‘O Mordomo da Casa Branca’ (The Butler), de Lee Daniels (2013)

O Mordomo da Casa Branca, de Lee Daniels

O Mordomo da Casa Branca, de Lee Daniels

O SUCESSO DO FILME NAS BILHETERIAS AMERICANAS AQUECE
A CORRIDA PELO OSCAR 2014 E REACENDE A QUESTÃO
DO RACISMO E O PÚBLICO NEGRO

Antes de começar, gostaria de esclarecer um fato que levantou certa ira do crítico Ricardo Calil da Folha de S. Paulo. O título original de O Mordomo da Casa Branca, The Butler, ficou impresso em alguns pôsteres como Lee Daniel’s The Butler, o que no univerno cinematográfico significa que o diretor já teria poderes de um autor consagrado como Federico Fellini a ponto de inserir o nome dele no título. Contudo, nesse caso, o estúdio Warner Bros. levantou uma queixa com a MPAA (Motion Pictures Association of America) solicitando a mudança do título, pois já existe um curta-metragem homônimo de 1916. Portanto, Lee Daniels’ The Butler foi originado por esta briga nos bastidores.

O diretor Lee Daniels no set de O Mordomo da Casa Branca (photo by www.outnow.ch)

O diretor Lee Daniels no set de O Mordomo da Casa Branca (photo by http://www.outnow.ch)

Contudo, apesar de ainda estar em seu quarto longa-metragem, Lee Daniels vem conquistando prestígio nos EUA, principalmente com as celebridades e o público afro-americanos (sim, esse termo politicamente correto). A resposta do público veio com a marca de 115 milhões de dólares nas bilheterias somente em território americano (estima-se que o orçamento é de apenas 30 milhões). Já as celebridades respondem se estapeando para conseguir um dos papéis em seus filmes.

Em seu filme anterior, Obsessão (2012), o diretor já colheu os frutos de seu primeiro sucesso Preciosa (2009). Conseguiu a vencedora do Oscar Nicole Kidman, Matthew McConaughey e John Cusack. Para este Mordomo, além de contar com Forest Whitaker (vencedor do Oscar por O Último Rei da Escócia), o diretor obteve a difícil confiança da rainha da TV, Oprah Winfrey, cuja última atuação nos cinemas se deu há 15 anos com Bem-Amada (1998). Obviamente, ela aceitou a proposta pelo projeto e pela ascensão do diretor, pois o cachê seria uma mera gorjeta. Aliás, talvez, esta relação com Lee Daniels pode ter começado quando Oprah elogiou a atriz novata Gabourey Sidibe no Oscar 2010.

Oprah Winfrey e Forest Whitaker formam o casal Gaines: premiações são esperadas (photo by www.elfilm.com)

Oprah Winfrey e Forest Whitaker formam o casal Gaines: premiações são esperadas (photo by http://www.elfilm.com)

Com os protagonistas definidos, Lee Daniels não teve muito trabalho para preencher os demais papéis secundários. Uma penca de estrelas estava disposta a baixar seus salários em prol do diretor: Jane Fonda, Robin Williams, James Marsden, Liev Schreiber, John Cusack, Minka Kelly, Cuba Gooding Jr., Terrence Howard (esses dois últimos buscam recuperar o prestígio há tempos) e Alan Rickman, o único que leva um pouco mais à sério o trabalho com tempo limitadíssimo de tela como Ronald Reagan.

Em entrevista, Lee Daniels teria confessado que convocou astros de Hollywood com receio de que o filme fosse um fracasso comercial. Claro que conferir grandes nomes interpretando políticos não deixa de ser uma atração à parte, mas no contexto geral, acaba resumindo os presidentes às caricaturas e se tornando uma distração desnecessária. Aliás, essa decisão mais comercial de Daniels prejudicou o filme como unidade. De um lado, temos o drama familiar do protagonista, do outro temos o passeio das estrelas no tapete vermelho. Sem contar a presença destoante de Mariah Carey como a mãe do protagonista. Se o diretor devia algo à cantora, deveria ter pensado em outra forma de pagamento…

Bom, mas antes, vamos à história. O Mordomo da Casa Branca é inspirado na vida de Eugene Allen, um mordomo negro que serviu a oito presidentes na Casa Branca por 34 anos. De lá, ele acompanhou de perto alguns fatos que marcaram a História americana como a Guerra do Vietnã e o Movimento dos Direitos Civis. Segundo relatos de seu filho, Allen ficou bastante afetado com o assassinato do presidente Kennedy: “Foi a primeira vez que vi meu pai chorar”. Sua vida foi retratada no livro The Butler – A Witness to History, de Wil Haygood, e poderia resultar num bom filme, mas nas mãos de Lee Daniels e toda a pressão afro-americana nas costas, acabou se tornando uma espécie de novela televisiva sobre racismo.

À direita, o mordomo Eugene Allen é cumprimentado pelo presidente Ronald Reagan e a pela primeira-dama Nancy Reagan (photo by Kevin Clark/The Washington Post/Getty Images)

À direita, o mordomo Eugene Allen é cumprimentado pelo presidente Ronald Reagan e a pela primeira-dama Nancy Reagan na vida real… (photo by Kevin Clark/The Washington Post/Getty Images)

Jane Fonda e Alan Rickman dão vida aos Reagan (photo by www.outnow.ch)

… e a Arte imita a vida: no filme, Jane Fonda e Alan Rickman dão vida aos Reagan (photo by http://www.outnow.ch)

Quando se trata de um tema polêmico, costuma valer a regra do grupo vitimado ter direito a fazer piadas. Por exemplo, falar mal de judeus é uma ofensa (Tatá Werneck que o diga!), mas quando um judeu fala mal do próprio judeu, aí tudo bem. Ele teria ‘propriedade’. Por isso, resolvi colher uma resenha de um escritor negro do jornal inglês The Guardian chamado Orville Lloyd Douglas. Em tom de desabafo, ele solta a seguinte frase: Frankly, why can’t black people get over slavery? (Francamente, por que os negros não superam a escravidão?)

Orville Lloyd Douglas, do The Guardian

Orville Lloyd Douglas, do The Guardian

No artigo, ele discute a decadência do Cinema atual, que parece viver apenas de temas do passado como a escravidão quando o foco é a raça negra. “Infelizmente, esses papéis são quase os únicos abertos aos negros. As pessoas querem que os atores negros de O Mordomo da Casa Branca e Twelve Years a Slave sejam indicados aos prêmios de melhor ator e atriz, mas isso soa como um retrocesso, quase como na era de …E o Vento Levou (quando negros ainda se sentavam no fundo das salas de cinema e os atores eram escalados apenas como serventes)”.

Outro forte concorrente ao Oscar 2014 também com tema da escravidão: Twelve Years a Slave, de Steve McQueen (photo by www.elfilm.com)

Outro forte concorrente ao Oscar 2014 também com tema da escravidão: Twelve Years a Slave, de Steve McQueen (photo by http://www.elfilm.com)

Ele acredita que esses filmes raciais, que ganharam novo fôlego com o sucesso de Django Livre, “foram criados para um público branco e liberal para gerar culpa pelos eventos do passado”. Confira o artigo completo no link: http://www.theguardian.com/commentisfree/2013/sep/12/why-im-not-watching-the-butler-12-years-a-slave

Concordo em partes com a crítica social de Douglas. Realmente, Hollywood e o Cinema poderiam produzir filmes com temáticas mais contemporâneas, pois parece que não houve progresso nas últimas décadas. Contudo, é preciso recordar a seguinte frase: “‘Lembrar para não repetir”, que se tornou uma espécie de lema político-cultural após as tragédias do Holocausto. Se não me engano, essa sentença é dita também no grande documentário Noite e Neblina (1955), de Alain Resnais.

Infelizmente, o racismo contra negros e minorias étnicas ainda existe, e aqui no Brasil não é diferente. Ainda há muito a avançar principalmente na área de educação, que exige uma reforma há décadas. Mas, em busca de solução fácil pra agregar mais votos, o PT tornou feriado o Dia da Consciência Negra e criou cotas para negros nas universidades. Essas atitudes não apagam ou sequer compensam o passado, tendo efeito igual ou pior do que o próprio racismo. Não estaria a cota negra afirmando que o beneficiado não teria capacidade própria de ingressar numa faculdade? E 50% das cotas para alunos de ensino público: por que não melhorar o ensino público para que não haja necessidade de cotas? Apesar da boa intenção, essa tática política gera mais regressão e preconceito.

Essas questões raciais também prejudicam o filme de Lee Daniels. A panfletagem deslavada ao presidente Barack Obama incomoda bastante. Não me entendam mal. Não se trata de partido político, mas a forma como Obama foi inserido no contexto, parece que ele se tornou a solução para todos as décadas de sofrimento racial, bem no estilo “agora que um negro está no poder, nossos problemas acabaram”. Essa simplicidade me faz recordar o final planfletário de A Vida é Bela, de Roberto Benigni, em que um tanque americano surge dando fim à guerra e ao sofrimento.

Falando em Benigni, o mesmo produtor Harvey Weinstein, assumiu a propaganda de O Mordomo da Casa Branca, o que certamente elevará as chances do filme no Oscar 2014. Forest Whitaker e Oprah Winfrey podem figurar nas indicações de ator e atriz coadjuvante, respectivamente. Dependendo do lobby, pode conquistar ainda indicação para melhor roteiro adaptado, direção e filme. Pra mim, apenas Whitaker merece uma chance, pois o papel de Oprah é pseudo-profundo. Criaram um alcoolismo e um senso de adultério para maquiar sua bidimensionalidade. O jovem David Oyelowo, que interpreta o filho mais velho e ativista, entrega algumas cenas boas de dramaticidade.

Forest Whitaker e David Oyelowo têm um duelo de idealismos interessante (photo by www.elfilm.com)

Forest Whitaker e David Oyelowo têm um duelo de idealismos interessante (photo by http://www.elfilm.com)

Embora O Mordomo da Casa Branca seja daqueles típicos projetos que despertam a curiosidade, o diretor Lee Daniels desperdiçou a oportunidade de adaptá-lo ao cinema. Seu trabalho mais se associa à linguagem televisiva, tanto que se fosse dividida em episódios de 40 minutos, teríamos aqui uma minissérie ótima para vencer o Emmy. Daniels busca se inspirar no filme de Robert Zemeckis, Forrest Gump – O Contador de Histórias, pelas semelhanças no passeio pela História americana, mas fica limitado pelo roteiro de Danny Strong, que busca apenas uma perspectiva da história, desperdiçando o ótimo protagonista Cecil Gaines.

Pelo resultado final desapontador, o filme merecia avaliação ruim, mas pelo potencial do projeto e das interpretações de Whitaker e Oyelowo…

AVALIAÇÃO: REGULAR

Anúncios

Django Livre (Django Unchained), de Quentin Tarantino (2012)

Pôster de Django Livre (foto por pipocamoderna.com.br)

Pôster de Django Livre (foto por pipocamoderna.com.br)

Tarantino retoma projeto pessoal, recebe críticas, mas leva 5 indicações ao Oscar

Depois do sucesso comercial dos dois volumes de Kill Bill (2003 e 2004), o diretor Quentin Tarantino resolveu abrir seu baú e revisitar antigos projetos pessoais. Entre eles, estavam Bastardos Inglórios (2009) e este Django Livre. Conhecido por seu dom de criação de diálogos afiados e seu repertório infinito de referências do universo pop, ele expôs os projetos ousados à luz do sol e agora colhe os frutos: 1 Oscar para Bastardos e 5 indicações para Django Livre.

Fã assíduo do western spaghetti dos diretores italianos Sergio Corbucci e Sergio Leone, ao contrário de muitos diretores, Tarantino faz questão de mostrar as devidas credenciais de suas referências. Ele usa a trilha original de Luis Bacalov de Django (1966), de Corbucci, além de trilhas do compositor Ennio Morricone, colaborador de Leone em Três Homens em Conflito (1966) e Era Uma Vez no Oeste (1968), denotando a extrema importância de suas fontes de inspiração para a criação de um novo material. Tomando como base “nada se cria, tudo se transforma”, Tarantino se tornou um artista que trabalha com recicláveis como ninguém. Acredito ainda que ele pode ser um dos cineastas-símbolo dessa geração atual que pouco cria e que celebra muito o vintage.

Quentin Tarantino busca o melhor ângulo que aprendera do mestre Sergio Leone (photo by BeyondHollywood.com)

Quentin Tarantino busca o melhor ângulo que aprendera do mestre Sergio Leone (photo by BeyondHollywood.com)

Como usa suas referências com extrema propriedade, Quentin Tarantino acaba estimulando o público novo a pesquisar essas mesmas fontes. Com certeza, enquanto você está lendo este post, há vários cinéfilos pelo mundo tirando o pó da capinha dos DVDs da seção Western das locadoras (ou fazendo certos downloads…) para conferir o que o diretor enxergou no material original. Além disso, outra consequência extremamente benéfica de sua metodologia ecológica é o resgate do brilho de alguns atores esquecidos pelo tempo.

Em Pulp Fiction – Tempo de Violência (1994), John Travolta ressurgiu das cinzas para voltar a mostrar seus movimentos na dança de “You Never Can Tell”, de Chuck Berry. Em Jackie Brown (1997), a estrela negra de filmes produzidos por Roger Corman nos anos 70, Pam Grier, foi redescoberta por Hollywood. O Bill de Kill Bill foi a estrela da série de TV Kung Fu, David Carradine, e Daryl Hanna teve seu primeiro papel interessante depois de ser a replicante de Blade Runner – O Caçador de Andróides (1982) como a assassina caolha Elle Driver. Desta vez, por razões óbvias, Tarantino trouxe Franco Nero, o Django original, para fazer a breve cena da luta de mandigos ao lado de Leonardo DiCaprio. Também resgatou o James Crockett da série Miami Vice, Don Johnson, e o veterano Bruce Dern, que pode voltar a concorrer a um Oscar em 2014 pelo novo filme de Alexander Payne, Nebraska. Os EUA têm tantos talentos à disposição que é realmente lamentável que os cineastas não aproveitem.

Django e Django: Franco Nero (à esq) faz uma pequena participação (photo by OutNow.CH)

Django e Django: Franco Nero (à esq) faz uma pequena participação (photo by OutNow.CH)

Para o papel de protagonista, Tarantino havia escrito para Will Smith, mas por motivos não divulgados, recusou a proposta. Depois de fazer testes com Idris Elba, Chris Tucker e Terrence Howard, o papel acabou nas mãos de Jamie Foxx. Apesar de seu personagem falar pouco, o ator encorpora o espírito vingativo do escravo através do olhar. Já para o papel do vilão Calvin Candie, foi necessário um diálogo entre o diretor e Leonardo DiCaprio para convencê-lo a participar, pois como tem imagem de bom menino e líder do movimento Verde, estava desconfortável com o racismo explícito do personagem. Sinceramente, não sei se DiCaprio foi a melhor escolha, mas como cinéfilo, aplaudi seu esforço em se desvencilhar de filmes anteriores. Acredito que ele caminha bem para um futuro promissor se continuar ambicioso na escolha de projetos.

Por outro lado, as duas melhores atuações do filme vieram de escolhas previamente acertadas na cabeça de Tarantino: Christoph Waltz como Dr. King Schultz, e Samuel L. Jackson como o criado Stephen. Poliglota e excelente ator, Waltz revelou numa entrevista que tinha forte receio de que sua atuação repetisse seu personagem anterior de Coronel Hans Landa de Bastardos Inglórios. Esse medo reside principalmente no fato de ambos os personagens serem letrados e terem ótima dicção, mas os universos são totalmente diferentes. Quanto a Jackson, trata-se da sexta colaboração com Tarantino, então eles já estão num nível excepcional de sintonia no set. Ele trabalha tão bem a entonação de seus diálogos, que é possível ver o racismo extremo em cada palavra dita, enquanto ele nos diverte com seu humor negro. Fazia muito tempo em que não via Samuel L. Jackson tão inspirado, ainda mais num papel de idoso com debilidade física.

Samuel L. Jackson rouba suas cenas como o criado racista Stephen (photo by OutNow.CH)

Samuel L. Jackson (à esq) rouba suas cenas como o criado racista Stephen ao lado de Kerry Washington (photo by OutNow.CH)

Com Django Livre, é possível enxergar que Quentin está no fim de outra fase como diretor. Seus primeiros filmes formam uma trilogia que prioriza a estrutura narrativa. Histórias e personagens interligados tornaram-se sua marca principal nos anos 90, influenciando vários trabalhos como Trainspotting – Sem Limites, de Danny Boyle e Traffic, de Steven Soderbergh. Tarantino estava buscando modernizar o uso de múltiplos personagens e tramas no mesmo filme como Robert Altman fez em Nashville (1975) e ShortCuts – Cenas da Vida (1993).

Já na segunda trilogia, que se inicia com Kill Bill: Vol. 1 (2003), Tarantino resolve apelar na violência. Apesar do exagero, ele transforma essa gratuidade em uma beleza plástica. Ele convida o diretor de fotografia Robert Richardson a mergulhar num oceano de referências visuais fílmicas e televisivas para poder recriar e homenageá-las.

Cena visual de Kill Bill: Vol. 2 (2004) com fotografia de Robert Richardson (photo by odeon.typepad.com)

Cena visual de Kill Bill: Vol. 2 (2004) com fotografia de Robert Richardson (photo by odeon.typepad.com)

Shosanna e seu machado em Bastardos Inglórios (photo by OutNow.CH)

Shosanna e seu machado em Bastardos Inglórios (photo by OutNow.CH)

Violência em evidência: plasticidade no sangue e na plantação (photo by BeyondHollywood.com)

Violência em evidência: plasticidade no sangue e na plantação (photo by BeyondHollywood.com)

Além da violência mais acentuada e estetizada, como pode-se perceber pelas fotos acima, existem outras curiosidades nessa segunda fase. Todos esses filmes dialogam com o forte tema da vingança. A Noiva quer matar Bill. Shosanna quer a cabeça de Landa. E Django quer destruir Calvin Candie para resgatar sua esposa. Alguém aí falou em guardar rancor? Tarantino acredita que nada mais ferve o sangue do que uma vingancinha. No começo de Kill Bill: Vol. 1, ele coloca o antológico provérbio klingon de Jornada nas Estrelas: “Revenge is a dish best served cold (Vingança é um prato que se come frio)”.

Também vale ressaltar que o diretor coloca grupos que já foram minoria como tais personagens buscando vingança: Mulheres em Kill Bill, Judeus em Bastardos e Negros em Django. E quando se toca no assunto de minorias étnicas ou religiosas, a coisa tende a pegar fogo nessa sociedade politicamente correta ao extremo. O primeiro a se manifestar foi o diretor negro Spike Lee, mais conhecido por fazer filmes com temática racial como Febre da Selva e Faça a Coisa Certa.

Em entrevista, ele teria dito as seguintes palavras: “American Slavery Was Not A Sergio Leone Spaghetti Western. It Was A Holocaust. My Ancestors Are Slaves. Stolen From Africa. I Will Honor Them (A escravidão americana não era um filme de spaghetti western de Sergio Leone. Foi um Holocausto. Meus antepassados foram escravos. Tirados da África. Vou honrá-los)” – O que é mais ridículo é que o autor dessa crítica non-sense sequer viu o filme! Spike Lee estaria indignado com o fato de haver o termo racialmente pejorativo “nigger“, que seria algo como “crioulo” aqui. Esse termo era utilizado pelos senhores referindo-se a seus escravos. E como fazer um filme sobre esse período sem conter essa palavra no roteiro?

Não-oficialmente falando, talvez essa birra por parte de Lee venha de uma regrinha de humor americano que implica que apenas as vítimas da piada têm o direito de criar essas mesmas piadas. Por exemplo: só judeu pode tirar sarro de judeu, caso contrário seria um ultraje tão grande que seria um incidente diplomático. Jamie Foxx logo rebateu a polêmica através do jornal The Guardian: “…I respect Spike, he’s a fantastic director. But he gets a little shady when he’s taking shots at his colleagues without looking at the work. To me, that’s irresponsible. (Respeito Spike, ele é um diretor fantástico. Mas ele fica um pouco sombrio quando atira em seus colegas sem olhar para o trabalho deles. Para mim, isso é irresponsabilidade)”.

Os pré-conceituosos: A presidente Dilma Roussef recebe Spike Lee no Planalto em visita para realização de documentário Go Brazil Go em abril de 2012 (foto por blog.planalto.gov.br)

Os pré-conceituosos: A presidente Dilma Rousseff recebe Spike Lee no Planalto em visita para realização de documentário Go Brazil Go! em abril de 2012 (foto por Roberto Stickert Filho/PR de blog.planalto.gov.br)

Aproveitando o tema, outro filme indicado ao Oscar também tem sido alvo de controvérsias. Segundo declarações de um membro da Academia, um panaca chamado David Clennon, teria dito em carta aberta que não votaria em A Hora Mais Escura, porque o filme faria apologia à tortura. Para quem não conhece, o novo filme de Kathryn Bigelow teve acesso exclusivo aos arquivos da CIA na captura e morte do líder terrorista Osama Bin Laden, e há algumas cenas em que membros da inteligência americana aplicam torturas a fim de obterem pistas. Em defesa de seu filme, a diretora declarou: ” Torture was, as we all know, employed in the early years of the hunt. That doesn’t mean it was the key to finding Bin Laden. It means it is a part of the story we couldn’t ignore. (Tortura foi, como todos sabemos, empregada nos primeiros anos da caça. Isso não significa que foi a chave para encontrar Bin Laden. Significa que foi uma parte da história que nós não poderíamos ignorar)”.

A sociedade americana anda muito politicamente correta, e ainda sente as consequências daquele vídeo horroroso (em todos os sentidos) intitulado Innocence of the Muslims (Inocência dos Muçulmanos – ver vídeo e post em https://cinemaoscareafins.wordpress.com/2012/09/19/video-causa-conflito-no-oriente-medio/), que desencadeou uma briga internacional entre os países de origem muçulmana e os EUA, por abrigarem o responsável pelo filme. Além disso, hoje negros deixaram de ser negros. São afro-descendentes. Estamos pisando em ovos ao falar sobre temas étnicos. Isso porque nem vou comentar sobre as cotas raciais racistas criadas pelo ex-(e atual) presidente Lula e companhia. Se querem compensar décadas e mais décadas de escravidão, respeito e igualdade funcionam melhor como dignidade.

Veredito final: Nem Tarantino, nem Bigelow foram indicados ao Oscar de direção. Mas isso pouco importa agora. Django Livre é um ótimo filme que busca contar uma história de amor e vingança. Como qualquer outra obra de arte, não precisa estar atrelada à verdade absoluta ou a fatos verídicos. E como qualquer Arte boa, deve ter o poder de abrir espaço para interpretação e discussão saudável.

AVALIAÇÃO: MUITO BOM

Dr. King Schultz e Django formam uma dupla um tanto incomum (photo by BeyongHollywood.com)

Dr. King Schultz e Django formam uma dupla um tanto incomum (photo by BeyongHollywood.com)