IRANIANO ‘THERE IS NO EVIL’ GANHA o URSO DE OURO em BERLIM

golden berlin bear

Equipe de There is No Evil segura coletivamente o Urso de Ouro em homenagem ao diretor Mohammad Rasoulof, impossibilitado de comparecer ao festival (pic by Teller Report)

FILME QUE CRITICA A PENA DE MORTE NO IRÃ É O GRANDE VENCEDOR

Neste sábado, dia 29/02, o presidente do júri Jeremy Irons revelou os vencedores da 70ª edição do festival alemão, anunciando a vitória do longa iraniano. There is no Evil, que apresenta quatro histórias, busca questionar a morte como forma de punição no país da Ásia. Curiosamente, o diretor Mohammad Rasoulof não pôde comparecer ao festival, pois seu passaporte fora confiscado pelas autoridades iranianas, que alega que o cineasta fazia propaganda contra o atual governo. Em 2017, seu filme A Man of Integrity (Um Homem de Integridade), que venceu o prêmio Un Certain Regard, criticava o sistema corrupto e injusto do Irã, já havia ocasionado um ano de detenção para o diretor.

Assim, a equipe e os atores do filme, incluindo a filha do diretor, Baran Rasoulof, subiram ao palco para receber o prêmio. “Obviamente estou muito feliz, mas ao mesmo tempo estou muito triste, porque este prêmio é para um diretor que não pôde estar aqui. E em nome da equipe, digo que isso (o prêmio) é dele”, disse a emocionada filha do diretor, que logo depois fez uma breve live com o pai pelo celular para que ele pudesse testemunhar à distância o público aplaudindo sua vitória.

Pra quem não conhece muito a história do festival alemão, Berlim tem uma tradição de premiar filmes mais controversos de cunho sócio-político. E nesse aspecto, podemos dizer que o júri acertou em cheio. Além do filme polêmico iraniano, o Grande Prêmio do Júri foi para o filme americano sobre aborto Never Rarely Sometimes Always. Com uma passagem marcante pelo último Festival de Sundance, o filme acompanha duas jovens amigas que juntam uma grana pra viajar para Nova York e realizar o aborto de uma delas. No palco, a diretora Eliza Hittman agradeceu aos médicos e às clínicas de aborto legalizadas nos EUA, que possibilitam essa liberdade feminina.

Para Direção, o júri selecionou o sul-coreano Hong Sang Soo por The Woman Who Ran. Pra quem conhece seus filmes, Soo costuma filmar suas personagens conversando sobre vários temas enquanto caminham, passando do trivial ao filosófico e ético. Mais uma vez, ele contou com sua atriz favorita Min-Hee Kim, que interpreta uma mulher casada há 5 anos que tem uma rara oportunidade de ficar desacompanhada e poder fazer uma avaliação de seu relacionamento com amigas.

Hong-Sangsoo-Eldiario.es

O diretor Hong Sang-Soo que venceu por The Woman Who Ran (pic by eldiario.es)

Pelas categorias de atuação, o italiano Elio Germano conquistou o prêmio de Melhor Ator por interpretar o pintor suíço Antonio Ligabue, que mesmo tendo passado boa parte da vida na Itália, sofrendo com problemas físicos e mentais, e internado em manicômios, almejava uma vida mais normal. A transformação do ator no filme Hidden Away (Volevo Nascondermi) conquistou o júri de forma unânime. Já a alemã Paula Beer levou Melhor Atriz por Undine, no qual sua personagem passional tem uma interação com uma entidade mitológica vingativa chamada Ondina.

1

Elio Germano no papel e recebendo o Urso de Prata

2

Paula Beer no filme Undine e com o Urso de Prata

Para Roteiro, os vencedores foram os irmãos italianos Fabio e Damiano D’Innocenzo, que em Favolacce, acompanham famílias dos subúrbios de Roma com uma pegada de fábula. Talvez tenha sido o prêmio mais questionado pela mídia internacional.

Este ano, o prêmio Alfred Bauer, que costuma reconhecer trabalhos mais inovadores, teve seu nome alterado para Prêmio da 70ª Edição de Berlim, pois recentemente descobriram que Bauer era um cineasta afiliado ao partido nazista! Sob o novo nome, o filme vencedor foi a comédia francesa Delete History, sobre uma família que busca se desvencilhar do vício das mídias sociais.

E o prêmio de contribuição artística foi para o diretor de fotografia Jürgen Jürges por DAU. Natasha, que é um projeto ousado que recria a União Soviética na era de Stalin em estúdio para que atores encenem a vida daquela época. Embora tenha sido premiado pela fotografia, o filme chama a atenção pelo sexo explícito e pela violência não-encenada. A mensagem do filme seria justamente criticar o excesso de autoridade de um diretor em um set de filmagem. Hello, Abdelatif Kechiche?

Embora o filme brasileiro Todos os Mortos não tenha levado nenhum prêmio, o Brasil esteve representado em co-produções vitoriosas como o colombiano Los Conductos, de Camilo Restrepo, que venceu o prêmio de Melhor Filme de Estreante.

Dentre as produções que saíram de mãos vazias está o novo trabalho de Kelly Reichardt, First Cow, assim como do ditetor malaio Tsai Ming-Liang, Days, que chegou a figurar como um dos favoritos a levar o Urso de Ouro até a reta final do festival.

Seguem os vencedores da 70ª edição do Festival de Berlim:

URSO DE OURO
There Is No Evil 
Dir: Mohammad Rasoulof

URSO DE PRATA GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
Never Rarely Sometimes Always

Dir: Eliza Hittman

URSO DE PRATA DE MELHOR DIRETOR
Hong Sang Soo (The Woman Who Ran)

URSO DE PRATA DE MELHOR ATRIZ
Paula Beer (Undine)

URSO DE PRATA DE MELHOR ATOR
Elio Germano (Hidden Away)

URSO DE PRATA DE MELHOR ROTEIRO
Bad Tales (Favolacce)
Dir: irmãos D’Innocenzo

URSO DE PRATA DA 70ª BERLINALE
Delete History

Dir: Benoît Delépine e Gustave Kervern

URSO DE PRATA DE CONTRIBUIÇÃO ARTÍSTICA, FIGURINO OU DESIGN DE PRODUÇÃO
Jürgen Jürges (DAU. Natasha)

PRÊMIO DE DOCUMENTÁRIO
Irradiated

Dir: Rithy Panh

MELHOR FILME DE ESTREANTE
Los Conductos
Dir: Camilo Restrepo

URSO DE OURO DE MELHOR CURTA
T
Dir: Keisha Rae Witherspoon

URSO DE PRATA DE MELHOR CURTA PRÊMIO DO JÚRI
Filipiñana

Dir: Rafael Manuel

PRÊMIO AUDI DE CURTA
Genius Loci

Dir: Adrien Mérigeau

SEIS DIRETORAS DISPUTAM O URSO DE OURO no FESTIVAL DE BERLIM

First Cow

John Magaro em cena de First Cow, de Kelly Reichardt (pic by IMDb)

FESTIVAL QUE TEM HISTÓRICO SÓCIO-POLÍTICO APRESENTA MOMENTOS DE TENSÃO

A 70ª edição do Festival Internacional de Berlim começou no último dia 20 de Fevereiro sob inúmeros temas políticos, a começar pela substituição no comando do evento. Após quase 20 anos, o alemão Dieter Kosslick cedeu seu posto de diretor artístico do festival para o italiano Carlo Chatrian, enquanto a holandesa Mariette Rissenbeek se tornou a diretora executiva. Com essa alteração, já foi possível perceber um aumento de diretores desconhecidos, assim como de diretoras na disputa principal pelo Urso de Ouro.

Dos 18 filmes indicados, seis são dirigidos por mulheres: Sally Potter, Eliza Hittman, Kelly Reichardt, Natalia Meta, Stéphanie Chuat e Véronique Reymond (que dirigiram Schwesterlein), e  Jekaterina Oertel, que co-dirigiu DAU.Natasha.

The Roads not Taken

Javier Bardem e Elle Fanning em cena de The Roads Not Taken, de Sally Potter (pic by OutNow.CH)

Contudo, elas serão avaliadas por um júri presidido pelo ator britânico Jeremy Irons, que logo no início decidiu se explicar sobre seus comentários antigos de conteúdo machista e homofóbico resgatados em redes sociais. O ator disse ser a favor dos direitos femininos, que aprova casamento do mesmo sexo (desde que aprovado nas leis do país), e que seria a favor do aborto (se for a decisão da mulher). Não querendo ser advogado do diabo aqui, mas todos têm direito de errar e de se redimir, ainda mais por declarações antigas (vide as polêmicas de Twitter), já que todos amadurecemos, mas esperamos que suas opiniões pessoais não interfiram em suas decisões, apenas seu critério fílmico.

Jeremy Irons

O presidente do júri, o ator britânico Jeremy Irons, pronuncia-se sobre os temas polêmicos e pessoais (pic by Deadline)

Ainda sobre o júri, um dos integrantes é o cineasta brasileiro Kleber Mendonça Filho, diretor de Aquarius e Bacurau.  Na coletiva de imprensa, ele se demonstrou bastante preocupado com a situação delicada do Cinema Brasileiro. “Temos cerca de 600 projetos que estão atualmente congelados por causa da burocracia (do governo)”, disse Kleber.

Kleber

Em coletiva de imprensa, o diretor brasileiro Kleber Mendonça Filho expressa preocupação com o futuro do Cinema Brasileiro (pic by Folha de S. Paulo)

Da mesma forma preocupada, a produtora brasileira Sara Silveira, que estava na coletiva de imprensa do único filme brasileiro indicado ao Urso de Ouro, Todos os Mortos, dos diretores Marco Dutra e Caetano Gotardo, fez uma declaração sobre a censura do governo: “Eu não preciso de armas, eu preciso de força, de amor, de coragem e de momentos heróicos para suportar o que nós estamos vivendo. Mas aguardem, nós vamos resistir! Nós vamos vencer! Nós, todas as raças, todos os gêneros, os artistas, estamos juntos, todos estamos aqui gritando por liberdade, democracia, contra a censura e resistência!”. 

Infelizmente, com a ideologia do governo Bolsonaro, os cineastas brasileiros terão de ser ainda mais criativos para driblar os obstáculos para continuar fazendo filmes no país. Com a Ancine congelada, e o presidente nomeando uma pastora (!) para comandar a instituição da cultura, o Cinema Nacional corre sérios riscos de voltar aos anos 80.

Já sobre o filme Todos os Mortos, a estréia foi vista com frieza, inclusive com jornalistas abandonando a sessão. Embora filme se passe em 1899, dez anos após a abolição da escravidão, os personagens vivem na cidade de São Paulo atual, com intenção de demonstrar ao público que o comportamento racial de mais de 100 anos atrás persiste nos dias atuais. A perspectiva altamente brasileira porém não agradou o público internacional, e o jornalista Bruno Ghetti da Folha de S. Paulo cogitou como origem da recepção fraca o fato do foco narrativo pertencer aos personagens brancos, além dos dois diretores do filme serem brancos de classe média.

Mas voltando ao Festival de Berlim, logo no primeiro dia, houve um minuto de silêncio em homenagem às nove vítimas fatais de um atentado de cunho racista em Hanau, cidade bem próxima de Frankfurt.

Silence Minute

Da esquerda para a direita: o ator e host Samuel Finzi, a diretora executiva Mariette Rissenbeek e o diretor artístico Carlo Chatrian prestam homenagens às vítimas do atentado no primeiro dia do 70º Festival de Berlim (pic by china.org.ch)

Dentre os destaques deste ano, estão os novos filmes de: Abel Ferrara, Siberia, que seria descrito como uma exploração da linguagem dos sonhos; de Christian Petzold, Undine, uma história de amor e traição; e de Kelly Reichardt, First Cow, acompanha histórias de descobertas do oeste americano envolvendo a primeira vaca para contar sobre a origem do sonho Americano.

Vale destacar também a estréia internacional do drama Never Rarely Sometimes Always, que acompanha duas amigas da Pennsylvania que partem para Nova York em busca de ajuda médica para um aborto. No último festival de Sundance, o filme foi um dos maiores sucessos e ganhou um prêmio especial do júri.

Never Rarely

Sidney Flanigan em cena de Never Rarely Sometimes Always, de Eliza Hittman, que trata sobre o aborto nos EUA (pic by OutNow.CH)

O 70º Festival de Berlim termina no dia 1º de Março, quando os vencedores serão anunciados. Confira todos os 18 indicados ao Urso de Ouro, que já foi conquistado pelo Brasil em duas ocasiões: em 1998, com Central do Brasil, e em 2008, com Tropa de Elite.

INDICADOS AO URSO DE OURO 2020:

Berlin Alexanderplatz
Dir: Burhan Qurbani

DAU. Natasha
Dir: Ilya Khrzhanovskiy, Jekaterina Oertel

The Woman Who (Ran Domangchin yeoja)
Dir: Hong Sang-soo

Delete History (Effacer l’historique)
Dir: Benoît Delépine, Gustave Kervern

The Intruder (El prófugo)
Dir: Natalia Meta

Bad Tales (Favolacce)
Dir: Damiano & Fabio D’’Innocenzo

First Cow
Dir: Kelly Reichardt

Irradiated (Irradiés)
Dir: Rithy Panh

The Salt of Tears (Le sel des larmes)
Dir: Philippe Garrel

Never Rarely Sometimes Always
Dir: Eliza Hittman

Days (Rizi)
Dir: Tsai Ming-Liang

The Roads Not Taken
Dir: Sally Potter

My Little Sister (Schwesterlein)
Dir: Stéphanie Chuat, Véronique Reymond

There Is No Evil (Sheytan vojud nadarad)
Dir: Mohammad Rasoulof

Siberia
Dir: Abel Ferrara

All the Dead Ones (Todos os mortos)
Dir: Caetano Gotardo, Marco Dutra

Undine
Dir: Christian Petzold

Hidden Away (Volevo nascondermi)
Dir: Giorgio Diritti

 

‘La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color)’ vence a Palma de Ouro de Cannes 2013

Palma de Ouro para La Vie d'Adèle (Blue is the Warmest Color), de Abdellatif Kechiche, que está entre as atrizes Léa Seydoux e Adèle Exarchopoulos

Palma de Ouro para La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color), de Abdellatif Kechiche, que está entre as atrizes Léa Seydoux e Adèle Exarchopoulos

Contradizendo todos, o presidente do júri, Steven Spielberg, premiou um filme francês com temática lésbica quase explícita de três horas de duração! Talvez eu seja uma das pessoas mais surpresas com essa escolha. Explico. O filme que mais aprecio de Spielberg é Tubarão (1975) por uma série de motivos, mas a coragem e a ousadia do projeto que realmente me impressionaram. Claro que o diretor era muito jovem na época e permitia-se tais loucuras, mas ao longo dos últimos anos, acompanhei algumas mudanças de pensamento que causaram certa desilusão. Além de Steven Spielberg afirmar que mudaria o final de Contatos Imediatos do Terceiro Grau (1977), ele fez aquela terrível lambança na nova versão de E.T. – O Extraterrestre (1982) ao apagar digitalmente as armas de fogo dos policiais e trocá-las por walkie talkies por considerar violento demais. Pensei comigo: “Steven está ficando um senhor conservador, mas com espírito gagá de George Lucas!”

Então, eis a grande surpresa em ver o senhor Spielberg premiando um filme ousado e polêmico! Obviamente, não conferi o vencedor da Palma de Ouro, mas fico feliz pela escolha, afinal o filme foi bastante elogiado e o diretor Abdellatif Kechiche é um cineasta em extrema ascensão por seu perfeccionismo e diálogo com seu tempo. Havia um forte rumor de que La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color) sequer tinha chances de prêmio justamente pelo conhecido conservadorismo de Spielberg. Quem diria que ele surpreenderia todos? Claro que existe um grupo de artistas no júri como Ang Lee, Cristian Mungiu e Christoph Waltz, que certamente tiveram alto poder de decisão, mas por ora, não vamos estragar a coragem do presidente, afinal, ele justificou sua escolha com belas palavras:

“Uma grande história de amor que fez todos nós nos sentirmos privilegiados de ser uma mosca na parede para admirar esta história de amor profundo e desgosto profundo evoluir desde o início. O diretor não colocou quaisquer restrições sobre a narrativa. Ele deixou as cenas tocarem na vida real, e ficamos absolutamente encantados.”

Pôster de Blue is the Warmest Color

Pôster de Blue is the Warmest Color

Baseado numa graphic novel de Julie Maroh, La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color) acompanha a vida da adolescente de 15 anos Jocelyne, interpretada pela elogiadíssima Adèle Exarchopoulos. Ela se apaixona por uma moça um pouco mais velha do que ela e com cabelos azuis (referência ao título do filme). Além de despertar sexual, o longa de Kechiche procura destrinchar todo esse relacionamento até o coração partido e claro, a auto-descoberta.

Claro que aos olhos de mente livre, trata-se apenas de uma história de amor com todos os prazeres e dissabores. Contudo, em pleno século XXI, o homossexualismo continua causando polêmicas. Na própria França, país-sede do Festival de Cannes e terra da Revolução, houve protestos violentos da extrema direita e de grupos católicos nesse domingo (dia 26) contra a lei de 23 de abril que permite o casamento de pessoas do mesmo sexo no país. Apesar de já aprovada, a lei acabou sendo promulgada até o dia 18 de maio devido às fortes resistências no parlamento e nas ruas.

Manifestante protestam contra casamento gay na França. Repare nas bandeiras com a típica família feliz (foto Revista Exame)

Manifestantes protestam contra casamento gay na França. Repare nas bandeiras com a típica família feliz (foto Revista Exame)

Spielberg desmentiu a possibilidade da política ter influenciado na decisão. “Como vocês sabem, as personagens do filme não se casam. Política nunca esteve na mesma sala que nós do júri”. Questionado sobre a trajetória de La Vie d’Adèle (Blue is the Warmest Color) nos EUA , foi sucinto: “Não tenho certeza se será exibido em todos os estados”.

Aqui no Brasil, o mesmo protesto da França tem cara: para quem acompanha as notícias, o presidente da Comissão dos Direitos Humanos (!), o deputado Marco Feliciano, não precisa nem de apresentações. Desde o dia 14 de maio, os cartórios do Brasil são obrigados a registrar a união legal de casais homossexuais, um direito conquistado graças ao presidente do Supremo Tribunal Federal e autor da lei, Joaquim Barbosa. Mas Feliciano (do Partido Social Cristão – PSC) está tentando entrar com pedido de suspensão do casamento alegando que esta decisão cabe ao Congresso Nacional. Nessas horas as leis valem mais do que o bem-estar da sociedade…

Alguém me explica como um deputado que é homofóbico, racista e religioso se torna presidente da Comissão de Direitos Humanos?

Alguém me explica como um deputado que é homofóbico, racista e religioso se torna presidente da Comissão de Direitos Humanos?

Os demais prêmios do festival foram bastante democráticos, tanto que nenhum filme acumulou mais do que um reconhecimento. O Grande Prêmio do Júri, uma espécie de segundo colocado, acabou nas mãos dos irmãos Joel e Ethan Coen por Inside Llewyn Davis, que tem como cenário a Nova York do ano 1961. Havia uma dúvida se Oscar Isaac ganharia o prêmio de interpretação masculina, mas a larga experiência de Bruce Dern se destacou mais pelo drama Nebraska, de Alexander Payne.

E já que Adèle Exarchopoulos foi compensada pela Palma de Ouro, o prêmio de interpretação feminina foi para a bela francesa Bérénice Bejo pelo drama Le Passé (The Past), de Asghar Farhadi. Apesar de repetir a fórmula de A Separação, o filme foi bem recebido em Cannes, rendendo esse reconhecimento importante. Para quem não se lembra, Bejo foi indicada ao Oscar de Atriz Coadjuvante em 2012 por O Artista. Com a vitória em Cannes, ambos os atores têm suas chances multiplicadas para o Oscar 2014. No caso de Dern em particular, além de estrelar um filme americano com um diretor muito querido pela Academia (Alexander Payne), o ator já tem 76 anos e nunca levou o Oscar. Acredito que sua indicação já é certa. Em caso de vitória, seria a primeira (merecida) da carreira de diretor para Payne.

Bérénice Bejo volta a brilhar em Cannes por Le Passé

Bérénice Bejo volta a brilhar em Cannes por Le Passé

O veterano Bruce Dern ao lado da filha, a também atriz Laura Dern, em sessão de fotos de Cannes pelo filme Nebraska.

O veterano Bruce Dern ao lado da filha, a também atriz Laura Dern, em sessão de fotos de Cannes pelo filme Nebraska.

Talvez a maior surpresa tenha ficado na categoria de direção, na qual o espanhol Amat Escalante foi reconhecido pelo violento Heli, um drama cruel sobre a decadência de uma família por causa de uma gangue de drogas. Causou certo rebuliço devido a cenas fortes como na qual um homem tem suas genitálias queimadas.

Os demais prêmios foram distribuídos de forma muito democrática. Dois dos três filmes asiáticos em competição que foram aplaudidos receberam um prêmio. Enquanto Like Father, Like Son, de Hirokazu Kore-eda levou o Prêmio do Júri por se tratar de um drama delicado de duas famílias que descobrem que seus filhos foram trocados na maternidade, o chinês Jia Zhangke foi contemplado pelo prêmio de roteiro por sua abordagem episódica da violência em seu país em A Touch of Sin.

Like Father, Like Son, de Hirokazu Kore-eda

Like Father, Like Son, de Hirokazu Kore-eda

Até mesmo na competição Un Certain Regard, o drama independente americano Fruitvale Station, que tinha grandes chances, recebeu o Future Prize como incentivo e propulsor para a corrida do Oscar 2014, com a Weinstein Company fazendo lobby.

CONFIRA OS PRINCIPAIS PRÊMIOS DE CANNES 2013:

Palma de Ouro: La Vie d’Adèle (Blue Is the Warmest Color), de Abdellatif Kechiche

Grande Prêmio do Júri: Inside Llewyn Davis, de Joel Coen e Ethan Coen

Direção: Amat Escalante (Heli)

Prêmio do Júri: Like Father, Like Son, de Hirokazu Kore-eda

Interpretação Masculina: Bruce Dern (Nebraska)

Interpretação Feminina: Bérénice Bejo (Le Passé)

Roteiro: A Touch of Sin, de Jia Zhangke

 

UN CERTAIN REGARD JURY PRIZES

Un Certain Regard: The Missing Picture, de Rithy Panh

Prêmio do Júri: Omar, de Hany Abu-Assad

Direção: Alain Guiraudie (Stranger by the Lake)

Future prize: Fruitvale Station, de Ryan Coogler

A Certain Talent prize: O elenco de La jaula de oro

The Missing Picture, de Rithy Panh, que levou o Un Certain Regard

The Missing Picture, de Rithy Panh, que levou o Un Certain Regard

OTHER JURY PRIZES

Camera d’Or: Ilo ilo, de Anthony Chen

Directors’ Fortnight Art Cinema Award: Me Myself and Mum, de Guillaume Gallienne

Directors’ Fortnight Europa Cinemas Label: The Selfish Giant, de Clio Barnard

Directors’ Fortnight SACD Prize: Me Myself and Mum, de Guillaume Gallienne

Critics’ Week Grand Prix: Salvo, de Fabio Grassadonia e Antonio Piazza

Critics’ Week Visionary Prize: Salvo, de Fabio Grassadonia e Antonio Piazza

Critics’ Week Special Mention: The Owners, de Agustin Toscano e Ezequiel Radusky

Critics’ Week SACD Prize for Screenplay: Le Demantelement, de Sebastien Pilote

Palma de Ouro de Curta-Metragem: Safe, de Moon Byoung-gon

Ecumenical Jury Prize: Le Passé, de Asghar Farhadi

 

FIPRESCI PRIZES

Competition: La Vie d’Adèle (Blue Is the Warmest Color), de Abdellatif Kechiche

Un Certain Regard: Manuscripts Don’t Burn, de Mohammad Rasoulof

Directors’ Fortnight: Blue Ruin, de Jeremy Saulnier

%d blogueiros gostam disto: