‘A Culpa é das Estrelas’ leva o MTV Movie Awards 2015

John Green, Isaac Klausner, Josh Boone, Marty Bowen, Shailene Woodley, Nat Wolff e Wyck Godfrey recebem o MTV Movie Award de Filme do Ano por A Culpa é das Estrelas (photo by Getty Images through nypost.com)

John Green, Isaac Klausner, Josh Boone, Marty Bowen, Shailene Woodley, Nat Wolff e Wyck Godfrey recebem o MTV Movie Award de Filme do Ano por A Culpa é das Estrelas (photo by Getty Images through nypost.com)

PREMIAÇÃO DA MTV SE RENDE AO SENTIMENTALISMO
DA ADAPTAÇÃO DO BEST-SELLER DE JOHN GREEN

Ok, o MTV Movie Awards não foi para Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1 como eu havia previsto, mas também não foi para Whiplash, como eu gostaria que fosse. Sim, eu votei no site da MTV, mas a democracia da internet falou mais alto e o sucesso do livro e do filme de A Culpa é das Estrelas levou a melhor na edição deste ano, que aconteceu no último dia 12.

Se o vencedor eu errei, acertei na previsão das piadas da hostess Amy Schumer. Desde que vi as chamadas da premiação no canal da MTV, logo pensei: “Aonde que viram graça nessa moça?”. Ok, foi uma tentativa de trazer novos ares e certamente foi melhor do que a dupla Anne Hathaway e James Franco no Oscar 2011, mas acredito que a MTV, por sua vertente mais liberal, poderia ter se arriscado mais. Por que não trazer Sacha Baron Cohen, por exemplo? Ele conseguiu se destacar daquela vez que desceu como um anjo da Victoria Secret no colo do Eminem só para promover seu filme Brüno.

A premiação praticamente se dividiu entre três filmes: A Culpa é das Estrelas (Filme, Atriz e Beijo), Vizinhos (WTF Moment, Shirtless e Duo) e Maze Runner: Correr ou Morrer (Luta, Herói e Revelação). Dos filmes indicados ao Oscar em fevereiro, apenas Sniper Americano (Ator para Bradley Cooper) e Caminhos da Floresta (Vilã para Meryl Streep) levaram seus baldes de pipoca. Whiplash, que é um grande filme sobre música (hello, Music Television?!), acabou não levando nenhum. Ok, em nome da democracia cinéfila, é bacana.

Jessica Alba e Rita Ora posam com o vencedor do Shirtless Performance, Zac Efron, por Vizinhos (photo by nydailynews.com)

Jessica Alba e Rita Ora posam com o vencedor do Shirtless Performance, Zac Efron, por Vizinhos (photo by nydailynews.com)

A verdade é que a indústria norte-americana tem tantos filmes que eles podem se dar ao luxo de premiar filmes alternativos aos grandes prêmios como aconteceu aqui, ou até mesmo os piores, como no Framboesa de Ouro. E isso qualquer cinéfilo deve tirar o chapéu. Eles sabem rir da própria “ruindade” de suas produções, e isso requer humildade.

Como acontece no Oscar e alguns prêmios da crítica, todo ano selecionam uma ou mais figuras para lhe entregar um prêmio pelo conjunto da obra. Obviamente, os selecionados costumam ser artistas bem experientes e idosos, mas não é o caso do MTV Movie Awards, que este ano reconheceu o carisma de Robert Downey Jr. Depois de seu ressurgimento após um período difícil com drogas e detenção nos anos 90, ele deu a volta por cima e se tornou uma das figuras mais bem pagas de Hollywood e com méritos. O que seria o personagem Tony Stark sem ele? Alguns até poderiam argumentar que existem outros atores melhores do que ele, mas certamente não com o mesmo carisma magnético dele. Prêmio merecidíssimo, que ainda aproveita para fazer uma propaganda do lançamento do novo filme dos Vingadores, Os Vingadores: Era de Ultron, que estréia aqui no Brasil no dia 30 de abril.

Scarlett Johansson, Chris Hemsworth, Jeremy Renner e

Scarlett Johansson, Chris Hemsworth, Jeremy Renner e Chris Evans entregam o MTV Generation Award para Robert Downey Jr. (photo by theblaze.com)

Já os demais prêmios, MTV Trailblazer e Comedic Genius, acho desnecessários, uma vez que os vencedores não tem história o suficiente no cinema para justificar tal honraria. Shailene Woodley e Kevin Hart? Por que não Sharon Stone e Jim Carrey? Seria uma forma bacana de resgatar aos holofotes artistas importantes que já ganharam seus baldes de pipoca duas décadas atrás.

Bom, quanto aos resultados em si, gostei da premiação de Bradley Cooper. Ele tem se mostrado um ator cada vez mais versátil e que realmente se dedica aos papéis. Para viver o oficial da Marinha, Chris Kyle, ele fez intenso treinamento e conseguiu massa muscular para ficar igual à figura real de seu personagem. Particularmente, é um ator que me surpreendo a cada filme que vejo, ainda mais por conhecê-lo pela comédia Se Beber, Não Case. O prêmio aqui é merecido, mas vale lembrar que o filme de Clint Eastwood teve uma arrecadação espantosa nos EUA, ultrapassando a marca dos 350 milhões de dólares, atingindo certamente muitos dos internautas que votaram.

Bradley Cooper ganha seu balde de pipoca por Sniper Americano (photo by timeslives.co.za)

Bradley Cooper ganha seu balde de pipoca por Sniper Americano (photo by timeslives.co.za)

Gosto também da premiação de Shailene Woodley pelo trabalho em A Culpa é das Estrelas. Ela chegou a ser cogitada em várias listas de previews para a temporada de premiações de 2015. Descoberta por Alexander Payne em Os Descendentes (2011), felizmente a atriz não caiu na besteira de escolher papéis insignificantes e procura novos desafios em produções independentes como O Maravilhoso Agora (2013) e claro, pagar suas contas com o sucesso dos filmes da série Divergente.

Shailene Woodley recebe seu balde de pipoca por A Culpa é das Estrelas (photo by hollywoodlife.com)

Shailene Woodley recebe seu balde de pipoca por A Culpa é das Estrelas (photo by hollywoodlife.com)

VENCEDORES DO MTV MOVIE AWARDS 2015:

MOVIE OF THE YEAR
A Culpa é das Estrelas (The Fault in Our Stars)

BEST MALE PERFORMANCE
Bradley Cooper (Sniper Americano)

BEST FEMALE PERFORMANCE
Shailene Woodley (A Culpa é das Estrelas)

BEST SCARED-AS-S**T PERFORMANCE
Jennifer Lopez (O Garoto da Casa ao Lado)

BEST DUO
Zac Efron e Dave Franco (Vizinhos)

BEST FIGHT
Dylan O’Brien vs. Will Poulter (Maze Runner: Correr ou Morrer)

BEST WTF MOMENT
Seth Rogen e Rose Byrne (Vizinhos)

BEST MUSICAL MOMENT
Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1)

BEST ON-SCREEN TRANSFORMATION
Elizabeth Banks (Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1)

BEST HERO
Dylan O’Brien (Maze Runner: Correr ou Morrer)

BREAKTHROUGH PERFORMANCE
Dylan O’Brien (Maze Runner: Correr ou Morrer)

BEST SHIRTLESS PERFORMANCE
Zac Efron (Vizinhos)

BEST KISS
Shailene Woodley e Ansel Elgort (A Culpa é das Estrelas)

BEST VILLAIN
Meryl Streep (Caminhos da Floresta)

BEST COMEDIC PERFORMANCE
Channing Tatum (Anjos da Lei 2)

MTV TRAILBLAZER AWARD
Shailene Woodley

MTV GENERATION AWARD
Robert Downey Jr.

COMEDIC GENIUS
Kevin Hart

Anúncios

Indicados ao Oscar marcam presença no MTV Movie Awards 2015

Novo logo do MTV Movie Awards (photo by mtv.com)

Novo logo do MTV Movie Awards (art by Dabs Myla – photo by mtv.com)

‘SNIPER AMERICANO’, ‘BOYHOOD’, ‘WHIPLASH’ E ATÉ ‘SELMA’ CONCORREM AO PRÊMIO DA MTV QUE SOA COMO UM PRÊMIO DE CONSOLAÇÃO

Depois de vários anos em decadência, o MTV Movie Awards tem tudo para decolar novamente este ano. É possível ver inúmeros artistas em destaque pelos trabalhos de 2014 nas listas de indicação que poderiam até figurar no Oscar. É o caso dos atores Miles Teller, Channing Tatum e pra alegria dos racistas de plantão, David Oyelowo, que foi preterido pela Academia. Expandiram até o número de indicados a Melhor Filme para oito produções! Contudo, de nada adianta ter ótimas opções de escolha se o público não ajudar na hora de votar pela internet.

Para Melhor Filme, por exemplo, eu votaria para Whiplash: Em Busca da Perfeição. Se no Oscar o filme de Damien Chazelle era considerado “pequeno ou independente demais” para ganhar como Melhor Filme, aqui no MTV Movie Awards ele se encaixaria como uma luva, ainda mais por se tratar de um filme sobre música. Mas a minha bola de cristal pessimista (pra não dizer realista) me diz que o público acéfalo vai eleger o novo filme da saga Jogos Vorazes como o melhor do ano. Será uma pena se isso acontecer, porque o prêmio tem uma grande oportunidade de resgatar sua credibilidade, já que no passado chegou a eleger ótimos filmes como O Exterminador do Futuro 2 e Pulp Fiction – Tempo de Violência.

Cena com Milles Teller e J.K. Simmons de Whiplash: Em Busca da Perfeição, de Damien Chazelle. (photo by outnow.ch)

Cena com Milles Teller e J.K. Simmons de Whiplash: Em Busca da Perfeição, de Damien Chazelle. (photo by outnow.ch)

Aí você pode retrucar dizendo que não se pode discutir o gosto do público, afinal gosto é subjetivo. Sim, é verdade. Mas como cinéfilo, vejo com tristeza essa decadência de um prêmio que já foi o mais cool da indústria ficar vítima de um péssimo paladar do público que já elegeu A Saga Crepúsculo quase toda e Transformers como Melhor Filme. Espero que se não votarem em Whiplash, que pelo menos votem em Guardiões da Galáxia, um filme pipoca bem escrito.

Outros podem argumentar dizendo que se o MTV Movie Awards elegesse apenas filmes preteridos pelo Oscar, poderia perder sua identidade. Concordo. O Movie Awards não precisa ser um estepe do Oscar, mas também não precisa eleger apenas filmes da modinha. Há incontáveis bons filmes que sequer figuraram em listas de críticos, mas que poderiam ser reconhecidos aqui. Só para exemplificar, cito Capitão América 2: O Soldado Invernal (indicado a Melhor Luta e Melhor Beijo) e a comédia Top Five (indicado a Melhor Comediante e WTF Moment). Seriam prêmios merecidos, mas resta saber se o público concorda.

Chris Rock em Top Five (photo by outnow.ch)

Chris Rock em Top Five (photo by outnow.ch)

Lembro que uns anos atrás, a votação era limitada a norte-americanos, mas felizmente este ano a votação está aberta internacionalmente. Wohooo! Então, meninos e meninas, caso queira colaborar com uma melhora efetiva nos resultados do MTV Movie Awards, e não for votar em Jogos Vorazes (brincadeira!), vote agora. Basta fazer um login por Facebook, Twitter ou e-mail:

http://www.mtv.com/ontv/movieawards/2015/movie-of-the-year/

Também fiz crítica ao prêmio de Shirtless Performance (performance sem camisa) por ser uma futilidade, mas felizmente, este ano temos uma concorrente feminina! E que concorrente! Kate Upton foi indicada pelo medíocre Mulheres ao Ataque (adivinhem em que votei). Então, cuecas de plantão, por favor vamos votar! De qualquer forma, eu trocaria essa categoria pelo retorno de Most Desirable Female e Male, pois premiaria a sensualidade toda de um personagem, e não apenas o fato de ele ou ela tirar a roupa.

A belíssima Kate Upton em Mulheres ao Ataque (photo by elfilm.com)

A belíssima Kate Upton em Mulheres ao Ataque (photo by elfilm.com)

Nesta edição, Guardiões da Galáxia, A Culpa é das Estrelas e Vizinhos lideram as indicações com sete cada. Coincidentemente, todos os três competem nas categorias Shirtless Performance e Melhor Beijo. Imagina Cinquenta Tons de Cinza no MTV Movie Awards de 2016…

Este ano, a hostess será a escritora, comediante e atriz Amy Schumer, que ficou conhecida por sua série Inside Amy Schumer, na qual faz comédia stand up e entrevista pessoas nas ruas. Vi uns vídeos de stand up comedy dela no Youtube e achei bem sem graça. Veja um vídeo promocional do evento abaixo e confirme:


Amy Schumer com Anna Kendrick. A noite vai ser looonga…

Seguem os indicados ao MTV Movie Awards:

Movie of the Year
– Sniper Americano (American Sniper)
– Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1 (The Hunger Games: Mockingjay – Part 1)
– Guardiões da Galáxia (Guardians of the Galaxy)
– Garota Exemplar (Gone Girl)
– A Culpa é das Estrelas (The Fault In Our Stars)
– Boyhood: Da Infância à Juventude (Boyhood)
– Whiplash: Em Busca da Perfeição (Whiplash)
– Selma: Uma Luta Pela Igualdade (Selma)

Best Female Performance
– Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1)
– Emma Stone (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância))
– Shailene Woodley (A Culpa é das Estrelas)
– Reese Witherspoon (Livre)
– Scarlett Johansson (Lucy)

Best Male Performance
– Bradley Cooper (Sniper Americano)
– Chris Pratt (Guardiões da Galáxia)
– Ansel Elgort (A Culpa é das Estrelas)
– Miles Teller (Whiplash: Em Busca da Perfeição)
– Channing Tatum (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)

Best Scared-As-S**t Performance
– Rosamund Pike (Garota Exemplar)
– Annabelle Wallis (Annabelle)
– Jennifer Lopez (O Garoto da Casa ao Lado)
– Dylan O’Brien (Maze Runner: Correr ou Morrer)
– Zach Gilford (Uma Noite de Crime: Anarquia)

Breakthrough Performance
– Ansel Elgort (A Culpa é das Estrelas)
– Rosamund Pike (Garota Exemplar)
– David Oyelowo (Selma: Uma Luta Pela Igualdade)
– Dylan O’Brien (Maze Runner: Correr ou Morrer)
– Ellar Coltrane (Boyhood: Da Infância à Juventude)

Best Shirtless Performance
– Zac Efron (Vizinhos)
– Chris Pratt (Guardiões da Galáxia)
– Channing Tatum (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)
– Ansel Elgort (A Culpa é das Estrelas)
– Kate Upton (Mulheres ao Ataque)

Best Duo
– Channing Tatum & Jonah Hill (Anjos da Lei 2)
– Zac Efron & Dave Franco (Vizinhos)
– Shailene Woodley & Ansel Elgort (A Culpa é das Estrelas)
– Bradley Cooper & Vin Diesel (Guardiões da Galáxia)
– James Franco & Seth Rogen (A Entrevista)

Best Fight
– Jonah Hill vs. Jillian Bell (Anjos da Lei 2)
– Chris Evans vs. Sebastian Stan (Capitão América 2: O Soldado Invernal)
– Dylan O’Brien vs. Will Poulter (Maze Runner: Correr ou Morrer)
– Seth Rogen vs. Zac Efron (Vizinhos)
– Edward Norton vs. Michael Keaton (Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância))

Best Kiss
– Ansel Elgort & Shailene Woodley (A Culpa é das Estrelas)
– James Franco & Seth Rogen (A Entrevista)
– Andrew Garfield & Emma Stone (O Espetacular Homem-Aranha 2: A Ameaça de Electro)
– Scarlett Johansson & Chris Evans (Capitão América 2: O Soldado Invernal)
– Rose Byrne & Halston Sage (Vizinhos)

Best WTF Moment
– Seth Rogen & Rose Byrne (Vizinhos)
– Jonah Hill (Anjos da Leis 2)
– Jason Sudeikis & Charlie Day (Quero Matar Meu Chefe 2)
– Miles Teller (Whiplash: Em Busca da Perfeição)
– Rosario Dawson & Anders Holm (Top Five)

 Best Villain
– Rosamund Pike (Garota Exemplar)
– J.K. Simmons (Whiplash: Em Busca da Perfeição)
– Jillian Bell (Anjos da Lei 2)
– Meryl Streep (Caminhos da Floresta)
– Peter Dinklage (X-Men: Dias de um Futuro Esquecido)
.
Best Musical Moment
– Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1)
– Chris Pratt (Guardiões da Galáxia)
– Seth Rogen & Zac Efron (Vizinhos)
– Bill Hader & Kristen Wiig (Irmãos Desastre)
– Miles Teller (Whiplash: Em Busca da Perfeição)
.
Best Comedic Performance
– Channing Tatum (Anjos da Lei 2)
– Chris Pratt (Guardiões da Gláxia)
– Rose Byrne (Vizinhos)
– Chris Rock (Top Five)
– Kevin Hart (Padrinhos LTDA)
.
Best On-Screen Transformation
– Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo)
– Elizabeth Banks (Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1)
– Zoe Saldana (Guardiões da Galáxia)
– Steve Carell (Foxcatcher: Uma História que Chocou o Mundo)
– Ellar Coltrane (Boyhood: Da Infância à Juventude)
.
O MTV Movie Awards acontece no dia 12 de abril, e a MTV Brasil vai transmitir ao vivo. Sim, eu confirmei através da propaganda exibida no próprio canal.

‘Saving Christmas’ é eleito o pior do ano no Framboesa de Ouro 2015

Saving Christmas: o grande vencedor do Framboesa de Ouro 2015 (photo by cdn.screenrant.com)

Saving Christmas: o grande vencedor do Framboesa de Ouro 2015 (photo by cdn.screenrant.com)

FRAMBOESA FINALMENTE CONTEMPLA TAMBÉM MICHAEL BAY E SEUS EXCESSOS

Quem diria que o Framboesa de Ouro já está completando 35 anos? Certamente, três décadas e meia da mais pura nata do cinema de qualidade! Um dos fundadores do evento, John Wilson, contou em entrevista: “Há 35 anos fazemos essa festa como contraponto ao Oscar”. E vem dando certo, pois antes a cerimônia ocupava uma salinha e hoje chega a alugar um teatro de médio porte e este ano passou a cobrar até ingressos que, segundo Wilson, venderam quase todos a 25 dólares cada.

Como de praxe, o prêmio possui as categorias de Pior Filme, Ator, Atriz, Ator Coadjuvante, Atriz Coadjuvante, Diretor e Roteiro, mas este ano, lançou um prêmio especial intitulado The Razzie Redeemer Award (algo como Framboesa Redentora) para aqueles atores que persistem depois um mega fracasso e alcançam o sucesso comercial e de crítica. O primeiro contemplado foi Ben Affleck, que foi de Contato de Risco (2003) com Jennifer Lopes para os sucessos Argo (2013) e Garota Exemplar (2014).

Ontem: Ben Affleck com Jennifer Lopez em Contato de Risco, de 2003 (photo by cdn.thedailybeast.com)

Ontem: Ben Affleck com Jennifer Lopez em Contato de Risco, de 2003 (photo by cdn.thedailybeast.com)

Ben Affleck ostenta seu segundo Oscar, mas desta vez como produtor por Argo (photo by bostinno.com)

E hoje: Ben Affleck com seu segundo Oscar por Argo. O mundo realmente dá voltas. (photo by bostinno.com)

Infelizmente, Affleck não foi receber o prêmio como a maioria não costuma fazer por vergonha. Daria pra contar nos dedos os artistas que foram ao palco agradecer pela honraria: Sandra Bullock (por Maluca Paixão), Halle Berry (por Mulher-Gato) e o diretor holandês Paul Verhoeven (por Showgirls), que foi marcante por ter sido o primeiro artista a receber o prêmio em mãos em 1996.

Este ano, o grande vencedor (ou seria perdedor?) foi Saving Christmas, um filme evangélico classificado como de família e comédia. A produção foi contemplada como Pior Filme, Pior Ator, Pior Roteiro e Pior Combo.

Logo atrás, vem Transformers: A Era da Extinção com 2 Framboesas. Finalmente minhas preces foram atendidas e Michael Bay foi reconhecido por suas virtudes como diretor. Ok, não dá pra esperar muita coisa de Michael Bay, mas pelo menos antes ele se esforçava um pouco mais pra entregar um blockbuster mais razoável como A Rocha (1996) ou A Ilha (2005), cujos primeiros 20 minutos são bons, mas depois desanda de uma maneira que até hoje não consigo entender. Ele é uma espécie de Ed Wood com dinheiro. Acha que está fazendo obras-primas, mas não está. Mas a diferença é que Ed Wood não tinha um centavo no bolso e qualquer coisa na tela se tornava algo bonito. Por favor, amigos de Michael Bay, dêem um toque pra ele.

Depois de várias tentativas frustradas, Michael Bay finalmente conquista seu Framboesa de Ouro por Transformers: A Era da Extinção (photo by i.ytimg.com)

Depois de várias tentativas frustradas, Michael Bay finalmente conquista seu Framboesa de Ouro por Transformers: A Era da Extinção (photo by i.ytimg.com)

O Framboesa de Ouro não existe pra ficar dando lição de moral nos concorrentes, mas de uma certa forma, dar um leve puxão de orelha e dar um empurrãozinho para que esses artistas repensem melhor antes de levar adiante um projeto que visa apenas um lucro fácil. Tudo bem que às vezes, o ator ou atriz precisa pagar as contas ou fez um favor, como Charlize Theron deve ter feito ao amigo Seth MacFarlane naquela draga de comédia besteirol Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola, que também deveria levar Pior Título em Português, porque o título original não é tão ruim assim: A Million Ways to Die in the West, mas certos tropeços poderiam ser facilmente evitados.

Seth Macfarlane e Charlize Theron em entrevista do filme Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola (photo by i.ytimg.com)

Seth Macfarlane e Charlize Theron em entrevista do filme Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola (photo by i.ytimg.com)

Poxa, Charlize Theron ganhou o Oscar por Monster: Desejo Assassino, e hoje está na lista do Framboesa. Depois daquele baita esforço de transformação para viver a assassina Aileen Wuornos, fazer uma comédia imbecil foi uma decisão tomada à base de crack. Tem artistas que andam tão sem rumo que a gente nem liga mais, como Nicolas Cage, que tem feito uns três filmes ruins por ano, mas é triste noticiar a queda de alguns nomes.

Enfim, sem mais delongas, os grandes ganhadores do Framboesa 2015:

PIOR FILME
• Saving Christmas
– O Apocalipse
– Hércules
– As Tartarugas Ninja
– Transformers: A Era da Extinção

PIOR ATOR
Kirk Cameron (Saving Christmas)
– Nicolas Cage (O Apocalipse)
– Kellan Lutz (Hércules)
– Seth MacFarlane (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
– Adam Sandler (Juntos e Misturados)

PIOR ATRIZ
• Cameron Diaz (Mulheres ao Ataque) e (Sex Tape: Perdido na Nuvem)
– Drew Barrymore (Juntos e Misturados)
– Melissa McCarthy (Tammy)
– Charlize Theron (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
– Gaia Weiss (Hércules)

PIOR ATOR COADJUVANTE
• Kelsey Grammer (Os Mercenários 3), (A Lenda de Oz), (Elas Querem Pensar Como Eles!) e (Transformers: A Era da Extinção)
– Mel Gibson (Os Mercenários 3)
– Shaquille O’Neal (Juntos e Misturados)
– Arnold Schwarzenegger (Os Mercenários 3)
– Kiefer Sutherland (Pompeia)

PIOR ATRIZ COADJUVANTE
Megan Fox (As Tartarugas Ninja)
– Cameron Diaz (Annie)
– Nicola Peltz (Transformers: A Era da Extinção)
– Susan Sarandon (Tammy)
– Bridgette Cameron (Saving Christmas)

PIOR DIRETOR
Michael Bay (Transformers: A Era da Extinção)
– Darren Doane (Saving Christmas)
– Renny Harlin (Hércules)
– Jonathan Liebesman (As Tartarugas Ninja)
– Seth MacFarlane (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)

PIOR REMAKE OU SEQUÊNCIA
Annie
– Atlas Shrugged: Part III
– Hércules
– As Tartarugas Ninja
– Transformers: A Era da Extinção

PIOR COMBO
Kirk Cameron e seu ego (Saving Christmas)
– Kellan Lutz e seus músculos (Hércules)
– Seth MacFarlane e Charlize Theron (Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola)
– Cameron Diaz, Jason Segel (Sex Tape: Perdido na Nuvem)
– Qualquer dois robôs, atores (ou atores robóticos) (Transformers: A Era da Extinção)

PIOR ROTEIRO
Darren Doane, Cheston Hervey (Saving Christmas)
– Paul Lalonde, John Patus (O Apocalipse)
– Kate Angelo, Jason Segel, Nicholas Stoller (Sex Tape: Perdido na Nuvem)
– Ehren Kruger (Transformers: A Era da Extinção)
– Evan Daugherty, André Nemec, Josh Appelbaum (As Tartarugas Ninja)

FRAMBOESA REDENTORA
• Ben Affleck: de vencedor do Framboesa por Contato de Risco para vencedor do Oscar por Argo, e Garota Exemplar
– Jennifer Aniston: de 4 vezes indicada ao Framboesa para indicada ao SAG por Cake: Uma Razão Para Viver
– Mike Myers: de vencedor do Framboesa por O Guru do Amor para diretor de documentário Supermensch: The Legend of Shep Gordon
– Keanu Reeves: de seis vezes indicado ao Framboesa para o aclamado pela crítica De Volta ao Jogo
– Kristen Stewart: de vencedora do Framboesa por Crepúsculo para o filme de arte Camp X-Ray

‘Boyhood’ fatura 3 prêmios e é o grande vencedor do Globo de Ouro 2015

Da esquerda para a direita: Patricia Arquette, Lorelei Linklater, Richard Linklater, Ellar Coltrane e Ethan Hawke com os três Globos de Ouro em mãos (photo by trbimg.com)

Da esquerda para a direita: Patricia Arquette, Lorelei Linklater, Richard Linklater, Ellar Coltrane e Ethan Hawke com os três Globos de Ouro em mãos (photo by trbimg.com)

‘BIRDMAN’ E ‘A TEORIA DE TUDO’ CONQUISTAM 2 PRÊMIOS CADA E FORTALECEM SUAS CAMPANHAS RUMO AO OSCAR

Em termos de resultado, a 72ª edição do Globo de Ouro pode ser dividida em duas partes: a previsível de cinema e a imprevisível de TV. Os atores mais cotados de cinema levaram seus prêmios: Eddie Redmayne, Julianne Moore, Michael Keaton, Amy Adams, J.K. Simmons e Patricia Arquette, além de Richard Linklater como diretor. Só achei que os prêmios de roteiro e filme-comédia seriam invertidos: O Grande Hotel Budapeste levaria roteiro e Birdman levaria filme, mas de qualquer modo, foi um merecidíssimo prêmio para Wes Anderson. Provavelmente, a maior surpresa na parte de cinema tenha sido a vitória da sequência Como Treinar o Seu Dragão 2, já que Uma Aventura Lego vinha conquistando quase todos os prêmios da temporada de Melhor Animação, e em menor escala, a vitória do compositor Johann Johannsson pela trilha de A Teoria de Tudo, uma vez que Antonio Sanchez tinha as melhores chances por Birdman, mesmo tendo sido desqualificado da categoria no Oscar.

Pela TV, já pelo fato dos membros da Hollywood Foreign Press Association terem dado uma repaginada nos indicados, acabou proporcionando maiores oportunidades de surpresa. Séries que todo ano estavam indicadas foram deixadas de lado como The Big Bang TheoryModern Family, permitindo a inclusão de novas como a vencedora Transparent, e Jane the Virgin e Sillicon Valley. Aliás, a série Transparent, da Amazon, fez história ao se tornar a primeira série online a ganhar o Globo de Ouro de Melhor Série. As séries da Netflix como House of Cards e Orange is the New Black falharam nesse quesito, mas pelo menos Kevin Spacey conquistou seu almejado prêmio de ator pela primeira. As maiores surpresas foram as vitórias de The Affair como Melhor Série – Drama, sua atriz Ruth Wilson, e a atriz coadjuvante Joanne Froggatt por Downton Abbey. A minissérie Fargo também surpreendeu ao bater favoritos como True Detective e o filme para tv The Normal Heart, mas a verdade é que Fargo sempre recebeu ótimos elogios, mas ninguém premiava. Coube ao Globo de Ouro recompensá-los numa noite em que os criadores do filme original estavam presentes: Joel Coen, Ethan Coen, Frances McDormand e William H. Macy.

FESTA BEM AMENA COM LAMPEJOS DE OUSADIA

Não sei o que houve com as hostesses Tina Fey e Amy Poehler. Quer dizer, elas fizeram suas piadas na apresentação como aquelas envolvendo a saga da Sony com a Coréia do Norte e o filme A Entrevista, e até polêmicas das acusações de estupro de Bill Cosby, mas ao longo da festa, não vimos novas inserções delas. Teriam sido proibidas? Aí, a organização colocou umas piadas tão sem graça para os apresentadores dos prêmios lerem ao vivo que o show foi decaindo muito rapidamente. Quando vi Ricky Gervais subindo ao palco pra apresentar, pensei: “Pronto, finalmente alguém pra levantar o ânimo!”, mas não sei se mandaram Ricky maneirar no tom, mas ele realmente pegou leve… Uma pena! Ele zombou do “momento John Travolta”, quando o ator introduziu a cantora Idina Menzel com “Adele Nazeem” no Oscar do ano passado: “Eu assisto (à gafe) toda hora no Youtube!”. Então, sobrou para o ator Jeremy Renner soltar a pérola masculina da noite. Quando apresentava o prêmio ao lado da mega decotada Jennifer Lopez, ao abrir o envelope ela falou: “Eu abro porque tenho as unhas” – “E os globos de ouro também”, completou o auspicioso Renner.

Tina Fey e Amy Poehler com Margaret Cho caracterizada como uma serva norte-coreana (photo by foxnews.com)

Tina Fey e Amy Poehler com Margaret Cho caracterizada como uma serva norte-coreana (photo by foxnews.com)

Seguem algumas pérolas da dupla Fey e Poehler:

Tina Fey: Tonight we celebrate all the television shows that we know and love, as well as all the movies that North Korea was OK with. (Hoje, celebramos todos os shows da tv que conhecemos e amamos, assim como todos os filmes que a Coréia do Norte permitiu).

Amy Poehler: Patricia Arquette in “Boyhood” proves that “there are still great roles for women over 40- as long as you get hired when you’re under 40” (Patricia Arquette em Boyhood prova que ainda há grandes papéis para mulheres acima dos 40 – contanto que você seja contratada antes dos 40) – referindo-se ao fato de que as filmagens de Boyhood começaram há 12 anos.

Amy Poehler: In “Into the Woods,” Cinderella runs from her prince, Rapunzel is thrown from a tower for her prince and Sleeping Beauty just thought she was getting coffee with Bill Cosby” (Em “Caminhos da Floresta”, Cinderela de seu príncipe, Rapunzel é jogada de sua torre para seu príncipe e A Bela Adormecida pensou que ia tomar um café com Bill Cosby). Elas até chegam a fazer algumas imitações de Cosby pra amenizar o ambiente, mas o dano já estava feito.

Mas a melhor da noite foi: George Clooney married Amal Amaluddin this year. “Amal is a human rights lawyer who worked on the Enron case, was an adviser to Kofi Anan regarding Syria and was selected for a three person UN commission regarding war violations in the Gaza Strip. So tonight her husband is getting a lifetime achievement award,”. (George Clooney se casou com Amal Amaluddin este ano. “Amal é uma advogada de direitos humanos que trabalhou no caso Enron, foi conselheira de Kofi Anan sobre a Síria e foi eleita para uma comissão de três pessoas das Nações Unidas para os casos de violações de guerra na Faixa de Gaza. Então, esta noite seu marido vai ganhar um prêmio pela carreira!”

George Clooney com sua esposa Amal Amal (photo by John Shearer/ Invision/AP)

George Clooney com sua esposa Amal Amaluddin (photo by John Shearer/ Invision/AP)

Houve até um bom momento de descontração na brincadeira do “Would you rather” (Você prefere):
– Colin Farrell ou Colin Firth? Edward Norton ou Mark Ruffalo? Chris Pine ou Chris Pine! – Tina interrompe. Richard Linklater ou Alejandro Iñárritu? Amy escolhe Iñárritu: “Um take, duas horas direto sem parar”, enquanto Tina prefere Linklater: “Cinco minutos uma vez por ano”

Houve uma ou outra manifestação mais polêmica como o discurso de Common na vitória de Melhor Canção por Selma, filme sobre a conquista dos direitos civis nos anos 60. Em seu discurso, ele cita momentos importantes na História como a senhora negra que se recusou a mudar de lugar no ônibus até casos recentes como os dois negros mortos por policiais brancos na tentativa de engrandecer uma película somente por questões raciais e não por méritos artísticos. Assim como também houve uma outra citação do atentado terrorista na França contra o semanário Charlie Hebdo. Ao apresentar o prêmio de atriz coadjuvante, o ator Jared Leto aproveitou o momento e fez uma citação em homenagem, e George Clooney ostentava um bóton no smoking com os mesmos dizeres com os dizeres “Je suis Charlie”. O presidente da HFPA, Theo Kingma, fez questão de defender a liberdade de expressão, seja na Coréia do Norte ou em Paris, e foi aplaudido de pé por todos.

EFEITOS DO GLOBO DE OURO

Assim como muitos especialistas já levantaram, o resultado do Globo de Ouro já não serve mais como melhor parâmetro para o que vai acontecer no Oscar. Dos últimos 10 anos, apenas 4  vencedores de Melhor Filme no Globo de Ouro repetiram o feito no prêmio da Academia. Atores que ganharam o Globo de Ouro podem nem ser indicado ao Oscar como Paul Giamatti por Minha Versão do Amor em 2011, e Colin Farrell (Na Mira do Chefe) e Sally Hawkins (Simplesmente Feliz) em 2009. E até em categorias mais técnicas não há garantias de presença no Oscar: o compositor Alex Ebert venceu o Globo de Ouro em 2014 por Até o Fim e sequer foi indicado pela Academia. Claro que os vencedores terão suas respectivas campanhas nitidamente fortalecidas para os prêmios seguintes como o Critics’ Choice Awards, SAGs e o BAFTA, mas até o dia 15 de janeiro, dia do anúncio das indicações ao Oscar, ninguém está realmente garantido, abrindo espaço para surpresas, sejam positivas ou negativas.

Falando em negativas, o jornal americano The New York Post teria publicado uma reportagem em que lista casos que envolvem corrupção na compra de prêmios e indicações. Dentre os casos citados estão as três indicações do fracasso total O Turista, estrelado por Angelina Jolie e Johnny Depp (ambos indicados nas categorias de comédia ou musical) – tanto que o host da noite Ricky Gervais citou que a HFPA teria os indicado apenas para tê-los no tapete vermelho; e a indicação para Melhor Filme – Comédia ou Musical e vitória de Melhor Canção para Burlesque, um musical bastante criticado e sequer visto pelo público. Confira matéria de Lou Lumenick: http://nypost.com/2015/01/09/are-the-golden-globes-becoming-as-credible-as-the-oscars/

Amy Adams, Michael Keaton e Julianne Moore podem ter garantido suas indicações ao Oscar. Podem. (photo by absnews.com)

Amy Adams, Michael Keaton e Julianne Moore podem ter garantido suas indicações ao Oscar. Podem. (photo by absnews.com)

Rumo ao Oscar, o vencedor de Melhor Filme – Drama, Boyhood: Da Infância à Juventude, caminha firme e forte, já que levou também os prêmios de Diretor e Atriz Coadjuvante, além de ter sido indicado a Roteiro, afinal, são categorias-base para todo vencedor de Melhor Filme no Oscar, sem contar toda a história fascinante dos bastidores de 12 anos de filmagens. Quanto aos atores, Julianne Moore parece uma aposta cada vez mais certa para o Oscar. Aclamada por público e crítica como uma das melhores atrizes desta geração, e depois de ser indicada quatro vezes ao Oscar sem vitória, este deve ser o ano dela. Acredito que o único obstáculo em seu caminho pode ser ela mesma. Se a Academia indicá-la como coadjuvante também por Mapa Para as Estrelas, os votos podem se dividir e ela pode ser novamente perdedora em dose dupla como foi em 2003, quando estava indicada por Longe do Paraíso como atriz, e por As Horas como coadjuvante.

J.K. Simmons e Patricia Arquette estão cada vez mais fortes como coadjuvantes, contudo não dá pra descartar ainda Mark Ruffalo e Edward Norton, caso o filme de Simmons, Whiplash: Em Busca da Perfeição, não se saia bem nas indicações. Já Arquette, por mais que possa ter Meryl Streep competindo, deve ser a porta-voz ou representante de todo o elenco de Boyhood. Gostei da vitória de Amy Adams por Grandes Olhos, o que pode lhe garantir uma nova indicação ao Oscar consecutiva, mas as chances reais de vitória seriam praticamente nulas. Por mais talentosa que Adams seja, acredito que lhe falta um personagem que sirva como um real desafio que exija mudanças físicas para então ganhar seu Oscar. Vejam os casos de Charlize Theron e Matthew McConaughey: nunca tinham sido indicados e ganharam na primeira chance por terem passado por processos de transformação física. Não sei se Amy tem contrato vitalício com marcas de cosméticos que a impeçam de ficar feia ou algo do tipo, mas ela deveria pensar nessa hipótese. A categoria de Ator é a mais aberta até o momento. Por mais que Michael Keaton e Eddie Redmayne tenham ganhado o Globo de Ouro, não há nem garantias de que eles estarão na lista do Oscar, tamanha a concorrência. Temos Jake Gyllenhaal, Benedict Cumberbatch, Ralph Fiennes, David Oyelowo, Steve Carell, Joaquin Phoenix e Bill Murray pelo menos na cola.

Patricia Arquette e J.K. Simmons ganham como coadjuvantes (photo by intoday.in)

Patricia Arquette e J.K. Simmons ganham como coadjuvantes (photo by intoday.in)

Entre todos os filmes que receberam mais indicações, O Jogo da Imitação foi o maior perdedor. Presente em 5 categorias e como a maior aposta da Weinstein Company, o filme falhou em conquistar qualquer Globo de Ouro, nem um de consolação. Será que eles conseguem virar o jogo até o dia 22 de fevereiro?

A ELEITA

Não vou comentar os vestidos das moças. Prefiro falar das donas dos vestidos. E a melhor pela quinquagésima vez é Jessica Chastain. Essa mulher é um raio de sol. Só não esqueci que ela foi indicada para atriz coadjuvante por O Ano Mais Violento, porque foi uma pena que ela não subiu ao palco pra se apresentar.

Jessica Chastain no tapete vermelho (photo by usmagazine.com)

Jessica Chastain no tapete vermelho (photo by usmagazine.com)

Seguem os vencedores do Globo de Ouro:

CINEMA

MELHOR FILME – DRAMA
Boyhood: Da Infância à Juventude (Boyhood)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL
O Grande Hotel Budapeste (The Grand Budapest Hotel)

MELHOR ATOR – DRAMA
Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo)

MELHOR ATRIZ – DRAMA
Julianne Moore (Para Sempre Alice)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL
Amy Adams (Grandes Olhos)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL
Michael Keaton (Birdman)

MELHOR DIRETOR
Richard Linklater (Boyhood: Da Infância à Juventude)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Patricia Arquette (Boyhood: Da Infância à Juventude)

MELHOR ATOR COADJUVANTE
J.K. Simmons (Whiplash: Em Busca da Perfeição)

MELHOR ROTEIRO
Alejandro González Iñárritu, Nicolás Giacobone, Alexander Dinelaris, Armando Bo (Birdman)

MELHOR ANIMAÇÃO
Como Treinar Seu Dragão 2 (How to Train Your Dragon 2)

MELHOR FILME ESTRANGEIRO
Leviatã (Leviafan), de Andrey Zvyagintsev – RÚSSIA

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
“Glory” por John Legend, Common (Selma)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL
Johann Johannsson (A Teoria de Tudo)

TELEVISÃO

Equipe por trás da série vencedora The Affair (photo by ibtimes.com)

Equipe por trás da série vencedora The Affair (photo by ibtimes.com)

MELHOR SÉRIE DRAMÁTICA
The Affair

MELHOR ATOR EM SÉRIE DRAMÁTICA
Kevin Spacey (House of Cards)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DRAMÁTICA
Ruth Wilson (The Affair)

MELHOR MINISSÉRIE OU TELEFILME
Fargo

MELHOR SÉRIE DE COMÉDIA
Transparent

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU TELEFILME
Joanne Froggatt (Downton Abbey)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU TELEFILME
Matt Bomer (The Normal Heart)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE COMÉDIA
Gina Rodriguez (Jane the Virgin)

A bela Gina Rodriguez ganhou por Jane the Virgin (photo by nationalpost.com)

A bela Gina Rodriguez ganhou por Jane the Virgin. Definitivamente, a segunda colocada da lista das eleitas. (photo by nationalpost.com)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DE COMÉDIA
Jeffrey Tambor (Transparent)

MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU TELEFILME
Maggie Gyllenhaal (The Honorable Woman)

MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE OU TELEFILME
Billy Bob Thornton (Fargo)

As indicações ao Oscar 2015 serão anunciadas ao vivo neste dia 15 de janeiro e a cerimônia ocorre no dia 22 de fevereiro.

Ben Affleck vence o DGA por ‘Argo’. E agora, Academia?

Ben Affleck ostenta seu prêmio do DGA por Argo (photo by deccanchronicle.com)

Ben Affleck ostenta seu prêmio do DGA por Argo (photo by deccanchronicle.com)

Um grande e temido pesadelo aconteceu para a Academia: Ben Affleck levou o DGA award (Directors Guild of America) por Argo. O terceiro longa dirigido pelo ator Ben Affleck arrebatou todos os prêmios que podia: Globo de Ouro (Filme – Drama e Diretor), Critic’s Choice Award (Filme e Diretor), SAG award (Melhor Elenco – crédito para o diretor), o PGA award (Melhor Filme) e agora o DGA, que tem as melhores estatísticas de vitória garantida no Oscar. Bom, não desta vez…

Com essa vitória de Affleck, será o sétimo raríssimo caso em que o diretor vencedor do DGA não levará o Oscar, uma vez que nem foi indicado. Segue abaixo a ilustre lista dos seis casos anteriores:

  • Em 1968: Anthony Harvey ganhou o DGA Award por O Leão no Inverno, enquanto Carol Reed levou o Oscar por Oliver!
  • Em 1972: Francis Ford Coppola por O Poderoso Chefão (DGA) e Bob Fosse por Cabaret (Oscar).
  • Em 1985: Steven Spielberg por A Cor Púrpura (DGA), e Sydney Pollack por Entre Dois Amores (Oscar).
  • Em 1995: Ron Howard por Apollo 13 (DGA), e Mel Gibson por Coração Valente (Oscar).
  • Em 2000: Ang Lee por O Tigre e o Dragão (DGA) e Steven Soderbergh por Traffic (Oscar).
  • Em 2002: Rob Marshall por Chicago (DGA) e Roman Polanski por O Pianista (Oscar).

O fato de Ben Affleck não ter sido sequer indicado tem causado forte burburinho na mídia especializada e entre incontáveis cinéfilos que gostaram de Argo. Alguns mais radicais acreditam que a Academia, em seu grande conservadorismo, resolveu ignorar o diretor pelo seu passado nebuloso como ator. Como vocês sabem, Affleck nunca soube escolher bem seus projetos como ator, principalmente em 2003, quando naufragou em Demolidor – O Homem Sem Medo e Contato de Risco, ao lado da então esposa, Jennifer Lopez. Outros acreditam em lambança mesmo. Essa estratégia mal formulada de querer surpreender a todos foi um tiro no próprio pé da Academia.

O vencedor de 2012, Michel Hazanavicius (O Artista), entrega o prêmio a Ben Affleck (photo by metro.co.uk)

O vencedor de 2012, Michel Hazanavicius (O Artista), entrega o prêmio a Ben Affleck (photo by metro.co.uk)

Essa segunda teoria fica mais sólida com as ausências absurdas de mais dois indicados ao DGA: Kathryn Bigelow (A Hora Mais Escura) e Tom Hooper (Os Miseráveis). Ok, nada contra os substitutos David O. Russell, Michael Haneke e Benh Zeitlin. Todos têm seus devidos créditos, mas algo deu errado nas contas finais. Ou talvez não. Se a Academia estiver disposta a desvencilhar sua imagem de previsível de uma vez por todas, 2013 pode ser o ano um. É bem possível que as surpresas do Oscar não parem nos indicados, mas também nos vencedores. Você, que aposta em bolões e promoções, fique atento às surpresas. Alguns nomes considerados garantidos como Daniel Day-Lewis e Anne Hathaway podem cair do cavalo. Mas enfim, são apenas suposições.

Os indicados a Melhor Diretor no DGA da esquerda para a direita: Tom Hooper, Ben Affleck, Kathryn Bigelow, Ang Lee e Steven Spielberg (photo by metro.co.uk)

Os indicados a Melhor Diretor no DGA da esquerda para a direita: Tom Hooper, Ben Affleck, Kathryn Bigelow, Ang Lee e Steven Spielberg (photo by metro.co.uk)

Se Ben Affleck tivesse sido indicado ao Oscar, mas não levasse, não seria uma anormalidade, pois Argo é apenas seu terceiro filme. Talvez algumas pessoas que não votaram em Affleck tivessem boas intenções no sentido de não querer atrapalhar a ascensão dele com uma maldição do Oscar. Apesar do bom trabalho da mistura de gêneros que Argo foi, Ben Affleck ainda tem um extenso campo para amadurecer e entregar novos filmes excepcionais. Existem muitos artistas (diretores, atores e roteiristas) que interrompem sua escalada de sucesso porque acreditam que o Oscar foi seu ápice profissional, e que nada que façam em seguida pode ser melhor. Como cinéfilo, espero que essa dedução a respeito de Affleck se torne válida para que ele consiga dar a volta por cima.

Milos Forman (photo by HollywoodReporter.com)

Milos Forman (photo by HollywoodReporter.com)

O DGA awards escolheu Milos Forman como vencedor do Conjunto da Obra. Trabalhando como diretor desde os anos 60, o tcheco Forman criou obras polêmicas que entraram para a história do Cinema. O musical hippie Hair (1979), o drama de época Na Época do Ragtime (1981) que relata os conflitos raciais de Nova York no início do século XX, e a biografia do controverso Larry Flynt, que acreditava em liberdade de expressão ao publicar pornografia em O Povo Contra Larry Flynt (1996). Levou dois merecidos Oscars de Direção com os clássicos Um Estranho no Ninho (1975) e Amadeus (1984). Já no final da carreira, retornou ao seu país de origem e dirigiu outro musical: Dobre placená procházka (2009).

Segue lista completa dos vencedores:

Feature Film: Ben Affleck (Argo)
Documentary Feature: Malik Bendjelloul (Searching for Sugar Man)
Dramatic Series: Rian Johnson (Breaking Bad: Fifty-One)
Comedy Series: Lena Dunham (Girls – piloto)
Movie for Television or Mini-Series: Jay Roach (Virada no Jogo)
Musical Variety Program: Glenn Weiss (66th Annual Tony Awards)
Reality Program: Brian Smith (Master Chef – episódio #305)
Children’s Program: Paul Hoen (Let It Shine)
Daytime Serial: Jill Mitwell (One Life to Life: Between Heaven and Hell)
Commercial: Alejandro González Iñárritu (Best Job)

Malik Bendjelloul recebendo o DGA de documentarista do vocalista do Foo Fighters, Dave Grohl (photo by http://www.rte.ie)

Malik Bendjelloul recebendo o DGA de documentarista por Searching for Sugar Man do vocalista do Foo Fighters, Dave Grohl (photo by http://www.rte.ie)

Vencedores do Globo de Ouro 2013

Claro que, antes de escrever e analisar os vencedores, seria uma oportunidade propícia admirar as belas moças que desfilam pelo tapete vermelho. Sim, os hormônios masculinos ainda correm pela veia! Muita gente acha essa parte das premiações uma chatice sem fim e desnecessária. Eu discordo. Hollywood sempre foi um lugar de glamour, onde as estrelas podem caprichar no look (ou extrapolar um pouco em casos como de Jennifer Lopez) e estabelecer novos parâmetros para a indústria da moda. Como 99% dos homens se vestem como pinguins, vamos às moças!

AS MUSAS DO GLOBO DE OURO

Zooey Deschanel, que concorre pela série New Girl, veste Oscar de la Renta. Se ela vestisse um trapo, continuaria linda.

Zooey Deschanel, que concorre pela série New Girl, veste Oscar de la Renta. Se ela vestisse um trapo, continuaria linda. (photo by JustJared.com)

Jennifer Lawrence em seu belo Christian Dior coral. Não está deslumbrante como naquele vermelho do Oscar 2011, mas continua impressionando (photo by JustJared.com)

Jennifer Lawrence em seu belo Christian Dior coral. Não está deslumbrante como naquele vermelho do Oscar 2011, mas continua impressionando (photo by JustJared.com)

Jessica Alba consegue se destacar com esse laranja (photo by popsugar.com)

Jessica Alba consegue se destacar com esse tom de laranja de Oscar de la Renta (photo by popsugar.com)

A bela modelo da Victoria's Secret, Miranda Kerr. Ela passou desapercebida pelo tapete vermelho, mas na festa pós-Globo de Ouro, exibiu seu belo vestido com decotes e fendas provocantes. Mais um motivo para eu odiar o Orlando Bloom... (photo by lazygirls.com)

A bela modelo da Victoria’s Secret, Miranda Kerr, fica com meu 1º lugar. Ela passou desapercebida pelo tapete vermelho, mas na festa pós-Globo de Ouro, exibiu seu belo vestido com decotes e fendas provocantes. Orlando Bloom já estava na minha lista negra… (photo by lazygirls.com)

Ok. Desejo masculino saciado.

A 70ª cerimônia do Globo de Ouro ficou bem mais light com as anfitriãs Tina Fey e Amy Poehler. Claro que deram algumas cutucadas na ferida como a comparação da solidão e abandono da personagem de Anne Hathaway em Os Miseráveis com a própria sendo anfitriã ao lado de James Franco no Oscar 2011, ou quando Amy Poehler disse que a diretora Kathryn Bigelow entende de tortura para fazer A Hora Mais Escura, pois fora casada com James Cameron por três anos! (Sim, Cameron tem fama de ditador no set). Mas nada se comparado à acidez corrosiva de Ricky Gervais. Aliás, Ricky, sentimos sua falta!

Sobre os resultados, eu sabia que Argo sairia vitorioso no Globo de Ouro. Depois de tantas críticas positivas por parte da imprensa, o filme de Ben Affleck saiu com o prêmio principal e Melhor Diretor. Aliás, esse reconhecimento para Affleck foi merecido. Como diretor em ascensão, ele soube trabalhar as alterações de gêneros presente na trama baseada em fatos verídicos. Como profissional, ainda tem muita coisa a aprender, mas esse Globo de Ouro foi uma bela forma de incentivo a Affleck continuar crescendo atrás das câmeras (até mesmo porque como ator ele é limitado).

Mas e como fica Argo no Oscar depois dessa vitória? Poderia Argo se tornar um novo Conduzindo Miss Daisy? Explico: a última vez que o vencedor do Oscar de Melhor Filme ganhou sem ter seu diretor sequer indicado na categoria foi em 1990, quando Conduzindo Miss Daisy levou 4 Oscars. Este ano, na tentativa de surpreender, a Academia deixou de indicar Affleck e Kathryn Bigelow, enfraquecendo bastante as chances de Argo e A Hora Mais Escura, dois dos filmes mais elogiados pela crítica americana.

Os produtores de Argo, Ben Affleck (a esq., também diretor), Grant Heslov (centro) e George Clooney. (photo by latimes.com)

Os produtores de Argo, Ben Affleck (a esq., também diretor), Grant Heslov (centro) e George Clooney. (photo by latimes.com)

Ainda sobre o Globo de Ouro, fui bastante otimista, achando que Argo levaria ainda roteiro, mas Quentin Tarantino foi agraciado nessa categoria. Essa fama de roteirista excepcional já vem desde o primeiro filme de Tarantino, Cães de Aluguel (1992). Seu western Django Livre teve uma estréia tardia nos EUA, mas com tempo hábil suficiente para agradar a Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood. O filme também conquistou Melhor Ator Coadjuvante para o poliglota Christoph Waltz, que já havia vencido o mesmo prêmio pelo filme anterior de Tarantino, Bastardos Inglórios. Com Leonardo DiCaprio fora da corrida do Oscar, suas chances aumentam consideravelmente.

Um dos melhores roteriristas em atividade em Hollywood, Quentin Tarantino, bateu Chris Terrio (Argo) por seu western Django Livre (photo by eonline.com)

Um dos melhores roteriristas em atividade em Hollywood, Quentin Tarantino, bateu Chris Terrio (Argo) por seu western Django Livre (photo by eonline.com)

Curiosamente, o filme que levou mais Globos de Ouro foi o musical Os Miseráveis: Melhor Filme – Comédia ou Musical, Melhor Ator – Comédia ou Musical (Hugh Jackman) e Melhor Atriz Coadjuvante (Anne Hathaway). Botei um pouco de fé excessiva no concorrente O Lado Bom da Vida, que levou apenas Melhor Atriz – Comédia ou Musical para Jennifer Lawrence, que se torna franco-favorita com essa vitória e, única, se levar o SAG também.

Ninguém tirava o prêmio de Melhor Ator – Drama de Daniel Day-Lewis por Lincoln. E a forma como sua atuação foi elogiada a noite toda só confirma que ele criou outra performance majestosa. Agora fica a questão: Estaria a Academia disposta a premiar o primeiro ator a ganhar três Oscars de Melhor Ator? Nos últimos anos, Jack Nicholson (As Confissões de Schmidt) e Tom Hanks (Náufrago) tiveram essa oportunidade e pareciam caminhar bem para esse feito, mas morreram na praia.

O mais elogiado na cerimônia, Daniel Day-Lewis, leva para casa seu terceiro Globo de Ouro. Vem aí o terceiro Oscar? (photo by thetimes.co.uk)

O mais elogiado na cerimônia, Daniel Day-Lewis, leva para casa seu segundo Globo de Ouro. Vem aí o terceiro Oscar? (photo by thetimes.co.uk)

Enquanto Amor, de Michael Haneke, e “Skyfall” confirmaram seus favoritismos, talvez uma das maiores surpresas seja a vitória da animação Valente, já que não vinha ganhando nada na temporada de premiação. Uma explicação plausível seria a divisão de votos entre os favoritos Detona Ralph e Frankenweenie, abrindo espaço para o trabalho da Pixar.

E… Jodie Foster. O que posso dizer? Ela ainda consegue tirar o meu fôlego aos 50 anos. Belíssimo discurso sobre a vida em show business, família, amigos, colegas de trabalho e um pedido por mais privacidade. Como muitos sabem, a srta. Foster tem dois filhos cujo pai é desconhecido. Seria ela homossexual? Bissexual? Tem filhos de proveta? Isso pouco importa. Jodie é uma profissional mais do que competente e de caráter, algo cada vez mais raro hoje em dia.

A homenageada da noite, Jodie Foster, dedica seu prêmio aos amigos, colegas, seus filhos e um recado especial para a mãe. Que comece uma nova fase em sua carreira! (photo by au.movies.yahoo.com)

A homenageada da noite, Jodie Foster, dedica seu prêmio aos amigos, colegas, seus filhos e um recado especial para a mãe. Que comece uma nova fase em sua carreira! (photo by au.movies.yahoo.com)

MELHOR FILME – DRAMA

Argo (Argo)

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL

Os Miseráveis (Les Misérables), de Tom Hooper

MELHOR ATOR – DRAMA

Daniel Day-Lewis (Lincoln)

MELHOR ATRIZ – DRAMA

Jessica Chastain (A Hora Mais Escura)

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL

Hugh Jackman (Os Miseráveis)

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL

Jennifer Lawrence (O Lado Bom da Vida)

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Christoph Waltz (Django Livre)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Anne Hathaway (Os Miseráveis)

MELHOR DIRETOR

Ben Affleck (Argo)

MELHOR ROTEIRO

Quentin Tarantino (Django Livre)

MELHOR TRILHA MUSICAL ORIGINAL

Mychael Danna (As Aventuras de Pi)

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

“Skyfall”, de Adele, Paul Epworth (007 – Operação Skyfall)

MELHOR ANIMAÇÃO

Valente (Brave), de Mark Andrews e Brenda Chapman

MELHOR FILME ESTRANGEIRO

Amor, de Michael Haneke (Áustria)

PRÊMIOS DA TELEVISÃO

MELHOR SÉRIE DE TV – DRAMA

Homeland (Homeland)

MELHOR SÉRIE DE TV- COMÉDIA OU MUSICAL

Girls

MELHOR MINISSÉRIE OU FILME DE TV

Virada no Jogo (Game Change)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DE TV – DRAMA

Damian Lewis (Homeland)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE TV – DRAMA

Claire Danes (Homeland)

MELHOR ATOR EM SÉRIE DE TV – COMÉDIA OU MUSICAL

Don Cheadle (House of Lies)

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE DE TV – COMÉDIA OU MUSICAL

Lena Dunham (Girls)

MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE OU FILME DE TV

Kevin Costner (Hatfields & McCoys)

MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU FILME DE TV

Julianne Moore (Virada no Jogo)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME DE TV

Ed Harris (Virada no Jogo)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU FILME DE TV

Maggie Smith (Downton Abbey)

Argo (Argo), de Ben Affleck (2012)

Argo, de Ben Affleck. Fortíssimo candidato ao Oscar 2013.

TERCEIRO FILME DE BEN AFFLECK RESGATA HUMOR POLÍTICO

Apesar de ser inspirada em fatos verídicos, a história de Argo contém elementos fictícios que simplificam o contexto de forma que qualquer espectador possa entender e embarcar na arriscada missão. Desde que estreou nos EUA em outubro, vem conquistando elogios da crítica e tem se tornado um dos fortes candidatos ao Oscar.

Logo no início, somos apresentados a uma breve história do Irã, passando pela desavença causada pelo exílio do Xá e a revolta do povo xiita liderado pelo aiatolá Khomeini para invadir a embaixada americana no Teerã com o objetivo de levar o líder político a julgamento. Nesse cenário de caos e barbárie, seis funcionários da embaixada conseguem escapar a tempo e se refugiam na casa do embaixador canadense. Com a pressão política devastando o país, a CIA se vê obrigada a retirá-los do solo iraniano antes que haja uma tragédia e comprometa o diplomata canadense.

Os seis americanos na casa do embaixador canadense.

Incontáveis idéias surgem das cabeças do alto escalão, sendo uma delas conseguir documentos de professores estrangeiros. Nesse momento conturbado, surge o agente Tony Mendez (Ben Affleck), especializado em exfiltração. Numa noite, ao falar com o filho que mora com a mãe por telefone, ele assiste a um dos filmes da série O Planeta dos Macacos e dali nasce o plano mirabolante. Mendez precisa convencer as autoridades do aeroporto do Irã que seus seis refugiados são parte de uma equipe de filmagem canadense para o falso filme de ficção científica intitulado Argo, que teria vindo ao país para pesquisar locações para os cenários de desertos.

Como o agente desconhece o universo fílmico, é enviado para Los Angeles, mais precisamente em Hollywood, onde conhece o maquiador John Chambers (artista verídico, falecido em 2001), vivido por John Goodman, e o produtor fictício Lester Siegel (Alan Arkin). Nessa parte que Argo mais cresce, pois explora o paralelo entre a vida e a arte, e a CIA e Hollywood. Chambers e Siegel brilham na tela ao criticar Hollywood e seu mercenarismo. São deles os melhores diálogos do roteiro de Chris Terrio, jovem escritor nova-iorquino que deve ter inúmeras oportunidades depois do sucesso de Argo.

Quando a idéia vira realidade. Chambers (Goodman), Siegel (Arkin) e Mendez (Affleck) se reunem para discutir a “Opção Hollywood”

Como se tratava de uma operação altamente confidencial, pela mídia, os refugiados conseguiram escapar graças aos esforços do Canadá, que ganharam o crédito do salvamento das vidas. Só depois de 17 anos que o então presidente americano Bill Clinton tornou público todo o planejamento originado na CIA, em parceria com Hollywood, e o cabeça Tony Mendez, que ganhou dinheiro depois ao publicar um livro. Mas ao contrário do que muitos pensam, o roteiro de Chris Terrio nada tem a ver com o livro de Mendez, pois é baseado no artigo de Joshuah Bearman, publicado na revista Wired.

Outra fato que parece ter alguma influência ou ligação com Argo seria o exílio do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, na embaixada do Equador em Londres. O abrigo político de Assange, que se iniciou em junho deste ano, ainda continua sem solução. Infelizmente, com a popularidade do filme de Affleck, a estratégia de  sair disfarçado como membro de equipe de filmagem já está batida. Agora vai ter que ser bem mais criativo pra sair de lá…

Julian Assange, fundador do WikiLeaks, exilado na embaixada do Equador. Devido ao vazamento de informações confidenciais de alguns governos, muitos querem entregá-lo às autoridades…

… já outros querem a sua liberdade. O protesto homenageia a graphic novel de Alan Moore, V de Vingança, protagonizada pelo anti-herói anarquista V.

Em seu terceiro longa como diretor, Ben Affleck confirma maturidade com uma trama política, pela qual consegue extrair críticas a Hollywood, aos governos americano e iraniano e ainda entregar um filme tenso do começo ao fim. Com o roteiro altamente abrangedor, ele desvia das armadilhas e salta com leveza entre os gêneros do drama, comédia e suspense, resultando num filme coerente, que agrada a todos os públicos. Sem contar que enquanto cuida desses aspectos, ainda dirige a si mesmo de forma convincente. Affleck queria Brad Pitt para o papel de Tony Mendez, mas como ele estava bastante atarefado, acabou protagonizando.

Em se tratando de atuação, depois de sua aclamada estréia na direção com Medo da Verdade (Gone Baby Gone), Ben Affleck voltou a surpreender os críticos com o drama policial Atração Perigosa (The Town, 2010). Além dos elogios, os filmes renderam duas indicações ao Oscar: Melhor Atriz Coadjuvante para Amy Ryan por Medo da Verdade, e Melhor Ator Coadjuvante para Jeremy Renner por Atração Perigosa.

Mesmo que tenha convencido a todos de suas qualidades no quesito direção de atores, Ben Affleck ainda permanece uma grata surpresa, afinal, ele mesmo nunca se firmou como um dos bons. Na carreira de atuação, Affleck teve algumas performances razoáveis nos filmes de Kevin Smith (Barrados no Shopping, Procura-se Amy e Dogma), participou de alguns filmes em destaque como Shakespeare Apaixonado (1998) e chegou a ganhar o Volpi Cup de Melhor Ator no Festival de Veneza por Hollywoodland – Bastidores da Fama (2006) ao interpretar o ator que foi o Super-Homem na TV, George Reeves. Contudo, a carreira de ator para Affleck não deslanchava porque tentaram vendê-lo como galã nos filmes Armageddon (1998), Pearl Harbor (2001), na refilmagem do sucesso estrelado por Harrison Ford, A Soma de Todos os Medos (2002) e até como o herói da Marvel no fracasso Demolidor – O Homem Sem Medo (2003).

Ben Affleck ao lado de Matt Damon (a esquerda). Vencedores do Oscar de Melhor Roteiro Original por Gênio Indomável (1997).

Embora a estratégia tenha fracassado, especialmente no filme Contato de Risco (2003) quando Ben atingiu o fundo do poço ao lado da então namorada Jennifer Lopez, ele aprendeu bastante com bons diretores. Além do já citado Kevin Smith, Ben Affleck pôde observar de camarote o método de trabalho de Gus Van Sant (Gênio Indomável, pelo qual ganhou o Oscar de Roteiro Original com Matt Damon), Michael Bay (sim, aprendeu como não fazer filmes com Armageddon e Pearl Harbor), John Madden (Shakespeare Apaixonado) e com o falecido John Frankenheimer (sequências de ação e tensão em Jogo Duro). Dessa diversidade de projetos e estilos, Affleck foi criando seu próprio métodos de trabalho que acaba sintetizando muitas das qualidades que ele presenciou nos sets de filmagem, além das suas próprias referências pessoais.

Vale ressaltar que nesses três primeiros filmes, ele soube escolher minuciosamente seu elenco, tarefa nada fácil para um diretor novato. Aí entra também seu trabalho como ator, pois ao longo de sua experiência, pôde ver e conhecer melhor os atores com quem poderia trabalhar no futuro. Logo em seu primeiro projeto, conseguiu escalar Morgan Freeman. Já no segundo, convenceu os veteranos Pete Postlethwaite e Chris Cooper a embarcar na história de ladrões de banco de Atração Perigosa. Em Argo, a façanha se repete devido ao seu alto comprometimento profissional. Alan Arkin, John Goodman e Bryan Cranston fazem parte de um forte grupo que tem grandes chances de ganhar o prêmio de Melhor Elenco (Ensemble Cast in a Movie) do SAG Awards em 2013.

Ben Affleck dirige John Goodman (a esquerda). O jovem diretor vem confirmando seu talento para trabalhar com atores.

O sucesso de Ben Affleck na cadeira de diretor também possibilita novas parcerias por trás das câmeras. Além da diretora de arte Sharon Seymour, que trabalhou nas três produções, Affleck conseguiu colaborações importantes como a do compositor Harry Gregson-Williams e agora com Alexandre Desplat, o montador William Goldenberg (que trabalha frequentemente com Michael Mann), os produtores George Clooney e Grant Heslov para dar mais tranquilidade ao diretor, e apesar de não ter repetido, conseguiu três excelentes diretores de fotografia na ordem: John Toll, Robert Elswitt e Rodrigo Prieto.

Curiosamente, Argo, antes intitulado Escape from Tehran (Fuga de Teerã) estava previsto para ser dirigido por George Clooney e co-escrito por Grant Heslov em 2007 devido ao sucesso de crítica que foi Boa Noite e Boa Sorte (2005). Mas algumas complicações surgiram e o projeto ficou encalhado até 2011, quando Ben Affleck foi apadrinhado por Clooney e desenvolveu o filme com a Warner Bros.

A aposta deu certo. Argo estreou em primeiro lugar nos EUA e se manteve na mesma posição por mais quatro semanas, tendo faturado até o momento, mais de 76 milhões de dólares só em solo americano, fato que só favorece indicações ao Oscar, pois a Academia costuma premiar produções que tiveram pelo menos um sucesso razoável nas bilheterias.

Ainda na questão do Oscar, Alan Arkin e John Goodman podem se tornar indicados na categoria de Melhor Ator Coadjuvante. Infelizmente, seus papéis têm pouco tempo na tela, o que pode atrapalhar no favoritismo, mas certamente ambos roubam a cena por seu lado cômico que satiriza Hollywood. Arkin já venceu na mesma categoria em 2007 pela comédia independente Pequena Miss Sunshine e Goodman pode finalmente ter sua primeira indicação por interpretar uma figura importante como John Chambers, que ficou mundialmente conhecido por ter criado as próteses dos macacos de O Planeta dos Macacos e ter ganhado um Oscar Honorário de Maquiagem em 1969 (a categoria de Melhor Maquiagem foi criada apenas em 1981, quando Rick Baker venceu pelo primoroso trabalho em Um Lobisomem Americano em Londres).

John Chambers (a esquerda) ao lado de sua criação de O Planeta dos Macacos, que lhe renderia um Oscar Honorário de Maquiagem.

Além de Melhor Filme, Argo pode conseguir a primeira indicação para Melhor Diretor para coroar a maturidade de Ben Affleck que, a esse ponto, não passa mais desapercebido pela temporada de premiações. Também deve obter indicações nas categorias Melhor Roteiro Original (Chris Terrio), Melhor Fotografia (Rodrigo Prieto), Melhor Montagem (William Goldenberg) e Melhor Trilha Musical (Alexandre Desplat), podendo totalizar oito indicações. Sem contar as chances no Globo de Ouro, que acontece no dia 13 de janeiro.

Argo é um filme bem dirigido, atuado e com qualidades técnicas, especialmente o roteiro e a montagem. Mas para a avaliação ainda conto o fato do filme trazer questões políticas de volta ao cenário hollywoodiano. E não se trata de mais um filme político chato e quadrado, senão não estaria fazendo o sucesso comercial que vem fazendo. E vem num momento curioso em que o vídeo Inocência dos Muçulmanos, que causou enorme rebuliço no Oriente Médio, ainda estremece a delicada relação entre os EUA e o Irã.

AVALIAÇÃO: MUITO BOM

Primeira prévia do Oscar 2013: Melhor Filme

As cartas do Oscar 2013 já começam a se posicionar

Para alguns, talvez seja cedo demais para falar de favoritos ao Oscar 2013, afinal as indicações só saem no dia 15 de janeiro, duas semanas depois daquela ressaca descomunal de fim de ano. Mas com as previsões de estréia acertadas, muitos filmes já lançaram seus trailers e chamam a atenção por se encaixarem nas preferências da Academia.

Na maior parte dos casos, os diretores são os grandes responsáveis por elevar os filmes ao patamar de “material de Oscar”. Só de ouvir o nome de Steven Spielberg ou Peter Jackson, muitos especialistas no assunto já os colocam na corrida antes mesmo de verem seus filmes. Em 2013, além de ambos poderem puxar várias indicações com suas mega-produções Lincoln e O Hobbit – Uma Jornada Inesperada, podem ser concorrentes na categoria de Melhor Diretor, ao lado de outros nomes consagrados como Paul Thomas Anderson, Ang Lee e Quentin Tarantino. À primeira vista, a safra de produções parece bem promissora, e como o número de indicados a Melhor Filme expandiu desde 2010, a Academia tem ótimas condições de agradar os cinéfilos ao reconhecê-los.

A lista de filmes de 2012 poderia ser ainda maior, mas a Warner Bros. resolveu adiar dois fortes candidatos para o ano seguinte: a adaptação do romance de F. Scott Fitzgerald, O Grande Gatsby, de Baz Luhrmann, e Caça aos Gângsteres, de Ruben Fleischer. No primeiro caso, os chefões do estúdio acharam que o novo filme de Luhrmann, que conta com o trio Leonardo Di Caprio, Carey Mulligan e Tobey Maguire, tinha potencial maior para atingir o público juvenil do verão americano (que ocorre a partir de maio), então pretendem aguardar para arrecadar mais nas bilheterias. Já o segundo, apresentava uma sequência em que quatro gângsteres abrem fogo dentro de uma sala de cinema, remetendo ao recente massacre no cinema de Colorado durante sessão de estréia de Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge. https://cinemaoscareafins.wordpress.com/2012/07/21/12-mortos-em-sessao-de-batman-o-cavaleiro-das-trevas-ressurge/Resultado: o trailer foi retirado do ar, o lançamento foi reagendado para 2013 e o filme teve de ser reescrito para eliminar a sequência agora perturbadora.

Banner de Caça aos Gângsteres com a data original de lançamento. Fica para 2013.

Apesar dessas baixas, o Oscar 2013 promete. Temos também a aguardada adaptação musical do clássico literário de Victor Hugo, Les Miserables (Os Miseráveis), dirigido por Tom Hooper (vencedor do Oscar por O Discurso do Rei); o novo filme de época de Joe Wright (Desejo e Reparação) trazendo novamente o romance de Leo Tolstoy, Anna Karenina, estrelado por Keira Knightley (pra variar); e a polêmica caça ao Bin Laden trazida às telas por Kathryn Bigelow (vencedora do Oscar por Guerra ao Terror) em Zero Dark Thirty.

Seguem alguns fortes candidatos para Melhor Filme no Oscar 2013 (em ordem alfabética):

ANNA KARENINA

Dir: Joe Wright

Anna Karenina: Esse casaco diz “Quero um Oscar de Figurino”

A Academia adora filmes de época. E vale lembrar que Direção de Arte e Figurino são dois prêmios que esses filmes costumam abocanhar na cerimônia. Sarah Greenwood e Jacqueline Durran, responsáveis por esses departamentos respectivamente, têm 90% de chance de serem indicadas. Embora o diretor Joe Wright não tenha sido reconhecido, seu filme Desejo e Reparação (2007) foi indicado a 7 Oscars, incluindo Melhor Filme. Suas chances este ano aumentam por contar com o grande dramaturgo e roteirista Tom Stoppard, oscarizado por Shakespeare Apaixonado (1998) e seu elenco, que tem nomes em alta como Keira Knightley, Jude Law, Olivia Williams, Emily Watson e Kelly Macdonald.

Apesar da obra de Leo Tolstoy, Anna Karenina, já ter sido adaptada várias vezes para o cinema, nunca chegou ao Oscar com força. Talvez esta seja uma oportunidade de ouro (com o perdão do trocadilho), mas devo ressaltar que na categoria de atuação, se Greta Garbo e Vivien Leigh, que já deram vida à protagonista não foram sequer indicadas, quais as chances de Knightley? Particularmente, gostaria de ver Olivia Williams indicada, pois já merecia pela ótima performance em O Escritor Fantasma (2010). Além desse trabalho, ela tem outro trabalho chamativo este ano: Hyde Park on Hudson, no qual interpreta Eleanor Roosevelt.

ARGO (Argo)

Di: Ben Affleck

Argo: Ben Affleck trabalha em cena de atores

Quem diria que Ben Affleck, aquele ator abaixo da média que protagonizou aquela bomba chamada Contato de Risco (2003) com Jennifer Lopez, iria se tornar um bom diretor? Já calou a boca de muita gente ao dirigir dois bons dramas: Medo da Verdade (Gone Baby Gone, 2007) e Atração Perigosa (The Town, 2010). Felizmente, assim como Clint Eastwood e Robert Redford (atores que se tornaram diretores), ele aprendeu o ofício com bons profissionais do ramo: Gus van Sant, Kevin Smith e John Frankenheimer. Depois de seu sucesso, Affleck recebeu várias propostas para comandar projetos de estúdio, mas recusou todas e isso tem se tornado sua maior virtude: focar em projetos de qualidade. Desta vez, optou em contar uma história mais política, sobre o resgate de refugiados americanos no Irã.

Como Affleck já dirigiu duas performances indicadas ao Oscar (Amy Ryan e Jeremy Renner), escalar um bom elenco não tem sido nenhuma dificuldade. Para Argo, ele reuniu uma trupe talentosa: Bryan Cranston (da série de TV Breaking Bad), John Goodman, o vencedor do Oscar Alan Arkin e Kyle Chandler, podendo resultar em novas indicações. E por trás das câmeras, mais nomes conhecidos pela Academia, começando por George Clooney como produtor, o compositor Alexandre Desplat (já indicado 4 vezes), o fotógrafo Rodrigo Prieto (uma indicação), o montador William Goldenberg (2 indicações) e até a figurinista Jacqueline West (2 indicações). Continuando nesse caminho, uma indicação para Melhor Diretor para Ben Affleck seria mera questão de tempo.

AS AVENTURAS DE PI (The Life of Pi)

Dir: Ang Lee

As Aventuras de Pi: Fantasia baseada em best-seller que conta com a credibilidade de Ang Lee

Depois de conquistar seu Oscar de Melhor Diretor por O Segredo de Brokeback Mountain, o taiwanês Ang Lee dirigiu 2 filmes: Desejo e Perigo (2007), um ótimo romance na China da 2ª Guerra Mundial, que arrebatou o Leão de Ouro em Veneza, e Aconteceu em Woodstock (2009), um drama mais modesto que chegou a ser indicado à Palma de Ouro. O que fazer quando um cineasta atinge seu ápice? Aposta em projetos mais pessoais. Ang Lee se identificou com a obra de Yann Martel, sobre um rapaz indiano, Pi, que sobrevive a um naufrágio e divide um bote com animais selvagens: uma hiena, um orangotango, uma zebra e um tigre de bengala.

Como se trata de uma fantasia, suas chances em categorias técnicas são boas, principalmente em Fotografia (Claudio Miranda, diretor de fotografia de O Curioso Caso de Benjamin Button), Direção de Arte (David Gropman, de As Regras da Vida), Montagem (Tim Squyres, de O Tigre e o Dragão) e dá pra incluir também Roteiro Adaptado (David Magee, de Em Busca da Terra do Nunca), além, claro, de uma nova indicação a Ang Lee, que seria sua terceira como Melhor Diretor. Resta saber se o filme receberá impulso das bilheterias.

BATMAN – O CAVALEIRO DAS TREVAS RESSURGE (The Dark Knight Rises)

Dir: Christopher Nolan

Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge: bilheteria astronômica, mas não garante destaque no Oscar

Eu, Winston, não indicaria Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge para Melhor Filme do Oscar. MAS, como a segunda parte da trilogia, Batman – O Cavaleiro das Trevas (2008) foi o grande responsável pelo aumento de número dos indicados na categoria, não duvido nada a Academia premiar (leia-se compensar) este novo filme de Christopher Nolan. Pra quem não se recorda, em 2009, apesar de ter o total de 8 indicações, o filme ficou de fora nas principais categorias: Melhor Diretor e Melhor Filme, fato que muitos atribuem a culpa ao filme sobre nazismo (sempre ele) O Leitor, de Stephen Daldry.

Embora essa legislação do Oscar tenha mudado por motivos comerciais, a ausência do filme de Nolan na época repercutiu muito mal e fez com que a Academia temesse uma drástica redução na audiência da cerimônia. Tentaram remediar com a vitória póstuma de Heath Ledger como ator coadjuvante, mas essa ferida ainda ecoa entre os fãs do herói e dos filmes. Este já seria um motivo para que esta terceira parte figurasse entre os indicados a Melhor Filme, mas e como o Oscar se posicionaria em relação àquela sessão de Colorado, que culminou na morte de 12 espectadores?

Indicar o filme como homenagem também ou isso seria um desrespeito? Na teoria, Batman não tem nada a ver com o incidente. Aliás, até o ator Christian Bale foi lá visitar os sobreviventes no hospital. Mas na prática, essa paranóia pode influenciar nos resultados.

Ademais, Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge tem todas as condições para conquistar vagas em categorias mais técnicas como fotografia, direção de arte, montagem, som, efeitos sonoros e efeitos visuais. Christopher Nolan pode concorrer como Diretor e Roteiro adaptado, mas acho pouco provável pela repercussão das críticas.

INDOMÁVEL SONHADORA (Beasts of the Southern Wild)

Dir: Benh Zeitlin

Beasts of the Southern Wild: Apesar de azarão, tem chances com a fotografia e atriz-mirim Quvenzhané Wallis de apenas 6 aninhos

A pequena produção americana com orçamento estimado em 1 milhão e 800 mil dólares começou sua jornada de reconhecimento no último Festival de Sundance, onde conquistou o Grande Prêmio do Júri – Drama e o prêmio de Fotografia, e em seguida no Festival de Cannes, de onde saiu com os prêmios Un Certain Regard e Golden Camera, que prestigiam uma visão ímpar e a qualidade técnica de um filme, respectivamente.

Agora, comprado pela Fox Searchlight por míseros US$ 2 milhões, deverá ser distribuído pelos EUA com o devido lobby por indicações ao Oscar. Apesar de Quvenzhané Wallis ter apenas 6 anos, a Academia adora indicar novos prodígios como os recentes casos de Abigail Breslin (Pequena Miss Sunshine), Keisha Castle-Hughes (A Encantadora de Baleias) e Haley Joel Osment (O Sexto Sentido).

Também conta a favor da trama ser uma mistura de realidade dura com fantasia. Em 2010, essa mesma ambientação saiu premiada com o Oscar de Roteiro Adaptado e Atriz Coadjuvante para Mo’Nique em Preciosa – Uma História de Esperança. O feito poderia se repetir em 2013.

DJANGO LIVRE (Django Unchained)

Dir: Quentin Tarantino

Django Livre: O escravo contra o mestre. Tarantino promete um western inovador.

Tarantino já ganhou o Oscar de roteiro original em 1995 por Pulp Fiction – Tempo de Violência, mas de lá pra cá, já se aventurou em produções que não têm a cara da Academia: os dois volumes de Kill Bill e À Prova de Morte. Em 2010, seu Bastardos Inglórios foi um forte candidato e levou o Oscar de coadjuvante para a majestosa performance de Christoph Waltz.
Agora, com o western Django Livre, estrelado por Jamie Foxx, Christoph Waltz e Leonardo Di Caprio, Tarantino terá uma nova oportunidade de levar outro Oscar e mostrar que é fã nº1 do western spaghetti Três Homens em Conflito (The Good, The Bad and the Ugly, 1966), de Sergio Leone.

Como se trata de um filme ambientado no velho oeste, tem boas chances nas categorias de Direção de Arte (J. Michael Riva), Figurino (Sharen Davis), Fotografia (Robert Richardson), Som, Roteiro Original e Montagem (o assistente de edição Fred Raskin assumiu o cargo depois que a colaboradora de longa data Sally Menke faleceu em 2010). O burburinho do Oscar também atinge os atores. Jamie Foxx, que já ganhou Melhor Ator por Ray, e Leonardo Di Caprio, já indicado 3 vezes, são possíveis nomes para Ator e Ator Coadjuvante, respectivamente.

Se Tarantino não inseriu elementos pop demais em Django Livre, a Academia pode alavancar ainda mais sua bilheteria com indicações, mas o cinema praticado pelo diretor ainda sofre preconceitos por boa parte dos votantes judeus, mesmo que os tenha “defendido” na versão heróica da 2ª Guerra Mundial em Bastardos Inglórios.

O HOBBIT – UMA JORNADA INESPERADA (The Hobbit: An Unexpected Journey)

Dir: Peter Jackson

O Hobbit: Deu lucro? Volta pra Middle Earth.

Não sou fã da trilogia do Senhor dos Anéis, especialmente o último filme que tem 11 finais, mas seria ignorância da minha parte se não reconhecesse todo o trabalho de Peter Jackson para adaptar J.R.R. Tolkien para o cinema. Jackson elevou o gênero da fantasia a um novo patamar, uma vez que muitos consideravam os livros obras “infilmáveis”. Com o estrondoso sucesso de crítica e público, era apenas questão de tempo para o livro que antecedeu a trilogia, O Hobbit, passasse a ser cogitado como futuro projeto de Peter Jackson. Mas acabou parando nas mãos de outro talentoso diretor de fantasias: Guillermo del Toro.

À princípio, achei que ele não queria mais ver elfos e hobbits pela frente, porém foi uma cirurgia de úlcera que acabou tirando-o da cadeira de diretor. Guillermo, famoso diretor dos filmes de Hellboy e do premiado O Labirinto do Fauno, assumiu o projeto e respirou J.R.R. Tolkien por 2 anos e não aguentou a pressão dos estúdios e prazos de filmagem e lançamento. Sinceramente, achava que del Toro iria conseguir finalizar o filme, mas se você é daquelas pessoas que assiste aos making ofs nos DVDs e blu-rays, sabe que diretor de grandes produções sofre bastante. Entra feliz e animado e sai com expressão de cansaço total e cabelos brancos. Além disso, Guillermo tinha uma sombra muito forte por trás: o próprio Peter Jackson.

Incontáveis fãs nerds que frequentam as conferências de San Diego pediam a cabeça de Guillermo del Toro. Resultado: a voz do consumidor é a voz de Deus! Peter Jackson voltou! Bilionário, com um estômago bem menor, com corpinho mais esbelto e com 3 estatuetas do Oscar em casa. O estúdio ficou tão feliz com seu retorno à série que resolveram comemorar transformando O Hobbit em uma trilogia. Por que lucrar uma vez se você pode lucrar 3 vezes mais? Então aí está: aguente mais 3 anos de hobbits, elfos, gollums, finais melosos e incontáveis indicações ao Oscar.

INSIDE LLWELYN DAVIS

Dir: Ethan Coen e Joel Coen

Inside Llewlyn Davis: Ainda sem fotos do filme, vemos os irmãos Coen no set de filmagem que conta com Carey Mulligan nos anos 60.

Depois que os irmãos Coen ganharam o Oscar de Melhor Filme, Direção e Roteiro Adaptado pelo ótimo Onde os Fracos Não têm Vez em 2008, qualquer filme deles automaticamente se torna um forte candidato ao Oscar. Como cinéfilo e fã da filmografia bem criativa dos irmãos, considero esse reconhecimento tardio mas justo. Até um filme despretensioso como Um Homem Sério (2009) se mostrou uma ótima comédia que foi indicada a Melhor Roteiro Original e Melhor Filme, sem contar as 10 indicações que a refilmagem de Bravura Indômita conseguiu em 2011. Neste Inside Llewlyn Davis, os diretores contam com duas armas para repetir o triunfo no Oscar: filme que se passa nos anos 60, e Carey Mulligan.

Se a jovem atriz britânica não pode mais contar com O Grande Gatsby, ela pode conseguir sua segunda indicação com esta performance. Só esperamos que Justin Timberlake, que contracena com ela, não a atrapalhe. Aliás, será que os Coen conseguem realizar um milagre e fazer Timberlake atuar decentemente? Só isso já merece um Oscar, não?

Além de Mulligan e os irmãos Coen, o filme conta com o produtor Scott Rudin, que desde 2003, já foi indicado 5 vezes ao Oscar (vencendo justamente com o filme dos Coen), e o reconhecido diretor de fotografia Bruno Delbonnel, responsável pelo visual fantástico de O Fabuloso Destino de Amélie Poulain (2001).

LES MISÉRABLES

Dir: Tom Hooper

Les Miserables: musical com Hugh Jackman.

Parece que depois de Moulin Rouge – Amor em Vermelho (2001), Chicago (2002) e Mamma Mia! (2008), o gênero musical tem voltado ao cenário de Hollywood. E agora, ele volta com pedigree literário. O clássico Les Miserábles de Victor Hugo foi adaptado pelo roteirista indicado ao Oscar de Gladiador, William Nicholson, e regido por Tom Hooper, mais conhecido por seu sucesso O Discurso do Rei.

Apesar de bem comentado e com altas expectativas, devemos considerar que Tom Hooper não tem experiência com musicais. É claro que pode ser um dos filmes mais premiados da temporada, mas pode amargurar no esquecimento devido ao risco. Por outro lado, se depender do elenco, o filme pode alavancar algumas indicações ao Oscar: Hugh Jackman, Russell Crowe e Anne Hathaway protagonizam a adaptação e são boas apostas, especialmente Jackman e Hathaway, pois ambos têm talento musical comprovados (sim, eu sei que Russell Crowe tem uma bandinha…), e já têm uma história de cantar juntos na cerimônia do Oscar. Também existe uma história de que Anne Hathaway cantou I Dreamed a Dream no teste de atores e fez todos chorarem.

Musicais são como boa publicidade. É muito fácil fazer uma mediocridade, mas quando se acerta o tom, podem surgir obras-primas como Cantando na Chuva. Vamos esperar que Tom Hooper acerte em cheio.

MOONRISE KINGDOM (Moonrise Kingdom)

Dir: Wes Anderson

Moonrise Kingdom: Atores já valem o ingresso

Os filmes de Wes Anderson estão um pouco longe de ser uma unanimidade entre os votantes da Academia, pois… digamos que ele tem um humor bastante peculiar. Três é Demais (1998), Os Excêntricos Tenenbauns (2001), A Vida Aquática de Steve Zissou (2004) e Viagem a Darjeeling (2007) são obras singulares, mas a Academia não estava preparada para recebê-las, ainda mais se lembrarmos que comédia nunca foi um gênero forte na premiação. Contudo, o cineasta começa a atingir maturidade e seu nome a se associar aos melhores filmes do ano. Já foi indicado ao Oscar duas vezes: pelo Roteiro Original de Os Excêntricos Tenenbauns e pela ótima animação O Fantástico Sr. Raposo (2009).

Com este novo trabalho, Moonrise Kingdom, ele volta a reunir seus colaboradores habituais Bill Murray e Jason Schwartzman, reunindo mais atores consagrados como Tilda Swinton, Frances McDormand, Edward Norton e Bruce Willis, o que sempre aumenta a atenção dos críticos. O filme fala sobre a paixão de um escoteiro por uma garota, e quando decidem fugir juntos, a cidade inteira se mobiliza para procurá-los. Embora seja uma aposta incerta para o Oscar, tem chances em algumas categorias como Roteiro Original, Trilha Musical (Alexandre Desplat), Figurino, Montagem (Andrew Weisblum) e talvez alguma de atuação.

LINCOLN

Dir: Steven Spielberg

Lincoln: pôster simples, mas que já tem cara de Oscar

Steven Spielberg. Daniel Day-Lewis. Filme sobre presidente. Desses 3 elementos, já podemos tirar uns Oscars da cartola. Lincoln tem tudo para ser um daqueles candidatos recordistas em indicações: Filme, Diretor, Ator, Ator Coadjuvante (que tem vários possíveis nomes como Tommy Lee Jones, Jackie Earle Haley, David Strathairn, John Hawkes, Hal Holbrook), Atriz Coadjuvante (Sally Field), Roteiro Adaptado, Fotografia, Trilha Musical, Montagem, Direção de Arte, Figurino, Som e Maquiagem. Total de 13, tá bom pra você, Spielberg? Depois de sair com as mãos abanando com seu Cavalo de Guerra, a Academia pode se sentir na obrigação de compensá-lo, a menos que o filme seja uma draga… Isso sem contar se não tiver uma canção original na manga. No papel, o status do filme é de vencedor de Melhor Filme, mas como todos os especialistas dizem: o Oscar é imprevisível.

Fui assistir a Cavalo de Guerra com um pé atrás, porque achava que o diretor andava meio enferrujado, e todo aquele episódio de retocar o filme E.T. o Extraterrestre (1982) ainda não me caiu bem. Mas Spielberg não desaprendeu a fazer cinema e com o filme, comprovou que ainda manda bem na catarse. E Lincoln tem todos os ingredientes épicos para fazer os votantes da Academia chorarem nos créditos finais, afinal, o presidente, considerado um dos heróis da nação, foi assassinado friamente, como outro político querido: Kennedy.

Recentemente, escrevi um post sobre os atores dirigidos por Spielberg e o fato curioso de que nenhum deles ganhou o Oscar. Agora, o diretor tem Daniel Day-Lewis em seu filme, um dos melhores profissionais de sua geração, assumindo um papel almejado por incontáveis atores de Hollywood. Lincoln seria a melhor chance do diretor depois de A Lista de Schindler. Será que é desta vez, Spielberg?

THE MASTER

Direção: Paul Thomas Anderson

The Master: Amy Adams (à esq) e Philip Seymour Hoffman (centro) são apostas certeiras com Joaquin Phoenix.

Apesar de Paul Thomas Anderson ter um gosto meio alternativo, seus filmes costumam levar algumas indicações. Foi assim com Boogie Nights – Prazer Sem Limites, Magnólia e Sangue Negro; todos receberam indicações de atuação e Daniel Day-Lewis ganhou seu segundo Oscar pelo último. A única exceção foi Embriagado de Amor, que passou desapercebido pela premiação, porque Adam Sandler não é bem uma unanimidade entre os críticos (particularmente, acho seu melhor trabalho como ator).

The Master se destaca por se tratar de um filme sobre os primórdios da cientologia. Sim, aquela polêmica religião criada pelo autor de ficção científica L. Ron Hubbard, que tem adeptos ilustres como Tom Cruise e John Travolta. Para contar essa interessante história, Anderson convocou um nome igualmente polêmico: Joaquin Phoenix, que parece ter perdido uns parafusos quando anunciou na TV, todo barbudo e de óculos escuros, a aposentadoria da carreira de ator. Juntamente com Philip Seymour Hoffman (Oscar de Ator por Capote) e Amy Adams (3 indicações), forma uma trinca poderosa na corrida ao Oscar. O favoritismo de Phoenix e Hoffman cresceu ainda mais depois que receberam o prêmio Volpi Cup no Festival de Veneza, de onde o diretor também saiu laureado com o Leão de Prata.

A produção também tem boas chances em Melhor Roteiro Original (o próprio Paul Thomas Anderson), Trilha Musical (Jonny Greenwood), Direção de Arte (Jack Fisk e David Crank), Figurino (Mark Bridges, ganhador do Oscar este ano com O Artista)e Montagem. Talvez seja o único capaz de bater Spielberg e Peter Jackson.

SILVER LININGS PLAYBOOK

Direção: David O. Russell

Silver Linings Playbook, de David O. Russell

David O. Russell era considerado um diretor alternativo, assim como Wes Anderson. Mas com o amadurecimento de seus trabalhos, Russell conseguiu destaque e indicações para seu filme O Vencedor (The Fighter, 2010). Não apenas obteve sua primeira indicação ao Oscar como Melhor Diretor, mas seus atores coadjuvantes, Christian Bale e Melissa Leo, saíram premiados daquela cerimônia. Agora, com este Silver Linings Playbook, ele volta a chamar a atenção, mas não somente dos críticos, mas do público, pois ganhou o People’s Choice Awards no último Festival de Toronto, reconhecimento também dado ao vencedor do Oscar O Discurso do Rei.

Baseado no romance de Matthew Quick, o filme acompanha o retorno de Pat Solitano (Bradley Cooper) à casa dos pais depois de ficar internado oito meses numa instituição mental. Ele busca reconstruir sua vida e reconciliação com a ex-mulher que o traiu. No caminho, ele conhece uma jovem chamada Tiffany (Jennifer Lawrence) que se oferece para ajudá-lo em troca de um favor importante para ela. Trata-se de uma história bastante simples, mas pelos comentários e críticas que ouvi, também apresenta elementos bastante humanos que, com a ajuda dos atores em forma, conquistaram o público por onde passou.

Tem se tornado a produção que mais cresceu nessa fase da corrida para o Oscar 2013, ao lado do filme de Ben Affleck, Argo. Além disso, tem boas chances de emplacar indicações para os quatro atores: Bradley Cooper (sim, aparentemente ele é mais do que um candidato a galã de Se Beber, Não Case!), Jennifer Lawrence (a Academia não perderia a oportunidade de ouro de indicá-la como Melhor Atriz com o sucesso de Jogos Vorazes), Jacki Weaver (seria sua segunda indicação depois de Reino Animal) e Robert De Niro (com seu retorno trinufal depois de 20 anos sem indicações ao Oscar).

Claro que o diretor David O. Russell deve voltar a concorrer como Melhor Diretor, mas como a competição está bem acirrada, talvez ele seja “compensado” com o prêmio de Melhor Roteiro Adaptado.

ZERO DARK THIRTY

Direção: Kathryn Bigelow

Zero Dark Thirty: Parece uma imagem da trilogia Bourne, mas ao invés de caçarem o agente, estão atrás de Bin Laden

Depois que Kathryn Bigelow se consagrou com a primeira mulher a ganhar o Oscar de Melhor Diretor, ela teve muitas propostas. Acabou repetindo sua parceria com o roteirista Mark Boal do mesmo Guerra ao Terror (2008) e deram vida ao filme que trata da caça ao líder terrrorista do Al-Qaeda, Osama Bin Laden. A produção já vinha sendo bastante comentada porque recebeu com exclusividade acesso aos arquivos da operação de captura da CIA. Recentemente, os noticiários da TV anunciaram que a estréia do filme foi adiada para depois das eleições presidenciais em novembro por causa de protestos de republicanos, que temem queda nas intenções de voto de Mitt Romney.

Importância história o filme já tem. A fama já o precede. Mas e o filme? Tem toda essa chance no Oscar como teve Guerra ao Terror? Diretor, Roteiro Original, Montagem, Som e Efeitos Sonoros são possibilidades reais, assim, por que não Melhor Filme também? Não deve sair tão vitorioso por se tratar de um filme polêmico desde seu nascimento, mas deve figurar entre os indicados.

——

Claro que a lista pode mudar nos próximos meses até o dia 10 de janeiro, quando as indicações ao Oscar serão anunciadas ao vivo. Existem algumas produções que ainda tem uma porcentagem pequena de figurarem entre os possíveis dez indicados a Melhor Filme. Lembrando que nessa categoria, podem haver de 5 a 10 filmes indicados, dependendo da votação de cada um. Eis alguns filmes que podem ganhar algum fôlego na reta final e um ou outro motivo de não estar na lista definitiva:

Amour, de Michael Haneke. O filme levou a Palma de Ouro em Cannes e tem boas chances de ver seus atores centrais indicados, mas o fato de ser falado em francês deve direcionar suas chances para a categoria de Melhor Filme Estrangeiro, uma vez que é o representante da Áustria.

O Exótico Hotel Marigold, de John Madden. Através da força de seu elenco experiente encabeçado por Judi Dench, este simpático drama senil passado na Índia pode ganhar força entre os votantes mais velhos, ainda mais se suas atrizes foram indicadas. Mas o filme tem cara de que não deve passar da lista de indicados a Melhor Filme – Comédia ou Musical no Globo de Ouro.

O Impossível, de Juan Antonio Bayona. Apesar do lado trágico que pode levar os espectadores às lágrimas, este drama familiar tem sua forte base apoiada nos atores. Naomi Watts tem grandes chances de sua segunda indicação, e Ewan McGregor pode surpreender. Mas como filme, não tem chamado tanta atenção.

The Sessions, de Ben Lewin. Este drama independente também está aqui por causa dos atores, especialmente o protagonista John Hawkes. A história do paciente diagnosticado com pouco tempo de vida e quer perder a virgindade antes de morrer só é comprada por causa de Hawkes. Claro que o elenco também conta com Helen Hunt e William H. Macy, que podem dar uma forcinha no número de indicações.

007 – Operação Skyfall, de Sam Mendes. Eu sei. Como a Academia vai indicar um filme de James Bond? Embora eu seja fã, concordo que esta não seria uma categoria mais propícia ao 23º filme da franquia, mas com os recordes de bilheteria, as críticas positivas, a equipe oscarizada chefiada pelo diretor Sam Mendes e o fato de Bond comemorar 50 anos este ano podem colaborar para a primeira inclusão de um filme de Bond como Melhor Filme. Só para matar sua curiosidade, a franquia de 007 já foi premiada com dois Oscars: Em 1965 pelo Efeitos Sonoros de 007 Contra Goldfinger, e em 1966, pelos Efeitos Visuais de 007 Contra a Chantagem Atômica.