Jim Carrey condena a violência de ‘Kick-Ass 2’

Jim Carrey como o Coronel Stars and Stripes em Kick-Ass 2 (photo by www.beyondhollywood.com)

Jim Carrey como o Coronel Stars and Stripes em Kick-Ass 2 (photo by http://www.beyondhollywood.com)

Kick-Ass 2, sequência do sucesso da adaptação de quadrinhos homônima criados por Mark Millar e John Romita Jr., só tem previsão de estréia para agosto (e setembro no Brasil), mas já enfrenta uma controvérsia nos bastidores. No último domingo, Jim Carrey, que atuou como o personagem Coronel Stars and Stripes nessa sequência, cuspiu no prato que comeu e tuitou algumas ressalvas quanto ao filme:

“I did Kickass a month b4 Sandy Hook and now in all good conscience I cannot support that level of violence… I meant to say my apologies to others involve with the film. I am not ashamed of it but recent events have caused a change in my heart. (Atuei em Kick-Ass 2 um mês antes do (massacre da escola) Sandy Hook e agora, em sã consciência, não posso apoiar aquele nível de violência… Minhas desculpas para os demais envolvidos no filme. Não tenho vergonha desse trabalho, mas acontecimentos recentes mudaram meu coração)”

Para quem não se lembra, em dezembro de 2012, a escola primária Sandy Hook, localizado no estado de Connecticut, sofreu um atentado. Adam Lanza, de 20 anos, invadiu a escola portando três armas de fogo, matando seis funcionários e vinte alunos com idades entre 6 e 7 anos.

Essa mudança repentina de opinião de Jim Carrey pegou de surpresa os profissionais envolvidos na produção, inclusive o criador e produtor-executivo Mark Millar que, além de suspeitar que o trailer recentemente lançado tenha ligação direta, postou uma resposta em seu blog, do qual retiro alguns trechos mais importantes:

Roteirista e criador de Kick-Ass, Mark Millar (photo by www.popground.com)

Roteirista e criador de Kick-Ass, Mark Millar (photo by http://www.popground.com)

“Primeiramente, eu amo Jim Carrey. Quando o produtor Matthew Vaughn e o diretor Jeff Wadlow me chamaram e sugeriram que fizéssemos uma chamada de conferência com ele para conversarmos sobre a sequência, fique genuinamente excitado. Como vocês, eu amo ‘Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças’, ‘O Mundo de Andy’ e ‘O Show de Truman – O Show da Vida’. Carrey é um ator como nenhum outro, uma imprevisível força da natureza que traz calor e humanidade ao trabalho assim como aquele energia indestrutível que ele sempre renova. Ele almoçou com Matthew na época do primeiro filme e gostou tanto que apareceu vestido como Kick-Ass naquela noite no programa de Conan O’Brien, fazendo um dueto com Conan vestido como Super-Homem. Vaughn e eu combinamos que deveríamos trabalhar com esse cara assim que surgir uma oportunidade porque somos grandes admiradores. Agora, após três anos, estou sentado numa sala de projeção em Londres assistindo a que considero uma das melhores performances de Carrey.

Como vocês sabem, Jim é totalmente a favor do controle de armas e eu respeito sua política e sua opinião, mas estou perplexo por suas declarações porque não há nada neste filme que não estivesse no roteiro há 18 meses. Sim, o número de mortes é alto, mas um filme chamado ‘Kick-Ass 2’ tem que entregar o que promete. A continuação do filme que nos apresentou a personagem Hit-Girl precisa ter muito sangue no chão e isso não deveria surpreender alguém que gostou tanto do primeiro filme (lançado em 2010).

À esquerda, o personagem Coronel Stars and Stripes no quadrinho de Mark Millar e John Romita Jr. Já à direita, temos Jim Carrey e seu pastor alemão caracterizados perfeitamente (photo by www.empireonline.com)

À esquerda, o personagem Coronel Stars and Stripes no quadrinho de Mark Millar e John Romita Jr. Já à direita, temos Jim Carrey e seu pastor alemão caracterizados perfeitamente (photo by http://www.empireonline.com)

Como Jim, estou horrorizado com violência do dia-a-dia (mesmo eu sendo escocês), mas ‘Kick-Ass 2’ não é um documentário. Nenhum ator se feriu nas filmagens! Trata-se de uma ficção e como (Quentin) Tarantino e (Sam) Peckinpah, (Martin) Scorsese e (Clint) Eastwood, John Boorman, Oliver Stone e Chan-Wook Park, ‘Kick-Ass’ evita ser aquele filme de verão americano repleto de mortes e foca nas CONSEQUÊNCIAS da violência, sejam as ramificações para amigos e família ou, como vimos no primeiro filme, o personagem Kick-Ass passando seis meses no hospital depois de sua primeira interferência como herói nas ruas. Ironicamente, o personagem de Jim em ‘Kick-Ass 2’ (Coronel Stars and Stripes), é um cristão renascido, e o fato de ele se recusar a usar arma de fogo fez com que ele se interessasse pelo papel em primeiro lugar.

Jim, eu te amo e espero que você reconsidere todos os pontos citados. Você está espetacular neste insanamente divertido filme e estou muito orgulhoso com o que Jeff, Matthew e toda a equipe fizeram aqui.”

Claro que essa discussão da violência entre Jim Carrey e o produtor e criador Mark Millar reabre a velha questão das armas nos EUA. No ano passado, alegando ser o personagem anárquico Coringa, James Holmes matou 12 pessoas durante sessão de Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, além de várias tragédias envolvendo armas de fogo em solo americano. Infelizmente, as pessoas não nascem com o rótulo de “LOUCO” ou “SÃO” na testa, por isso o controle de armas se faz urgente. Em abril desse ano, o presidente Barack Obama promoveu uma reforma, mas o número de senadores a favor não foi o suficiente para a aprovação. Os EUA têm uma cultura muito forte com armas de fogo, principalmente em estados tipicamente republicanos em que a NRA (National Rifle Association) dá as cartas, sem contar a indústria composta por empresários poderosos.

O presidente barack Obama (centro) assina medidas para o controle de armas nos EUA em janeiro de 2013 (photo by www.whitehouse.gov)

O presidente Barack Obama (centro) assina medidas para o controle de armas nos EUA em janeiro de 2013 (photo by http://www.whitehouse.gov)

Quanto a Jim Carrey, seria desumano criticá-lo por ter mudado de idéia. Pessoas que trabalham com violência (mesmo a de mentirinha) estão sujeitos a repensar suas vidas após uma tragédia. Vivemos tempos extremamente violentos e, infelizmente, muitas vezes a culpa recai sobre o Cinema, o qual nunca buscou promover a violência de forma gratuita. Grandes cineastas como aqueles que Millar citou em seu post, como Martin Scorsese e Sam Peckinpah, apenas retratavam a violência para justamente gerar uma discussão sobre suas consequências para a sociedade.

Embora Kick-Ass 2 se encaixe mais na linha do entretenimento, nem por isso sua leitura da violência deve ser vista como banal. Por mais que contenha elementos fantasiosos, todo filme reflete o ser humano e a sociedade em que vive. Jamais o contrário. E Jim Carrey sabe disso e, assim, poderia manter seus pensamentos para si ou justificar-se apenas para a equipe para quem trabalhou.

Kick-Ass 2 tem previsão de estréia para o dia 13 de setembro.

Nova tentativa de tiroteio na sessão de A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2

A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2: Quase esse cenário romântico virou um filme do Schwarzenegger.

Na manhã do dia 15 de novembro, a polícia americana prendeu um rapaz de 20 anos, chamado Blaec Lammers, que teria planejado um tiroteio em massa numa sessão do filme A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2. Sim, você já viu esse filme (e não, não estou me referindo ao carnaval de vampiros e lobisomens).

A polícia recebeu a ligação da mãe de Lammers na quinta, dia 14, dizendo que estava preocupada, pois seu filho não estava tomando seus medicamentos e havia comprado fuzis similares àqueles usados no recente massacre durante sessão de Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, no cinema de Colorado. O rapaz foi encontrado num restaurante de fast food Sonic e levado pela viatura.

Já na delegacia, à princípio ele alegou que as armas seriam utilizadas para caça, porém ao entrarem na discussão sobre as tragédias recentes nos EUA, ele admitiu que tinha “muito em comum com os atiradores”.

Blaec Lammers, 20 anos: enquadrado por ameaça terrorista.

“Lammers afirmou que era quieto, do tipo solitário e que recentemente tinha comprado armas de fogo… e que tinha pensamentos homicidas”, relatou um detetive. Em seguida, confessou que tinha intenção de atirar nas pessoas no cinema de sua cidade Bolivar, no estado do Missouri neste sábado, dia 16.

Num segundo pensamento, teria receio de ficar sem munição, então iria mudar seu plano para o supermercado Wal-Mart, onde ele poderia facilmente quebrar o vidro dos balcões, pegar mais balas e continuar atirando na polícia.

Ele foi acusado de agressão em primeiro grau, ação penal armado e fazer uma ameaça terrorista.

Curiosamente, Blaec Lammers já fora preso em 2009 depois que afirmou que queria esfaquear um funcionário do Wal-Mart até a morte e seguir outros funcionários .

Tudo bem que o atendimento no Wal-Mart é ruim, mas uma cuspida na cara já seria o suficiente, não? Não, mas falando sério agora, os EUA têm um longo  e problemático histórico de gente maluca que sai atirando da noite pro dia. Como já visitei o país, chego a deduzir que pode se tratar da cultura individualista deles. Geralmente, esses atiradores também tiveram traumas na infância que têndem a se agravar nos anos seguintes.

Mas nada seria dos loucos se não houvesse tantas armas e munições ao alcance de todos. No documentário de Michael Moore, Tiros em Columbine (2002), ele confirma a extrema facilidade de adquirir uma arma, seja em lojas ou supermercados (no início do documentário, o diretor encena uma compra de arma num banco!). Essa facilidade se assemelha a uma criança comprando cigarro, cerveja e Playboy aqui no Brasil…

O documentarista Michael Moore sai feliz com sua arma recém-comprada em Tiros em Columbine (2002), vencedor do Oscar.

Recentemente reeleito, o presidente Barack Obama deveria endurecer a política de venda de armas nos EUA. Entendo que a sociedade americana, especialmente a que reside nos estados centrais e republicanos, tem uma cultura antiga e tradicional com as caças, afinal, eles interpretam a atividade como um ritual de passagem do menino para o homem, mas algumas tradições devem cair pelo bem maior das pessoas.

Os EUA já enfrentam uma onda de racismo extremo que começou depois dos ataques do 11 de Setembro de 2001, portanto, esse tipo de tragédia pode e deve ser evitado pelas autoridades.

Aqui no Brasil, o caso mais semelhante foi o do rapaz Wellington Menezes de Oliveira, da cidade de Realengo, no Rio de Janeiro, que voltou à sua escola e atirou em alunos. A mídia cobriu o incidente e rotulou como caso de bullying, que dividiu a população. Alguns acreditam que os traumas devem ser tratados na escola e outros, mais céticos, acham que todo mundo já enfrentou traumas e xingamentos, e nem por isso saem atirando por aí.

Parentes das vítimas da escola municipal de Realengo, RJ.

Este é o segundo caso envolvendo tiroteio nos cinemas só neste ano nos EUA. Apesar da ameça não ter se consumado, se não fosse a mãe de Lammers, as estatísticas de vítimas fatais teriam aumentado. O primeiro aconteceu em julho, numa sala de cinema no Colorado, quando James Holmes se armou até os dentes, matando 12 espectadores.

O atirador de Colorado, James Holmes, em corte. Seu cabelo alaranjado seria uma homenagem ao personagem anarquista Coringa de Batman: O Cavaleiro das Trevas. Photo by Getty Images.

Meu receio é que esses casos nos cinemas se multipliquem e causem um rebuliço tão grande que levaria políticos a adotar detectores de metal nas filas dos cinemas ou em caso mais extremo, acabarem com as exibições. Ok, a economia dos EUA não deixaria essa última opção se consolidar, mas com certeza, a frequência dos espectadores deve cair com esses ataques. A qualidade dos filmes nos cinemas já não ajuda, ainda tem que levar em conta os malucos que acham que a realidade é um Counter Strike eterno…

12 Mortos em sessão de Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge

Palco de tiroteio em Denver, Colorado – EUA

É com extremo, extremo pesar que informo uma tragédia, que já tomou conta de todas as manchetes. Esse é o pior tipo de notícia para todos os cinéfilos do mundo. Nessa última madrugada, dia 20 de julho, no subúrbio chamado Aurora, na cidade de Denver, estado de Colorado, EUA, um suspeito usando uma máscara de gás e munido de um rifle e duas pistolas, invadiu uma sala que exibia a pré-estréia do novo filme de Christopher Nolan.

Pelos relatos, o homem teria entrado na sala e detonado uma bomba de gás lacrimogêneo. Logo em seguida, posicionado em frente à tela, começou a atirar no público que, com a visão comprometida pela fumaça espessa, teve extrema dificuldade para a fuga em massa. Ele teria subido degrau por degrau, atirando em todos que estivessem em sua frente. Inicialmente, muitos desses espectadores teriam deduzido que os tiros faziam parte do espetáculo, afinal, performances de marketing são comuns em pré-estréias desse porte.

A polícia contabilizou oficialmente 12 mortos (10 mortos na cena do crime e 2 no hospital) no total de 59 feridos. Como se o elevado número de mortos não fosse o suficiente, a tragédia infelizmente levou uma menina de 6 anos de idade, que apesar da censura ser de 13 anos, só queria ver seu herói mascarado nas telas. Veronica Moser-Sullivan foi acompanhada de seu pai, que foi seriamente ferido com tiros no abdômen e garganta e está hospitalizado em estado crítico. E infelizmente, alguns casais foram separados, quando os homens pularam em frente às suas parceiras, protegendo-as com as próprias vidas.

James Holmes, 24, o atirador de Denver

O FBI prendeu o suspeito trajado com colete à prova de balas no estacionamento do cinema tentando fugir. Ele foi identificado como James Holmes, 24 anos, morador da cidade e não teria qualquer ligação com grupos terroristas. Holmes cursava Neurociências na Universidade de Colorado e era considerado um rapaz muito solitário; não tinha amigos e sequer perfis em redes sociais. Talvez por isso, tenha se autodenominado ‘Coringa’ para a polícia, pois assim como o personagem de Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008), não tinha qualquer registro dele online.

Curiosamente, Aurora é um subúrbio de Denver localizado muito próximo do palco de outros dois tiroteios: na escola de Columbine, onde 15 pessoas (entre estudantes e professores) foram baleadas e mortas em 1999; e mais recentemente, em 2007, quando o estudante sul-coreano matou 32 estudantes e professores na Universidade de Virgínia.

Com essa tragédia, a discussão sobre a venda de armas volta à pauta nos EUA. Como visto no documentário de Michael Moore, Tiros em Columbine (2002), é possível comprar armas de fogo com extrema facilidade e em lugares inusitados como supermercados. Apesar do presidente norte-americano Barack Obama lamentar profundamente o ocorrido, ele deverá encarar a discussão sobre a restrição da venda de armas em pleno ano eleitoral, uma vez que James Holmes tinha a posse legal de todas as armas.

Mateus da Costa Meira: o assassino do shopping Morumbi

Aqui no Brasil, devido à essa tragédia, muitos devem ter se recordado da polêmica sessão do filme Clube da Luta (1999), ocorrida no dia 13 de novembro de 1999 no Shopping Morumbi, em São Paulo-SP. Na ocasião, o estudante de medicina, Mateus da Costa Meira, matou 3 pessoas e feriu 4 com uma submetralhadora 9mm. Rendido pelos seguranças desarmados do cinema, ele teria justificado que escolheu o filme de David Fincher porque seu protagonista é esquizofrênico como ele. Conversa pra boi dormir, porque todo louco e seu advogado de defesa buscam argumentos válidos para abrandar a pena, e nesse caso, a culpa sobrou para o ótimo filme estrelado por Brad Pitt e Edward Norton.

Pelo que se sabe, ele estava preso na penitenciária de Salvador, mas depois de tentar matar um colega de cela com uma tesoura, foi transferido para um hospital psiquiátrico, onde permanece até hoje. Isso comprova que ele poderia ter assistido a Branca de Neve e os Sete Anões que ele teria cometido esse crime premeditado de qualquer maneira.

Curiosamente, na história em quadrinhos The Dark Knight Returns de autoria de Frank Miller, há uma sequência em que um homem abre fogo numa sala de cinema. Felizmente, até o momento, não existe nenhuma ligação de que isso tenha servido como inspiração ao maluco.

Sequência de atirador na graphic novel The Dark Knight Returns, de Frank Miller

Não duvido nada daqui a pouco começarem a tachar os fãs de quadrinhos de potenciais lunáticos, afinal, tem que sempre haver um culpado. E muitas vezes a Arte e admiradores dela são responsabilizados para encobrir falhas humanas individuais.

Aproveitando o incidente, cito o escritor Oscar Wilde, parafraseando um trecho de seu romance O Retrato de Dorian Gray:

“Quanto a ser envenenado por um livro, não existe nada disso. A arte não tem influência sobre a ação. Ela aniquila o desejo de agir. Ela é soberbamente estéril. Os livros que o mundo chama de imorais são livros que mostram ao mundo a sua própria vergonha. Isso é tudo”

Chucky: o culpado

Em Brasília, um menino de 9 anos desferiu 25 golpes de faca na amiga de 7 anos, uma semana depois de ter assistido ao filme de terror Brinquedo Assassino 2 (1990), que passou no SBT. No boletim de ocorrência, o menor teria afirmado que sua inspiração foi Chucky, o boneco possuído. Na época, o então presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu critérios mais rigorosos para as emissoras com faixa etária e horário de transmissão num discurso transmitido ao vivo pela TV. Felizmente, o SBT seguiu as normas e havia passado o filme depois das 22h. Não seriam os pais os responsáveis pelo crime? Não, melhor culpar o Chucky e o SBT… Que tal culpar o governo por não reformar a educação do país?

Como cinéfilo, torço para que esse tipo de tragédia não volte a ocorrer e que não comprometa a diversão de incontáveis espectadores pelo mundo. O ingresso já é caro, tem que pagar estacionamento caro (porque aqui em São Paulo e em alguns estados brasileiros, 90% dos cinemas estão em shoppings), um saquinho de pipoca por 10 reais, tem que aguentar calado inúmeros infelizes que atendem celular e conversam durante o filme e ainda por cima, malucos armados?! Desse jeito, muita gente vai passar a adotar o cinema no conforto da casa, com lançamentos baixados da internet, sem a companhia de gente ignorante e pipoca no microondas…

%d blogueiros gostam disto: