • In This Corner of the World (Kono sekai no katasumi ni) – Japão
    Dir: Sunao Katabuchi
  • LEGO Batman: O Filme (The Lego Batman Movie) – EUA/Dinamarca
    Dir: Chris McKay
  • LEGO Ninjango: O Filme (The Lego Ninjago Movie) – EUA
    Dir: Charlie Bean, Paul Fisher, Bob Logan
  • Com Amor, Van Gogh (Loving Vincent) – Reino Unido/Polônia
    Dir: Dorota Kobiela, Hugh Welchman
  • Mary and the Witch’s Flower (Meari to majo no hana) – Japão
    Dir: Hiromasa Yonebayashi
  • Moomins and the Winter Wonderland (Muumien joulu) – Finlândia/Polônia
    Dir: Ira Carpelan, Jakub Wronski
  • My Entire High School Sinking into the Sea – EUA
    Dir: Dash Saw
  • Napping Princess (Hirune-hime : Shiranai watashi no monogatari) – Japão
    Dir: Kenji Kamiyama
  • A Silent Voice (Koe no katachi) – Japão
    Dir: Naoko Yamada
  • Os Smurfs e a Vila Perdida (Smurfs: The Lost Village) – EUA/Hong Kong
    Dir: Kelly Asbury
  • A Estrela de Belém (The Star) – EUA
    Dir: Timothy Reckart
  • Sword Art Online: The Movie – Ordinal Scale (Gekijo-ban Sword Art Online: Ordinal Scale) – Japão
    Dir: Tomohiko Itô
  • Window Horses The Poetic Persian Epiphany of Rosie Ming – Canadá
    Dir: Ann Marie Fleming

***

As indicações ao Oscar 2018 serão anunciadas no dia 23 de janeiro.

Anúncios

19 Animações disputam 5 indicações no Oscar 2014

Universidade Monstros: vaga cativa no Oscar 2014

Universidade Monstros: vaga cativa no Oscar 2014

“Regrinha número 1: Reserve uma das vagas para a PIXAR.” Foi assim que comecei o post do ano passado sobre o mesmo tópico. A Academia acaba de fazer a pré-seleção das animações que podem ser indicadas para Melhor Animação em 2014. E, como de costume, a PIXAR está na lista e deve figurar entre os cinco finalistas. Se há um ano não acreditei na vitória de Valente (da PIXAR), este ano não vou duvidar de uma possível vitória de Universidade Monstros, ainda mais que não há favoritos na corrida e o Oscar pode querer compensar aquela derrota de Monstros S.A. em 2002 para Shrek. Sem contar as estatísticas: são 7 Oscars para a PIXAR em 12 anos.

E quais as outras quatro animações que podem concorrer? Vamos à lista das 19 produções:

Tá Chovendo Hambúrguer 2 (Cloudy with a Chance of Meatballs 2), de Cody Cameron e Kris Pearn – EUA
Os Croods (The Croods), de Kirk De Micco e Chris Sanders – EUA
Meu Malvado Favorito 2 (Despicable Me 2), de Pierre Coffin e Chris Renaud – EUA
Reino Escondido (Epic), de Chris Wedge – EUA
Ernest & Celestine (Ernest et Célestine), de Stéphane Aubier, Vincent Patar e Benjamin Renner – FRANÇA
The Fake (Saibi), de Sang-ho Yeon – CORÉIA DO SUL
Bons de Bico (Free Birds), de Jimmy Hayward – EUA
Frozen: Uma Aventura Congelante (Frozen), de Chris Buck e Jennifer Lee – EUA
Khumba (Khumba), de Anthony Silverston – ÁFRICA DO SUL
The Legend of Sarila (La Légende de Sarila), de Nancy Florence Savard – CANADÁ
A Letter to Momo (Momo e no tegami), de Hiroyuki Okiura – JAPÃO
Universidade Monstros (Monsters University), de Dan Scanlon – EUA
O Apostolo (O Apóstolo), de Fernando Cortizo – ESPANHA
Aviões (Planes), de Klay Hall – EUA
Puella Magi Madoka Magica the Movie Part III: The Rebellion Story (Gekijôban Mahou Shojo Madoka Magica Shinpen: Hangyaku no Monogatari), de Yukihiro Miyamoto e Akiyuki Shinbo – JAPÃO
Uma História de Amor e Fúria (Rio: 2096 A Story of Love and Fury), de Luiz Bolognesi – BRASIL
Os Smurfs 2 (The Smurfs 2), de Raja Gosnell – EUA
Turbo (Turbo), de David Soren – EUA
The Wind Rises (Kaze Tachinu), de Hayao Miyazaki – JAPÃO

Apesar da predominância de animações norte-americanas (dez), ainda temos trabalhos de outros três continentes. Com muita tradição no gênero, o Japão possui três representantes, mas deve participar oficialmente do Oscar através de The Wind Rises, mais nova obra de arte do mestre Hayao Miyazaki. Seu estilo de animação mais artesanal se tornou um dos poucos redutos da animação bidimensional do cinema mundial, rendendo-lhe prêmios importantes como o Urso de Ouro em Berlim e o próprio Oscar em 2003 com A Viagem de Chihiro. Se sua nomeação se consolidar, esta será sua terceira indicação ao Oscar (concorreu também com O Castelo Animado).

Vale destacar a presença do brasileiro Luiz Bolognesi, já que seu Uma História de Amor e Fúria é a primeira animação nacional a dar importante passo ao Oscar. Até então, o nome brasileiro mais próximo era o de Carlos Saldanha, que co-dirigiu A Era do Gelo 2 e Rio. Embora Bolognesi seja mais conhecido como o roteirista da diretora Laís Bodanzky (Bicho de Sete Cabeças e As Melhores Coisas do Mundo), o cineasta se mostra bastante versátil, pois também já se aventurou no gênero documentário. Uma História de Amor e Fúria foca no romance de um herói imortal e sua amada Janaína por 600 anos, abrangendo a colonização do Brasil, escravidão, regime militar e o futuro de 2096.

Cena de Uma História de Amor e Fúria (photo by www.outnow.ch)

Cena de Uma História de Amor e Fúria: dublagem de Camila Pitanga e Selton Mello (photo by http://www.outnow.ch)

Sem quase nenhuma tradição em animação (até na TV a série animada Peixonauta é algo muito recente), o Cinema brasileiro ainda sofre com precariedade tecnológica, por isso, só o fato desse trabalho ter alcançado o público das salas de cinema já é uma vitória. A pré-seleção do Oscar apenas coroou a trajetória do filme de Luiz Bolognesi. Minha única crítica ficaria a respeito da técnica de movimento. Como os movimentos são mais duros, fica a impressão de que economizaram nos in-betweens. Ademais, os traços dos personagens são compostos por linhas simples, que lembram O Príncipe do Egito (1998), e possui um trabalho de cores que soube explorar as diferentes épocas que a trama se passa. Desejo sorte à animação brasileira, mas vejo poucas chances de classificação.

Apesar do histórico curto da categoria de animação, o Oscar demonstrou que aprecia trabalhos internacionais. Além de França e Japão, recentemente as animações espanhola Chico & Rita e a co-produzida pela Irlanda The Secret of Kells foram indicadas. Portanto, existe forte probabilidade de uma produção estrangeira entrar no páreo (além da japonesa de Miyazaki). Por apresentarem um apelo mais artístico, o francês Ernest & Celestine e a espanhola O Apóstolo largam na frente, com ligeira vantagem para o primeiro, pois conquistou prêmio em Cannes e César.

Traços e cores já comprovam qualidade da animação francesa Ernest & Celestine (photo by www.outnow.ch)

Traços e cores já comprovam qualidade da animação francesa Ernest & Celestine (photo by http://www.outnow.ch)

Entretanto, o espanhol O Apóstolo não fica muito atrás, principalmente por se tratar do único representante que utilizou a técnica stop-motion com marionetes.

Além da técnica de stop motion, O Apóstolo também capricha na fotografia (photo by www.elfilm.com)

Além da técnica de stop motion, O Apóstolo também capricha na fotografia (photo by http://www.elfilm.com)

Este ano, ao contrário dos anos anteriores, não há um diretor mais conhecido com filmografia live-action que esteja se aventurando em animação como Gore Verbinski (Rango) e George Miller (Happy Feet – O Pingüim), mas há nomes previamente indicados na categoria como Chris Wedge (A Era do Gelo), Chris Sanders (Lilo & Stitch), Jennifer Lee (Kung Fu Panda 2) e Chris Buck (Tá Dando Onda), o que deve lhes proporcionar maiores chances.

Por enquanto, minhas apostas para os cinco indicados são:

♣ Os Croods (The Croods), de Kirk De Micco e Chris Sanders
♣ Ernest & Celestine (Ernest et Célestine), de Stéphane Aubier, Vincent Patar e Benjamin Renner
Universidade Monstros (Monsters University), de Dan Scanlon
O Apostolo (O Apóstolo), de Fernando Cortizo
The Wind Rises (Kaze Tachinu), de Hayao Miyazaki

Gostaria muito que três produções estrangeiras estivessem concorrendo pelo Oscar, mas acho um pouco improvável. Os grandes estúdios devem pressionar os membros da Academia a votar em Frozen: Uma Aventura Congelante, Meu Malvado Favorito 2, Turbo e Reino Escondido, utilizando como argumentos a costumeira bilheteria e a audiência da cerimônia do Oscar, enquanto o Cinema como Arte perde espaço no cenário.